Mês: maio 2012



Homero NEGO

De tanto repetir “eu não sabia”, “eu não li”, “não sei de nada”, “não fui eu”, o (cada vez mais por enquanto) prefeito de Londrina, Homero Barbosa Neto, pode reivindicar, e com justiça, a alteração de seu sobrenome para Homero Barbosa NEGO!

(Essa é uma variante de outro nome ao qual também faz jus devido às polêmicas que provoca: oNERO Barbosa Neto…

… que também pode ser atribuído em decorrência de sua inclinação para onerar os cofres públicos com compras e contratos de serviços com valores superfaturados, vide kits e uniformes escolares, livros racistas, empresas de vigilância, etc.)

Política
1 Comentário


Londrina: Junker deverá disputar Prefeitura pelo PSDB

O engenheiro e professor universitário Junker de Assis Grassioto deverá disputar a Prefeitura de Londrina este ano pelo PSDB.

Ele lançou seu nome há duas semanas, em carta ao partido, e na noite de quarta-feira foi informado pelo secretário do PSDB, Joselito Hajjar, que seu oferecimento havia sido acolhido pela maioria dos convencionais.

Sua candidatura, segundo Hajjar, tem o apoio do senador Álvaro Dias, que vota em Londrina.

Não está definida a data da convenção do PSDB que homologará candidatura própria ou coligação. O prazo final para a definição dos partidos é 30 de junho.

O PSDB concorreu nas últimas quatro eleições com o deputado federal Luiz Carlos Hauly, atual secretário estadual da Fazenda. Hauly não disputará este ano.

Com a recusa dele, o PSDB estava se inclinando para se aliar a Marcelo Belinati, cujo partido, PP, integra a coligação que elegeu Beto Richa governador.

Marcelo é sobrinho de Antonio Casemiro, também do PP, que foi prefeito de Londrina três vezes, mas não concluiu a última: foi cassado em junho de 2000. Antonio Belinati venceu a última eleição para prefeito, mas não assumiu por decisão do TSE.

A aproximação com o grupo político de Belinati desagradou um setor do PSDB, que o considera o principal adversário do partido.

Junker foi secretário de Obras na gestão de Wilson Moreira (1983-88), prefeito que se notabilizou pela eficiência de gestão e obras de grande porte, entre elas o Terminal Urbano, conclusão da rodoviária e construção da avenida Leste-Oeste.

Na penúltima eleição para a Prefeitura e poucos meses antes de morrer, Moreira apoiou Nedson Micheleti, do PT – outro adversário histórico do PSDB – que disputava o segundo turno com Belinati. Micheleti venceu.

Junker reside em Londrina desde a década de 1950 e nunca disputou uma eleição. Na interinidade de José Roque Neto na chefia do Executivo londrinense (janeiro a abril de 1009), Junker foi secretário de Obras e presidente do IPPUL.

Política
9 Comentários
 

Até que enfim! (2)

Sete meses depois de ter se envolvido num acidente de trânsito com o advogado Nilson Silva, o (cada vez mais por enquanto) prefeito de Londrina, Homero Barbosa, concordou em negociar a reparação dos danos causados ao veículo do outro.

Silva, que não conseguiu arrumar o carro até agora, diz que Barbosa furou o sinal; Barbosa, que jamais erra, diz que o culpado é o outro.

Mas, enfim, Homero Barbosa se comprometeu a recebê-lo amanhã, quinta-feira, às 7h30 em… seu gabinete!

Pô, gabinete é para tratar de assuntos oficiais!

O acidente envolveu o carro particular de Homero, quando ele transportava a família para casa após compromisso particular.

Política
1 Comentário
 

Homero Barbosa: e tome mais esta!

Ontem foi Marco Cito, ex-secretário de Governo e de Gestão, responsabilizando o (cada vez mais por enquanto) prefeito de Londrina, Homero Barbosa, pela compra da coleção “Vivenciando a Cultura Afro-Brasileira”, recolhida a mando do Ministério Público por causa de seu conteúdo impróprio.

A compra custou R$ 620 mil. A Prefeitura pagou o valor integral, embora a editora, com sede em Itabuna (BA), tenha oferecido 18% de desconto.

E hoje foi Karin Sabec, ex-secretária de Educação, que também apontou a responsabilidade de Homero e responsabilizou também o ex-chefe de Gabinete Fábio Góes, coincidentemente baiano – e foragido desde que foi acusado de participar da quadrilha que fraudava recursos destinados à Saúde.

Karin e Cito respondem a ação por improbidade administrativa por causa dessa compra (e também pela de uniformes, feita de maneira irregular e com suspeita de ter sido superfaturada).

Eles são as principais testemunhas da Comissão de Investigação da Câmara criada para investigar essas irregularidades.

Até agora, ambos mantinham longe do imbróglio o (cada vez mais por enquanto) prefeito.

Mas Cito está preso, acusado de participar da “organização criminosa” que subornou vereadores para preservar o mandato de Homero.

E Karin, afastada da Secretaria, numa manobra para baixar a poeira, e transferida para uma assessoria especial no Sercomtel, agora tem pouco a perder: voltou à condição de servidora pública de carreira, pois a direção da Sercomtel a exonerou.

Portanto, surge a possibilidade de mais uma ação por improbidade administrativa contra Homero Barbosa.

E de mais uma Comissão Processante.

Que talvez venha a ser desnecessária, pois Homero Barbosa está na iminência de ser cassado por outra falcatrua pela qual é responsabilizado – o caso Centronic.

Política
Comente aqui


O preço do servilismo

Marco Cito: quem há ouvira falar dele até a posse de Homero Barbosa na Prefeitura de Londrina, pouco mais de três anos atrás?

 

Poucos, além do círculo social, familiar e religioso.

 

E, então, ele passou a frequentar o noticiário. Primeiro como chefe do Procon, depois como secretário de Gestão, depois de Governo (ou vice-versa), sendo que durante algum tempo ele acumulou as duas pastas. Deixou recentemente o governo para assumir a coordenação da campanha de reeleição de Homero Barbosa.

 

Até sua saída do governo, Cito era um dos raros remanescentes da primeira turma de assessores de primeiro e segundo escalões do (cada vez mais por enquanto) prefeito.

 

Homero Barbosa conseguiu prodígio de fazer cerca de 90 remanejamentos nesses dois escalões. É desafio para o “Homem que Calculava”, de Malba Tahan, indicar com exatidão quantos se foram definitivamente, quantos foram remanejados.

 

No final de sua participação no governo, Cito protagonizou notícias sobre irregularidades administrativas. Responde a duas ou três ações por improbidade administrativa.

 

E voltou ao noticiário, agora às manchetes, sob a acusação de integrar a “organização criminosa” que subornava vereadores para preservar o mandato de Homero Barbosa, ameaçado de cassação.

Resultado: está há mais de um mês na Penitenciária Estadual de Londrina. Surgiu em público esta semana, ao ser conduzido sob escolta à Câmara de Vereadores para depor na Comissão de Investigação sobre as irregularidades praticadas pela Secretaria de Educação, pelas quais também é responsabilizado.

 

Chegou num camburão, sem algemas e a barba e, acima de tudo, sem a empáfia que caracteriza suas aparições públicas. E foi conduzido, visivelmente constrangido, à sala de depoimento com um dos policiais agarrado à sua jaqueta.

 

Homero Barbosa trocou os auxiliares da primeira turma – entre eles vários de projeção profissional e social – pelos que não possuíam essas qualidades, mas aceitaram jogar o seu jogo: além de Cito, Rogério Ortega e Alysson Carvalho, aos quais se associaram o servidor público aposentado Ludovico Bonato e Roberto Coutinho, que, de diretor de marketing, foi içado à presidência do Sercomtel.

 

Os quatro primeiros estão presos, Coutinho foi destituído do cargo pela Justiça e desfiliou-se do PDT, partido de Homero.

 

Eles pagam o preço do servilismo.

Política
Comente aqui
 

Os delírios de Reinaldo Azevedo

(..) Delirei ainda ao saber que um grupo de empresários paga as contas de uma consultoria privada, que criou uma “Casa Civil do B”, com acesso a dados sigilosos do governo. O grupo trabalha dentro do Palácio do Planalto. Eis, parece-me, um caso real de privataria, não é? Consultorias costumam prestar contas a quem… paga as contas! E olhem que eu sou um liberal fanático, entenderam? Por isso mesmo, recorrendo a uma metáfora, acho que não se deve misturar carne com leite. Se empresários podem pagar consultorias privadas para atuar dentro do governo, por que não poderiam, por exemplo, financiar até uma força armada para agir sob os auspícios do estado? E depois o Marcos Stávale vem dizer que meu cérebro está intacto? Não posso estar lendo o que leio.

Este é o trecho de um comentário feito hoje por Reinaldo Azevedo, o blogueiro mais amado pelos petralhas. O texto completo está em
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/uma-conversa-com-o-neurocirurgiao-marcos-stavale-ou-%E2%80%9Cnada-de-dobradinha-com-fanta-uva-antes-de-dormir%E2%80%9D/

Política
Comente aqui