Pipas do Tio Beto, uma brincadeira que virou empreendimento

Impossibilitado de trabalhar, ele se valeu de um de seus brinquedos preferidos na infância para criar o meio de sustentar a família

 

Tio Beto das Pipas

Tio Beto e Maria Isabel transformaram um brinquedo de criança em um empreendimento rentável

A habilidade de fazer pipas, adquirida em uma época em que as crianças construíam seus próprios brinquedos, acabou tornando-se um empreendimento para José Roberto de Lima quando ele foi considerado inválido para o trabalho de caminhoneiro. Cortando e colando papel, afinando varetas de bambu e montando cabrestos, ele e a mulher criaram os filhos, construíram casa, compraram carro e vivem uma vida que consideram financeiramente tranquila.

Quando a água passa da canela, a gente aprende a nadar”, disse ele ontem em sua oficina, um prediozinho de dois andares construído no fundo do quintal, no Conjunto Borba Gato. O terreno foi adquirido em uma época em que o Borba Gato era formado por chácaras. Cercado de prateleiras onde se vê pipas embaladas para venda, ferramentas, telas de silkscreen, moldes e outros objetos, destacam-se duas máquinas de costura, que foram decisivas na criação da fábrica de pipas. “Eu tinha 40 anos e uma vida como caminhoneiro de uma multinacional quando sofri um enfarto, coloquei quatro pontes de safena e fiquei impossibilitado de continuar na profissão. O pior é que não pude me aposentar. Tinha que me virar, mas não podia fazer qualquer trabalho”, conta ele. “Um dia, fiz uma pipa para meu filho e aí veio a ideia de que poderia fazer outras para vender”.

A ideia foi colocada em prática imediatamente e todas as pipas foram vendidas em pouco tempo, o que animou Roberto. Ele se dedicou a fazer também pipas em tecido, o problema é que o ganho era pequeno e seria necessário produzir e vender em grande quantidade para que valesse à pena. Foi aí que entraram em ação as máquinas de costura e a mulher, Maria Isabel. “Trabalhávamos até tarde da noite e no dia seguinte eu ia para algum lugar onde pudesse expor as pipas flutuando”.

Tio Beto das Pipas

Tio Beto testa a pipa gigante, que mais parece uma asa delta

Com o sucesso das vendas, Roberto, que familiarmente era chamado de Beto, logo ganhou o apelido de Tio Beto das Pipas, que caiu bem para alguém com barbas longas e brancas, mais parecendo um personagem. E, com base em livros e em pipas que os amigos lhe mandaram de outros países, o casal foi se aprimorando, criando novos modelos e deixou de trabalhar com papel e bambu para produzir em nylon e varetas de fibra. E o trabalho que começou na mesa da cozinha teve que ter um espaço próprio, até que foi construído o prediozinho de dois andares que ganhou o status de oficina.

Com modelos que chamavam a atenção das crianças e dos pais delas e com o aumento da produção devido à prática e ao trabalho em série, o casal comprou uma caminhoneta Dodge ano 1973, adaptou-a às suas necessidades e passou a correr trecho. “Rodamos quase todo o Paraná e cidades de outros Estados e sempre nossas pipas foram bem recebidas, sempre vendemos tudo o que conseguimos produzir”.

Tio Beto das Pipas

O casal investiu na criação de modelos inovadores

Tio Beto e Isabel tiveram que se organizar como empresa, registraram firma, passaram a ter livros de entrada e saída e sabiam de antemão o quanto ganhariam em cada pipa. “Logo percebemos quais modelos tinham mais saída e passamos a agregar valores, como linha de qualidade e carretilha”. As carretilhas tiveram tanta saída que Tio Beto teve que destinar parte do prédio para uma pequena marcenaria. “No meu tempo de criança, carretilha de linha era algo meio grotesco, mas hoje tenho que pensar que o mundo dos brinquedos mudou muito e as crianças querem brinquedos mais sofisticados, mais práticos e bonitos”. Por isso suas carretilhas são modernas, geralmente coloridas e sem pontas que possam ferir as crianças.

O casal continua fabricando pipas, maranhões, telequinhos, morcegos, sarus, mas o destaque da empresa são as pipas gigantes, que chegam a ter seis metros de envergadura e mais parecem uma asa delta, e as quadrifoils e parafoils, que são na verdade pequenos paragliders, com quatro linhas de comando. “Todas as pipas que fazemos são testadas e têm que subir mesmo que a brisa esteja fraca. Se não voar, não vai para venda”, diz o fabricante. Assim como os modelos, também os preços variam bastante. As mais baratas são vendidas hoje a R$ 10, ao passo que a gigante chega a custar R$ 250.

Com 60 anos de idade e 20 como fabricante de pipas, Tio Beto não pensa em parar por tão cedo. “Começamos por necessidade, mas hoje, com os filhos criados, levamos uma vida mas tranquila e não podemos parar porque as vendas continuam boas”. Segundo Tio Beto existem em São Paulo e outros Estados grande fabricantes, mas há espaço também para as pequenas indústrias, como a sua. “Gosto de fazer pipas, tanto quanto quando eu era menino e, ao contrário de outros brinquedos da minha época, a pipa não passou com o tempo, continua seduzindo as crianças de todas as épocas”, diz ele. “A pipa é como a bola: não envelhece e agrada pessoas de todas as idades”.

7 comentários sobre “Pipas do Tio Beto, uma brincadeira que virou empreendimento

  1. Danyara 8 de setembro de 2011 18:49

    Olá tio Beto,Gostaria de conhecer mais modelos de suas pipas e cafifas e saber preços gostaria também de saber se o Sr. tem algum representante no interior do estado do Rio de Janeiro:??? Abraços Dany,
    Atenciosamente.

  2. evangivaldo ribeiro de sousa 22 de julho de 2013 15:15

    ola gostaria de conhecer mais modelos de pipas e como posso comprar aguardo resposta

  3. josé cezar alvarenga 27 de julho de 2013 17:31

    Olá! estive vendo as paginas que mostram teu trabalho , e gostei muito. porem gostaria de saber se o Sr; tem um catalogo ? de seus produtos, e seé possivelme mandar? fico muito agradecido.

  4. sergio s. 3 de setembro de 2013 9:47

    Gostaria de entrar em contato para comprar suas pipas (para revenda) Por favor entrar em contato. abs Sergio

  5. Luiz de Carvalho 3 de setembro de 2013 11:51

    O telefone do Tio Beto é 44 3261-1346.

  6. marcio teixeira da costa 26 de junho de 2014 11:09

    Bom dia ! Gostaria de saber quanto custa a sua pipa que vi , é um arco , moro no rio .

  7. marcio teixeira da costa 26 de junho de 2014 11:10

    Bom dia ! quanto custa essa pipa em formato de arco , moro no rio .

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.


+ 6 = 9