Confirmada a instalação de Colégio da Polícia Militar em Maringá

O Núcleo Regional de Educação inicia em janeiro um estudo para definir qual dos colégios estaduais de Maringá será destinado à implantação do Colégio da Polícia Militar, instituição de ensino que será subordinada à Diretoria de Ensino da corporação e vinculada à Secretaria Estadual de Educação.

A instalação do colégio é uma decisão do governo e foi informada pela vice-governadora Cida Borghetti, que permaneceu no exercício do cargo de titular do governo até a última sexta-feira. Segundo ela, a pretensão do governo é que pelo menos as cidades consideradas polos regionais, que tenham sede de batalhão da PM, contem com colégios, que terão metade das vagas reservadas a filhos de policiais militares e as demais serão disponibilizadas à sociedade, mediante teste seletivo.

Alunos do CPM de Curitiba em formação

A chefe do Núcleo Regional de Educação em Maringá, Maria Inês Teixeira Barbosa, disse que o Colégio da Polícia Militar deverá começar a funcionar em Maringá somente no ano letivo de 2019, porque, além de escolher um estabelecimento, realizar as adaptações, há que ser definida a proposta pedagógica. O de Londrina, que foi autorizado antes pelo governo, poderá funcionar já em 2018.

Segundo Cida Borghetti, o CPM terá um alinhamento muito maior com a PM, objetivando criar oportunidade do jovem cidadão de conhecer a filosofia e a disciplina militares. Além das disciplinas escolares, o colégio vai trabalhar o civismo e a cidadania, hierarquia e disciplina. Os alunos usam uniforme completo e entram em formação, em um processo que visa promover o respeito às autoridades e às leis.

Os colégios do interior devem seguir o modelo do que já funciona há alguns anos em Curitiba, que nos últimos cinco anos foi considerado o melhor colégio público da Capital, além de ganhar vários prêmios pela qualidade do ensino. O CPM de Curitiba oferece 120 vagas para a 5ª série pela manhã e tarde, sendo 80 delas preferenciais para filhos de policiais e bombeiros militares. Para o primeiro ano são 90, sendo 60 preferenciais para famílias de militares.

Colégio pioneiro

A chefe do Núcleo Regional de Educação não confirma, mas o governo tem interesse que a escolha recaia sobre o Colégio Gerardo Braga, no Maringá Velho, primeiro estabelecimento de ensino de Maringá. Há dois anos já houve uma tentativa de extinguir o colégio, o que só não aconteceu devido à reação de alunos, professores e da sociedade, que foram para as ruas protestar.

O que faz do “Gerardão” o ideal para as necessidades da Polícia Militar é que é um dos raros colégios de Maringá com pátio amplo.

9 comentários sobre “Confirmada a instalação de Colégio da Polícia Militar em Maringá

  1. Marcelo 19 de dezembro de 2017 15:06

    Em infraestrutura e espaço exitem outros colégios, como o JK por exemplo, que atendem bem melhor ao requisito acima mencionado. Me parece que existem outros interesses velados na referida escolha já que o “Gerardão” tem uma infraestrutura precária e velha que necessita de grandes reformas. Enfim, lá vai o nosso dinheiro novamente…só espero que seja muito bem empregado para o bem DA POPULAÇÃO.

  2. Joao 19 de dezembro de 2017 16:56

    Doutrinando.

  3. Morais 20 de dezembro de 2017 8:31

    Ensinando ética e civismo aos nossos jovens.

  4. Maria Ap 20 de dezembro de 2017 9:00

    Quer dizer entao que so filhos de militares,a população que tem dinheiro,os pobres somente paga pelo seus impostos,esse é so nosso governo

  5. Rafael 20 de dezembro de 2017 9:06

    Joao, acima, quem doutrina são esse “professores” de merd* esquerdistas que estão entuchados em nosso colégios estaduais. Um fato que não podemos negar é a qualidade de ensino dos colégios militares e a melhor parte, como a maioria dos pais não tem capacidade para educarem seus filhos lá sim temos a garantir de estar criando um cidadão que no futuro irá contribuir com a sociedade!

  6. Sandro 20 de dezembro de 2017 11:40

    Doutrinando pessoas para o bem. As críticas sempre são de pseudomarxistas, que aliás, na faculdade nunca leram o Capital, mas que, se acham “os educadores” mas uma rápida olhadela e conseguimos ver como está nossa sociedade, cada vez pior, cada vez com um ensino de pior qualidade, professores mal formados, escolas militares são referências, queiram vcs ou não.

  7. Renato 20 de dezembro de 2017 15:53

    Os esquerdinhas piram!

  8. José da Silva 20 de dezembro de 2017 15:57

    Será o melhor colégio público de Maringá, alguém duvida? Logo de cara já sabemos que não vai ter professor esquerdalha, fazendo política em vez de ensinar.

  9. Prof. Ricardo Drummond de Macedo 21 de dezembro de 2017 8:56

    Destruir os bastiões da Resistência: “A chefe do Núcleo Regional de Educação não confirma, mas o governo tem interesse que a escolha recaia sobre o Colégio Gerardo Braga, no Maringá Velho, primeiro estabelecimento de ensino de Maringá. Há dois anos já houve uma tentativa de extinguir o colégio, o que só não aconteceu devido à reação de alunos, professores e da sociedade, que foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. que foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. que foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. que foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar. foram para as ruas protestar.” que foram para as ruas protestar….

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.