Corrupção



MPF aciona Ministro de Dilma e Graça por manipulação de preços na Petrobrás

O então Ministro da Fazenda de Dilma, Guido Mantega, mais a ex-presidente da Petrobrás Graça Foster e nove ex-conselheiros da estatal estão sendo acionados (Ação Civil Pública) pelo Ministério Público Federal (MPF) por improbidade administrativa sob a acusação de terem, em conluio, atuado para manipular preços na Petrobrás visando auxiliar na reeleição da ex-presidente Dilma, trazendo perdas para a Petrobrás estimadas em mais de R$ 29 bilhões.

Agora dá para entender porque os preços dos combustíveis estão nas alturas? É para recuperar, às nossas custas, o rombo bilionário que a ex-presidente Dilma e a sua turma causou na estatal.

Além de espoliarem a estatal, agentes ministeriais do governo petista usaram de todas as artimanhas para ajudar no projeto de poder do PT, que, segundo se sabe, era para manter o partido no poder por ao menos 40 anos.

Vejam a seguir nota sobre o assunto veiculada na revista Isto É Dinheiro desta semana:

 

 

Comente aqui


Abraço de condenados

De Lula, em sua caravana pelo Rio, para a ex-presidente da Argentina, que teve a prisão decretada ontem:

“Expresso minha solidariedade com a presidenta Cristina Kirchner e seus colaboradores, que tanto fizeram pelo povo argentino e a integração sul-americana.” (Antagonista)

**OBS do Blog – Realmente, há quem ache que “bandido bom é bandido solto”.

1 Comentário


Gilmar Mendes mandou soltar mais uma vez o “rei do ônibus”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes decidiu soltar, mais uma vez, o empresário Jacob Barata Filho, conhecido como o “rei dos ônibus” no Rio de Janeiro (RJ). É a terceira vez que o ministro revoga a prisão de Barata. O executivo estava em prisão preventiva após decreto do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).

Barata Filho havia sido preso em julho durante a Operação Ponto Final, desdobramento da Lava-Jato que apurou esquema de pagamento de propina a políticos e fraudes em contratos do governo fluminense – à época comandado por Sérgio Cabral (PMDB) – com empresas de transporte público.

Gilmar libertou o empresário em agosto, impondo-lhe medidas cautelares alternativas, como o recolhimento domiciliar noturno e em fins de semana e feriados. O executivo, no entanto, voltou a ser preso no mesmo mês e Gilmar voltou a liberá-lo. Um mês depois, a Segunda Turma do STF confirmou a decisão do ministro, relator do caso na Corte. (Valor Econômico).

** OBS do Blog – Mas como o Ministro Gilmar Mendes vem mandando soltar acusados de corrupção no STF!? Quanta coincidência.

Comente aqui


Será que quando prenderem ela se tocará?

Esta saiu na revista Veja, que ultimamente anda bem “vermelha”, mas mesmo assim deu seu “pitoco”  (pitoco mesmo) na narizinho.

“Gleisi Hoffmann deveria estar inventando álibis para escapar da cadeia, que ficou mais próxima com a denúncia feita pela procurada geral da República Raquel Dodge. A presidente do PT tem de explicar a história muito mal contada dos quatro milhões e meio de reais que embolsou. Em vez disso, Gleisi se dedica, no momento, a provar que a crise parida por Lula e ampliada por Dilma foi obra do vice Michel Temer. O atual presidente seria o responsável pela farra dos gastos públicos, pelos 13 milhões de desempregados e até pelas delinquências cometidas por Lula e pelo poste que fabricou. Ao contrário do que pensam os líderes da seita petista, os brasileiros já não aceitam ser tratados como um bando de idiotas. A eleição municipal de 2016 foi um aviso que eles não entenderam. Só vão acordar depois do fiasco marcado para outubro de 2018.“

Comente aqui


‘Compliance’ nas corporações

Os escândalos de corrupção envolvendo corporações na Lava Jato e os escândalos que abalaram o mercado internacional envolvendo a Volkswagem e a Mitsubishi, demonstram o quanto é necessário a adesão das corporações/empresas às políticas de ‘compliance’ e de conformidade das suas ações e de seus agentes com regras éticas e de posturas limpas e claramente dispostas nas relações de mercado.

Vivemos tempos em que as novas relações profissionais e de mercado excluirão do mundo dos negócios contrapartes que não adotem políticas claras de conformidade ética, moral e de lealdade ampla concorrencial.

Comente aqui
 

Quando o cargo público é utilizado para corromper ou ser corrompido

A atribuição criminosa feita pelo MPF à Lula e a Gilberto de Carvalho, não tem por base a reedição da referida MP por si só, mas no alegado fato de que o ex-presidente e seu ex-ministro receberam em troca, por sua reedição, R$ 6 milhões de reais.

 

De tudo o que se viu até agora como resultado das investigações realizadas pela Operação Lava-Jato e demais forças-tarefas da Polícia Federal que investigam o sistema corruptivo no país, o que mais tem se contatado é a utilização, por agentes públicos, de cargos públicos para se obter dividendos financeiros irregulares, resultantes de corrupção ativa ou passiva.

Situações em que o criminoso se reveste do cargo público para desviar recursos públicos ou para receber favores financeiros em troca da prática de atos que fazem parte das suas atribuições legais enquanto agente público.

Justamente neste infeliz contexto é que um sem numero de agentes políticos de diversas colorações partidárias vêm sendo pegos, com a “boca na botija”.

O PT que no passado remoto já foi sinônimo de honrarez e alternativa de mudança para o país, se constituiu justamente o “grande maestro” na orquestração e “aprimoramento” do sistema corruptivo, que não é recente no país, mas teve os seus métodos amplificados e “modernizados”. Em outras palavras, quem estava na cabeça do exercício do Poder (PT) e a quem cabia coibir o crime organizado na política nacional, acabou por se constituir no seu maior artífice, e por isso é naturalmente mais cobrado pela sociedade por todo o seu histórico de perspectiva de mudanças e por comandar os poderes (executivo e legislativo) nacionais com amplas possibilidades de moralização da política da nação.

Neste rastro o Ministério Público Federal (MPF) denunciou esta semana o ex-presidente Lula e seu ex-ministro Gilberto de Carvalho, mais uma vez sob a acusação de se valer do cargo de presidente para obter dividendos financeiros, agora com a reedição da Medida Provisória n.º 471 que beneficiava o setor automobilístico com a extensão de incentivos fiscais direcionados a montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste  (veja aqui).

A atribuição criminosa feita pelo MPF à Lula e a Gilberto de Carvalho, não não tem por base a reedição da referida MP por si só , mas no alegado fato de que o ex-presidente e seu ex-ministro receberam em troca, por sua reedição, R$ 6 milhões de reais.

No bom português, isto se chama CORRUPÇÃO!

Pobre do país com gente deste naipe pretendendo voltar ao Poder Central. SQN.

3 Comentários


O Brasil “destaque” em corrupção

O “escândalo” de corrupção no Brasil revela como a corrupção está profundamente enraizada em “todos os níveis de governo”. O alerta é do alto comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, que, em um discurso nesta segunda-feira, aponta como o desvio de recursos públicos ameaça a democracia.

O Brasil foi um dos 40 países citados por Zeid ao abrir os trabalhos do Conselho de Direitos Humanos da ONU por conta de diversas violações. A menção ao Brasil foi feita explicitamente no contexto da corrupção e seus impactos.

“A corrupção viola o direito de Continue lendo

1 Comentário


Após Palocci PT e aliados já discutem eleições sem Lula

Terra de ninguém Sob impacto do depoimento de Antonio Palocci, dirigentes de siglas que são aliadas históricas do PT decidiram iniciar, ainda em reserva, discussões sobre o rumo que tomarão em 2018. Eles não veem chances de o ex-presidente Lula ser candidato à Presidência e argumentam que não há substituto — nem mesmo um nome ungido pelo petista — que consiga unificar a esquerda. A ordem agora é pensar no próprio plano B. Sem Lula no páreo, argumentam, todos largam do mesmo patamar.

Não para Os aliados do PT avaliam que o pior não é o que Palocci disse a Sergio Moro, na quarta (6), mas o que ele ainda vai falar. Para esses políticos, o que o ex-ministro e integrante da cúpula do PT fez “foi uma ‘avant-première’” do arsenal que possui.

Frio e calculado Diversas expressões que causaram furor público no testemunho de Palocci — entre elas o famoso “pacto de sangue” da propina — já haviam sido ditas por ele aos procuradores com quem negocia uma intrincada delação premiada, em Curitiba.

Tem quem queira Um trote do deputado Fábio Faria (PSD-RN) no colega Dudu da Fonte (PP-PE) foi a sensação de Brasília neste Sete de Setembro. O potiguar, famoso na Câmara pelas imitações, telefonou ao pernambucano fingindo ser Lula. (Folha UOL).

Comente aqui


Depoimento de Palocci colocou água no chopp

Se havia ainda algum fiapo de esperança na candidatura de Lula, o presidente que de nada sabia, para 2018, este foi de vez extirpado com o depoimento e ainda mais com a futura delação premiada de António Palocci, ex-braço direito do “ómi”.

As últimas análises políticas que vem sendo feita pelos analistas políticos nacionais e internacionais depois do efeito devastador do depoimento de António Palocci dão conta de que é muita “água no chopp” do etílico Lula. E vocês sabem, quem gosta de uma branquinha e a aprecia sem moderação, gosta dela purinha, o Lula que o diga.

Pelas análises destes Lula manterá a sua pseudo candidatura com o objetivo pontual de manter em pé o ativismo político da troupe viajandona que ainda teima em acreditar no molusco. Mas o objetivo mesmo dele sará passar o bastão para outro na disputa presidencial.

A delação premiada (efetiva) de Palocci que virá na sequência promete ter efeito ainda mais catastróficos para Lula e seus incautos apoiadores, pois virá certamente recheada de provas materiais e áudios que vão tirar o chão destes.

A dúvida que fica é se o PT ainda existirá até as eleições de 2018. É esperar para ver.

2 Comentários