Segurança



Defensores da bandidagem

É muito “interessante”, para não dizer outra coisa, como tem gente “especializada” em se manifestar ardorosamente somente quando a bandidagem sofre as consequências dos próprios atos.

Mais “interessante” ainda é notar que de modo recorrente os defensores dos “direitos dos manos” estão quase sempre ligados aos tais partidos que compõem a esquerda mais retrógrada do país. Se tratam na verdade de militantes partidaristas, quase sempre alinhados ao comunismo ou a esquerda radical alinhada a este.

Bastou acontecer esta semana a infeliz carnificina no presídio do Amazonas, que matou em torno de 56 detentos, para que imediatamente saltassem das suas tocas pelo Brasil a fora centenas de defensores dos “direitos dos manos” a sustentarem a tese de que os familiares dos presos assassinados na revolta causada pelo enfrentamento realizado por eles mesmos, devem ser indenizados com dinheiro suado do contribuinte brasileiro, gerado pelo trabalho e empreendedorismo daqueles que constroem o pais.

O fundamento da tese exdrúxula se apega em dispositivos legais que atribuem ao estado (União) responsabilidade sobre a segurança e tutelas dos presos, mas que são de interpretações variadas na jurisprudência pátria.

Então, já que é para se falar em direitos constitucionais ou legais violados, que tal falarmos dos inúmeros trabalhadores que com o suor dos seus trabalhos efetuam suas contribuições previdenciárias e mesmo assim padecem e/ou falecem nos corredores dos hospitais públicos? Afinal não é responsabilidade constitucional da União o fornecimento de saúde universal a todos os cidadãos?

O que dizer então dos inúmeros trabalhadores e cidadãos de bem deste país que são dia a dia dizimados em assassinatos e chacinas nos seus trajetos de trabalho ou no exercício do seu sagrado direito de ir e vir? Afinal não é o Estado (União) o responsável objetivo pelo planejamento e desenvolvimento dos sistemas de macro segurança do país?

O que falar, ainda, só para dar mais um exemplo, dos milhares de policiais que são assassinados todos as anos em razão da falta de condições ao trabalho e estruturais?

Quando a sangria é derramada pelos cidadãos de bem da nossa sociedade infelizmente os defensores dos “direitos dos manos” desaparecem, se calam. Para as vítimas sociais que exemplifiquei não há o que se falar no direito de serem indenizados, tampouco de se defender indenizações aos órfãos e viúvas(os) das vítimas de bem?

Se é para se estabelecer a defesa da tese de indenização aos familiares de bandidos mortos nos presídios, lancemos então a idéia de indenização geral a todos os familiares de cidadãos de bem que padecem ou morrem nos corredores dos hospitais do país, bem como aos familiares de pessoas de bem e de policiais que dia a dia são assassinados por falta de adequada segurança pública, ainda, aos jovens que são excluídos do mercado de trabalho e de terem um futuro digno em razão de lhes serem negadas as mínimas condições sociais e educacionais, dentre outros cidadãos de bem do nosso país que são vitimados todo santo dia pelo fato de lhes serem sonegados diretos constitucionais de responsabilidade da União.

Se é para se falar em indenização que se defenda então a indenização de TODAS as vítimas sociais, incluindo abandidagem, ou então que não se indenize a ninguém e que os “esquerdinhas anacrônicos” cessem os seus “chiliques” compulsivos, sempre em defesa dos “manos”.

Pronto falei.

3 Comentários


INMETRO aperfeiçoa normas de segurança dos berços

LOGO-FACE3

Ontem (1º), o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) divulgou nova Portaria (53/16), que visa a aperfeiçoar a regulamentação e ampliar o escopo de produtos, abrangendo berços dobráveis, conversíveis, de balanço (que imita o movimento de ninar) e de movimento pendular (que permite movimento em qualquer direção).

Outra novidade é a proibição de laterais ou extremidades móveis. De acordo com Leonardo Rocha, chefe da divisão de Regulamentação Técnica do Inmetro, todas as regras valem também para berços artesanais e/ou feitos sob medida.

A partir de agora, os fabricantes e importadores têm 18 meses para se adequarem aos novos critérios de produção e importação. Após este prazo, terão mais 6 meses para cessarem a comercialização dos estoques.

Logo após este prazo de adequação, os comerciantes varejistas terão 12 meses para zerarem seus estoques e começarem a comercializar apenas os produtos que atendam os novos critérios.

Leonardo Rocha afirma que, apesar das novas normas, os produtos que estão no mercado são seguros. “Estamos apenas aperfeiçoando o rigor. Não quer dizer que entendamos que os produtos do mercado são inseguros”.

Quem tiver alguma dúvida, crítica ou sugestão em relação às regras de segurança de berços comercializados no Brasil pode entrar em contato com o Inmetro por meio do telefone 0800 2851818.

Fonte: Agência Brasil.

Comente aqui
 

INMETRO proíbe chupetas e mamadeiras customizadas

Chupetas customizadas que trazem risco à saúde e segurança dos bebês foram proibidas pelo Inmetro

Chupetas e mamadeiras customizadas — aquelas com pinturas, cristais, adesivos, entre outros, acessórios — estão com a produção, importação, distribuição e comercialização proibidas. A Resolução 517, do Inmetro, publicada, nesta quinta-feira, tem aplicação imediata. O assessor da Diretoria de Avaliação da Conformidade do instituto, Paulo Coscarelli, informa, inclusive, que as fiscalizações começam esta semana e o principal alvo são as feiras de bebê e gestante onde esses produtos são amplamente comercializados. Continue lendo

Comente aqui


Dia das crianças: cuidados ao comprar brinquedos

O Dia das Crianças se aproxima e, com ele, a correria dos adultos pelo comércio em busca de brinquedos para seus filhos, sobrinhos, netos etc. Mas, para que o presente não se transforme em um problema, alguns cuidados são necessários na hora de comprar. O Procon da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) preparou uma lista com dez recomendações para proteger o consumidor e deixar as crianças não apenas alegres, mas também seguras.

* Defenda seu bolso: após escolher o brinquedo que vai comprar, faça uma pesquisa de preços nas lojas de sua região e até mesmo na internet. No caso de compra em sites, fique atento ao prazo de entrega prometido, para que o produto não chegue após a data desejada.

* Antes de comprar o brinquedo, fique Continue lendo

Comente aqui


Internet: as 3 maiores ameças à privacidade

RADARAlgumas atitudes simples tomadas por quem navega regularmente na web podem colocar em risco o que temos de mais precioso nos dias de hoje: nossas informações. Conheça essas ameaças e aprenda a prevenir-se.
v

No Dia Mundial da Internet Segura, o conceito de segurança na rede parece ainda estar longe da prática dos internautas. Na visão de Gisele Arantes, especialista em direito digital e sócia do Assis e Mendes, as pessoas não foram educadas para usar corretamente e de forma segura a internet. “A internet surgiu e com ela não veio um manual de instruções de como utilizá-la com segurança”, disse. O grande problema, segundo a especialista, é que o mau uso pode acarretar uma série de consequências negativas para a vida de uma pessoa, desde exposição, rastreamento até atos ilícitos. Continue lendo

Comente aqui
 

Congelados e resfriados devem ter atenção do consumidor

RADAR-DO-CONSUMIDOR-2 - Blog Dica básica mas que é sempre bem-vinda à saúde do consumidor diz respeito a alguns cuidados que este deve adotar ao comprar produtos congelados e resfriados. Com o aumento médio das temperaturas os alimentos congelados e resfriados se tornam ainda mais perecíveis, aumentando significativamente os riscos de transporte, armazenamento e exposição à venda realizados de modo inadequados.

Para se ter uma alimentação saudável o consumidor precisa se preocupar com a qualidade dos alimentos comprados.

Abaixo seguem algumas dicas Continue lendo

Comente aqui


Como melhorar a sua privacidade e segurança na rede

RADARA fronteira entre o que é público e o que é privado está ficando cada vez mais difícil de ser identificada. Por conta do panorama atual da rede, que ao mesmo tempo em que facilita o acesso à informação e aproxima pessoas, pode ser usada como um canal de exploração e manipulação, as discussões sobre proteção de dados e de direitos na internet se fazem bastante necessárias.
v
Agora o Marco Civil já virou lei e nos traz garantias importantes, mas ainda precisamos avançar nos mecanismos legais que assegurem aos usuários um controle maior sobre seus próprios dados. Ainda no final de 2010 foi realizada pelo Ministério da Justiça uma consulta pública para a elaboração de um Anteprojeto de Lei de Proteção de Dados Pessoais. Anos se passaram e até agora ele não foi encaminhado ao Congresso para votação.

Continue lendo

Comente aqui


B.O coletivo: ajuda à segurança coletiva

O cidadão ganha mais uma ferramenta na área de segurança pública. Iniciativa de um grupo de ativismo urbano disponibiliza ferramenta que mapeia as zonas de uma determinada cidade que são mais seguras ou mais violentas.

bocoletivo

Os altos índices de violência são uma realidade nas cidades brasileiras que têm deixado a sociedade bastante apreensiva. De acordo com pesquisa publicada pelo Jornal Nacional, em 05/08/2014, realizada pelo Instituto Datafolha, a segurança é a segunda maior preocupação dos brasileiros. No Norte e no Centro-Oeste atinge 28% das pessoas. No Sul e no Sudeste, 25% se dizem preocupadas com a segurança. E no Nordeste, 23%. Os brasileiros mais ricos, das classes A e B, são os que se sentem mais ameaçados.

Para minimizar o problema, cães de guarda, cercas elétricas, câmeras de segurança e vidros blindados passaram a fazer parte do cotidiano de muitas pessoas.

Uma das iniciativas comum quando nos tornamos vítimas de assalto, furto ou qualquer evento vinculado à segurança pública é avisar aos amigos onde, como e quando aconteceu para deixá-los alertar e evitar que passem pela mesma situação. Continue lendo

Comente aqui