Mês: outubro 2013



Um dia de cultura, diversão e solidariedade

19Aproximadamente mil pessoas desfrutaram de uma tarde especial em comemoração ao Dia da Criança em Fênix. O grupo de espetáculos “Espaço Sou Arte”, de Campo Mourão, animou a festa com apresentações de dança, teatro, atrações de circo, Super Heróis, e muita descontração para todas as idades.

O evento foi realizado pela prefeitura em parceria com as secretarias de educação, cultura e ação social, escolas municipais, Rotary Clube e comércio local. Todos unidos com o intuito de proporcionar entretenimento aos moradores da cidade.

“A festa foi algo novo que despertou curiosidade nas pessoas. Fiquei muito feliz e satisfeito ao perceber a alegria de todos que participaram”, destaca o prefeito municipal, Edwaldo Gomes de Souza.

As crianças ainda participaram de oficina de pintura, contação de histórias com fantoches, cama elástica, pula pula, e diversas outras ações que tornaram a data comemorativa ainda mais especial.

“Por ser a primeira que Fênix oferece uma ação dessas, o envolvimento da população foi grande e nós que organizamos nos sentimos realizados em proporcionar momentos de aprendizado e lazer. O resultado foi tão bom que já começamos os preparativos para uma festa semelhante no ano de 2014”, enfatiza a secretária de educação, Maria Amélia Santiago Ferreira.

A diretora da Escola Municipal Tancredo de Almeida Neves, Tânia Estevanato, define a ação como um dia para fazer sorrir e plantar a sementinha da esperança no coração de muitas crianças. “Foi um momento em que alunos, professores e comunidade puderam celebrar juntos. Com certeza esta data será inesquecível na vida dos pequenos”.

16“O grupo “Espaço Sou Arte” apresentou atividades bem diversificadas que agradaram todas as faixa etárias, e assim, envolveu tanto as crianças quanto seus familiares. Foi um exemplo de parceria entre a prefeitura municipal e as secretarias. Como professora parabenizo a todos pela atenção voltada à cultura. Isso sim faz parte da educação!”, comemora Marineiva Aparecida dos Santos de Souza.

A aluna Pamela Cordeiro Kalinke se encantou com tantos brinquedos. “Eu me diverti até cansar, até hoje tem horas que paro e fico lembrando das coisas legais que vi no evento. Já estou ansiosa para a festa do ano que vem”.

Para aguentar a tarde de atrações os organizadores também ofereceram aos participantes: cachorro quente, algodão doce, refrigerante e sorvete, tudo gratuito.

Comente aqui


1ª Mostra Cultural de Flórida

Apresentações de teatro, coral e street dance foram os destaques do primeiro evento cultural do município. Em comemoração ao Dia das Crianças os departamentos de cultura e educação de Flórida, com o apoio da prefeitura, se uniram para a realização de uma grande festa que proporcionou apreciação artística aos presentes.

O grupo de teatro “Fazendo Arte”, coordenado pela professora Miriam Penha e formado por alunos do ensino fundamental e médio, apresentaram as peças: Alice no País das Maravilhas, O casamento da Dona Baratinha, a Morte e O Hermanoteu da Terra de Godá.

A professora, do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), Leia Bugareli fez apresentações musicais de voz e violão. Os corais, adulto e infantil, sob a orientação do professor Matheus Cruz emocionaram os participantes na noite de espetáculos. Outro destaque ficou por conta da performance de um grupo de street, do município de Marialva, que veio para agitar o evento.

“A mostra cultural era um sonho antigo. Desenvolvemos vários projetos com as crianças de canto, dança, aulas de violão e piano, e sempre tivemos vontade de mostrar isso a população”, conta Miriam.

O aluno da Escola Municipal Duque de Caxias, Carlos Eduardo Cesnik Gomes, foi ao evento e adorou o que viu. “Gosto muito de cantar, quem sabe na próxima edição da mostra eu possa estar lá me apresentando também!”.

Miriam destaca que por onde passa as pessoas elogiam e já perguntam quando terão outra mostra como esta. “O município é carente de ações culturais que envolvam toda a família, geralmente os teatros e danças se restringem ao espaço escolar, quero mudar isso e proporcionar mais entretenimento aos moradores”.

Alunos caracterizados como os gêmeos Tweedledee e Tweedledum, e o Chapeleiro Maluco (ao centro), personagens da peça Alice no País das Maravilhas

Alunos caracterizados como os gêmeos Tweedledee e Tweedledum, e o Chapeleiro Maluco (ao centro), personagens da peça Alice no País das Maravilhas

Comente aqui


Estrada, jornal e paixão pelo que faz

Dez anos participando do Diário na Escola, 16 anos de profissão e uma rotina que inclui 52 kilômetros por dia. Esta é a realidade de Sandra Cristiane Fratini de Castro. Moradora de Floraí, a professora viaja todos os dias até Barão de Lucena – distrito de Nova Esperança – para lecionar aos alunos do 5º ano da Escola Municipal Padre Ladislau Ban.

A professora está sempre buscando recursos para inovar suas aulas e considera o jornal impresso material fundamental em sala, tanto quanto caderno e livro didático. “Faço parte do Diário na Escola desde os primeiros anos do Programa. A cada novo período letivo fico ansiosa pela renovação da parceria”.

Sandra destaca que o jornal é um material que apresenta textos com conteúdos próximos à realidade dos alunos, com isso eles se sentem atraídos pela leitura. “Depois de ler algumas matérias sempre abro espaço para discussão, neste momento as crianças contam que já presenciaram fatos parecidos ao da notícia, ou conhecem alguém que já viveram a mesma situação, com isso há uma grande troca de conhecimento”.

Para a diretora da escola Tânia Cristina Toná o acesso ao jornal é uma oportunidade única para os alunos. “Em nosso município não temos entregadores do impresso, se o material não viesse para escola essas crianças não conheceriam textos tão ricos e não se manteriam atualizadas”.

A coordenadora pedagógica Margarete Lopes Rodrigues relata que Sandra desenvolve muitas atividades em grupo utilizando o jornal como suporte. “A professora é dinâmica e isso motiva os estudantes, na sala em que ela leciona não temos problemas de relacionamentos porque as crianças estão adaptadas a trabalharem juntas, um ajudando o outro”.

“Falo para os estudantes que somos uma família, alguns passam mais tempo comigo e com os colegas do que com os pais. Todos os dias separo cerca de 15 minutos para conversarmos sobre o que quiserem, assim as crianças se abrem e discutimos soluções para os problemas, isso tudo os deixou mais confiantes e refletiu no avanço do aprendizado”, ressalta Sandra.

Ao longo dos dez anos em que trabalha com o Diário em sala, a professora presenciou mudanças nos estudantes após o contato com o material. “No começo do ano as crianças chegam mais tímidas, com dificuldades em se expressar. Depois de algumas aulas com a leitura do jornal percebo que elas adquirem vocabulário e argumentos, com isso passam a ser mais participativas das discussões e melhoram as produções textuais”.

A aluna Nayra Milena dos Santos Alves adora o caderno de cultura do impresso, mas enfatiza que as notícias são muito importantes para o futuro. “Minha mãe me ensinou que devo me manter informada, quando levo o jornal para casa nós sempre conversamos sobre as matérias. Meu padrasto encontrou um carro do interesse dele nos classificados do Diário, agora está negociando, espero que a compra dê certo”.

Diogo Costa Portel é aluno do 5º ano e quando pega o jornal vai direto no caderno de esportes. “Gosto de ler sobre os atletas, os campeonatos e tudo o que acontece no mundo. O Diário tem me ajudado também nas tarefas de casa, muitas vezes para resolver a atividade do livro didático eu faço pesquisa nas notícias publicadas”.

Além de propostas como leitura e interpretação textual, Sandra propõe trabalhos com o impresso que envolvem gramática, matemática, artes, opinião e outras questões que auxiliam no trabalho diário em sala de aula.

“Todo fim de ano letivo fico satisfeita com os resultados que encontro. O contato com o jornal torna meus alunos mais críticos e antenados, fica a sensação de que plantei a sementinha de cidadãos que farão a diferença na sociedade”, comemora Sandra.

DEDICAÇÃO - Professora Sandra e diretora Tânia com os alunos participantes do Diário na Escola

DEDICAÇÃO – Professora Sandra e diretora Tânia com os alunos participantes do Diário na Escola

Comente aqui


Mistério e suspense na biblioteca

Assim pode ser descrito o clima de comemoração do mês das bruxas no Colégio Estadual Alberto Jackson Byington Júnior, de Maringá. Buscando realizar uma atividade alternativa e descontraída, as bibliotecárias Priscilla Kelly Bressan, Denise Gonçalves Garcia e Graciana Gomes Fernandes Longo criaram uma gincana para os alunos do ensino médio e vão oferecer sessões de cinema para os estudantes do fundamental.

Para a realização do projeto a biblioteca está toda decorada com a temática “Dia das Bruxas”. Procurando estimular o conhecimento sobre o assunto, um cantinho especial com livros de terror e suspense está montado com sugestões de leitura.

“Queremos que os alunos tenham contato com uma cultura diferente, conhecer novas palavras, seres e formas de lidar com a morte e o mundo mal assombrado, além de fazer com que reflitam sobre os mitos e verdades dessa data”, destaca Priscilla.

A decoração é tão real que chega a assustar. Por causa do tema acabei conhecendo uma série de livros ótimos, como “O Diário do Vampiro”, da escritora Lisa Jane Smith, que mistura os sentimentos de medo e romance”, conta a aluna do 9º ano, Waleska Moriggi Ribeiro.

A professora de língua portuguesa, Dinara Fátima Girardi Farhat, acredita que a caracterização do espaço motiva os estudantes. “Todos estão adorando e comentando, muitos alunos que não tinham o hábito da leitura estão emprestando livros do gênero sugerido”.

Mariane Santos Aquaroni é pedagoga do colégio e elogia o trabalho. “Para nossos estudantes a biblioteca passou a ser um lugar prazeroso e aconchegante de estudo, conhecimento e diversão”. A diretora Ivânia Ávila acrescenta que “isso acontece

devido aos diferentes projetos que são realizados durante o ano, cada época o espaço de leitura está com uma temática diferente”.

O aluno do 6º ano, Maycon de Oliveira Januário, relata que o clima de pânico o deixou curioso para conhecer novas obras. “Adquiri conhecimentos sobre a diferença entre realidade e ficção”.

A gincana para os alunos do ensino médio será durante todo o mês de outubro. Com o intuito de interagir com a era tecnológica, a promoção é realizada pela internet. Está sendo publicado diariamente às 14 horas, na página do Facebook da escola, fotos de filmes de terror. O primeiro estudante que postar corretamente, o nome do filme e do diretor, ganha um ponto por dia. Quem obter a maior pontuação até o final da gincana, vence. E como prêmio leva para casa um box de livros da série, “Walking Dead”.

Na última semana de outubro o salão nobre do colégio será transformado em cinema. Todos os dias uma turma do ensino fundamental terá a oportunidade de assistir a um filme e ainda ganhar um lanche especial. Entre os títulos que serão exibidos estão: “João e Maria – Caçadores de Bruxas”, “A Vila” e “A Garota da Capa Vermelha”.

“As atividades buscam explorar o universo místico e fantasmagórico do “Dia das Bruxas”, bem como criar um elo entre a escola e os alunos, comemorando de forma criativa e diferente esta data festiva”, enfatiza Priscilla.

MOTIVAÇÃO – A disponibilidade de livros sobre terror e suspense aumentou os empréstimos de obras na biblioteca

MOTIVAÇÃO – A disponibilidade de livros sobre terror e suspense aumentou os empréstimos de obras na biblioteca

Comente aqui


A mídia na educação

Solange “A parceria entre a secretaria municipal de educação de Maringá e O Diário teve início em 2006. Desde então o Diário na Escola, por meio de ferramentas pedagógicas, tem demonstrado ser um importante instrumento de comunicação, de informações e reflexões, pois, através da utilização de exemplares do jornal pelos alunos e também o assessoramento disponibilizado aos professores, percebe-se a contribuição para o estímulo e o hábito da leitura. Consideramos o jornal um instrumento de facilitação do fazer pedagógico, sendo que o estudante tem uma maior possibilidade de compreensão do mundo e interação com os acontecimentos sociais locais. Trabalhar com o impresso nas unidades de ensino, especialmente no ensino fundamental, é essencial para o desenvolvimento dos alunos, os quais, geralmente não têm acesso ou intimidade com esse meio de comunicação. Sabemos que muitas famílias não têm o hábito da leitura, em muitos casos, devido as condições financeiras ou mesmo a falta de estímulo quando criança. Neste contexto, valorizamos o trabalho com o jornal, sendo ele fonte respeitada de pesquisa e obtenção de informações, nas quais podemos trabalhar com os gêneros textuais, mostrar as diferentes formas de narrar, informar, instruir e analisar, visualizar gráficos e tabelas, e tudo isso com temas da atualidade. Salientamos que o principal objetivo deste projeto é estimular o gosto pela leitura e a reflexão sobre diversas temáticas. Assim, contribui para um ensino de qualidade e subsidia os professores na realização do trabalho didático promovendo cultura e cidadania” – professora Solange Lopes – secretária de educação de Maringá.

Comente aqui


No dia do mestre, uma história de dedicação

Ambientes educativos conflituosos, estruturas físicas inadequadas e a falta de limites em um grande número de alunos, são fatores que levam a desmotivação dos profissionais e ao descrédito da educação. Mesmo dentro dessa realidade, ainda é possível encontrar professores que resistam a esses indícios negativos e se destacam positivamente. A exemplo do professor Luciano Pereira dos Santos.

O sonho de lecionar surgiu na infância, as dificuldades para cursar uma faculdade integral no município vizinho eram muitas, mas Luciano não desistiu. Com esforço e dedicação foi graduado em educação física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Depois de formado, Luciano foi professor por 14 anos em escolas de Sarandi – cidade em que sempre viveu – até que assumiu o cargo de diretor do Colégio Estadual Helena Kolody.

Foi neste momento que ele mostrou o seu diferencial.

Em 2005, a instituição foi inaugurada e Luciano foi trabalhar no colégio. Situado em um bairro periférico, em pouco tempo o cenário escolar já era bastante complicado, com problemas disciplinares e sociais, como uso de drogas, violência e até prostituição infantil.

“Eu cresci em Sarandi e sempre acreditei que poderia fazer mais pela minha cidade, em especial pela educação do município, não poderia ficar passivo diante de tantos problemas. Decidi que era o momento de ser um agente de transformação no colégio, e assim, motivar mais pessoas a lutar comigo”, destaca Luciano.

Focado em fazer a diferença, logo que assumiu o cargo de diretor em 2009, Luciano começou a buscar recursos que pudessem modificar a realidade de um colégio depredado, com altos índices de violência e evasão escolar.

Depois de conseguir verba para a reforma na estrutura, o diretor teve uma ajuda especial, pais e vizinhos da escola se uniram para auxiliar nos trabalhos oferecendo mão-de-obra. “A colaboração foi de grande importância para o resultado, pais de família dispuseram de seu tempo vago para ajudar a colocar uma telha, trocar o vidro de uma janela, foi incrível!”, comemora o diretor.

As mudanças da estrutura física contribuíram para outra alteração, a comportamental. Uma escola que formava 12 alunos no terceiro ano do ensino médio, está com três turmas de 35 alunos, cada, prestes a se formar.

Para diminuir os índices de violência Luciano contou com a ajuda da Patrulha Escolar e do Conselho Tutelar, que passaram a estar mais presentes no colégio, não só promovendo a segurança, mas também realizando palestras de conscientização.

“Sou aluno do Helena Kolody desde 2007, a realidade que vivo agora dentro da escola é muito diferente. Antes eu tinha medo de vir pra cá, andava sempre com a bolsa nas costas por medo de ser roubado, pulava o muro pra matar aula, os espaços eram todos sujos, eu não tinha motivação para estudar. Hoje tenho orgulho de falar onde estudo, converso com amigos de outros colégios e percebo que o meu é modelo de educação”, conta o aluno Alysson Ribeiro.

Luciano desenvolveu projetos de cultura, artes e informações sobre o mercado de trabalho envolvendo pais e alunos nas atividades dentro do ambiente escolar. “Este ano já realizamos Festival de Música, Campeonato de Futsal masculino e Voleibol feminino, além de palestras sobre a importância da água, o acesso ao ensino superior e questões que envolvem a saúde”, relata.

O colégio também oferece sala de informática com equipamentos em ótimas condições de uso, laboratório de química e espaço climatizado com data-show para a realização de eventos. Reuniões e assembleias com os responsáveis, para discutir melhorias na instituição, fazem parte da rotina da escola.

Juliana Marques é auxiliar administrativa no colégio e trabalha lá desde a gestão anterior. “Depois que o Luciano assumiu a diretoria eu passei a trabalhar com mais segurança, os pais ficam tranquilos ao deixarem seus filhos na escola, e os alunos têm ótimo comportamento. Desejo que outros professores e diretores se motivem com a história do Luciano e comecem a fazer mais pela educação brasileira”.

As boas ações não param por aí, nas horas vagas o diretor ainda exerce o cargo de professor voluntário e treina vôlei com um grupo de alunas do colégio.

Para Luciano, educar é mais do que reproduzir o conhecimento, é formar consciência no estudante. “Penso que a criança e o adolescente são os cidadãos que vão mudar o futuro da sociedade, por isso é muito importante que o educador goste de gente, pense coletivamente, e assim, trabalhe com amor, dedicação, ética e responsabilidade”, enfatiza.

SUPERAÇÃO - Alunos comemoram com o diretor Luciano a oportunidade em fazer parte de uma escola que hoje é exemplo. Ao fundo, a imagem da poetisa que deu nome a instituição

SUPERAÇÃO – Alunos comemoram com o diretor Luciano a oportunidade em fazer parte de uma escola que hoje é exemplo. Ao fundo, a imagem da poetisa que deu nome a instituição

Comente aqui


Saúde bucal é conteúdo escolar para alunos de Ângulo

IMG_0602Ensinar a criança a cuidar dos dentes desde pequena é um investimento que trará benefícios para o resto da vida dela. Com esta preocupação, as secretarias de educação e saúde, de Ângulo, se uniram com a diretoria das escolas do município e desenvolveram a ação “Dia de prevenção contra cáries”.

Para a realização do evento, a secretária de saúde Sandra Regina da Cunha Silva, convidou os alunos do 1º ano do curso de odontologia, da Faculdade Uningá, a repassar para as crianças os conhecimentos necessários para um cuidado diário com os dentes.

“É muito importante essa preocupação que as autoridades de Ângulo tiveram, mesmo porque algumas crianças passam mais tempo na escola do que em casa, por isso temas relacionados à saúde devem estar sempre presentes dentro das instituições”, destaca a professora da Uningá, Suzana Góia.

IMG_0611No evento, os participantes acompanharam palestras sobre orientação de escovação, uso do flúor e fio dental. Assistiram a vídeos explicativos e teatro de fantoches, tiveram também um momento de diversão com atividades lúdicas, e ainda receberam um kit da Colgate contendo escova e pasta de dentes, sabonete e livro educativo. Tudo isso para que as crianças saíssem prontas para colocar em prática todo o conteúdo adquirido.

“Envolver nossos alunos em atividades culturais proporciona a eles uma oportunidade de novos conhecimentos. Na escola já adotamos uma vez por semana o “Dia do Flúor” – em que todas as crianças fazem a escovação com a substância – isso já melhorou muito os casos de cáries, mas é sempre preciso motivá-las para que não esqueçam a importância da saúde bucal”, relata a diretora da Escola Municipal Padre José de Anchieta, Tânia Cristina Cintra Brunhera.

O aluno Augusto Machado Faria, conta que tenta cuidar dos dentes o máximo possível, mas confessa que em alguns dias uma ou outra escovação deixa de ser feita. “A partir de hoje vou me cuidar mais, não só porque é importante, mas também porque quero ter um sorriso bonito”.

A professora, Juraci Souza enfatiza que mesmo as crianças sabendo que após o lanche todos os dias elas precisam escovar os dentes, algumas não levam a escova para escola. “Combinei com meus alunos que o kit que receberam da Colgate vai ficar dentro da mochila escolar, assim não terão mais desculpas para não realizar a escovação depois de lanchar”.

“Organizamos o evento pensando na prevenção. Desejamos que os mais velhos, depois do que aprenderam, passem a motivar os mais novos a cuidarem das questões que envolvem a higiene bucal”, conta a dentista do município, Danielli Moreno Lopes.

Em Ângulo a secretaria de saúde desenvolve ações semanalmente para ensinar mães e pais a realizarem escovação em bebês, alertando que mesmo sem dentes, cuidar da gengiva é essencial. Além disso, todos os alunos moradores da vila rural têm direito a sair durante o horário de aula para ir ao dentista, porque a maioria não teria acesso ao transporte para consultar em outro momento do dia.

O secretário de educação de Ângulo, Ivan Carlos Cunha Fernandes, agradece à secretaria municipal de saúde pelo apoio na conscientização e acompanhamento da saúde bucal das crianças. “Ações intersetoriais deste tipo contribuem demasiadamente na formação de pessoas saudáveis, influenciando diretamente na qualidade de vida de toda nossa população”.

“Estou feliz em ter participado deste evento, as crianças são atentas, questionam e prometem mais dedicação aos cuidados bucais, isso tudo é muito gratificante. Estou esperançosa que o conhecimento também será repassado a toda família”, comemora a aluna da Uningá, Beatriz da Rocha Picotti.

Comente aqui


A mídia na educação

elza“O Programa o Diário na Escola tem contribuído de forma relevante para o desenvolvimento de competências essenciais para o exercício da cidadania. Os alunos são instigados pela professora a contextualizar a notícia com os conteúdos ensinados em sala de aula, desta forma trabalha-se a interdisciplinaridade e desperta-se a reflexão das matérias inseridas num contexto atual. Esse  trabalho com o texto jornalístico é real porque há comprometimento e participação da equipe pedagógica da escola, professora e alunos”. – Elza Bernuci Crippa, secretária de educação de Flórida.

Comente aqui


Segurança no trânsito é tema de aula para estudantes de Maringá

abreA educação hoje não está associada apenas ao letramento, mas também a discussões de questões relacionadas às problemáticas do trânsito, buscando conscientização, reflexão e ação, de modo que contribua positivamente na formação dos alunos, atuais pedestres e futuros condutores de veículos.

A professora Aline Romero da Silva leciona para o 4º ano da Escola Municipal Professor Midufo Vada, em Maringá, e desenvolveu uma série de atividades visando alertar as crianças sobre os perigos e cuidados que devem ter nas ruas.

Em sala, os estudantes realizaram leituras, por vários dias, de reportagens sobre acidentes de trânsito publicadas no jornal O Diário. Já no Ambiente Educacional Informatizado (A.E.I) assistiram a três vídeos relacionados ao tema “Álcool, outras drogas e acidentes de trânsito”.

Debates e conversas sobre o assunto também foram realizados, sempre referindo-se aos  malefícios que o álcool causa no organismo das pessoas, bem como no fato de ingerir bebida alcoólica e dirigir.

Em seguida, os alunos leram diversas reportagens no portal “odiario.com” e a que mais chamou a atenção das crianças foi a notícia com a seguinte manchete: “Acidente envolvendo motorista embriagado mata uma pessoa na PR-323, em Cruzeiro do Oeste”.

Aline conta que solicitou aos alunos que escrevessem frases sobre as matérias lidas. “Nos trabalhos encontrei produções ricas em argumentos. Por meio da criatividade, percebi que as crianças foram além da simples informação sobre o assunto”. A exemplo da frase escrita pelo aluno, Eduardo Felipe Boregio Rufino: “Drogas e álcool tiram nosso cérebro da realidade e das atitudes, por isso não assuma o risco de matar. No trânsito não seja negligente e dirija sempre consciente!”

A professora que perdeu os pais em um acidente de carro, no qual o condutor do outro veículo que os atingiu estava embriagado, considera a discussão sobre essa temática de extrema importância. “É minha função, enquanto educadora e cidadã, esclarecer, alertar e conscientizar os estudantes sobre as responsabilidades e as escolhas que fazemos em nossa vida”.

O aluno, Felipe Giollo, destaca que aprendeu muito com as pesquisas na sala de informática e conclui que, “uma pessoa que está alcoolizada e vai dirigir pode perder os sentidos e bater o carro, quando eu ficar adulto não quero cometer esses erros, a valorização da vida tem que estar em primeiro lugar”.

abre 2Especialmente no trabalho referente ao tema segurança no trânsito, Aline observou desde o início grande interesse e envolvimento por parte dos alunos. “Durante as leituras e conversas sobre o tema, eles traziam relatos de fatos ocorridos com a própria família ou pessoas conhecidas. Inclusive, nos dias seguintes as discussões em sala, alguns estudantes contaram que conversaram em casa sobre o assunto e que os pais também argumentaram com eles sobre os malefícios do uso de álcool e drogas”, ressalva.

A educadora acredita que boa parte dos resultados e motivação foram devido à leitura semanal do Diário, que apresenta assuntos que envolvem as crianças, pois trata-se de informações sobre o dia-a-dia, e além disso, proporciona aos alunos contato com uma grande diversidade de gêneros textuais, vocabulários e argumentos.

Produção do aluno, André Periçato Guidi, na busca de conscientizar os motoristas

Produção do aluno, André Periçato Guidi, na busca de conscientizar os motoristas

Comente aqui


A mídia na educação

Maria Inez“O programa educacional O Diário na Escola vem trabalhando a reflexão teórica e prática sobre a utilização do impresso na sala de aula. O projeto realiza encontros para discutir metodologias de atividades que contemplam a interdisciplinaridade, a leitura crítica e a discussão da cidadania através de assuntos veiculados nas páginas do jornal. A principal contribuição do Diário na Escola é estimular o gosto pela leitura diversificada nos estudantes, tendo o jornal como objeto de estudo – seus conteúdos, linguagens e tipologias – além de contribuir para o desenvolvimento de um processo de ensino-aprendizagem mais dinâmico e criativo, estimulando a construção da cidadania em toda a comunidade escolar. Em nosso município o Programa inovou as metodologias do professor, destacando que, o trabalho realizado é educativo e promove não só a aprendizagem escolar do aluno, mas também, em grande medida, sua formação como pessoa”. – Maria Inez Benites Bria, secretária de educação de Marialva.

Comente aqui