Síntese de uma escola sem partido

Como seria uma  escola sem partido ?  Seria, por dedução lógica,  uma escola com salas de aulas conflagradas, alunos de olho nos professores,  prontos para dedurar o mestre que  manifestar idéias contrárias aos valores éticos e morais da família brasileira com Deus pela liberdade.

A proposta garante o empoderamento dos que tem compulsão pela deduragem , deixando na linha de tiro o professor ou a professora que usar uma linguagem incompatível com a pregação da bancada evangélica na Câmara Federal.

Falar em concentração de renda  é sacrilégio, trabalhar temas que remetam à formação da cidadania é blasfêmia.  Que não ouse o mestre, a doutrinar nossos jovens com conceitos pedagógicos fundados no Método Paulo Freire,porque aí estará cometendo crime de lesapatriotismo.

Seja por meio da arte ou da ciência social, que os professores se comportem em sala, sabendo que na escola sem partido vale a máxima  do viver pela pátria e morrer sem razão. Nada de uma escola que estimule o debate, que ensine a pensar a partir do confronto de idéias.

Se a aula é de História, que tratem de decorar a data da chegada da Familia Real no Brasil; se é de Geografia, que tratem de ensinar  direitinho sobre as formações rochosas , mas ignorando ensinamentos marxistas sobre ocupação desordenada e criminosa do solo; que o professor de Português ensine  análise sintática mas não queira  impor sua cátedra com interpretação de textos avermelhados. Quer dar aula sobre a escravidão no Brasil, professor? Fique à vontade, mas  esqueça esse negócio de Navio Negreiros e capitães do mato.  Enaltecer   Zumbi dos Palmares e seu tio Ganga Zumba? Nem de brincadeira.

Dirão certamente,  que a escola sem partido é a redenção do ensino básico e médio no país, pois ela vai formar cidadãos competentes para o mercado de trabalho e comprometidos com a defesa intransigente dos valores morais e éticos da família tradicional.

A escola é lugar de aprender e não de apreender. Ouviram bem?

 

Sem categoria

31 comentários sobre “Síntese de uma escola sem partido

  1. Domingos Aparecido 3 de dezembro de 2018 11:03

    Messias, a filosofia do Paulo Freire é materialista e consequentemente as pessoas vivem sem alvos de vida, por isso que está acontecendo muito suicídio entre os jovens. A bancada Evangélica prega o amor à família e Jesus Cristo como o centro da vida.

    • Messias Mendes 3 de dezembro de 2018 11:13

      Dizer que o Método Paulo Freire é responsável por suicídios é o fim da picada. E quer dizer então que a bancada evangélica é que tem o monopólio da fé?Me poupe.

    • João Luiz 3 de dezembro de 2018 13:26

      Eu vou além, no cerne da questão de que se trata; a teoria freireana foi um caos para a metodologia de ensino aqui no país, não sei em outros, foi uma das causas do fracasso didático, e, consequentemente do ensino e da aprendizagem; necessitamos urgentemente nos contrapor ao titulo que levas, ou seja patrono da educação, pra mim não passa de patrono da inversão negativa de valores ao aprendizado nas instituições brasileiras.

      • Messias Mendes 3 de dezembro de 2018 18:37

        A causa do fracasso do nosso modelo educacional não tem nada a ver com o Método Paulo Freire. Tem mais a ver com os Acordos MEC-USAID , sacramentado pela lei 5.540/68, de que com qualquer outra coisa. O buraco é mais embaixo, meu caro.

        • Alaor 3 de dezembro de 2018 23:15

          Tem de tudo um pouco Messias… método Paulo Freire se mostrou improdutivo e prejudicial para e ensino… os desvios de verbas, na gerência na ampliação das verbas que conseguem chegar… etc…

            • Hugo 5 de dezembro de 2018 1:34

              ver a verdade sempre é bom Messias, mesmo que ela contrarie sua ideologia.

              PT foi o governo que mais investiu em educação e o que obteve os piores indices em educação.

              ou seja, investimento não foi o problema, o problema foi o método de ensino (Paulo Freire) e o método de aplicação dos investimentos (corrupção)!

          • João Luiz 4 de dezembro de 2018 14:31

            Fica frio, só pelo posicionamento dá pra entender a forma tosca como se refere aos diversos assuntos a que se propõe a falar; ele é muito fraco, pelo menos é o que demonstra na maioria das vezes a que se contrapõe.

            • Thiago 5 de dezembro de 2018 5:54

              Quem defende a escola sem partido são pessoas da classe média baixíssima(os pobres que pensam que são ricos) que nunca frequentaram uma escola publica, a escola respira liberdade, é lugar de pessoas livres e jovens, quem são a a favor deste projeto escola sem partido são jovens de cabeça velhas, ultrapassadas, rancorosas.

              • João Luiz 6 de dezembro de 2018 9:46

                tá ai a liberdade, é desse jeito

    • José Roberto 5 de dezembro de 2018 5:26

      Esse projeto é uma Bozalidade que tem que ser derrubado, no Congresso ou no Supremo. Só cabe em mentes estreitas de neopentecostais ignorantes, que querem instituir a censura da ditadura.

    • Messias Mendes 3 de dezembro de 2018 18:46

      Já tinha visto o vídeo e qualquer pessoa minimamente informada sabe que a professora aí falou bobagem. A degradação do sistema educacional tem a ver com a falta de investimento, principalmente na qualificação dos professores e na estruturação da escola pública; tem a ver com os resquícios dos acordos MEC-Usaid, formatado durante o regime militar exatamente para trabalhar uma geração de jovens sem pensamento crítico; tem a ver com a desvalorização do ensino púbico em favor do ensino privado, que visa lucro financeiro e não lucro social. Querer atribuir o estágio em que chegou a educação no Brasil ao grande Paulo Freire, cujos métodos pedagógicos são elogiados em todo o mundo desenvolvido, é um misto de ignorância com desinformação e má fé…tudo junto e misturado.

      • Francisco 3 de dezembro de 2018 23:19

        Aí vc se enganou feio Messias..

        Os governos do PT foram de longe os que mais investiram em educação no BRASIL!

        Porém, tbm foi nos governos do PT que a educação atingiu os piores níveis nas classificações do ensino como vimos na principal delas que é o IDEB!

        Em suma… a péssima qualidade na educação nada tem haver com investimentos, mas com métodos de ensino aplicado e corrupção!

        • Messias Mendes 4 de dezembro de 2018 9:35

          Desculpe, mas não dá pra discutir com alguém com este nível de informação e com esse conceito totalmente equivocado.

          • Francisco 4 de dezembro de 2018 11:00

            Equivocado está seu conceito ao achar que o problema na educação está no investimento.

            Os próprios parlamentares do PT já disseram na assembleia que o governo PT foi o que mais investiu em.educacao

          • Hugo 4 de dezembro de 2018 20:52

            Messias, como o cara tem um conceito equivocado se ele falou a verdade?

            vi esses dias num debate na camara, só não lembro se do senado ou dos deputados, onde um parlamentar do PT retrucava outro indivíduo sobre os investimentos que o PT fez na educação durante seu governo. Dizia ele que nenhum outro governo investiu tanto na educação como o governo do PT!

            ora, se o problema fosse investimento na area da educação, o PT teria elevado o brasil a nivel de primeiro mundo no que se refere a capacitação profissional do povo… não teríamos mais analfabetismo no pais, não teriamos analfabetos funcionais… seria durante o governo petista que obteríamos as melhores notas no IDEB, ao menos agora no final do governo claro…

            imagine que, o IDEB mede o desenvolvimento da educação básica, ou seja, 14 nos depois do inicio do governo petista, deveríamos ter as melhores das melhores notas… porém, contudo, todavia no entanto, ocorreu o contrário e atingimos as piores notas no IDEB!

            ou seja, se realmente o parlamentar não mentiu, e creio que realmente não mentiu, pois os investimentos foram muito maiores que os de FHC que investia em seu tempo menos de 1% do PIB em educação, a educação no país teria as melhores notas.

            eu creio, honestamente Messias, que é vc quem tem um conceito equivocado

            ou vc poderia esclarecer melhor o que vc considera como conceito equivocado na informação e no conceito do outro nobre comentarista.

        • João Luiz 4 de dezembro de 2018 14:24

          Mesmo antes de ir para o Exercito eu já era professor de adultos, não é qualquer um que me ultrapassa em assuntos sobre educação, nem na pratica nem na teoria, e é isso mesmo que você fala, correto sua argumentação.

      • Wilson 4 de dezembro de 2018 9:06

        Nos sabemos a reais intenções desse bando.
        Que o povo permaneça ignorante e alienado!
        Não vamos aceitar isso!
        Que eles queiram ser ignorantes é direito deles mas não podem querer que nós o sejamos!!!!
        A escola é lugar de juventude, liberdade e rebeldia, estes que são a favor da escola sem partido são velhos em carcaças de jovens.
        O professor não pode ser impedido de apresentar sua visão de mundo, mas mostrar aos estudantes outras referências para que ele entenda os debates e posições existentes em relação a determinado assunto. “O Paulo Freire dizia que os professores precisam apresentar suas leituras de mundo, mas não podem se limitar a elas.
        o Escola sem Partido é um grande equívoco e uma discussão medieval, é portanto, conflitante com ambientes escolares, que devem se caracterizar como espaço aberto a todos os tipos de pensamentos e ideologias. Mais tarde o aluno vai amadurecer o pensamento crítico, sem censura, com confiança e liberdade. O projeto não melhora a vida educacional. O que querem com esse projeto é formatar a próxima geração para que nada mude.

        • Thiago 5 de dezembro de 2018 5:56

          Sem falar que o plano educacional do Bozo inclui o ensino religioso para as crianças que frequentarão as vagas em creches que estão sendo projetadas para acolhê-las. Diz a matéria do portal UOL que o ensino religioso ficará a cargo das igrejas que receberão dinheiro do governo para ensiná-las. Só ligando os pontos: adivinha quem são essas igrejas? Claro, só pode ser as igrejas do bispo Edir Macedo. É isso ai as igrejas simoníadas vão ganhar agora dinheiro do tesouro público para doutrinar as indefesas criancinhas brasileiras. A Igreja Católica é outra instituição que está a ver o tempo passar… Passar…

  2. augusto faria 3 de dezembro de 2018 15:30

    Será que os professores(as), com escola sem partido, vão ser menos agredidos ?

    • João Luiz 4 de dezembro de 2018 14:26

      # não aos doutrinadores

  3. Zé Bento 4 de dezembro de 2018 12:31

    Uma idiotice que é defendida apenas por bolsonaro mbl e meia duzia de youtubers fascistas…
    Apenas um movimento idiota da extrema direita que só tem força na internet, assunto muito irrelevante o povo tá nem ai pra isso.

    • Valdir 4 de dezembro de 2018 23:12

      Realmente. O povo do seu nível não está nem aí pra isso. Só o povo que pensa. E pelo visto dos seus comentários, você é daqueles que não pensa. Só diz besteiras. É daqueles que torcem para que o Brasil dê errado só pra poder dizer depois: “Eu não disse? Eu sabia!”. Deve ser daqueles que não quer CPF na nota porque tem medo do governo saber quanto ganha. Afff ….. Que Deus tenha misericórdia desta nação!

      • Zé Bento 6 de dezembro de 2018 6:47

        Calma Valdir, seu ódio e raiva pode ser prejudicial a saúde kkkk

  4. José Roberto 5 de dezembro de 2018 5:24

    Escola sem partido é uma balela de gente que nunca entraram numa escola publica, ou se entraram foi a uns 30 anos, não sabem de nada, os retardados que defendem esta volta a ditadura são a escória da sociedade, precisamos discutir sim educação, mas o que precisamos discutir é:

    – Reduzir o número de alunos por turmas para se ter melhor acompanhamento dos estudos e melhor rendimento das aulas.
    – Estruturar as escolas com laboratórios de ciências, espaço para arte e esportes.
    – Trazer a realidade das ciências para os alunos do ensino médio por meio de projetos de pesquisa, extensão…
    – Escola integral ou semi integral.
    – Capacitação de professores.
    – Conscientização das famílias quanto à sua responsabilidade junto à escola.
    – Aumento salarial para os professores.
    – Concurso urgente para professores e técnicos no Paraná.

  5. Wilson 5 de dezembro de 2018 6:41

    Teremos uma escola ideologicamente voltada para batermos continência à bandeira dos Estados Unidos. E nas universidades também, adeus autonomia universitária! Aprenderemos a história sob a ótica bárbara dos anglo-saxões, que não admitem por exemplo que Napoleão, para eles um louco, criou o mundo moderno quando instituiu a coleta de lixo urbano, padronizou as medidas de volume, peso e distância e, principalmente, separou a igreja do estado e estabeleceu o registro civil de nascimento, casamento e óbito, e fez e espalhou pela Europa feudal o código pelo qual todos os cidadãos têm direitos iguais com liberdade igual de comércio e indústria, pondo assim um fim nas “confrarias” que os monopolizavam em sociedades tipo secretas. Quando os invasores alemães chegaram a Paris na segunda guerra, seu guru Alfred Rosenberg, uma espécie de Olavo de Carvalho deles, fez uma proclamação na Assembleia Nacional na qual disse solenemente que estavam ali para enterrar a Revolução Francesa, que havia dado direitos iguais aos judeus e assim, “infectaram” a Europa e macularam a “cultura europeia”. Deveremos esperar sem desesperar por uma intervenção ideológica radical no ensino brasileiro, com a vitória de nossa forma particular de fascismo? Acontece que estas coisas deveriam estar sendo debatidas e expostas em programas de televisão, em lugar das criminosas mentiras sobre kitgays e escola sem partido. O povo, inocente do que pretendem, está sancionando um programa de governo que lhe é oculto, que lhe é desconhecido, e isso nada tem de honesto e muito menos de democrático.
    EDUCAÇÃO É UM BEM TÃO PRECIOSO PARA UMA SOCIEDADE CIVILIZADA,QUE ENTREGA-LA AS MÃOS DE UM PRIMATA BOZONAURO(todo fardado DEVERIA SER CONSIDERADO CRIME DE LESA-HUMANIDADE.
    Estes são cães treinados pelo Tio Sam ,nas escolas militares COM A IDEOLOGIA DO ENTREGUISMO E DA ANTI-NACIONALIDADE, O BOZO QUER acabar com o ECA, COM A LEI 9394/96 Aliás, ele quer acabar com tudo que se conquistou com muitas lutas e discussões acadêmicas. Ele, Alexandre Frota, seus apoiadores vigaristas do MBL, MAMAÊ FALEI e outras tranqueiras e seus e seus generais irão impor a sua sapiência de Wikipédia e da disciplina dos quartéis na educação. Retrocesso violento.

  6. Nelson 5 de dezembro de 2018 18:58

    Parece que os estudantes são débeis mentais e não sabem raciocinar. O que o estudante precisa é toda informação possível, sem censuras. São essas informações que ira formar o cidadão critico e culto que o Brasil precisa para crescer!
    Projeto vergonhoso,descabido !!!
    Esse negócio de escola sem partido é puro bláblá blá, não vai levar a nada. Estão chovendo no molhado, quero que o Sr ministro diga O QUE e COMO vai fazer para reduzir índices de analfabetismo, melhorar as condições estruturais da escola pública, dar uma remuneração digna aos docentes, elevar a nota da educação brasileira no PISA, formar um aluno com condições efetivas de entrar no mercado de trabalho.

  7. Irineu 5 de dezembro de 2018 19:17

    Não existe educação neutra. Estamos inseridos em sociedade e por isso expressamos nossas concepções sempre que nos comunicamos, sendo essencial o convívio com pessoas de diferentes convicções. Os professores possuem, como todos nós, suas próprias concepções morais e ideológicas. Assim, os docentes devem passar aos alunos diferentes percepções sobre um mesmo assunto – promovendo a pluralidade. O erro do Escola sem Partido é partir do princípio de que a neutralidade na educação é algo possível.
    Os estudantes não formam uma audiência cativa facilmente influenciável e incapaz de refletir sobre o que é ensinado em sala de aula. Os alunos possuem seus próprios pontos de vista, construídos em suas diversas relações – com a família, amigos, mídia, igrejas, escola e vários outros espaços sociais. Comparando as diversas mensagens recebidas nesses grupos é que definem aquilo em que acreditam ou não.

    A escola é um espaço frequentado por alunos de distintas convicções morais e religiosas. Por isso, é impossível que o professor evite contradizer as convicções vindas das mais diversas famílias, sem comprometer o caráter educativo da escola.
    Não existe uma ideologia de gênero nas escolas brasileiras, o que se promove são discussões sobre orientação de gênero e educação sexual, que buscam prevenir abusos, gravidez na adolescência e Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Além disso, essas discussões são importantes para combater preconceitos como homofobia, machismo e outras formas de discriminação em função de gênero, já que a perpetuação desses problemas se deve principalmente à falta de informação e reflexão sobre o assunto.

    Não existindo ensino neutro (sem visão do mundo), qualquer ação que busque coibir a manifestação de ideias em sala de aula é inconstitucional. O projeto também coloca em vigilância constante os docentes, ferindo a liberdade de ensinar. Além disso, o EsP fere princípios constitucionais como a laicidade do Estado, o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas e a proteção contra a censura.

  8. hugo percio 6 de dezembro de 2018 14:51

    A verdade é que estamos caminhando celeremente para uma teocracia fundamentalista. Ora bolas! Qual o melhor ambiente para se debater idéias, discutir as diferenças, entender e aceitar, ou no mínimo ser tolerante com as diversidade que não o ambiente escolar e acadêmico?

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.