Para os que acham que a Embraer está fazendo um bom negócio

A Embraer desenvolveu um super-cargueiro, já em fase de testes, chamado  KC 390. É um avião capaz de transportar até um canhão, uma jóia que encantou o mercado internacional. Tanto que há uma enorme  lista de encomendas, com perspectivas de faturamento  em torno  de 20 bilhões de dólares.

A Suécia encontrou no Brasil um bom parceiro tecnológico e transferiu para a Embraer  100% do pacote tecnológico do caça Gripen . E aí vem a Boeing e abocanha tudo isso?

Que país  abriria mão de suas tecnologias de importância estratégica para a segurança nacional em favor de outro, por mais que seja uma grande potência?  Só mesmo o Brasil dos entreguistas Michel Temer e seu sucessor, cujo nacionalismo  não vai além do discurso ufanista tipo “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Essa conversa de que a Embraer será fortalecida com a fusão é pura lorota. Ela vai mesmo é ser absorvida pela Boeing, que precisa dar uma resposta ao mercado de jatos ao agigantamento da Airbus (francesa) , após incorporar a canadense Bombardier.

O Ministério Público tentou fazer um termo de ajustamento de conduta entre a Embraer e a Boeing para que a fábrica de aeronaves ficasse no Brasil. Nenhuma das duas aceitaram. Isso significa que o nosso país deixará de ser um dos maiores fabricantes de aviões comerciais de curto e médio percurso e agora, do grande cargueiro KC 390. Significa, na prática, perda de pelo menos 26 mil empregos diretos e indiretos.

 

 

Sem categoria

51 comentários sobre “Para os que acham que a Embraer está fazendo um bom negócio

  1. Francisco 11 de janeiro de 2019 19:20

    O blogueiro faz ilações e previsões para o futuro baseado nos seus achismos e numa narrativa ruim, tenta passar uma informação como se ela fosse a única expressão da verdade.

    Uma clara tentativa de denegrir o negócio entre as empresas só porque ela contraria sua ideologia.

    Embraer tida como “estratégica ” kkkkk

    Só se for para estrategicamente abrigar indicados políticos, vez que, apesar de já ser uma empresa privada, de acordo com contratos e leis nacionais, o governo ainda tem gerência sobre ela, até pq ainda somos sócios em quase 50%.

    • Messias Mendes 11 de janeiro de 2019 23:54

      Não se trata de ideologia, se trata de compreender que país nenhum do mundo entrega de bandeira suas empresas estratégicas, suas tecnologias. Os Estados Unidos é comunista? Pesquise e veja se os americanos aceitam que grandes empresas detentoras de tecnologia americana sejam vendidas para outros países. O que será que você anda lendo?

      • Francisco 12 de janeiro de 2019 0:15

        Kkkkk empresa estratégica de tecnologia kkkk

        A empresa já é da iniciativa privada…

        De estratégico na Embraer só tem os cargos de indicação política pra apadrinhados Caro blogueiro!

        • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 9:48

          Ninguém disse que é uma empresa estatal, não é. Mas é uma empresa de capital nacional, e uma empresa de grande importância estratégica para a segurança nacional. É duro engolir esses comentários rasos, que coloca tudo na conta da ideologia de esquerda. É um absurdo.

          • Francisco 12 de janeiro de 2019 11:20

            Grande importância estratégica para segurança nacional kkkkkkkk

            Muito bom Messias kkk

            Tipo assim… um país qualquer decide atacar o Brasil e eis que a Embraer fábrica 300 aviões mig em 3 meses pra contra atacar kkkk

            Conta outra blogueiro que essa de estratégica pra segurança nacional é só assinatura se atestado de burrice!

            • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 14:16

              Cada um fala o que entende, interpreta como consegue interpretar. Não vou exigir que tenha outra compreensão de questão tão complexa que não seja essa que demonstra ter.

              • Francisco 12 de janeiro de 2019 14:38

                Não vou exigir que vc seja honesto e reconheça que essa Patacoada de empresa estratégica é só conversinha de gente tonta que acredita nessas tontices

      • Joao Maria 12 de janeiro de 2019 7:05

        O astronauta disse que tem dor de estomago, quando pessoas dizem que a terra e plana. Fico perplexo com o comentário do Francisco. Nacionalismo zero. Esse e o quadro mental do cidadão, que é o que pensa. Não aceita a classificação de grande empresa, admirada por tecnologia avançada na construção de aeronaves de médio porte e treinamento, como o Tucano. Na rotatoria da Av. Sao Paulo, vindo do centro em direção a policia federal, tem um Tucano em exibição, desperta admiraçao nas pessoas quem passam por la.

        • Thiago 12 de janeiro de 2019 11:08

          Francisco como bom bolsonariano adora lamber botas e lavar privadas de americano, eu como patriota sou contra esta entrega da EMBRAER.

        • José Paulo 12 de janeiro de 2019 15:44

          Não é um tucano, mas sim um Xavante. Foi desativado pela Força Aérea, devido à absolecência e várias fuselagens foram doadas.

          • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 17:12

            Se está falando do cargueiro é de uma nova geração que está em teste e tem mercado garantido para pelo menos UR$ 20 bi.

            • José Paulo 12 de janeiro de 2019 21:12

              Óbvio que não. Referi-me à fuselagem que está exposta numa rotatória, nas proximidades do Cesumar.

              • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 21:36

                Desculpe, entendi errado, embora não sei que relação teria o comentário que fiz com aquele avião.

                • José Paulo 12 de janeiro de 2019 21:46

                  Como sempre, o escrevinhador lê o texto, mas não o contexto. Referi-me ao comentário de João Maria, que postou informação errada acerca da suposta existência de um Tucano em exposição, nas proximidades do Cesumar.

          • Joao Maria 13 de janeiro de 2019 8:14

            Verdade, e um xavante.

    • Décio 12 de janeiro de 2019 6:50

      É a entrega do património brasileiro por entreguistas, geralmente os “liberais” inventam alguma desculpa esfarrapada para justificar o roubo do patrimônio público ou o corte de direitos… dessa vez nem se deram ao trabalho de inventar alguma desculpa esfarrapada…não há nada que justifique esse negócio.

      Daqui a pouco vão retirar Santos Dumont dos livros de história para colocar os Irmão Wright.

      • Francisco 12 de janeiro de 2019 11:30

        Sabidão… a Embraer é empresa privada cujos sócios estão espalhados pelo mundo todo…

        Kkmkmm

        Afff oh gente estúpida

        • Joao Maria 12 de janeiro de 2019 15:23

          Embraer e empresa S/A, mas com controle acionario de maioria brasileiros, e golden share do governo. Boeing 80% e Embraer 20%. Quando ha incorporaçao a empresa incorporada e engolida pela incorporadora. Simples. Basta conhecer um contrato social.

          • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 17:13

            Basta você se aprofundar um pouco mais nos termos da negociação feita e, inclusive, na negativa da Boeing em aceitar, por meio de um TAC, manter a fábrica aqui.

  2. Javan 11 de janeiro de 2019 20:34

    E não e só isso. Já venderam a preço de banana o Pré-Sal, so transferir a embaixada de Israel (de Telaviv para Jerusalém) podemos perder e destruir nosso mercado avícola), ao criticar a Noruega ( maior investidor na proteção ambiental da Amazônia ( a fundo perdido), ao desprezar o Mercosul, ao sair da conferência Mundial do meio ambiente, ao dificultar o acordo do Mercosul com a comunidade européia, perderemos milhares de empregos.

    • Décio 12 de janeiro de 2019 6:52

      eles sempre arrumam um porém…

      1-EMBRAER PRIVATIZADA MAS… ainda será uma empresa brasileira e o maior acionista poderá ter no máximo 33% das ações para impedir monopólio.

      2-EMBRAER DEIXÁ DE SER BRASILEIRA E É ANEXADA PELA BOEING MAS… a parte de tecnologia ainda é de controle do Brasil.

      PRÓXIMO PASSO ÓBVIO:

      3-EMBRAER SE TORNA 100% BOEING E A NOTÍCIA SAI EM RODAPÉ DE JORNAL.

      Toda universidade pública brasileira tem curso de “Engenharia Aeronáutica”… esse tipo de custo e investimento nunca entra na conta ao vender a empresa. Agora os engenheiros brasileiros vão fazer o que sempre fizeram no Brasil: virar “peão de luxo” com toda tecnologia sendo desenvolvida nos USA e todos os cargos importantes ocupados por americanos idiotas.

      O dinheiro da venda da Embraer é irrelevante para a economia nacional.

  3. Darcy Junior 11 de janeiro de 2019 20:35

    O acordo em questão envolve apenas a área de aviação comercial. Não envolve o KC 390 nem o projeto FX 2, segundo noticiado.

    • Messias Mendes 11 de janeiro de 2019 23:51

      Depende que noticiário você viu. A mídia tradicional, que é favorável à entrega do Brasil , esta acha que será um grande negócio.

      • Francisco 12 de janeiro de 2019 0:17

        Não depende do noticiário messias… depende do contrato… e só vi bobos de esquerda dizendo as bobagens que vc noticiou aqui e que sequer sabem a fonte.

        • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 9:47

          Está equivocada. Se pesquisar direito, verá que tem muita gente altamente qualificada criticando a venda. E não é gente de esquerda,não, até porque esta é uma questão de nacionalismo e não uma questão ideológica.

      • maso 12 de janeiro de 2019 4:29

        Estes jornalecos de consumo comunista, que rolam entre comunistas, são piadas da realidade. Será que o Messias não imagina que meio mundo desenvolvido poderia fabricar avião. Tecnologia não é segredo nenhum. O que o Brasil não tem, e compra para todos os seus aviões, são os componentes eletrônicos. O Gripen compra seus componentes eletrônicos da Boing. A carcaça, que é o sabemos fazer, é o de menos num avião moderno. O Brasil fechou o negócio com a Suécia por causa da propina de 2.5 milhões que o Lula levou. Fez um mal negócio. Se estão fazendo o negócio é porquê é necessário e bom para as duas empresas. Não acredito que seja por propinas como tudo que havia no governo do PT;

        • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 9:41

          Distorção total e absoluta dos fatos comentados. Os questionamentos que se faz à fusão (que é incorporação) não tem nada de cunho ideológico.É nacionalista, de defesa da soberania nacional, de defesa da preservação, no país,das tecnologias que a Embraer possui e em termos mais objetivos, da manutenção aqui da fábrica que emprega direta e indiretamente 26 mil pessoas.

          • Francisco 12 de janeiro de 2019 14:45

            Tudo que o blogueiro não é capaz de contrapor ele qualifica como distorção e tenta desqualificar o argumentador ao invés de contrapor argumentos!

      • José Paulo 12 de janeiro de 2019 6:17

        O problema é que as questões sempre tem dois lados. E o escrevinhador, via de regra, cha que o lado dele é o certo. Simples assim.

      • Darcy Junior 12 de janeiro de 2019 11:48

        Basta ler o comunicado aos investidores no site da Embraer e da Boeing…

  4. CARLOS 12 de janeiro de 2019 0:05

    É uma lástima os desgovernos Temer e Bolsonaro. Infelizmente estão destruindo o nosso país na cara dura. ENTREGUISMO TOTAL!!! BRASIL SUCUMBINDO.

    • Mineiro 12 de janeiro de 2019 12:01

      Isso é uma piada né, quem votou no TEMER?????? Foram vocês da esquerda cega, que quer jogar todos os problemas do Brasil nesse novo Governo que tem apenas 10 dias de ações e que até o momento não tem nada na prática, tenha santa paciência.

  5. Décio 12 de janeiro de 2019 6:53

    A venda da Embraer é a prova definitiva de que o objetivo deste governo que aí está não é privatizar, mas sim, entregar. A Embraer já estava privatizada. A permissão de sua venda por uma merreca de dólares para uma empresa estrangeira foi um ato claro e limpo de anti-brasilidade e anti-nacionalismo, ou seja, de entreguismo. Poderia até ser considerado traição da Pátria.
    O maior problema desta entrega, a meu ver, é que tudo indica que a empresa que será criada para ser responsável pela área militar da Embraer não será totalmente brasileira. Foi anunciado e logo se calou sobre isso, mas parece que 20% da nova empresa militar, que deveria ser totalmente nacional, na verdade também pertencerá à Boeing. Com isso, não poderá haver nenhum segredo militar seu que possa ser guardado aos olhos gulosos dos americanos. E como a Boeing já anunciou que quer para ela o avião de transporte militar desenvolvido pela Embraer, o KC 390, que é o melhor do mundo em sua categoria, então ela vai, sim, ter este avião. Preparem-se para ver a Embraer ser empacotada e despachada para Seattle, nos EUA, sede da Boeing. Para quê vai servir doravante o Instituto Tecnológico da Aeronáutica? De que adiantou tanto empenho dos militares em que o país pudesse ter transferência de tecnologia de aviões de guerra que ele viesse a comprar? O país já não tem soberania para defender. Já não tem Amazônia Azul para defender, e em breve nem terá qualquer Amazônia para defender. Os militares, que poderiam ter vetado a entrega do país, não o fizeram, e agora não podem mais ser considerados nacionalistas. Brasil acima de tudo? Não. No Brasil ficará apenas uma saudade, que talvez nem na história oficial será registrada.

  6. Irineu 12 de janeiro de 2019 8:59

    Se ficarmos apenas nos termos jurídicos, a operação não poderia acontecer porque uma empresa de capital aberto (Embraer) não pode se juntar a uma de capital fechado (a Boeing, no Brasil). Mais do que isso: uma joint-venture presume que as duas empresas envolvidas tenham uma parceria comercial e industrial. Não é isto que vai acontecer. A Boeing terá 80% do capital social e 100% do controle operacional e de gestão da nova empresa. A Embraer não terá nem mesmo direito à voto no Conselho de Administração, exceto em alguns temas. Trata-se, portanto, de venda.

    Mas é preciso ir além. A Embraer é uma empresa construída por trabalhadores brasileiros e com recursos públicos. Perdê-la seria perder a soberania nacional, seria entregar décadas de conhecimentos em tecnologia de ponta desenvolvida pela terceira maior fabricante de aeronaves do mundo.

    Também está prevista no acordo a formação de uma fusão para “promover e desenvolver novos mercados” para o avião cargueiro KC-390. Novamente, o Brasil só tem a perder. O projeto só existe porque foi financiado pelo governo brasileiro. Com a joint-venture, 49% deste valioso programa de Defesa ficará com a Boeing.

  7. Victor H dugo 12 de janeiro de 2019 11:13

    Procurando coisas que não sabe, só prá ser contraditório, e blogueiro vai carpir data,

    • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 14:17

      Vamos combinar, então: você carpe e eu toco fogo no mato. Que tal?

      • José Paulo 12 de janeiro de 2019 15:49

        Olha o mote: se fôssemos da mesma matiz do escrevinhador, já estaríamos dizendo que o mesmo está incentivando e promovendo o desmatamento do país. Lamentável!

      • Victor H dugo 12 de janeiro de 2019 21:44

        Tacar fogo com certeza é seu forte, só sabe fazer isso!!!

          • Victor H dugo 14 de janeiro de 2019 12:36

            Sei,kkkkk me faz rir!!!!!

            • Messias Mendes 14 de janeiro de 2019 13:25

              Aproveite, ria mesmo, ria bastante. Não será você que irá rir por último.

  8. Javan 12 de janeiro de 2019 14:40

    Não importa se a empresa é estatal ou não. Com o poder do capital convenceram os brasileiros a abandonar as ferrovias. Hoje temos menos ferrovias que antes da privatização. Em nosso país continental são tudo mais caro. Nossas estradas têm custo caro, nos caminhões se gasta muito, o transporte de passageiros não existe. Tutobisdo e p contrário da Ré utopia e EUA. Prosperaram então a indústria estrangeira que aqui faz caminhões , as quadrilhas dos pedágios, etc. O transporte de nossos produtos saem muito caros e os acidentes roubsm vidas. A Embraer apesar de privada, é de capital nacional e deixa aqui seus lucros, gerando cada vez mais empregos , tecnologia , e qualificação. Na medo dexestrsngritis poderá virar uma simples e pequena subsidiária da multinacional , e desenvolver projetos menores. Outro exemplo de destruição nacional foi a falta de apoio que a direita nunca deu s Gougel. Lá no passado permitiu a venda FNM. Hoje, Japão, Korea, etc….possuem indústrias nacionais onde o capital é nacional e lucro com eles. Aqui,estatais ou privadas estão sendo entregues aos estrangeiros como se fôssemos invompetentes. A direita é vigorosamente submissa dia estrangeiro e por isso herdamos um país atrasado em tudo. Agora então estamos fazendo uma volta ao passado.

  9. Victor H dugo 12 de janeiro de 2019 16:55

    Tacar fogo isso com certeza você sabe fazer, aliás só isso!!!!

      • José Paulo 12 de janeiro de 2019 21:15

        Pois ė. Diante de está de mais uma contradição reinante. O escrevinhador usa de metáfora e tudo bem. Já a Ministra Damares…

        • Messias Mendes 12 de janeiro de 2019 21:35

          A ministra não usa metáfora, apenas passa da hora de tomar o rivotril

      • Victor H dugo 13 de janeiro de 2019 9:57

        Acho que alguém entendeu também!!!!!

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.