O jornal na educação especial

A Apae Maringá faz parte do Diário na Escola desde o segundo semestre de 2014, a partir do subsídio oferecido pela concessionária de rodovias, Viapar que oportuniza o envio de mais de 700 exemplares  de jornal, por semana, para diferentes instituições de ensino.

Neste ano, a parceria com a Apae beneficia diretamente 40 estudantes e indiretamente toda a comunidade escolar por meio das atividades que são realizadas pelos alunos e expostas nos murais da instituição.

DSC09267“Os resultados positivos do trabalho com o jornal já podem ser observados por meio da participação dos estudantes na produção dos trabalhos. A busca por informações de maneira individual, ou apoiada pelo professor, tornou-se uma realidade para todos que agora chegam à sala querendo saber as notícias do dia”, conta a coordenadora, Augusta Cossich.

De acordo com relatos dos professores envolvidos no Programa, as propostas didáticas com o Diário despertou o interesse dos alunos por ser um recurso diferente do convencional, e ainda proporciona a compreensão dos diferentes tipos de texto. Fator que favorece a participação dos educandos que já dominam a leitura ou mesmo dos que estão em processo de alfabetização.

De acordo com a coordenadora da Apae, a visualização e interpretação das imagens permitem estimular o desenvolvimento da oralidade, aumentando e enriquecendo o vocabulário dos alunos. “A socialização fica evidente no momento da leitura ou descrição de cada reportagem, relacionando as mesmas com as notícias que assistiram na televisão”, diz.

Outro aspecto muito relevante do uso do jornal em sala de aula, tem sido a contribuição quanto à espontaneidade para a leitura. Crianças e jovens que se sentiam inseguros e retraídos ou se recusavam a ler, após o início do Programa estão participando das atividades de leitura de maneira mais espontânea. “O trabalho com o Diário tem contribuído de maneira significativa para o desenvolvimento acadêmico e social dos nossos alunos”, comemora Augusta.

Educando por amor

O Movimento Apaeano surgiu em nosso país através da iniciativa de pais de pessoas com deficiência que não encontravam locais que pudessem atender seus filhos. Esses pais, com alguns amigos e parceiros da comunidade, iniciaram em 1954 o que hoje é considerado o maior movimento social do Brasil e do mundo, na área de atendimento aos portadores de deficiência intelectual ou múltipla.

Em Maringá não foi muito diferente, pais e amigos se uniram e em dezembro de 1963 surge a primeira APAE da cidade. “Muita luta, vitórias e conquistas estão registradas durante esses mais de 50 anos de existência. No inicio éramos 13 alunos, hoje somos mais de 1.000”, destaca, Augusta.

Atualmente, a APAE de Maringá mantém duas instituições, a Escola de Educação Básica Diogo Zuliani e a Escola Reynaldo Rehder Ferreira, oferecendo aos alunos o atendimento na Educação Infantil, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos e Educação Profissional, visando à habilitação para encaminhamento ao mercado de trabalho.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz!

capa - jornal escolarNada melhor para se apaixonar pelo seu ambiente de estudo, do que conhecer a história de construção dele, não é mesmo? E este foi o destaque do jornal escolar produzido pela equipe da Escola Municipal Dr. João Batista Sanches, de Maringá.

O professor do Ambiente Educacional Informatizado, Eliandro Fernandes Vega em parceria com os educadores regentes, os alunos e a comunidade escolar, fizeram um ótimo trabalho durante a produção do “Notícias da Escola”.

A matéria destaque do impresso apresenta a história da construção da instituição de ensino, quem foi o pioneiro que deu nome à escola, e ainda o depoimento de uma moradora que acompanhou toda a evolução do espaço escolar desde 1990.

Durante as aulas, os alunos aprenderam sobre os gêneros notícia, classificados, informativos e publicidade. Para explorar o imaginário, o professor desafiou as crianças a criarem um produto que ajudasse no combate à proliferação do mosquito da dengue. As melhores propostas foram divulgadas no jornalzinho.

“As atividades mostraram o envolvimento das pessoas e o entusiasmo de todos nas etapas de confecção do ‘Notícias da Escola’. As crianças perceberam que cada um que ajudou tem papel fundamental para os bons resultados alcançados”, destaca Eliando.

O jornal escolar é composto por uma variedade de assuntos, desde textos literários, campanhas de conscientização e até a divulgação dos eventos que os alunos participaram.

 

A INFORMÁTICA

Confira a matéria produzida pela estudante, Bianca Loraine Nunes dos Santos sobre a importância do uso adequado do Ambiente Educacional Informatizado dentro das escolas.

Geração Informatizada

A informática é uma tecnologia avançada para pesquisa. Antigamente não existiam computadores, apenas algumas pessoas que podiam comprar. Havia livros grossos que usavam para estudar e eram chamados de “enciclopédia”, muito preciosos.

Hoje existem sites de pesquisa, rápidos e fáceis de acessar como o Google e redes sociais: Facebook e outros sites como Youtube.

A informática pode acrescentar algumas informações especiais, e como dizem: “se sentem em um mundo diferente, livre!” Podemos aprender se divertindo.

Pode ser até um pouco difícil entender essa tecnologia no começo, mas depois nos acostumamos. As pessoas usam essa tecnologia para estudar, exemplo, sua professora pede para estudar sobre a segunda guerra mundial, se você tiver um computador com internet você poderá pesquisar e aprender.

Comente aqui

Projeto Literário empolga crianças

Atualmente tem sido difícil conciliar dois suportes de leitura, o livro e a internet. Pesquisas comprovam que, principalmente crianças e adolescentes, não dão mais a devida importância ao mundo dos livros. A atenção está direcionada às redes sociais e a mais uma imensidão de páginas onlines. Muitas horas do dia se vão em frente à tela do computador, enquanto os melhores livros permanecem esquecidos na estante.

Não faz muito tempo que o jeito de fazer pesquisa na escola mudou. Se há pouco mais de cinco anos os estudantes se reuniam para ir até uma biblioteca ou não dispensavam a enciclopédia na hora de fazer um trabalho escolar, agora eles dão prioridade à internet.

Preocupados com esses fatores, a equipe da Escola Municipal Jardim Primavera, de Santa Fé, organizou um projeto com os alunos do 3º ano, no qual eles estudaram a vida e as obras de Monteiro Lobato. “Buscamos destacar a importância da leitura dos textos em seus suportes de origem. Já existem diversas histórias do autor na internet, mas mostramos às crianças como é prazeroso o ato de ler o livro e sentir a espessura do papel, por exemplo”, destaca a orientadora pedagógica, Marta Eloisa Lalli.

Foto abrePara a realização das atividades as crianças criaram murais expositivos sobre a literatura infantil, ensaiaram danças, apresentações teatrais e declamação de poesias. “Foi possível observar grande interesse pela leitura das obras de Monteiro Lobato, em especial, o Sítio do Pica-Pau Amarelo. Constatei que muitas crianças não tinham conhecimento do conteúdo que estava sendo repassado, foram momentos de muito entusiasmo”, enfatiza a diretora, Gislaine Righetto.

A professora, Sueli Pedrazzani conta que envolver os alunos no universo das histórias foi muito divertido. “Os pequenos ficaram encantados. Com isso, despertamos o prazer pela leitura de diferentes autores, e também o interesse deles pelo teatro e pela dramatização.”

“Foram atividades especiais, Monteiro Lobato deixou grandes sucessos para nós”, comenta a estudante Rafaella Puggese Tieppo. A colega Mariana Policarpo, completa “não vou esquecer tudo o que aprendi e as histórias que li.”

Para encerrar o projeto a escola realizou o evento “Pais presentes, filhos contentes”, no qual os responsáveis pelos alunos são convidados para um momento cultural dentro do espaço escolar. Já tradicional, o evento acontece de forma bimestral, e em cada apresentação a responsabilidade é de uma série diferente. “Nosso objetivo é trazer a família para dentro do espaço escolar, mostrar o que as crianças têm aprendido e as ações realizadas diariamente”, explica Gislaine.

“Esta iniciativa da escola resgata e estimula os pais a acompanharem o desenvolvimento dos seus filhos, pois a correria da vida moderna consome o tempo que deveríamos dedicar às crianças”, enfatiza a mãe, Marinéa Gomes Pereira.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu Fiz!

capa - jornal escolarO bom trabalho de hoje foi realizado na Escola Municipal Dr. Heleton Borba Cortes, de Maringá, sob a orientação da professora Márcia Mitiko. “Desde o início o objetivo era conhecer o material e confeccionar um jornal da turma”, conta.

A professora comenta que as atividades começaram com a organização dos textos jornalísticos a serem publicados. “Nesta etapa se desenvolveu a função da escrita como suporte do pensamento e a competência sociocomunicativa de expressar por escrito suas ideias, como também compreender a importância da leitura para estar atualizado com as notícias do momento.”

Durante as aulas foram desenvolvidas propostas didáticas com diversos gêneros textuais presentes no impresso, visando a construção de um jornal através da utilização de tecnologias como ferramentas de aprendizagem. Na sala de ambiente educacional informatizado as crianças utilizaram a internet para pesquisa de informações e imagens, fator que proporcionou um momento não só de entretenimento, mas de muito conhecimento.

“Os alunos gostaram da experiência, pois se sentiram motivados a querer conhecer novos desafios e explorar assuntos diferentes, serem os produtores dos textos com assuntos que estavam relacionados ao dia-a-dia e ao seu próprio interesse, e também o reconhecimento do que foi escrito estampado em uma página do jornal”, enfatiza Márcia.

A professora ficou feliz com a realização do jornal escolar e com o envolvimento dos alunos durante as aulas. E ainda tive uma grata surpresa ao receber um bilhete dos pais de uma aluna elogiando o trabalho realizado.

“Boa tarde professoras, gostaria de parabenizar o ótimo conteúdo e a ideia da confecção de um jornal escolar. Eu adorei e meu marido também. A nossa filha, Evellyn gostou tanto que diz estar ansiosa pela próxima edição. A atividade a estimulou a ler e a escrever, foi algo muito importante para a minha filha. Obrigada!”, elogia a mãe, Gislene Regina do Carmo da Silva.

Comente aqui

A dificuldade em aprender

Foto AbreEm toda sala de aula há estudantes que aprendem com mais facilidade e outros que têm dificuldade para acompanhar as lições. Ninguém está a salvo de tirar notas baixas vez ou outra. Mas o que fazer quando os problemas são persistentes? O bate-papo de hoje na coluna do Diário da Escola é com a neuropsicóloga, Dra. Cristiana Bolfer que é especialista em Neuropsicologia pelo Instituto Central da Faculdade de Medicina de São Paulo (ICFMUSP), mestre e doutora em Neurologia pela Faculdade de Medicina de São Paulo (FMUSP). Na entrevista ela fala sobre como os pais e a equipe escolar podem auxiliar no desenvolvimento do aluno que apresenta defasagem no aprendizado.

  1. O DIÁRIO NA ESCOLA: Casos de transtornos de aprendizado, infelizmente, são cada vez mais comuns. De que forma se constata que mais do que um mau comportamento ou desinteresse, o estudante sofre de algum distúrbio?

Dra. Cristiana: Os pais começam a perceber as dificuldades de seus filhos, inicialmente, na leitura e na escrita. Essas dificuldades, muitas vezes, são relatadas pela escola quando se inicia o processo propriamente dito da leitura e escrita, ou seja, no 1o ano do Ensino Fundamental.  Não havendo nenhum tipo de intervenção a criança pode mostrar desinteresse já que não consegue alcançar os objetivos propostos naquele momento. Algumas crianças calam-se diante de suas dificuldades enquanto outras apresentam comportamentos inadequados. Nos dois casos podem significar que estão “gritando” por socorro.

  1. Quais os principais fatores que fazem essa criança ou adolescente apresentar a defasagem no aprendizado?

Primeiro vamos entender, resumidamente o que são dificuldades do aprendizado e transtornos do aprendizado. As dificuldades abrangem um grupo de problemas que podem alterar a capacidade da criança aprender – independentemente de suas condições neurológicas – que podem ser: fatores emocionais (depressão, ansiedade, bullying); escolares (metodologias inadequadas para série e idade do aluno, espaço físico inadequado para uma boa relação com a aprendizagem, professores sem preparo para atender seus “clientes”); transtornos orgânicos (dificuldades visuais e auditivas, distúrbios do sono, distúrbios motores) ou fatores socioambientais (ausência de estímulo, muita cobrança em casa ou na escola pelo desempenho acadêmico da criança ou adolescente que não está conseguindo suprir as demandas propostas). O segundo são as chamados DIS: Dislexia (prejuízo na leitura), Disortografia (prejuízo no entendimento do som da letra relacionado a sua grafia), Disgrafia (escrita ilegível) e Discalculia (prejuízo na matemática). Diante disso podemos acreditar que a criança ou o adolescente que apresentar tanto dificuldades como transtornos do aprendizado necessitarão de auxílio, com profissional especializado, para uma vida acadêmica e social adequadas.

  1. Entre os casos de distúrbios que já acompanhou, ao fazer uma avaliação, quais deles são mais comuns?

O primeiro transtorno sem dúvida é a falta de atenção que desencadeia outros transtornos de aprendizado. Nem toda a criança que apresenta desatenção pode ser diagnosticada com o Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH). Ressalto mais uma vez a importância do diagnóstico com profissionais especializados.

  1. Um estudante com dificuldade em aprender, pode ser considerado com inteligência abaixo do normal?

Considerando a deficiência intelectual como transtorno do desenvolvimento com grandes restrições sociais, acadêmicas e profissionais (podendo gerar perigos aos cuidadores) e com alto risco psiquiátrico e delinquência aí sim o indivíduo não terá muitas oportunidades para o aprendizado. Mas o indivíduo (criança, adolescente e adulto) pode apresentar dificuldades ou transtornos em algumas áreas do aprendizado o que não significa inteligência abaixo do normal. Muito pelo contrário. Existem crianças que vão muito bem oralmente mas não conseguem se expressar na escrita e apresentam  inteligência acima da média o que é confirmado em vários estudos nacionais e internacionais.

  1. Qual a melhor forma para o professor ajudar o aluno com distúrbio de aprendizado?

A escola de forma geral pode e deve atuar em colaboração com a família e com os profissionais especializados permitindo algumas modificações que possam determinar uma maior motivação e aprendizado do portador das dificuldades e dos transtornos da aprendizagem. O professor deverá ter conhecimento básico sobre o desenvolvimento infantil entendo o que é esperado para a idade e série que está lecionando como também o conhecimento básico dos transtornos do aprendizado e, é nesse momento que entraria na escola, um profissional especializado para auxiliar os professores dentro da neurociência, a chamada “Neurociência em sala de aula”.

  1. E os pais? De que maneira podem contribuir com a evolução no caso desse filho com defasagem?

Na maioria dos casos, diante de um portador do distúrbio do aprendizado, as intervenções apenas na escola são insuficientes, muito embora frequentemente, os professores e coordenadores da escola sugiram, inicialmente, reforço e algumas modificações unicamente no próprio ambiente. Os familiares devem ser orientados a respeito dos conhecimentos mais atuais do distúrbio, com o objetivo de que compreendam as dificuldades apresentadas, diminuindo o sentimento de culpa em relação aos insucessos e que ajudem para que o tratamento seja o mais eficaz possível.

  1. Que mensagem deixaria para os pais e para a equipe escolar que acompanha crianças e adolescentes com casos de distúrbios de aprendizado?

É fundamental que os pais compreendam que devem atuar de modo ativo e colaborativo em relação à escola, estando atentos às queixas trazidas pelos professores e devem entender que os professores e coordenadores pedagógicos são aliados aos cuidados com seu filho. A relação da família com a escola e a educação do seu filho é um fator indispensável para o sucesso da criança. Os pais devem ser encorajados a intensificar a comunicação com a escola e vice-versa, procurando atuarem como facilitadores no desenvolvimento tanto escolar como pessoal da criança.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz

capa - jornal escolarPreocupados em incentivar a leitura dentro dos espaços escolares, a secretaria da educação de Maringá participa há anos do Programa O Diário na Escola. Na Escola Municipal Diderot Alves da Rocha Loures, a cada período letivo os educadores já esperam pelos exemplares e pelas formações oferecidas a respeito do uso do jornal em sala de aula.

A professora do Ambiente Educacional Informatizado (AEI), Áudrea Alice conta que o trabalho com o Diário ultrapassou o quadro negro e o giz, e auxiliou os alunos também nas atividades na sala de informática.

Com o objetivo de criar um jornal escolar as crianças conheceram as editorias presentes no impresso e as características das páginas. “A partir das ferramentas tecnológicas dos computadores, aos poucos, fomos produzindo o nosso próprio impresso”, conta a professora.

O “Jornalzinho da Escola Diderot” foi organizado pela equipe dos quartos e quintos anos e apresenta uma diversidade de conteúdos. Desde matérias sobre os eventos que aconteceram dentro da escola, até assuntos da cultura brasileira e estrangeira.

“Com os exemplares prontos percebi a satisfação dos alunos e de toda a comunidade escolar. Reconheci que o trabalho com o jornal em sala de aula é uma importante ferramenta pedagógica que contribui para o desenvolvimento da aprendizagem do aluno, bem como, para a formação da sua cidadania”, enfatiza Áudrea.

 

PRODUÇÃO

O cuidado em preservar o meio ambiente é um assunto sempre em debate nas escolas. Para tornar a conscientização uma atividade mais divertida, a professora Áudrea aliou a disciplina de Ciências com o gênero textual Receita, confira o resultado que foi publicado no jornal escolar:

 

A FOTOSSÍNTESE

UMA RECEITA DE SUCESSO

Ingredientes:

Água

Luz solar

Gás carbônico

Primeiramente, pegue uma planta de preferência com bastante clorofila. Segundo passo: encha um regador com água e regue a planta cuidadosamente, mas nunca com muita água. Depois disso a raiz vai extrair a água até o caule e do caule vai para as folhas.

Terceiro passo: coloque a planta exposta ao Sol, (tempo a gosto), daí é que a planta recebe o gás carbônico que realiza a glicose, o alimento dela. É dali que a planta realiza a fotossíntese.

 

Produção da aluna: Beatriz Gomes da Silva 4º ano B

Comente aqui

Compromisso Social

Com uma parceria consolidada, a concessionária de rodovias Viapar oportuniza a participação de diversas instituições de ensino, sem fins lucrativos, no Programa. Neste ano estão sendo atendidos estudantes de Maringá, Sarandi, Itambé, Floresta e Marialva, tanto do ensino regular, como da educação especial. “Nossa parceria tem o intuito de formar novos leitores. Afinal, a leitura é formadora de cidadania”, destaca o presidente da concessionária, Camilo Carvalho.

Os participantes do Programa recebem o jornal semanalmente para a leitura e o desenvolvimento de atividades, participam de promoções culturais – a exemplo do Concurso de Frases sobre o tema da Semana Nacional de Trânsito, promovido pela Viapar – e os educadores ainda recebem capacitação para saber aproveitar o material no processo de ensino e aprendizagem.

“O Diário é bastante utilizado pelos professores como apoio e complemento de trabalho, além de ser ilustrativo, é uma ferramenta de leitura. Os alunos são os maiores beneficiados com o subsídio oferecido pela concessionária, uma vez que tem acesso a um veículo de comunicação importante, o melhor jornal da região. Vale ressaltar ainda que o hábito de leitura vem sendo aprimorado através deste material. Agradecemos a parceria e o apoio de vocês”, comemora a diretora da Escola Estadual Presidente Arthur da Costa e Silva, de Floresta, Vera Lucia Cavalli Ramos.

A pedagoga e responsável pela Oficina de Trânsito da Viapar, Bruna Santos comenta que com a integração das escolas atendidas pelo Programa foi possível alcançar bons frutos. “O resultado estamos vendo nos cursos onde temos a participação dos professores e na grande procura pelas oficinas. Estamos sempre buscando aperfeiçoar e trazer nosso público escolar pra mais perto, essa é a nossa grande motivação.”

Bruna enfatiza que a empresa é preocupada com a educação e , por isso, busca parcerias que reforcem essa ideia. “O Programa O Diário na Escola, é um desses grandes aliados”, diz.

Foto AbreOficina de Trânsito

Idealizada pela Viapar tem por objetivo educar alunos sobre os direitos e deveres enquanto pedestres e ciclistas, além de informar como transitar com segurança em vias urbanas e rodoviárias, identificar a sinalização usada no trânsito e ensinar noções de cidadania e meio ambiente.

O projeto teve inicio em abril de 2002 e desde então a concessionária recebe alunos de intuições municipais, estaduais e particulares. Desde 2007 o programa conta com a Oficina Itinerante, que se desloca da sede da empresa e leva o projeto às escolas de ensino regular e também instituições sociais.

A concessionária está cadastrando instituições interessadas em participar da Oficina de Trânsito. O agendamento pode ser feito pelo telefone (44) 3033-6000.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu Fiz!

capa - jornal escolarNa Escola Municipal Célestin Freinet, em Maringá, a produção do jornal escolar envolveu todas as disciplinas e turmas. Afinal, a essência da confecção deste material é essa mesma, “dar voz” à comunidade.

“Toda a equipe de profissionais da Célestin se uniu para que o resultado fosse o melhor possível. Além das atividades realizadas dentro do Ambiente Educacional Informatizado (AEI), os professores de Artes, Educação Física e Inglês contribuíram com conteúdos para o nosso informativo”, destaca a professora responsável pelo jornal escolar, Sueli Maria Bofete.

As propostas realizadas no AEI envolveram diversos gêneros textuais, entre eles, entrevista, classificados, tirinhas, curiosidades e outros assuntos que ampliaram o conhecimento dos alunos e melhoraram a escrita. Além de despertar neles o interesse e o gosto pela leitura.

“Os resultados foram os melhores possíveis. Conseguimos fazer a impressão colorida, e na Mostra Cultural da escola entregamos os exemplares. Os estudantes, os pais e a equipe da secretaria da educação de Maringá nos elogiaram bastante e, com isso, este ano decidimos produzir um novo jornal escolar”, comemora a supervisora, Fátima da Luz Pinheiro.

 

RESULTADO

Conheça uma das matérias publicadas no “Célestin Informa”:

Alunos pesquisam adivinhas

As adivinhas, também conhecidas como “o que é, o que é?” são perguntas em formato de charadas que fazem parte da cultura popular e do folclore brasileiro. Este foi um dos conteúdos trabalhados no 3º bimestre com o 4º ano no Ambiente Educacional Informatizado. Com auxílio da professora Sueli Maria Bofete, os alunos fizeram pesquisa das perguntas e depois das imagens para representar as respostas. Confira algumas:

A)    O que é, o que é? Surdo e mudo, mas conta tudo?

B)    O que é, o que é ? Quando a gente fica em pé, ele fica deitado, e quando a gente fica deitado, ele fica em pé?

C)    O que é, o que é? Nasce grande e morre pequeno?

 

Respostas:

a)       O livro.

b)       O pé.

c)       O lápis.

Comente aqui

Colorindo a vida

Foto AbreAs tintas e o papel sempre fizeram parte da vida da escritora maringaense, Maria Cristina Vieira. Com duas formações no currículo, pedagoga e técnica em enfermagem, ela conseguiu aliar as paixões em rimas que são compostas por divertidos personagens que expõem situações do universo da saúde.

Cristina conta que na infância só conversava com uma de suas primas por versos. “Desde pequena sonhava em ser professora”, e foi assim que ela decidiu escolher a graduação da pedagogia. Depois de formada, os imprevistos da vida a fizeram mudar os rumos e um novo desafio entrou em seu caminho, a enfermagem. Mas Cristina nunca deixou de lado o amor pela literatura, na tentativa de alegrar os pacientes a escritora preparava atividades pedagógicas para os adolescentes internados, contava histórias para as crianças e criava poesias para os adultos.

“Minha preocupação era de humanizar aquele ambiente hospitalar, percebi que o sofrimento das pessoas que ali estavam poderia ser amenizado com um pouco de atenção e cultura”, diz. Cristina também costumava desenhar nas fitas crepes que prendiam as agulhas para a aplicação de remédios nos punhos dos pacientes, tudo isso para ter apenas uma recompensa: o sorriso no rosto da pessoa que sentia dor.

Hoje, ela abriu mão da rotina do hospital para se dedicar a profissão de escritora. Mas deixou uma boa lembrança nos antigos ambientes de trabalho. “Nos hospitais que atuei fiz pinturas nas paredes das alas pediátricas, uma forma de continuar alegrando os pequenos que passam por lá”, ressalta.

Cristina que além de escrever, também ilustra as suas obras, já tem uma coleção de dez livros infantis publicados, intitulada “Despertar” e se prepara para lançar a segunda. Desta vez o personagem principal da série é o peixinho Nestor. O protagonista das histórias é portador de necessidades especiais e apresenta assuntos de conscientização social, obesidade infantil, doação de órgãos e até preocupação com o lixo e a escassez da água.

Aliado a este trabalho ela também produziu o livro “O mosquito perigoso” no qual além da leitura da história a criança também pode colorir a obra. O enredo em rimas sobre a Dengue vem acompanhado de um caderno com atividades pedagógicas. “É um excelente material para os professores utilizarem em sala de aula, pois apresenta os versos e a arte da pintura, aliada a um tema que é de preocupação da sociedade”, comenta.

Sem parar de sonhar com o sucesso, Cristina divide seu tempo refinando o talento em peças artesanais com os personagens que criou. “A rotina diária às vezes é exaustiva, quem vive da literatura busca o tempo todo por recursos, mas nada é obstáculo quando estamos fazendo aquilo que nos deixa feliz. Não há recompensa maior do que ouvir relatos de pessoas que se alegraram, que tiveram forças para superar doenças, a partir da leitura das minhas histórias”, comemora.

Comente aqui

Histórias trabalham o imaginário

Um período para o encantamento, o aprendizado e o desenvolvimento da imaginação. Assim foi a última semana para os alunos do 1º ao 5º ano do Colégio Objetivo, que tem investido na arte de contar histórias como auxílio ao desenvolvimento integral das crianças.

Foto AbrePara realizar a atividade, esteve na escola a contadora de história Ákila Moreira, de São José do Rio Preto (SP). Ákila explica em entrevista o significado desse tipo de atividade e diz o quanto é importante resgatar o costume de contar histórias tanto em casa quanto nas escolas. Ela é pedagoga, pós-graduada em Didática, contadora de histórias, bonequeira e tem atuado desde 1996 na área de ensino através da arte de maneira lúdica e criativa. Confira o que ela diz sobre a “arte de contar histórias”.

Qual a importância das histórias na vida das crianças?

O ato de contar história contribui para o desenvolvimento da afetividade e a formação sociocultural da criança como um todo. Ela desenvolve o pensamento, a criatividade, a emoção e melhora a comunicação, entre outros benefícios. Mas infelizmente, o costume de contar histórias está se perdendo entre as famílias e nas escolas.

Como os pais podem agir para manter esse hábito?

Os pais levam uma vida muito corrida hoje em dia e abdicam do tempo com os filhos. Mas estou falando de dez minutos uma vez por semana, pelo menos. O pai que separa um tempo para conversar com o filho, contar histórias, viver esse momento de afetividade verdadeiro, alcança o coração dele. O melhor presente que eu posso dar para meu filho é o meu tempo, e ao contar uma história eu vou marcar a vida dele para sempre.

É preciso ter aparatos para ilustrar a história enquanto você está contando, ou basta, por exemplo, a leitura de um livro?

Não precisa ter nada, mas é preciso envolver a criança para que ela viva aquela fantasia. As situações também podem ser criadas. O cesto do lixo da minha casa, por exemplo, pode virar o chapéu do pirata, o abajur o farol, o meu lençol pode se tornar uma cabana, o meu tapete um navio. É olhar os objetos à volta da criança para criar um mundo de fantasia.

Como o ato de contar histórias contribui com a formação das crianças na escola?

Infelizmente, nossas crianças estão perdendo toda ludicidade, rodeadas por tantos outros estímulos que recebem hoje em dia, principalmente da tecnologia. Mas o “fazer de conta” é muito importante.  Quando se diz “era uma vez….”, você desperta na criança a fantasia, que traz à tona o processo da criatividade. Eu diria então que contar histórias na escola é fundamental.

As histórias ajudam também na formação de futuros leitores?

Com certeza. Outro aspecto que pais e professores devem observar é não ver a criança apenas como ouvinte, mas também como contadora de histórias. Hoje o maior índice de reprovação nos vestibulares é pela deficiência na redação. Os jovens estão com dificuldade de concluir pensamento, interpretar texto, escrever. Ouvir e contar histórias ajuda nesse desenvolvimento. Estamos precisando disso.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz

capa jornal escolarA Escola de Maringá em destaque hoje fez não apenas uma, mas duas edições de jornais escolares. As professoras da Escola Municipal Campos Salles, Jane Candino e Márcia Mitiko não mediram esforços para realizar o trabalho.

“O primeiro passo foi a exploração do jornal O Diário nas versões impressa e online. Afinal, este é um veículo de comunicação da cidade e também sempre presente dentro da sala de aula”, destaca Márcia.

A primeira edição foi impressa antes das férias de julho e a distribuição foi restrita para os alunos que haviam produzido os conteúdos, mas o sucesso foi tão grande que a comunidade escolar queria ver mais, os estudantes estavam animados e como resultado, em dezembro uma nova versão foi feita e desta vez a entrega abrangeu todas as turmas da escola.

“O trabalho com o impresso amplia o universo cultural das crianças e a informação aliada à reflexão, proporciona o debate e a tomada de consciência. Fatores que desenvolvem a capacidade de ler, argumentar e expressar opiniões”, ressalta Jane.

Os conteúdos das duas edições dos jornais da Campos Salles foram os mais variados, ilustrações, poemas, quadrinhas. Para que conheçam parte dos resultados, separamos uma entrevista que os alunos realizaram com a diretora da escola.

ENTREVISTA

Lucília Tomazini Hoffmeister é diretora da Escola Campos Salles desde fevereiro de 2011 onde juntamente com a equipe desenvolve um trabalho exclusivamente voltado para a melhoria da qualidade de ensino e efetiva aprendizagem dos alunos.

Alunos – 1) Como a senhora avalia o desempenho dos alunos em relação ao último IDEB?

Lucília: O desempenho dos alunos em relação ao último IDEB foi excelente porque conseguimos subir consideravelmente. Ultrapassamos a meta esperada e isso representa o reconhecimento do nosso trabalho e do esforço dos alunos em querer aprender mais.

2) A que a senhora atribui a elevação da nota da escola?

Foi um trabalho coletivo com compromisso. Acredito que esta é a palavra certa; compromisso de todos os funcionários, e isso compreende a escola como um todo.

3) De que forma a avaliação do IDEB contribui para a melhoria das ações na escola?

Da seguinte maneira. Como a escola ofereceu um trabalho de contra turno para os alunos e deu certo, este ano além do o 4º ano que irá participar do próximo IDEB, também estamos oferecendo o mesmo apoio para as demais turmas para que estas estejam bem preparadas no futuro.

4) O IDEB ainda é um desafio? Em que sentido? 

Mesmo com todo esforço o IDEB ainda representa um desafio para todos da escola, pois exige muito trabalho, força de vontade, colaboração e compromisso. Para que tudo melhore é preciso investir muito na educação.

5º ANO B

Comente aqui

Educação como prioridade

Comprometido em oferecer o melhor à comunidade, o prefeito de Lobato Fabio Chicaroli não mede esforços quando se trata em educação. Além de constantes formações oferecidas aos professores, Fábio considera indispensável o uso do jornal em sala de aula. “O que seria aparentemente uma ferramenta complementar à educação convencional, com tudo, ao longo da execução do Programa se tornou muito mais, ou seja, algo indispensável ao aprendizado e a formação pedagógica dos nossos alunos. E, além disso, contribui sensivelmente para o conhecimento e interação crítica das nossas crianças e adolescentes com o mundo ao seu redor”, destaca.

De volta ao Diário na Escola, a equipe da Escola Municipal Elias Abrahão comemora a oportunidade. “O trabalho com o jornal é inovador e possibilita ao educador tornar as aulas mais atrativas e dinâmicas, assim como também amplia as opções de leitura e o vocabulário do estudante”, enfatiza a diretora, Maria Aparecida de Carvalho.

A professora Deizimara de Lemos conta que o impresso leva informação não só para o professor e o aluno, mas para toda a comunidade que, em muitos casos, não teria acesso ao material se não fosse pela escola. “O dia-a-dia com o jornal me capacita a formar cidadãos críticos, criativos e com atitude”, diz.

FORMAÇÃO. Equipe da Escola Municipal de Lobato foi capacitada para desenvolver trabalho com o Diário em classe.

FORMAÇÃO. Equipe da Escola Municipal de Lobato foi capacitada para desenvolver trabalho com o Diário em classe.

A equipe do Diário na Escola esteve no município para orientar o trabalho que será realizado durante o ano com o impresso. A partir de uma oficina técnica sobre a estrutura do jornal, os educadores puderam identificar as diversas maneiras de explorar o material em sala de aula.

O professor doutor, Renilson Menegassi comenta que a capacitação é um requisito necessário para a melhoria do ensino nas escolas de qualquer país. “Nas formações o professor entra em contato com aspectos teóricos e metodológicos que possibilitam ampliar suas práticas em sala de aula.”

Durante o encontro do Diário na Escola foram repassadas dicas sobre a análise das notícias, diferença entre publicidade e propaganda, os efeitos das imagens e charges, como também sugestões de atividades que podem ser realizadas de forma interdisciplinar.

“O jornal é um dos instrumentos fundamentais para o desenvolvimento completo do nosso aluno. De forma significativa, com seus diversos gêneros textuais, ‘entra’ na sala de aula e amplia e atualiza a visão tanto do professor quanto do aluno, além de proporcionar uma leitura significativa e prazerosa”, enfatiza a secretária de educação de Lobato, Fabíola Gazzone Chicaroli.

Renilson finaliza dizendo que cerca de 40% dos textos expostos no material didático são originários de jornais, o que é um número expressivo de conteúdos com os quais o educador e o aluno devem lidar. “Para tanto, instrumentalizar o professor em como trabalhar com esses textos é necessidade social, não mais um aspecto escolar apenas.”

Comente aqui

Pais que ensinam com o exemplo

Um fator muito importante e comprovado pelas estatísticas diz que a cada nova geração o nível de escolarização dos brasileiros tem aumentado. Os dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD) do IBGE mostram que a taxa de escolarização da população com idade entre sete e 22 anos aumentou de 62,4% em 1992 para 75,2% em 2009.

Isso significa que os filhos estão indo mais longe e tendo melhores chances de estudo que seus pais. Diante dessa realidade, fica a pergunta: como apoiar as crianças nos estudos quando se tem dificuldades em relação ao conteúdo que está sendo ensinado? Ou, em alguns casos, como dar a eles o exemplo de que é importante e vale a pena estudar quando não se teve oportunidade de frequentar por muito tempo a escola?

PARCERIA. Pai e filho dividem rotina de afazeres em casa e na escola, uma iniciativa que deu certo.

PARCERIA. Pai e filho dividem rotina de afazeres em casa e na escola, uma iniciativa que deu certo.

O auxiliar de metalúrgica, Luiz Carlos de Souza é um exemplo de resposta para os questionamentos acima. Aos 47 anos ele voltou para a sala de aula em busca de conhecimento e apoio ao filho que havia parado de estudar ainda no ensino fundamental.

“Não há dúvidas de que os pais são um modelo de vida para os filhos. E há muitas maneiras de eles incentivarem as crianças nos estudos, mesmo que sua experiência de vida tenha sido diferente”, afirma a pedagoga, Liliane do Rego Silva. Um dos caminhos pode ser voltar a estudar. Afinal, várias pesquisas mostram que quanto mais escolarizados forem os pais, mais serão os filhos. “Já ouvi casos até de avós que voltaram a estudar na terceira idade para estimular filhos e netos que já não estavam motivados a ir à escola. Creio que esse é um grande incentivo, especialmente quando se trata de jovens na fase da adolescência”, diz.

Após mais de 20 anos fora da escola, Luiz retornou à sala de aula, primeiramente, com o objetivo de terminar o segundo grau e poder ser efetivado no trabalho. “Na mesma época, meu filho adolescente tinha abandonado os estudos. Eu vim primeiro para a Educação para Jovens e Adultos (EJA), ao ver meu interesse e a minha busca por um futuro melhor, ele decidiu me acompanhar”, conta.

Gabriel Felipe de Souza, 16 anos, destaca o orgulho que sente do pai. “No passado ele não teve oportunidade de estudar e hoje, mesmo com a corrida rotina de trabalho, ele está à frente de mim nos estudos”. O adolescente que havia desistido da educação por conta de más influências de colegas, atualmente é companheiro de Luiz no caminho para a escola e nas atividades da grade curricular.

“É maravilho ensinar e aprender com meu filho, todo o esforço passou a ter mais valor depois que ele se dedicou a vir para a escola”, fala Luiz. O pai de família relata que de início a trajetória foi difícil. Por muitas vezes não acompanhou o ritmo das aulas, mas nenhum obstáculo o fez desistir, pois aos poucos ele foi constatando melhoras em sua vida. À exemplo da comunicação com outras pessoas, o desenvolvimento da argumentação e o poder de decisão.

“Depois que voltei a estudar minha memória e meu raciocínio se tornaram mais ativos. Incentivo a todos a seguirem a minha iniciativa, superarem seus medos e, assim, adquirirem o conhecimento. Algo que ninguém, nunca, vai tirar de você!”, enfatiza.

Comente aqui

Jornal Escolar – Eu fiz!

Capa - jornal escolar“Foram seis meses de muito trabalho”, destaca a professora Priscila Carolina Mantovani que leciona no ambiente informatizado da Escola Municipal Ayrton Plaisant, em Maringá. Ciente de que o jornal é uma importante ferramenta pedagógica que possibilita ao aluno o contato com os mais diversos gêneros textuais, Priscila não teve dúvidas da ótima oportunidade que tinha em mãos quando recebeu o convite da secretaria da educação da cidade, para desenvolver um jornal escolar com seus alunos dos quartos e quintos anos.

“Minha primeira escolha foi a de fazer com que as crianças se sentissem verdadeiros repórteres e editores, para isso, todos participaram e foram ativos durante os processos de produção”, conta a professora.

Os alunos, que já tinham o contato com o impresso nas aulas de Língua Portuguesa aprovaram a proposta e se dedicaram para que as ideias fossem para o papel. “Eles estiveram motivados em todas as aulas e se empenharam a realizar um trabalho cada vez melhor”, diz Priscila.

Os pais também ajudaram na construção do jornal escolar. As atividades se estenderam para além dos muros da instituição de ensino. Nas matérias com relação ao folclore brasileiro, como dever de casa, as crianças questionaram seus responsáveis sobre lendas, mitos, receitas populares e danças típicas que eles conhecem. Com isso, a turma toda voltou para a sala de aula com bastante conteúdo.

Assim como nas redações jornalísticas, a escolha do que seria publicado no jornal foi feita durante uma reunião de pauta. Os alunos, neste caso denominados editores, se reuniram para decidir, em meio a tantas informações, o que realmente deveria receber espaço nas páginas do “Notícias da Escola” – nome dado ao jornal escolar da Ayrton Playsant.

No Ambiente Educacional Informatizado, os estudantes desenvolveram a função dos diagramadores e redigiram textos, editaram fotos e com a ajuda da professora sugeriram a melhor diagramação para o impresso. “Neste processo as crianças conheceram ferramentas da informática que as auxiliou a criarem, inclusive, panfletos de divulgação”, enfatiza Priscila.

A diretora da escola, Raquel Silva Maneta comprova os bons resultados do jornal escolar. “Todo trabalho que envolve prática surge maior efeito, pois os alunos se dedicam mais e consideram a atividade significativa. Com isso, a participação dos pais é automática, os estudantes acabam repassando o que produzem em sala para a família e elas contribuem com conhecimento.”

Produção 

As alunas Danielle Mayumi Ito e Juliane Pereira Faria escreveram uma poesia para o espaço de cultura do “Notícias da Escola” e ainda digitaram e ilustraram a página no ambiente informatizado.

Há flores e flores

De todas as cores

Vermelho, rosa e azuis variantes

Que deixam meu jardim mais bonito que antes!

Rosas, Margaridas, Violetas e Tulipas

São flores que alegram a minha vida!

Lilás e roxo podem ser iguais,

Mas nas minhas flores elas são especiais!

Há flores e flores,

São todas bonitas,

Mas você é a minha preferida!!!

Comente aqui