Mês: julho 2012



Semana Literária/Feira do Livro – SESC Maringá

Confira a programação da 31ª edição da Semana Literária/Feira do livro, SESC 2012, que acontece de 10 a 14 de setembro e tem Dalton Trevisan como autor homenageado. “Reiventar-se em busca do leitor”.      

ESPAÇO DA HOMENAGEMDALTON TREVISAN

ESPAÇO  INTERATIVO DALTON TREVISAN- O Espaço retrata uma mini-praça em que o público poderá participar escrevendo uma carta ou um conto para Dalton Trevisan e depositará em um pote de histórias.

LEITURAS AO VENTO – LEITURAS AO VENTO – Projeto de Incentivo à leitura, destinado à crianças e Jovens.

São mais de 200 livros espalhados em varais para a leitura das crianças.

SINOPSE

O projeto Leituras ao Vento nasceu da iniciativa de dois professores: Maristela Melo Barroso, pedagoga e especialista em Administração Escolar; e Wagner Oliveira Candido, historiador e especialista em Metodologia do Ensino Superior. Nasceu  espontaneamente, a partir de suas idas em família à Praça da Catedral de Maringá, para estudar, ler um bom livro, brincar de bola, estender um lençol para relaxar junto ao gramado. Em um certo domingo do verão de 2011 surgiu a idéia: Por que não compartilhar nosso acervo de livros infantis e juvenis com as crianças e jovens que vinham passear na praça?

Local: ESPAÇO EXTERNO DA UNIDADE

EXPOSIÇÃO:

EXPOSIÇÃO: ERA UMA VEZ… VÁRIAS LEITURAS, MUITOS OLHARES

Na exposição vários artistas Maringaenses revisitam as obras dos Irmãos Grimm com a temática dos contos de fadas. As técnicas são variadas para proporcionar a sensação de retorno à infância.

Artistas: Lilia Lobo, Jorge Pedro, Rosane Carnielli  Mukai, Marcio Aveiro, Suzan Yoko Uehara, Camila Franco, Marialva Zacharias Violin(Maza), Enilson Violin, Francine Mello, Silvana Carmem Vendramini da Silva, Nilza dos Reis de Oliveira Santos,Valmir Batista da Silva

Local: Tenda das exposições

10/09 à 14/09

HORA DA HISTÓRIA: FADAS QUE NÃO ESTÃO NOS CONTOS – Uma confusão de contos clássicos. Autora Katia Canton

Contadora: Carla Morelli –

Local: Biblioteca

OFICINAS LITERÁRIAS

Publico: Educação Infantil ao 6º ano.

OFICINA RECRIAR-   A proposta da oficina de colagem é a recriação das personagens de Rapunzel e Chapeuzinho Vermelho,  utilizando técnicas de colagem que vão explorar  os contos a partir de elementos extraídos de vários suportes que estarão à disposição, como: livros, revistas e jornais, fotografias, imagens de propaganda e recortes visuais, com o objetivo de exercitar a sensibilidade de leitura criativa.

Local: Tenda das Letras

OFICINA DE HISTÓRIAS COLETIVAS: Amarrando Histórias no Caldeirão da Bruxa.

Um caldeirão com várias histórias misturadas e recortadas vão sendo retirados e os participantes criarão novas versões para os contos clássicos.

Local: Tenda das Letras

OFICINA DE LEITURA DE IMAGENS

A  oficina terá como suporte o caderno de imagens produzido pelo SESC.  A leitura de imagens possibilita que a criança reflita e crie através do texto não-verbal, outras idéias.

O caderno traz imagens de Chapeuzinho Vermelho , homem (lobo) e outros personagens que darão “asas” a imaginação.

Local: Tenda das Letras

10/09

SESSÕES-9H,10H,14H,15H

CONTAÇÃO  DE HISTÓRIAS

“OS TRÊS PORQUINHOS”-CIRCO TEATRO SEM LONA

Sinopse: O espetáculo é uma adaptação de Pedro Ochôa que também assina a direção. Apresenta o conto adaptado da literatura infantil “Os três porquinhos”. Uma comédia irreverente que busca a cumplicidade da criança por meio de estripulias teatrais com a linguagem circense

A Duração o Espetáculo é em torno de 50 minutos.

Público:Infantil e juvenil

Local: Salão de eventos do SESC

9H –

OFICINA DE POESIAS  

Mediador: Escritor Jaime Vieira

Explorar a brincadeira da linguagem,  entender a construção do poema com a utilização de várias técnicas como acróstico, valise, hai-cai entre outros.  Trabalhar a  experiência estética, vencer o medo da crítica e a retração da voz.

Jaime Vieira de Souza Filho, nascido em Marilia, Estado de São Paulo, Formado em Letras-UEM, Lecionou por muitos anos em escolas Públicas..

Público:Infanto-Juvenil
Local: Tenda dos Autores

10H

CINE SESC

Público: livre

Do Livro à Tela: Sessão de literatura comentada

Josué e o Pé de Macaxeira

Sinopse: Quando Josué troca seu único bem por uma macaxeira mágica sua vida muda completamente, principalmente após a descoberta de um castelo nas nuvens, onde vive um terrível gigante e seus tesouros.

Público: Infanto-Juvenil

local: sala 1

vagas: 30

15h

WORKSHOP 

De Volta a Terra do Nunca- Peter Pan  Escarlate

Escritor: Robert Marcel Fabris

Conteúdo:Biografia da autora ,leitura do 1ª capìtulo. conhecimento da capa. dinâmica literária.

Duração:50 minutos

Vagas:30

Sala 1

Público: Infanto-Juvenil

20H

MESA- “O BRASIL LITERÁRIO”

IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO E MARINA COLASSANTI

MEDIAÇÃO: Professor doutor- MILTON HERMES RODIRGUES

Sinopse: O romance de 30 apresentou um Brasil rural, vindo principalmente do Nordeste, cujos principais representantes são Rachel de Queiroz, Graciliano Ramos e José Lins do Rego. No Rio Grande do Sul, Erico Verissimo teceu um grande painel histórico-social a partir de O tempo e o vento. Atualmente, como o Brasil é retratado por sua literatura? O país deixou de ser eminentemente agrícola; uma nova classe média surgiu e vem crescendo rapidamente nos últimos anos; para muitos, é ela quem vem impulsionando o avanço do mercado editorial nacional. Mas toda essa gente se vê representada por nossa literatura? Quem é o novo brasileiro na ficção contemporânea? Como retratamos nossa cultura, nossa história, nossos objetivos? O que mudou em relação aos escritores brasileiros das gerações anteriores? Existe um Brasil literário? É possível conhecer o país e seu povo a partir da atual literatura?

Ignácio de Loyola Brandão nasceu em Araraquara, SP, 31/07/1936 , trabalhou no jornal Ultima Hora. O primeiro livro foi Depois do Sol, contos, em 1965. Ao completar 47 anos de carreira agora em 2012, já publicou 37 livros, entre romances, contos, crônicas, infantis, viagens (Cuba e Alemanha). Entre seus livros mais conhecidos estão Zero, polêmico, proibido nos tempos da ditadura militar. Atualmente é cronista do jornal O Estado de S. Paulo, com uma crônica quinzenal, na sexta-feira, no Caderno 2. Seu livro O Menino Que Vendia Palavras ganhou o Prêmio Fundação Biblioteca Nacional como o Melhor Livro Infantil do ano de 2007.  O mesmo livro, ganhou em seguida, Jabuti como Melhor Livro de Ficção de 2008.  Depois de publicar a biografia de Ruth cardoso, teve lançados dois livros: Acordei em Woodstock e A Morena da estação.

Marina Colasanti

Marina Colasanti, nasceu em 1937, em Asmara, capital da Eritéia residiu em Trípoli, mudou-se para a Itália, e em 48 transferiu-se para o Brasil.  De Formação artista plástica, ingressou no Jornal do Brasil, dando inicio a sua carreira jornalística. Desenvolveu atividades em televisão, editando e apresentando programas culturais. Traduziu importantes autores da literatura Universal.  Seu primeiro livro data de 1968, hoje são mais de 50, de poesia, contos, crônicas, livros para crianças e jovens, ensaios.    É detentora de 6 prêmios Jabuti, do grande prêmio da Biblioteca Nacional para poesia, de dois prêmios latino-americanos.   Foi o terceiro prêmio no Portugal Telecom.  Depois de muitas vezes premiada, tornou-se hors concours da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil).

Público: Estudantes de Ensino Médio, Universitários e Público em geral.

Local: Salão de eventos do SESC

Continue lendo

1 Comentário
  

Volta às aulas: preocupação é com gripe A

As férias escolares chegaram ao fim! É hora de organizar os horários, as refeições, voltar à rotina e preparar-se para o início de mais um semestre de aulas. Esse é o momento de reencontrar os amigos, adquirir novos conhecimentos e ainda ter a chance de melhorar as notas até o fim do ano.

Porém, o retorno escolar trás a preocupação com a transmissão da influenza A (H1N1), conhecida também como gripe suína ou gripe A. O vírus foi inicialmente detectado no México, no final de março de 2009, e se espalhou rapidamente para os Estados Unidos, Canadá e para o resto do mundo devido às viagens aéreas.

O governo do Paraná manteve o calendário educacional, ao contrário de 2009 quando as férias foram prorrogadas. Professores, diretores e coordenadores já foram orientados a deixar o máximo possível de circulação de ar, com janelas e portas abertas nas salas de aula. A orientação dos médicos é de que as crianças com sintomas de gripe não sejam mandadas para a escola.

Assim como a gripe humana comum, a H1N1 apresenta como sintomas: febre repentina, fadigas, dores pelo corpo, tosse, coriza, dores de garganta e dificuldades respiratórias. A gripe A também causa mais diarréia e vômito que a gripe convencional. Ter hábitos de higiene regulares, como lavar as mãos, é uma das formas de prevenir a transmissão da doença. Além disso, deve-se evitar o contato das mãos com os olhos, nariz e boca depois de tocar em superfícies, usar lenços descartáveis ou a técnica da manga da camisa ao tossir ou espirrar, evitar aglomerações e ambientes fechados e ter hábitos saudáveis como a hidratação corporal, alimentação equilibrada e atividade física.

Caso ocorra a contaminação, o paciente deve evitar sair de casa até cinco dias após o início dos sintomas, pois este é o período de transmissão da gripe. A contaminação se dá da mesma forma que a gripe comum, por via aérea, contato direto com o infectado, ou indireto (através das mãos) com objetos contaminados.

Comente aqui


Exposição fotográfica apresenta relações etnicorracias

A professora de artes e fotógrafa, Janete Ferreira, mostra no IX Fórum Permanente de Educação e Diversidade as relações etnicorraciais no trato pedagógico da diversidade, visando uma escola com educação cidadã.

A exposição acontece no Teatro Callil Haddad, em Maringá, nos dias 25 à 27 de julho.

Comente aqui


25 de julho: Dia do Escritor

Escrever pode ser um passatempo, uma forma de desabafo, uma manifestação artística e até mesmo uma profissão. A escrita tem várias funções dentro da linguagem e o verdadeiro escritor é aquele que sabe utilizar-se de cada uma destas funções para atingir seu objetivo, seja ele informar ou encantar quem o lê.

O surgimento da data, que comemora-se hoje, se deu a partir da década de 60, através de João Peregrino Júnior e Jorge Amado, quando realizaram o I Festival do Escritor Brasileiro, organizado pela União Brasileira de Escritores. Porém, de alguns anos para cá, as dificuldades dos escritores tem sido muito grandes, principalmente no que diz respeito à publicação de suas obras. Despreocupados com a qualidade dos textos, mas com a quantidade de vendas dos produtos, muitos editores lançam volumes que garantem retorno econômico à empresa.

Além disso, os meios de comunicação virtual publicam na íntegra e gratuitamente obras de vários autores. Em razão do mundo virtual, jovens e crianças têm perdido o contato com os livros, passando grande tempo na frente do computador ou da televisão. Com isso, o acesso ao mundo letrado tem diminuído consideravelmente, e com ele as vendas dos artigos literários.

Ler é importante para o desenvolvimento do raciocínio, do aspecto crítico do leitor, criando novas opiniões e estimulando a criatividade. Quando lemos, nos reportamos para outros lugares, como se estivéssemos viajando no tempo e no espaço.

As riquezas literárias são muitas, podendo estar divididas em textos científicos, que comprovam as teorias, e textos literários do tipo romance, comédia, suspense, poemas, poesias, biografias, músicas, novelas, obras de arte, histórias infantis, histórias em quadrinhos, dentre vários outros.

Principais escritores brasileiros

Castro Alves: escreveu poesias na transição entre o romantismo e o parnasianismo,
suas principais obras foram Navio Negreiro e Espumas Flutuantes

Aluísio de Azevedo: Seus principais romances foram o Mulato, O Cortiço e Casa de Pensão

Carlos Drummond de Andrade: os principais temas retratados pelo poeta são: conflito social, a família e os amigos, a existência humana, a visão sarcástica do mundo e das pessoas e as lembranças da terra natal.

Cecília Meireles: a beleza das poesias trouxe-lhe um grande reconhecimento dos leitores e também dos acadêmicos da área de literatura.

José de Alencar: representante da literatura nacional, escreveu Iracema, O Guarani e outras obras importantes.

Oswald de Andrade: escreveu romances, poesias, peças de teatro, ensaios e memórias.

Machado de Assis: podemos dividir as obras de Assis em duas fases: (romântica) personagens com características românticas, sendo o amor e os relacionamentos amorosos os principais temas de seus livros. E a fase (realista), onde abre espaços para as questões psicológicas dos personagens. É a fase em que o autor retrata muito bem as características do realismo literário.

Manuel Bandeira: além de poeta, Manuel Bandeira exerceu também outras atividades: jornalista, redator de crônicas, tradutor e integrante da Academia Brasileira de Letras

Mario de Andrade: Professor, crítico, poeta, contista, romancista e músico. Participou daSemana de Arte Moderna de 1922.

Mario Quintana: foi um importante escritor, jornalista e poeta. Com um tom irônico, escreveu sobre as coisas simples da vida, porém buscando sempre a perfeição técnica.

Monteiro Lobato: este notável escritor é bastante conhecido entre as crianças, pois se dedicou a um estilo de escrita com linguagem simples onde realidade e fantasia estão lado a lado. Pode-se dizer que ele foi o precursor da literatura infantil no Brasil.

Casimiro de Abreu: foi um importante poeta brasileiro da Segunda Geração Romântica. Autor de “Primaveras”, coleção de poesias de caráter melancólico e sentimental.

1 Comentário


Encontro debate práticas pedagógicas e problemas da comunidade escolar

As equipes dos colégios estaduais de Maringá, Alberto Jackson Byington Júnior e Tomaz Edison de Andrade Vieira, se uniram nos dias 19 e 20 deste mês para a realização do evento “Formação Continuada”, que destacou os maiores problemas da educação brasileira e principalmente de suas escolas. O encontro contou com palestrantes renomados que deram enfoque e conteúdo aos debates.

No primeiro dia, quinta-feira, ocorreu a oficina 1 que teve como tema – A importância da utilização de gêneros e crônicas textuais nas práticas pedagógicas, com a Profª Dra. Lílian Cristina Buzato Ritter – que trabalhou com os profissionais da educação, professores e funcionários das escolas um estudo teórico-prático sobre o processo de leitura crítica, por meio de leitura analítica de gêneros discursivos, em especial, as crônicas.

No período da tarde realizou-se a oficina 2 – Cultura da Paz: Violência no ambiente escolar, com a Profª Dra. Lizia Helena Nagel – que abordou de forma coerente a violência dentro do ambiente escolar. A palestrante procurou junto com os demais participantes levantar alternativas e reflexões para a superação da crise educativa.

Após a discussão do tema a bibliotecária do colégio Byington Júnior, Priscilla Kelly Bressan, conclui que a violência escolar vem ganhando proporções gigantescas nos últimos anos. “A sociedade globalizada e violenta que vivemos impulsiona nossos alunos a se inserir ou ficar a margem desse excesso de informação, que às vezes é violento e hostil. Saber reconhecer os tipos de violência presente nos estudantes, descobrir suas causas e buscar maneiras de ajudá-lo a resolver é o desafio e dever de todo profissional dentro da escola. A palestra foi edificante para todos os presentes, pois mostrou de forma concreta e atual os tipos de crianças e adolescentes que sofrem e enfrentam violência diariamente, e por esse motivo acabam reproduzindo dentro do ambiente escolar”, afirma Bressan.

Na sexta-feira, a oficina 3 – Avaliação contínua, diagnóstica e formativa, com a Profª Dra. Silvia Moraes – trabalhou formas de análise e avaliação do processo de ensino aprendizagem, visando à promoção humana dos alunos. A palestrante mostrou aos educadores que a avaliação deve ser encarada como instrumento de acompanhamento e orientação no desenvolvimento dos estudantes ao longo do ano, e não como punição ou bonificação da nota recebida. No período da tarde continuo-se a discussão da oficina 1.

“Foi um evento que proporcionou um importante espaço de reflexão, pois além de reunir, professores de escolas distintas, oportunizou o estudo de temas pertinentes ao cotidiano escolar, tais como: avaliação, violência e leitura crítica. Além disso, as palestras foram ministradas por professoras doutoras da Universidade Estadual de Maringá (UEM), fazendo com que todos participantes tivessem um ótimo embasamento teórico.” Relata a pedagoga do Byington Júnior, Binoan da Silva.

Os diretores escolares, Audenir Calanca (Byington Júnior) e Reginaldo Peixoto (Tomaz Edison), adoraram a troca de experiências e disseram que o fato das duas instituições atenderem o mesmo perfil de público resultou em bastante conteúdo para debater o tema da violência em escolas de periferia. “A união foi fundamental e de suma importância”, destacaram.

Um fato diferente nesse evento foi o encontro das ganhadoras do Concurso Cultural, promovido pelo O Diário na Escola, “Práticas Pedagógicas Bem Sucedidas com o Jornal”. Priscilla Kelly Bressan e Dalva Regina Bertoleti, primeira e segunda colocadas respectivamente, trocaram relatos, projetos e experiências da utilização do jornal “O Diário” com os alunos tanto na biblioteca, como em sala de aula.

1 Comentário


Acabou a farra, mas a volta às aulas tem que ser alegre

As férias escolares chegaram ao fim! É hora de organizar os horários, as refeições, voltar à rotina e preparar-se para o início de mais um semestre de aulas. Sem crise! Esse é o momento de reencontrar os amigos, adquirir novos conhecimentos e ainda ter a chance de melhorar as notas até o fim do ano. Sejam bem-vindos!

Comente aqui
 

Hemeroteca, fonte de pesquisa

A tecnologia nos permite encontrar qualquer tipo de informação. Utilizando meios de comunicação como a internet, que se tornou ainda mais versátil com a invenção das redes sociais e dos aparelhos portáteis, milhares de pessoas acessam diariamente materiais de seu interesse. Porém, quando procuramos por estas informações novamente, muitas vezes não as encontramos mais. Para isso foram criadas as hemerotecas, que servem como guardiãs destas memórias, sejam online ou impressas.

Na definição do Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa, hemeroteca é uma “seção das bibliotecas em que se colecionam jornais e revistas”. É um acervo ou conjunto de material periódico, o que compreende qualquer publicação impressa, apresentado de forma organizada e que facilite o pesquisador na busca pela recuperação da informação.

Muitas vezes encontramos hemerotecas dentro de bibliotecas, geralmente são seções dedicadas à conservação, organização e consulta de materiais temáticos como revistas, jornais, folhetins, suplementos, anuários etc. A partir destes acervos, instituições de ensino despertam em seus alunos o interesse pela leitura através de textos jornalísticos publicados em revistas e jornais.

Para relembrar datas de celebração importantes fiz pesquisa na hemeroteca do Diário na Escola e encontrei as atividades dos alunos da Escola Municipal Guiti Sato, de Marialva, sobre o “Dia do Desarmamento Infantil” e “Dia do Índio” que foram produzidas após a leitura da coluna do Programa, no jornal “O Diário” dos dias 11 e 18 de abril deste ano, que abordavam as datas comemorativas citadas.

Comente aqui