Mês: julho 2013

  

A conta de luz queimou

Editorial de O Estado de S.Paulo

 

O governo está enrolado financeiramente em mais uma operação mal planejada, mal executada e concebida para objetivos errados – subsidiar a conta de luz para maquiar os custos e a inflação. Como falta dinheiro em fundos setoriais para pagar as indenizações devidas a empresas de eletricidade, o Tesouro tem de entrar em cena para pagar R$ 6,7 bilhões em quatro anos, segundo estimativa divulgada ontem pelo Estado. Com apenas uma iniciativa, anunciada em setembro do ano passado pela presidente Dilma Rousseff, o Executivo federal cometeu três erros: distorceu custos, disfarçou a inflação, empurrando para a frente um problema de enorme importância econômica, e sobrecarregou mais uma vez as finanças do setor público.

 

O governo decidiu no ano passado antecipar a renovação das concessões às companhias do setor elétrico. Uma das condições seria a redução média de 20% do valor das tarifas. A Cemig, a Cesp e a Copel, no entanto, recusaram a proposta. Por isso, o governo teve de assumir encargos maiores para garantir o benefício prometido a todos os consumidores. A situação ainda se complicou quando a seca, no fim de 2012, tornou necessário o uso da energia mais cara produzida por usinas térmicas. Seria preciso neutralizar também esse aumento de custo, para cumprir a promessa de reduzir a conta de eletricidade.

 

A maior parte do dinheiro para cobrir o subsídio deveria sair da Reserva Global de Reversão, criada para indenizar concessionárias no caso de suspensão do contrato. Com o novo plano, o dinheiro seria usado principalmente para financiar a nova e confusa iniciativa do governo. Havia R$ 15,2 bilhões disponíveis em janeiro. Em maio o saldo estava reduzido a R$ 6,4 bilhões. O valor atualizado, segundo estimativa extraoficial, é de R$ 2,4 bilhões.

 

Entre janeiro e maio, a Conta de Desenvolvimento Energético, destinada a financiar, entre outros, o programa Luz para Todos, foi reduzida de R$ 2,5 bilhões para R$ 223,3 milhões. Como essa conta era alimentada pelos consumidores, via conta de luz, a redução das tarifas praticamente extinguiu essa fonte. Em maio, R$ 2,5 bilhões saíram da Reserva Global de Reversão para esse fundo, em operação mantida em sigilo e recém-descoberta pelo Estado. Todos esses detalhes foram mostrados na reportagem.

 

Dos R$ 20 bilhões devidos às empresas participantes do plano de renovação antecipada, o governo pagou R$ 7,69 bilhões em janeiro e provavelmente – faltam informações atualizadas – mais R$ 3 bilhões até junho. O dinheiro disponível nos fundos setoriais é obviamente insuficiente para a liquidação do restante, com desembolso médio estimado em R$ 500 milhões por mês. A esse valor é preciso acrescentar uma remuneração de capital de 5,59% ao ano.

 

A aventura anunciada em setembro pela presidente Dilma Rousseff converteu-se em problema orçamentário, com graves implicações para os resultados fiscais. Isso explica a decisão do governo de antecipar o recebimento de recursos da Itaipu Binacional. Seria mais um truque para maquiar o resultado das contas públicas. Diante das críticas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já anunciou o abandono dessa ideia.

 

O balanço é inequívoco. Mais uma vez o governo se meteu em dificuldades ao cuidar de maneira errada de dois problemas importantes. Um deles é o alto custo da eletricidade para todos os consumidores. Esse é um componente importante do custo Brasil e um encargo muito pesado para a maioria dos consumidores. Além disso, o subsídio à conta de luz disfarçaria, a curto prazo, a inflação acelerada.

 

Em vez de atacar as causas dos problemas – o alto custo da energia, uma questão estrutural, e a aceleração dos preços ao consumidor, um desafio imediato -, o governo preferiu disfarçar a realidade. Como sempre, agravou os problemas ao tentar contorná-los. Nada se resolverá sem a execução eficiente de projetos para a produção de energia, sem a revisão dos componentes de custos (a começar pelos tributos) e, a curto prazo, sem um ataque mais firme às causas da inflação.

Sem categoria
Comente aqui


IDH comprova: Brasil existia antes de Lula. Incrível!

Excelentes números.

Mostram a melhoria da qualidade de vida do brasileiro e, para perplexidade do PT, que o Brasil existia e se preocupava com os pobres antes da chegada de Lula ao poder.

Do estadao.com:

O Índice do Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Brasil, divulgado nesta segunda-feira, 29, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), revela um expressivo avanço do Brasil nos últimos 20 anos, mas também um quadro em que a educação se mantém como o principal desafio do País.

Entre 1991 e 2010, o índice cresceu 47,5% no País, de 0,493 para 0,727. Inspirado no IDH global, publicado anualmente pelo PNUD, esse índice é composto por três variáveis e o desempenho de uma determinada localidade é melhor quanto mais próximo o indicador for do número um.

A classificação do IDHM do Brasil mudou de ‘Muito Baixo’ (0,493 em 1991) para ‘Alto’ (0,727).

O subíndice educação, uma das variáveis que compõem o IDHM, é o que mais puxa para baixo o desempenho do País. Em 2010, a educação teve uma pontuação de 0,637.

Embora seja o componente com pior marcação, foi na educação que mais houve avanço nas duas últimas décadas, ressaltaram os pesquisadores. Em 1991, a educação tinha um IDHM 0,279, o que representa um salto de 128% se comparado à pontuação de 2010.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,idhm-do-brasil-avanca-475-em-20-anos-mas-educacao-ainda-e-o-maior-desafio,1058531,0.htm

Sem categoria
2 Comentários


A Istoé e o jornalismo modelar para o PT

Antes, a ressalva:

A corrupção não escolhe partido, embora o PT se destaque por defender corporativamente seus membros acusados de ou condenados por corrupção. Veja-se o caso do mensalão.

A revista Istoé, notoriamente anti-PSDB, dedicou as capas das duas últimas edições para acusar políticos desse partido de cobrarem propina das empresas fornecedoras do metrô e da companhia ferroviária, administrados pelo governo de São Paulo – o reduto que o PT ainda não conseguiu arrancar de seus principais oponentes.

Os petistas, que lutam contra as cordas no quesito corrupção, estão levantando os braços e comemorando a vitória.

Se depender do conteúdo das reportagens da revista, vão levar um direito no queixo oportunamente.

Não sou tucano nem tenho procuração para defendê-los. Mas, como jornalista, sinto-me no direito de analisar as reportagens da Istoé.

Resumo: a revista informa que o Cade, instância de supervisão econômica do Congresso e presidida pelo petista Lindbergh Farias, recebeu denúncia de um funcionário da Siemens, uma das fornecedoras do metrô e da companhia ferroviária, de que as empresas concorrentes mantêm cartel para vencer licitações e pagam funcionários graduados do metrô e companhia ferroviária. Que, por sua vez, destinam parte da propina a políticos do PSDB.

E tudo fica por aí: não há nome do denunciante (compreende-se a razão do anonimato), não são apontados os políticos que se beneficiariam do esquema (isso é injustificável) e os intermediários citados são todos ex-funcionários das empresas denunciadas. Foram demitidos em razão de outra denúncia de propina envolvendo a francesa Alston.

Não há sequer um documento que comprove a denúncia – e isso é aviltante.

 

                                                                          (“Documento” apresentado pela Istoé: ridículo!)

Esse é o tipo do jornalismo que o PT, que prega a “regulamentação da imprensa”, apregoa como modelar: o que atropela as regras elementares do código de ética da categoria – que exige investigar profundamente uma denúncia e fundamentá-la – desde que seus adversários sejam o alvo.

Como o PT reagiria se um órgão de imprensa, citando uma fonte anônima e sem apresentar qualquer documento, acusasse o filho de Lula – aquele que recebeu R$ 5 milhões de uma operadora de telefonia – de ser mero intermediário do pai num esquema de propina junto a concessionárias de serviços públicos?

Mesmo nesse caso, em que a empresa que pagou a fortuna a Lulinha foi atendida em seu desejo de mudar a Lei Geral das Telecomunicações, seria uma leviandade.

 

Fontes:

http://www.istoe.com.br/reportagens/315089_O+ESQUEMA+QUE+SAIU+DOS+TRILHOS?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

 

http://www.istoe.com.br/reportagens/316224_TRENS+E+METRO+SUPERFATURADOS+EM+30+

Sem categoria
5 Comentários
  

Vade retro

Em entrevista à Folha de Londrina, o ex-prefeito Homero Barbóquio afirma que foi deposto – está para completar um ano – porque seus adversários temiam sua reeleição.

 

O comentário, entre outros gritantes, mostra que ele não aprendeu nada: continua mentindo, já que, mesmo cassado, participou da eleição e saiu humilhado.

 

Barbóquio comandou uma administração (sic) estapafúrdia, atabalhoada e corrupta.

 

E ele diz que quer voltar à política…

 

Vade retro!

 

Sem categoria
2 Comentários


Io mi orgoglio di Bergoglio

Simplicidade, autenticidade, carisma contagioso, discurso pontual e acessível: o papa Francisco encantou multidões – os 3 milhões em Copacabana dizem tudo –, deixou mensagens contundentes no conteúdo e elegantes na forma, e sensibilizou até uma ovelha desgarrada como este escriba.

Num italiano mambembe, resumo meu sentimento: Io mi orgoglio di Bergoglio!

Eu me orgulho de Bergoglio!

Sem categoria
1 Comentário