Fachin apunhala Alvaro Dias pelas costas

Defensor do MST e cabo eleitoral de Dilma Rousseff, Edson Fachin chegou ao STF com um empurrãozinho decisivo de um adversário insuspeito do PT: o senador Alvaro Dias, que endossou seu conhecimento e independência jurídica.

Alvaro Dias é um dos mais ferrenhos opositores do PT.

O aval de Alvaro custou-lhe a perda de milhares de eleitores em potencial em seu estado, o Paraná, e críticas contundentes de simpatizantes Brasil afora.

Os primeiros movimentos de Fachin, sobretudo sua postura firme na relatoria da Lava Jato, demoliram a impressão de que o ministro agiria – assim como Toffoli e Lewandowski – como cavalos de Troia a serviço do PT no Supremo.

Seu voto esdrúxulo, extravagante e injurioso ao ordenamento legal brasileiro proferido hoje à noite em defesa da candidatura de Lula – no qual referendou a determinação do Comitê de Diretos Humanos da ONU para que o presidiário, condenado em segunda instância, participasse do jogo – jogou por terra sua imagem de legislador infenso às suas preferências políticas.

E equivaleu a uma punhalada nos costas de Alvaro Dias. Para dar a Lula, condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, a chance de afrontar a Justiça e tentar voltar ao comando do país que dilapidou, Fachin deu um golpe doloroso na candidatura de um homem íntegro – há 50 anos na vida pública e sem ter respondido a um só processo – pois o que fez hoje será cobrado do seu avalista.

Sem categoria

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.