Pais que ensinam com o exemplo

Um fator muito importante e comprovado pelas estatísticas diz que a cada nova geração o nível de escolarização dos brasileiros tem aumentado. Os dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD) do IBGE mostram que a taxa de escolarização da população com idade entre sete e 22 anos aumentou de 62,4% em 1992 para 75,2% em 2009.

Isso significa que os filhos estão indo mais longe e tendo melhores chances de estudo que seus pais. Diante dessa realidade, fica a pergunta: como apoiar as crianças nos estudos quando se tem dificuldades em relação ao conteúdo que está sendo ensinado? Ou, em alguns casos, como dar a eles o exemplo de que é importante e vale a pena estudar quando não se teve oportunidade de frequentar por muito tempo a escola?

PARCERIA. Pai e filho dividem rotina de afazeres em casa e na escola, uma iniciativa que deu certo.

PARCERIA. Pai e filho dividem rotina de afazeres em casa e na escola, uma iniciativa que deu certo.

O auxiliar de metalúrgica, Luiz Carlos de Souza é um exemplo de resposta para os questionamentos acima. Aos 47 anos ele voltou para a sala de aula em busca de conhecimento e apoio ao filho que havia parado de estudar ainda no ensino fundamental.

“Não há dúvidas de que os pais são um modelo de vida para os filhos. E há muitas maneiras de eles incentivarem as crianças nos estudos, mesmo que sua experiência de vida tenha sido diferente”, afirma a pedagoga, Liliane do Rego Silva. Um dos caminhos pode ser voltar a estudar. Afinal, várias pesquisas mostram que quanto mais escolarizados forem os pais, mais serão os filhos. “Já ouvi casos até de avós que voltaram a estudar na terceira idade para estimular filhos e netos que já não estavam motivados a ir à escola. Creio que esse é um grande incentivo, especialmente quando se trata de jovens na fase da adolescência”, diz.

Após mais de 20 anos fora da escola, Luiz retornou à sala de aula, primeiramente, com o objetivo de terminar o segundo grau e poder ser efetivado no trabalho. “Na mesma época, meu filho adolescente tinha abandonado os estudos. Eu vim primeiro para a Educação para Jovens e Adultos (EJA), ao ver meu interesse e a minha busca por um futuro melhor, ele decidiu me acompanhar”, conta.

Gabriel Felipe de Souza, 16 anos, destaca o orgulho que sente do pai. “No passado ele não teve oportunidade de estudar e hoje, mesmo com a corrida rotina de trabalho, ele está à frente de mim nos estudos”. O adolescente que havia desistido da educação por conta de más influências de colegas, atualmente é companheiro de Luiz no caminho para a escola e nas atividades da grade curricular.

“É maravilho ensinar e aprender com meu filho, todo o esforço passou a ter mais valor depois que ele se dedicou a vir para a escola”, fala Luiz. O pai de família relata que de início a trajetória foi difícil. Por muitas vezes não acompanhou o ritmo das aulas, mas nenhum obstáculo o fez desistir, pois aos poucos ele foi constatando melhoras em sua vida. À exemplo da comunicação com outras pessoas, o desenvolvimento da argumentação e o poder de decisão.

“Depois que voltei a estudar minha memória e meu raciocínio se tornaram mais ativos. Incentivo a todos a seguirem a minha iniciativa, superarem seus medos e, assim, adquirirem o conhecimento. Algo que ninguém, nunca, vai tirar de você!”, enfatiza.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz!

Capa - jornal escolar“Foram seis meses de muito trabalho”, destaca a professora Priscila Carolina Mantovani que leciona no ambiente informatizado da Escola Municipal Ayrton Plaisant, em Maringá. Ciente de que o jornal é uma importante ferramenta pedagógica que possibilita ao aluno o contato com os mais diversos gêneros textuais, Priscila não teve dúvidas da ótima oportunidade que tinha em mãos quando recebeu o convite da secretaria da educação da cidade, para desenvolver um jornal escolar com seus alunos dos quartos e quintos anos.

“Minha primeira escolha foi a de fazer com que as crianças se sentissem verdadeiros repórteres e editores, para isso, todos participaram e foram ativos durante os processos de produção”, conta a professora.

Os alunos, que já tinham o contato com o impresso nas aulas de Língua Portuguesa aprovaram a proposta e se dedicaram para que as ideias fossem para o papel. “Eles estiveram motivados em todas as aulas e se empenharam a realizar um trabalho cada vez melhor”, diz Priscila.

Os pais também ajudaram na construção do jornal escolar. As atividades se estenderam para além dos muros da instituição de ensino. Nas matérias com relação ao folclore brasileiro, como dever de casa, as crianças questionaram seus responsáveis sobre lendas, mitos, receitas populares e danças típicas que eles conhecem. Com isso, a turma toda voltou para a sala de aula com bastante conteúdo.

Assim como nas redações jornalísticas, a escolha do que seria publicado no jornal foi feita durante uma reunião de pauta. Os alunos, neste caso denominados editores, se reuniram para decidir, em meio a tantas informações, o que realmente deveria receber espaço nas páginas do “Notícias da Escola” – nome dado ao jornal escolar da Ayrton Playsant.

No Ambiente Educacional Informatizado, os estudantes desenvolveram a função dos diagramadores e redigiram textos, editaram fotos e com a ajuda da professora sugeriram a melhor diagramação para o impresso. “Neste processo as crianças conheceram ferramentas da informática que as auxiliou a criarem, inclusive, panfletos de divulgação”, enfatiza Priscila.

A diretora da escola, Raquel Silva Maneta comprova os bons resultados do jornal escolar. “Todo trabalho que envolve prática surge maior efeito, pois os alunos se dedicam mais e consideram a atividade significativa. Com isso, a participação dos pais é automática, os estudantes acabam repassando o que produzem em sala para a família e elas contribuem com conhecimento.”

Produção 

As alunas Danielle Mayumi Ito e Juliane Pereira Faria escreveram uma poesia para o espaço de cultura do “Notícias da Escola” e ainda digitaram e ilustraram a página no ambiente informatizado.

Há flores e flores

De todas as cores

Vermelho, rosa e azuis variantes

Que deixam meu jardim mais bonito que antes!

Rosas, Margaridas, Violetas e Tulipas

São flores que alegram a minha vida!

Lilás e roxo podem ser iguais,

Mas nas minhas flores elas são especiais!

Há flores e flores,

São todas bonitas,

Mas você é a minha preferida!!!

Comente aqui

Resultado já na primeira aula

Foto Abre - opção 01“A estreia do Diário como suporte de estudo foi só elogios”, conta o professor Diego Paulo Ambrózio que leciona para os quintos anos da Escola Municipal Professor Flávio Sarrão, em Cruzeiro do Sul. Ansiosos pelo recebimento do material em classe, os alunos se dedicaram para que a aula fosse produtiva e que, assim, o jornal esteja sempre presente nas atividades.

“Foi uma aula muito diferente. Eu que nunca tinha lido o impresso, achei super interessante e agora já conheço tudo o que este material tem de conteúdo”, relata a estudante, Ana Luiza Akemi Takemoto.

Depois da oportunidade das crianças folhearem o Diário, o professor repassou o gênero a ser trabalhado: os classificados. Neste momento os alunos ficaram surpresos, pois é uma editoria que por muitos, passava despercebida. “Senti a necessidade de realizar uma proposta que contemplasse desde o manuseio das páginas do impresso até a percepção dos diferentes assuntos presentes”, destacada Diego.

Os anúncios classificados são compostos por estrutura linguística, argumentação, persuasão, e diversos fatores que auxiliam no processo de exploração textual e linguagem. Além de o aluno ter a oportunidade de interagir com algo que está muito presente na sociedade, o comércio.

Foto Abre - opção 02Para desenvolver a atividade, Diego separou a turma em grupos e discutiu todos os elementos que compõe um classificado – finalidade, objetivo e público alvo – e juntos, os alunos foram identificando cada uma das partes nas páginas do jornal.

“Foi meu primeiro contato com o impresso dentro da sala de aula, e a minha sensação depois de terminar a atividade foi ótima! Aprendi que no Diário tem textos informativos, de anúncio, propagandas e muitas outras variedades”, fala a aluna Mariana Peres Lima.

Depois do reconhecimento do gênero chegou a momento da produção. As crianças foram desafiadas a criarem seus próprios anúncios misturando o mundo real com a ficção, ou seja, o anúncio deveria ter a mesma estrutura do classificado que se vê no Diário, mas as informações de compra ou venda deveriam trazer itens da imaginação delas.

O professor enfatiza que o resultado foi surpreendente. “Os estudantes estavam motivados e empenhados. Gratidão é a palavra que define meu sentimento ao término da atividade. Além de termos trabalhado um gênero novo, ao mesmo tempo, se desenvolveu a capacidade de criação e produção deles.”

Comente aqui

Feira do Livro em Floraí

10685375_10206471690420630_633729048938968064_nNesta sexta-feira (10) a Escola Municipal Elena Maria Pedroni, de Floraí, realiza a 11ª edição da Feira do Livro. O evento acontecerá nas dependências da própria Escola, das 13h30 às 20h00, com representantes de editoras de todo o do país que irão expor seus títulos e novidades no mercado literário. Com preços promocionais a partir de R$ 1,00, os visitantes poderão adquirir lançamentos e obras pedagógicas, literárias e coleções.
“A Feira é uma grande oportunidade de promover o hábito da leitura, além de proporcionar diferentes eventos que aproximam ainda mais os nossos alunos da vida literária”, ressalta a professora e diretora da Escola, Vania Ganaza.
A renda obtida será revertida em compras de livros a serem utilizados pelos alunos da rede municipal.

Fonte: Assessoria de Imprensa de Floraí

1 Comentário

Educação sem barreiras

O sistema educacional brasileiro passou por grandes mudanças nos últimos anos e tem conseguido cada vez mais respeitar a diversidade e, assim, garantir a convivência e a aprendizagem dos estudantes. Incluindo aqueles do ensino regular e também os que necessitam de atendimento educacional especializado. “Estamos sempre atentos ao desenvolvimento dos nossos alunos e avaliando o progresso deles nas atividades escolares, desta forma constatamos quais fatores têm feito com que algumas crianças não evoluam na aprendizagem. Existem casos em que mais do que a indisciplina, o aluno pode ser portador de alguma síndrome”, destaca a coordenadora do Ensino Especial da rede municipal de Sarandi, Olga Marcenichen Lobato.

O desafio de constatar a necessidade de uma classe especial para o estudante é dos psicólogos. “Meu trabalho é realizado a partir de diversas avaliações com a criança que apresenta alguma defasagem de aprendizado. Em parceria, conto com o auxílio de neurologistas e fonoaudiólogos antes de fazer o laudo”, conta a psicóloga Ana Paula Marchinichen. A coordenadora Olga completa que, nestes casos, é fundamental a conscientização e o apoio da família ao trabalho diferenciado que será realizado com a criança.

Professora da educação especial há 18 anos, Ednéia Correia da Silva transborda amor pela profissão. “Qualquer avanço deste aluno portador de uma necessidade especial, seja ela psicológica ou motora, é recompensador. Hoje, tenho alunos surdos que já estão na faculdade. Este crescimento só é possível quando os pais e a comunidade escolar se unem em busca do desenvolvimento do estudante.”

As mudanças necessárias são maiores do que a instalação de rampas, elevadores e banheiros adaptados. “Muitos dos conteúdos são relacionados à linguagem oral e escrita e, nessa fase, aprender a redigir o próprio nome e reconhecer o dos colegas é fundamental”, conta Olga.

A psicóloga Ana Paula enfatiza que em muitos casos a limitação apresentada pelo aluno é transitória. “A criança constatada com déficit de atenção, por exemplo, após tratamento poderá acompanhar o ensino regular normalmente.”

Foto AbreAmor e cuidado por Thierry

“Aos três anos de idade Thierry foi para creche. Após uma semana de aula a professora estranhou o comportamento dele. Chegava e pegava sempre o mesmo brinquedo, não queria interagir com outras crianças, se incomodava com o barulho e ficava escondido atrás da cortina rodando e fazendo movimentos repetitivos. Atitudes estas que ele já tinha em casa, e eu não identificava como algo fora do comum. Mas a professora reconheceu que havia algo diferente e tendo conhecimento sobre o assunto, me alertou: ‘Mãe, seu filho tem sintomas de autismo!’”, conta Daiany Ribeiro.

Ela que após o susto do primeiro diagnóstico confirmando a síndrome de Asperger – primeiro grau do autismo – não se deixou abater e buscou ajuda médica e escolar, imediatamente. “Foram muitos exames, conversas com psicólogas e diretoras de escolas. Depois de passar por três instituições de ensino, desde escolas especializadas no tratamento, até as do ensino regular da rede privada, a evolução de Thierry e o aprendizado só aconteceram na rede municipal de Maringá”, diz.

Este ano ele termina o primeiro ciclo do fundamental e além das aulas em sala especial, no contra turno, no período da tarde ele estuda com mais outras 20 crianças no ensino regular com o acompanhamento de uma professora só para ele. “Esse tratamento individual foi essencial para o avanço do Thierry e, ao mesmo tempo, a oportunidade de socializar com os colegas de classe fazem dele um novo menino”, conta a mãe.

Daiany deixa um recado para as famílias que têm filhos com necessidades especiais. “Não é uma tarefa fácil, mas me sinto privilegiada em ter o Thierry. Mais do que educar diariamente, eu aprendo muito com ele. Uma criança extremamente divertida, inocente, sempre com um sorriso no rosto e cantando para me animar. Pais, não desistam! Busquem informação e ajuda médica, acompanhem o desenvolvimento escolar, mas nunca deixem de lutar”, aconselha.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz!

A partir de hoje será publicado o resultado de um trabalho anual desenvolvido por professores do Ambiente Educacional Informatizado (AEI) da rede municipal de Maringá, em parceria com a equipe da secretaria da educação da cidade. Foram meses de muita dedicação para a produção de jornais escolares, com diferentes temas e abordagens. Alunos e professores das escolas de Maringá se empenharam na produção de matérias e imagens, diagramação, impressão e entrega dos exemplares. Todas as terças-feiras, você poderá conferir um pouco do resultado desta iniciativa.

Capa - jornal A.M.Na primeira coluna vamos apresentar o “Informativo A.M.”, realizado pelas turmas de quarto e quinto da Escola Municipal Ariovaldo Moreno.

“Quando recebemos o desafio de produzir um jornal escolar percebemos que nossa tarefa seria árdua, porém compensadora. E que o trabalho contribuiria para o desenvolvimento da capacidade da leitura e domínio da linguagem, fatores importantes para a formação do cidadão”, destacam as professoras do AEI, Jane Candido Mendes e Vera Lúcia Simões.

Orientadas pelas assessoras pedagógicas de informática educacional da secretaria da educação de Maringá, Patrícia Rosa e Sandra Milak, as professoras começaram o trabalho incentivando os alunos a percepção da linguagem jornalística, identificação dos gêneros textuais, editorias e matérias publicadas.

Na sequência, em grupos, os estudantes receberam a tarefa de produzir os conteúdos do jornal escolar. Com o apoio das educadoras, as crianças pesquisaram na internet o que poderia ser notícia, analisaram imagens e os detalhes que compõem a diagramação do impresso.

A escolha do nome do jornal foi bastante democrática. Entre as sugestões apresentadas pelas crianças, se definiu a mais votada. E este é um grande momento, pois os estudantes se sentem pertencentes ao trabalho que estão realizando.

Depois de tudo pronto, os jornais foram impressos e entregues para toda a comunidade escolar. “A produção do material ganhou reconhecimento de todos por valorizar a capacidade de nossos alunos, suas produções textuais e artísticas, assim como o trabalho do AEI e toda a equipe de profissionais da educação”, comemoram Jane e Vera.

 

Olha que bacana o anúncio que os alunos realizaram para o Informativo A.M.

CLASSIFICADO MALUCO

Vendo Brasília meio velha. Ano 72, com a frente 78, traseira 80 e lateral totalmente original. Baixa quilometragem (vivia na oficina), nunca bateu (os outros é que bateram nela). Único dono (nunca conseguiu vender). Procurar no pátio do DETRAN hoje, porque amanhã vai virar sucata.

 

Comente aqui

Tendas estimulam a leitura em Maringá

Aquele programa, desejado por muitos, de poder ler uma poesia ou história sentado no gramado de uma praça, já acontece aqui em Maringá. As escritoras Vera Margutti e Ângela Ramalho são as responsáveis pelo Projeto Tendas Literária que tem por objetivo incentivar a leitura e a escrita, através de atividades com o uso de materiais lúdicos e pedagógicos.

Todos os domingos, na praça em frente ao Parque do Ingá, as escritoras oferecem oficinas de poesia, contação de histórias e atividades com pinturas e fantoches. “Foi um grande sucesso desde a inauguração. Recebemos fluxo de crianças e até de adultos que já tem o hábito de frequentar o espaço para as atividades físicas e aproveitaram para participar e interagir diretamente com manuseios de livros, tanto infantis e juvenis, quanto de poesias”, destaca Vera.

No espaço, os visitantes encontram as “Sacolas da Leitura” que contém a biografia, poemas e atividades pedagógicas sobre algum escritor. Lembrando que é possível conhecer obra de grandes autores brasileiros, como também de maringaenses que se destacam na literatura.

“Eu adoro ler, por isso todo domingo peço para minha mãe me trazer aqui. Quando eu crescer quero ser escritor”, faz planos o pequeno Arthur Silva Yaedo, de cinco anos.

Colchonetes, almofadas, e mesas e cadeiras infantis compõem o espaço. Prateleiras de livros ficam expostas para que as pessoas se sintam chamadas à leitura, pra que assim, o momento de aprendizado seja prazeroso.

“Minha filha está encantada com as tendas. O trabalho das escritoras é de extrema importância, pois além do incentivo à leitura, nas atividades de pintura, por exemplo, se desenvolve a coordenação, na contação de histórias a concentração, como também a oportunidade de interagir com a cultura”, enfatiza a administradora, Renata Schendorf.

Ângela comenta que as histórias contadas, lidas e até cantadas ao ritmo do violão chamam a atenção de todos que transitaram por ali. “As pessoas não resistem, chegam movidos pela curiosidade e vão parando, sentando e acabam participando desse momento lindo da literatura no centro da nossa cidade canção.”

Outra iniciativa das responsáveis pelo projeto é a “Poesia na Bandeja”, na qual são distribuídos cerca de 400 fragmentos de poesias, ao público que aproveita o domingo para passear.

“Estas tendas são fascinantes. É uma oportunidade que as pessoas têm de deixar a internet de lado e viver a experiência da leitura em seu suporte mais tradicional, o livro”, conta a professora, Carla Nunes Agostinho.

As escritoras Ângela e Vera estão fazendo agendamentos para as crianças e adolescentes que queiram declamar poesias ou contar histórias. É só ir até o espaço e informar o nome do participante. As tendas estarão montadas no Parque do Ingá até o primeiro domingo do mês de maio. Quem não conhece as atividades do Projeto, ainda está em tempo.

CULTURA. Contação de histórias com fantoches conquista crianças e também adultos que passeiam pelo Parque.

CULTURA. Contação de histórias com fantoches conquista crianças e também adultos que passeiam pelo Parque.

Comente aqui

ONG auxilia produção de jornais escolares

O jornal escolar, prática incentivada pelo Diário na Escola e já inserida na rotina de muitas instituições de ensino, faz parte da educação desde 1920, impulsionada pelo educador francês Celestin Freinet. Por acreditar nos benefícios ao estimular a produção desse tipo de informativo por alunos, a Organização Não Governamental (ONG) Comunicação e Cultura criou o “Portal do Jornal Escolar” que tem a missão de contribuir para a disseminação de jornais escolares e a qualificação do seu uso, como instrumento de uma proposta pedagógica que permite à escola assumir as mudanças produzidas pelo desenvolvimento da comunicação. Na coluna do Diário na Escola de hoje você confere uma entrevista com o coordenador geral da ONG, Daniel Raviolo.

  1. O DIÁRIO NA ESCOLA: Sociólogo por formação, em que momento da sua carreira surgiu o estímulo para o auxílio no trabalho da produção de jornais escolares?

Foto entrevistado - opção 01DANIEL: Fundamos o Comunicação e Cultura em 1988 para trabalhar com jornais comunitários em Fortaleza. Esse projeto deu muito certo, e com a circulação desses jornais, estudantes e professores começaram a entrar em contato conosco, solicitando apoio. A partir de 2002 começamos a apoiar uma escola, dentro de um projeto comunitário, e em 2005 entramos de cheio em toda a área escolar.

  1. Conte aos nossos leitores alguns dos resultados que você já acompanhou após os professores inserirem a mídia impressa em suas aulas.

É um relato muito comum dos professores o aumento do interesse das crianças pela escrita, o que é bem compreensível. A escrita na escola é apenas um exercício, pois as produções não saem do caderno, não tem vida real. O único leitor é o professor. Ao escrever no jornal, o estudante participa de uma comunicação real, vai ser lido na comunidade educativa. Os estudantes, mesmo crianças, entendem perfeitamente a diferença e o interesse pela escrita aumenta espontaneamente. Ela ganha um significado.

  1. O senhor acredita que o desenvolvimento de textos para um jornal oportuniza ao aluno a liberdade de expressão? Podendo, assim, crianças e adolescentes exteriorizarem necessidades, sentimentos e tendências?

Foto AbreSempre digo que a melhor maneira de “matar” um jornal escolar é fazer que seja o mais parecido possível com um exercício escolar, obrigando os estudantes a escreverem sobre os temas que os professores escolhem. Ao contrário, sua pergunta sugere a abordagem correta: fazer da expressão da criança, de seus interesses e inquietações, um ponto de partida para o domínio da escrita. Isto, além do todo, traz um tremendo benefício, pois a escola passa a ser identificada pelos alunos como um lugar onde são respeitados como sujeitos pensantes.=

  1. O jornal escolar pode ser uma alternativa para a indispensável ligação Escola-Pais?

Não diria uma alternativa, no sentido de ser excludente de outras possibilidades, mas certamente é uma grande contribuição. Isto tem de ser explicado, o que interessa não são as informações institucionais – para isso basta a direção escrever um pequeno informativo – mas o que o jornal mostra, através das produções dos alunos, como resultado do espírito pedagógico da escola e de seus valores. Nesse sentido, o jornal é uma espécie de “relatório vivo” da escola. Claro que os pais dos alunos que tiveram textos escolhidos sentem uma grande satisfação, mas o alcance da comunicação estabelecida pelo jornal com os pais é bem maior.

  1. A partir desta semana centenas de professores participantes do Programa Educacional O Diário na Escola passarão a receber exemplares de jornais para o trabalho de educomunicação em sala de aula. Que mensagem o senhor deixaria para eles?

Eu diria para essas professoras que a comunicação é a dimensão mais importante da cultura contemporânea, e que a pedagogia não pode ignorar esse fato. Para mim uma escola que não fala da comunicação é como se não falasse do meio ambiente ou da saúde, por exemplo. A influência dos meios de comunicação na vida de cada um de nós é muito grande, seja através dos conteúdos editorais ou da publicidade. Precisamos aprender a navegar e ser protagonistas desse mundo.

Comente aqui

Por que trabalhar o jornal em sala de aula?

Ana Gabriela BorgesPor Ana Gabriela Borges – Coordenadora Nacional do Programa Jornal e Educação da Associação Nacional de Jornais (ANJ).

Eu poderia citar vários motivos, mas destaco 4:

1 – A mídia impressa traz temáticas transversais ao currículo que podem ser debatidas em sala de aula. Esses temas contextualizam e dão maior significado aos conteúdos e disciplinas escolares. Além disso, os textos do jornal familiarizam os estudantes com a linguagem formal usada no ambiente escolar, acadêmico e profissional.

2 – Se bem explorado, o jornal é um ótimo recurso para melhorar a expressão oral e escrita dos alunos. Ele é capaz de fomentar debates e formar opinião. Permite ainda que os estudantes façam seu próprio jornal (varal, mural, falado, fanzine) e que exprimam sua opinião por meio dele.

3 – O jornal permite a leitura crítica, a comparação editorial, a análise e leitura das entrelinhas e uma visão de que um mesmo fato pode ser noticiado de formas diferentes, dependendo do ponto de vista.

4 – O uso do jornal em sala de aula está alinhado com diversas políticas públicas e diretrizes educacionais, como por exemplo: Plano Nacional de Educação, Diretrizes Curriculares, Mais Educação, Programas de Letramento e de Mídias na educação e com as avaliações nacionais. Tudo isso faz com que o professor não precise parar o que está fazendo e muito menos mudar sua rotina em sala de aula, pois o jornal não concorre com as tarefas do cotidiano. Pelo contrário, é um recurso muito enriquecedor da prática docente e do processo ensino-aprendizagem.

Comente aqui

Jornal volta às escolas

“No ano passado, eu e minha turma sempre víamos o quinto ano realizando atividades com os jornais e sentíamos curiosidade em conhecer o material. Nesta semana recebemos a notícia de que agora é a nossa vez de estudar através do Diário. Estou ansiosa! Tenho certeza que as aulas serão mais interessantes”, destaca a estudante da Escola Municipal Flávio Sarrão, de Cruzeiro do Sul, Mariana Lima Peres.

envio dos jornais à escola 03A partir de hoje, cerca de dez mil alunos terão a oportunidade de realizar a leitura do jornal O Diário do Norte do Paraná todas as semanas. Há 14 anos no mercado, o Programa Educacional O Diário na Escola proporciona momentos de aprendizado em sala de aula, com base nas notícias publicadas no impresso.

Os professores que fazem parte do Diário na Escola relatam que o jornal estimula o aluno a ter visão ampla dos fatos ocorridos e proporciona um trabalho diferente com os recursos que a comunicação oferece. A exemplo das tabelas, gráficos, opiniões de especialistas, humor e assuntos que exploram a interdisciplinaridade.

“Na Escola Municipal Professor Domingos Laudenir Vitorino, em Itambé, a participação no Programa é muito importante para o trabalho do professor, pois traz conteúdos que resultam em qualidade no aprendizado dos alunos. Com o jornal podemos acrescentar e apresentar às crianças outros tipos de textos e atividades, não só aquelas que encontramos nos livros didáticos. Dessa maneira ampliamos o conhecimento do educando a partir de uma ferramenta atualizada”, enfatiza a diretora da escola, Selma Pelisson.

O DIARIO NA ESCOLA_13Através de assessoria pedagógica com profissionais especializados nas áreas de Educação e Comunicação, o Diário na Escola oferece cursos de capacitação aos educadores, fator que possibilita a realização de um trabalho bem orientado em sala de aula. Em 2015, os participantes receberão formações sobre os descritores cobrados na Prova Brasil. A responsável pelo Programa, Loiva Lopes comenta que a proposta de um aprofundamento nos estudos em relação às habilidades exigidas pela avaliação vem ao encontro do anseio dos professores em trabalhar da melhor maneira possível com estes temas, e assim, fornecer ferramentas teóricas e didáticas de ensino.

A coordenadora dos Programas de Jornal e Educação no Brasil, Ana Gabriela Borges, acrescenta que as avaliações nacionais têm sido alvo de grande atenção de todas as escolas, pois mais do que um ranking elas retratam como está a educação no Brasil. “É importante se preocupar com a produção e a interpretação de textos, mas não só nos períodos de avaliação. Os professores e estudantes impactados por essa capacitação do Diário na Escola poderão perceber o quão rico e diversificado é o jornal em termos de tipologias e gêneros textuais. Esse trabalho certamente renderá bons frutos não somente nas avaliações, mas para a vida de todos os beneficiários, sejam eles diretos (educadores) ou indiretos (estudantes). Parabéns pela iniciativa!”.

O Programa também realizará dois Concursos Culturais durante o ano. A novidade é o primeiro, ainda neste semestre, intitulado “Notícias em Versos” – no qual os alunos terão o desafio de transformar uma notícia do Diário em poesia. E após as férias de julho, mais uma edição do tradicional Concurso de Frases sobre a Semana Nacional de Trânsito em parceira com a concessionária de rodovias, Viapar. As promoções do Programa premiam tanto os alunos, como os professores vencedores, para reconhecer o bom trabalho desenvolvido.

Aos diretores de instituições de ensino públicas e privadas de Maringá e região, lembramos que ainda é possível fazer parte! Para conhecer a dinâmica do Diário na Escola e das atividades oferecidas, entre em contato com a equipe pelo telefone: (44) 3221-6050.

 

Comente aqui

XXI Festa Cultural de Atalaia

CARTAZ  atalaiaA já tradicional Festa Cultural Escola Vânia volta a ser realizada na próxima sexta e sábado. Toda a equipe da instituição está trabalhando para apresentar aos visitantes o tema “OS QUATRO ELEMENTOS DA NATUREZA: ÁGUA, TERRA, FOGO E AR”. Assim, busca conscientizar a população sobre a importância da preservação e o consumo dos recursos naturais. Todos os conteúdos já foram apresentados aos alunos em sala de aula, de forma interdisciplinar, buscando o melhor entendimento do assunto.

A Festa que será realizada nos dias 13 e 14 de março, a partir das 20 horas terá apresentação de danças culturais retratando cada um dos elementos da natureza, sorteio de brindes, bingo de prêmios e show com o Musical Novo Stylo.

O evento conta com o apoio da Associação de Pais, Mestres e Funcionários (APMF), Conselho Escolar, Prefeitura Municipal, Secretaria da Educação, patrocinadores e colaboradores da cidade e região.

Comente aqui

Política na escola

livroEm tempos de conflitos na área política do país, a ONG Comunicação e Cultura, com sede em Fortaleza, produziu a segunda edição revisada e atualizada do Livro do Educador, para o Programa Eleitor do Futuro, do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. A publicação, com 110 páginas, é utilizada pelos servidores da Justiça Eleitoral nas atividades de educação política do Programa Eleitor do Futuro, fornecendo informações e subsídios metodológicos para as oficinas realizadas com adolescentes de 12 a 17 anos de idade, para estimulá-los ao exercício da cidadania e do voto consciente.

Veja aqui a publicação em PDF.

1 Comentário

A Matemática por trás da notícia

A interação da Matemática com assuntos do cotidiano, a partir de matérias publicadas em jornais, é uma rica fonte de informações e coleta de dados. Possibilita ao estudante analisar, discutir, apropriar-se de conceitos e formular suas próprias ideias, aprendendo de maneira explícita ou implícita, que ela está presente em quase tudo na nossa vida.

A aplicação de situações-problema no ensino da disciplina faz com que o aluno participe de atividades que desenvolvem seu raciocínio lógico e pensamento crítico, agindo e refletindo sobre a realidade que o cerca, fazendo uso das informações presentes nas mídias e percebendo assim que a Matemática pode ser vista em diversas áreas do conhecimento.

20141104_141551Dentro deste contexto, a professora Fátima Regina de Oliveira Romualdo, que leciona no contra turno para crianças da Escola Municipal São Jorge, desenvolveu propostas didáticas nas quais os estudantes foram desafiados a aprenderem a tabuada e a conversão de valores, a partir de tabelas de índices e anúncios publicitários do Diário.

“Neste dia, junto com o exemplar do jornal veio um folheto informativo do Shopping China com os valores dos produtos todos em dólares. Para estimular os alunos a realizarem operações matemáticas, solicitei que nos indicadores do Diário eles encontrassem o valor da moeda, e fizessem a conversão dos preços em dólar para saber qual seria o valor da mercadoria em reais”, conta a professora.

Fátima comenta que com essa atividade as crianças aprenderam a usar inclusive a tabuada de maneira mais prática e sem sofrimento ou reclamações, como era de costume. “Sem contar a facilidade com que passaram a descobrir os valores em reais ao longo dos exercícios”, diz.

A aluna Jéssica Bicudo destaca que foram momentos de aprendizado e diversão, “não imaginava que a Matemática poderia ser tão legal.” A colega Débora Anastácio completa, “aprender sem perceber que se está em uma atividade, torna tudo mais interessante.”

“O jornal tem auxiliado o meu trabalho e acrescentado nas atividades escolares. Como resultado, tenho constatado grande melhora no desempenho das crianças em sala de aula”, destaca a professora.

Comente aqui

Os desafios da escrita

Foto Abre 01Motivar os estudantes a escreverem pode ser um verdadeiro desafio, mas tendo em vista a necessidade da escrita na vida cotidiana é fundamental encontrar maneiras que tornem a atividade mais simples e divertida. A escritora e colunista, Lu Oliveira esteve em um bate-papo com mais de 200 profissionais da educação participantes do Diário na Escola, realizado a partir do tema “Prô, tô sem inspiração para escrever! – E agora José?”.

“Um dos principais motivos que fazem crianças e adolescentes fugirem do encontro com o papel e o lápis é a falta de inspiração. Por isso, o nome da palestra. Por muitas vezes ouvi os alunos me dizendo que não podiam escrever, pois não estavam inspirados. Realmente existem dias em que não estamos extremamente dispostos, mas nestes casos é preciso treinar formas para externar o que pensamos”, destaca Lu.

A palestrante que trabalha com a disciplina de Redação há mais de 15 anos, compartilhou com os colegas algumas de suas experiências. “Enfrento em sala de aula a difícil tarefa de fazer os estudantes escreverem – missão comum para aqueles que lecionam Língua Portuguesa – uma missão diária, por isso é preciso muita dedicação”, diz.

Foto Abre 02Lu enfatiza que educar é um desafio sim, mas todos aqueles que estão à frente do tablado optaram por permanecer neste caminho. Diariamente professores se veem na situação de lidar com a falta de vontade do aluno, neste momento, é preciso motivá-los, não se pode simplesmente desistir daquele desinteressado. “A inspiração é uma inquietação, quem não se incomoda, se acomoda”, ressalta.

Durante a conversa a ministrante ofereceu algumas sugestões para tornar o trabalho mais fácil, pois a escrita exige leitura, troca de informações, pesquisas e correções textuais. Uma das dicas é provocar a inspiração no aluno, e isso é possível a partir da conversa sobre temas do cotidiano dele ou mesmo experiências, reflexões e sensações já vividas.

Apontamentos sobre “transpiração” também foram destacados. Lu conta que, na medida do possível, é preciso estimular os alunos a escreverem por provocação, com a intenção de fazer com que eles despertem emoções, reações e, assim, “transpirem” a escrita. No caso de pessoas apaixonadas pelos textos, como a própria palestrante, a tarefa costuma ser mais agradável. “Para mim, a própria vida já me serve de conteúdo, tudo me inspira e o tempo todo.”

Músicas, poemas, imagens e filmes são grandes aliados no trabalho do professor. Com o estimulo visual e sensorial, as palavras e ideias fluem com muito mais facilidade e a temida falta de inspiração, na maioria dos casos, vai embora. “A escrita exige treino, técnica e habilidade, mas, ao mesmo tempo, é um instrumento de libertação. A educação tem o poder de transformar, por isso precisamos ser educadores ousados. Educar é uma determinação diária”, diz Lu.

A secretaria da educação de Itambé, Maria Eliza Spineli conta que a palestra foi bastante gratificante. “O conteúdo abordado de uma maneira muito leve, com palavras claras, seguidas de gestos e sorrisos suaves, coincidiu com os meus valores e com a maneira como eu administro a vida. Senti uma sinergia muito positiva entre a palestrante e a plateia”, enfatiza.

Comente aqui

Estudantes criam publicidade educativa

A vivência diária permite que convivamos com diferentes situações comunicativas. Isso acontece porque estamos inseridos em uma sociedade e, desta forma, compartilhamos ideias e opiniões com as pessoas que estão ao nosso redor. A todo instante nos deparamos com uma infinidade de propagandas, seja em jornais, outdoors, panfletos espalhados pelas ruas ou através da mídia televisiva. A finalidade deste tipo de texto é de persuadir, ou seja, o anunciante tem o objetivo de convencer o telespectador  – ou receptor – sobre a boa qualidade de um determinado produto para o convencer a adquiri-lo.

Preocupada com a quantidade de anúncios que as crianças visualizam todos os dias, a professora Iara Maria Pretti Elpidio relacionou a mídia à educação, em suas aulas. Com o objetivo de conscientizar os alunos da Escola Municipal São Jorge, Iara desenvolveu atividades nas quais as crianças utilizaram o poder do veículo de comunicação em prol da motivação ao aprendizado.

“Comecei o trabalho debatendo com os estudantes a diferença entre anúncio publicitário e propaganda. Enfatizando para que servem, onde podem ser encontradas e de que forma se apresentam”, destaca a professora.

Aproveitando o espaço de informática da escola, Iara instigou os alunos a pesquisarem o significado do gênero textual em estudo e alguns dos exemplos que podem ser encontrados na mídia.

Em contato com exemplares do Diário semanalmente, as crianças já têm embasamento do conteúdo em discussão, assim, exploraram o jornal identificando textos, imagens e frases de efeito que compõem as publicidades.

“Os estudantes pesquisaram, recortaram e colaram tudo o que encontraram no impresso, como também em outros veículos de comunicação. Os desafiei a revelarem se os recortes encontrados se referiam a anúncios ou propagandas e qual o objetivo de cada um deles”, conta Iara.

Com isso, os alunos se aperfeiçoaram quanto à interpretação dos conteúdos persuasivos e se tornaram mais críticos. “É um trabalho importante que desperta a nossa criatividade e ainda nos conscientiza dos riscos da mídia”, ressalta a estudante Eloah Guerino Matias.

A professora relata que as crianças se mostraram muito interessadas na proposta, por isso solicitou que todo o aprendizado fosse colocado em prática. “O trabalho final ficou por conta da produção de propagandas com o tema ‘escola e educação’ para exposição em um mural da escola. Cada criação ainda apresentou de gravuras, desenhos, frases e palavras em destaque para chamar a atenção da comunidade escolar”, diz.

“Gostei muito de criar uma propaganda, foi uma aula divertida em que usei minhas habilidades de desenho e escrita, assim como os publicitários fazem”, enfatiza a aluna Michelle Crubelati.

Com a atividade, a professora constatou que realmente as crianças aprenderem sobre o conteúdo em estudo e ainda conseguiram expor suas ideias de forma clara e objetiva. “Além do resultado dentro de sala de aula, ainda conseguimos despertar a atenção de toda a comunidade escolar sobre a importância do tema. Por várias vezes, vimos pessoas lendo e comentando sobre a atividade em exposição”, enfatiza.

“Uma proposta que teve início há meses, a partir do resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), a professora conseguiu que os alunos percebessem a importância da escola e da educação na vida deles. Foram momentos de reflexão e conscientização que, com certeza, serviram de exemplo para todos que tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho realizado”, conclui a coordenadora pedagógica da escola, Rozilene Cassanho Zago.

CRIAÇÃO

Confira uma das propagandas desenvolvidas pelos alunos da Escola Municipal São Jorge, após o estudo e conhecimento do gênero nas páginas do jornal.

Imagem opção 01

1 Comentário