Unesco promove estudo sobre bullying homofóbico

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lançou no dia seis uma consulta internacional sobre o bullying contra estudantes homossexuais nas escolas e universidades. O diretor de Educação pela Paz e pelo Desenvolvimento Sustentável, Mark Richmond, da Unesco, disse que “devemos trabalhar o bullying homofóbico nas escolas, porque jovens em todo o mundo são prejudicados por essa violência, infringindo o direito a uma educação de qualidade. O bullying influencia no desempenho dos alunos, bem como aumenta a taxa de evasão escolar”.

Um encontro ocorrido neste dia no Rio de Janeiro levou em conta o assunto e explorou a melhor maneira de apoiar alunos e professores LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), a fim de prevenir e combater o bullying e a discriminação homofóbica e transfóbica na escola.

Estudos recentes, como o “Discriminação em razão da Orientação Sexual e da Identidade de Gênero na Europa”, do Conselho da Europa, identificaram que jovens submetidos ao assédio homofóbico são mais propensos a abandonar os estudos. Eles também são mais predispostos a cometer automutilação, suicídio e se envolver em atividades que apresentam risco à saúde.

 

Se você quiser expandir o conhecimento sobre o assunto, assista ao filme “Prayers for Bobby”, que trabalha o assunto do preconceito e das consequências da exclusão de forma dramática, porém humana.

2 comentários sobre “Unesco promove estudo sobre bullying homofóbico

  1. Franciele Almeida 19 de dezembro de 2011 09:07

    polêmico isso já que até hoje não se sabe se os jovens nasceram gays ou se tornaram! E lembrando que termos como “gay”, “fag”, “bicha” são xingamentos hoje em dia.

  2. Alan Nascimento 19 de dezembro de 2011 09:08

    tá certo. o mais cedo possível as crianças precism entender que opção sexual não é opção de caráter.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.