BNDES



BNDES terá R$ 20,4 bilhões para a safra 2018/19

.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apoiará com R$ 20,4 bilhões os investimentos para a safra 2018/2019. O valor representa 50% do crédito direcionado para investimentos do setor. Adicionalmente, o BNDES disponibilizará R$ 100 milhões para financiamento de custeio.

O Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019, com recursos totais de R$ 194,3 bilhões, foi anunciado no dia 7 de junho. Os recursos poderão ser acessados pelos agricultores entre julho deste ano e junho de 2019. No BNDES, programas agropecuários serão operados com taxas de 5,25% a 7,5% ao ano, dependendo da finalidade do financiamento.  São enquadrados como investimentos financiáveis a construção de armazéns com capacidade de até 6 mil toneladas nas propriedades dos pequenos e médios produtores rurais, a recuperação de reserva legal e de áreas de preservação permanente no âmbito do Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono), a aquisição de matrizes e reprodutores com registro genealógico e aumento do limite de renda para enquadramento dos produtores no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). O BNDES também participará do Plano Safra da Agricultura Familiar 2018/2019 com R$ 3,3 bilhões. Os recursos são voltados para investimento e custeio. (Fonte: Revista Amanhã).

BRDE é o grande financiador agropecuário no Sul do Brasil

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) é uma das instituições financiadoras que mais repassa as linhas do Plano Safra para a região do país. A instituição tem se caracterizado por ser uma das que mais estimula com os seus financiamentos o setor cooperativista e o agronegócio nos três estados da região Sul.

O produtor rural que tiver interesse em buscar financiamento para a subsidiar financeiramente as suas atividades produtivas na safra 2018/19 poderá agendar atendimento de um técnico do BRDE para a busca de informações por meio do telefone (41) 3219-8000.

Comente aqui


BNDES adia devolução de 30 bi ao Tesouro

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, retirou da pauta da reunião da diretoria do banco, realizada na segunda-feira, a discussão sobre o início da devolução de mais um lote de recursos que deve ao Tesouro. (Valor Econômico)

Comente aqui


BNDES se prepara para devolver R$ 130 bilhões à União

O BNDES está preparado para antecipar neste ano, em R$ 130 bilhões, parte do que deve ao Tesouro Nacional. A informação é do diretor da área financeira e internacional do banco, Carlos Thadeu de Freitas. “Não há dúvida de que o BNDES vá devolver recursos ao Tesouro”, disse ele ao Valor. (Valor Econômico).

BNDES
Comente aqui


“Herança maldita” do PT no BNDES

Editorial Gazeta do Povo

Tesouro Nacional será chamado a cobrir calotes de pelo menos três países, consequência do uso político e irresponsável do BNDES durante o governo petista.

Em época de aperto fiscal urgente, o Tesouro Nacional – ou, em outras palavras, o contribuinte brasileiro – está sendo chamado a pagar pela irresponsabilidade de governos anteriores no manejo de empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O primeiro aporte já foi feito, ainda em dezembro de 2017: foram R$ 124 milhões, para compensar um calote de US$ 22,4 milhões do governo de Moçambique. E, segundo o jornal Folha de S.Paulo, o rombo não deve parar por aí no caso do país africano, e o Tesouro pode acabar obrigado a repassar cerca de R$ 1,5 bilhão, já que as dívidas moçambicanas com fornecedores brasileiros chega a meio bilhão de dólares.

O Tesouro entra na equação graças ao Fundo de Garantia à Exportação, que é obrigado a cobrir os calotes de governos estrangeiros quando não honram compromissos com empresas brasileiras que assinam os contratos para atuar no exterior. Segundo o BNDES, esse tipo de garantia é oferecido por praticamente todos os países industrializados, como maneira de proteger suas empresas de riscos políticos nos países com os quais essas companhias fazem negócios. O problema não é, portanto, a existência em si da garantia, mas as Continue lendo

Comente aqui
 

TCU quer devoluções rápidas ao Tesouro

A informação que se tem é a de que o Ministério Público de Contas, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) deve encaminhar parecer no processo que trata da devolução de recursos de bancos federais ao Tesouro Nacional (TN), pelo qual o MP-TCU se posicionará pela devolução integral e imediata ao TN do dinheiro que estes bancos receberam da União por meio de emissão de títulos públicos.

O pano de fundo de toda esta questão é a necessidade da União retomar recursos financeiros necessários ao reequilíbrio das suas contas públicas, a quais vem apresentando rombos bilionários ocasionados pelos desequilíbrios financeiros herdados do governo Dilma.

Neste contexto, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) é a instituição financeira pública mais visada na devolução de valores ao TN, de um total de R$ 500 bilhões de aportes recebidos da União. No entanto, bancos públicos como o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste, também estão na “alça de mira” para efetuarem devoluções à União.

No caso específico do BNDES o MP-TCU quer que a instituição nacional de desenvolvimento econômico devolva de imediato à União todo o valor que não estiver cedido em empréstimos financeiros.

Em resumo, se vislumbra no curto prazo que se acentuará a dificuldade do setor produtivo acessar o crédito provindo diretamente de fontes internas (nacionais) voltado ao fomento econômico do país, como é o caso do crédito ofertado pelo BNDES.

Por tais razões, as instituições financeiras de fomento repassadoras de fundos do BNDES, como é o caso do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Fomento Paraná, Desenvolve São Paulo, dentre outras instituições de fomento voltadas ao desenvolvimento e financiamento do setor produtivo nas regiões onde atuam, terão que ser cada vez mais criativas na busca direta por fundos internacionais e na captação de recursos financeiros por meio da estruturação de fundos de investimentos, a fim de continuarem “irrigando” os investimentos no setor produtivo nacional, sob pena ocorrerem reflexos prejudiciais à rápida retomada econômica de que tanto o país precisa.

Comente aqui


BNDES prepara ‘maior planejamento estratégico da história do banco’, diz novo diretor

Carlos da Costa (esquerda), diretor de Planejamento e Pesquisa e Carlos Thadeu de Freitas, das áreas de crédito, financeira e internacional (Foto: Daniel Silveira/G1)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) prepara um novo plano estratégico e, para isso, contará com a atuação de consultores externos com experiência internacional. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (11) durante coletiva de imprensa para apresentação de dois novos diretores do banco.

Segundo Carlos da Costa, que assumiu a diretoria de Planejamento e Pesquisa do banco, trata-se do “maior planejamento estratégico da história” do BNDES. O plano contará com metas de médio e longo prazo – a primeira até 2023 e a segunda até 2030.
“Estamos fazendo uma rediscussão profunda do que deve ser um Continue lendo

Comente aqui