Lula, o primeiro ex-presidente presidiário

“O combate à corrupção e a defesa da ética no trato da coisa pública serão objetivos centrais e permanentes do meu governo. É preciso enfrentar com determinação e derrotar a verdadeira cultura da impunidade que prevalece em certos setores da vida pública.

Não permitiremos que a corrupção, a sonegação e o desperdício continuem privando a população de recursos que são seus e que tanto poderiam ajudar na sua dura luta pela sobrevivência.”

As afirmações acima foram feitas por Luís Inácio Lula da Silva ao assumir a presidência da República em 1º de janeiro de 2003.

Quinze anos e três semanas depois, o paladino da moralidade pública tem a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro reafirmada em segunda instância, que aumentou sua pena de prisão para 12 anos e um mês.

A condenação em segunda instância abre-lhe as portas da cadeia, assim que foram esgotados os recursos nessa mesma instância.

E quando isso ocorrer, terá obtido a façanha de ser o primeiro ex-presidente da República a ser preso.

Sua foto na galeria de presidentes do Palácio do Planalto merecerá ser adornada com uma sobreposição de grades sobre seu rosto. AleLula!

Sem categoria
Comente aqui


A Justiça não se curvou aos canalhas

A decisão do TRF da 4ª Região demonstra que, apesar da campanha da difamação, das ameaças – inclusive de morte – contra membros do Judiciário, do esforço publicitário empreendido pelo PT, com a adesão de seus simpatizantes mundo a fora, para mentir que seu líder Lula é vítima de uma “caçada judicial”: a Justiça não se curvou aos canalhas.

3 x 0: o placar mais temido por Lula e pelo PT.

E a pena aumentada para 12 anos e um mês de prisão!

24 de janeiro, que o presidiário José Dirceu pretendia caracterizar como o “Dia da Revolta”, passa a ser o Dia da Justiça!

O Estado de Direito prevaleceu sobre o Estado da Força desejado pelo PT.

Sem categoria
2 Comentários


3 x 0: a derrota do impostor, a vitória do Brasil

3 x 0 – e com elevação da pena de prisão. O placar mais temido por Lula e o PT. O placar mais esperado pelos brasileiros que não compactuam com a corrupção, a mentira, a ameaça.

A decisão unânime do TRF sobre a lisura da sentença do juiz Sergio Moro, que condenou Lula a nove anos e seis meses de prisão para corrupção e lavagem de dinheiro, é um consolo para a grande maioria dos brasileiros, subjugados, desde o início do processo, por uma campanha de desinformação empreendida pelos sequazes do condenado. E espoliados, desde a ascensão de Lula à presidência, longínquos e nefastos 15 anos atrás, da esperança que o levou ao cargo – a esperança de que promoveria, como prometera, a mais intensa e eficaz campanha contra a corrupção da história.

O que assistimos, e isto custou bilhões de dólares ao país – para nos limitarmos apenas ao aspecto financeiro -, foi ao maior saque de que se tem notícia, empreendido pela mais voraz e estruturada das organizações criminosas de que se tem notícia. Organização estruturada e chefiada por Lula e da qual participaram seu partido e as “elites”, que apresentavam como seus inimigos, personificadas pelas maiores empreiteiras do país.

O placar fulmina os planos eleitorais de Lula e o sonho dos petistas de reaverem o poder, suas benesses e comissões fabulosas. Haverá, sim, uma árdua, tensa e cansativa ofensiva no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral para manter sua candidatura, mas o resultado está escrito nas estrelas: a derrota.

O futuro político de Lula e do PT sucumbiu a este placar. O que resta é apenas o passado. E um passado desonroso.

A decisão do TRF encerra um ciclo político, sepulta um mito e desnuda uma organização criminosa travestida de partido político. E consola a nação por demonstrar que a Justiça prevalece sobre os poderosos, corruptos e mentirosos. Como nunca antes na história deste país, um homem poderoso como Lula foi condenado. Como nunca antes na história deste país juízes souberam impor à lei às ameaças. Como nunca antes na história deste país podemos viver o Estado de Direito em sua plenitude.

O homem que mais prejuízo causou ao país, que o traiu com mais despudor e o decepcionou em maior intensidade está destinado à prisão.

O Brasil livra-se, assim, de um algoz impiedoso e recobra a liberdade. Mesmo que tardia e por mais que lhe tenha custado.

Sem categoria
Comente aqui


Marcelo Belinati, o prefeito sem coração

Não soube, senhor prefeito
Do desastre que se deu?
O IPTU saiu do seu jeito
E o povo todo se f…

Com essa provocação (grosseira no último verso, admito), abri no dia 11 um comentário em forma poética para exortar o prefeito Marcelo Belinati a rever o aumento da planta de valores que reajustou vioilentamente o IPTU dos londrinenses. Os versos parodiam uma poesia de mais de 60 anos do vereador Mario Romagnolli, dirigida ao prefeito Hugo Cabral a pretexto de um buraco em via pública no qual morrera um trabalhador.

Belinati já soubera do impacto causado pelo reajuste a ponto de evitar aparições públicas. No primeiro encontro com jornalistas – inevitável numa solenidade de assinatura de termo de compromisso com uma multinacional disposta a investir na cidade –, rejeitou qualquer possibilidade de rever o aumento. O máximo de esperança que permitiu foi analisar caso a caso a nova tarifa, desde que o inconformado procurasse a prefeitura.

Desde então, escafedeu-se. Delegou a inglória tarefa de enfrentar a opinião pública ao secretário de Fazenda e Planejamento, Edson de Souza, servidor de carreira.

Seja rico, remediado
O pobre principalmente
Todos foram esfolados
Pelo imposto inclemente.

O pretexto para o reajuste da planta de valores foi a incompatibilidade da tarifa cobrada na Gleba Palhano, bairro de classe média alta que teve grande expansão nos últimos 15 anos, em relação ao valor venal dos imóveis. Além disso, não havia correção da planta desde 2002 porque a Câmara rejeitou a proposta de dois profeitos. Belinati estava entre os vereadores que se insurgiram contra o reajuste..

Não houve atualização da planta de valores, de fato. No entanto, o IPTU foi reajustado anualmente e acima da inflação. A atualização desconsiderou a grave crise econômica pelo qual passa o país, que tem reflexos dramáticas no orçamento e qualidade de vida das famílias.

O aumento foi amplo, geral e irrestrito, contrariando postura de Belinati quando vereador e muito mais expressivo do que previsto e anunciado por ele. Em entrevista no final do ano passado a um programa de televisão de grande audiência – Tribunal da Massa, comandado por Carlos Camargo, na Rede Massa –, criticou os que alertavam para a contundência do aumento e garantiu que seria suave, consequência do ”consenso”.

Não era só para corrigir
As injustiças da Palhano?
O pagamento vai consumir
A economia de todo o ano

A praça de atendimento da prefeitura está repleta desde o anúncio do reajuste: são pessoas sem condições de pagá-lo, idosos em busca de isenção, contribuinte ansiosos ao menos por uma redução. As queixas nas redes sociais são expressivas – e documentadas: há casos de reajuste de mais de mil por cento! OK, isso é a minoria (o aumento médio foi de 80% a 100%), mas como não se sensibilizar pela velhinha que mora numa casa há 50 anos, estava isenta do pagamento e, de repente, recebe um carnê no valor acima de qualquer possibilidade de pagamento!

O que fazer?

O secretário Edson de Souza é claro: pagar; do contrário a senhora será executada, correndo o risco de ter o imóvel confiscado. Para evitar a perda da casa, que a venda! Disse isso, assim mesmo, sem o menor pudor, a menor complacência, em entrevista à Rádio Paiquerê AM.

O secretário fala em nome do prefeito, e jamais foi corrigido. Expressa, portanto, o pensamento do chefe.

Ainda há tempo de anular
Essa dura, cruel taxação
O povo vai comemorar
E o senhor ter a reeleição

Os vereadores estão perplexos com a enormidade do aumento. Alegam que não tiveram meios de prevê-lo durante a discussão do projeto (!) e pressionam o prefeito a voltar atrás. Ou que pelo menos congele a alíquota de 0,6% do valor venal atribuído ao imóvel, utilizada como referência para a cobrança do IPTU. Ela subirá gradualmente nos próximos quatro anos até atingir 1%. Se está insuportável agora, dá para imaginar em 2022!
.
O Tribunal de Justiça concedeu liminar a três contribuintes, autorizando-os a depositar em juízo o valor do IPTU do ano passado reajustado pela inflação. E o Ministério Público prepara ação direta de inconstitucionalidade, alegando que o aumento foi abusivo por exceder a capacidade de pagamento de muitos contribuintes e, portanto, é confiscatório.

Mas se disser que não
E na cobrança persistir
Saberemos que há uma pedra
No lugar do seu coração.

Belinati tem sido insensível aos muitos dramas provocados pelo reajuste exorbitante pelo qual é responsável, que combateu quando vereador e uma vez no cargo de prefeito garantiu que não aconteceria.

“Para melhorar Londrina de verdade, tem que ter razão, vontade e coração”, dizia um dos comerciais de sua campanha eleitoral. O aumento abusivo do IPTU atesta a falácia da propaganda, pois ele impõe a vontade à razão (que recomenda, com aval da Justiça e do Ministério Público, que recue) e é insensível aos dramas que causou.

Ainda há tempo de rever o desastre que cometeu e, assim, evitar uma derrota jurídica e consequentemente política. E, acima de tudo, passar para a história como o mais enganoso e cruel dos prefeitos de Londrina. O prefeito sem coração!

Sem categoria
Comente aqui


Paulo Bernardo sai das trevas para conspirar nas sombras

A última vez que se registrou sua aparição pública foi ao lado da companheira conjugal Gleisi Hoffmann, num museu em São Petersburgo (foto), em outubro passado. Estava magro, o rosto, outrora bochechudo, macilento, mais careca do que nunca e o que sobrara de cabelo, mais branco do que nunca. Envelheceu.

Paulo Bernardo evita aparições públicas desde o final do primeiro mandato de Dilma Rousseff, que não renovou sua permanência no comando do Ministério das Comunicações. Chefiou o Ministério do Planejamento Planejamento desde o segundo ano do primeiro mandato de Lula. Foi um homem poderoso, portanto.

Nesse período, sua aparição pública mais estrepitosa foi a condução, documentada pela imprensa, para a prisão preventiva ordenada pela Operação Custo Brasil, da qual saiu por obra e graça de seu amigo Dias Toffoli, do STF. Acusação: desvio de R$ 100 milhões para o PT, ele e cúmplices resultado do contrato fraudulento com uma prestadora de serviços à custa dos proventos dos servidores federais, da ativa e aposentados.

Crime de lesa-trabalhador, portanto, imperdoável por ser praticado por um expoente do Partido (que se diz) dos Trabalhadores! Crime agravado pelo fato de que parte, mesmo que insignificante diante do volume, do dinheiro desviado tenha pagado despesas pessoais de sua companheira, senadora pelo também Partido (que se diz) dos Trabalhadores. O pagamento foi documentado pelo intermediário da transação, um advogado de Curitiba que se juntou à quadrilha.

Bernardo é réu também na Lava Jato. Responde junto com Gleisi pelo desvio de R$ 1 milhão da Petrobras para abastecer a campanha dela ao Senado. O julgamento é o primeiro da fila no STF.

E eis que uma matéria do Estadão da semana passada revelou que Bernardo saiu das trevas para conspirar nas sombras. Ao lado de Aloizio Mercadante, dará o texto final a uma paródia da Carta ao Povo Brasileiro, documento em que Lula e o PT renegavam seu passado e que os levou à conquista da Presidência, em 2002. A carta, tal qual a anterior, é a síntese do programa de governo que o PT se propõe a aplicar caso Lula volte ao Planalto.

O partido levará a candidatura dele até o fim, mesmo que Lula tenha (e terá!) sua condenação reafirmada pelo TRF na quarta-feira que vem. A decisão demonstra a insurgência do PT e de Lula contra o Estado de Direito, que estabelece o respeito à lei. E a lei determina que condenado em segunda instância inicie o cumprimento da pena e fique inabilitado eleitoralmente.

Nada mais coerente com a trajetória do PT, e dissonante de sua proposta original de promover uma cruzada sem tréguas contra a corrupção: seu líder Lula é um condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, está na iminência de ter a sentença reafirmada e é réu em (por enquanto) seis ações penais por crimes correlatos, obstrução de Justiça e tráfico de influência. Ao longo dos 13 anos e quatro meses no poder, o PT revelou-se uma organização criminosa, a mais voraz e inescrupulosa de que se tem notícia. E Lula a liderou.

A retomada do poder à revelia da lei é, portanto, uma conspiração, uma ameaça ao Estado de Direito, uma agressão ao princípio da moralidade pública e dignidade pessoal que se exige de um candidato à presidência. E a essa conspiração e seus derivados Bernardo se associa, reforçando o rol de criminosos ou acusados de crimes que compõem a cúpula do PT e a coordenação de um esforço eleitoral afrontosamente ilegal.

A minuta do programa de governo utópico (não acontecerá, pois as urnas derrotarão Lula caso ele leve em frente a afronta) foi feita por Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo indiciado há poucos dias pela Polícia Federal por usar dinheiro desviado da Petrobras em sua campanha.

Haddad estava cotado para comandar a campanha de Lula; o indiciamento o inabilita. Ele é a segunda baixa do partido para essa função. A primeira é Fernando Pimentel, governador de Minas, réu por corrupção e lavagem de dinheiro.

O companheiro de Bernardo na tarefa de elaborar o texto final do documento é Mercadante, ex-ministro de Dilma e réu por obstrução de Justiça e tráfico de influência.

E lembremos: a Carta ao Povo Brasileiro foi redigida por Antonio Palocci, ministro de Fazenda de Lula e chefe da Casa Civil de Dilma. Condenado por corrupção, acusou Lula de possuir uma conta corrente na Odebrecht, resultado de sua intermediação para facilitar os negócios da empreiteira. A empresa registrou os repasses ao ex-presidente, confirmado a acusação de Palocci. O idealizador do documento original foi José Dirceu, ex-chefe da Casa Civil, condenado no mensalão e na Lava Jato. Pena, no segundo caso: 40 anos de prisão. Está em liberdade enquanto aguarda o desfecho dos recursos.

Palocci bandeou para o inimigo, pois é candidato à delação, mas Dirceu continua instigando as fileiras petistas, que o saúdam como “guerreiro do povo brasileiro”. É dele uma das provocações mais acintosas à Justiça, feita assim que o TRF marcou o julgamento do recurso de Lula. O dia do julgamento, segundo ele, será o “Dia da Revolta”, quando os petistas deverão manifestar “fúria” e “ódio”.

Feliz retorno ao covil, Bernardo.

(André Vargas, ex-presidente regional e ex-diretor nacional de Comunicação do PT, e João Vaccari Neto, tesoureiro, não puderam ser recrutados para a conspiração porque estão presos por corrupção…)

Sem categoria
Comente aqui


Este é o Brasil de Cristiane Brasil

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB), indicada por seu pai Roberto Jefferson para chefiar o Ministério do Trabalho, luta ingloriamente na Justiça para tomar posse do cargo. Tem ao seu lado um importante aliado, o governo federal, que, como ela, está amargando derrotas judiciais.

Cristiane está impedida de tomar posse por decisão de um juiz de Niterói, referendada nas instâncias superiores, que considera incompatível o exercício do cargo com sua condenação na Justiça do Trabalho em processo movido por um ex-motorista, que não tinha carteira assinada, não recebeu horas extras, férias, etc. Depois de várias derrotas na Justiça, ela conseguiu, enfim, autorização do STJ para assumir a função. A posse foi marcada para a manhã desta segunda-feira, a portas fechadas para evitar confusão, e eis que… a presidente do STF, Cármen Lúcia, acata recurso de advogados trabalhistas e cancela a solenidade!)

Tem lógica a decisão.

Por que não aplicar essa lógica a Lula?

Apesar de condenado em primeiro instância e na iminência de ser também na segunda, além de colecionar outras seis ações penais, Lula pretende, com o apoio cada vez mais histérico do PT, candidatar-se à presidência da República nas eleições deste ano. “Eleição de Lula é fraude” – eis o lema do PT, que afronta a Lei da Ficha Limpa, pela qual condenado em segunda instância está proibido de disputar cargo eletivo.

Ora, Lula foi condenado a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro e os demais processos a que responde são por esses crimes e outros, tais como obstrução de Justiça e tráfico de influência. E tudo indica que, no segundo processo nas mãos de Sérgio Moro, a sentença será igualmente condenatória com a agravante de ter falsificado documentos…

O crime pelo qual Cristiane foi condenada é um pecadinho venial comparado aos pecados mortais de Lula. Cristiane não pode tomar posse. Se Lula não puder concorrer, é “fraude”.

Este é o Brasil!

Sem categoria
Comente aqui


E surge o maior adversário de Lula: Collor anuncia que vai disputar a presidência!

E eis que surge o maior adversário de Lula na corrida eleitoral rumo ao Planalto – alguém à altura de sua baixeza. Não, não é o ex-capitão metaleiro Jair Bolsonaro, nem o picolé de chuchu Geraldo Alckmin, tampouco o eternamente bonitinho Alvaro Dias, muito menos a fada das florestas Marina Silva: é um cara tão cara de pau quanto ele, tão ambicioso quanto ele, tão sem escrúpulo quanto ele, tão arrojado quanto ele para enfiar as mãos nos cofres públicos, tão esperto na arte da mentira: é o ex-presidente Fernando Collor de Mello, réu na Lava Jato por corrupção.

E sabem como ele justificou sua decisão? Como um estadista que só pensa no bem estar da nação: “Digo a vocês que esse é um dos momentos mais importantes da minha vida pessoal. Hoje, a minha decisão está tomada: sou, sim, pré-candidato à presidência da República”.

Collor perde para Lula, naturalmente, nos quesitos volume de roubo, condenações (não teve nenhuma) e processos a que responde – um contra seis do ex-presidente (descontando-se o encerrado por Moro, que o condenou a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro).

Há, no entanto, uma coisa que os une: ambos se dizem “vítimas de uma caçada judicial” e de um ‘golpe das elites”… Collor foi cassado por corrupção (inocentado pelo STF uma década depois), com base numa única prova: um veículo Elba. Uma esmola diante do patrimônio acumulado ilicitamente por Lula, que ele, Lula, diz ou não ser seu ou fruto do trabalho árduo de sua finada esposa como vendedora da Avon!

Se a moda pegar, temos um time da pesada para ambicionar o comando do país: Fernandinho Beira-Mar, Marcola… Por que não, diante de tantos disparates a que estamos assistindo, lançar a posteriori o mais emblemático de todos os criminosos brasileiros, Lampião? Loucura por loucura, votemos num defunto – pelo menos ele não fará mal a ninguém. (Desculpe-me, senhor Paulo Maluf, estava esquecendo do senhor, agora lembrei.)

Se é para esculhambar, esculhambe-se de vez!

Sem categoria
1 Comentário


O inferno existe. Eis a prova:

Lula e Gleisi sorriem, enternecidos, com a performance homoerótica durante ato em solidariedade ao chefão petista, às vésperas do julgamento de seu recurso contra a condenação à prisão, promovido por simpatizantes em teatro de São Paulo, ontem à noite.

O ex-presidente garantiu que, condenado ou não, manterá a candidatura ao Planalto este ano e advertiu: “Mesmo se acontecer a condenação, vocês verão que eu continuarei tranquilo. A minha tranquilidade vai infernizar a vida deles” (deles quem? sobretudo da nação, anota o blog.)

A evocação ao inferno não poderia ter sido mais oportuna. A foto de Nelson Almeida, da Agência France-Presse e reproduzida pela Gazeta do Povo, é um documento valioso e único: a iluminação avermelhada, a encenação de atos obscenos, os personagens encalacrados com a Justiça, a extensa folha corrida de crimes praticados pelo PT, o recurso à mentira, ao roubo e a à ameaça como método de manutenção e reconquista do poder atestam: nunca antes na história tivemos prova tão contundente e incontestável da existência do inferno.

Sem categoria
3 Comentários


Requião: candidato ao governo ou à aposentadoria?

O senador Roberto Requião tem fama de doido – daí o apelido de “Maria Louca”.

Quem sou eu, mero jornalista, para avalizar ou contestar este conceito! Resta-me, no entanto, a obrigação de registrar que os fatos reforçam essa avaliação. Comer mamona em reunião com Lula na frente dos repórteres não é coisa de pessoa lúcida. Ameaçar bater em servidor público, e também na frente das câmeras, é outro sintoma preocupante. Confiscar o gravador e entortar o dedo de jornalistas que o entrevistam é deveras preocupante. Mandar manifestantes enfiarem a faixa que o critica “no rabo” é indício de que a coisa é séria. Solidarizar-se com o regime assassino de Nicolás Maduro o põe na portaria do hospício. E defender a inocência de Lula e enaltecer do PT, bem, nesse caso, acho que despirocou de vez.

E despirocou não só pelo fato de defender o indefensável, mas por afrontar o eleitorado do seu estado, majoritariamente contrário a Lula e PT, responsáveis – em conluio com as “elites” das quais se dizem vítimas – por promover o maior saque aos cofres públicos de que se tem notícia.

O mandato de Requião está chegando ao fim. Ele está bem posicionado nas pesquisas, o que praticamente lhe garante uma das vagas. A outra tem vários pretendentes. O mais bem cotado para abocanhá-la é o governador Beto Richa. Esta vaga é ocupada por Gleisi Hoffmann, a petista incendiária, que justamente por ser o que é perdeu qualquer possibilidade de se manter no cargo (e em liberdade, pois são cabeludas as acusações de seu envolvimento com os desvios da Petrobras).

E não é que Requião, da noite para o dia – teria sido o efeito da lua, oculta pelo excesso de chuva em Curitiba? -, anuncia que não vai disputar o Senado e sim a sucessão de Richa!

A coisa muda de figura: não lhe bastam mais os 25% das intenções de voto que teria para o Senado – eleitorado que se resume basicamente ao pessoal de esquerda ou manipulado pela esquerda, como os professores da rede estadual -, mas metade dos votos mais um!

Como ele pretende cooptar o eleitorado que o rejeita por sua associação com Lula e o PT, isso é um mistério. Está mais para alucinação!

Se insistir no desvario, Requião estará assinando sua aposentadoria.

Que insista, portanto…

Sem categoria
1 Comentário


Gleisi prega a luta armada para impedir a prisão de Lula

A [email protected] nacional do PT, Gleisi Hoffmann, é extremada em suas convicções, que trata como dogmas, e ai de quem a conteste! Agiu com despudor – e extrema chatice – na defesa de Dilma no processo de impeachment e tornou-se a mais fervorosa advogada de Lula. À medida que o julgamento do recurso de seu guru se aproxima – que poderá torná-lo inelegível e mandá-lo para a prisão –, a TPJ (Tensão Pré-Julgamento) que a acomete a leva a fazer declarações cada vez mais radicais – e criminosas.

No final de semana, em ato público em Porto Alegre para reforçar a candidatura de Lula à presidência, ela afirmou que a “única solução legal é a absolvição de Lula” e que eventual condenação de seu líder não será reconhecida por seu partido. À revelação de que a sede e os desembargadores que julgarão o recurso de Lula estão sendo ameaçados – até de morte – Gleisi reagiu com uma acusação gravíssima: “Estão criando uma cortina de fumaça para ocultar a falta de provas” contra Lula – tese ofensiva e grosseira. E, diante da eventualidade de Lula ter a prisão decretada, ela atingiu o cume da radicalização: “Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente. Aí, vai ter que matar”. Ela fez esta ameaça em entrevista ao site Poder360.

Traduzindo em miúdos: “se para prender Lula (…), vai ter que matar gente”, então haverá resistência armada à eventual ordem de prisão dele. Não há como fugir à lógica. E a lógica estabelece: Gleisi prega a luta armada para impedir a prisão de Lula.

A afirmação é a mais grave de todas feita até agora por Gleisi – e pelos petistas em geral – em relação aos processos penais a que Lula responde. Mostra não apenas sua intolerância (e do partido que preside) com o Estado de Direito, que impõe a observância da lei, mas a disposição de recorrer à violência para impedir sua aplicação.

Gleisi não fala na condição de pessoa física e sim como líder do partido que esteve no comando do país por 13 anos e quatro meses e do qual foi apeado vergonhosa e merecidamente. Sua reação é criminosa, pois embute séria ameaça à segurança pública passível de prisão. Ela incita ao recurso às armas, incorrendo assim em crime contra a ordem pública e social como prevê a lei 1.802/53. Seu crime é ainda mais grave, pois praticando em pleno exercício do mandato de senadora, que impõe – e ela firmou esse compromisso ao ser empossada – respeito à Constituição e à lei. Sua atitude recomenda a cassação do mandato por quebra de decoro parlamentar.

Sem categoria
2 Comentários