Política e sociedade



Pessuti dá prazo para expulsão de Requião do PMDB

O ex-governador Orlando Pessuti vai esperar só até fevereiro para a direção nacional do PMDB afastar o senador Roberto Requião do comando estadual do partido. Pessuti espera essa decisão e, caso ela não se confirme, ele e seu grupo devem se filiar em outra sigla.

Nesta sexta-feira, 24, ao jornalista Rogério Galindo, na Gazeta do Povo, Pessuti relatou as diferenças e agruras da convivência com Requião nos últimos sete anos. “Não temos nenhuma relação de amizade, nenhuma convivência politica partidária, não existe condições para isso”, disse.

“Em 2010, ele (Requião) impediu minha candidatura a governador em uma manobra de última hora. Em 2012, não abriu espaço para minha candidatura a prefeito de Curitiba. Em 2014, novamente não foi possível essa candidatura. Em 2016, ele optou em ter o filho dele como candidato a prefeito. De novo, um fracasso, (Requião Filho) ficou em quinto lugar na disputa”, completou Pessuti.

O ex-governador e atual presidente do BRDE disse que está na “luta” para retomar o controle do PMDB do Paraná. “O PMDB nos foi retirado a força. O Requião arrebentou o cadeado, invadiu o partido, fez uma ata na porta do partido, foi pegar uma assinatura na casa de membros do diretório. E isso ficou para ser resolvido na justiça e não foi resolvido, ficou pra ser resolvido na comissão executiva nacional do PMDB e não foi”, disse. (Fonte: Fabio Campana).

Comente aqui


Vale-tudo eleitoral

À medida que a eleição se aproxima, o PT vai se desfazendo sem constrangimento da narrativa do “golpe” contra Dilma Rousseff. O editorial da Gazeta do Povo analisa o “perdão aos golpistas” pregado por Lula, estratégia clara para se abraçar novamente ao PMDB (veja aqui).

Assim como o “Lulinha paz e amor” de 2002 não passou de uma fachada amigável ao mercado para conseguir conquistar um eleitorado refratário ao discurso radical do líder sindicalista, não é um verdadeiro espírito de reconciliação que move o ex-presidente, mas puro pragmatismo.

PS – Não seria caso de puro fisiologismo político?

Comente aqui


Consumo puxa PIB

O aumento do consumo das famílias brasileiras depois de 2 (dois) anos de retração elevaram o PIB (Produto Interno Bruto) nacional em 0,2% no segundo trimestre deste ano.

A diminuição dos juros e da inflação vem contribuindo para a tênue reação da economia nacional.

Oremos para que “novidades” políticas negativas não voltem a abalar o cenário econômico, afinal a classe empreendedora e trabalhadora do país, que são os que mais querem o bem da nação, não merecem tudo o que tem acontecido no país.

Comente aqui


Contradições no caso Temer. A falência do sistema político

Ontem vivenciamos mais uma página manchada da história política do País.

Deputados que enxergaram motivos para impedir Dilma, não “enxergaram” motivos suficientes para acolher a denúncia e autorizar o processamento de Temer pelo STF.

Por outro lado, não menos contraditório – diria até mais contraditório ainda – deputados do PT e da esquerda anacrônica, que fizeram acrobacias mirabolantes para defenderem as imoralidades do governo Dilma no processo parlamentar de impeachment desta, ontem se travestiram de arautos casuais e seletivos da moralidade para discursarem e votarem defendendo o processamento do Presidente.

São contradições que demonstram claramente a falência do sistema político nacional, bem como que o nosso Congresso Nacional nada mais é do que um balcão de “negócios”.

Enquanto as ideologias, partidarismos e a corrupção se sobrepuserem aos interesses da Nação não teremos futuro. Simples assim.

1 Comentário