contraturno escolar



Você leu o Jornal O Diário hoje? Tem coluna fresquinha no Caderno D+

Olá pessoal!

A segunda-feira, 7, foi super produtiva em Sarandi. A oficina pedagógica começou cedo para o primeiro grupo de professores e foi até o finalzinho da tarde para a segunda turma.

Professores participam da capacitação para Prova Brasil (Foto: João Cláudio Fragoso)

Foi uma experiência maravilhosa!

A prática da professora Alethéia Braga despertou muito interesse entre os profissionais da Educação. A maioria procura entender melhor os descritores (conteúdos) para que os alunos estejam bem preparados para a Prova Brasil:

“Os professores estão muito motivados e perguntam como podem ajudar o aluno a entender as questões de língua portuguesa ou matemática, quais estratégias avaliativas aplicar. No encontro nós levantamos as questões práticas sobre a avaliação e procuramos sanar na oficina”, afirma Alethéia.

Matéria do dia:

A edição de terça-feira da Coluna O Diário na Escola fala sobre o registro em cartório dos animais de estimação. A novidade que permite até colocar o sobrenome da família no pet, está disponível em Maringá. Você pode ler a matéria na íntegra na edição impressa do Diário 😉

Novidade chegando

Os alunos da Escola Reynaldo Rehder Ferreira (APAE/Maringá) são o destaque na edição dessa quarta-feira, 9. Eles utilizaram o jornal em sala de aula para uma aula multidisciplinar sobre dengue.

Para ler a reportagem sobre a atividade pedagógica desenvolvida na turma da professora Márcia Beluzzi, acompanhe a matéria na página D2 do Caderno D+

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Mais do que pessoas, cidadãos

Foto AbreA oficina “Identidade. Quem eu sou?” foi realizada com os atendidos da Legião da Boa Vontade (LBV) Maringá e teve por objetivo possibilitar a construção da formação cidadã da criança, a partir das relações sociais e culturais. “Os pequenos têm seu jeito próprio de compreender o mundo e é partindo de observações e estabelecendo relações com a realidade e com o meio que eles aprendem ,e assim, seguem na construção de sua personalidade”, destaca a responsável pela oficina, a educadora Andréa Siqueira Gonçalves.

O trabalho desenvolvido integrou as crianças e oportunizou a apropriação da escrita e valorização do nome próprio, bem como o resgate da cidadania, através do fortalecimento da cultura e do restabelecimento da autoestima.

Em um primeiro momento meninas e meninos atendidos pela LBV foram fotografados e com suas fotos em mãos puderam ver seus retratos e se reconhecerem em cada traço. “Nunca tinha prestado muita atenção em uma foto minha, olhei cada detalhe do meu rosto e os traços que lembram alguém da minha família”, conta a pequena, Isabely Santos Braga.

Na sequência eles tiveram contato com suas certidões de nascimento. “Nessa etapa percebi que muitos não conheciam o documento e muito menos sabiam da importância dela para sua vida, e que, além de ser um registro de identificação é a primeira garantia de cidadania e direito a todos os brasileiros”, comenta Andréa. O atendido Victor Hugo Reis Moreira, completa “os pais devem registrar seu filho logo quando nasce, assim a criança tem seus direitos garantidos.”

Muitas crianças ainda não tem a carteira de identidade (RG), por isso a educadora preparou uma proposta, com uma arte que simula um RG de verdade, na qual cada atendido preencheu os dados com seu nome e de familiares, e desenhou seu rosto para ficar semelhantes às fotos. “Foi muito legal, aprendi coisas importantes como por exemplo, o que é a palavra ‘filiação’ no documento”, ressalta a atendida, Gabrielly Flores Silva.

Para estarem atentos aos seus direitos e deveres, Andréa debateu com a turma os termos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “A construção de identidade não se evidencia do que digo sobre mim. Ela está presente nas minhas atitudes, ações, escolhas e no meu comportamento em geral. Os atendidos aprenderam muito com essa dinâmica”, comemora a educadora.

A proposta foi finalizada com uma exposição, nos corredores da instituição, das várias etapas desenvolvidas. Assim, todas as crianças e adolescentes que fazem parte da LBV tiveram conhecimento de um assunto que é de interesse em comum e prestigiaram o trabalho dos colegas.

“Após essa atividade foi despertado nos atendidos a vontade em conhecer melhor os documentos, como a carteira de identidade e a certidão de nascimento, e proporcionou uma reflexão sobre como cada um se vê. Eles perceberam que são seres únicos, especiais e diferentes. Assim, compreenderam que têm uma personalidade, um nome próprio e uma história de vida. Entendendo que a construção do seu ‘eu’ se dá de forma gradativa e através das interações sociais”, conclui a assessora de comunicação da LBV, Vilma da Silva Araújo.

Comente aqui


Biblioteca de Santa Fé recebe Telecentro

Os Telecentros/Espaço Cidadão são centros de apoio que disponibilizam equipamentos de informática, e auxílio técnico, para capacitar pessoas interessadas em se integrar à tecnologia ou adquirir novos conhecimentos através das formações oferecidas. Santa Fé foi um dos municípios escolhidos pelo governo do Estado para receber uma dessas estruturas. “Com esta nova parceria vamos atender a comunidade proporcionando, além da inclusão digital, diversos cursos para todas as idades, de jovens a idosos”, afirma o prefeito Edson Palotta.

Foto Abre 02Localizado na Biblioteca Municipal, o Espaço Cidadão possui 10 computadores de alta tecnologia, todos conectados à internet. A monitora do Programa, Andréa Rego destaca que já há lista de espera para os cursos técnicos onlines que serão oferecidos. “É uma satisfação ver o interesse das pessoas em aproveitar esta oportunidade de aprendizado, tenho certeza que bons resultados estão por vir.” O prefeito Edson acrescenta, “nosso município recebeu um presente, e convidamos a todos para aproveitar a chance de receber capacitação sem precisar se deslocar para outros centros maiores.”

As crianças foram as primeiras a usufruir o espaço. Para conhecer a novidade da biblioteca, a professora do 4º ano, Jaqueline Thomazella Biazon levou os alunos para um passeio interativo. “Esta sala vai facilitar nosso trabalho de educador, os equipamentos nos darão subsídios para pesquisas e produções textuais. Outro fato, é que os pequenos adoram a tecnologia e, com isso, se interessam mais pelas propostas didáticas desenvolvidas em computadores”, relata.

Foto Abre 01A estudante Izabelly dos Santos Pereira não tem acesso à internet em casa e comenta que com o Telecentro será mais fácil e divertido fazer as tarefas escolares. “Antes eu tinha somente a opção de pesquisas em livros e era muito trabalhoso. Agora que posso usar os equipamentos do Espaço Cidadão, me sinto até mais motivada” e a colega Camile Vitória de Souza Cruz complementa, “não vejo a hora de poder voltar aqui, a partir de hoje a biblioteca é um dos meus lugares preferidos.”

Dirlene Viana Barbosa é a secretária de Assistência Social do município e enfatiza que a novidade não será transformada em lan house. “O entretenimento é importante sim, mas este local está destinado para o crescimento do indivíduo no que se refere à educação e mercado de trabalho. Nossa meta é oferecer cursos, palestras, conferências e atividades que deixem a nossa comunidade conectada, e o melhor, sem nenhum custo”.

“Temos como objetivo integrar as pessoas. Os idosos poderão participar de aulas de inclusão digital, os jovens serão capacitados para o primeiro emprego e as crianças terão uma alternativa ao trabalho de alfabetização e letramento”, ressalta o prefeito, Edson.

Comente aqui


Teatro, dança e música em Marialva

No mês em que o município completou 62 anos, a população foi presenteada com a oportunidade de assistir a diferentes shows e espetáculos no 5º Festival de Cultura realizado no Cine Teatro Sonia Maria Silvestre Lopes. A ação é da prefeitura de Marialva em parceria com o departamento de Cultura da cidade.

grease 02O musical “Grease – nos tempos da brilhantina” estreou a sequência de espetáculos divertindo e emocionando o público. A apresentação narra a tumultuada história de amor de um casal de estudantes no verão californiano. A peça original chegou a ficar em cartaz por quase 10 anos na Broadway e ganhou destaque internacional com o lançamento do filme, em 1978.

O elenco é composto por 30 alunos que participam das oficinas de teatro e dança, oferecidas pela prefeitura, e coordenado pelo coreógrafo, Alisson Miguel Trindade. “Atendo semanalmente crianças e jovens de sete a 20 anos. É um prazer ensinar para quem realmente tem vontade de aprender”, destaca.

“Sempre gostei de arte e faço parte das oficinas desde 2010. Para o “Grease” foram meses de ensaios, estudo de técnicas vocais, respiração, canto e uma enorme dedicação. Mas todos os obstáculos valeram a pena. Não existe sensação melhor do que poder agradecer os aplausos do público ao final de cada espetáculo”, conta o aluno Yago Marcelo Moção.

astros 01No último dia 10 os olhares foram para os 67 bailarinos que compõem “Astros” – obra de autoria do coreógrafo Alisson. “Uma mistura de dança com teatro que representa o momento em que o primeiro homem pisa na lua. Há o encontro do personagem de um outro planeta com um da Terra, os dois apresentam o espetáculo e anunciam as danças de uma forma cômica, o que deixou a plateia eufórica”, comemora.

Durante o musical cerca de 600 pessoas se animaram com os ritmos de street dance e tango. A aceitação foi tão grande que “Astros” teve reapresentação no dia 12 e a secretaria de cultura já está reservando uma data para nova exibição em 2014.

“Estar como bailarina no “Astros” foi maravilhoso! Um experiência única na qual pude desenvolver meus conhecimentos sobre a dança, sentir a emoção da apresentação e os elogios de quem assistiu”, enfatiza a aluna Julie Hayashi.

A equipe da secretaria de cultura esteve engajada o ano todo para o bom resultado do Festival. “O que mais nos deixa contente é perceber o reconhecimento da população de Marialva. As pessoas se identificam com as ações preparadas pelo município e reconhecem o nosso trabalho”, celebra a secretária da Cultura, Antonia Celeste.

Para assistir as primeiras apresentações já realizadas, o ingresso foi um quilo de alimento não perecível. A secretária Antonia ressalta que além de oferecer entretenimento é necessário ajudar aos que precisam. Com essa preocupação social, em 2012 mais de duas toneladas de alimentos foram doados para instituições de caridade do município e a meta para este ano é superar esta quantidade.

Comente aqui


Estratégia para evitar jovens nas ruas

Criado para tirar crianças e adolescentes das ruas de Sarandi no período em que não estão na escola, o projeto “Eu cuido” começou suas atividades no início deste ano e já atende cerca de 800 alunos de seis a 16 anos. A ação é uma iniciativa do prefeito Carlos de Paula Júnior com as secretarias da Juventude, Cultura, Esportes e Lazer.

“A ideia é manter as crianças o maior tempo possível em oficinas, nas quais além de poder se divertir elas estarão adquirindo novos conhecimentos”, ressalta a coordenadora do projeto, Maria Cristina Age Macedo.

Há também uma parceria com as secretarias de Educação, Ação Social, Saúde e Desenvolvimento Econômico para que os alunos tenham acesso de forma mais rápida a consultas e atendimentos oferecidos pelo município.

Podem participar das aulas de futsal, futebol de campo, voleibol, handebol, judô, atletismo e natação aqueles que estiverem matriculados nas escolas das redes municipais e estaduais de ensino da cidade. Lembrando que as oficinas são oferecidas no contraturno escolar.

“A experiência em fazer parte do projeto é ótima! Tenho a oportunidade de aprender coisas novas e ainda fazer amigos”, conta o aluno Rafael da Silva Correia.

João Francisco do Nascimento é professor de uma das aulas mais frequentadas, a de futebol de campo. “Eu já realizava trabalho voluntário nos campinhos dos bairros, quando passei a fazer parte do “Eu cuido” trouxe meus alunos comigo. Atendo quantas crianças chegarem no treino porque acredito que elas percebendo a preocupação social que temos, irão se sentir valorizadas”.

A prefeitura doou todos os materiais necessários para que os alunos pudessem desenvolver as atividades, a exemplo de bolas, kimono, óculos de natação e roupas de banho. “Com isso o jovem só precisa de uma coisa para estar no “Eu cuido”, vontade de aprender”, destaca a coordenadora.

“Mães já relataram melhoras, inclusive, em problemas de saúde. Parte das crianças chegam as aulas de natação por encaminhamento médico e se apaixonam pela piscina. O resultado tem sido ótimo, em pouco tempo de aula já aprendem a nadar”, comemora a professora, Camila Cristina Mignoli.

Alisson de Oliveira Damião é aluno de judô e conta que nunca tinha pensando em praticar a modalidade devido ao custo da mensalidade nas academias. “Quando surgiu a oficina gratuita me interessei e hoje já sonho em ser lutador profissional”.

“Os pais que acompanham as aulas de judô, no início demonstram preocupação devido aos golpes e receio das crianças de machucarem, mas o retorno tem sido muito bom. Alguns alunos já emagreceram e ficaram mais dispostos”, destaca a professora Janaina Cristina Ferreira dos Santos.

Maria Cristina enfatiza que estes garotos estão aprendendo a exercer a sociabilidade dentro de um ambiente que pode contribuir de forma positiva para a sua formação.

O projeto “Eu cuido” continua em 2014 e pretende aumentar as vagas para três mil atendidos. Reformas nos ginásios dos bairros periféricos da cidade já estão sendo realizadas para que a criança não precise se deslocar a grandes distâncias para o contraturno.

SARANDI. Crianças e adolescentes têm a oportunidade de estarem em oficinas que evitam a permanência deles nas ruas e proporciona segurança aos pais

SARANDI. Crianças e adolescentes têm a oportunidade de estarem em oficinas que evitam a permanência deles nas ruas e proporciona segurança aos pais

Comente aqui


Projeto Degraus da Leitura

O Departamento Municipal de Educação de Doutor Camargo com o auxílio da fonoaudióloga Elicarla e da psicopedagoga Claudinéia, estão desenvolvendo o Projeto Degraus da Leitura para os alunos dos quartos e quintos anos da rede pública de ensino com o objetivo de despertar nas crianças o interesse e o gosto pela leitura através da prática, oportunizando e incentivando o acesso aos diferentes gêneros literários.

O Projeto é realizado na Biblioteca Cidadã do município no contraturno do período escolar uma vez por semana.

Comente aqui


Tome nota!

Atenção! Profissionais da educação, que participam do Programa O Diário na Escola, no dia 23 de maio um novo Encontro Pedagógico foi preparado para auxiliar os trabalhos com o jornal impresso na sala de aula. A palestra será ministrada pela professora e mestre, Mariana Ferreira Lopes, e terá como tema “O uso do jornal como práxis para a formação cidadã”. Os convites serão enviados para as instituições – caso não recebam entre em contato com a equipe de O Diário na Escola – e não esqueçam de confirmar presença até o dia 18, sexta-feira, pelo telefone (44) 3221-6050 ou pelo e-mail [email protected]

Comente aqui


Projovem de Ourizona produzirá Jornal Comunitário

A equipe de “O Diário na Escola” iniciou ontem, 4, o projeto “Jornal, Jornalismo e Cidadania” com os adolescentes do Projovem, de Ourizona/PR, que visa desenvolver um trabalho de Educação e Comunicação, levando os participantes à reflexão e participação social.

Os adolescentes terão um encontro mensal com a equipe de “O Diário na Escola” e semanalmente o trabalho terá continuidade com a equipe do Projovem, sob a coordenação da educadora Elis Regina. O grupo recebe remessas semanais do jornal para o trabalho de leitura, escrita e cidadania.

O primeiro encontro com os adolescentes iniciou-se com um momento de integração, que se deu através de apresentações e perguntas livres dos participantes. Posteriormente as atividades foram desenvolvidas em três etapas. No primeiro momento houve apresentação do histórico do jornal O Diário, empresa fundada em 29 de junho de 1974; o processo de produção do impresso e da sua matéria-prima, a notícia, passando pelos momentos de seleção e distribuição de pautas aos repórteres; o trabalho dos fotógrafos e do diagramador; o processo de pré-impressão, momento de transposição dos textos e imagens para a placa de alumínio que dá origem ao jornal que conhecemos (impressão). Esse processo começa bem cedo e se estende até a noite. A primeira remessa do jornal fica pronta entre 00h30 min. e 1 hora. Algumas curiosidades foram apresentadas ao grupo: há uma perda média de 100 kg de papel por dia no ato de impressão. Cada bobina de papel pesa em média 300 kg. A palavra News, que significa notícia em inglês, tem outro significado referindo aos pontos cardeais: N = North; E= East; W= West e S= South.

No segundo momento, Nayara Spessato falou sobre a profissão de jornalista; qual o papel desse profissional; carreira e áreas de atuação, habilidades exigidas pela profissão e sobre a área específica de Mídia e Educação. Na sequência (terceiro momento), os adolescentes formaram grupos e receberam propostas de atividades que tinham como objetivo verificar a compreensão do que foi discutido, bem como fazer com que eles compreendessem a estrutura do jornal e ao mesmo tempo desenvolvessem atividades de reflexão, leitura, escrita e oralidade. E mais: pretendeu-se observar os sentimentos provocados nos participantes diante das notícias, manchetes e imagens apresentadas nas edições trabalhadas.

Realizadas as discussões, cada grupo elegeu representantes para apresentarem as conclusões do trabalho de cada equipe a todos os participantes. Após apresentação, os trabalhos foram expostos num “varal criativo”.

“Esse encontro foi muito bom, pois muitas coisas que eu não sabia e tinha curiosidade, eu aprendi tudo hoje aqui com os profissionais”, ressaltou César Augusto da Silva, que participou do encontro e enfatizou, ainda, que esse trabalho também deveria ser feito nos colégios para que os estudantes possam “aprender mais”.

A intenção final dos encontros, que acontecerão durante todo ano com os adolescentes é a produção de um Jornal Comunitário, que será fruto de muita reflexão e participação dos adolescentes, da família e da comunidade.

Continue lendo

Comente aqui