A Privataria Petralha e sua vítima preferencial, a Petrobras

Reportagem da revista Época é de dar calafrios: mostra como, depois de ter sugado o quanto pôde da Petrobrás, utilizando-a como instrumento político – e, assim, causando o maior rombo e a maior desvalorização da historia da companhia -, o governo petista quer agora se desfazer de ativos bilionários da empresa no exterior como se fossem sucata.

 

Aperitivo:

 

Na quarta-feira, dia 27 de março, o executivo Carlos Fabián, do grupo argentino Indalo, esteve no 22o andar da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, para fechar o negócio de sua vida. É lá que funciona a Gerência de Novos Negócios da Petrobras, a unidade que promove o maior feirão da história da estatal – e talvez do país. Sem dinheiro em caixa, a Petrobras resolveu vender grande parte de seu patrimônio no exterior, que inclui de tudo: refinarias, poços de petróleo, equipamentos, participações em empresas, postos de combustível. Com o feirão, chamado no jargão da empresa de “plano de desinvestimentos”, a Petrobras espera arrecadar cerca de US$ 10 bilhões. De tão estratégica, a Gerência de Novos Negócios reporta-se diretamente à presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster. Ela acompanha detidamente cada oferta do feirão. Nenhuma causou tanta polêmica dentro da Petrobras quanto a que o executivo Fabián viria a fechar em sua visita sigilosa ao Rio: a venda de metade do que a estatal tem na Petrobras Argentina, a Pesa.

 

Prato principal:

 

http://revistaepoca.globo.com//tempo/noticia/2013/03/empresas-da-petrobras-vendidas-pela-metade-do-preco-um-amigo-de-cristina-kirchner.html

 

Sem categoria

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.