Mês: agosto 2016



A história do Chico Almeirão

Cabelos verdes de tanto almeirão...

Era uma vez um homem chamado Chico Almeirão. Ele tinha esse nome, pasmem vocês, porque gostava muito de almeirão. Desde bebê. Sua primeira mamadeira foi suco de almeirão; sua primeira papinha foi sopa de almeirão; seu primeiro lanche da escola foi um sanduíche de almeirão.

Chico Almeirão tinha quase 50 anos e morava sozinho em uma pacata cidade, que ficava perto de onde Judas perdeu as botas.  Ele era conhecido nas redondezas por sua habilidade em jogar dominó. Ninguém conseguia ganhar do Chico Almeirão.

Por causa disso, dessa sua destreza com as peças de dominó, Chico Almeirão resolveu que era hora de se candidatar a vereador. Sim, ele já se sentia preparado para assumir esse cargo, mesmo não sabendo exatamente o que precisaria fazer caso fosse eleito.

Então Chico Almeirão se filiou a um partido político. Ele escolheu a legenda mais bonitinha e rapidamente  fez tudo que precisava para ser candidato, principalmente lavar as mãos, pois tinha ouvido falar que candidato precisava ter as mãos limpas.

Ele vendeu sua bicicleta e uns passarinhos que tinha e mandou fazer uns panfletos. Criou uma frase muito original, fruto de sua fértil mente criativa: “Vote no Almeirão e não fique na mão”. Como seus pais já tinham partido desta para melhor e era filho único,  não podia contar com a ajuda de parentes. O jeito era caprichar na propaganda.

Com as eleições se aproximando, Chico Almeirão resolveu incrementar sua campanha.  Ele viu na TV um comercial que dizia “Envie a palavra OTÁRIO para OOOOO e receba dicas de promessas para enganar seu eleitor”. Não pensou duas vezes. Até por que já era difícil pensar uma só.

Ele saiu pela região prometendo vagas de estacionamento portáteis, perucas para carecas, kit chapinha para mulheres de cabelos rebeldes e Big Mac na merenda de todas as escolas públicas.

E não é que o Chico Almeirão se elegeu? Com grande votação, diga-se de passagem. Dizem, eu não sei, que  ele já está pensando em se candidatar a deputado.

4 Comentários