“Os Dias eram assim…”

O blogueiro Esmael Morais, analisando ações políticas dos irmãos Dias nos últimos três anos conclui que Osmar pode trocar a disputa do Palácio Iguaçu por uma cadeira no Senado e o irmão Álvaro, que tem mais quatro anos de mandato, desistirá da presidência da república para tentar ser governador do Paraná pela segunda vez.

Se Osmar desistir de ser governador, vai trombar com Beto Richa, que tantará o Senado, apesar do Paraná ter duas vagas em 2018. Nesse quadro, muda a correlação de forças e daí podem acontecer duas coisas: Osmar ficar pelo caminho, com Álvaro tendo prejudicada sua tentativa de voltar ao Palácio Iguaçu e Beto Richa, num confronto aberto com os Dias, ter seu desgaste aumentado e ficar sem mandato a partir de 2018, e portanto, na mira de Sérgio Moro.

Fazendo uma ligeira retrospectiva da vida partidária recente dos irmãos, Esmael Morais lembra que “Os Dias eram assim”:

“Alvaro Dias (PV) foi reeleito ao Senado graças à troca de apoio com o governador Beto Richa (PSDB). Esqueceu tudo que dissera antes do então correligionário para garantir sua continuidade em Brasília.

Agora, em 2018, as posições se invertem, mas a situação se repete.

O ex-vice-presidente do Banco do Brasil Osmar Dias (PDT), irmão de Alvaro, é quem costeia o alambrado de Beto Richa, que sonha com o Senado. O pedetista quer herdar a máquina estadual para chegar ao Palácio Iguaçu.

Alvaro e Osmar, o Abel e Caim, contrariando o apelido que receberam nas planilhas da Odebrecht, juram que não disputarão um contra o outro nem se deixarão feridos na estrada. Ou seja, irão para o combate na mesma trincheira.

 

O diabo é que Alvaro patina nos 2% das intenções de voto para a Presidência da República e Osmar, depois da citação na delação da Odebrecht, despencou nas pesquisas de maneira vertiginosa.

 

Com esse quadro desfavorável, seria mais crível a candidatura de Álvaro Dias ao governo do Paraná e do mano Osmar ao Senado.

O arranjo desagrada gregos e baianos, pois as candidaturas dos irmãos Dias fecham as duas vias de composição (governo e Senado). Portanto, eles correm o risco de morrerem abraçados na estrada.

É dentro desse contexto político e de minissérie global- — “Os dias eram assim” — que os abelhudos do Centro Cívico trabalham diuturnamente na captura de materiais para o trocadilho da vida real”.

 

Sem categoria

6 comentários sobre ““Os Dias eram assim…”

  1. Antonio 19 de junho de 2017 13:21

    Requião será eleito governador, Osmar e Fruet se elegem para o senador.

  2. Wilson 19 de junho de 2017 19:09

    O Paraná está um caos, a saúde abandona, a educação abandona, agricultura abandona, para colocar o Paraná nos trilhos somente Requião que é um politico que preza pelo social, pelos mais pobres, valorização da agricultura familiar e principalmente foi um governador que fez muito pela educação, em 2018 vamos de Requião governador.

  3. Luiz 20 de junho de 2017 7:42

    O que vai decidir estas eleições para suceder o péssimo governador Beto(com seus CCs incompetentes) será quem defende e quem é contra as reformas trabalhistas e previdenciárias do vampiro Temer que querem ferrar os trabalhadores.

    Defendem as reformas do vampiro:
    Alvaro Dias, Beto Richa, Cida e Rato Junior

    São contra as reformas do vampiro:
    Ariel(REDE) e Requião

    Osmar Dias ficou neutro.

  4. JOSÉ MARCOS BADDINI 22 de junho de 2017 9:48

    Acontecerá uma surpresa nas eleições para Governador do Paraná. Aguardem!!!!

    • Sergio 22 de junho de 2017 17:37

      Requião foi o melhor governador para a agricultura, a educação e a segurança do Paraná, vamos votar no Requião Baddini para que nosso estado volte a ser o nosso grande Paraná, não confie no Rato Junior, como o próprio nome diz Rato e rato é rato, vai esperar o que de um rato, ratoeira para ele.

  5. maso 22 de junho de 2017 20:08

    E a Gleice!

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.