BRDE



TCU quer devoluções rápidas ao Tesouro

A informação que se tem é a de que o Ministério Público de Contas, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) deve encaminhar parecer no processo que trata da devolução de recursos de bancos federais ao Tesouro Nacional (TN), pelo qual o MP-TCU se posicionará pela devolução integral e imediata ao TN do dinheiro que estes bancos receberam da União por meio de emissão de títulos públicos.

O pano de fundo de toda esta questão é a necessidade da União retomar recursos financeiros necessários ao reequilíbrio das suas contas públicas, a quais vem apresentando rombos bilionários ocasionados pelos desequilíbrios financeiros herdados do governo Dilma.

Neste contexto, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) é a instituição financeira pública mais visada na devolução de valores ao TN, de um total de R$ 500 bilhões de aportes recebidos da União. No entanto, bancos públicos como o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste, também estão na “alça de mira” para efetuarem devoluções à União.

No caso específico do BNDES o MP-TCU quer que a instituição nacional de desenvolvimento econômico devolva de imediato à União todo o valor que não estiver cedido em empréstimos financeiros.

Em resumo, se vislumbra no curto prazo que se acentuará a dificuldade do setor produtivo acessar o crédito provindo diretamente de fontes internas (nacionais) voltado ao fomento econômico do país, como é o caso do crédito ofertado pelo BNDES.

Por tais razões, as instituições financeiras de fomento repassadoras de fundos do BNDES, como é o caso do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Fomento Paraná, Desenvolve São Paulo, dentre outras instituições de fomento voltadas ao desenvolvimento e financiamento do setor produtivo nas regiões onde atuam, terão que ser cada vez mais criativas na busca direta por fundos internacionais e na captação de recursos financeiros por meio da estruturação de fundos de investimentos, a fim de continuarem “irrigando” os investimentos no setor produtivo nacional, sob pena ocorrerem reflexos prejudiciais à rápida retomada econômica de que tanto o país precisa.

Comente aqui


Presidência do BRDE | Beto Richa e Cida Borghetti na posse de Pessuti

O governador Beto Richa participou da posse de Orlando Pessuti na Presidência do BRDE, em substituição a Odacir Klein. Curitiba, 14/11/2017. (Foto: Orlando Kissner/ANPr)

Nos últimos sete anos, as instituições de crédito pertencentes ao Governo do Estado aumentaram em 1.400% os recursos disponibilizados ao setor produtivo. A afirmação é do governador Beto Richa, que participou nesta terça-feira (14) da cerimônia de posse do ex-governador Orlando Pessuti na presidência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Os recursos mencionados por Richa são do próprio BRDE e da Fomento Paraná, entidades de financiamento a projetos de diversos setores da economia. “São mecanismos que contribuem de forma decisiva com o fomento à produção no Paraná e o desenvolvimento da nossa economia”, disse Richa.

O governador também destacou a ampliação da capacidade de financiamento do banco. “Os financiamentos são bilionários, e o maior percentual ficou para o Paraná”, afirmou. Ele também citou a capitalização do BRDE feita pelo Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Cada estado destinou R$ 200 milhões, totalizando R$ 600 milhões, que permitiram alavancar em sete vezes a capacidade de financiamento do banco. “Foi a maior capitalização feita por um governo nos 56 anos de história do BRDE”, ressaltou o governador.

A vice-governadoroa Cida Borghetti esteve presente ao ato de posse e parabenizou Pessuti fazendo-lhe votos de sucesso e êxito frente à presidência

PRESIDÊNCIA

Como controladores do BRDE, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estabeleceram governança colegiada na instituição, cabendo a cada estado assumir a presidência do Banco por um período de um ano e quatro meses, dentro do tempo de mandato de seus respectivos governadores. Pessuti era vice-presidente do BRDE e diretor administrativo da agência paranaense do banco. Na presidência ele substitui a Odacir Klein, do Rio Grande do Sul.

O novo presidente destacou o apoio do BRDE ao setor produtivo, em especial ao agronegócio. “O banco atua em todos os setores: na agricultura, comércio, indústria, prestação de serviços, atua com os municípios, somos o principal agente financiador dos recursos de inovação da Finep”, disse. “E estes mais de R$ 1 bilhão que investimos todos os anos no Paraná têm propiciado o desenvolvimento do Estado, basta ver os índices de crescimento que são superados a cada ano”, afirmou.

Para o ex-presidente do Banco, Odacir Klein, o desafio da atual gestão é ampliar as fontes de recurso de financiamento, buscando parcerias com entidades como a Financiadora de Estudo e Projetos (Finep). “Enquanto a minha gestão enfrentou a crise econômica e problema da inadimplência, agora é preciso resolver o problema da diminuição dos recursos do BNDES. Agora estamos na busca de outros meios, recursos internacionais e das mais diversas origens”, explicou.

Galeria de imagens:

Comente aqui


Carlos Massa (Ratinho) no BRDE

Hoje recebemos na Agência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), em Curitiba, a visita de Carlos Massa (Ratinho), proprietário da Rede Massa no Paraná.

Ratinho visitou ao BRDE para dar um abraço especial em Orlando Pessuti que amanhã assume a presidência da instituição.

Na foto, da esquerda para a direita, eu, Odacir Klein (Pres. BRDE), Carlos Massa, Orlando Pessuti (vice-pres. BRDE) e Antônio Silva (assessor Carlos Massa).

BRDE
Comente aqui


Governador Sartori confirmou acordo firmado entre o BRDE e a FINEP

Serão mais R$ 200 milhões a serem investidos pelo BRDE na região Sul em inovação e tecnologia.

(Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

Estive presente como diretor de operações do BRDE ao ato em que a Finep e o BRDE ajustaram interação institucional para desenvolver instrumentos de financiamento à inovação na Região Sul, em reunião realizada nesta sexta-feira (10), em Porto Alegre.

O governador do Rio Grande do Sul José Ivo Sartori chancelou o memorando de entendimento ass Nado pelo presidente do BRDE, Odacir Klein, o presidente da Finep, Marcos Cintra e o vice-presidente, Ronaldo Souza Camargo, para a renovação do convênio operacional.

Entre os desdobramentos, está a possibilidade de elevar os limites de crédito para o BRDE aplicar através do Programa Inovacred. Serão mais R$ 200 milhões a serem investidos pelo BRDE na região Sul em inovação e tecnologia.

(Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

Comente aqui


BRDE e FINEP assinaram ampliação de linhas para inovação


Segunda-feira (06) em na Federação da Indústria de Santa Catarina (FIESC), Florianópolis, foi realizada a solenidade realizada de assinatura de Memorando de Entendimento entre o BRDE (Banco de Desenvolvimento do Sul) e a FINEP (Financiando de estudos e projetos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação) a ampliação dos limites para financiamento de projetos voltados à inovação tecnológica na região.

Com a nova contratação junto a FINEP serão  adicionados aos limites do BRDE R$ 200 milhões que viabilizarão a implantação de projetos de inovação tecnológica na região Sul do país. A ampliação de financiamentos nesta área é de grande importância para o desenvolvimento econômico num seguimento estratégico para tornar o Brasil cada vez mais competitivo no mercado internacional.

Na oportunidade o diretor de operações do BRDE, João Regiani, e o Ministro de Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab (na foto acima) estiveram juntos e dialogaram sobre Os projetos de tecnologia e inovação para a região, bem como sobre as políticas de investimentos nestas áreas.

Comente aqui


Prefeitos da AMUNPAR receberam visita do BRDE

Prefeitos da AMUNPAR se reuniram com o BRDE em Paranavaí (fotografias: Diário do Noroeste)

Prefeitos que compõem a Associação dos Municípios do Noroeste Paranaense (Amunpar) estiveram reunidos ontem na sede da entidade, em Paranavaí, com o diretor de operação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo- Sul (BRDE), João Regiani, para conhecerem as linhas de financiamento disponibilizadas pelo banco aos municípios.

 
“São nas cidades que as coisas acontecem, e o BRDE tem recursos para o desenvolvimento dos municípios”, enfatizou Regiani.

 
As linhas de financiamento vão desde implantação da coleta seletiva, passando por recursos voltados à infraestrutura, mobilidade urbana, saneamento, entre outras ações.

 
“Temos linhas de financiamento para a realização do geoprocessamento para atualizar os valores dos impostos”, disse.

 
O BRDE foi criado em 1961, com objetivo de fomentar o desenvolvimento nos estados do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “O BRDE é um banco operador de crédito, hoje estamos voltados aos municípios, dos 1.991 municípios do Sul brasileiro estamos em 1.095, uma cobertura de 91,9%”, disse Regiani.

Continue lendo

Comente aqui


BRDE: financiando sustentabilidade

FINANCIANDO A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

O BRDE é o banco de desenvolvimento verde do Brasil, o “banco verde” do Sul do país.

Com as suas linhas BRDE Energia e PCS (Produção e Consumo Sustentáveis) a instituição se alinha às políticas de financiamento de vanguarda do mundo, financiando projetos para utilização de energias limpas, renováveis e eficientes.

São linhas com taxas de juros e custos menores a fim de ajudar na entrega de um planeta ambientalmente melhor para as futuras gerações.

Como o BRDE é um banco pertencente aos três estados da região Sul do país (PR, SC e RS), pôde-se dizer que se trata de uma política destes estados para melhorar a qualidade de vida dos paranaenses, catarinenses e gaúchos.

Comente aqui


Recursos internacionais para financiamentos no Paraná

Entrevista concedida à rádio CBN de Maringá neste sábado (14/10) pelo Diretor de Operações do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), João Luiz Agner Regiani, na qual foram abordados diversos assuntos relativos ao banco, tais como: captações de recursos internacionais, parceria financeira com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), desempenho do banco, economia do Paraná e da região Sul, dentre outros temas correlatos.

Comente aqui


Cinco das 15 empresas mais inovadoras tem apoio do BRDE

A Revista Amanhã lançou nesta quarta-feira (4) o ranking das 50 empresas mais inovadoras da Região Sul, das quais 15 no Paraná, sendo cinco clientes ativos do BRDE.

São cooperativas e companhias dos setores de telecomunicações, tecnologia, papel e celulose, saúde, varejo e logística, que investem em pesquisa e desenvolvimento para gerar inovações tanto em processos quanto em produtos.

As cinco empresas que têm apoio do BRDE são: as cooperativas Frimesa e Cocamar, o laboratório farmacêutico Prati-Donaduzzi, a Usina de Açúcar Santa Terezinha e o Positivo Tecnologia. A Frimesa, com sede em Medianeira, Oeste do Paraná, foi a melhor colocada do Estado no ranking, além de ser considerada líder do setor. Continue lendo

Comente aqui


BRDE firma com a AFD intenção de captar 50 milhões de euros

Evento realizado hoje na sede do BRDE em Curitiba reuniu diversas autoridades e a imprensa do estado

A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) assinaram nesta quinta-feira (14), em Curitiba, memorando de entendimentos, cumprindo uma das etapas do acordo de cooperação financeira entre as duas instituições. O BRDE está captando 50 milhões de euros na AFD, que serão investidos em projetos voltados à produção e consumo sustentáveis.

O diretor do BRDE João Luiz Agner Regiani assinou o Memorando de Intenções com a AFD representando a área operacional do banco

A assinatura foi na Agência Paraná, com a presença do diretor-geral da Agência, Rémy Rioux; do presidente do BRDE, Odacir Klein; do vice-presidente e diretor-administrativo do Banco, Orlando Pessuti; dos diretores João Luiz Agner Regiani, Luiz Corrêa Noronha e Renato de Mello Vianna. Participaram também os conselheiros do Banco, Ogier Buchi e Valmor Weiss; o secretário do Codesul, Antonio Carlos Bettega; secretários estaduais e representantes do setor produtivo do Estado.

O diretor Regiani do BRDE com Remi Rioux, presidente da AFD na Aliança Francesa de Curitiba após o evento de assinatura do memorando

Rémy Rioux disse ser uma honra para a Agência Francesa de Desenvolvimento ser a primeira instituição internacional a fechar uma parceria com o BRDE e destacou a importância econômica da Região Sul nas relações da França com o Brasil.

O diretor anunciou que até o final do ano será assinada a liberação dos 50 milhões de euros ao BRDE. “Nesta relação, a Agência também poderá conduzir o BRDE aos fundos europeus de desenvolvimento, especialmente os fundos verdes”, acrescentou.

“Estou convencido de que só com a colaboração entre os bancos de desenvolvimento seremos capazes de enfrentar grandes desafios mundiais, como a questão das mudanças climáticas”, destacou Rioux. Ele veio ao Brasil para comemorar os 10 anos de atuação da AFD no país. “Além da comemoração, vamos também fazer uma reflexão sobre a atuação da Agência nos próximos 10 anos”.

“Esse momento poderia ser apenas para assinatura de um memorando. Mas estamos assinando um memorando com intenções e consequências, lembrando que teremos até o fim do ano a liberação do financiamento solicitado”, destacou o presidente do BRDE, Odacir Klein. “Damos início a uma longa e proveitosa relação com a AFD, instituição que reconhece a importância do BRDE”, acrescentou.

O diretor de Planejamento do BRDE, Luiz Corrêa Noronha, destacou a importância dos valores captados na AFD, que serão destinados a projetos sustentáveis. “São cinco grandes eixos de investimentos: água, agronegócio sustentável, tratamento de dejetos, cidades-sustentáveis e energias renováveis”, anunciou o diretor. “Hoje o BRDE trabalha com a visão do desenvolvimento com sustentabilidade”, afirmou Odacir Klein.

“Com os valores captados na Agência, o BRDE dá um importante passo para ampliar suas fontes de recursos, garantindo novos investimentos nos setores produtivos do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, disse o diretor de Operações do BRDE, João Luiz Regiani.

A contratação definitiva  com a AFD – em breve – viabilizará ao BRDE ampliar financiamentos de projetos de Produção e Consumo Sustentáveis (PCS)

1 Comentário