O Diário na Escola

Publicidade

Bate-papo na escola de Atalaia aborda os meios de comunicação

Categorias: atividades, Comunicação e Educação, cultura, escola, informação, jornalismo, oficina, tecnologia

Veículos midiáticos que permitem a interação entre as pessoas e contribuem com a transmissão do conhecimento são chamados de meios de comunicação. Ao longo da história, o homem foi desenvolvendo formas para se comunicar. Primeiro os sinais, depois os desenhos, a língua falada, as cartas, até a criação de alguns objetos.

Com o avanço tecnológico os meios foram se tornando mais eficazes, a exemplo do jornal impresso, telefone, rádio, televisão, celular e internet. Todos são bastante utilizados em várias partes do mundo, e proporcionam o diálogo e a troca de informações.

A internet, por exemplo, permite que dados sejam obtidos com extrema rapidez e facilidade. Algumas redes sociais possibilitam conversas instantâneas independente do lugar em que você esteja.

Na educação, os estudos sobre a relação entre as mídias e o ensino têm se expandido devido ao impacto cada vez maior que os meios de comunicação têm na vida dos alunos.

Pensando nisso a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes esteve no município de Atalaia para conversar com os alunos da Escola Municipal Vânia Maria Simão sobre um dos veículos da imprensa que está há mais tempo dentro das instituições de ensino, o jornal impresso.

“À medida que a escola percebe a seriedade com que estão comprometidos os Programas de Jornal e Educação, e da Associação Nacional de Jornais (ANJ), em desenvolver um trabalho que beneficie estudante e educação cresce a adesão ao uso da mídia impressa como recurso das práticas pedagógicas. Conversar com crianças de 09 anos de idade que estão gostando de ler o jornal toda semana, é gratificante!”, destaca Loiva Lopes.

O município de Atalaia incluiu este ano os estudantes do 4º ano, o que favorece também os professores, que terão a oportunidade de participarem dos cursos oferecidos pelo Programa.

A facilidade de acesso ao material e a possibilidade de produção contribuíram para o uso do impresso como ferramenta pedagógica. Afinal estes não necessitam de aparelhos eletrônicos para reprodução, como caixas de som, microfones ou computadores. Jornais escolares, por exemplo, podem ser feitos a mão com recortes e colagem ou fotocopiados.

A coordenadora pedagógica da Escola Municipal de Atalaia, Lorena Yaél enfatiza que os jornais ajudam a formar o cidadão e contribui para que os leitores entendam seu papel na sociedade. “O material tem ampliado o nível cultural das crianças e desenvolvido as capacidades intelectuais. A leitura das publicações desperta a vontade dos alunos de comentar, debater e discutir assuntos tratados pela população em geral.”

Maria Fernanda de Souza é professora do 4º ano e conta que os alunos têm conseguido relacionar o fictício com o real. “Durante uma conversa sobre o anúncio no Diário a respeito da dengue, eu me surpreendi com os comentários dos estudantes. A publicidade continha a frase ‘Levou bala e acabou no hospital’, alguns falaram que era a bala de um revólver, já outros destacaram que a bala na verdade se referia ao papel do doce esquecido no chão, que acumulou água, procriou larvas da dengue e por ter sido picada pelo mosquito, a pessoa foi parar no hospital.”

Luciana Rodrigues Ramos, mãe da aluna Ana Julia comemora a oportunidade da filha em trabalhar com textos atuais em sala de aula. “Ela chega em casa eufórica contando sobre as notícias lidas. Pude perceber que a Ana Julia tem desenvolvido opinião sobre os fatos, ela costuma destacar o que acha positivo ou negativo nas matérias.”

“Quando eu acordo meu irmão já está lendo o jornal, agora eu não preciso mais dividir as páginas com ele porque posso ler na escola. O bom é que se não entendo algum assunto, já pergunto para a professora”, ressalta Ana Julia Rodrigues Ramos.

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

Se não cuidar, ela pode acabar!

Categorias: campanha, cidadania, informação, natureza

Imagem para ilustração 03Você acorda de manhã, acende a luz, toma um banho e o café da manhã. Após se alimentar lava a louça. Vai ao banheiro, escova os dentes e está pronto para mais um dia na escola. Se parar para pensar vai ver que para realizar todas essas atividades foi preciso usar água.

Nos últimos anos a preocupação com a disponibilidade de recursos hídricos vem aumentando. Já se pensou que este bem natural nunca se esgotaria, mas devido a distribuição geográfica desigual, ao crescimento desordenado da população e a poluição de rios e lagos, a água boa está ficando cada vez mais escassa.

De acordo com o Instituto World Resources, somente 2,5% da água disponível no mundo é doce e somente 0,007% desta quantidade está em locais acessíveis. Com números tão pequenos a tarefa da população é cuidar dos recursos hídricos existentes de uma maneira racional. Impactos causados pelo homem, como a contaminação por resíduos industriais e esgotos, pioram a qualidade e reduzem a quantidade de água para o consumo.

Já existem meios que auxiliam as pessoas a evitar o gasto excessivo. A exemplo das torneiras de fechamento automático, válvulas de descarga regulável e arejadores de ar para torneiras.

Em Curitiba, uma política de economia foi implantada. Por meio de uma lei municipal criou-se medidas que induzem a conservação e fontes alternativas para captação hídrica em novas construções. A lei prevê que nestas casas ou edifícios tenham reservatório para a água da chuva, que pode ser usada para fins que não necessitem do líquido em sua forma potável. Além da reutilização das águas de tanque, máquina de lavar, chuveiro e banheira para a descarga sanitária. 

Imagem para ilustração 02Conscientização na escola

No município de Itambé os alunos têm a oportunidade de conhecer como a água chega até a casa deles. A coordenação da Escola Municipal Professor Domingos Laudenir Vitorino convida um profissional da Sanepar para conversar com as crianças sobre a importância em racionar o uso e, em seguida, é realizada uma visita ao poço artesiano da cidade e à sede da empresa para que conheçam os processos de tratamento. “Realizamos essa proposta de atividade todos os anos com o objetivo não só de diminuir os gastos das famílias com a conta, mas principalmente para alertar sobre a cautela que se deve ter com um bem tão escasso”, destaca a diretora da escola, Selma Pelisson dos Santos.

Maria do Carmo Sanches é pedagoga na Escola Municipal Flávio Sarrão, em Cruzeiro do Sul, e conta que neste ano em comemoração ao Dia Mundial da Água as paredes das salas de aula foram decoradas com informativos que apontam em quais atividades mais se consome água. “Olhando para os cartazes as crianças fixam o conteúdo e mudar as atitudes em casa, como a redução no tempo de banho, e também repassam as dicas de economia para os pais.”

Você Sabia?

A água na Terra não aumenta nem diminui. Ela está sempre em contínua circulação: é o ciclo da água, também chamado de ciclo hidrológico.

Funciona assim, a água que compõem rios, mares, lagos ou que está nas plantas, nos animais e até em nós mesmos evapora por causa do calor. Quanto mais quente está, mais a evaporação é estimulada. A água sobe para a atmosfera em forma de vapor. Lá, vai formar as nuvens, uma “reunião de gotinhas” que, condensadas, voltam para a terra em forma de chuva. Dependendo da temperatura podem cair como granizo ou neve.

Quando chegam a terra de novo passam a fazer parte de rios, lagos, mares e oceanos, irrigam e se infiltram na terra. Com o calor evaporam novamente e tudo se repete.

Impresso desenvolve senso crítico em estudantes

Categorias: alfabetização, atividades, cidadania, criticidade, escola, informação, prática pedagógica, questionamento, segurança, sociedade, vida, violência

IMG_2776Durante a visita da equipe do Programa à Escola Municipal Rocha Pombo, no município de Ourizona, o relato de uma aluna chamou a atenção. “Esta semana minha mãe estava me contando que o apresentador de TV, Pinga Fogo sofreu um problema de saúde e está internado. Ela achou que seria uma novidade, mas eu disse que já sabia, pois tinha lido sobre o assunto no Diário. Minha mãe ficou surpresa!”, relata Maria Clara Costa Calvo.

Para que momentos como este aconteçam mais vezes nas conversas em família, a equipe do Diário na Escola esteve com os estudantes de Ourizona apresentando todos os elementos que compõem o impresso, entre eles: manchete, texto chamada, foto, legendas, cadernos e lide.

Depois do bate-papo sobre a estrutura do jornal, os estudantes aplicaram a teoria na prática. Divididos em grupos receberam o desafio de encontrar a manchete principal do Diário, realizar a leitura da reportagem e ainda identificar: título, subtítulo, o que a foto representa, legenda e o lide da notícia.

A partir da manchete “Jardineiro entrega filho adolescente suspeito de matar vizinho de 83 anos” os estudantes desenvolveram as atividades acima e produziram um texto opinativo destacando se concordavam ou não com a atitude do pai do acusado, e qual pena o garoto de 16 anos deveria sofrer por ter matado um homem.

“A manchete é assustadora e atrativa ao mesmo tempo, isso desperta o interesse das crianças em ler a notícia completa. O diferente é que nestes casos eles não reclamam nem do tamanho do texto, pois estão curiosos em conhecer mais sobre o fato”, conta a professora Cícera Aparecida Tassoli.

Há cinco anos Cícera utiliza o jornal O Diário como suporte de ensino aos estudantes do 5º ano. Ela destaca que o impresso contribui muito em suas aulas, “além de aprofundar os conteúdos das disciplinas obrigatórias, melhora o rendimento dos estudantes e diversifica a minha rotina de trabalho”, conta.

Sugestão de Atividade

Categorias: atividades, língua portuguesa, prática pedagógica, professor, publicidade

TRABALHANDO COM ANÚNCIO

A partir da imagem responda as questões:

BOX 01

  • De quem é o apartamento?
  • Onde ele fica situado?
  • Você acha que ele é novo ou velho?
  • Quantos quartos ele tem?
  • Em qual andar fica este apartamento?
  • Qual a diferença entre uma casa e um apartamento?

_________________________________________________________

PRODUÇÃO

Agora você será desafiado a criar um anúncio para o caderno de classificados a partir da figura abaixo:

BOX 02

E aí professor, como foi o desenvolvimento destas atividades com os seus alunos? Nos envie os resultados pelo e-mail: odiarionaescola@odiario.com

Professores aprendem sobre publicidade

Categorias: atividades, curso, fora da escola, informação, língua portuguesa, oficina, palestra, prática pedagógica, publicidade, sociedade

FOTO 01Cerca de 100 profissionais da educação da rede municipal de Maringá participaram do encontro pedagógico “A publicidade no jornal: anúncio e classificado”. A formação foi oferecida pelo Diário na Escola e ministrada pelas professoras mestres Adélli Bazza e Maísa Cardoso. “O conhecimento avança num ritmo acelerado e o professor, por sua função social, necessita desse apoio didático constante, onde são privilegiados momentos para se repensar conceitos e adquirir novos conteúdos na busca de serem aprimorados os processos de ensino-aprendizagem. A ação docente se faz pela interação entre teoria e prática”, destaca a secretária de Educação de Maringá Solange Lopes.

Durante a capacitação, mostrou-se que o consumidor, no caso o aluno, ao observar as propagandas, nem sempre é capaz de absorver o conteúdo da melhor forma. Algumas vezes, os anúncios podem nos convencer de determinadas necessidades sem deixar alternativas. Por exemplo, ou se adquire tal produto ou está sujeito a sentir-se inferior a outros que o fazem. Dessa forma, a missão do educador é colocar à disposição do aluno mecanismos de defesa que permitam com que a criança filtre as informações recebidas.

Maísa Cardoso salienta que a formação do leitor deve ser frequente na sala de aula e, sem dúvida, o universo publicitário é um lugar de argumentação que precisa ser lido e interpretado pelo aluno. “Essa interpretação não acontece somente quanto à linguagem, mas principalmente à imagem, portanto, auxiliar o educando a observar os recursos semióticos desses gêneros é fundamental.”

A professora Rúbia Tatiane dos Santos enfatiza que foi possível ampliar a percepção sobre os anúncios veiculados na mídia e perceber o nível de intenção capitalista, direta ou indiretamente, encontrado em boa parte das publicidades. E a educadora Sirley Cordeiro de Queiros complementa: “Agora consigo visualizar as estratégias utilizadas para seduzir o leitor, tais como o despertar da curiosidade, segurança, conforto e ilusão de beleza.”

FOTO 2 - opção 01A ministrante Adélli ressalva que estudar esses gêneros possibilita ao professor desenvolver a criticidade dos alunos na medida em que revela as estratégias de argumentação que neles são empregados. “Espera-se com isso que esse estudante não seja tão facilmente seduzido quando exposto à publicidade, em geral.”

A escolha do tema para esta formação foi decidida pela coordenação do Diário na Escola em parceria com a Secretaria de Educação de Maringá, visando conciliar com o conteúdo bimestral já planejado para os quintos anos. “O foco é contribuir para que o professor possa fazer um bom planejamento, aplicando o que viu nas capacitações, em sala de aula”, destaca a coordenadora do programa Loiva Lopes.

“O encontro foi bom tanto para aqueles educadores que já participaram do Diário na Escola em anos anteriores, pois é sempre válido retomar questões de outras formações, como também para aqueles que iniciaram as atividades em 2014, porque possibilita a melhora da prática pedagógica e os trabalhos com este gênero”, conta a professora Marli do Rosário.

Uma nova descoberta

Categorias: atividades, criticidade, curiosidade, informação, leitura, língua portuguesa, prática pedagógica

IMG_2700Ansiosos, parte dos alunos do 5º ano da Escola Municipal Nilo Peçanha de Marialva, desfrutaram do primeiro contato com jornal. Algo que para muitos é uma experiência comum e diária, para aquelas crianças foi o momento de se encantarem com a quantidade de textos e imagens, além do instigante desafio de manusear as folhas do impresso sem se perder pelos cadernos de notícias.

“Um pouco maior do que os outros materiais que costumo usar em sala, o jornal ocupou todo o espaço da minha mesa. Confesso que não sabia por onde começar a leitura estava com uma mistura de sentimentos dentro de mim, mas logo a curiosidade me venceu e comecei a folhear e descobrir um monte de coisas novas”, conta a aluna Emilly Geovana Rodrigues Moraes.

Há mais de dez anos trabalhando com o Diário em sala de aula, a professora Sônia Rodrigues destaca que ao início de cada ano letivo as crianças já começam a cobrança pelas produções de atividades com o uso do impresso.

“Como no ano anterior eles viam que os alunos do 5º ano realizavam trabalhos com o Diário, este ano, desde os primeiros dias de aula eles já perguntavam quando voltariam as ações do Diário na Escola, porque agora é a vez deles participarem do Programa!”, ressalta Sônia.

Neste primeiro contato, os estudantes puderam bagunçar o jornal na busca daquilo que mais despertasse interesse e também conhecer cada página deste material que vai acompanha-los todas as semanas.

De imediato os meninos fizeram sua primeira parada no caderno de Esportes, já as meninas, correram para encontrar os resumos das novelas, e as previsões do horóscopo. Dentre a diversidade de conteúdos presentes no impresso, as crianças também descobriram que é possível se divertir. “Achei o máximo as palavras cruzadas, não sabia que no Diário também tinha, é um oportunidade que eu vou ter para me distrair e aprender ao mesmo tempo”, disse a aluna Nicole Silva Martins.

“Perceber esta motivação dos estudantes é gratificante para mim. Ter a oportunidade de trabalhar com um material diferente auxilia e facilita minhas funções como educadora. Além de proporcionar bons momentos com o jornal em sala, quero disponibilizar o impresso para levarem para casa, e quem sabe assim, terem momentos de leitura em família”, ressalva a professora.

Na etapa de leitura livre, a crônica da Lu Oliveira, na coluna Francamente, chamou a atenção da aluna Daiane da Silva Teixeira. “A escritora conta sobre a desagradável experiência de ter sido picada pelo mosquito transmissor da Dengue, algo que parece tão distante da gente, mas parando para pensar, pode acontecer com qualquer um de nós, por isso a prevenção é tão importante”, fala.

Com o comentário de Daiane, a turma toda passou a discutir sobre o assunto. Atenta, a professora aproveitou a oportunidade para conscientizá-los sobre a doença. A aula ficou ainda mais dinâmica com a visita da gerente de endemias do município, Maria Tereza Severino que falou sobre como prevenir a proliferação do Aedes Aegypti.

“A partir desta notícia do jornal, e também com o enfoque que a mídia tem feito no assunto, a minha próxima atividade com as crianças será leva-las a campo. Vamos sair pelas ruas em volta da escola, com luvas e sacos plásticos para recolher todo o lixo que estiver espalhado nas valetas, calçadas e terrenos baldios”, comenta Sônia.

Manchete do Diário incentiva projeto sobre dengue

Categorias: atividades, escola, exposição, informação, saúde

Com a temporada de chuvas, as chances de se acumular água em lixos, vasos e pneus aumentam, elevando também os casos de proliferação do mosquito Aedes Aegypti. De acordo com o último relatório divulgado pela secretaria de saúde de Maringá, já foram registradas 2.927 suspeitas de dengue no município, além de 648 casos positivos e duas mortes. Esse assunto tem preocupado a população e foi destaque de capa no jornal O Diário do Norte do Paraná.

A partir disso, a professora Suelena Yoshi Giraldelli Jaqueta, que leciona na Escola Municipal Professor Domingos Laudenir Vitorino em Itambé, criou um projeto com o objetivo de conscientizar alunos e pais sobre as consequências sofridas por aqueles que são picados pelo mosquito.

“A matéria publicada no Diário apontou os casos de dengue nos municípios que compõem a 15ª Regional de Saúde, o que inclui Itambé, cidade que já notificou 16 casos da doença. No ano passado tive vários alunos que foram picados pelo mosquito e percebi que era o momento de fazer algo para que o atual número não aumente”, conta a professora.

Suelena convidou a enfermeira do Posto de Saúde da cidade, Mara Leopoldino do Carmo Nardi, para realizar uma palestra com as crianças sobre como prevenir a proliferação do Aedes Aegypti. Mara apresentou vídeo informativo, panfletos e também um adesivo escrito “Detetive da Dengue”, para que assim as crianças se sintam motivadas a buscarem todos os focos de larvas e eliminá-los.

“Na atividade de leitura livre eu escolhi a matéria do Diário com a manchete ‘Saúde confirma duas mortes e 648 casos de dengue no ano’, com isso, quando começou a palestra pude tirar minhas dúvidas e até compartilhar de alguns exemplos que estavam na notícia, como por exemplo, o número de notificações da doença aqui em Itambé”, relata a aluna Ana Paula Pereira.

Na sala de informática os estudantes pesquisaram na internet todos os sintomas de quem é picado pelo mosquito e as formas de se prevenir da dengue.

“Fui picado no ano passado, enquanto eu lia sobre o assunto nos sites lembrei de tudo o que senti no período em que fiquei doente, realmente é horrível, não quero ser vítima esse ano novamente, por isso vou cuidar do quintal da minha casa e alertar meus vizinhos”, ressalva o aluno Douglas Amaral Rodrigues.

Depois de tantas informações relacionadas ao tema, os estudantes foram desafiados a produzirem um texto sintetizando tudo o que leram, ouviram e pesquisaram. E como tarefa de casa buscaram imagens e frases de efeito para a produção de cartazes.

“Decidi elaborar algo que ultrapassasse os muros da escola. Diariamente conscientizamos as crianças, mas é preciso mais do que isso. Os adultos, em especial, são os que devem fazer a diferença, por isso os cartazes confeccionados serão colados nas paredes do comércio da cidade visando chamar a atenção dos moradores de Itambé”, destaca Suelena.

CONEXÃO. A partir das informações adquiridas na leitura do jornal os estudantes foram para sala de informática dar continuidade às pesquisas

CONEXÃO. A partir das informações adquiridas na leitura do jornal os estudantes foram para sala de informática dar continuidade às pesquisas

Jornal na Escola: oportunidade de ensinar e aprender com notícias

Categorias: Sem categoria

DIARIONAESCOLADM15O Diário na Escola está de volta com suas atividades anuais. Além da retomada do envio dos jornais para as instituições de ensino, no próximo mês a equipe do Programa já oferecerá o primeiro encontro de capacitação de 2014.

Para conhecer a forma de trabalho do Diário na Escola, cursos de formação, promoções culturais e todos os projetos para este ano, convidamos para um bate-papo a jornalista especialista em mídia e educação e coordenadora do Programa, Loiva Lopes.

1. O DIÁRIO NA ESCOLA: Qual a importância em trabalhar as mídias, em especial o jornal impresso, dentro de sala de aula?

LOIVA: O jornal traz vida à sala, traz energia. A nova geração quer uma escola mais dinâmica e interativa. Muito longe da geração de nossos pais, os alunos hoje questionam e gostam de opinar. O professor que se propõe a experimentar o uso da mídia impressa, além de contar com novas possibilidades para a construção do conhecimento, terá, certamente, alunos mais interessados e participativos. Entre muitos avanços, logo irá perceber que estão mais informados e críticos quanto às questões sociais, políticas e econômicas do dia a dia.

2.      Como funciona a didática de trabalho do Programa?

Os alunos recebem na escola o jornal do dia. Isso acontece uma vez por semana, facilitando o trabalho do educador que terá tempo para desenvolver a leitura das notícias junto à prática pedagógica.

3.      As atividades desenvolvidas em sala de aula com uso do jornal O Diário têm a possibilidade de serem divulgadas no impresso?

O Programa tem uma página dentro do Caderno de Cultura do Diário destinada à divulgação das ações educacionais e culturais dos municípios e instituições parceiras do Programa. Nosso compromisso é mostrar o que está sendo realizado em prol da educação e reconhecer o esforço dos profissionais comprometidos com este objetivo.

4.      Aos profissionais da educação participantes do Diário na Escola, o que é oferecido?

São oferecidos cursos presenciais com profissionais especialistas, mestres, e doutores na área. As oficinas, com carga horária de 4 horas, são momentos valorosos em que os educadores têm a oportunidade de falar diretamente com os ministrantes e também desenvolverem atividades práticas com o jornal. Em todas as capacitações os professores levam para casa o material do curso ministrado, para que tenham a possibilidade de aprofundar seus conhecimentos, e diversificar, ainda mais, o trabalho desenvolvido com os alunos.

5.      O Programa realiza todos os anos o Concurso de Frases e o Concurso de Gibi, em 2014 estas promoções culturais permanecem?

Sim, permanecem! Nosso objetivo é sempre reconhecer o trabalho de alunos e professores, os concursos auxiliam e estimulam o desenvolvimento do trabalho em sala. O Concurso do Gibi, por exemplo, oferece capacitação específica ao profissional da educação.

6.      Atualmente as crianças e os adolescentes estão cada vez mais conectados com o mundo virtual e as redes sociais. Além da página do Diário na Escola, no jornal impresso, vocês também trabalham com as mídias onlines?

Nossa Fanpage e o Blog no portal odiario.com promovem a troca de informações entre alunos, professores e público em geral com a equipe do Diário na Escola, como também, divulgação de atividades, novidades e oportunidades da área de educação e cultura, dicas de ortografia e eventos.

7.      Como funciona a visita monitorada na sede do grupo O Diário?

O Programa recebe durante o período escolar – na sede do Jornal O Diário do Norte do Paraná – visita de alunos (grupos de até 30) que têm a oportunidade de conhecer o processo de produção do jornal. Através do passeio monitorado por jornalista os visitantes conhecem o parque gráfico, redação, pré-impressão, sistema de distribuição do jornal, arquivo de exemplares e a rotina de trabalho dos profissionais destes setores.

8.      A concessionária de rodovias Viapar está subsidiando neste ano a participação de mais de 700 alunos no Programa. Como os interessados podem fazer inscrições para receber este patrocínio?

Os interessados devem entrar em contato com a equipe do Diário na Escola para participar do processo seletivo, também é importante ter uma pessoa previamente designada a acompanhar o calendário de atividades do Programa.

  • por: Nayara Spessato
  • Postado em: 27 de março de 2014 às 14:13
  • tags:

CRONOGRAMA DE CAPACITAÇÕES 2014

Categorias: Comunicação e Educação, debate, educação em pauta, fora da escola, informação, língua portuguesa, Oferta de cursos, oficina, palestra

Abril: Estrutura do jornal – Como trabalhar o impresso em sala de aula

Todos os anos o Programa recebe profissionais que não tem nenhuma experiência com a utilização do jornal na escola. Por isso é importante que os participantes iniciem as atividades munidos de ferramentas que possibilitem o desenvolvimento de um bom trabalho em sala. E é sempre válido reciclar e oferecer novas alternativas de produções contemplando não somente a língua portuguesa, mas a interdisciplinaridade.

Junho: Gêneros publicitários no jornal – Anúncios e Classificados

Os professores serão chamados a pensar sobre os gêneros publicitários do jornal, com enfoque nas suas estratégias argumentativas. Sem dúvida, um estudo fundamental para exploração de leitura crítica dos alunos.

 Agosto: Humor no jornal – Histórias em Quadrinhos

A proposta desse ano será focar na presença do humor nesse tipo de gênero, de modo que as produções dos alunos possam incorporar esse traço de estilo. Esta capacitação é oferecida visando a participação no Concurso de Gibi.

Agosto: O jornal e os diferentes tipos de entrevista

O gênero entrevista será contemplado de forma a reconhecer suas condições de produção e os desdobramentos que ele possibilita, quando inserido na estrutura de outros gêneros.

Outubro: Relacionando Gêneros com o Jornal – Carta do Leitor X Carta Pessoal

Nesta oficina, serão feitas análises comparativas dos gêneros em questão procurando pontuar suas especificidades, focando principalmente na Carta do leitor que é um gênero textual presente no jornal. O gênero será trabalhado em seus três constituintes: tema, estrutura e estilo.

 Novembro: Práticas Pedagógicas – Troca de Experiências

Tem como objetivo promover o relato e a troca de conhecimento entre os professores. Serão selecionados educadores para apresentarem os trabalhos realizados com os alunos a partir do uso do jornal. Todos tem a chance de participar, é necessário somente que enviem o resultado de suas produções para a equipe do Programa durante este ano.

O Diário na Escola capacita professores

Categorias: curso, debate, fora da escola, oficina, prática pedagógica

O Programa está de volta. A partir de hoje, todas às terças e quartas-feiras, mais de 300 professores vão receber exemplares do jornal O Diário para desenvolver atividades em sala de aula que incentivem o interesse pela leitura e cidadania, com cerca de oito mil alunos.

O DIARIO NA ESCOLA_3Assim como nos anos anteriores, a equipe do Diário na Escola tem a preocupação em oferecer cursos de formação que mantenham os educadores atualizados e os auxilie nas estratégias de ensino melhorando o desempenho dos alunos.

“A assessoria pedagógica aos profissionais da educação, sempre esteve entre as prioridades de atendimento do Programa. Neste ano vamos manter a experiência iniciada em 2013, procurando alinhar as temáticas dos cursos, ao currículo escolar dos alunos de 4º e 5º ano do ensino fundamental. O foco é contribuir para que o professor possa fazer um bom planejamento, aplicando o que viu nas oficinas, em sala de aula”, destaca a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes.

A professora mestre, Maísa Cardoso ressalta que levando em conta o fato do professor estar em constante formação e que não deve parar de aprender, as oficinas cumprem um papel fundamental neste processo. “Participar do Programa é investir na formação profissional, consequentemente, melhorar a cada dia a qualidade das aulas ministradas e os resultados obtidos com os educandos”.

Os cursos oferecidos pelo Diário na Escola são todos presenciais e com carga horária de quatro horas cada. Nos encontros os participantes recebem material didático a respeito da temática, o que torna possível aprofundar conhecimentos e diversificar o trabalho desenvolvido com os estudantes.

ODIARIO_ESCOLA_JPS (24)“Conheço o Programa desde 2001 e trabalho com o Diário em sala de aula há mais de seis anos. Sempre volto das formações com mais aprendizado do que eu esperava, este ano já estou ansiosa para os novos conteúdos que serão apresentados, afinal, é uma excelente oportunidade que tenho de crescer em minha vida profissional”, comemora a professora da rede municipal de Marialva, Amélia Horita.

A professora da rede municipal de Maringá, Lucilene Leite expõe que as capacitações vêm ao encontro do trabalho que precisava desenvolver com os alunos. “Com uma boa explicação e abordagens pertinentes, as atividades em sala ficam mais simples de serem propostas”.

Maísa revela que o cronograma de discussões das formações oferecidas pelo Diário na Escola para este ano foi pensado para atender às necessidades das escolas, como também procurar cada vez mais incluir teoria e prática, buscando a aplicação das discussões em sala.

“A expectativa para 2014 é dar continuidade ao trabalho iniciado no ano passado, ora trazendo novos gêneros para estudo, ora estudando gêneros já vistos sob outro enfoque. Esperamos, dessa forma, tanto atender aos professores que entram agora no Programa, quanto continuar estimulando aqueles que já estão conosco desde anos anteriores”, enfatiza a professora doutoranda Adélli Bazza.

Educação no trânsito

Categorias: Ação Social, cidadania, crianças, oficina, segurança, trânsito

ANUNCIO OFICINA DE TRANSITO (2) (1)Com o objetivo de ensinar as crianças sobre as obrigações e os deveres dos pedestres e motoristas, a VIAPAR recebe em sua sede grupos de alunos toda semana para a participação na Oficina de Trânsito.

No auditório da empresa, além de uma pequena palestra sobre segurança no trânsito, os visitantes assistem a vídeos relacionados ao assunto. Em seguida, vão até uma mini-rodovia lá existente, com pistas, placas, semáforo e passarela em tamanho reduzido, construída especialmente para essa finalidade. E ainda conhecem o Centro de Controle e Operações (CCO), um dos mais modernos do País.

Ao final é servido um delicioso lanche, além da entrega de brindes e material informativo.

Caso a instituição de ensino não possa levar os alunos até a sede da VIAPAR, a empresa disponibiliza uma equipe que vai a escola e realiza a Oficina Itinerante com atividades de conscientização sobre o trânsito.

Entre em contato pelo telefone (44) 3033-6000 e agende um horário para a Oficina de Trânsito ou solicite a Oficina Itinerante em sua escola!

Empresas têm oportunidade de contribuir para a formação escolar

Categorias: campanha, cidadania, institucional, parceria, Sobre O Diário na Escola

No momento em que se busca uma melhor qualidade de vida, em especial para as crianças, o setor privado é desafiado a ter uma participação social mais efetiva cooperando na tarefa de oferecer uma educação de maior eficácia nas escolas.

A parceria empresa e escola assegura o compromisso do setor empresarial em construir um mundo economicamente desenvolvido e socialmente justo.

Atualmente a capacidade de atendimento das redes de ensino já é suficiente para atender quase todas as crianças de sete a 14 anos, muito embora parte dos ambientes escolares estejam em condições precárias. No entanto, o problema atual do ensino não é em relação ao acesso, mas à permanência e o aprendizado do aluno.

Quando a empresa associa seu produto a uma causa nobre, se valoriza, inclusive, diante dos próprios funcionários. Melhorando sua comunidade, estará também reduzindo os problemas do seu entorno.

A equipe do Diário na Escola acredita que a relação entre o setor privado e escolas se caracteriza como uma parceria, uma colaboração entre instituições que compartilham objetivos ou interesses comuns.

Se a empresa puder oferecer meios para que os alunos visitem suas instalações, será uma ótima experiência para eles, principalmente pela oportunidade de conhecer espaços onde possam acompanhar os vários estágios da elaboração de um produto ou serviço.

A concessionária de rodovias Viapar é parceira do Diário na Escola e somente neste ano subsidiou a participação de quase 900 alunos no Programa. Oferecendo semanalmente a crianças e adolescentes o recebimento de exemplares do Diário para atividades, acesso à informação e o despertar do hábito da leitura. Fatores que os tornam cidadãos mais atuantes e críticos em relação às problemáticas da sociedade.

Oficina de Trânsito Itinerante da Viapar realizada na Fundação Isis Bruder – uma das 12 instituições que recebem o subsídio da concessionária para a participação no Programa

Oficina de Trânsito Itinerante da Viapar realizada na Fundação Isis Bruder – uma das 12 instituições que recebem o subsídio da concessionária para a participação no Programa

Em parceria com o Diário na Escola a Viapar realizou diversas Oficinas Itinerantes nas instituições de ensino que fazem parte do Programa. Proporcionando aos estudantes palestras sobre segurança no trânsito, exibição de vídeos relacionados ao assunto e a entrega de brindes.

Empresas que venham a ser parceiras do Diário na Escola podem mais do que disseminar a informação no ambiente escolar e motivar trabalhos de leitura e escrita, estas ainda têm a oportunidade de realizar promoções culturais, a exemplo do Concurso de Frases sobre a Semana Nacional do Trânsito no qual a Viapar desenvolve com o Programa, oportunizando ao aluno expor talentos e receber prêmios.

“Dos vários projetos que a Viapar têm apoiado, o Diário na Escola merece atenção especial, pois considero fundamental trabalhar com a educação infantil. É compensador ver o resultado dessa parceria da concessionária junto ao Diário”, afirma o presidente da concessionária, Marcelo Stachow Machado.

O Colégio Estadual Alberto Jackson Byington Júnior, de Maringá, recebe exemplares do Diário semanalmente devido ao subsídio oferecido pela Viapar. “Com o jornal em sala incentiva-se o prazer da leitura, o que gera melhora no aprendizado. O impresso oportuniza aos alunos o acesso a vários gêneros textuais que circulam na sociedade, bem como, tornar-se um ser mais analítico e competente da cultura letrada”, destaca a diretora do colégio, Ivânia Ávila.

O assessor de comunicação da concessionária, Marcelo Bulgarelli destaca que a transformação da sociedade passa pela educação. “Utilizar o jornal como ferramenta pedagógica é uma forma de estimular o hábito da leitura entre as crianças e até mesmo entre os professores. Os alunos comentam sobre os fatos do dia a dia amadurecendo o senso crítico”.

A coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes enfatiza a importância dos parceiros. “Estamos trabalhando com a expectativa de aumentar em 2014 o número de empresas patrocinadoras para que possamos atender as escolas que nos procuram todos os anos com o interesse em participar das atividades do Programa”.

Além de beneficiar diretamente o aluno, a atuação conjunta entre empresa e escola se transforma em lição de cidadania. Se você deseja ser um parceiro e subsidiar alunos, entre em contato com a equipe do Diário na Escola pelo telefone (44) 3221-6050 ou pelo e-mail: loivalopes@odiario.com

O Diário na Escola: aprendizado dinâmico e ensino qualitativo

Categorias: atividades, Comunicação e Educação, Concursos, educação em pauta, eventos, institucional, oficina, palestra, parceria, visita

Desde 2001 o programa educacional O Diário na Escola, que é alinhado ao modelo “Jornal e Educação” da Associação Nacional de Jornais (ANJ), é desenvolvido pelo O Diário do Norte do Paraná.

Em parceria com as Secretarias de Educação de Maringá e região e também empresas privadas, o programa tem por objetivo estimular nos alunos o gosto pela leitura contribuindo com o estudo de diversos conteúdos, formação cidadã e o desenvolvimento do senso crítico dos envolvidos.

Atualmente O Diário na Escola está presente em 117 instituições de ensino atendendo aproximadamente oito mil alunos e 300 educadores, em 19 municípios. Além de realizar concursos culturais, o Programa tem como prioridade oferecer encontros de formação aos professores e oficinas pedagógicas aos estudantes, a fim de maximizar a utilização dos jornais enviados às escolas e propiciar um novo olhar sobre os textos de circulação social.

“O Diário na Escola permite o trabalho com a diversidade textual, além de proporcionar aos alunos o contato com o jornal, algo que muitos não tem acesso fora da escola. Permite também que os pais possam ler as notícias com seus filhos, pois eles pedem o jornal para levar para casa”, conta a professora da Escola Municipal Alfredo Sofientini, de Astorga, Valéria Nunes de Jesus.

Capacitação

foto materia dois“Trabalho há muitos anos na mesma escola. Fui coordenadora pedagógica, diretora e hoje sou professora do 5º ano. De início foi uma resistência para meus superiores entenderem a importância do Programa, mas assim que assumi a direção junto à nova secretaria de educação, conseguimos. E hoje, trabalhando com meus alunos vejo que não foi em vão a insistência. As crianças adoram o jornal e são leitores assíduos. Através dos encontros, estou me capacitando e levando conhecimento aos estudantes”, destaca a professora da Escola Municipal Menino Jesus, de Uniflor, Cristiani Maria Baptista Gati.

Alunos do ensino fundamental e médio, de escolas públicas e particulares, entre outros ambientes educativos como comunidades sociais e abrigos, são o público alvo do Diário na Escola. As instituições parceiras recebem os jornais semanalmente para desenvolverem atividades e os trabalhos realizados a partir da leitura do jornal O Diário são publicados nas colunas semanais do programa, no caderno de Cultura, e nas mídias onlines, a exemplo do blog, facebook e twitter do Programa.

Os profissionais da educação recebem assessoria pedagógica especializada nos encontros de capacitação, palestras com grandes nomes das áreas de educação e comunicação, materiais de apoio com sugestões de atividades para o trabalho interdisciplinar com o impresso, atendimento da equipe do Diário na Escola para suprir dúvidas, bem como visita as escolas.

Em 2013, foram realizados os seguintes encontros de capacitação: “O jornal como aliado para os estudos da Prova Brasil”; “A diversidade dos gêneros no universo jornalístico”; “Artigo de Opinião: um espaço de argumentação no jornal”; “Histórias em quadrinhos: linguagens e ludicidade nas produções textuais”; “Notícia e Reportagem – bastidores e processos de produção” e “O professor na sala de aula – buscando estratégias de superação do mal estar docente”.

Concursos

CColuna Jornal Semana Nacional do Transito - 2013O Programa realizou nos meses de setembro e outubro duas promoções culturais: Concurso de Frases sobre a temática da Semana Nacional de Trânsito (6ª edição) e Concurso de Gibi (8ª edição). Ambos têm como objetivo propiciar que crianças e adolescentes, juntamente com seus professores, desenvolvam um trabalho de leitura crítica diante dos assuntos relacionados às notícias veiculadas nas páginas do jornal e produzam diferentes gêneros textuais.

anúncio“Tivemos dois alunos premiados no Concurso de Frases, é uma enorme satisfação. Em especial, porque as crianças vencedoras apresentavam dificuldade de aprendizado em sala de aula, com a vitória mostramos não só para elas, mas para os colegas, que com dedicação e esforço, tudo é possível”, enfatiza Vilma Spinella, assessora pedagógica na secretaria de educação de Astorga.

A vencedora do Concurso de Gibi na categoria “escolas da região” foi Gabriela Fusco dos Santos. A mãe, Maria Cristina Fusco conta que a filha é dedicada em tudo o que faz. “Ela esteve realmente empenhada no período de produção da história em quadrinhos. Concursos como este incentivam as crianças a buscarem o sucesso”.

Dia das CrinaçasEm comemoração ao Dia da Criança foi lançada a promoção cultural online “Livro também é diversão!”. Para participar bastava acessar o regulamento e o formulário de inscrição pelo blog do Diário na Escola e contar como faz para estimular a leitura da criançada. Podendo ser filho, neto, sobrinho ou aluno. O autor da história mais criativa recebeu seis livros de histórias infanto juvenis.

“Com tantas opções tecnológicas as crianças estão se afastando do contato com os livros. Quero que na vida do meu filho isso seja diferente. Percebo que o ato de ler é algo prazeroso para ele, e espero que continue assim”, enfatiza a mãe do ganhador e incentivadora do hábito da leitura, Leia Rachel Teixeira de Souza.

Visitas monitoradas

QUARTOANOVITORBELOTIDM3Os participantes ainda podem conhecer a sede do grupo O Diário, onde é apresentado aos visitantes todo o processo da produção da notícia até o sistema de impressão e distribuição do jornal nas casas, escolas e empresas.

“É importante para o aluno conhecer o espaço físico da empresa jornalística, conversar com os funcionários, tocar os equipamentos, tudo isso faz com que ele volte pra a sala de aula com um olhar diferente. As crianças estão mais abertas do que imaginamos para a leitura crítica da mídia”, conclui a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes.

Jornal na escola resulta em leitores competentes e aulas interessantes

Categorias: atividades, charge, cultura, exposição, prática pedagógica

Vivemos dias em que as crianças passam cada vez mais horas no telefone celular e na internet, o que tem dificultado o interesse dos pequenos pela leitura de jornais. Algo fundamental para formar leitores habituais e cidadãos bem informados.

Apresentando textos com características distintas, fotografia e recursos gráficos, os jornais são uma fonte respeitada para pesquisa e obtenção de informação sobre o mundo atual. Além disso, eles se modernizaram e passaram por reestruturações gráficas e editoriais para proporcionar uma compreensão mais agradável de seu conteúdo.

Buscando ampliar as opções de leitura e o conhecimento dos alunos do 5º ano da Escola Municipal São Jorge, de São Jorge do Ivaí, a equipe pedagógica tem desenvolvido atividades utilizando como suporte os exemplares do Diário recebidos semanalmente.

“No decorrer dos trabalhos foi perceptível o quão importante e necessário é o Diário na Escola. O jornal foi um recurso indispensável para o estudo dos diversos gêneros textuais contribuindo e auxiliando não só na prática do ler, como também da escrita. Por meio deste trabalho os estudantes adquiriram prazer pela leitura e aumentaram seus interesses por textos diversos”, destacam as professoras do 5º ano, Edna Volpato, Simone Gregório e Rosangela Oliveira.

Para finalizar as propostas didáticas com o jornal neste ano e avaliar o conhecimento dos alunos, as educadoras elaboraram um mural no qual as crianças especificaram os diferentes tipos de textos que podem ser encontrados no Diário: artigos, crônicas, resumos, entre outros. Para a realização da atividade foi entregue aos estudantes várias páginas do impresso, e em grupos eles fizeram a análise e seleção das publicações.

DSC04206“No começo foi complicado direcionar os trabalhos pela diversidade de informações e os vários exemplares de jornal. Os alunos queriam colocar todas as reportagens, notícias e charges, eles ficam eufóricos com o material”, conta a professora Edna.

Depois de todo o conteúdo já recortado das páginas do Diário, o desafio era montar colunas com os títulos de cada gênero textual que encontraram no impresso. “Neste momento a participação foi efetiva. As crianças discutiram, deram sugestões, opinaram sobre os recortes dos outros grupos e quando tudo foi decidido, nos sentamos em volta do mural e juntos finalizamos o trabalho de colagem”, relata a professora Simone.

Com esta atividade o aluno Carlos Daniel Sarzi Vieira disse que passou a entender melhor o que é o jornal. “No meu primeiro contato com o material pensei que era somente um monte de informações juntas”. E o amigo Leonardo Aparecido Tramarim completa enfatizando que “o impresso informa, apresenta notícias, e também orienta e ajuda as pessoas, como pode ser visto, por exemplo, no caderno de classificados”.

PB260009

Programa realiza encontro de encerramento com apresentações e palestra

Categorias: Comunicação e Educação, educação em pauta, palestra, prática pedagógica

DIARIO NA ESCOLA RL1As atividades do Diário na Escola neste ano estão chegando ao fim e a equipe do Programa realizou na sexta-feira (29) o último encontro com os profissionais da educação das instituições de ensino parceiras.

A partir da temática “O professor na sala de aula – buscando estratégias de superação do mal estar docente” a professora doutora em psicologia escolar, pela USP, Rachel de Maya Brotherhood ministrou a palestra principal do evento.

A ministrante destacou que atualmente o professor assumiu novas tarefas e responsabilidades dentro da escola. As crianças chegam a sala de aula com diferentes valores e culturas e o profissional da educação tem que se adequar a esta realidade. “Acredito que o mal estar docente é uma mistura da massificação do ensino com a desvalorização do educador, o que gera um enorme descontentamento”, destaca Maya.

DIARIO NA ESCOLA RL13Outro apontamento feito por Raquel enfatiza as exigências profissionais, que em alguns casos, ultrapassam os recursos e ferramentas disponíveis ao professor. Desta forma são constatados altos índices de tensão, frustração e depressão nos profissionais que trabalham diariamente dentro da sala de aula.

A professora que leciona para o 4º ano da rede municipal de Maringá, Cleonice Sebastião Teixeira Marques compartilhou sua experiência sobre o mau comportamento dos alunos. “Algumas crianças ultrapassam todos os limites, me respondem e até humilham. Quando vou reclamar com os pais, eles dizem que o filho é assim mesmo, e que não sabem mais o que fazer”.

Maya, neste momento, enfatizou que Cleonice deve impor limites ao aluno, e deixar claro o que pode e o que não pode ser feito em sala de aula. “Respeito é o mínimo em uma relação entre docente e educando”.

Para melhorar esta realidade a palestrante deixou algumas sugestões aos participantes do encontro. “O professor tem de lutar por aquilo que considera certo e verdadeiro. Ainda é preciso elevar o reconhecimento e o status social do profissional da educação e isto só é possível em trabalho colaborativo. Lembrem-se, sozinhos não conseguimos nada!”

O jornal no aprendizado

No encontro de encerramento também foram valorizadas as melhores práticas pedagógicas desenvolvidas com o jornal em 2013. Cinco educadoras foram selecionadas para apresentarem seus trabalhos a todos os participantes do evento, e assim serem reconhecidas pelas boas propostas aplicadas.

Rosangela da Silva Oliveira é professora do quinto ano na Escola Municipal São Jorge, em São Jorge do Ivaí, e recebeu destaque devido à atividade em que após o estudo do caderno de classificados, do Diário, seus alunos criaram anúncios se oferecendo para trabalhar. As crianças abusaram da imaginação e entre as ofertas de emprego era possível encontrar de modelo a auxiliar de dentista, com salários de sete a 10 mil reais mensais.

“Os alunos me surpreendem nos resultados dos trabalhos realizados com o jornal. Quando o Diário na Escola publica nossas atividades tenho a sensação de dever cumprido e com sucesso!”, comemora Rosangela.

Entre as educadoras em evidência há também uma bibliotecária, Priscilla Kelly Bressan trabalha no Colégio Estadual Alberto Jackson Byington Júnior, de Maringá, e participa do Programa através do subsídio oferecido pela Viapar. Priscilla desenvolveu o “Projeto Nova Escrita” no qual os alunos do 3º ano do ensino médio passaram seus horários de intervalo na biblioteca solucionando as palavras cruzadas do caderno de cultura do Diário, mais do que um passatempo a atividade buscou auxiliar o estudante a escrever com fluência, argumentação e criticidade.

E o projeto não pára por aí! Com o objetivo de preparar os adolescentes para as provas do ENEM, PAS e Vestibular UEM, toda sexta-feira Priscilla escolhia uma matéria do jornal para que o estudante desenvolvesse uma produção de texto durante o final de semana e a corrigia na semana seguinte.

“Acredito nos alunos e na competência de cada um, por isso acho extremamente válido aproveitar todo o tempo que eles estão na escola, inclusive os 15 minutos de intervalo. Por esperar um futuro melhor para toda a sociedade é que estou sempre criando novas atividades que deixem algum significado na vida do estudante”, ressalta Priscilla.

Amélia Watanabe Horita leciona aos quintos anos da Escola Municipal Dr Milton Tavares Paes, de Marialva. A proposta realizada por ela foi baseada no desejo de leitura de seus alunos. A professora percebeu que nas conversas sobre as notícias publicadas no Diário algumas crianças se manifestavam insatisfeitas com os temas lidos, e então Amélia decidiu dar voz aos estudantes. Cada aluno escreveu um texto sobre o que gostaria de ler no jornal. Entre as produções foi possível encontrar temáticas que revelaram de preocupações ambientais a questões que envolvem drogas e violência.

“As aulas com o impresso sempre geram bons debates. Percebo que além do estímulo à leitura e escrita, as crianças avançaram na argumentação, vocabulário e oralidade. Fico muito feliz, pois os estudantes têm levado o jornal para realizar leitura familiar em casa”, relata Amélia.

A partir do desafio do 7º Concurso de Frases do Diário na Escola, no qual os alunos deveriam escrever frases de efeito sobre os riscos em misturar álcool e drogas com a direção de veículos, a professora do 4º ano da Escola Municipal Professor Midufo Vada, de Maringá, Aline Romero da Silva foi a fundo no assunto e desenvolveu uma série de atividades com seus alunos sobre a temática.

Aline realizou leitura com notícias sobre fatalidades no trânsito, levou os estudantes até a sala de informática para a exibição de vídeos e propôs debates.

“Este foi o primeiro ano em que trabalhei com o jornal em sala de aula e a experiência tem sido a melhor possível, espero em 2014 ter a oportunidade de continuar no Programa, porque além do Diário na Escola ser muito bom para o auxílio no aprendizado dos meus alunos eu também tenho conhecido muitas coisas novas com os relatos práticos de outras educadoras”, conta Aline.

Na Escola Municipal Professora Maria Clestina, de Astorga, a notícia de uma Araucária que cresce em meio ao asfalto gerou polêmica. A professora Edna Coutinho coordenou um movimento pela preservação da árvore, junto com seus alunos do 5º ano. As crianças foram até o pinheiro, estudaram a espécie, fizeram trabalhos e até um site contando a história da árvore que eles resolveram chamar de “Tesouro Verde”.

“A proposta que desenvolvi me fez sentir difusora da cidadania, não só pela veiculação na mídia, mas também por ter gerado consciência crítica na comunidade de Astorga. Estar no encontro de encerramento compartilhando experiências é positivo e necessário para o crescimento pessoal de todos nós, professores”, acrescenta Edna.

_S7Q4390

VITORIOSAS. Educadores que apresentaram as melhores práticas com o jornal, ao lado da coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes e a jornalista, Nayara Spessato

O Diário na Escola

odiario.com 2010 - 2014 © Todos os direitos reservados à Editora Central Ltda.