Alexandro Dias dos Santos



Presépio de Alexandro e Inês destaca a vida no campo

Alexandre diz que pensou um presépio que represente mais do que o nascimento de Jesus  Foto: João Cláudio Fragoso

A placa no portão anuncia um presépio de Natal, mas quem entra experimentará um passeio no tempo, com oportunidade para conhecer como era a vida algumas décadas atrás, sobretudo na roça. E, é claro, verá também um presépio natalino, só que não exatamente como o presépio tradicional, mas uma representação de um lugarejo rural, com a pracinha da igreja e seus frequentadores.

Assim é o presépio de Alexandro e Inês, na Avenida Brasil, na zona norte de Sarandi. Aberto no dia 9, até ontem já tinha recebido milhares de visitantes. “Os adultos gostam porque é uma oportunidade para recordarem de seu tempo, as crianças porque querem conhecer como era o mundo na época de seus pais e avós”, conta Inês, orgulhosa com tanta gente animada em sua casa. “É gostoso ver os adultos explicando as coisas às crianças, mostrando entusiasmadas as coisas que certamente as crianças não conhecem”.

O presépio de Alexandro e Inês é montado há 20 anos e a cada Natal tem um formato diferente e muitas novidades. O deste ano, por exemplo, conta alguns eventos da história da humanidade, começando com Adão e Eva no Jardim do Édem, o embarque dos bichos na Arca de Noé e o anúncio a Maria de que ela tinha sido escolhida por Deus para ser a mãe do salvador da humanidade. Tudo isto entremeado com representações da vida na roça, com casas de caipiras, com fogão a lenha, vinheira, queijeira, animais, mitório do lado de fora, banheiro com chuveiro de latão.

O presépio ocupa uma pequena casa que existe no quintal da moradia de Inês e Alexandro, usada como oficina por Alexandro, um artesão conhecido que já foi assunto de várias matérias na imprensa regional, inclusive nas páginas de O Diário.

Hoje fala-se “o presépio do Alexandro e Inês”, mas houve uma época que ele era só da Inês. A mulher que cresceu no sítio e foi obrigada a mudar-se para a cidade em 1975, quando as geadas históricas acabaram com os cafezais e provocaram o maior êxodo rural da história do Paraná, começou a montar presépio sozinha, mas o filho único, Alexandro Dias dos Santos, cresceu vendo aquilo, se interessou, desde pequeno começou a ajudar dona Inês Fávaro Calixto dos Santos e tornou-se artesão. Hoje, ele produz boa parte de tudo que há no presépio que constrói com a mãe.

Superação

Inês diz que “não estamos pagando promessa. Fazemos porque gostamos, porque queremos ver felicidade nos visitantes e, acima de tudo, como agradecimento por tudo que Deus nos dá”.

No “tudo que Deus nos dá” ela se refere à graça de ver o filho com independência e fazendo o trabalho artístico de que tanto gosta. Alexandre nasceu com deficiência auditiva e na época os médicos anunciaram que ele jamais ouviria e não aprenderia a falar. Mas, com os especialistas certos e o empenho da mãe, ele é exemplo de superação. Ouve com ajuda de aparelho, fala muito bem, estudou, fez faculdade de Moda e hoje trabalha no Escritório de Desenvolvimento de Projetos, em Maringá.

Serviço

Av. Brasil, 668 – Jardim Independência – Sarandi

Segunda a sexta-feira, de 17h às 22h30

Sábados e domingos das 15h às 23h

Comente aqui