Acabar com o carrapato matando a vaca

Eis a lógica da reforma trabalhista com relação ao sindicalismo obreiro

Dos 7 mil existentes no país, 4 mil são sindicatos que não tem representatividade quase nenhuma e portanto , sequer negociam convenções coletivas. Isso é um fato concreto que demandaria um amplo debate entre os próprios trabalhadores em torno de um projeto amplo de reforma sindical.

O Brasil, claro, precisa de um sindicalismo independente. Já é passada a hora disso acontecer. Mas tal modelo teria que ser forjado no debate entre sindicatos obreiros , federações, confederações e centrais, e com aquilo que o saudoso Luiz Melodia chamaria de “auxilio luxuoso” de especialistas em Direito do Trabalho e em relações sociais, envolvendo empregados e patrões.

Ao invés disso o governo Temer decidiu dar uma paulada direta na cabeça do sindicalismo, tirando dos sindicatos a sua principal fonte de financiamento. O imposto sindical é o responsável pela proliferação dos chamados “sindicatos de carimbo”, mas é ao mesmo tempo também, responsável pelo surgimento e consolidação de sindicatos fortes , que atuam dignamente em favor das  categorias profissionais que representam.

O fim do imposto sindical inviabiliza a todos, os que merecem e os que não merecem subsistir com o nome de sindicato. O problema é que ao enfraquecer os legítimos representantes de grandes categorias profissionais, a reforma trabalhista mata a vaca com o pretexto de livrá-la dos carrapatos.

O enfraquecimento do sindicalismo ocorre, contraditoriamente, num contexto muito desfavorável ao trabalhador. A reforma trabalhista tira direitos fundamentais  de quem está no mercado formal,  ao mesmo tempo em que mata a perspectiva de dias melhores para quem sobrevive na informalidade.

Doravante, nem todos os empregadores respeitarão jornadas de trabalho compatíveis com o limite físico de seus empregados, conforme o estabelecido pela CLT, que acaba de ser  assassinada a sangue frio pelo Congresso Nacional. Se o Estado lava suas mãos na questão da saúde mental e física do trabalhador sobrecarregado com o trabalho em jornadas estafantes, quem vai defende-lo senão o sindicato obreiro? E aí fica a pergunta: que sindicato teremos após a entrada em vigor da Reforma Trabalhista em novembro próximo?

 

 

Sem categoria

3 comentários sobre “Acabar com o carrapato matando a vaca

  1. Valdir 11 de agosto de 2017 21:45

    Só uma pergunta, e não vai haver réplica…. alguma vez na sua vida, você foi patrão? Dono de um negócio próprio? Teve empregados?

  2. Domingos Aparecido 12 de agosto de 2017 8:52

    O NÓ GÓRDIO.
    O lamento é grande, fizeram passeatas e “clamaram fora Dilma”… coitadinhos… erraram o alvo. O problema do Brasil é o sistema tributário. Com mais de 40 anos, permite que escorram pelo ralo mais de 500 bilhões de corrupção (anualmente), só a Lei Kandir dá um prejuízo de mais de 100 bilhões à nação. Os subsídios da Zona Franca leva mais de 300 bilhões. Pagamos 30% a mais nos produtos por conta da enorme burocracia.
    Vamos acabar com isso? acesse:
    Participe da campanha:
    https://secure.avaaz.org/po/petition/Congresso_Nacional_Votacao_imediata_da_PEC_47401_Imposto_Unico/?trPjdmb

  3. Messias Mendes 12 de agosto de 2017 15:04

    Fui sim, Valdir, sócio de uma revista. Era uma empresa pequena, tínhamos uma secretária e contratávamos free para fazer matérias, principalmente em Curitiba e Londrina. Posso lhe assegurar, que minha posição sobre a relação capital x trabalho nunca mudou.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.