combustíveis



ANP investiga falsa greve de caminhoneiros

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) investiga em alguns estados do país – ainda não revelados, sabendo-se, por enquanto, somente de Pernambuco – se a difusão de informações falsas nas redes sociais sobre a  nova greve dos caminhoneiros estaria sendo promovida por pessoas ligadas às distribuidoras ou redes de postos de combustíveis.

A suspeita é de que com isso estes distribuidores tenham por objetivo lucrar rapidamente com o pânico generalizado e a procura maciça de combustíveis pela população. Alvoroço neste sentido se percebeu em várias regiões semana passada ao ser disseminado nas redes sociais que se iniciaria nova greve nas estradas.

Sem categoria
Comente aqui


ANP adota regras para esclarecer preços dos combustíveis

Agência Reuters

A diretoria da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quarta-feira uma minuta de resolução que busca trazer transparência na formação dos preços dos combustíveis, biocombustíveis e gás natural para os órgãos públicos e para o público geral.

A iniciativa da ANP foi tomada após a paralisação de caminhoneiros em maio, quando os manifestantes protestaram contra os altos custos do diesel.

Entre as principais medidas propostas, informou a reguladora em nota, estão a obrigatoriedade a todos os produtores e importadores de derivados de petróleo e biocombustíveis de informar, à ANP, o preço e todos os componentes da fórmula de preço, por produto e ponto de entrega, sempre que houver reajuste de preços e/ou alteração de parâmetros da fórmula. 

Sem categoria
Comente aqui


Presos executivos das maiores distribuidoras de combustíveis

Oito executivos das três maiores Distribuidoras de Combustíveis do país foram presos nesta terça-feira (31) durante a “Operação Margem Controlada” deflagrada pela Divisão de Combate à Corrupção, da Polícia Civil do Paraná, em parceria com a Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Curitiba, órgão do Ministério Público do Paraná, com o apoio da Polícia Militar e da Polícia Científica.

Os detidos são suspeitos de integrar uma quadrilha que controlava de forma indevida e criminosa o preço final do litro do combustível nas bombas dos postos de gasolina bandeirados de Curitiba. Este controle sobre o preço final que é pago pelos consumidores restringe o mercado e prejudica a livre concorrência.

Continue lendo

Sem categoria
Comente aqui


MPF aciona Ministro de Dilma e Graça por manipulação de preços na Petrobrás

O então Ministro da Fazenda de Dilma, Guido Mantega, mais a ex-presidente da Petrobrás Graça Foster e nove ex-conselheiros da estatal estão sendo acionados (Ação Civil Pública) pelo Ministério Público Federal (MPF) por improbidade administrativa sob a acusação de terem, em conluio, atuado para manipular preços na Petrobrás visando auxiliar na reeleição da ex-presidente Dilma, trazendo perdas para a Petrobrás estimadas em mais de R$ 29 bilhões.

Agora dá para entender porque os preços dos combustíveis estão nas alturas? É para recuperar, às nossas custas, o rombo bilionário que a ex-presidente Dilma e a sua turma causou na estatal.

Além de espoliarem a estatal, agentes ministeriais do governo petista usaram de todas as artimanhas para ajudar no projeto de poder do PT, que, segundo se sabe, era para manter o partido no poder por ao menos 40 anos.

Vejam a seguir nota sobre o assunto veiculada na revista Isto É Dinheiro desta semana:

 

 

Sem categoria
1 Comentário


Petrobras anuncia redução dos combustíveis, mas….

….será que o benefício será percebido pelo consumidor ao abastecer, uma vez que o anúncio se refere a redução de preços nas refinarias?

Provavelmente não.

Mais uma vez, segundo a “tradição” no mercado dos combustíveis, quando se trata de redução de preços, os benefícios financeiros decorrentes disso fica no bolso de “alguém” no meio do caminho que não o consumidor, mas quando se trata de reajuste de preços, aí sim, o consumidor recebe o “golpe” no bolso imediatamente.

Sem categoria
Comente aqui
  

Curitiba terá carros elétricos compartilhados

 | Aniele Nascimento/Aniele Nascimento

A previsão é de que em um primeiro momento 80 carros, com capacidade para quatro pessoas, sejam colocados à disposição da sociedade

Curitiba deve ter um sistema de compartilhamento de carros elétricos a partir de 2016. Nesta terça-feira (15), a prefeitura da capital lançou um edital para receber projetos e estudos técnicos nacionais ou internacionais que visem implantar o sistema na cidade. A previsão é de que o contrato com a empresa vencedora do processo licitatório seja assinado em 2016 e, no mais tardar, que os carros estejam disponíveis para uso público em 2017.

A partir da publicação do edital, haverá o prazo de 90 dias para a apresentação dos projetos e 45 dias para a avaliação. A gestora do processo, a vice-prefeita Mirian Gonçalves, informa que a previsão é de que em um primeiro momento 80 carros, com capacidade para quatro pessoas, sejam colocados à disposição da sociedade.

Ela explica que para usar o sistema, os usuários devem se cadastrar em um sistema e receberão um cartão. O pagamento pelo uso do carro poderá ser efetuado mensalmente ou por cada utilização. “Ainda não temos o preço, mas tem que ser algo razoável para que a população utilize”, afirma.

Por meio de um aplicativo de smartphone, os usuários poderão saber onde estarão alocados os eletropostos. “O cidadão pega o carro lá, usa e devolve em qualquer eletroposto. Onde for mais fácil para ele”, afirma Mirian. A localização de cada eletroposto está sendo estudada pela prefeitura. A ideia é de que gradativamente o número de carros elétricos seja ampliado. — Gazeta do Povo

Sem categoria
Comente aqui


Postos omitem preços nas placas de fachada

Foto do Posto Sameiro, em Maringá, tirada hoje (25) e que mostra as placas de fachada do estebelcimento sem os preços dos combustíveis

Foto do Posto Sameiro, em Maringá, tirada hoje (25) e que mostra as placas de fachada do estebelcimento sem os preços dos combustíveis

Inúmeros consumidores estão reclamando e denunciando nas redes sociais que diversos postos de combustíveis em Maringá estão adotando a prática de retirar do acesso visual dos consumidores os preços que deveriam ser mantidos nas placas das suas fachadas. Provavelmente com o objetivo de surpreender o consumidor com preços excessivos no ato do abastecimento.

Por lei os postos de combustíveis estão obrigados a manter, de modo amplamente visível ao consumidor, placas informativas nas suas fachadas contendo todos os preços dos combustíveis comercializados pelo estabelecimento.

O descumprimento desta regra legal caracteriza prática abusiva contra os consumidores e de flagrante desrespeito a estes.

O que o consumidor deve fazer? 

Fotografar por vários ângulos os postos que assim estejam agindo e formalizar denuncia perante o Procon da sua cidade.

Consumidores unidos dificilmente serão vencidos \o/

Sem categoria
2 Comentários


Combustíveis: aumentos excessivos podem caracterizar crime contra a economia popular

MENSAGEMNota da ADECON – Associação de Defesa do Consumidor de Maringá

Alerta a toda população!  O AUMENTO EXCESSIVO DOS COMBUSTÍVEIS, acima do que foi previsto e permitido pelo governo federal, pode caracterizar crime contra a economia popular, uma vez que afeta drasticamente as economias pessoais e da sociedade uma vez que afeta a formação do preço dos produtos em toda a cadeia produtiva. Ainda mais em situações de risco de desabastecimento, como está prestes a ocorrer.

A ORIENTAÇÃO CABÍVEL ao consumidor neste momento é no sentido de se munir dos cupons fiscais de abastecimentos, que demonstrem abusividades nos preços dos combustíveis, a fim do consumidor levá-los aos órgãos de defesa do consumidor (Procons municipais e Ministério Público de Defesa do Consumidor) a fim de requerer a abertura de procedimentos investigativos da possível prática de abusividade contra a economia popular.

Os postos de combustíveis que RETIRARAM OS PREÇOS DAS PLACAS DE SUAS FACHADAS devem ser fotografados pelos consumidores para também serem penalizados pela faltar de clareza na precificação dos combustíveis (o que reforçaria ainda mais a prática abusiva quanto aos preços excessivos), considerando que a lei exige que respectivos preços sejam afixados de modo ostensivo (amplo) nas fachadas dos postos.

A ação ativa e colaboradora DE TODOS OS CONSUMIDORES neste momento é essencial para que as abusividades sejam combatidas.

Preços médios dos combustíveis apurados pela ANP – Agência Nacional do Petróleo  no período de 15/02 a 21/02em Maringá-PR (25 postos pesquisados):

  • Gasolina – R$-3,35
  • Etanol – R$- 2,27
  • Diesel – 2,77

*** Os postos de combustíveis que estiverem exercitando excessivamente preços acima destes preços médios apurados pela ANP, podem, ao menos em tese, estar exercendo prática abusiva contra o consumidor e à economia popular.

Sem categoria
Comente aqui