Mês: junho 2011



Quando o público se torna particular

Faz poucos dias, por ocasião do jogo entre Santos e Penãrol, o Jornal Hoje exibiu uma reportagem sobre a “festa dos flanelinhas”. Uma equipe de produtores do programa tentou estacionar nos arredores do Pacaembu e foi “convidada” a pagar R$ 50; e é claro que o pagamento deveria ser adiantado.

De acordo com policiais consultados pelos repórteres, nada pode ser feito contra esses cidadãos que usufruem de um espaço público para ganhar dinheiro, a não ser que o motorista se sinta constrangido, ameaçado ou extorquido.

Eu me sinto assim sempre que um flanelinha me aborda. Sinto-me constrangida quando não tenho o direito de parar meu carro em uma via pública sem ser abordada por um desses “profissionais”; ele também não precisa estar com uma arma, uma faca ou uma pedra para eu me sentir ameaçada; minha fragilidade feminina contribui para que eu ceda ao seu “convite” de cuidar do meu possante; por fim, sinto-me absolutamente extorquida por dar meu suado dinheirinho para um homem – ou mulher, às vezes – forte e saudável, que poderia perfeitamente ter outra ocupação. Continue lendo

20 Comentários


Terapia do abraço virtual

Bonitinhos… aliás, vocês gostam de ser chamados assim? Esse “inho” é carinhoso, ok? Não é pejorativo. Acho que já contei por aqui que a leitora Jemima me sugeriu o aumentativo, mas chamar meus leitores de “bonitões” pode não ficar bem.

Há quem ache que minhas demonstrações de afeto por quem visita o blog é pura estratégia de marketing. Não sei se acaba funcionando como marketing, mas eu tenho certeza de que o meu carinho e a minha consideração pelos leitores são sinceros. Essa convicção me basta.

E há também quem não creia ser possível criar – e manter  – relações afetivas pela internet.

Já disse por aqui diversas vezes que amo a terapia do abraço. Lembro-me de que, em meados de 2009, quando houve todo aquele temor por causa da gripe suína,  fiquei com saudade de chegar na escola e abraçar colegas e alunos.  Continue lendo

27 Comentários


28 de junho de 1988

Já contei essa história dezenas de vezes para meus alunos adolescentes. Alguns  têm apenas 14 anos e já se esqueceram do primeiro beijo. Não têm a mínima ideia de quando foi, muito menos com quem.

É claro que todo esse meu romantismo não predomina entre a meninada atualmente, mas essa visão efêmera das relações afetivas, mesmo na adolescência, assusta-me um pouco.

Mas voltemos ao meu primeiro beijo. Era uma fria noite de domingo; havia festa junina na paróquia do meu bairro e eu tinha marcado de me encontrar, após a missa, com o rapaz que já me fazia chorar ao som do Roupa Nova por mais de um ano.   Continue lendo

41 Comentários


Papo cabeça

Olá, meus queridos! A segunda de vocês está sendo “brava” ou “mansa”? Bem, de qualquer forma, preciso da ajuda dos meus fiéis escudeiros para um “papo cabeça”. Não será a primeira vez que discutiremos este tema aqui e, certamente, não será a última.

Leiam com atenção o trecho a seguir, retirado do site da revista Veja:

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado aprovou na tarde desta terça-feira um projeto de lei que determina que os estabelecimentos de ensino, públicos ou privados, promovam políticas de prevenção e combate ao bullying. A determinação, que poderá fazer parte da Lei de Diretrizes de Bases da Educação (LDB), segue agora para análise da Câmara. As informações são da Agência Senado. O projeto é de autoria do senador Gim Argello (PTB-DF), que sustenta que o bullying causa enorme sofrimento às vítimas. Para ele, a situação é ainda mais grave quando acontece nas escolas, já que afeta crianças ainda despreparadas para lidar situações de violência física e moral. Para o relator do texto na comissão, senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), o projeto é oportuno. (…) Entre as sugestões apresentadas pelo relator, estão (…) a conscientização das crianças, adolescentes e jovens sobre as consequências “nefastas desse tipo de comportamento covarde e antissocial”. ”

Oportuno” é mesmo um adjetivo bastante pertinente para a situação, afinal, com a discussão “bombando” no mundo real e no mundo virtual, nada melhor que mostrar “preocupação” com o tema. Continue lendo

39 Comentários


Venham para a minha varanda!

Bonitinhos, nesses dias de feriado e recesso darei mais atenção à família, ok? Por isso, não reparem se apenas aprovar os comentários, sem respondê-los. Aos poucos coloco minha casa virtual em ordem.

E nesta postagem copiarei descaradamente uma estratégia do Edson Lima, meu colega de blogosfera (aliás, o blog dele chegou nesta semana a 20 milhões de acessos e 200 mil comentários; façam o favor de me ajudar a conseguir pelo menos 10% desses índices!!!)

Quando ele precisa se ausentar por alguns dias, deixa uma postagem com o título “Tribuna Livre”; então os leitores usam o espaço para dar todo tipo de recado,  desde mandar um beijo pra alguém até um desabafo ou algo parecido.

Para não ficar muito evidente que copiei a ideia,  vamos batizar a nossa “tribuna” com outro nome. Assim o Edson não poderá me processar.

Que tal “Púlpito Livre”? Não… Formal demais…

E “Microfone Livre”? Também não… Nada a ver…

Hum… já sei!!! Vamos esquecer o adjetivo “livre”. Vai ser o momento “Varanda da Lu”!

Vocês estão todos reunidos na varanda da minha casa e, enquanto sirvo o café e os bolinhos, vão conversando entre si, ok?

Podem começar!!!

27 Comentários


Quando os absurdos me inspiram…

Ontem participei do programa Jeito da Gente, apresentado pela Cristina Calixto, e durante a entrevista conversamos sobre a sensibilidade aguçada que tem o cronista.

Para Machado de Assis, a primeira crônica deve ter nascido possivelmente da conversa entre duas vizinhas no fim do dia; Rachel de Queiroz afirmava que o cronista nem precisa escrever sua biografia. “Quem quiser me conhecer, leia minhas crônicas“, dizia a escritora.

Os dois estão certos. A crônica se faz mesmo da trivialidade e é muito reveladora dos nossos sentimentos. Mesmo quem não me conhece pessoalmente já sabe bastante de mim por meio dos meus textos.

E muitas das postagens deste blog nasceram justamente do meu olhar observador sobre cenas corriqueiras.

Mas o tema de hoje não vem de um “flash” do cotidiano; a inspiração que estava procurando quando me sentei em frente a esta máquina veio de uma nota que li no blog do meu colega Edson Lima: Continue lendo

20 Comentários


Associação Nacional de Defesa das Ervilhas – ANDE

ECA!!!

Não sei vocês, mas eu repudio as ervilhas. Tenho por elas profundo desprezo; essas bolinhas verdes causam-me repugnância. Meu humor fica seriamente comprometido quando descubro que, naquela torta que tinha tudo para estar deliciosa, há esses malditos grãos.

Desculpem-me se estou sendo muito incisiva nas minhas críticas contra as ervilhas. Mas minhas palavras são as mais sinceras possíveis.

E é claro que, ao manifestar minha ojeriza a esse alimento, corro o risco de ser processada por alguma organização, associação ou sindicato que defenda essa coisa sem graça.

Sim, porque atualmente quase tudo que falamos ou escrevemos pode ser entendido como preconceito.  É só alguém dizer que não aceita “A” ou que não concorda com “B” que logo surgirá aquele grupo que adora engrossar o coro dos que se sentem injustiçados e perseguidos. Continue lendo

49 Comentários


Muuuuuito obrigada!!!!!!!

Meus queridos, sei que estou devendo postagens fresquinhas pra vocês, com discussões polêmicas ou quem sabe com reflexões amenas sobre o nosso cotidiano.

Entretanto, esse meu “sumiço” aqui do blog por uns dias foi por uma boa causa; causa, aliás, que atende pelo nome de Primeira Impressão.

Na última terça-feira, por exemplo, pela primeira vez em 9 meses deixei de responder aos comentários. Peço desculpas por isso.

E devo dizer que, na postagem de hoje, ainda usarei o espaço para tratar deste assunto tão especial: o “nascimento” do meu “terceiro filho”. A partir de amanhã, voltaremos a movimentar o blog com nossos debates, ok?

Não conseguiria continuar postando sem antes agradecer imensamente pela noite especial que tive no dia 17.  Continue lendo

41 Comentários


Vai nascer !!!!!!!!!

Bom dia, bonitinhos!!!!! Que saudade deste nosso espaço virtual! Nem preciso explicar pra vocês que esta semana foi, como dizem por aí, “pauleira”!

Mas valerá a pena, tenho certeza. O dia de hoje já estava nos planos de Deus há muito tempo; mas eu precisei agir primeiro para Ele derramar as bênçãos sobre a minha vida.

E devo dizer que Deus abriu mesmo as comportas para mim; nossa… por vezes fui até tentada a imaginar que nem era merecedora de tantas coisas bacanas que aconteceram nos últimos meses.

Mas… querem saber?  Sou sim! Ele conhece meu coração e sabe das minhas intenções.

Esperei tanto por esse momento que ainda não processei a informação de que, daqui a algumas horas, finalmente estarei com as pessoas que amo e admiro no lançamento do meu primeiro livro.

Saibam que ficarei MUUUUITO feliz em tê-los comigos hoje à noite. É claro que entendo os motivos que levarão alguns a não poderem estar presentes, mas, quem puder, dê pelo menos uma passadinha pela  livraria, que fecha somente às 22h.  Continue lendo

38 Comentários


À espera do fim

Eles esperavam sempre pelo fim. Ele queria o fim do dia para chegar em casa, assistir à TV e descansar; ela queria o fim de semana para dormir até mais tarde.

Ambos queriam o fim do mês para receber o salário e o fim do ano para curtir as férias.

Pressa pelo fim; pressa para que tudo terminasse; pressa, pressa, pressa…

Sempre atarefados, às vezes nem viam a hora passar; quando isso acontecia, ficavam felizes. Era tão bom perceber que os ponteiros do relógio haviam andado mais depressa…

Afinal, eles queriam o fim; o começo não lhes interessava; eles queriam mesmo era o fim.

O fim da prestação do carro: assim poderiam fazer uma outra compra; o fim da novela: queriam ver logo o vilão ser punido. Continue lendo

13 Comentários