Abel, o sanfoneiro de um braço só, apesar de tudo, alegre por natureza

Publicado em O Diário em 02.12.2012

Abel é o sanfoneiro mais conhecido da feira-livre de domingo na Avenida Mauá, mas não por tocar ou cantar bem.

Bate o pé no chão, não para marcar o ritmo, mas sim para ajeitar a sanfona que está sempre caindo, já que por ter apenas um braço não consegue mantê-la próxima ao peito.

Abel Barbosa da Silva talvez não seja o melhor músico, mas com certeza é o mais animado. Canta, solta gritos, chacoalha o corpo para lá e para cá… Anima mesmo o ambiente. O chapéu, no chão e com a “boca” para cima, vai enchendo de moedas e algumas notas.

Foto: Douglas Marçal

Quando começa uma música, a velha Scandalli de 80 baixos está em pé, mas na medida que vai tocando ela vai escorregando. Por falta do braço para segurá-la, ele tenta ajeitá-la com a perna. Quando termina a música, a sanfona está deitada.

Quem vê tanto ânimo não imagina que talvez aquela alegria toda seja para escamotear os sofrimentos que marcaram a vida do tocador. Baiano que chegou a Maringá quando a cidade estava ainda começando, considera-se um sobrevivente, pois de onde veio “era normal” crianças morrerem ao nascer ou poucos dias depois.

Vem de uma família na qual alguns dos irmãos têm problemas mentais ou cegueira, e por fim, sobreviveu a um choque elétrico em uma rede de alta tensão que lhe custou o braço direito – e que por pouco não lhe tirou a vida.

“Toco porque gosto, sempre gostei de música, e na feira eu me realizo, encontro velhos conhecidos, me sinto artista e ainda ganho um trocadinho para complementar a magra aposentadoria”, diz o sanfoneiro, alegando que tocando se esquece das amarguras, da vida dura quando criança e dos problemas de família.

“Eu gosto das músicas antigas, aquelas de melodia bonita e letras que contam uma história, mas meu toque é limitado. Faço apenas os fraseados com a mão esquerda e deixo de fazer a baixaria por não ter o braço direito.”

Abel viveu a mocidade na Vila 7, morou com os pais e oito irmãos nos fundos de um casarão de madeira na Rua Jangada, onde viviam várias famílias com muitos filhos. Em um salão na parte da frente, funcionava a Escola Santa Maria Goretti.

Ele nunca foi protagonista na família, pois os irmãos estavam entre as pessoas mais conhecidas do bairro. José, o mais velho da casa, era deficiente mental, e fez história nos anos 60 e 70 como “Zé Bobo”. Valdemar, um dos caçulas, era cego, mas percorria sozinho toda a cidade, conhecia casa por casa da Vila 7 e era bem recebido em todas. Tinha também uma irmã com deficiência mental, mas esta não saía de casa.

Analfabeto, Abel passou parte da mocidade em subempregos, até que aos 21 anos conseguiu um trabalho na Copel. Logo no começo da carreira, a animação quase lhe custou a vida. Ele subiu em um poste apressadamente e acabou tocando a rede de alta tensão. Foi atirado longe. Acordou tempos depois, em um hospital. Quando tentou mover-se, viu que não tinha mais o braço direito.

Abel não sabe quantos anos tem, já que onde nasceu os pais deixavam os filhos crescerem, para depois registrá-los, mas calcula que esteja por volta dos 80 anos.

“O que menos me preocupa é a idade verdadeira. O que vale é que criei meus filhos e tenho disposição para continuar tocando na feira ainda por muitos anos”.

2 comentários sobre “Abel, o sanfoneiro de um braço só, apesar de tudo, alegre por natureza

  1. Edna Maria jorge 19 de junho de 2017 21:22

    Existem pessoas que reclamam tanto da vida, enquanto outros tem tantos problemas e enfrentam as lutas com garra e amor, Parabéns Abel, que a vida continue a sorrir para vc, que nunca deixe seu amor pela sanfona se perder, e que Deus esteja sempre presente em sua vida, luta todos temos, mas são poucos que tem garras, que vão a luta, mesmo quando lhe falta uma parte do corpo, você nos estimula a dar mais um passo, quando achamos que não iriamos conseguir.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.