Interpretações equivocadas e mazelas decorrentes da abertura dos supermercados nos domingos e feriados

O caso do projeto que põe regramento no funcionamento do comércio de Maringá nos domingos e feriados é um exemplo claro de como o mesmo fato dá margem a várias interpretações. Algumas interpretações equivocadas são fruto, geralmente, da desinformação, mas outras decorrem de interesses díspares.E há aquelas oriundas, unica e exclusivamente da má fé.

Senão vejamos: o projeto do vereador Mariucci, subscrito por outros 5 dos seus nobres pares tem um objetivo claro, embora a primeira versão do texto tenha ficado um bocado confuso. E qual é esse objetivo: condicionar a abertura dos supermercados e hipermercados domingos e feriados à negociação entre os representantes legais de empregados e empregadores. Isso porque regulamentar o funcionamento do comércio é prerrogativa do município, por meio de lei aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito. Portanto, a conversa de que esta seria uma lei inconstitucional é pura balela.

Mas balela maior são interpretações equivocadas como a do presidente da Associação Comercial, que chegou a dizer nos veículos de comunicação que o maringaense corre o risco de ir ao médico num domingo e feriado e depois não ter farmácia aberta para comprar o remédio. Ouvi coisa pior, como representantes do patronato dizerem que as famílias que perderem um de seus membros no domingo teriam que esperar segunda para preparar o velório, pois as funerárias não poderiam funcionar domingo.

Na verdade, a grande preocupação da Igreja Católica (que tem se manifestado por meio de suas paróquias e do Conselho de Leigos) , do Sindicato dos Comerciários e dos vereadores favoráveis, é com o impacto social que a abertura teve na cidade. Pesquisa feita pelo Departamento de Economia da UEM mostra que 50% do comércio da periferia de Maringá foi duramente afetado ela concorrência desigual. Muitos pequenos e médios comerciantes estão fechando (ou pra fechar) seus estabelecimentos que, funcionando com membros da família do proprietário, tinham nos domingos e feriados faturamentos que compensavam a semana, inclusive viabilizando a contratação e manutenção de empregados com carteira assinada.

A pesquisa mostra que o comércio de gêneros alimentício nos bairros está demitindo e muitos dos proprietários passando da condição de empregadores a desempregados. Na verdade, o dinheiro circulante para consumo é o mesmo, estando os supermercados abertos ou fechados.O que muda são os dias de compra. Se estiverem abertos domingo, que tem que ir ao mercado sábado, por exemplo, deixará para fazê-lo no domingo de manhã. O que há então, não é aumento do consumo, mas concentração do dinheiro gasto nos caixas dos grandes, em detrimento dos pequenos e médios.

Espanta o fato do presidente da ACIM não compreender esta realidade que é muito cruel para 80% dos associados da entidade. Com essa posição equivocada ele agrada 20%,  que são os grandes e desagrada 80%. Que matemática maluca é esse, José Carlos Valêncio?

Em tempo:a abertura dos supermercados de Maringá aos comingos e feriados atrai também o consumidor da região. E aí, como fica o comércio das cidades do entorno? Conversei com vários comerciantes, vereadores e secretários municipais de algumas cidades vizinhas. A preocupação com o esvaziamento cada vez maior dos respectivos comércios é muito grande.

Já passou da hora de Maringá pensar também nos seus vizinhos, como polo e sede de uma região metropolitana que é. Não tem sentido nossa cidade concentrar em proporção absurda o PIB da região, matando os municípios vizinhos de inanição. Se o setor empresarial daqui comemora a atração dos consumidores da região, quero entender que tipo de comemoração eles fazem  com a consequência mais imediata da vinda para cá de um verdadeiro exército de desempregados, em busca de vagas que não existem.

Aliás, esse é um debate que já passou da hora dos prefeitos da AMUSEP fazer. Afinal, para que serve esta entidade?

 

 

 

Sem categoria

Um comentário sobre “Interpretações equivocadas e mazelas decorrentes da abertura dos supermercados nos domingos e feriados

  1. Joao Maria 14 de abril de 2018 16:08

    Deus criou o mundo em seis dias…… e no setimo descansou. Domingo e dia de reunião da familia, mas os empresarios nao estão preocupados com isso. Empresarios nao tem familia, ou nao aguentam ficar perto delas.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.