Coloque o narizinho de molho, dona Gleisi

A condenação do deputado federal Nelson Meurer (PP) por corrupção e lavagem de dinheiro, pela 2ª Turma do STF, aconselha a presidente nacional do PT e senadora nas horas vagas Gleisi Hoffmann a colocar de molho seu bem forjado narizinho arrebitado: ela será a próxima a ser julgada, e o precedente de ontem não permite outra conclusão que não fim semelhante para o seu caso.

A não ser que… o “trio porteira livre”, formado por Lewandowski, Toffoli e Gilmar, faça mais um malabarismo jurídico, o que tem caracterizado a conduta deles, para livrar a companheira.

A 2ª Turma inocentou Meurer das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro quanto à doação eleitoral, anotada na prestação de contas à Justiça eleitoral – uma excrecência, já que legaliza o pagamento “contabilizado” de propina. No caso de Gleisi, no entanto, essa tese não poderá ser aplicada.

Por quê? Porque ela está sendo processada, junto com o companheiro conjugal Paulo Bernardo, pela acusação de ter recebido R$ 1 milhão desviado da Petrobras pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa, que usou o doleiro Alberto Yussef para fazer a bufunfa chegar a Gleisi – dinheiro destinado à sua campanha de 2010. Ambos confirmam a operação, feita em várias parcelas, e o mesmo faz o entregador – que inclusive detalhou quando, como e a quem entregou a grana preta.

(Paulo Bernardo é acusado de ter sido o autor do pedido da propina.)

O crime de corrupção e lavagem de dinheiro (que não foi declarado à Justiça Eleitoral) está, portanto, mais do que caracterizado.

A conclusão é: aproveite, dona Gleisi, seus últimos momentos de liberdade fazendo o que mais sabe: esgoelando-se em defesa do presidiário Lula, líder da maior organização criminosa de que se tem notícia. Organização que está sob o comando dela.

E deixe o narizinho de molho!

Sem categoria

Um comentário sobre “Coloque o narizinho de molho, dona Gleisi

  1. maso 30 de maio de 2018 19:44

    Vai ser interessante ver a primeira senadora presa na lava-jato. E sem cotas! Por competência mesmo em coisas erradas.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.