Campo Mourão



“… quando morrer, você vai pro céu”

Antonio Ismael, Antonio Ismael, quando morrer, você vai pro céu”, dizia a musiquinha com cadência infantil que aquele jovem e bem trajado senhor, de cabelos bem alinhados e gestos cuidadosamente ensaiados, cantou para nós na porta do prédio do ‘seo’ Luiz de Mattos, na Avenida Capitão Índio Bandeira, no centro de Campo Mourão. Além de mim, estavam presentes o Gilberto Carneiro de Souza, Pedro da Veiga, Antonio Luiz de Mattos, Airton Tchully, Pedrinho e Dickson Fragoso Veras, este último um dos grandes nomes da imprensa mourãoense das décadas de 70 e 80.

Na época eu era repórter da sucursal de Campo Mourão da “Folha de Londrina”, que funcionava no prédio dos Mattos, e o cantor era o próprio Antonio Ismael, que tinha chegado à cidade para ser locutor e gerente da Rádio Colméia, única emissora de Campo Mourão, com enorme audiência em toda a região.

O novo locutor já tinha caído no gosto do público, suas brincadeiras no ar agradaram em cheio, principalmente as imitações de pessoas famosas, entre elas a de Silvio Santos.

Vários anos depois, eu trabalhava na sucursal da “Folha de Londrina” em Umuarama, quando mais uma vez cruzei com o Antonio Ismael, desta vez na Rádio Cultura, do Rede Paranaense de Rádios e irmã da Cultura de Maringá.

Daí em diante, rodei o mundo, passei mais de 20 anos no Norte do Brasil e quando voltei o Ismael trabalhava em um canal de TV da região de Maringá, tinha uma audiência razoável, mas me surpreendeu pela aparência envelhecida e nem de longe lembrava o garboso locutor do passado.

Falava nada com nada, fazia brincadeiras sem graça e aquela peruca (que não usava antes) dava-lhe uma cara de Moe Howard, dos “Três Patetas”. Além disso, o prefixo do programa, com uma arranhada gravação do Vicente Celestino cantando “Porta Aberta”, de 1946, dava um tom de decadência. A impressão que se tinha é que, àquela altura da carreira e da vida, Antonio Ismael estava mais para fazer graça do que para informar.

Nunca fomos amigos, mas sempre nos tratamos com respeito, até mesmo quando ele já não conseguia lembrar-se de mim. Nesta terça-feira me surpreendi ao saber de sua morte. Não sei como a cidade reagirá, mas eu, particularmente, fico com aquela sensação de perda de alguém que, mesmo não tendo maiores relações, há mais de 40 anos fez parte de minha vida. E torço para que aquela musiquinha infantilizada que ouvi no momento em que o conheci faça sentido.

4 Comentários


Se dizendo policial federal e da equipe de Moro, mulher é presa por racismo

Embriagado, motorista causa acidente e depois ainda tenta agredir policiais que atenderam a ocorrência. A mãe dele chegou pouco depois ainda mais descontrolada, dizendo ser policial federal e da equipe do juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato. Abusando das palavras de baixo calão, a mulher ainda xingou um policial de macaco e porco e acabou presa e agora vai responder por crime de racismo. O pior para ela e o filho não foi só terminar o dia de Natal na cadeia: uma platéia enorme acompanhou o espetáculo, fotografou e filmou tudo.

Veja aqui os detalhes

7 Comentários


Morre o pioneiro mourãoense Osvaldo Wronski

Por quase 60 anos, Wronski esteve à frente da Farmácia América, na esquina da Avenida Capitão Índio Bandeira com Rua Brasil, no centro de Campo Mourão

Por quase 60 anos, Wronski esteve à frente da Farmácia América, na esquina da Avenida Capitão Índio Bandeira com Rua Brasil, no centro de Campo Mourão

Morreu na noite desta segunda-feira, aos 84 anos, o pioneiro de Campo Mourão Osvaldo Wronski, primeiro farmacêutico formado da cidade e proprietário da Farmácia América, que fez história na esquina da Avenida Capitão Índio Bandeira com a Rua Brasil, no ponto mais central de Campo Mourão.

Wronski chegou a Campo Mourão em 1954, quando tinha 23 anos e acabava de se formar. Além de dirigir sua farmácia, ele se destacou no esporte, como um dos fundadores e presidente da Liga de Futebol Amador.

O corpo está sendo velado na Capela do Prever e será sepultado na tarde desta terça-feira.

Comente aqui


Prefeitura é acusada de forjar a folha e adulterar planilhas

A administração municipal de Campo Mourão está sendo acusada de adulterar planilhas e forjar valores com o gasto de pessoal.

A denúncia foi feita pelo vereador Luiz Alfredo Bernardo, do PT do B, que diz que ao fazer a planilha de endividamento, a prefeitura não coloca todos os dados que comprometeriam a folha. Vários ítens estariam sendo deixados de fora para que pareça que os gastos estão dentro do limite.

O vereador disse que vai entrar com uma ação na Justiça para que seja nomeado um perito para uma supervisão dos gastos.

Outro vereador, Edson Battilani (PPS), já tinha feito um alerta semelhante.

Comente aqui


Médico de Campo Mourão assume a presidência da AMA, em Maringá

O médico Hasan Fahmi Hasan Juda, morador em Campo Mourão, será eleito neste domingo para a presidência da Associação Maringaense dos Autistas (AMA), entidade que atende cerca de 70 portadores da síndrome do autismo e similares.

Hasan Juda é pai de um garoto autista

Hasan Juda é pai de um garoto autista

Juda encabeça a chapa AMA Unida, única inscrita para a eleição. Ele é pai de um menino de 10 anos que viaja todos os dias, de segunda a sexta-feira, de Campo Mourão a Maringá para frequentar a AMA, única entidade do gênero no Paraná.

A votação acontecerá das 9 às 12 horas na sede da instituição, no Jardim Real (fundos do Hospital Universitário), e pais ou responsáveis de todos os matriculados têm direito a voto. O mandato da diretoria a ser eleita será de dois anos.

O médico mourãoense vai substituir o empresário e jornalista José Antonio Moscardi, que preside a AMA há quase 20 anos porque nas eleições anteriores nenhum outro pai ou mãe de autista aceitou assumir a presidência. Também desta vez os pais queriam a continuidade de Moscardi no cargo, mas, como ele não aceitou, Juda se propôs presidir a entidade, desde que haja um envolvimento maior dos outros pais, o que acontecia em uma escala muito pequena até agora.

Moscardi, que é fundador da entidade, assumirá como um dos conselheiros e disse que tanto ele quanto seus familiares continuarão trabalhando pelo fortalecimento da AMA.

Comente aqui


E Regina vai dormir aliviada

A Câmara de Campo Mourão decidiu nesta terça-feira que não instituirá uma comissão especial para apurar denúncias sobre a possível existência de um esquema de arrecadação com dinheiro descontado dos funcionários que exercem funções comissionadas, os chamados CCs.

Sete vereadores votaram contra a comissão e cinco foram derrotados defendendo a necessidade de investigar a possível irregularidade.

O possível escândalo veio à tona durante uma investigação do Gaeco, o grupo do Ministério Público e Polícia Civil que combate o crime organizado. Aliás, as investigações ainda estão em andamento e ainda podem revelar muita coisa.

A prefeita Regina Dubay se safou desta graças às articulações dos sete vereadores que compõem seu grupo de apoio.

Comente aqui


Paranaense morre em acidente poucas horas antes do casamento

Cleusa Eleutério dos Santos, de 51 anos, mourãoense que atualmente morava em Portugal, morreu em um acidente ontem à noite próximo a Lisboa. O acidente aconteceu poucas horas antes do casamento de Cleusa com Rui Santos, de 48 anos, português.

Segundo a polícia, o casal estava em uma motocicleta e bateu contra um caminhão em uma rodovia próxima à capital portuguesa. Eles seguiam para um salão de cabeleireiro, onde a noiva se arrumaria para a cerimônia de casamento.

Os convidados para a festa só ficaram sabendo da tragédia ao chegarem ao Restaurante Orizon, onde seria oferecido um jantar.

O corpo de Cleusa será sepultado nesta sexta-feira em Lisboa e Rui continua internado em estado grave. Ele sofreu queimaduras, já que a moto pegou fogo após a batida.

O caso consternou a cidade de Campo Mourão, onde Cleusa foi criada e onde ainda moram familiares e muitos de seus amigos.

1 Comentário


História de Raquel é reconhecida e premiada

Ao vencer a etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, na categoria Microempreendedora Individual, no último dia 22, em Curitiba, Raquel Aparecida da Cruz conquistou mais do que um troféu, ela ganhou o reconhecimento por uma história de muita dedicação. Criada por pais adotivos, Raquel da Cruz lembra do tempo em que sua mãe trabalhava em um circo, em Curitiba. Mal sabia ela que dessa experiência nasceria um sonho.

Raquel Cruz fez treinamento no Circo de Soleil

Raquel Cruz fez treinamento no Circo de Soleil   Foto: Metropole

Seus pais, porém, se separaram e ela voltou, com sua mãe, para Campo Mourão. Nesse período, Raquel da Cruz precisou trabalhar e fez um pouco de tudo, foi cortadora de cana, diarista, babá e zeladora. Sua vida começou a mudar quando assumiu o cargo de cozinheira e tinha as manhãs livres. “Aproveitei para retomar um sonho antigo e comecei a fazer cursos de artes plásticas, escultura, dança, teatro, entre outros”, conta.

Quando identificou a oportunidade de atuar como artista, se formalizou na categoria microempreendedora individual. Hoje, atende cerca de 500 crianças de Mandaguari, Mandaguaçu e Campo Mourão, como instrutora de circo. “Fiquei muito emocionada ao receber o Prêmio e, com esse reconhecimento, quero motivar meus alunos, mostrando que é possível vencer na vida”, destaca a empresária. (Graziela Castilho Cavalaro)

1 Comentário


Morre do coração o ex-vereador Quincas

Morreu na madrugada desta segunda-feira o ex-vereador de Campo Mourão Joaquim Messias da Silva Filho, mais conhecido como Quincas, de 69 anos. Ele foi também chefe do antigo Funrural e do Detran.

Segundo a família, Quincas vinha padecendo de pressão alta e diabetes e por volta das 2h30 sofreu um infarto, em casa.

O corpo do ex-vereador está sendo velado na Capela do Prever, de onde sai para sepultamento às 16h30.

Comente aqui


Morre de câncer o ex-deputado Darcy Deitos

Morreu na noite desta terça-feira o empresário do ramo hoteleiro, deputado ex-estadual e ex-deputado federal constituinte Darcy Deitos, de 69 anos. Ele era pioneiro  Darcyde Campo Mourão, onde era proprietário do Paraná Palace Hotel, no centro da cidade.

Deitos nasceu em Jaborá (SC), em 20 de maio de 1944, mudou-se com seus pais para Campo Mourão em 1954, com menos de 10 anos. Quatro anos depois começou a trabalhar e aos 21 anos abriu seu próprio escritório de contabilidade. Em julho deste ano, já com câncer em estado avançado, ele foi homenageado com o título de Cidadão Honorário de Campo Mourão.

O corpo do ex-deputado está sendo velado na Loja Maçônica, na Avenida José Custódio de Oliveira, no centro de Campo Mourão. O sepultamento será às 16h30.

Comente aqui