escola



Saíram os campeões do Concurso Cultural da Semana de Trânsito

Olá pessoal!

 

Tivemos uma semana super movimentada por aqui! No dia 5 de setembro foram selecionados os campeões da 9ª Promoção Cultural Semana Nacional de Trânsito: “Minha escolha faz a diferença no trânsito”.

E como foram os bastidores?

O programa O Diário na Escola recebeu 398 frases de escolas participantes do programa. Na seleção prévia ficaram 60 concorrentes e entre elas, as sete campeãs.

A comissão

Marcelo Bulgarelli (Jornalista da Viapar), Priscila Gomes (Viapar), professora Alethéia Braga Ribeiro, Wilame Prado (editor de cultura do Diário) e Alexandre Gaioto (professor e repórter do Diário), sob a coordenação do professor Ricardo A. Pastoreli.

A comissão que selecionou as frases vencedoras foi formada por jornalistas e professores

Os alunos e professores vencedores serão premiados em breve. Confira os vencedores de 2017:
“Respeite as leis de trânsito e preste atenção no volante, se a vida está difícil, imagine como vive um cadeirante”.
Aluna: Ana Claudia Gonçalves Lemos – 5º ano A
Escola Municipal João Daniel Machado Benetti – Astorga
Professora: Fátima dos Santos Herrera
“No trânsito, sou o resultado das minhas escolhas”.
Aluna: Amanda Caroline dos Santos Neves – 5º ano A
Escola Municipal Amábile Tonetto Pozzobon – Astorga
Professora: Simone Maria Alves dos Santos Rodrigues
“Todos nós vamos cuidar, para no trânsito a vida não terminar”.
Aluno: Marcos V. – 5º ano C
Escola Municipal Mercedes R. Panzeni – Sarandi
Professora: Margarete
“No trânsito vou te falar! Não pode vacilar… Moto, carro, pedestre, bicicleta e circular… Todos têm que colaborar”.
Aluno: Jackson da Silva – 4º ano B
Escola Municipal Olinda Dias Pereira – Sarandi
Professora: Rosângela de Oliveira da Silva
“No trânsito não brinque com a sorte, compartilhe a vida não a morte”.
Aluna: Maria Julia Corsoline Silva – 5º ano
Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira – Floresta
Professora: Adriana de Araujo Xavier Pelizer
 
“Na olimpíada da escola corro para ser campeão, no trânsito eu escolho ser ouro em colaboração!”
Aluna: Polyane Rebeca Guedes Pedro – 5º ano B
Escola Municipal Poetisa Cecília Meireles – Sarandi
Professora: Gisele Andreto Candido
“Toda diferença no trânsito começa com você”.
Aluno: Gabriel Ricardo de Andrade – 9º ano
Abrigo Provisório Municipal – Maringá
Professora: Fátima França Paulino
A equipe do Diário na Escola agradece a participação de todos e parabeniza os vencedores. 👏
Fotos: João Paulo Santos
1 Comentário


“NICOLAU, O MENINO AZUL” FOI INSPIRADO POR UMA FOTO DO DIÁRIO

Olá pessoal! Na edição de hoje circula a nossa coluna O Diário na Escola, no Caderno D+. Para quem ainda não leu o Diário do Norte do Paraná hoje, apresentamos três trabalhos maravilhosos desenvolvidos nas cidades de São Jorge do Ivaí e Marialva. Linguagem jornalística desafia os alunos A turma do 4ºC da professora Simone Carbone,  de São Jorge do […]

1 Comentário


Você leu o Jornal O Diário hoje? Tem coluna fresquinha no Caderno D+

Olá pessoal!

A segunda-feira, 7, foi super produtiva em Sarandi. A oficina pedagógica começou cedo para o primeiro grupo de professores e foi até o finalzinho da tarde para a segunda turma.

Professores participam da capacitação para Prova Brasil (Foto: João Cláudio Fragoso)

Foi uma experiência maravilhosa!

A prática da professora Alethéia Braga despertou muito interesse entre os profissionais da Educação. A maioria procura entender melhor os descritores (conteúdos) para que os alunos estejam bem preparados para a Prova Brasil:

“Os professores estão muito motivados e perguntam como podem ajudar o aluno a entender as questões de língua portuguesa ou matemática, quais estratégias avaliativas aplicar. No encontro nós levantamos as questões práticas sobre a avaliação e procuramos sanar na oficina”, afirma Alethéia.

Matéria do dia:

A edição de terça-feira da Coluna O Diário na Escola fala sobre o registro em cartório dos animais de estimação. A novidade que permite até colocar o sobrenome da família no pet, está disponível em Maringá. Você pode ler a matéria na íntegra na edição impressa do Diário 😉

Novidade chegando

Os alunos da Escola Reynaldo Rehder Ferreira (APAE/Maringá) são o destaque na edição dessa quarta-feira, 9. Eles utilizaram o jornal em sala de aula para uma aula multidisciplinar sobre dengue.

Para ler a reportagem sobre a atividade pedagógica desenvolvida na turma da professora Márcia Beluzzi, acompanhe a matéria na página D2 do Caderno D+

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Astorga recebe oficina Descritores

Olá pessoal!

Na tarde desta sexta-feira, dia 4, o Programa O Diário na Escola está em Astorga.

Os profissionais da Educação do município participam da oficina pedagógica “Descritores: um convívio diário”.

A professora Alethéia Braga Ribeiro vai falar sobre a contribuição da Prova Brasil para o ensino público e sobre os descritores.

E na segunda-feira, dia 7, estaremos em Sarandi.

Em breve, novidades por aqui!

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Amanhã a gente tem novidade por aqui

Olá pessoal!

A gente passou por aqui para antecipar as boas vindas para o mês de agosto e deixar todo mundo curioso!

Vamos dar apenas três palavrinhas e vocês tentam adivinhar:  frase + Viapar + escolas municipais. Descobriram?

Só um pedacinho da coluna de amanhã no Caderno D+

A Coluna Diário na Escola de amanhã está prontinha e apresenta alguns trabalhos que pessoal de Floraí fez. A gente agradece os professores e a diretora da Escola Municipal Elena Maria Pedroni que compartilharam os trabalhos!

Mão na massa

As professoras Tatiana e Eliane produziram o jornal mural com os alunos do Fundamental. Eles usaram a seção de Esportes aqui do Diário como inspiração porque a última edição regional dos Jogos Escolares foi sediada lá. 

Capacitação

E por falar em Floraí, os profissionais da Educação participaram da oficina “Descritores: um convívio diário”, com a professora Alethéia Braga Ribeiro. O encontro sobre  Prova Brasil  foi muito produtivo e teve elogio de todo mundo, até da Secretária de Educação. Parabéns aos professores que dividiram suas experiências no encontro!

Na semana que vem a oficina pedagógica vai acontecer em Sarandi e depois a gente conta como foi.

Até amanhã!

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Descritores da Prova Brasil também orientam a avaliação na escola

Olá pessoal!

Como está o nível de qualidade da Educação brasileira?

No final do ano acontece a edição 2017 da Prova Brasil, uma avaliação nacional que pretende responder a essa pergunta. Milhões de alunos vão mostrar como está a competência deles em leitura (Língua Portuguesa) e na resolução de problemas (Matemática). Entre eles, os estudantes que estão no 5º e no 9º ano do Fundamental.

A preparação docente para o exame foi um dos temas da coluna do Diário na Escola de terça-feira, dia 25.

Leia a matéria na íntegra AQUI

Capacitação

A professora Alethéia Braga Ribeiro levou o debate sobre a Prova Brasil para os municípios de Floraí e Ivatuba. A oficina pedagógica foi promovida pelos municípios em parceria com O Diário na Escola e a Viapar.

No encontro “Descritores: um convívio diário”,  a ênfase é na avaliação de português.  A professora explica que não se trata apenas de transmitir e cobrar conteúdos. Ela enfatiza que o processo avaliativo tem que fazer sentido, uso prático para o aluno, não é apenas a nota que importa.

“Os descritores funcionam como metas para quem qualifica o aluno. O desenvolvimento acontece dentro de uma relação entre professor, aluno, processos de ensino e de aprendizagem” 

O professor tem que desenvolver no processo de ensino para qualificar o aluno para o mundo real. Assim, o educando terá condições de buscar ascensão intelectual e social, falar com a própria voz e exercer sua cidadania.

 

Encontro em Ivatuba aconteceu dia 20 e reuniu os professores na Escola Municipal Afrânio Peixoto

 

A próxima cidade a receber a oficina é Sarandi. O encontro está agendado e confirmado para o dia 7 de agosto.

Na quarta-feira, dia 26, tem mais novidade!

Abração da Equipe O Diário na Escola!

Comente aqui


Jornal O Diário recebe visitantes mais que especiais

Olá pessoal!

No dia 12 de julho recebemos aqui no Diário os alunos da Escola Dinâmica Centro de Educação Especial de Maringá. A turma veio acompanhada pela professora Roseane Gimenes e a diretora da instituição, Eunice Costa de Freitas.

Recebidos pelo coordenador do Programa O Diário na Escola, Ricardo Pastoreli, os alunos puder ver de pertinho como funciona o jornal que já faz parte do dia a dia em sala de aula.

O nosso encontro foi registrado na coluna de terça-feira, dia 18. Sobre a visita, a diretora da escola, Eunice, afirmou que pelo fato dos alunos já conhecerem o jornal, existe uma conexão entre eles e ver como tudo funciona traz para o aluno uma visão mais ampla do que o jornal representa.

“Quando você faz uma visita como essa, você oferece novos elementos para essa experiência. O aluno pode atribuir novos significados ao que sabia sobre o tema, levar para casa novas perspectivas”, afirma.

Gostou? Para ler a matéria na íntegra é só clicar na miniatura.

Coluna do Diário na Escola do D+ de 18 de julho

A gente adorou a visita pessoal!
Abração da equipe O Diário na Escola

Comente aqui


OFICINA SOBRE JORNAL MURAL REPERCUTE NA REGIÃO

Professores de diferentes disciplinas participaram do encontro que instrumentaliza os educadores. A nova ferramenta estimula a cidadania e o letramento crítico

Da Redação

[email protected]

Ao final do encontro, a diversidade de temas e o visual dos projetos deixaram bem claro a versatilidade do modelo jornal mural   Foto: PM SANTA FÉ

A 2ª edição da oficina “Notícias na parede: O jornal mural na escola” aconteceu no dia 5 de julho, em Santa Fé, município a 47 km de Maringá. O jornal mural como ferramenta pedagógica foi o tema do encontro de professores e profissionais da educação da Escola Municipal 9 de Dezembro, da Escola Municipal Jardim Primavera e profissionais da Secretaria da Educação do município de Santa Fé.

O evento faz parte do ciclo de capacitação do Programa O Diário na Escola sob coordenação do professor Ricardo Pastoreli. A oficina foi ministrada pela jornalista e professora Mestre em Comunicação, Juliana Fontanella. Durante quatro horas, os 40 participantes foram convidados a refletir sobre novas formas de inserção da mídia na rotina escolar e como essa experiência pode ser aplicada como ferramenta de estímulo ao letramento crítico.

 

Como foi

Os professores de diferentes disciplinas foram apresentados à diversidade de gêneros que o jornal oferece como recurso transdisciplinar promovendo a união de saberes. Foram elencados temas de interesse dos professores e dos alunos sob o viés pedagógico estimulando o uso do jornal como um todo (reportagens, crônicas, tabelas esportivas e gráficos, charges, imagens e design).

Os profissionais observaram como é o processo de elaboração de um jornal mural, desde o planejamento e a seleção de conteúdos, as diferenças entre informação e notícia, as etapas de redação e edição. A elaboração de um jornal mural no meio escolar instrumentaliza os professores para utilizar esse produto de mídia como recurso pedagógico nas esferas turma/escola ou disciplina/projeto transdisciplinar.

O objetivo é promover a cooperação entre professores e alunos na construção do conhecimento.  Os participantes do encontro foram convidados a explorar as notícias de temas de interesse social como saúde, desporto, festas típicas e temas mais amplos como afetividade, bullying, entre outros.

E, para vivenciar a experiência prática de elaborar um jornal mural, os próprios professores foram dispostos em grupos e elaboram uma peça durante a oficina. O resultado foi que o trabalho coletivo proporcionou uma nova perspectiva para o uso da mídia em sala de aula: “Na oficina do Diário na Escola, conteúdo e metodologia integrados favorecem o aprendizado e a operacionalização no ensino”, afirmou Kátia B. da Silva Batista, professora das escolas 9 de Dezembro e Jardim Primavera.

 

Comente aqui


Como fazer a gestão do Diário na Escola na sua instituição

 

Gestão

“É fundamental desenvolvermos esta habilidade tão necessária às nossas vidas pessoais, familiares e profissionais, de forma a exercermos nossa cidadania na plenitude e de maneira participativa. Esse é um processo de aprendizagem contínua”.

(Eugênio do Carvalhal – FGV/RJ)

 

Algumas recomendações para a gestão do projeto na escola:

– reforçar no ambiente escolar que O Diário na Escola é um projeto que tem como objetivo, contribuir para a formação de novos leitores – do leitor para a vida inteira;

– esclarecer aos que desconhecem a proposta que O Diário na Escola é um projeto socioeducativo que pode contribuir para: o desenvolvimento da política de leitura das diretrizes municipais para a educação; para o enriquecimento do Projeto Político da escola e para o desenvolvimento de práticas pedagógicas mais criativas e inovadoras;

– formar uma equipe de gestão que acompanhe o projeto desde as questões operacionais: como a conferência da data de entrega do jornal na escola até as questões pedagógicas como a metodologia de aplicação do Diário como referencial pedagógico que cada série ou área do conhecimento está utilizando, por exemplo;

– esta equipe poderá ser composta por 3 ou 4 professores que desenvolvem o projeto na escola e não obrigatoriamente a Coordenação Pedagógica e Direção. São professores que a cada bimestre repassam as suas responsabilidades, também como exemplo;

– esta equipe terá, então como responsabilidades: verificar a dinâmica de entrega do jornal na escola (dia, horário), quem recorrer caso haja atraso ou equívoco no número de exemplares, quem e como recorrer à coordenação do projeto, a dinâmica de distribuição dos exemplares nas turmas, a organização dos jornais para o armazenamento na escola ou para envio aos pais…

– é fundamental que haja um espaço na escola destinado ao projeto O Diário na Escola – na sala dos professores ou biblioteca, uma mesinha ou uma prateleira – para deixar disponível a todos que desenvolvem o projeto: os comunicados e convites da Coordenação de O Diário na Escola, pasta com sugestões de atividades e materiais teóricos, entregues nos encontros, para socialização entre professores, uma caixa para colocar os jornais que possam ser utilizados para recorte na confecção de hemerotecas, pasta com fotos ou registros de experiências com êxito, como motivação para o trabalho com o jornal impresso em sala de aula. Neste espaço poderão ser compartilhadas todas as demais matérias que enriquecerão a ação social e pedagógica de todos;

– lembrar de registrar tudo o que representar a riqueza dos processos e a importância dos resultados do projeto como relatórios, desenhos, fotografias, painéis: tudo é documento! Tudo isto servirá para responder aos indicadores no final do ano letivo. Servirá para sabermos se houve mais integração entre os alunos, professores e colaboradores da escola; se houve interferência na comunidade escolar; se ocorreu maior interesse pela leitura e pela pesquisa; se houve melhoria na qualidade da escrita e da comunicação oral, enfim – Valeu a pena desenvolver O Diário na Escola? Como justificar e exemplificar?

– compartilhar novidades: existem escolas que disponibilizam o jornal em mesinhas ou varais, na hora do intervalo, em espaço físico comum da escola – equipes de alunos, devidamente orientados  pelos professores, se revezam a cada dia para motivar os leitores para o uso adequado dos exemplares, para o manuseio responsável dos cadernos, para o reconhecimento das editorias… Importante valorizar a democratização da informação!

– optar pelo recorte dos jornais somente quando absolutamente esgotadas as possibilidades de utilização do jornal de acordo com a proposta do projeto – como referencial pedagógico que contribui para a elaboração de novos saberes, com sentido e significado. Os recortes poderão acontecer para a confecção de hemerotecas.

– criar um ambiente proativo de comunicação que contribua para a troca de ideias e experiências que levem professores e alunos a se enxergarem nas matérias do jornal impresso e das demais mídias – como oportunidades de contextualização em relação aos conteúdos escolares e ao dia a dia da comunidade onde atuam;

– a escola poderá desenvolver O Diário na Escola como uma ação do PPP da escola para incentivo à leitura ou cada professor poderá desenvolvê-lo em sua área do conhecimento/série – o importante é que seja organizado um espaço para a discussão e tomada de decisão sobre a forma mais construtiva para o desenvolvimento do projeto. Também discutir a forma de acompanhamento, sobre a utilização de indicadores, avaliação dos resultados e impactos alcançados no final do ano letivo;

– lembrar que todo o começo / recomeço ou o desconhecido sempre nos parecem complicados mas na verdade, são desafios que trazem grandes aprendizados.

 

A intencionalidade maior do programa O Diário na Escola é que a gestão na sua escola seja feita de uma forma tranquila, significativa e construtiva, como aprendizagem contínua!

Comente aqui


Histórias do tablado

Foto AbreApós se aposentar, a professora Edna Mendonça sentiu a necessidade de contar as muitas histórias ocorridas em sala de aula. Momentos engraçados, tristes, de superação, uma verdadeira lição de amor ao magistério. “O livro parecia que foi se escrevendo sozinho e surgiram vinte e seis dicas de como o professor pode se relacionar melhor com seus alunos”, conta. A obra ainda aborda assuntos como viagens com os alunos, alfabetização, inclusão, aluno especial, bullying, professor doente, disciplina, como passar em concursos e muito mais.

No magistério quando um professor se aposenta a escritora diz ser tradição passar sua herança profissional aos professores que ficam. Edna optou por compartilhar através do livro “Histórias e Dicas da Professora Edna”, dividindo não só momentos como também preciosas dicas de como aprendeu, na prática, a se relacionar com estudantes e organizar o dia a dia na sala de aula. Surgiu assim o livro narrado de forma leve e informal. Os pais também se identificarão com as situações escolares de seus filhos e como ajudá-los.

 

  1. O DIÁRIO NA ESCOLA: Esta é a sua primeira obra. Antes da aposentadoria, se imaginava uma escritora?

EDNA: Nunca pensei em ser escritora. Sempre tive facilidade em fazer redações na escola e na faculdade, mas escrever um livro não estava nos meus planos. Estou realizando um sonho o qual não sonhei. Primeiramente quando me aposentei me deu uma urgência de não perder as minhas histórias. E se o tempo passasse e eu esquecesse ou não conseguisse mais dar valor ao que vivi? Parecia-me que minha história tinha sido tão linda! Eu tinha vivido tantas coisas legais junto com meus alunos e se tudo isto se perdesse? Pensei, vou escrever! Assim surgiu o livro.

 

  1. Durante o processo de escrita do livro, quais foram os maiores desafios?

Foi até engraçado, nos primeiros dias de aposentada comecei a escrever, mas não contei para ninguém. E se eu não conseguisse escrever o livro até o fim? Como ele é biográfico parecia que jorrava de mim. As ideias iam surgindo tão rapidamente que minhas mãos pareciam não acompanhar no teclado do computador. Comigo o processo de escrita foi bem tranquilo. Todo dia cedinho escrevia durante umas duas horas e depois ia fazer as atividades normais do meu dia a dia. Em dois meses o livro estava pronto. Quando passei da metade e vi que era capaz de ser uma escritora comecei a contar para a família e amigos. Quem escreve um livro, escreve dois. Logo em seguida fiz outro, infanto-juvenil, que está guardado em meu computador. Também publico crônicas, poesias e textos em minha rede social. Se juntar tudo, tenho material para mais um livro.

 

  1. Como você avalia sua relação com os alunos durante sua carreira profissional nas escolas? Acredita que eles serão parte do público leitor da sua obra?

Nunca tive problemas com meus alunos, sempre os considerei meus amigos. A base de tudo é o amor. Primeiro eu amava ir à escola dar aulas. Quando você está ali satisfeita os estudantes sentem isto. Eles sabiam que eram importantes para mim, que eu me interessava se eles estavam aprendendo e se estavam bem. Hoje encontro alguns já adultos que me reconhecem e me tratam com o maior carinho. Os adolescentes das minhas últimas turmas são meus amigos nas redes sociais, estão festejando meu livro e nossas histórias. É gratificante encontrar um aluno e ele vir te dar um abraço e dizer que sente saudades de você.

 

  1. Aos pais, de que forma suas histórias irão contribuir na relação educacional com os filhos?

Os pais foram alunos ontem e hoje acompanham seus filhos nas mesmas situações escolares. Muitas dicas que dou para um bom relacionamento dos professores com os estudantes servem também para relacionamento de pais e filhos. Eu tenho uma filha na escola e me coloco no livro como mãe também. Abordo temas atuais como alfabetização, inclusão, bullying, disciplina, sinceridade, gosto pela leitura, adoção e muito mais. Todos esses assuntos são abordados através de histórias de fatos vividos na escola. Os pais saberão como a educação está funcionando hoje e, assim, poderão ajudar seus filhos.

 

  1. Que mensagem deixaria aos professores que atuam dentro dos espaços escolares e que, por vezes, se sentem desanimados com os desafios da educação?

Fui uma professora que amou e ainda ama a profissão que escolheu. Eu não sou conhecida como muita gente famosa ou heróis. Sou apenas uma professora, mas que do meu jeito fiz muitos feitos históricos. Cada dia era uma batalha do bem e eu partia rumo à escola com uma missão importantíssima, ensinar tanta gente que me esperava. Nossa profissão é linda e tão importante. Nós devemos ser os primeiros a valorizá-la através de uma aula bem dada e ensinar aos nossos alunos o tanto que ela é fundamental. Afinal, eles serão o nosso futuro.

 

Comente aqui