golpes



Estelionato eleitoral: de que lado está o GOLPE

Pois é.

Mais uma vez vamos pagar a conta, desta vez pelo estelionato eleitoral e nas contas públicas promovidos pelo governo Dilma.

Ontem, na participação dos especialistas pró-impeachment na Comissão Especial do Impeachment do Senado Federal, ficou mais do que esclarecido que o que o governo federal promoveu foi uma verdadeira destruição dos pilares econômicos, a ponto do Procurador do Ministério Público no Tribunal de Contas da União (TCU), Julio Marcelo de Oliveira, denominar a gestão do governo federal sobre as contas públicas como de “economia destrutiva”.

Pelo que foi demonstrado pelos especialistas, ontem, ficou demonstrado com sobras que as denominadas “pedaladas da Dilma”, que ocorreram com maior frequência não por mera coincidência em ano eleitoral (2014), serviram justamente para acobertar o rombo das contas públicas, que já se verificava de modo profundo naquele momento, com objetivo de dar manutenção ao discurso eleitoral – mais falso do que nota de 3 – da Dilma de sustentabilidade e saúde econômica do país. Um verdadeiro 171 (estelionato) eleitoral que lhe ajudou a ganhar as eleições.

Por aí dá para se entender porque Dilma conseguiu os 54 milhões de votos.

Não bastasse isto, lembram que no transcorrer das eleições presidenciais ela (Dilma) aterrorizou todo mundo dizendo que se o Aécio ganhasse as eleições todos os programas sociais, como Fies, Prouni, Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, etc, seriam extintos?

Pois é, ela (Dilma) fez este terrorismo (ao que parece ela se identifica com esta prática) durante a campanha eleitoral, mesmo já tendo plena consciência de que a economia se encontrava totalmente comprometida naquele momento e que a economia do país estava na UTI, sobrevivendo das “pedaladas” (empréstimos obtidos pelo governo federal junto aos bancos públicos) que estavam a ser realizadas freneticamente pelo governo central com a finalidade de falsear a verdade sobre a economia do país.

Quer um estelionato eleitoral mais evidente do que este? Só não enxerga quem não quer ou está ganhando algo com isto, e olha que tem muita gente dos denominados “blogs sujos” e dos tais movimentos supostamente sociais que estão ganhando muito para defender a “troup” que quebrou o país; verbas federais de publicidade e sindicais para financiar tais defensores lesa pátria.

Quem já está pagando esta conta mais uma vez somos nós, brasileiros de boa-fé.

De que forma a “conta” está nos chegando para pagar?

Com a desestruturação econômica do país que gera desemprego, fechamentos de empresas e indústrias, diminuição e, em alguns, casos até suspensão de programas sociais, o quais no transcorrer da campanha presidencial Dilma gabava-se, com ares de professora, ser a sua exclusiva tutora.

Somente para se ter uma idéia do caos “construído” pela Dilma/PT nos diversos setores sociais, todas as bolsas da CAPES (que são bolsas que se prestam a manter financeiramente pesquisadores em fase de especialização e/ou pesquisa) estão suspensas por falta de recursos federais. Pergunta-se: aonde estão os protestos das entidades sindicais petistas que sempre se arrogaram na posição de defensoras do ensino e pesquisa do país? Onde foi parar a alardeada e suposta “Pátria Educadora”?

Pelo visto tomaram Doril.

Resumo da ópera: quem paga a conta somos nós, mas quem ganham com o caos são “eles”, os alinhados com o “golpe eleitoral”.

Entenderam de que lado está o “GOLPE”?

Comente aqui


Black Friday: cuidados que o consumidor deve tomar

A chamada Black Friday (Sexta-feira Negra, em tradução livre) é o dia que marca a promoção em massa dos varejistas.
 
Celebrada orginalmente nos Estados Unidos, a mega liquidação ocorre sempre no fim de novembro. Nos EUA, no dia seguinte ao feriado de Ação de Graças, geralmente entre a penúltima e última sexta-feira de novembro, a fim de renovar os estoques para as vendas de final de ano.
 
No Brasil, a Black Friday começou a ser promovida em 2010. Contudo, há críticas de que, aqui, as promoções não são verdadeiras: as lojas fariam uma “maquiagem” de preços para simular descontos nos produtos. Por isso, é preciso ter muita atenção. 
 
Pesquisar é fundamental
 
O primeiro cuidado que o consumidor deve ter ao comprar em liquidações como essa é o de identificar os produtos que se encontram realmente em oferta.

Continue lendo

Comente aqui


Golpes no WhatsApp: sete dicas para não cair em ciladas

O WhatsApp tem sido usado por criminosos para aplicar golpes. Os mais recentes são cupons de descontos falsos, mas promessas de uma versão “azul” ou “transparente” do aplicativo também são maneiras de roubar dados financeiros e pessoais dos usuários. Para usar o WhatsApp e se manter seguro, confira estas sete dicas simples e não seja enganado.

Continue lendo

Comente aqui


Vídeo | Golpes pela internet: alguns cuidados

Os golpes pela internet aumentaram 470% em 2014, o que aponta para a necessidade de redobrados cuidados a serem tomados pelos consumidores em relação a esta modalidade de crime, especialmente com os e-mails falsos que visam a coleta de dados pessoais e senhas para aplicação de golpes.

Sobre o tema vejam o vídeo:

Comente aqui


Justiça do RS mantém multa à empresa de adicionou formol no leite

A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou nesta terça-feira recurso da Cooperativa Agrícola Mixta São Roque, com sede em Salvador das Missões (RS), e manteve a multa imposta pela União pela venda de leite com índices de formol acima do permitido. A decisão da 4ª Turma foi tomada em julgamento realizado na última semana.

A cooperativa foi multada em R$ 15.648,52 pela fiscalização sanitária após vistoria realizada no dia 27 de agosto de 2012. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de 2009 a 2012 a São Roque foi autuada 27 vezes – 17 vezes só em 2012.

Veja mais aqui.

Comente aqui


Cliente NET é vítima de tentativa de golpe do boleto falso

RADARClientes da operadora de TV a cabo NET devem ficar atentos, pois um e-mail com um falso débito, que pode ultrapassar os R$ 400, tem sido enviado por golpistas, com o objetivo de faturar, ameçando negativar o nome do consumidor em caso de não pagamento. A primeira forma de identificar a falsa mensagem, que usa da mesma identidade visual dos boletos eletrônicos da empresa, é verificar o remetente. Nesse caso, ele vem do próprio e-mail do cliente, o que não é o padrão da NET. Em nota ao GLOBO, a operadora de telecom informou que está apurando a origem do falso documento.

“Recomendamos que os clientes sempre consultem a Central de Relacionamento pelo número de telefone 106 21 quando houver dúvidas sobre a procedência da comunicação”, ressaltou.

A NET orienta, ainda, que os clientes sempre verifiquem o endereço que está na mensagem recebida. Ao passar o mouse sobre os links disponíveis no e-mail, o endereço que deve aparecer é o da NET (www.net.com.br).

Confira o conteúdo do e-mail falso:

“Prezado cliente,

Para aproveitar o melhor do entretenimento, informação e comunicação que você só encontra na NET, é importante que você pague a sua fatura no valor de R$ 471,08.

No site da NET, você tem várias formas de deixar o seu dia a dia ainda mais fácil: O não pagamento da fatura, resultara em medidas legais como, inclusão do CPF no Sistema de Proteção ao Crédito(SPC) e Serasa.”. — Portal do Consumidor.

Comente aqui


Dor de cabeça à vista: cuidado com o prazo de entrega

Radar do ConsumidorJoão Luiz Agner Regiani

Muito importante o consumidor estar atento nesta época do ano, de compras natalinas e grande volume de vendas no comércio em geral (físico e eletrônico), quanto ao prazo de entrega dos produtos prometido pelo fornecedor.

Para atrair clientela é muito comum o fornecedor prometer a entrega rápida dos produtos, o que em parte das vezes não se concretiza e gera uma série de situações desconfortáveis ao consumidor, gerando prejuízos financeiros, frustração na entrega do presente e desgastes, até mesmo emocionais, dentre outros.

Por isso todos com as suas “antenas ligadas” para não cair no “conto da entrega express”.

A sugestão que se dá é para que o consumidor procure realizar compras no mercado físico ou virtual junto a fornecedores que tradicionalmente cumprem com suas promessas no “pré-vendas”, a fim de não ter uma baita dor de cabeça no “pós-venda”.

Comprar preferencialmente em estabelecimentos físicos tradicionais ou em `sites` que também atuem no mercado físico são boas dicas de maior segurança ao consumidor. Evitar promessas de entregas relâmpagos ou excessivamente vantajosas financeiramente também podem contribuir para o consumidor não cair em armadilhas engendradas especialmente para este cair.

Todo caso, orienta-se ao consumidor sempre manter em mãos os materiais publicitários dos produtos (mercado físico) ou os `prints`de tela destes (mercado virtual) como cautela necessária à realização de eventuais reclamações formais perante os orgãos de defesa do consumidor.

Portanto, muita cautela nesta hora.

Comente aqui


Maquiagem de preços é a tônica da `Black Friday`

Radar do Consumidor

João Luiz Agner Regiani

Infelizmente a `Black Friday` no Brasil tem se constituído numa armadilha que na maioria das vezes tem se prestado a induzir o consumidor ao prejuízo na aquisição de supostas promoções.

“Arapucas virtuais” e as falsas promoções rolam soltas na `Black Friday` brasileira e o consumidor menos antenado, muitas das vezes movido pela sanha de uma vantagem excessiva, acaba caindo no conto da “promoção relâmpago”.

Neste ano, assim como nos anteriores, a maquiagem de preços na `Black Friday` brasileira tem sido a reclamação mais frequente dos consumidores.

Portanto, muita atenção e cautela. O consumidor não pode perder de mente a idéia de que “ninguém oferece milagres gratuitos no mercado de consumo”.

Veja matéria interessante sobre o assunto AQUI.

Comente aqui


Dicas de cuidados para o consumidor na `Black Friday`

Radar do ConsumidorA seguir algumas dicas dadas pela Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor, a fim de precaver os consumidores de fraudes ou práticas abusivas na realização da BLACK FRIDAY, que ocorrerá amanhã (28)

1. Informe-se sobre a reputação da loja em que pretende comprar. Busque informações na Internet e com experiências de conhecidos. Alguns Procons, como o Procon de Maringá, possuem uma lista com sites a serem evitados pelo consumidor.

2. Cuidado com e-mails e sites fraudulentos. E-mails não solicitados podem conter anexos infectados e links que podem levar o consumidor a sites fraudulentos ou até mesmo instalar malwares no computador e dispositivos móveis. O recomendado é entrar no site oficial da loja por seu endereço online e não por meio de links duvidosos. Continue lendo

Comente aqui


`Black Friday`: riscos de fraudes ao consumidor

Black Friday do comércio eletrônico brasileiro tem, pela primeira vez, a expectativa de ultrapassar R$ 1 bilhão em vendas

A Black Friday se consolidou como a data mais importante para o comércio eletrônico no Brasil. Em 2014, a expectativa do setor é de que as vendas na sexta-feira, 28 de novembro, ultrapassem a marca de R$ 1 bilhão pela primeira vez.

Em 2012, os principais problemas dos consumidores foram sobre fraudes nas promoções e propaganda enganosa. Foi quando se popularizou a expressão “o dobro pela metade do preço”. Já em 2013, para apagar a imagem de “Black Fraude” e conquistar a confiança do consumidor as lojas virtuais aderiram ao código de ética da Black Friday com o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara E-net). A iniciativa foi repetida em 2014 com a criação do selo “Black Friday Legal“. O selo aparece nos sites de empresas que se comprometeram publicamente a oferecer descontos de verdade e não maquiar preços durante a promoção.

A maior parte dos problemas relatados por consumidores em 2013 foi sobre sites fora do ar ou dificuldade para fechar uma compra, segundo o portal Reclame Aqui.

Para a edição de 2014, as empresas investem pesado em marketing e em infraestrutura de rede. A previsão do E-bit, empresa especializada em informações sobre o comércio eletrônico, é de que a Black Friday gere R$ 1,2 bilhão em vendas (Estadão)

*** A recomendação que se dá ao consumidor que vai adquirir produtos na `black friday` é preferencialmente efetuar comprar somente em `sites` conhecidos e que o consumidor já conheça positivamente com antecedência, pois certamente os golpistas já colocaram no ar os seus `sites` (leia-se: arapucas) pensando em lesar os consumidores no decorrer do evento. Portanto, recomenda-se muito cuidado ao consumidor na `black friday` deste ano em razão dos riscos de fraudes sempre presentes, a fim de que ela não se transforme numa `black fraude`.

Comente aqui