atividades

Alunos de Itambé já estão em ritmo de Copa

A menos de um mês do início do campeonato mundial, não se fala em outra coisa. E dentro da sala de aula não é diferente. Desde o início do ano letivo a professora Suelena Giraldelli Jaqueta, que leciona para os quintos anos da Escola Municipal Prof. Domingos Laudenir Vitorino, de Itambé, tem preparado atividades relacionadas à Copa do Mundo, afinal para a maioria das crianças esta é a primeira oportunidade de ver o Brasil, quem sabe, se consagrar campeão. Pois no ano em que o país conquistou o penta, elas ainda não tinham nascido.

“O trabalho sobre um evento tão grande, e ainda novo para alguns estudantes, desperta interesse, curiosidade e patriotismo nas crianças. Conciliado a isso tenho dois alunos que estão indo morar em Curitiba para jogar futebol profissional em um time infantil de lá. Os colegas de classe estão eufóricos com a notícia, então para evitar a conversa paralela percebi que o ideal seria incluir o assunto em minhas aulas”, destaca Suelena.

Dentre as propostas didáticas a professora tem aliado o futebol e os campeonatos com a interdisciplinaridade, desta forma consegue incluir algo novo em sala, sem deixar de cumprir o currículo escolar, “e o resultado têm sido ótimo”, afirma.

Na geografia, os alunos pesquisaram quais são os continentes dos países participantes da Copa de 2014 e o nome daqueles que foram sede dos jogos onde o Brasil ganhou cada um dos cinco títulos de campeão mundial.

Na matemática as crianças foram desafiadas a calcular quantos anos o nosso país ficou sem título entre uma vitória e outra, por exemplo, desde que se tornou pentacampeão em 2002 o Brasil está há 12 anos sem ganhar uma Copa.

Para que os alunos tivessem interesse pela história mundial, Suelena sugeriu que começassem a buscar informações sobre a evolução do futebol ao longo dos anos, comidas típicas dos países participantes, costumes dos povos e a origem das bandeiras.

Os substantivos também foram trabalhados, mas a partir dos nomes próprios dos continentes, países, times e jogadores. Os hinos e músicas temas de cada campeonato foram opções de atividades relacionadas à disciplina de língua portuguesa, além das propostas de interpretação textual.

A sala de informática da escola foi utilizada para o trabalho de pesquisa, “muitas crianças não tem acesso à internet em casa, então aproveitei os horários no laboratório para adiantar o que seria tarefa e assim, a partir da busca por informações, eles também aprendem como manusear os equipamentos”, conta Suelena.

A diretoria forneceu um caderno para que cada aluno produzisse o seu “livro” sobre as Copas do Mundo. A professora ressalta que todas as atividades estão sendo escritas neste caderno especial para que isso seja um arquivo que eles possam guardar por muitos anos, “e quem sabe, futuramente, completar com dados e novidades dos jogos de 2018.”

PATRIOTAS. De camiseta e Cap – este último produzido pelos próprios alunos – a turma está pronta para a torcida.

PATRIOTAS. De camiseta e Cap – este último produzido pelos próprios alunos – a turma está pronta para a torcida.

Comente aqui

HQ: narração de palavras e sequência de imagens

As atividades com as histórias em quadrinhos (HQ) em sala de aula são sempre muito bem recebidas por oferecer diversão e humor no aprendizado. Este gênero textual remete a discussões e promove a leitura e o desenvolvimento de um estudo que apresenta tanto a linguagem verbal, como a não verbal. E assim, estimula o aluno a interagir e dialogar com o texto que está sendo lido.

Pensando nisso a professora Cícera Aparecida Tassoli que leciona para o quinto ano da Escola Municipal Rocha Pombo, em Ourizona, optou por relacionar as notícias do jornal “O Diário” aos desenhos, balões e histórias criativas fazendo os alunos produzirem em um formato novo para eles, as HQs.

“Faço parte do Diário na Escola há alguns anos e já participei das capacitações oferecidas pelo Programa sobre as histórias em quadrinhos. Isso me ajudou na hora de montar a atividade, pois eu precisava trabalhar sobre a “dengue”, um problema que tem afetado o município, mas queria fazer algo diferente”, conta Cícera.

Primeiro a professora separou exemplares que continham matérias sobre a temática escolhida para a criação dos trabalhos. Em seguida os estudantes tiveram acesso aos jornais selecionados para que através da leitura das notícias eles pudessem retirar argumentos e construir o enredo das historinhas.

“Eu adoro ler gibis, e montar quadrinhos com personagens que eu mesma criei é muito legal! O texto é a parte mais difícil, principalmente porque esta é a minha primeira produção”, comenta a aluna do 5º ano “B”, Maria Clara Costa Calvo.

“Utilizamos as histórias em quadrinhos da Turma da Mônica nos momentos de leitura em sala, pois são conhecidas pelo público infantil e oportunizam trabalhar diferentes conteúdos. Como os personagens também são crianças os alunos se identificam com eles e sentem prazer na hora de ler”, ressalva a coordenadora Izabel Cristina Pessutti.

Vale salientar que o estudo deste gênero facilita a discussão de assuntos que envolvam, por exemplo, problemas sociais. Pois as histórias em quadrinhos retratam estes temas em uma perspectiva pedagógica e dinâmica. “As crianças gostam da HQ e encaram a produção como um momento de lazer no qual podem usar a imaginação”, fala Cícera.

Autores apontam que os quadrinhos tem caráter lúdico e muitos os consideram uma forma de arte. Além de entreter, estes são significativos no processo de ensino-aprendizagem dos mais diversos conteúdos, como geografia, matemática, história, português e até idiomas estrangeiros. A professora ressalta que o lúdico é essencial na vida cotidiana do indivíduo, “devemos educar as crianças sempre proporcionando momentos de interação uma com as outras, e nessa proposta a HQ facilita o trabalho.”

HQ 001

CRIAÇÃO. Esta é a HQ desenvolvida pela aluna Maria Clara. No enredo, conselhos para os cidadãos que ainda não têm atitudes preventivas a proliferação do mosquito Aedes Aegypti.

Comente aqui

Bate-papo na escola de Atalaia aborda os meios de comunicação

Veículos midiáticos que permitem a interação entre as pessoas e contribuem com a transmissão do conhecimento são chamados de meios de comunicação. Ao longo da história, o homem foi desenvolvendo formas para se comunicar. Primeiro os sinais, depois os desenhos, a língua falada, as cartas, até a criação de alguns objetos.

Com o avanço tecnológico os meios foram se tornando mais eficazes, a exemplo do jornal impresso, telefone, rádio, televisão, celular e internet. Todos são bastante utilizados em várias partes do mundo, e proporcionam o diálogo e a troca de informações.

A internet, por exemplo, permite que dados sejam obtidos com extrema rapidez e facilidade. Algumas redes sociais possibilitam conversas instantâneas independente do lugar em que você esteja.

Na educação, os estudos sobre a relação entre as mídias e o ensino têm se expandido devido ao impacto cada vez maior que os meios de comunicação têm na vida dos alunos.

Pensando nisso a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes esteve no município de Atalaia para conversar com os alunos da Escola Municipal Vânia Maria Simão sobre um dos veículos da imprensa que está há mais tempo dentro das instituições de ensino, o jornal impresso.

“À medida que a escola percebe a seriedade com que estão comprometidos os Programas de Jornal e Educação, e da Associação Nacional de Jornais (ANJ), em desenvolver um trabalho que beneficie estudante e educação cresce a adesão ao uso da mídia impressa como recurso das práticas pedagógicas. Conversar com crianças de 09 anos de idade que estão gostando de ler o jornal toda semana, é gratificante!”, destaca Loiva Lopes.

O município de Atalaia incluiu este ano os estudantes do 4º ano, o que favorece também os professores, que terão a oportunidade de participarem dos cursos oferecidos pelo Programa.

A facilidade de acesso ao material e a possibilidade de produção contribuíram para o uso do impresso como ferramenta pedagógica. Afinal estes não necessitam de aparelhos eletrônicos para reprodução, como caixas de som, microfones ou computadores. Jornais escolares, por exemplo, podem ser feitos a mão com recortes e colagem ou fotocopiados.

A coordenadora pedagógica da Escola Municipal de Atalaia, Lorena Yaél enfatiza que os jornais ajudam a formar o cidadão e contribui para que os leitores entendam seu papel na sociedade. “O material tem ampliado o nível cultural das crianças e desenvolvido as capacidades intelectuais. A leitura das publicações desperta a vontade dos alunos de comentar, debater e discutir assuntos tratados pela população em geral.”

Maria Fernanda de Souza é professora do 4º ano e conta que os alunos têm conseguido relacionar o fictício com o real. “Durante uma conversa sobre o anúncio no Diário a respeito da dengue, eu me surpreendi com os comentários dos estudantes. A publicidade continha a frase ‘Levou bala e acabou no hospital’, alguns falaram que era a bala de um revólver, já outros destacaram que a bala na verdade se referia ao papel do doce esquecido no chão, que acumulou água, procriou larvas da dengue e por ter sido picada pelo mosquito, a pessoa foi parar no hospital.”

Luciana Rodrigues Ramos, mãe da aluna Ana Julia comemora a oportunidade da filha em trabalhar com textos atuais em sala de aula. “Ela chega em casa eufórica contando sobre as notícias lidas. Pude perceber que a Ana Julia tem desenvolvido opinião sobre os fatos, ela costuma destacar o que acha positivo ou negativo nas matérias.”

“Quando eu acordo meu irmão já está lendo o jornal, agora eu não preciso mais dividir as páginas com ele porque posso ler na escola. O bom é que se não entendo algum assunto, já pergunto para a professora”, ressalta Ana Julia Rodrigues Ramos.

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

Comente aqui

Impresso desenvolve senso crítico em estudantes

IMG_2776Durante a visita da equipe do Programa à Escola Municipal Rocha Pombo, no município de Ourizona, o relato de uma aluna chamou a atenção. “Esta semana minha mãe estava me contando que o apresentador de TV, Pinga Fogo sofreu um problema de saúde e está internado. Ela achou que seria uma novidade, mas eu disse que já sabia, pois tinha lido sobre o assunto no Diário. Minha mãe ficou surpresa!”, relata Maria Clara Costa Calvo.

Para que momentos como este aconteçam mais vezes nas conversas em família, a equipe do Diário na Escola esteve com os estudantes de Ourizona apresentando todos os elementos que compõem o impresso, entre eles: manchete, texto chamada, foto, legendas, cadernos e lide.

Depois do bate-papo sobre a estrutura do jornal, os estudantes aplicaram a teoria na prática. Divididos em grupos receberam o desafio de encontrar a manchete principal do Diário, realizar a leitura da reportagem e ainda identificar: título, subtítulo, o que a foto representa, legenda e o lide da notícia.

A partir da manchete “Jardineiro entrega filho adolescente suspeito de matar vizinho de 83 anos” os estudantes desenvolveram as atividades acima e produziram um texto opinativo destacando se concordavam ou não com a atitude do pai do acusado, e qual pena o garoto de 16 anos deveria sofrer por ter matado um homem.

“A manchete é assustadora e atrativa ao mesmo tempo, isso desperta o interesse das crianças em ler a notícia completa. O diferente é que nestes casos eles não reclamam nem do tamanho do texto, pois estão curiosos em conhecer mais sobre o fato”, conta a professora Cícera Aparecida Tassoli.

Há cinco anos Cícera utiliza o jornal O Diário como suporte de ensino aos estudantes do 5º ano. Ela destaca que o impresso contribui muito em suas aulas, “além de aprofundar os conteúdos das disciplinas obrigatórias, melhora o rendimento dos estudantes e diversifica a minha rotina de trabalho”, conta.

Comente aqui

Sugestão de Atividade

TRABALHANDO COM ANÚNCIO

A partir da imagem responda as questões:

BOX 01

  • De quem é o apartamento?
  • Onde ele fica situado?
  • Você acha que ele é novo ou velho?
  • Quantos quartos ele tem?
  • Em qual andar fica este apartamento?
  • Qual a diferença entre uma casa e um apartamento?

_________________________________________________________

PRODUÇÃO

Agora você será desafiado a criar um anúncio para o caderno de classificados a partir da figura abaixo:

BOX 02

E aí professor, como foi o desenvolvimento destas atividades com os seus alunos? Nos envie os resultados pelo e-mail: odiarionaescola@odiario.com

Comente aqui

Professores aprendem sobre publicidade

FOTO 01Cerca de 100 profissionais da educação da rede municipal de Maringá participaram do encontro pedagógico “A publicidade no jornal: anúncio e classificado”. A formação foi oferecida pelo Diário na Escola e ministrada pelas professoras mestres Adélli Bazza e Maísa Cardoso. “O conhecimento avança num ritmo acelerado e o professor, por sua função social, necessita desse apoio didático constante, onde são privilegiados momentos para se repensar conceitos e adquirir novos conteúdos na busca de serem aprimorados os processos de ensino-aprendizagem. A ação docente se faz pela interação entre teoria e prática”, destaca a secretária de Educação de Maringá Solange Lopes.

Durante a capacitação, mostrou-se que o consumidor, no caso o aluno, ao observar as propagandas, nem sempre é capaz de absorver o conteúdo da melhor forma. Algumas vezes, os anúncios podem nos convencer de determinadas necessidades sem deixar alternativas. Por exemplo, ou se adquire tal produto ou está sujeito a sentir-se inferior a outros que o fazem. Dessa forma, a missão do educador é colocar à disposição do aluno mecanismos de defesa que permitam com que a criança filtre as informações recebidas.

Maísa Cardoso salienta que a formação do leitor deve ser frequente na sala de aula e, sem dúvida, o universo publicitário é um lugar de argumentação que precisa ser lido e interpretado pelo aluno. “Essa interpretação não acontece somente quanto à linguagem, mas principalmente à imagem, portanto, auxiliar o educando a observar os recursos semióticos desses gêneros é fundamental.”

A professora Rúbia Tatiane dos Santos enfatiza que foi possível ampliar a percepção sobre os anúncios veiculados na mídia e perceber o nível de intenção capitalista, direta ou indiretamente, encontrado em boa parte das publicidades. E a educadora Sirley Cordeiro de Queiros complementa: “Agora consigo visualizar as estratégias utilizadas para seduzir o leitor, tais como o despertar da curiosidade, segurança, conforto e ilusão de beleza.”

FOTO 2 - opção 01A ministrante Adélli ressalva que estudar esses gêneros possibilita ao professor desenvolver a criticidade dos alunos na medida em que revela as estratégias de argumentação que neles são empregados. “Espera-se com isso que esse estudante não seja tão facilmente seduzido quando exposto à publicidade, em geral.”

A escolha do tema para esta formação foi decidida pela coordenação do Diário na Escola em parceria com a Secretaria de Educação de Maringá, visando conciliar com o conteúdo bimestral já planejado para os quintos anos. “O foco é contribuir para que o professor possa fazer um bom planejamento, aplicando o que viu nas capacitações, em sala de aula”, destaca a coordenadora do programa Loiva Lopes.

“O encontro foi bom tanto para aqueles educadores que já participaram do Diário na Escola em anos anteriores, pois é sempre válido retomar questões de outras formações, como também para aqueles que iniciaram as atividades em 2014, porque possibilita a melhora da prática pedagógica e os trabalhos com este gênero”, conta a professora Marli do Rosário.

Comente aqui

Uma nova descoberta

IMG_2700Ansiosos, parte dos alunos do 5º ano da Escola Municipal Nilo Peçanha de Marialva, desfrutaram do primeiro contato com jornal. Algo que para muitos é uma experiência comum e diária, para aquelas crianças foi o momento de se encantarem com a quantidade de textos e imagens, além do instigante desafio de manusear as folhas do impresso sem se perder pelos cadernos de notícias.

“Um pouco maior do que os outros materiais que costumo usar em sala, o jornal ocupou todo o espaço da minha mesa. Confesso que não sabia por onde começar a leitura estava com uma mistura de sentimentos dentro de mim, mas logo a curiosidade me venceu e comecei a folhear e descobrir um monte de coisas novas”, conta a aluna Emilly Geovana Rodrigues Moraes.

Há mais de dez anos trabalhando com o Diário em sala de aula, a professora Sônia Rodrigues destaca que ao início de cada ano letivo as crianças já começam a cobrança pelas produções de atividades com o uso do impresso.

“Como no ano anterior eles viam que os alunos do 5º ano realizavam trabalhos com o Diário, este ano, desde os primeiros dias de aula eles já perguntavam quando voltariam as ações do Diário na Escola, porque agora é a vez deles participarem do Programa!”, ressalta Sônia.

Neste primeiro contato, os estudantes puderam bagunçar o jornal na busca daquilo que mais despertasse interesse e também conhecer cada página deste material que vai acompanha-los todas as semanas.

De imediato os meninos fizeram sua primeira parada no caderno de Esportes, já as meninas, correram para encontrar os resumos das novelas, e as previsões do horóscopo. Dentre a diversidade de conteúdos presentes no impresso, as crianças também descobriram que é possível se divertir. “Achei o máximo as palavras cruzadas, não sabia que no Diário também tinha, é um oportunidade que eu vou ter para me distrair e aprender ao mesmo tempo”, disse a aluna Nicole Silva Martins.

“Perceber esta motivação dos estudantes é gratificante para mim. Ter a oportunidade de trabalhar com um material diferente auxilia e facilita minhas funções como educadora. Além de proporcionar bons momentos com o jornal em sala, quero disponibilizar o impresso para levarem para casa, e quem sabe assim, terem momentos de leitura em família”, ressalva a professora.

Na etapa de leitura livre, a crônica da Lu Oliveira, na coluna Francamente, chamou a atenção da aluna Daiane da Silva Teixeira. “A escritora conta sobre a desagradável experiência de ter sido picada pelo mosquito transmissor da Dengue, algo que parece tão distante da gente, mas parando para pensar, pode acontecer com qualquer um de nós, por isso a prevenção é tão importante”, fala.

Com o comentário de Daiane, a turma toda passou a discutir sobre o assunto. Atenta, a professora aproveitou a oportunidade para conscientizá-los sobre a doença. A aula ficou ainda mais dinâmica com a visita da gerente de endemias do município, Maria Tereza Severino que falou sobre como prevenir a proliferação do Aedes Aegypti.

“A partir desta notícia do jornal, e também com o enfoque que a mídia tem feito no assunto, a minha próxima atividade com as crianças será leva-las a campo. Vamos sair pelas ruas em volta da escola, com luvas e sacos plásticos para recolher todo o lixo que estiver espalhado nas valetas, calçadas e terrenos baldios”, comenta Sônia.

Comente aqui

Manchete do Diário incentiva projeto sobre dengue

Com a temporada de chuvas, as chances de se acumular água em lixos, vasos e pneus aumentam, elevando também os casos de proliferação do mosquito Aedes Aegypti. De acordo com o último relatório divulgado pela secretaria de saúde de Maringá, já foram registradas 2.927 suspeitas de dengue no município, além de 648 casos positivos e duas mortes. Esse assunto tem preocupado a população e foi destaque de capa no jornal O Diário do Norte do Paraná.

A partir disso, a professora Suelena Yoshi Giraldelli Jaqueta, que leciona na Escola Municipal Professor Domingos Laudenir Vitorino em Itambé, criou um projeto com o objetivo de conscientizar alunos e pais sobre as consequências sofridas por aqueles que são picados pelo mosquito.

“A matéria publicada no Diário apontou os casos de dengue nos municípios que compõem a 15ª Regional de Saúde, o que inclui Itambé, cidade que já notificou 16 casos da doença. No ano passado tive vários alunos que foram picados pelo mosquito e percebi que era o momento de fazer algo para que o atual número não aumente”, conta a professora.

Suelena convidou a enfermeira do Posto de Saúde da cidade, Mara Leopoldino do Carmo Nardi, para realizar uma palestra com as crianças sobre como prevenir a proliferação do Aedes Aegypti. Mara apresentou vídeo informativo, panfletos e também um adesivo escrito “Detetive da Dengue”, para que assim as crianças se sintam motivadas a buscarem todos os focos de larvas e eliminá-los.

“Na atividade de leitura livre eu escolhi a matéria do Diário com a manchete ‘Saúde confirma duas mortes e 648 casos de dengue no ano’, com isso, quando começou a palestra pude tirar minhas dúvidas e até compartilhar de alguns exemplos que estavam na notícia, como por exemplo, o número de notificações da doença aqui em Itambé”, relata a aluna Ana Paula Pereira.

Na sala de informática os estudantes pesquisaram na internet todos os sintomas de quem é picado pelo mosquito e as formas de se prevenir da dengue.

“Fui picado no ano passado, enquanto eu lia sobre o assunto nos sites lembrei de tudo o que senti no período em que fiquei doente, realmente é horrível, não quero ser vítima esse ano novamente, por isso vou cuidar do quintal da minha casa e alertar meus vizinhos”, ressalva o aluno Douglas Amaral Rodrigues.

Depois de tantas informações relacionadas ao tema, os estudantes foram desafiados a produzirem um texto sintetizando tudo o que leram, ouviram e pesquisaram. E como tarefa de casa buscaram imagens e frases de efeito para a produção de cartazes.

“Decidi elaborar algo que ultrapassasse os muros da escola. Diariamente conscientizamos as crianças, mas é preciso mais do que isso. Os adultos, em especial, são os que devem fazer a diferença, por isso os cartazes confeccionados serão colados nas paredes do comércio da cidade visando chamar a atenção dos moradores de Itambé”, destaca Suelena.

CONEXÃO. A partir das informações adquiridas na leitura do jornal os estudantes foram para sala de informática dar continuidade às pesquisas

CONEXÃO. A partir das informações adquiridas na leitura do jornal os estudantes foram para sala de informática dar continuidade às pesquisas

1 Comentário

O Diário na Escola: aprendizado dinâmico e ensino qualitativo

Desde 2001 o programa educacional O Diário na Escola, que é alinhado ao modelo “Jornal e Educação” da Associação Nacional de Jornais (ANJ), é desenvolvido pelo O Diário do Norte do Paraná.

Em parceria com as Secretarias de Educação de Maringá e região e também empresas privadas, o programa tem por objetivo estimular nos alunos o gosto pela leitura contribuindo com o estudo de diversos conteúdos, formação cidadã e o desenvolvimento do senso crítico dos envolvidos.

Atualmente O Diário na Escola está presente em 117 instituições de ensino atendendo aproximadamente oito mil alunos e 300 educadores, em 19 municípios. Além de realizar concursos culturais, o Programa tem como prioridade oferecer encontros de formação aos professores e oficinas pedagógicas aos estudantes, a fim de maximizar a utilização dos jornais enviados às escolas e propiciar um novo olhar sobre os textos de circulação social.

“O Diário na Escola permite o trabalho com a diversidade textual, além de proporcionar aos alunos o contato com o jornal, algo que muitos não tem acesso fora da escola. Permite também que os pais possam ler as notícias com seus filhos, pois eles pedem o jornal para levar para casa”, conta a professora da Escola Municipal Alfredo Sofientini, de Astorga, Valéria Nunes de Jesus.

Capacitação

foto materia dois“Trabalho há muitos anos na mesma escola. Fui coordenadora pedagógica, diretora e hoje sou professora do 5º ano. De início foi uma resistência para meus superiores entenderem a importância do Programa, mas assim que assumi a direção junto à nova secretaria de educação, conseguimos. E hoje, trabalhando com meus alunos vejo que não foi em vão a insistência. As crianças adoram o jornal e são leitores assíduos. Através dos encontros, estou me capacitando e levando conhecimento aos estudantes”, destaca a professora da Escola Municipal Menino Jesus, de Uniflor, Cristiani Maria Baptista Gati.

Alunos do ensino fundamental e médio, de escolas públicas e particulares, entre outros ambientes educativos como comunidades sociais e abrigos, são o público alvo do Diário na Escola. As instituições parceiras recebem os jornais semanalmente para desenvolverem atividades e os trabalhos realizados a partir da leitura do jornal O Diário são publicados nas colunas semanais do programa, no caderno de Cultura, e nas mídias onlines, a exemplo do blog, facebook e twitter do Programa.

Os profissionais da educação recebem assessoria pedagógica especializada nos encontros de capacitação, palestras com grandes nomes das áreas de educação e comunicação, materiais de apoio com sugestões de atividades para o trabalho interdisciplinar com o impresso, atendimento da equipe do Diário na Escola para suprir dúvidas, bem como visita as escolas.

Em 2013, foram realizados os seguintes encontros de capacitação: “O jornal como aliado para os estudos da Prova Brasil”; “A diversidade dos gêneros no universo jornalístico”; “Artigo de Opinião: um espaço de argumentação no jornal”; “Histórias em quadrinhos: linguagens e ludicidade nas produções textuais”; “Notícia e Reportagem – bastidores e processos de produção” e “O professor na sala de aula – buscando estratégias de superação do mal estar docente”.

Concursos

CColuna Jornal Semana Nacional do Transito - 2013O Programa realizou nos meses de setembro e outubro duas promoções culturais: Concurso de Frases sobre a temática da Semana Nacional de Trânsito (6ª edição) e Concurso de Gibi (8ª edição). Ambos têm como objetivo propiciar que crianças e adolescentes, juntamente com seus professores, desenvolvam um trabalho de leitura crítica diante dos assuntos relacionados às notícias veiculadas nas páginas do jornal e produzam diferentes gêneros textuais.

anúncio“Tivemos dois alunos premiados no Concurso de Frases, é uma enorme satisfação. Em especial, porque as crianças vencedoras apresentavam dificuldade de aprendizado em sala de aula, com a vitória mostramos não só para elas, mas para os colegas, que com dedicação e esforço, tudo é possível”, enfatiza Vilma Spinella, assessora pedagógica na secretaria de educação de Astorga.

A vencedora do Concurso de Gibi na categoria “escolas da região” foi Gabriela Fusco dos Santos. A mãe, Maria Cristina Fusco conta que a filha é dedicada em tudo o que faz. “Ela esteve realmente empenhada no período de produção da história em quadrinhos. Concursos como este incentivam as crianças a buscarem o sucesso”.

Dia das CrinaçasEm comemoração ao Dia da Criança foi lançada a promoção cultural online “Livro também é diversão!”. Para participar bastava acessar o regulamento e o formulário de inscrição pelo blog do Diário na Escola e contar como faz para estimular a leitura da criançada. Podendo ser filho, neto, sobrinho ou aluno. O autor da história mais criativa recebeu seis livros de histórias infanto juvenis.

“Com tantas opções tecnológicas as crianças estão se afastando do contato com os livros. Quero que na vida do meu filho isso seja diferente. Percebo que o ato de ler é algo prazeroso para ele, e espero que continue assim”, enfatiza a mãe do ganhador e incentivadora do hábito da leitura, Leia Rachel Teixeira de Souza.

Visitas monitoradas

QUARTOANOVITORBELOTIDM3Os participantes ainda podem conhecer a sede do grupo O Diário, onde é apresentado aos visitantes todo o processo da produção da notícia até o sistema de impressão e distribuição do jornal nas casas, escolas e empresas.

“É importante para o aluno conhecer o espaço físico da empresa jornalística, conversar com os funcionários, tocar os equipamentos, tudo isso faz com que ele volte pra a sala de aula com um olhar diferente. As crianças estão mais abertas do que imaginamos para a leitura crítica da mídia”, conclui a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes.

Comente aqui

Jornal na escola resulta em leitores competentes e aulas interessantes

Vivemos dias em que as crianças passam cada vez mais horas no telefone celular e na internet, o que tem dificultado o interesse dos pequenos pela leitura de jornais. Algo fundamental para formar leitores habituais e cidadãos bem informados.

Apresentando textos com características distintas, fotografia e recursos gráficos, os jornais são uma fonte respeitada para pesquisa e obtenção de informação sobre o mundo atual. Além disso, eles se modernizaram e passaram por reestruturações gráficas e editoriais para proporcionar uma compreensão mais agradável de seu conteúdo.

Buscando ampliar as opções de leitura e o conhecimento dos alunos do 5º ano da Escola Municipal São Jorge, de São Jorge do Ivaí, a equipe pedagógica tem desenvolvido atividades utilizando como suporte os exemplares do Diário recebidos semanalmente.

“No decorrer dos trabalhos foi perceptível o quão importante e necessário é o Diário na Escola. O jornal foi um recurso indispensável para o estudo dos diversos gêneros textuais contribuindo e auxiliando não só na prática do ler, como também da escrita. Por meio deste trabalho os estudantes adquiriram prazer pela leitura e aumentaram seus interesses por textos diversos”, destacam as professoras do 5º ano, Edna Volpato, Simone Gregório e Rosangela Oliveira.

Para finalizar as propostas didáticas com o jornal neste ano e avaliar o conhecimento dos alunos, as educadoras elaboraram um mural no qual as crianças especificaram os diferentes tipos de textos que podem ser encontrados no Diário: artigos, crônicas, resumos, entre outros. Para a realização da atividade foi entregue aos estudantes várias páginas do impresso, e em grupos eles fizeram a análise e seleção das publicações.

DSC04206“No começo foi complicado direcionar os trabalhos pela diversidade de informações e os vários exemplares de jornal. Os alunos queriam colocar todas as reportagens, notícias e charges, eles ficam eufóricos com o material”, conta a professora Edna.

Depois de todo o conteúdo já recortado das páginas do Diário, o desafio era montar colunas com os títulos de cada gênero textual que encontraram no impresso. “Neste momento a participação foi efetiva. As crianças discutiram, deram sugestões, opinaram sobre os recortes dos outros grupos e quando tudo foi decidido, nos sentamos em volta do mural e juntos finalizamos o trabalho de colagem”, relata a professora Simone.

Com esta atividade o aluno Carlos Daniel Sarzi Vieira disse que passou a entender melhor o que é o jornal. “No meu primeiro contato com o material pensei que era somente um monte de informações juntas”. E o amigo Leonardo Aparecido Tramarim completa enfatizando que “o impresso informa, apresenta notícias, e também orienta e ajuda as pessoas, como pode ser visto, por exemplo, no caderno de classificados”.

PB260009

Comente aqui

Segurança no trânsito é tema de aula para estudantes de Maringá

abreA educação hoje não está associada apenas ao letramento, mas também a discussões de questões relacionadas às problemáticas do trânsito, buscando conscientização, reflexão e ação, de modo que contribua positivamente na formação dos alunos, atuais pedestres e futuros condutores de veículos.

A professora Aline Romero da Silva leciona para o 4º ano da Escola Municipal Professor Midufo Vada, em Maringá, e desenvolveu uma série de atividades visando alertar as crianças sobre os perigos e cuidados que devem ter nas ruas.

Em sala, os estudantes realizaram leituras, por vários dias, de reportagens sobre acidentes de trânsito publicadas no jornal O Diário. Já no Ambiente Educacional Informatizado (A.E.I) assistiram a três vídeos relacionados ao tema “Álcool, outras drogas e acidentes de trânsito”.

Debates e conversas sobre o assunto também foram realizados, sempre referindo-se aos  malefícios que o álcool causa no organismo das pessoas, bem como no fato de ingerir bebida alcoólica e dirigir.

Em seguida, os alunos leram diversas reportagens no portal “odiario.com” e a que mais chamou a atenção das crianças foi a notícia com a seguinte manchete: “Acidente envolvendo motorista embriagado mata uma pessoa na PR-323, em Cruzeiro do Oeste”.

Aline conta que solicitou aos alunos que escrevessem frases sobre as matérias lidas. “Nos trabalhos encontrei produções ricas em argumentos. Por meio da criatividade, percebi que as crianças foram além da simples informação sobre o assunto”. A exemplo da frase escrita pelo aluno, Eduardo Felipe Boregio Rufino: “Drogas e álcool tiram nosso cérebro da realidade e das atitudes, por isso não assuma o risco de matar. No trânsito não seja negligente e dirija sempre consciente!”

A professora que perdeu os pais em um acidente de carro, no qual o condutor do outro veículo que os atingiu estava embriagado, considera a discussão sobre essa temática de extrema importância. “É minha função, enquanto educadora e cidadã, esclarecer, alertar e conscientizar os estudantes sobre as responsabilidades e as escolhas que fazemos em nossa vida”.

O aluno, Felipe Giollo, destaca que aprendeu muito com as pesquisas na sala de informática e conclui que, “uma pessoa que está alcoolizada e vai dirigir pode perder os sentidos e bater o carro, quando eu ficar adulto não quero cometer esses erros, a valorização da vida tem que estar em primeiro lugar”.

abre 2Especialmente no trabalho referente ao tema segurança no trânsito, Aline observou desde o início grande interesse e envolvimento por parte dos alunos. “Durante as leituras e conversas sobre o tema, eles traziam relatos de fatos ocorridos com a própria família ou pessoas conhecidas. Inclusive, nos dias seguintes as discussões em sala, alguns estudantes contaram que conversaram em casa sobre o assunto e que os pais também argumentaram com eles sobre os malefícios do uso de álcool e drogas”, ressalva.

A educadora acredita que boa parte dos resultados e motivação foram devido à leitura semanal do Diário, que apresenta assuntos que envolvem as crianças, pois trata-se de informações sobre o dia-a-dia, e além disso, proporciona aos alunos contato com uma grande diversidade de gêneros textuais, vocabulários e argumentos.

Produção do aluno, André Periçato Guidi, na busca de conscientizar os motoristas

Produção do aluno, André Periçato Guidi, na busca de conscientizar os motoristas

Comente aqui

Aluna cria história em quadrinhos a partir de anúncio do jornal

Preocupadas em proporcionar às crianças uma conscientização a respeito dos problemas que envolvem a natureza, as professoras Vania Vieira e Flávia Ronca, da Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia, realizaram discussões com os alunos sobre o que pode ser feito diariamente para evitar a degradação do meio ambiente. Incluindo os cuidados com a proliferação do mosquito da dengue, que em determinadas épocas do ano fica esquecido, assim a população deixa de limpar os quintais, esvaziar poças de água, e a dengue tem a oportunidade de criar novos focos.

Durante a conversa em sala os alunos se mostraram bastante ativos, opinaram, deram sugestões sobre quais atitudes deve-se ter em relação ao meio ambiente, e com isso as professoras decidiram que era o momento de ir para a prática e desenvolver atividades em que eles pudessem expor seus conhecimentos para toda a escola.

Em grupos de quatro estudantes as crianças receberam exemplares do Diário para leitura e pesquisa de notícias que envolvessem os problemas ambientais. Dentre as várias matérias escolhidas para estudo, um anúncio sobre a prevenção da dengue com o personagem Diarinho chamou a atenção da aluna Kamilly Victória Mendes, do 5º ano. A publicação alerta sobre a importância em manter a cidade limpa para evitar focos do mosquito. A partir do anúncio a aluna criou uma história em quadrinhos para conscientizar os amigos e professores da escola.

“Eu sempre gostei de desenhar, e agora estamos estudando as histórias em quadrinhos. Quando vi o anúncio com o Diarinho pensei que seria legal juntar texto e desenho, foi assim que realizei meu trabalho”, relata Kamilly.

“O trabalho com o jornal é sempre muito bom, pois os alunos têm a oportunidade de refletir sobre as atitudes incorretas vivenciadas no dia-a-dia. Através das atividades eu percebi que as crianças se mostram conscientes de suas atitudes em relação ao lixo domiciliar e a questões que envolvem até mesmo a reciclagem”, destaca a professora, Vania Cristina de Rapouza Vieira.

Além da história em quadrinhos da Kamilly, os alunos dos quartos e quintos anos produziram cartazes que foram expostos pelos corredores da escola. Com a temática “Problemas ambientais da nossa região”, as crianças não apontaram somente as dificuldades em preservar a natureza e acabar com os casos de dengue, mas nas atividades o que mais se destacou foram as propostas de soluções.

Com a exposição todos os alunos da instituição puderam conhecer o trabalho desenvolvido, desta forma as crianças e professores alcançaram o objetivo inicial da proposta, a conscientização.

“Os cartazes e HQ’s ficaram muito bons, pude conhecer os perigos da dengue, o que gera a poluição e aprendi a forma correta de cuidar do lixo que produzo todos os dias”, conta a aluna do 5º ano, Fernanda Botiglieri dos Santos.

A coordenadora pedagógica, Lorena Yael Languer, ressalta que os resultados desta atividade desenvolvida na escola foram percebidos nas ruas do município. “Os catadores de lixo reciclável me disseram que perceberam uma melhoria nas questões em relação a separação do lixo, casas que antes não realizavam o processo, hoje deixam os sacos separados na calçada, diferenciando o que é reciclável e o que é orgânico. Para nós da Escola Vânia isso é muito gratificante, é a certeza que a educação pode fazer a diferença não só dentro da instituição, mas na sociedade”, comemora.

VANIA

Comente aqui

Professora já começa a preparar alunos para Concurso do Gibi

Na última sexta-feira, dia 20, teve início o prazo de envio das produções para o Concurso do Gibi. Em sua 8ª edição, o desafio é fazer com que a partir da leitura de uma notícia do jornal O Diário, o aluno crie uma história em quadrinhos.

Não querendo perder tempo para o envio das produções de seus alunos, a professora Maria Aparecida Pereira, que leciona para o 5º ano, na Escola Municipal Yoshio Hayashi, em Sarandi já está pondo a “mão na massa”. Ela quer aproveitar todo o conhecimento que adquiriu no Encontro de Capacitação Pedagógico, “Histórias em Quadrinhos: linguagens e ludicidade nas produções textuais”, promovido pelo Diário na Escola. “O encontro me orientou o passo a passo da produção de uma HQ e isso está tornando mais fácil o trabalho com as crianças.”

Motivada pela proposta ela conta como está desenvolvendo as etapas de produção com os alunos. “Solicitei que primeiro escrevessem o enredo da história no caderno e só depois fossem para a parte dos desenhos, o que gerou bons resultados”, conta Maria Aparecida.

Para a realização da atividade a turma escolheu uma matéria publicada em O Diário sobre o tema família. A professora relata que em boa parte das histórias criadas percebeu a ausência dos pais em casa, em alguns casos, o aluno é o filho mais velho, e tem assumido o papel de cuidar dos mais novos.

Maria Aparecida destaca que a leitura semanal do jornal tem sido importante no momento da escrita, “percebo que eles têm mais argumentos, estão mais criativos”.

Agora a turma vai começar a pensar no material que será enviado ao Concurso. O regulamento e folhas oficiais de produção já chegaram as escolas de Sarandi. A partir de agora é mãos à obra! Lembrando que as histórias em quadrinhos podem ser enviadas, via correio, ao Diário na Escola até dia 20 de outubro.

Comente aqui

Palavras de notícia do Diário formam atividade divertida

Ao receber o jornal em sala às terças-feiras, os alunos do 5º ano da Escola Municipal Duque de Caxias, de Flórida, já se animam com a oportunidade de realizar a leitura das notícias sobre os principais acontecimentos da região em que moram.

Em uma das semanas de produção com o Diário, a professora Patrícia de Paiva Grilo, teve a ideia de propor aos alunos uma atividade diferente. Após a leitura e discussão sobre os assuntos das matérias publicadas, foi solicitado aos estudantes que escolhessem uma notícia, colassem-na no caderno e separassem 10 palavras para que fosse criado um caça-palavras.

Cada criança produziu sua atividade, os cadernos foram trocados entre eles para que solucionassem o caça-palavras do colega. “Foi umas das produções mais dinâmicas que realizei com o jornal em sala, os alunos interagiram uns com os outros, e assim, tivemos uma participação efetiva”, conta a Patrícia.

Caça-palavras criado pelo aluno Arthur Gabriel Marmentini e solucionado pelo colega Leonardo Marques Barbosa

Comente aqui

Alunos escrevem o que gostariam de ler no jornal

Em Marialva, os alunos do quinto ano da rede municipal de ensino recebem o Diário em sala de aula para a realização de atividades. A professora, Amélia Watanabe Horita desenvolve o projeto na Escola Municipal Dr Milton Tavares Paes.

“Quando o jornal chega em sala, proponho aos estudantes que realizem a leitura do material, e em seguida, discutimos os assuntos das notícias publicadas”, conta a educadora.

Amélia percebeu, em algumas conversas, que parte deles não estavam satisfeitos com aquilo que liam, então teve a ideia de dar voz aos alunos. “Pedi que desenvolvessem uma produção textual relatando o que gostariam de ler nas notícias do impresso”.

Cansada de ver tantas notícias ruins, Isabella Querois Cruz, do 5º ano A, desenvolveu um texto opinativo sobre o que gostaria de ler no jornal, desde preocupações ambientais a questões que envolvem drogas e violência.

Comente aqui