atividades

Preocupação com lixo leva alunos às ruas

Foto AbreA preservação do meio ambiente e o futuro dos recursos naturais é algo trabalhado com destaque dentro dos espaços escolares. Atenta sobre o montante de lixo produzido no município em que vive, a professora Janete Baldo da Silva Machado que leciona na Escola Municipal Rocha Pombo, em Ourizona, propôs aos seus alunos um trabalho de conscientização que foi além da sala de aula.

A atividade teve início após a leitura da notícia publicada no Diário com a manchete, “Câmara aprova PPP para coleta e destino de lixo”, na qual a matéria apresenta informações sobre a implantação da Parceria Pública Privada (PPP) que tenta solucionar os problemas com os resíduos produzidos pelos moradores de Maringá. Com isso, Janete aproximou o contexto da notícia à realidade dos alunos ao realizar um trabalho sobre a coleta e separação, em Ourizona.

“Relacionar um projeto escolar com o jornal fez com que as crianças dessem maior importância à proposta. Desta forma, além do aprendizado didático elas também perceberam o quanto é fundamental proteger o meio ambiente”, destaca a professora.

Janete debateu com os alunos os dados da matéria do Diário e, em seguida, elaborou um questionário para que, em duplas, eles fossem às ruas entrevistar a população. Além dos depoimentos, as crianças também registraram o passo-a-passo da atividade tirando fotos.

A estudante, Maria Vitória Fernandes conta que, de uma forma geral, as pessoas fazem a separação do lixo sim e esperam o caminhão que recolhe os descartes toda terça-feira. “O nosso município está indo pelo caminho certo, mas não podemos nos acomodar, pois sempre é possível melhorar e contribuir para o futuro de todos.” A colega de classe, Gabriely Bocaletti dos Reis após realizar o trabalho de conscientização dos moradores que ainda não fazem a separação do lixo nas casas, está esperançosa e acredita na mudança de hábitos da população.

Comente aqui

Um passeio pelo jornal

Foto Abre 02Um jornal é dividido em editorias temáticas que agrupam os assuntos mais comuns da atualidade. Cada seção tem um editor – pessoa responsável por selecionar as notícias e definir com os jornalistas a abordagem das matérias do dia. Para que os alunos das Escolas Municipais Nove de Dezembro e Jardim Primavera, de Santa Fé, conhecessem a estrutura e os conteúdos publicados no impresso, a equipe do Diário na Escola desenvolveu a oficina “Passeando pelas editorias do jornal” com os estudantes do quarto ano.

Para iniciar os trabalhos, a coordenadora do Programa, Loiva Lopes apresentou às crianças cada uma das editorias presente no jornal e os textos e publicidades que as compõem. Desta forma, além de manusearem o material, também puderam identificar os diferentes gêneros textuais presentes no impresso.

“A organização de um jornal faz parte da sua identidade e é facilmente reconhecida por seus leitores. A estrutura é fundamental para orientar a leitura e ajudar as pessoas a encontrarem mais facilmente os diferentes conteúdos”, destaca a aluna, Beatriz Oliveira James de Molla.

A maneira como um jornal está estruturado é também importante para a sua objetividade. Por exemplo, normalmente, os artigos de opinião surgem junto da carta do leitor ou em páginas separadas das restantes notícias, procurando-se assim que a opinião e os fatos se distingam, claramente.

Fatos e opiniões devem ter lugar definidos num jornal, pois o leitor deve saber quando está lendo notícias e quando está acessando a artigos de análise ou opinião. Só com esta separação é possível uma informação imparcial que contribua para o esclarecimento dos leitores.

“Durante a oficina descobri que as editorias têm temas bastante diversos, alguns deles mais populares, outros um pouco menos atraentes, tudo depende do gosto e dos assuntos que o leitor tem maior afinidade”, comenta a aluna Larissa de Souza Rossi.

Foto Abre 01Para testar o conhecimento das crianças, Loiva realizou uma brincadeira. Em um mural ficaram expostas todas as editorias e colunas presentes no Diário, em duplas os alunos receberam notícias, fotos, publicidades, anúncios classificados e foram desafiados a anexar, abaixo do nome de cada seção, onde poderiam ser publicados os gêneros que tinham em mãos. “Este momento foi muito divertido, fiquei ansiosa para realizar a atividade de forma correta e, assim, colocar em prática todo o aprendizado adquirido”, fala a aluna, Maria Heloisa de Oliveira.

A professora Rosana Alvez Londero enfatiza a união da classe para desenvolver um bom trabalho. “O jornal proporciona momentos de troca de conhecimentos, isso é muito interessante, pois uma criança está sempre tentando ajudar a outra. Além das informações, o material ainda traz um clima de cooperação na turma.”

A aluna Ana Caroline dos Santos Neves relata que espera ansiosa pela chega do Diário em sala. “Gosto de estar atualizar dos fatos que ocorrem para poder chegar em casa e conversar com a minha família, que também fica contente quando levo um exemplar para eles realizarem a leitura.”

Comente aqui

Jornal fortalece processo de ensino

Uma notícia pode virar um resumo? Ou mesmo uma narrativa? A resposta é sim! As professoras, Martha Ribeiro Franchetti e Elizabete Ronca Bonesi que lecionam na Escola Municipal Vania Maria Simão, de Atalaia, diversificaram o estudo dos gêneros presentes no jornal e desafiaram seus alunos a transformarem uma das matérias publicadas no Diário em outro tipo textual.

Martha solicitou que a partir da leitura da notícia com a manchete “Adolescente de 16 anos está desaparecida há cinco dias em Londrina”, as crianças desenvolvessem a produção de um resumo. “Este é um tipo de texto abreviado e realizado a partir de outro, sempre com palavras ordenadas para que seja feita a compreensão mesmo sem o leitor ter tido acesso a versão original, neste caso, da notícia”, explica a professora.

Imagem 019Para isso os estudantes grifaram as principais informações da matéria, e deram início a atividade, escrevendo o que haviam lido com as suas próprias palavras. Lembrando de evitar a repetição de ideias e respeitando a sequência dos fatos. “Só me dei conta que tinha produzido um resumo, quando terminei o trabalho. Foi simples e divertido, pois além de me informar, ainda aprendi um novo tipo de texto”, conta a aluna, Ana Caroline da Silva Nascimento.

Elizabete Bonesi direcionou a produção para o gênero literário. Com a mesma notícia trabalhada por Martha, a professora pediu que seus alunos identificassem o narrador na matéria, tempo em que são vivenciadas as ações, espaço em que os fatos acontecem, o enredo da história e os personagens envolvidos. “A análise do jornal em sala possibilita o contato com diferentes textos e a ampliação de conhecimentos e produções didáticas”, destaca Elizabete.

Imagem 020“Escrever a notícia como se fosse uma narrativa foi muito interessante, pois me senti atraída pela leitura e ainda usei minha imaginação para idealizar o fato em meu raciocínio, para nós, crianças, tudo pode ser transformado em um ‘conto de fadas’”, ressalta a estudante, Lara Loise da Silva.

A coordenadora pedagógica, Lorena Yaél Languer enfatiza que o uso do jornal em sala de aula indica um novo contorno do pensar e agir com resultados muito positivos. “A ideia de manusear o impresso como instrumento pedagógico transforma-o em uma ferramenta prática para a motivação do saber”, diz.

PRODUÇÃO

Confira o resumo da notícia com a manchete “Adolescente de 16 anos está desaparecida há cinco dias em Londrina”, produzido pela aluna Ana Caroline, do 5º ano “A”.

Família procura adolescente de 16 anos que desapareceu na cidade de Londrina, no final da tarde da última quinta-feira. Sua mãe, Rosimeire está desesperada pelo sumiço da filha, Jennifer, que estava no Colégio Vicente Rijo. A adolescente foi vista pela última vez descendo do ônibus.

Comente aqui

Visita ao Diário resulta em produção

Todas as escolas municipais de Astorga estão trazendo seus alunos para visitar a sede do Grupo O Diário. Durante o passeio educativo, as crianças conhecem desde a produção da notícia até a impressão do jornal e os diferentes profissionais envolvidos neste processo.

Na última semana, as turmas do quinto ano da Escola Municipal Alfredo Sofientini estiveram na empresa e voltaram para a sala de aula prontos para criar conteúdos a respeito de tudo o que aprenderam.

“Eu me senti emocionado em ver a rotina de trabalho dos funcionários e fiquei muito feliz em poder conhecer como o jornal é feito antes de ser entregue em nossas casas”, destaca o aluno, Everton da Silva.

A professora Sonia Gimenes solicitou que as crianças relatassem através de uma poesia, história em quadrinhos (HQ) ou tirinha, algo que demonstrasse o que o passeio representou para elas. “Percebi que mais do que um momento de entretenimento fora da escola, os estudantes trouxeram valores que acrescentaram à vida deles, no momento da produção todos queriam participar, pois estavam cheios de ideias”, conta.

A aluna, Maria Clara Lopes de Souza comenta que ficou surpresa com o número de pessoas envolvidas na produção do jornal. “Achei que a diagramação do jornal era feita por algum sistema, mas não, este trabalho é feito pelo diagramador.” Quando foi desenvolver a atividade, Maria Clara optou por fazer uma HQ e assim, apresentar a função de cada um dos profissionais da redação. “Reforcei o que aprendi no passeio, quando criei a minha historinha. O dia da visita ao Diário foi maravilhoso e eu nunca vou esquecer tudo o que vi”, relata.

NA PRÁTICA

O aluno, Everton Luiz da Silva desenvolveu um poema sobre o passeio educativo ao Diário. Leia:

Visitamos o Diário

E eu achei tudo muito legal

Tem repórter e fotógrafo

Subindo e descendo degraus

 

Tem a sala pré-impressão

Fechada em todos os lados

Para não entrar nenhuma luz

Onde na placa de metal, o jornal é revelado

 

O galpão de impressão

Tem uma máquina comprida

Que produz 18 mil jornais

Para a leitura da nossa população querida

Voltamos de ônibus

Curtindo a visita

Foi um momento formidável

Que vou guardar para toda a vida.

Comente aqui

Nota do Ideb é tema de atividade escolar

A divulgação do último resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) gerou repercussão dentro dos espaços escolares. Para que os alunos conhecessem sobre o assunto, a professora Iara Maria Pretti Elpidio que leciona na Escola Municipal São Jorge, em São Jorge do Ivaí, desenvolveu uma série de atividades focadas na valorização do estudante e no quanto ele é fundamental na evolução do processo de ensino-aprendizagem da instituição. São Jorge 01A partir da matéria do Diário com a manchete “Ideb sobe na Amusep e 19 das 30 cidades atingem meta”, Iara iniciou as produções. “Tive como objetivo solicitar a leitura e a interpretação da notícia para que o aluno despertasse o senso crítico, e assim, realizasse a produção de um texto opinativo”, diz. “Eu nunca tinha ouvido falar sobre esse índice e fiquei surpresa com algumas notas tão baixas”, diz a aluna, Maria Fernanda Barbosa. Ainda sobre o texto jornalístico, a professora realizou um debate em sala sobre questões relacionadas ao dia-a-dia escolar, com ênfase na situação da educação, os pontos positivos e negativos do processo de ensino, como é o apoio da família na aprendizagem e o que pode ser melhorado na instituição. “Os questionamentos foram estendidos aos familiares e responsáveis pelas crianças, diretores, coordenadores e professores, para que todos pudessem opinar sobre a educação, de um modo geral”, conta Iara. Para auxiliar a atividade, a professora usou o artigo de opinião da colunista do Diário, Lu Oliveira, sobre notas vermelhas e contou com a ajuda da diretora Sueli Sisti Crubelati para falar com os alunos sobre o tema em estudo. “Nós temos uma escola bem estruturada, com professores capacitados, mas percebemos que uma grande parte dos alunos precisa melhorar e se esforçar em busca do conhecimento, pois esse desinteresse pelos estudos vai aparecer lá na frente, quando adultos, prejudicando-os na escolha profissional.” Foto AbreDepois do levantamento dos resultados obtidos com o questionário, a turma se uniu para a produção de um texto coletivo e todas as opiniões adquiridas foram reescritas em forma de depoimentos para serem expostas no mural da escola. “Esta atividade proporcionou conscientização nos estudantes sobre a importância dos dados do Ideb e da real situação da educação em nosso país. O trabalho foi muito relevante, pois a classe precisou se tornar uma grande equipe para conseguirmos bons resultados”, enfatiza Iara. “A escola vai bem e nos oferece os recursos que precisamos. Devemos valorizar as pessoas que colaboram para termos uma boa formação. A maioria dos alunos não estudam, pois veem como obrigação simplesmente para passar de ano, mas percebi que as famílias se preocupam com a educação e colaboram na vida escolar de seus filhos, o que é muito bom”, ressalta a aluna, Hanna Pereira Ferreria. “É preciso que os alunos aprendam a estudar para adquirir conhecimentos, tornarem-se cidadãos críticos, e não apenas para cumprir metas pré-estabelecidas e atingir notas, representando apenas um número entre tantos. Precisamos formar cidadãos que façam diferença na sociedade”, conclui a professora.

Comente aqui

O Diário proporciona entretenimento e informação na sala de aula

Muitas vezes, a paixão pela leitura começa pelas histórias em quadrinhos (HQs) por ser um tipo de texto que torna o ato de ler mais divertido, já que apresentam, além das falas, desenhos que representam as ações dos personagens. Mas a leitura é apenas uma das possibilidades para se trabalhar a HQ, pois os quadrinhos oferecem inúmeras maneiras de exploração. São materiais que permitem a reflexão, a criação, a produção e até a interpretação textual.

20140905_141408Depois de participar da capacitação oferecida pelo Diário na Escola sobre como trabalhar a HQ a partir da notícia do jornal, a professora Joana de Lourdes Contieri que leciona na Escola Municipal São Jorge, em São Jorge do Ivaí, colocou em prática a teoria adquirida durante a formação e garante, “os resultados foram ótimos.”

“Meu objetivo foi despertar o interesse pela leitura a partir dos textos de circulação social. De forma livre, cada aluno escolheu uma manchete que mais chamou atenção e, em seguida, realizou uma produção textual que compôs a narrativa da HQ”, destaca Lourdes.

A coordenadora pedagógica, Elisabete Sampaio conta que nesta atividade, em especial, foi perceptível o entusiasmo das crianças. “O estudo deste gênero envolve a criatividade e os desenhos, isso reflete no interesse pela proposta.”

O aluno Kauã Moura comenta sobre o quanto o jornal auxiliou durante a produção. “As notícias do Diário nos ajudaram no momento em decidir o assunto da história a ser desenvolvida.” E a colega Akemyla Bortolucci Ventureli completa, “pude usar minha imaginação e com a leitura das matérias ainda aumentei meu conhecimento sobre os fatos que são destaque no impresso.”

Com a oportunidade em escolher o tema, a professora relata que houve maior atração pela leitura. Desta forma cada estudante se direcionou para o caderno que mais se identifica. “Este é um processo que tem contribuído muito no aprendizado das crianças, pois elas sentem prazer no que estão fazendo.”

Assim como foi aconselhando pelas ministrantes da formação oferecida pelo Diário na Escola, Lourdes solicitou que primeiramente os estudantes escrevessem a narrativa, para em seguida desenvolverem os quadrinhos com as falas e os desenhos dos personagens. “O interessante do passo-a-passo da HQ é que o aluno vai tendo a ideia de que um trabalho com escrita deve ser planejado, sim. Primeiro, se pensa num enredo para a história antes de produzi-la. Também se calcula o espaço para os desenhos e textos verbais, o espaço do texto não verbal deve ser observado por último. Essas orientações de sequencias do que se deve fazer são importantes para direcionar a criança a fim de mediar essa produção com qualidade”, ressalta a professora mestre, Maísa Cardoso.

Lourdes relata que por ser a primeira atividade com o gênero, os estudantes sentiram dificuldades durante a proposta, mas com orientações o resultado foi muito bom. “Me senti realizada ao término do trabalho, as crianças se empenharam bastante e percebi o quanto os exemplares do Diário estão contribuído no processo de ensino-aprendizagem”, conclui.

A aluna Marcela Arenos criou uma tirinha a partir da notícia sobre os estragos da chuva de granizos, publicada no Diário.

A aluna Marcela Arenos criou uma tirinha a partir da notícia sobre os estragos da chuva de granizos, publicada no Diário.

Comente aqui

Alunos de Ivatuba sugerem pautas para o impresso

Já pensou abrir o jornal e encontrar apenas notícias positivas de fatos que você gostaria que acontecessem? Na oficina desenvolvida pelo O Diário na Escola, em Ivatuba, na Escola Municipal Afrânio Peixoto, os alunos sentiram essa experiência. Intitulada “O jornal de notícias maravilhosas”, as crianças usaram a imaginação para participar da atividade.

Foto AbreNa proposta, os estudantes foram divididos em grupos e, juntos, debateram sobre o que deveria ser manchete na capa do impresso que eles iriam criar. “Nesse trabalho eu conheci de forma mais detalhada a primeira página do jornal e ainda pensei em melhorias para a minha cidade”, conta a aluna Beatriz da Silva Geronasio.

O estudante Ruan Santos de Souza comenta que se sentiu um verdadeiro jornalista. “Foi divertido trabalhar em equipe e sentir como é a rotina dos repórteres durante a reunião de pauta. Quando eu for escolher minha profissão, com certeza irei lembrar deste momento.”

Entre as sugestões de assuntos para a capa estavam: criação de um parque ecológico no município, uma escola mais ampla, e apresentação de peça teatral. “Adorei conversar com meus colegas sobre quantas coisas novas podemos ter em nossa cidade. Espero que essas notícias que criamos se tornem verdade, em breve”, brinca a aluna Mariane Mendes Fernandes.

A proposta desenvolvida, ao mesmo tempo, com estudantes do terceiro e do quinto ano proporcionou interação entre as turmas. “É importante as crianças trabalharem juntas, percebemos que não houve distinção entre os mais velhos e os mais novos, nem diferença de nível de aprendizado durante as sugestões das manchetes”, destaca a professora Nilza Guidini Valentini.

Com o nome “Jornal Espetacular” os alunos diagramaram uma capa de impresso na cartolina e a deixaram em exposição na sala de aula. “Esta oficina gerou empolgação nas crianças, no outro dia todos os estudantes da escola queriam ver o trabalho desenvolvido”, relata a diretora Maria Luiza Macedo da Silva.

Comente aqui

Jornal na escola: letramento e cidadania

Foto Abre 01 ANa Escola Municipal Amábile Tonetto Pozzobon, em Astorga, diversas atividades com o Diário são realizadas todas as semanas. As professoras, Elis Regina Rodrigues e Heliane Cristina Martins Silva destacam que os exemplares tornam as aulas mais prazerosas e despertam o interesse pela leitura em seus alunos dos quintos anos.

Elis desenvolveu um “quebra-cabeça” com o jornal. A educadora recortou textos e fotos das páginas do impresso e colou em sulfites. Em uma página o texto, em outra a foto. “Depois desta etapa pronta, separei a turma em grupos e eles iniciaram a busca da matéria que se encaixasse com o conteúdo representado na imagem. Foi uma aula muito dinâmica, pude ver o prazer deles em realizar o que estava proposto”, conta.

A partir disso, os estudantes se sentiram curiosos na leitura da notícia. “Me diverti com meus colegas de classe nessa aula e quando percebi já tinha lido quase todo o jornal na ansiedade em encontrar textos e fotos correspondentes”, comenta a aluna Eduarda Perugini.

A coordenadora pedagógica, Sônia Peixoto Luna enfatiza que além de um momento de descontração, o estudo com o uso do Diário estimula a criticidade da criança e a interação de trabalhos em grupos.

“Nesta proposta os estudantes perceberam que, muitas vezes, o texto não verbal é utilizado para despertar a atenção e aguçar a curiosidade do leitor, pois foi exatamente isso que aconteceu durante a realização desta atividade”, fala Elis.

Foto Abre 01 BJá a professora Heliane, aproveitou a discussão entre os alunos sobre uma das manchetes do Diário e desenvolveu um debate com a turma. “A notícia de que primos brincavam com uma pistola, a arma disparou e matou uma das crianças, causou polêmica entre os estudantes. Aproveitei o momento para esgotar o assunto”, diz.

A educadora conta que os alunos ficaram chocados com o fato e se mostraram indignados com a falta de responsabilidade dos familiares por terem uma arma de fogo em casa e a deixarem em local de fácil acesso para os meninos.

Heliane pediu para que todos realizassem a leitura da matéria e após argumentarem a respeito das informações contidas no texto, foi produzido um painel informativo com a opinião dos alunos sobre o ocorrido.

“Percebi que conhecer os fatos da sociedade podem nos alertar dos riscos de uma brincadeira impensada. As aulas com o jornal trazem muito aprendizado e contribuem também para a nossa formação cultural”, ressalta o estudante Nicolas Gomes.

Luciane Nogueira é coordenadora na escola e relata sobre os bons resultados desta proposta. “Mais do que o aprimoramento da leitura, esta produção demonstrou a criticidade dos alunos a respeito do uso ilegal de armas e os perigos em se ter objetos como este dentro de casa.”

“O Programa O Diário na Escola tem contribuído efetivamente na formação dos professores que utilizam o jornal como recurso didático em sala de aula. Nestes anos parceria estamos colhendo ótimos resultados, pois além de formar leitores competentes, contribui, sobretudo, para a formação em conjunto de cidadãos participativos e providos de informações atualizadas”, ressalta a assessora pedagógica da secretaria de educação de Astorga, Elena Pericin.

Foto Abre 02

EXPOSIÇÃO. Painel apresenta opiniões dos alunos a respeito da manchete do Diário.

Comente aqui

Alunos dramatizam telejornal a partir de notícias do Diário

Os estudantes da Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia, participaram da oficina “Jornal Falado” desenvolvida pela equipe do Programa O Diário na Escola. Uma atividade que possibilita a prática da leitura e da oralidade, além da oportunidade em conhecer textos de circulação social.

Foto AbreDepois de um bate-papo sobre as diferenças entre os jornais impressos e os televisivos, as crianças receberam exemplares do Diário para encontrarem notícias e anúncios publicitários que os despertassem interesse, e assim, pudessem encenar um telejornal com direito à abertura, chamadas, comerciais e encerramento. “Essa dinâmica cativou os alunos estimulando a participação e envolvimento da turma”, conta a professora Suzi Aparecida de Souza Rosário.

O estudante Gustavo Henrique da Silva destaca sobre a importância em se manter informado, “só conseguimos isso a partir do conhecimento do que é notícia”. E o colega Matheus de Lima Pereira completa, “descobri que mais do que concorrentes, os veículos de comunicação são parceiros que trocam fontes.”

A educadora Elizabete Ronca Bonesi comenta sobre as alternativas de trabalho que o jornal oferece. “Transformamos as matérias em narrativas, sempre explorando os elementos textuais e a interpretação dos fatos.”

“No dia que o Diário vai para a sala de aula há interação entre as crianças, elas adoram comentar as notícias. Depois disso ainda podem levar o impresso para desenvolver uma leitura familiar, em casa”, ressalta a professora Marta Ribeiro Franchetti.

Durante a oficina com a equipe do Programa, os estudantes puderam tirar todas as dúvidas sobre o jornalismo e os profissionais da área. “Agora sei como é feito o jornal, a correria que é a vida de um repórter e o contato que eles têm com outras pessoas da imprensa para se inteirarem dos assuntos que são destaque pelo mundo”, enfatiza o aluno, Douglas da Silva Magalhães.

“Os benefícios do uso do Diário em sala são muitos, em especial, para o estudo da diversidade dos gêneros textuais”, fala a vice-diretora da escola, Vera Lúcia Fabris. A secretária da educação do município, Ângela Candioto acrescenta, “os assuntos polêmicos e de interesse social são pauta de trabalho do professor, o que garante momentos de argumentação e contribui para a formação cidadã das nossas crianças.”

Comente aqui

Escola de Cruzeiro do Sul realiza projetos de reciclagem e compostagem

Foto Abre“Separação e Reciclagem de Lixo: Compromisso com a Vida” e “Adubação Orgânica: A Compostagem na Horta Escolar” são os projetos desenvolvidos pela equipe da Escola Municipal Professor Flávio Sarrão, em Cruzeiro do Sul. “Percebemos que o município e a nossa instituição de ensino vivenciavam o problema da destinação final do lixo e dos restos de alimentos produzidos todos os dias. O que sobrava da merenda, por exemplo, era descartado no mesmo recipiente em que estavam papeis, latas e plásticos. Isso precisava ser mudado”, destaca o professor Valmir Luchetti.

Na primeira atividade fora da escola, os alunos foram visitar o Parque Ecológico onde funciona o Viveiro Municipal, para que pudessem plantar as sementes das flores que posteriormente foram utilizadas para a confecção de vasos feitos de pneus velhos.

“Para nós foi uma experiência incrível, não podíamos imaginar que uma sementinha tão pequenina pudesse gerar flores tão belas, especialmente por terem sido plantadas pelas nossas mãos”, conta a estudante Hanna Yasmine Osmani.

Depois de uma palestra com um dos técnicos da Emater sobre como fazer a compostagem, as crianças foram à prática. Com tambores na horta da escola, as cozinheiras foram orientadas a separar os restos de alimentos da cantina. No momento do descarte, professores e alunos se reuniram para auxiliar na produção do composto orgânico a ser utilizado nas hortaliças. “Esse momento foi muito importante, pois se praticou conceitos de preservação ambiental, separação e reaproveitamento daquilo que era considerado lixo”, comenta a diretora da escola, Esbelta Ferreira.

Os estudantes também tiveram a oportunidade de conhecer o lixão da cidade para que pudessem ver a real situação em que o município se encontra. “Não chovia há alguns dias e, mesmo assim, ao aproximar do lixão todos sentiram o forte cheiro do chorume que escorria a céu aberto poluindo o ar e também o lençol freático. Naquele momento a algazarra dentro do ônibus, cedeu lugar ao silêncio da surpresa em ver as montanhas de sacolas com garrafas, móveis, restos de comida e até lâmpadas”, enfatiza Valmir.

Algumas professoras relatam que quase não acreditaram no que viram. Outras destacaram que aquela era uma imagem só vista pela televisão e que não imaginavam existir uma realidade dessas em um terreno tão próximo de onde moram. Com isso, todos voltaram para casa com a certeza de que algo deveria ser feito, urgente.

IMG_1561De forma interdisciplinar, as educadoras passaram a trabalhar a separação e a reciclagem de lixo, auxiliando os alunos nas diversas formas de reaproveitar as matérias-primas. “Em sala de aula se iniciou um grande interesse pelo tema, percebi preocupação e vi o quanto é importante discutir assuntos relacionados ao cotidiano do aluno, pois ele está vivenciando esta realidade diariamente e, muitas vezes, nem percebe. Notei isso de modo muito forte quando visitamos o lixão. Ficaram perplexos em saber que são responsáveis por aquilo tudo”, ressalta a professora Maria Sandra Bezerra Ribeiro.

E assim se deu início há uma mudança de hábitos, costumes e valores em relação ao descarte do lixo. “A partir do ambiente escolar, as ações se estenderam à casa dos alunos, com a esperança de que num futuro próximo toda a cidade esteja com a mesma consciência de reaproveitamento”, conta Esbelta.

“Depois dessas atividades o comportamento mudou lá em casa. Meu filho me cobra dizendo que temos que separar o lixo diariamente. A preocupação das crianças aumentou e isso tem provocado em nós, pais, também uma mudança de hábitos. É incrível passamos a ver o problema de uma forma mais séria, a partir de um trabalho escolar”, conclui a mãe do aluno Leonardo, Márcia Cristina Juliani Correia.

Comente aqui

Manchete sobre violência surpreende estudantes

IMAG0253Dentro da coluna Notícias Breves do caderno de Polícia do Diário, os alunos da Escola Municipal Guiti Sato, de Marialva, se atentaram à manchete: “Criança de 10 anos participa de assalto”. A professora Tanize Aparecida Geraldo André conta que sempre motiva as crianças a lerem o jornal todo, de forma livre, para que em seguida elas opinem sobre o que encontraram de mais interessante no impresso.

Na matéria destacou-se o fato de uma menina de 10 anos e dois adolescentes terem assaltado um supermercado no município de Cambé. Um dos garotos estava com um revólver e disparou a arma depois que um cliente reagiu, por sorte ninguém ficou ferido. Com R$ 700, o trio entrou em um carro e fugiu.

“A sociedade está cada dia mais perigosa, não podemos mais confiar nem na ingenuidade de uma criança. Como foi apresentado na notícia, até os menores de idade estão cometendo crimes”, ressalta a aluna Thaissa Cristina de Souza Oliveira.

O fato noticiado se tornou tema de debate em sala de aula. “Os estudantes queriam falar, contar experiências, apresentar novas informações. Temas polêmicos sempre geram boas discussões em classe”, comenta a professora.

Depois da leitura da notícia Tanize solicitou às crianças que realizassem uma produção textual opinativa sobre a violência na infância. “A conversa em sala foi importante para nos ajudar com argumentos no momento da atividade escrita”, conta a aluna Thais Leal.

“Na escola temos o compromisso de conscientizar os estudantes sobre os riscos das drogas e da criminalidade, por estarmos localizados em um bairro de periferia eles têm contato com esta realidade e, por isso, sempre lembramos que este não é o melhor caminho a seguir”, ressalta a coordenadora pedagógica Jaqueline Aparecida Fernandes.

A professora enfatiza que trabalho com o uso do Diário é sempre desafiador para os alunos. “Se exige boa leitura e compreensão, mas como resultado eles têm novos conhecimentos e maior suporte para a construção de textos. Nesta atividade, em especial, o resultado foi muito satisfatório, pois identifiquei maior dedicação no que foi proposto em sala de aula”, diz.

Comente aqui

Alunos escrevem carta para Caixa Postal do Diário

Você já observou que em jornais e revistas há um espaço reservado para que a opinião dos leitores seja publicada? No Diário do Norte do Paraná esta coluna é chamada de Caixa Postal, uma parte do impresso na qual as pessoas podem mostrar opiniões e sugestões, debater os argumentos levantados nos artigos e fazer críticas. Alguns ainda apresentam perguntas, reflexões e elogios. Com o objetivo de ouvir os alunos das Escolas Municipais Tancredo Neves e Padre Mateus Elias, de Doutor Camargo, a equipe do Diário na Escola desenvolveu a oficina “Escrevendo para o jornal” e, assim, as crianças discutiram e produziram cartas para a Caixa Postal do Diário. “Gosto da página do impresso referente à carta ao leitor, pois além de incentivar a leitura e a escrita mostra a função em se escrever à redação do jornal. Desta forma, propicia aos alunos o contato com fatos recentes e ainda a oportunidade de se expressar sobre diversos assuntos”, destaca a diretora da escola Padre Mateus, Sidineia Aparecida Guiraldi Rocha. Foto Abre 01O Diário publicou uma enquete sobre a estudante do Alabama (EUA) que foi mandada de volta para casa no primeiro dia de aula por causa dos cabelos vermelhos da jovem. Este assunto causou fervor nas crianças da escola Tancredo Neves.  “A atitude foi completamente errada, a cor do cabelo não interfere na sabedoria da pessoa”, enfatiza a aluna Raissa Izabelly Mori. E a colega Iasmin Lopes Pardo acrescenta, “para mim, este é um exemplo de bullying.” Já na escola Padre Mateus o que despertou o interesse dos alunos e se tornou tema de debate foi a manchete “Operação prende 11 com material pornográfico”, notícia que apresentou informações sobre casos de pedofilia online. “Eu tenho perfil nas redes sociais e não imaginava que poderia estar correndo tantos riscos, esta matéria do Diário me abriu os olhos”, ressalta a aluna Ana Julia Vicentini Maniezo. A amiga Beatriz Geraldo Pazenatto aconselha, “não podemos conversar e muito menos marcar encontro com desconhecidos da web. É importante, também, avisar os pais onde e com quem estamos quando saímos de casa sozinha.” Nas duas instituições de ensino de Doutor Camargo em que se desenvolveu a atividade, o trabalho foi finalizado com a produção de uma carta coletiva para a Caixa Postal do jornal O Diário que está publicada na edição de hoje, página A2. “Esta oficina foi excelente não só para o conhecimento do estudante, mas para o educador também. Aprendi como explorar textos curtos publicados no impresso. Com temas que são parte do universo das crianças, elas conseguiram participar da aula e entender conteúdos de relevância social. Com certeza o trabalho iniciado hoje ainda renderá outros resultados positivos”, conclui a professora da escola Tancredo Neves, Rosângela da Silva Oliveira.

Comente aqui

Notícia proporciona aula interdisciplinar

Os alunos da Escola Municipal Alberto Bonini – em Tupinambá, distrito de Astorga –  recebem o jornal semanalmente para a realização de atividades. A coordenação da instituição está desenvolvendo o projeto “Dengue: cidade limpa, comunidade feliz” e aliou o conteúdo da notícia publicada no Diário com a manchete “Dengue leva Astorga a decretar emergência” para realizar atividades de conscientização nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática.

“Trabalhamos a oralidade a partir do relato das crianças sobre as experiências vividas depois de terem sido picadas pelo mosquito transmissor da doença, e finalizamos a conversa com a leitura da reportagem”, destaca a professora Christiane Sene Miguel.

Na matéria do Diário foram identificadas as informações e os dados apresentados através da interpretação textual e o gênero notícia. “Nesta proposta os alunos puderam ampliar vocabulários e fazer a análise linguística com o auxílio do dicionário”, conta Christiane.

Foto Submanchete 02 - AstorgaAtravés do gráfico da reportagem a professora trabalhou a Matemática. Os estudantes utilizaram a calculadora para fazer um balanço dos casos da epidemia e, assim, verificar quais medidas devem ser tomadas para que a dengue não se prolifere.

“Adorei a atividade que fizemos sobre a dengue. Com o apoio do texto do jornal a proposta se tornou simples e eu pude conhecer, inclusive, o que os governantes de Astorga têm feito para evitar mais casos da doença”, ressalta a aluna Yasmin de Oliveira Piza.

“Foi uma aula dinâmica e que trouxe um aprendizado diferente para as crianças. Durante todo o trabalho a turma interagiu e se comprometeu em colaborar para que não apareçam novas larvas do mosquito”, destaca Christiane.

1 Comentário

Interpretando o jornal

A proposta de reescrever os fatos publicados no jornal, através da observação apenas das imagens, tem rendido bons trabalhos dentro das instituições de ensino. Por ser algo que proporciona uma nova experiência ao estudante e o faz usar a criatividade, os professores têm aplicado essa didática em sala de aula.

Joana de Lourdes Contieri leciona na Escola Municipal São Jorge, em São Jorge do Ivaí, e desenvolveu com seus alunos do 5º ano o desafio de interpretar as fotos do Diário, e assim, criar algo novo que pudesse descrever a imagem jornalística. “As crianças tiveram liberdade de escolher o que mais os despertasse a atenção, isso foi bom para estimulá-los, pois cada um optou por aquilo que tem maior afinidade ou conhecimento”, conta.

“Este trabalho enriquece muito a aprendizagem dos alunos, acrescentando tanto na prática da leitura quanto na escrita”, destaca a supervisora da escola, Rozilene Cassanho Zago.

O estudante Fabrício Pereira da Silva comenta que adorou a proposta. “Foi divertido, pois senti um pouco do desafio que é a rotina dos repórteres do Diário.” A colega Akemyla Ventureli completa, “me diverti com a atividade e ainda conheci novas estruturas que compõem o jornal, porque durante a escolha da imagem observei as páginas com mais calma.”

Contente com o desenvolvimento do trabalho a partir do uso do Diário em sala de aula, a professora ressalta a importância em receber o material semanalmente. “É uma oportunidade de leitura factual que muitos alunos só têm dentro da escola. Mais do que um auxílio no processo de ensino é a chance de ter acesso às notícias da região.”

PRODUÇÃO

Estudante recebe o desafio de assumir a função de repórter e cria legenda para foto do Diário.

Imagem Box Submanchete 01

Em Maringá, um homem foi flagrado nu próximo à Praça Rui Barbosa. Enquanto ele atravessava a rua pessoas ligaram para a polícia. Questionado, o rapaz disse que gosta de chamar a atenção. (Legenda produzida pela aluna: Akemyla Ventureli)

Comente aqui

A história da fotografia em pauta

FASCÍNIO. O contato com equipamentos utilizados em décadas passadas encantaram os estudantes.

FASCÍNIO. O contato com equipamentos utilizados em décadas passadas encantaram os estudantes.

Em Santa Fé, município em que cerca da metade da população ativa trabalha no segmento fotográfico, a equipe do Diário na Escola desenvolveu uma oficina pedagógica sobre a evolução das máquinas e dos tipos de registros com os alunos das Escolas Municipais Jardim Primavera e Nove de Dezembro.

“Este é um assunto que está próximo da realidade dos estudantes, fator que torna os resultados das atividades ainda melhores. Parte dos familiares das crianças ganha seu sustento nas empresas fotográficas da cidade, por isso é importante que conheçam sobre o assunto”, destaca a professora Genilza Favato.

A coordenadora do Programa, Loiva Lopes apresentou um vídeo com toda a história da criação da primeira máquina até a mudança que houve na pose das pessoas para os registros. “Antigamente ninguém sorria para as fotos. Descobri que era porque poderia demorar até trinta minutos para ser feito uma imagem, pois os equipamentos não tinham a tecnologia e agilidade que vemos hoje”, conta o aluno Vitor Hugo Evangelista.

As crianças tiveram a oportunidade de manusear as máquinas fotográficas que já foram utilizadas pelos fotógrafos do Diário ao longo dos 40 anos de história da empresa. “São relíquias guardadas que ajudam os estudantes a entender o avanço dos registros. Os equipamentos que eram grandes, pesados e sem flash, hoje deram lugar aos compactos e com diferentes funções”, fala Loiva.

Grande parte dos alunos se quer tinham visto um filme fotográfico, daqueles em formato de carretel que era utilizado para registrar a imagem e, em seguida, ser feita a revelação. “Tudo está sendo novidade, não imaginava que um dia já havia existido equipamentos assim. Adorei a oficina de hoje e agora tenho mais certeza de que quero ser fotógrafa”, comenta a estudante Giseli Fátima Sgaraboto.

“Além do momento de aprendizado, a vinda da equipe do Programa até a escola trouxe interação entre os alunos”, ressalta o professor Jeremias Ramos Coutinho. A colega de profissão Jaqueline Biazon completa, “não só as crianças estão saindo da aula com novos conhecimentos, mas eu também. A fala da Loiva me proporcionou ideias que vou aplicar em sala para continuar o trabalho sobre a fotografia.”

Comente aqui