Bolsonaro nega. E nem poderia ser diferente

MAS É FATO QUE ELE É UM APOLOGISTA DA VIOLÊNCIA

Assisti a um vídeo do Bolsonaro negando a informação do colunista de O Globo, Lauro Jardim, sobre o caso da Rocinha. Claro , ele não iria confirmar uma insanidade dessa. Se foi fak news, Jardim que se explique. Quem compartilhou não tem nada com isso, porque O Globo não é um panfleto clandestino. E gostemos ou não do Lauro Jardim (que não tem minha simpatia), o fato é que ele é um dos colunistas peso pesado  do jornalão dos Marinho.

Mas quem acompanha as entrevistas do  Bolsonaro sabe que ele não tem mesmo trava na língua e nem pudores em externar sua visão tosca sobre políticas públicas de combate a violência. Suas receitas são sempre nessa direção: de combater a violência com mais violência. Ele quer armar  a população, quer  colocar um revólver na mão de cada mulher que sofre maus tratos do companheiro, como se a arma  fosse protegê-la de alguma forma.

Aos “bolsonaretes” que se irritam com quem manifesta preocupação ante a possibilidade dele chegar a presidência da republica, é bom que pensem nisso: tudo o que o Brasil não precisa é de um presidente que faça apologia à barbárie.

 

Sem categoria

16 comentários sobre “Bolsonaro nega. E nem poderia ser diferente

  1. Carlos 12 de fevereiro de 2018 22:13

    Esse Bolsonaro é um louco ambulante!

    • Antonio 15 de fevereiro de 2018 6:12

      Tem aquele ditado Carlos, o peixe morre pela boca, depois de falar que ia metralhar a rocinha ele não se elege nem para sindico de predio.

  2. Paterson 13 de fevereiro de 2018 0:47

    O Brasil precisa menos ainda de pessoas corruptas e jornalistas que reproduzem fake news

  3. Antonio 13 de fevereiro de 2018 7:13

    Bolsobosta, racista , homofóbico , um tremendo boçal.

  4. Domingos Aparecido 13 de fevereiro de 2018 9:24

    BOLSONARO? O MESSIAS ESTÁ NERVOSO!!!
    ISSO NÃO É “FAK NEWS” QUEREM VARRER ISRAEL DO MAPA..
    PAZ, PAZ, ELA NÃO VEM PORQUE ESSA GUERRA É RELIGIOSA. Palestina, Irã e Russia – esse trio é parada dura. A realidade do aquecimento das relações do urso russo com o Irã é evidente a partir das manchetes na mídia:
    • “A Rússia Planeja Mais Cinco Usinas Nucleares no Irã” – por Peter Baker, The Washington Post, 27 de julho de 2002.
    • “Em Israel, Putin Defende Negócios com a Síria e o Irã” – por Molly Moore, Washington Post Foreign Service, 29 de abril de 2005.
    • “O Kremlin Está Pronto Para Defender o Irã” – por Mikhail Zyar e Dmitri Sidorov, Mosnews.com, 13 de setembro de 2005. Os autores dizem que o Irã quer “aliados confiáveis como a Rússia e a China”.
    Fonte: http://www.chamada.com.br
    • “A Rússia Faz Acordo de um Bilhão de Dólares em Armas Com o Irã” – Associated Press, 2 de dezembro de 2005. Esse artigo, publicado pelo site da FOX News, chama a Rússia de “o aliado-chave do Irã”.
    Veja o que diz a Bíblia Palavra Viva de Deus: Mar 13:7 – E, quando ouvirdes de guerras e de rumores de guerras, não vos perturbeis; porque assim deve acontecer; mas ainda não será o fim.
    Maranata.

    • maso 13 de fevereiro de 2018 10:46

      aguardando o armagedon. ta pertinho.
      20 segundos pra meia noite.

    • Justiceiro 13 de fevereiro de 2018 11:15

      Israel pratica o holocausto palestino há quase 70 anos e novamente iniciou a guerra. O Hamas, alvo principal do ataque sionista, por governar Gaza, teve dirigentes mortos por mísseis e a população palestina inteira está sofrendo as consequências de mais esta agressão israelense. Os impostos confiscados dos palestinos que trabalham em Israel e que moram até mesmo na Cisjordânia, administrada pelo partido colaboracionista Fatah, foram retidos por Israel. O envio de alimentos, remédios e todo o restante foi suspenso e o território palestino está sob um bloqueio ainda mais brutal, mesmo após a deflagração de um “cessar-fogo”.

      A luta em defesa dos palestinos começa por questões básicas e humanitárias: o fim do bloqueio que impede os palestinos de conseguirem comida e remédios; o fim dos assassinatos de militantes, para os quais pode chover um míssil a qualquer hora do dia; e o fim das invasões ao território já recuperado pelos palestinos – Gaza e parte da Cisjordânia. Este é o programa mínimo necessário na Palestina, e o mínimo que se pode exigir para manter o cessar-fogo da parte palestina. Mas nem isso Israel está disposto a conceder. O suposto cessar-fogo decretado na região viola até mesmo as insuficientes convenções e resoluções da própria ONU e representam uma violação gravíssima dos direitos humanos e da autodeterminação dos povos.

      O governo terrorista de Israel insiste na argumentação de que tem o monopólio da violência na região, podendo ser o exército, a polícia, a Justiça e o governo de palestinos, que são os verdadeiros donos da terra usurpada pelos sionistas. Mesmo depois do “cessar-fogo”, Israel continuou bombardeando os palestinos e avançando em outras medidas que na prática representam mais invasão, como a expansão e construção de novas casas, procurando consolidar a colonização sobre a Cisjordânia. Para consolidar esses assentamentos, Israel precisa ampliar o genocídio e a limpeza étnica que pratica contra os palestinos.

      • Domingos Aparecido 13 de fevereiro de 2018 12:25

        ALGUÉM QUE ODIAVA OS JUDEUS PERGUNTOU A UM VELHO SAMARITANO:
        “O que você pensa que acontecerá com o seu povo se nós continuarmos perseguindo vocês”? O judeu respondeu: “Haverá um novo feriado para nós!” “O que você quer dizer com isso?”, perguntou o outro, “como vocês podem ter um novo feriado se continuarmos perseguindo vocês?” O velho judeu disse: “Veja bem, Faraó quis nos exterminar – e nós recebemos um feriado: a Páscoa! Hamã quis enforcar Mordecai e exterminar todos os judeus – e nós recebemos um novo feriado: Purim! Antiôco, o rei da Síria, quis exterminar os judeus. Ele ofereceu um porco ao deus Júpiter no templo – e Israel recebeu outro feriado: Hanucah! Hitler quis nos exterminar – e nós recebemos mais um feriado: Yom Ha’atzmaut, o Dia da Independência! Os jordanianos ocuparam Jerusalém Oriental durante 19 anos, impedindo-nos de orar no Muro das Lamentações, até que, no ano de 1967, nossos soldados libertaram Jerusalém Oriental. Desde então festejamos anualmente o Yom Yerushalaym, o Dia de Jerusalém! E caso continuarem nos perseguindo, receberemos mais feriados da parte de Deus!” E o velho judeu tem razão! Não se iludam, as profecias já foram todas cumpridas, agora virá o ARMAGEDOM.

        • maso 16 de fevereiro de 2018 19:59

          tudo isso ai que voce escreveu.

        • Joao Maria 17 de fevereiro de 2018 13:04

          Nao se iludam, as profecias ja foram todas cumpridas.
          ” E nascera um menino, do tronco da arvore de Davi, e se chamara EMANUEL, Deus conosco “. Nasceu um menino, e se chamou YEOSHUA.

  5. Justiceiro 13 de fevereiro de 2018 11:13

    Na raiz da desigualdade social está a concentração de terras rurais nas mãos de poucas famílias ou empresas. Cerca de 3% do total das propriedades rurais do país são latifúndios, ou seja, tem mais de mil hectares e ocupam 56,7% das terras agriculturáveis – de acordo com o Atlas Fundiário do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Em outras palavras, a área ocupada pelos estados de São Paulo e Paraná juntos está nas mãos dos 300 maiores proprietários rurais, enquanto 4,8 milhões de famílias estão à espera de chão para plantar. Um dos exemplos do grau de concentração de terras em nosso país é a área de 4,5 milhões de hectares, localizada na Terra do Meio, coração do Pará, que o grupo CR Almeida, do empresário Cecilio do Rego Almeida, reivindica para si. Segundo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, esse é o maior latifúndio do mundo.

  6. Ana Maria 13 de fevereiro de 2018 11:41

    Deus nos livre desse maluco. Olha a ideia dele: matar centenas de trabalhadores, mulheres, crianças para prender uma centena de bandidos. Só no congresso tem mais do que isso e bandidos com poder muito maior do que o dos traficantes. Por que ele não fala em melhorar o ensino público nas favelas e o salário dos trabalhadores, de modo que possam manter famílias organizadas e crianças com futuro decente? Maluquinho. Que Jesus nos livre de mais essa tragédia brasileira.

  7. Renato 13 de fevereiro de 2018 11:51

    O nazista Bolsonaro quando abre a boca…. pode esperar que vem merda… Pior é ver pessoas de “bem” ouvindo e batendo palmas…. Me lembra outro certo nazista alemão, que falava suas atrocidades, e as multidões o aplaudiam cegamente.
    Ele é o mito da idiotice , a vida não é vídeo game, esse idiota quer fazer uma guerra civil para os americanos venderem armas para os tontos.

  8. Hudson 14 de fevereiro de 2018 10:41

    A que ponto chegou a política brasileira. Há dois anos, se alguém cogitasse a candidatura desse fascista nojento à presidência seria taxado de louco. Vale lembrar que esse monte de preconceito e truculência, está no seu sexto mandato e a única coisa que fez foi arrumar um lugar para a família. Alguém poderia citar um projeto proposto por esse lixo que tenha beneficiado a população em geral ? Ser burro, preconceituoso e fazer apologia a violência são as “qualidades” que dão lastro a candidatura dessa besta, por isso, não discuto mais com idiotas que o apoiam, a qualquer momento querem “sair” no tapa. Pobre país, pobre povo…

  9. Justiceiro 15 de fevereiro de 2018 17:24

    O Süddeutsche Zeitung, maior jornal diário e de maior circulação na Alemanha, chamou o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) de “mentiroso” e afirmou que comparar o ex-capitão do Exército com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seria um pouco cruel. “Tirando o seu fervor ultracatólico, o resto é tudo mentira”, cravou o alemão.

    Süddeutsche Zeitung – Jair Messias Bolsonaro, 13/02/2018, via Deutsche Welle (DW Brasil).

    Sobre Jair Bolsonaro ouve-se e lê-se com frequência que ele é o Donald Trump do Brasil. Isso talvez seja um pouco cruel – com Trump. Além disso, é errado. Sem dúvida há paralelos entre o presidente dos Estados Unidos e o brasileiro candidato à Presidência. Ambos xingam contra minorias e jornalistas, consideram o homem branco o ápice da criação, aparentemente passam grande parte do dia tuitando besteiras e são, de qualquer forma, contemporâneos desagradáveis. Mas se isso bastasse para ser um novo Trump haveria milhões de Trumps por aí.

    Sobretudo porque Bolsonaro, de 62 anos, diferencia-se radicalmente do principiante da política em Washington: ele não é um iniciante, um antipolítico. (…) Durante quase três décadas quase ninguém levou a sério o deputado Bolsonaro, afora sua clientela radical. A novidade agora é que ele tenha encontrado ouvidos para as suas tiradas.

    Bolsonaro nasceu em 1955 numa pequena cidade de São Paulo. Seu pai lhe deu o segundo nome de Messias. Isso combina com a sua autoencenação: cristão, próximo do povo, duro, honesto, incorruptível. Tirando o seu fervor ultracatólico, o resto é tudo mentira.

    Bolsonaro é dono de vários imóveis de luxo, que ele jamais poderia ter comprado com seu salário de deputado. Apesar disso, ele incita ao ódio contra a elite corrupta. De forma bizarra, ele atinge com esse discurso justamente os brasileiros mais ricos e instruídos: a elite. Esses têm até outubro para entender que cada voto para esse messias de direita é um voto contra a democracia.

    BLOG DO ESMAEL DE MORAES

    • maso 16 de fevereiro de 2018 20:02

      Do blog do Esmael Boqueta Castro dos Santos, falando de algum jornaleco alemao bancado pela Angela Fatima Merkel. Bobagem!

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.