Mês: outubro 2010



Procura-se um gênio

A professora de Língua Portuguesa, Nilza Guidini Valentini, do Colégio Estadual “São Francisco de Assis”, de Ivatuba, desenvolveu com alunos da 6ª série atividades com gênero narrativo em reportagens, com ênfase no assunto produtos/pirataria. De acordo com a educadora, que é graduada em Letras e Mestre em Educação, “entre as atividades realizadas trabalhamos com estratégias e níveis de leitura, pesquisa, entrevistas, debates e produções escritas, as quais resultaram em produções muito boas”.

O texto de opinião que segue é resultado do referido trabalho. A autora é a aluna Helena Cavichioli Dante. Confira:

Procura-se um gênio
Toda vez que abrimos um jornal ou assistimos a um noticiário, lá está a temida notícia para as empresas, fábricas…
A verdade é que isso tornou-se mais comum e rotineiro que tomar banho! Meu Deus! O que está acontecendo? É tão difícil assim por um fim a pirataria?
Sim, é difícil. Com tantas informações que temos, e esse mal ainda prevalece… Talvez seja preciso resgatar algum gênio do passado… Platão, Leonardo da Vinci… Ou então criar uma poção mágica. Quem sabe, realizar essas façanhas seja mais fácil que combater a pirataria!
Isso tudo só mostra, escancara cada vez mais como é difícil controlar esta situação.
É que o problema está nos consumidores. Para quê gastar 20,00 reais em um filme, se com 8,00 consegue-se dois? Mas, que moral temos para julgar quem compra produtos pirateados? Quem nunca fez isso? Pirataria é crime! Mas todos praticam, sem remorso algum, colaboram para esse mal que atinge grandes fábricas, mas que põe comida na mesa de um simples camelô.
Se por um “milagre” a pirataria acabar, o que vai acontecer com os vendedores deste produto? Passar fome?
Há toda uma questão moral e econômica em torno da pirataria. Um jogo de “palitos”, onde mexer um significa mexer todo o resto, e então, você “perde a vez”.
Bom, se ainda não surgiu nenhum gênio que acabe de vez com este problema, corte o mal pela raiz, não serei eu quem se arriscará a “solucionar” este “quebra-cabeça”!

Gostou? Deixe seu comentário.

1 Comentário


Flórida revela três vencedores em Olimpíada de redação

A IV Olimpíada de Redação do Núcleo Regional de Educação de Maringá envolveu todas as escolas da cidade e da região e vai premiar, no mês de novembro, as melhores redações do 1º, 2º e 3º ano do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A aluna Rafaela Picinin, de 14 anos, do Colégio Estadual Denise Cardoso de Albuquerque, de Flórida, foi orientada pela professora de Língua Portuguesa, Adriana Favarin Marmentini, e conquistou o primeiro lugar na categoria ‘1º ano do Ensino Médio’. O tema da olimpíada foi ‘Causas e consequências das drogas no trânsito, na família e na sociedade’, cuja intenção foi de trabalhar a conscientização dos jovens sobre alguns problemas sociais.

Como prêmio, Rafaela ganha uma bolsa de estudos de língua estrangeira. Mais dois alunos do colégio também foram classificados, o segundo e o terceiro lugar da mesma categoria ficou com Natália Cesnik e Leonardo Del’Bianco Larocca, respectivamente. Na noite de ontem, na Igreja Matriz, o anúncio dos vencedores foi feito para os alunos, professores e a comunidade em geral.

Comente aqui


“O trabalho enobrece a criança. Antes trabalhar do que roubar”

Esse argumento é expressão de mentalidade vigente segundo a qual, para crianças e adolescentes (pobres, pois raramente se refere às das famílias ricas),  trabalho é disciplinador: seria a ‘solução’ contra a desordem moral e social a que essa população estaria exposta. O roubo – aí conotando marginalidade – nunca foi e não é alternativa ao trabalho infantil. O argumento que refuta esse é, ‘antes crescer saudável que trabalhar’. O trabalho infantil marginaliza a criança de família com poucos recursos das oportunidades que são oferecidas às outras. Sem poder viver a infância estudando, brincando e aprendendo, a criança que trabalha perde a possibilidade de, no presente, exercer seus direitos de criança cidadã, e perpetua o círculo vicioso da pobreza e da baixa instrução.

Do livro ‘Piores formas de trabalho infantil – um guia para jornalistas’

Comente aqui


Prática teoria prática

O Diário na Escola visa capacitar professores para que eles sejam o elo entre o Programa e os mais de 10 mil alunos cadastrados para trabalhar com o jornal na sala de aula. A pedido da diretora da Escola Municipal Afrânio Peixoto, de Ivatuba, Maria Luiza, realizamos oficinas que envolveram jornal, criticidade e conhecimento. Com base na Pedagogia Histórico-Crítica, fundamentada na Teoria Dialética do Conhecimento, a oficina ‘O jornal objeto de construção coletiva do conhecimento’ teve início através do diálogo, passando pela teoria e voltando à prática. Alunos de primeiro e segundo ano, em fase alfabetização, demonstraram o porquê que o município tem uma das melhores notas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) do estado.

Uma das atividades desenvolvidas durante o encontro foi a de escolher imagens, atentar-se a ela e produzir uma continuação, seja em forma de história ou de desenho. O que permite o despertar de um olhar mais aguçado e trabalha com o lúdico, envolvendo a imaginação da criança com o jornal. A seguir dois trabalhos feitos por alunos do primeiro e segundo ano.

Comente aqui


98% das latas são recicladas

Mais de 98% das latas vendidas em 2009 foram recicladas, somando mais de 198 mil toneladas de alumínio. O Brasil é o líder mundial nesse quesito. As informações advêm da Associação Brasileira de Alumínio (Abal) e da Associação Brasileira dos Fabricantes de Lata de Alta Reciclabilidade (Abralatas). Em 2008, um pouco mais de 90% das latas foram reutilizadas, o que demonstra um significativo aumento de força de trabalho e uma economia de mais de dois mil gigawatts-hora (GWh). A Folha de São Paulo afirmou que esta energia seria suficiente para atender a cidade de Guarulhos, com mais de um milhão de habitantes,  por um ano.

Comente aqui


R$30 mil é prêmio do Concurso Google

A fim de trabalhar a consciência ambiental na infância, a Google, em conjunto com a ONG Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), promove o Concurso ‘Doodle 4 Google’ para alunos de seis a 15 anos, de todo o Brasil. As escolas podem inscrever os desenhos dos estudantes até dia 4 de novembro. A ideia é incentivar os jovens a debater sobre o ‘Brasil do Futuro’, portanto o tema é ‘a importância da consciência ambiental’. Cada aluno inscrito será representado por uma árvore plantada.

“Cada plantação terá uma criança sendo representada por sua criatividade e defesa do meio ambiente”, explicou William Aquino, diretor de comunicação da IBF. O vencedor ganha uma bolsa de estudo no valor de R$ 30 mil e vai ter seu desenho estampado na home do Google Brasil. A escola responsável pela inscrição do aluno será premiada com uma sala de informática Google, no valor de R$50 mil. O público poderá participar da votação on-line e o cartunista Ziraldo e o publicitário Sérgio Valente farão parte do júri final, resultado final será divulgado no dia 10 de dezembro. Mais informações pelo site www.google.com.br/doodle4google



Comente aqui


Faculdades promovem palestras gratuitas

A Faculdade Maringá e a Faculdade América do Sul, através do Projeto Cidadão Consciente, oferecem uma série de palestras gratuitas durante o ano letivo. Com inscrições abertas, amanhã, das 19h às 20h3o, a coordenadora do Programa Bom Aluno de Maringá ministra a palestra ‘O trabalho do psicólogo do terceiro setor’. No sábado (30), das 10h às 11h30, o tema é ‘finanças pessoais’ explorado pelo professor Juliano Alves Rodrigues. No dia 06,  ‘empreendedorismo’ e ‘a influência da publicidade na propaganda’ viram assunto das apresentações.  Mais informações e inscrições no site http://www.institutoparanaense.com.br

Comente aqui


Viapar encontra muitos objetos, mas nem sempre consegue achar os donos

Variedade de coisas que vai ficando pelo acostamento é grande, mas só 5% são procurados pelos proprietários

Localizar objetos perdidos em rodovias é uma das tarefas dos profissionais que integram a equipe de inspeção de tráfego da concessionária VIAPAR. Eles percorrem os trechos sob a administração da empresa a cada duas horas em média, em sistema de ida e volta, durante as 24 horas do dia. E o que para eles é rotineiro, poderia significar um grande alívio para muita gente que vai perdendo os próprios pertences pelo caminho. Poderia, mas não é o que acontece, pois apenas 5% são reclamado pelos donos, apesar de seu valor financeiro ou sentimental.

A lista é grande: são achados desde documentos como CPF, RG e CNH, a roupas de todo tipo, cobertas, travesseiros, bolsas e até mesmo rodado duplo de caminhão, para não falar em aparelho de TV, bicicletas e álbum de fotografias. Os mais corriqueiros, segundo a auxiliar de logística da empresa, Fátima Aparecida Zamboti, são varas de pescar, vale pedágio, óculos, placas, bonés, colchões, aparelhos de telefone celular e outros.

“Toda vez que encontramos alguma coisa, o problema passa a ser como achar o dono”, comenta a auxiliar. Ela explica que ao ser recolhido, um objeto enfrenta uma verdadeira peregrinação: é encaminhado até a praça de pedágio mais próxima, onde fica por 15 dias aguardando que o proprietário o procure. Isto não acontecendo, é levado para a sede da empresa em Maringá, onde permanece por mais 30. Esgotado esse segundo prazo, é enviado então para o setor de achados e perdidos dos Correios, enquanto que agasalhos, brinquedos e dinheiro em espécie seguem para entidades assistenciais. Sim, até isso vai ficando pelo caminho: no primeiro semestre, uma carteira com R$ 12,10 foi localizada e teve esse fim.

A malha da VIAPAR compreende 476 quilômetros nas regiões norte, noroeste e oeste do Paraná e, segundo a empresa, objetos são encontrados principalmente entre Campo Mourão e Corbélia, na BR-369 Sul.

SERVIÇO – O telefone da concessionária é 0800 601 6001. www.viapar.com.br

Da Assessoria de Comunicação da Viapar

Viapar
Comente aqui


Doenças cardíacas também afetam as crianças

Não é de hoje que a obesidade tem ligação direta com doenças cardíacas. Segundo estatísticas, desde 1980, o número de obesos, de seis a 11 anos, duplicou. De acordo com a pesquisa realizada pela British Columbia Children’s Hospital, as crianças não escapam dos problemas cardiovasculares, em que um dos principais vasos sanguíneos, a aorta, pode sofrer estreitamento, prejudicando a irrigação do corpo inteiro pelo sangue. O estudo verificou 63 crianças com aproximadamente 13 anos e observou que a deficiência no vaso sanguíneo não está diretamente ligada à pressão arterial e aos níveis de colesterol, por isso a doença pode se desenvolver silenciosamente nos pequenos. O objetivo agora é verificar se os exercícios físicos e a alimentação saudável são capazes de reverter o estreitamento da aorta.

Comente aqui


Enem: candidatos, saibam os locais de provas

Através do endereço do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Inep: www.inep.gov.br, os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem saber os locais de realização das provas, que acontecerão nos dias 6 e 7 de novembro.

Dúvidas serão esclarecidas pelo telefone gratuito do MEC 0800616161, até os dias das provas.

Comente aqui