Mês: junho 2013



Decênio, novo slogan

As gigantescas manifestações de rua – nas quais tudo se pede, resumindo tais aspirações num governo eficiente e decente – coincidem com os 10 anos do PT no poder, que o partido comemora com o slogan “O decênio que mudou o Brasil”.

 

As manifestações sugerem outro slogan, mais condizente com a realidade e o sentimento nacional: “O decênio que revoltou o Brasil”.

Sem categoria
Comente aqui


Fragilidade de Dilma ameaça o PiTanic

De mais popular que o presidente Lula, seu Criador, a president@ Dilma despenca, em pouco mais de um mês, de 60 e tantos por cento para 30% de aprovação.

E seu favoritismo nas urnas, em 2014, segue o rastro: de 52% para 30%.

Ambos os levantamentos são do Datafolha.

A queda da popularidade da president@ não apenas compromete sua reeleição.

Foi tão radical e abrupta que impõe a pergunta: ela terá condições de concluir o mandato?

A incapacidade gerencial e política da president@ e seu séquito ficaram tão expostos nos últimos dias, que comprometem a esperança de que adotem ações capazes de segurar um governo que se desmantela.

O “pacto” proposto por ela é um conjunto de boas intenções, com as quais ela pretendeu dividir a responsabilidade do governo central com estados e municípios, que demandarão tempo, muito tempo, e dinheiro – muito dinheiro – para serem efetivadas.

E a proposta de plebiscito sobre a convocação de uma constituinte exclusiva – sepultada tão rapidamente como a caxirola de Carlinhos Brown -, depois a da consulta popular sobre temas da reforma não passam de mera cortina de fumaça. Cortina com a qual ela pretende ganhar tempo e evitar o naufrágio imediato do seu governo e, consequentemente, do principal partido que o sustenta, o PT.

Governo e PT – o PiTanic – estão profundamente rachados e comprometidos em médio prazo, em consequência do choque com o iceberg da opinião pública.

Sua esperança é a volta do grande timoneiro Lula (este é um tema desafiador; ficará para a primeira oportunidade).

Mas o transatlântico avariado conseguirá navegar até que Lula possa se apresentar para pilotá-lo?

Sem categoria
Comente aqui


Gleisi, a ministra que derreteu

A ministra-chef@ da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, derreteu com a eclosão dos protestos de rua.

Aloízio Mercadante tomou seu lugar e sua voz – assim como o de Ideli Salvatti – na interlocução com o Congresso e sociedade civil.

Gleisi foi ainda mais fundo que sua colega: não participou, na quinta-feira, da reunião da president@ Dilma com os líderes dos partidos aliados.

Ideli estava lá.

E Mercadante, que deveria ser um estranho no ninho, já que sua área é a Educação, idem. E foi quem assumiu a condição de porta-voz do encontro.

Gleisi foi descartada para o almoço de sábado de Dilma com três ministros – um deles (suma desfaçatez!), seu companheiro Paulo Bernardo… O outro, Mercadante!

O almoço teve como prato principal a indigesta pesquisa Datafolha, que apontou a queda apocalíptica da popularidade da presidente – de 57 para 30% de aprovação, sendo que o parâmetro anterior já era oito pontos inferior ao que o precedera.

O ofuscamento e posterior ausência de Gleisi apontam para a inevitável saída dela da Casa Civil antes do previsto, que era o final do ano.

Gleisi se junta, assim, aos ministros – Mantega, Ideli, Carvalho (por que não?) – que estão com (poucos) dias contados.

E, o que seria um salvo-conduto para ela disputar o governo do Paraná, se transforma num atestado de incapacidade administrativa.

Sua fragilidade de articulação e concepção ficou evidente no episódio da MP dos Portos, quando ela e Ideli se contradiziam a cada movimento, e na desastrada decisão de retirar da Funai a exclusividade pela demarcação de terras indígenas.

A “especialista em gestão pública” revelou-se, no confronto com a realidade, a dondoca de vestuário de grife, maquiagem perfeita, nariz misteriosamente empinado, voz suave e… o que mais, mesmo?

Sem categoria
1 Comentário


Os três mosqueteiros da rainha nua

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, foi um dos três interlocutores da president@ Dilma no sábado, durante almoço no Planalto para analisar a queda brutal da popularidade dela, conforme o Datafolha.

Helena Chagas, das Comunicações, e o indefectível Aloízio Mercadante foram os demais.

Mercadante assumiu o papel de conselheiro-mor da president@. Está aparecendo mais nos noticiários do que a patroa.

Bernardo – é a segunda vez que é chamado ao palácio, após a deflagração dos protestos de rua, para aconselhar a chefa – tem a caneta para influenciar tevês e rádios – concessões e, por via indireta, publicidade.

Chagas, por sua vez, tem os canais de acesso aos diretores de redação de jornais.

A presença de ambos aponta para uma ação de convencimento dos meios de comunicação para darem uma trégua no bombardeio informativo à president@, rainha do Planalto, a cada dia mais nua.

Sem categoria
Comente aqui
  

Governo exaurido

Do estadão.com:

Mesmo sabendo do tamanho da encrenca que será enfrentar uma Câmara com até a base aliada enfurecida, Dilma não recuará novamente na ideia de reforma política. Mas é por pura falta de opção. Não há dentro do governo nenhuma outra carta na manga para conter a onda de insatisfação que levou milhares de manifestantes às ruas. A petista aposta todas as fichas em ajustes pontuais nos serviços públicos e na reforma como respostas definitivas para aplacar o clamor das ruas.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,dilma-preve-retaliacoes-no-congresso-,1048577,0.htm

 

Sem categoria
2 Comentários
 

Dilma é criticada até… no Blog da Dilma!

O texto, de Daniel Pearl (muito prazer) é confuso, expressando, assim, a catatonia que tomou conta do PT e seus porta-vozes.

Mas seu conteúdo, apesar da confusão e até do surrealismo de algumas informações, revela o quanto Dilma Rousseff distanciou-se daqueles de quem depende para se manter no poder.

Até o blog criado (pelo PT) para consolidar sua candidatura à presidência fala mal dela. Este comentário está no Blog da Dilma.

 

A Classe conservadora não precisou dos tanques de 1964, em novos tempos, ela usou as Redes Sociais para derrubar a presidenta Dilma Rousseff, o nocaute virtual foi brutal. A imprensa venal e golpista aproveitou a revolta dos jovens nas ruas, para criar todo clima de pânico e medo para população, como aconteceu durante a Marcha para Deus, no final de março de 1964, levando a saída de Jango do Poder. A Elite começou sua campanha eleitoral de 2014, um dia após a vitória nas urnas da presidenta Dilma Rousseff, dia 1º de novembro de 2010. Dilma Rousseff se distanciou dos Movimentos Sociais, isolou o Partido dos Trabalhadores, deu carta branca a fraquíssimo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que enterrou o Projeto do Marco Regulatório das Comunicações, conhecido como a início da democratização da mídia no Brasil, como foi feito na Argentina, Venezuela, Equador, Inglaterra, Estados Unidos. A desastrosa entrevista do ministro Paulo Bernardo as páginas da revista Veja é uma demonstração que o Governo Dilma Rousseff deu uma guinada a “direita”, revoltando as forças progressistas. Outro fator, o centralismo da presidenta Dilma Rousseff, não ouvindo o clamor dos Movimentos Sociais, CUT, Força Sindical, MST, UNE, Movimentos Religiosos…O resultado da nova pesquisa do DATAFOLHA é preocupante…

 

(Não resisti, e corrigi os erros mais crassos de português.)

 

http://blogdadilma.com/dilma/3396-des8ds.html

 

 

 

Sem categoria
Comente aqui


O referendum

Do leitor Maso:

 

Deitados eternamente em berço esplêndido,
ao som do mar, e a luz do céu profundo…
eis que ecoou um som aos quatro ventos,
barulho ensurdecedor de fim de mundo.
.
Despertos, os melancólicos bons vivans,
que peitam a lei sempre em vantagem,
sentiram o murmurar das multidões,
gritando pelo fim da sacanagem.
.
Ladrões nunca antes molestados,
que roubam com caneta, e na surdina,
tornaram se um bando alvoroçado,
querendo desfazer a aparência porcina.
.
O cassino de outrora, revelado,
na casa do povo, a jogatina,
as excelências, todos, acadelados,
acabrunhados, tentam mudar a sina.
.
Para que uma consulta popular,
o caminho da vergonha não se ensina,
a velhos velhacos experientes,
corruptos que só trazem ruína.
.
A reforma! Oh! A reforma política!
E a reforma moral! Não tem oficina?
ridículos! E a vergonha na cara?
Não é preciso consultar na esquina!

Sem categoria
Comente aqui