profissional



Sete nominados, todos vencedores!

Olá pessoal!

Nós estamos super orgulhosos da participação dos municípios no concurso cultural sobre consciência no trânsito! Nas edições de setembro do Diário, não se fala em outra coisa!

E em meio a toda essa festa, os professores Ricardo Pastoreli e Alethéia Braga continuam levando mais conhecimento aos profissionais da Educação que participam do Programa O Diário na Escola!

Oficinas Pedagógicas

Até a chegada da Prova Brasil, estamos trabalhando com conteúdos que ajudem os professores a preparem os alunos para uma prova tranquila.

Astorga

E na edição do dia 12, os alunos da professora Valéria de Nunes de Jesus, da Escola Municipal Alfredo Sofientini, foram jornalistas por um dia e atingiram um resultado maravilhoso! Parabéns meninos!

Incentivo à leitura

Na mesma edição, nossa coluninha “Bom de Ler” trouxe como sugestão o livro A Árvore que dava dinheiro. O livro fez parte da infância da jornalista Taís Nakakura, repórter do site ODiário.com.

 

Abração!

Equipe O Diário na escola

PS – Para ficar sempre por dentro das nossas ações e enviar sugestões vocês podem acessar o nossa página do Facebook

 

Comente aqui


Astorga recebe oficina Descritores

Olá pessoal!

Na tarde desta sexta-feira, dia 4, o Programa O Diário na Escola está em Astorga.

Os profissionais da Educação do município participam da oficina pedagógica “Descritores: um convívio diário”.

A professora Alethéia Braga Ribeiro vai falar sobre a contribuição da Prova Brasil para o ensino público e sobre os descritores.

E na segunda-feira, dia 7, estaremos em Sarandi.

Em breve, novidades por aqui!

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Infográfico celebra as conquistas da comunidade escolar

Ola pessoal! Na edição de quarta-feira, 26, da Coluna O Diário na Escola, o tema foi o conjunto das iniciativas de professores e alunos de Sarandi a partir do jornal em sala de aula. Contamos em um infográfico, sete anos de conquistas! E teve de tudo um pouco: incentivo à leitura e produção de textos, alunos conquistando […]

Comente aqui


A ilusão do anonimato nas redes sociais

Dicas para não queimar sua imagem: É preciso ter cautela e bom senso ao publicar

Pesquisas mostram que o Brasil é um dos países em que o aumento de vendas de aparelhos celulares vem crescendo significativamente, em ritmo cada vez mais acelerado. Os smartphones tornaram-se objeto de desejo em todas as classes sociais e em todas as idades também.

Consequentemente houve o aumento diário de acessos às redes sociais. O tempo que as pessoas passam navegando, principalmente no Facebook, Instagram e Twitter, é cada vez maior, em média 5 horas por dia.

Nesse contexto, surge o problema do anonimato. Muitos acham que podem falar o que querem ou pensam, instigando, muitas vezes, o ódio, a agressividade, o preconceito etc. É importante saber que, de acordo com um estudo do site CareerBuilder, site americano de recrutamento, “51% dos 2.138 empregadores entrevistados desistem de contratar um candidato após verificar suas postagens”, pois encontram informações que os levam a não contratação.

A liberdade de expressão tem limites estreitos e ao ultrapassar esses limites as consequências poderão ser muito ruins

A jornalista Luciana Lima (exame.com) dá 16 dicas para que você preserve e melhore sua imagem virtual: 1) use ferramentas de privacidade; 2) pense antes de publicar; 3) reclame na medida; 4) diminua a ostentação; 5) pegue leve nas críticas às empresas; 6) lembre-se que a zoeira tem limites; 7) analise as redes; 8) publique com moderação; 9) seja coerente; 10) saiba que o anonimato é lenda; 11) controle as emoções; 12) evite falar sobre sua empresa; 13) cuidado com a linguagem; 14) mantenha a discrição; 15) leia a política de privacidade e 16) saia da bolha, “é importante dar valor a informações que não fazem parte do dia a dia”. Tem internauta que fala apenas sobre o assunto que gosta, por exemplo, só fala de futebol, ou só de política, ou só de economia…

Consequências no campo jurídico

É necessário ter-se muito cuidado ao postar, compartilhar ou curtir algo nas redes sociais. Elas podem incorrer nos crimes contra honra que são a Calúnia, Injúria e difamação, por atingirem a personalidade de uma pessoa, ou seja, sua honra, imagem e dignidade.

A calúnia – art. 138 Código penal – Imputar fato definido como crime a uma pessoa, como por exemplo, dizer que alguém cometeu algum fato criminoso, roubar, matar, no entanto se o crime for comprovado não existirá condenação.

 

A difamação está prevista no art. 139 Código Penal – Imputar um fato ofensivo à reputação do ofendido, como por exemplo, dizer que o colega de trabalho ingere bebidas alcóolicas no intervalo do almoço, independente de ser fato verdadeiro ou não, ao mencionar tal fato, este já incorre no crime de difamação.

A injúria está prevista no art. 140 do Código Penal – Imputar um fato ofensivo que afronta a dignidade da pessoa. São xingamentos, taxar características na pessoa afrontando a dignidade dela, sua autoestima, como por exemplo, dizer que é feio(a), burro(a), incapaz. Se essa ofensa for direcionada a raça, cor, etnia e religião da pessoa, o crime se torna mais grave.

A advogada Verginy Gregory lembra que “os Tribunais Superiores estão firmando entendimento acerca da responsabilidade jurídica pelo compartilhamento de ofensas na internet. Os resultados estão sendo bem contundentes contra os divulgadores, pois muitos são responsabilizados ao pagamento de danos morais, que seria uma reparação pelo ato, recepcionados no âmbito do Direito Civil”.

Segundo ela, é importante ressaltar que esses crimes atingem também a pessoa jurídica, ou seja, cuidado ao mencionarem empresas em seus comentários.

“Temos casos de funcionários que curtiram post em redes sociais de críticas à empresa que trabalhavam e foram demitidos por justa causa. Nem tudo que pensamos podemos divulgar, lembre-se que a internet não se resume a uma tela de computador ou celular, por isso o consenso, seria utilizá-la para propagar informações úteis a sociedade, como um instrumento de pesquisa, diversão saudável, fé, conquista e não de violência e agressão”, enfatiza.

A liberdade de expressão tem limites estreitos e ao ultrapassar esses limites as consequências poderão ser muito ruins, culminando ao agressor(a) multas, pena de detenção e indenizações por danos morais.

Na dúvida, não publique!

Por

Ricardo Pastoreli

[email protected]

Comente aqui


Youtubers mirins são celebridades da rede

Foto Abre

O termo “youtuber mirim” pode ser algo novo para muita gente, mas para o público infantil, em específico, eles são verdadeiros ídolos. São crianças que gravam vídeos sobre a vivência escolar, ideais de desafios, dicas de maquiagens e games e depois publicam esse conteúdo em seus canais do YouTube.

Já existem crianças que vivaram celebridades e até faturam com os vídeos publicados. Em entrevista para o jornal Folha de São Paulo, o diretor de conteúdo do YouTube no Brasil, Alvaro Paes de Barros, afirma que uma das razões para o fenômeno, é a interação entre os pequenos. “Eles falam exatamente o que é importante para as crianças, da forma como as crianças falam.”

Em Maringá, temos alguns rostinhos que já estão se tornando conhecidos. Com apenas 12 anos, Juan Ribeiro de Camargo já é sucesso entre os amigos, dono do canal Zika Memo ele conta de forma engraçada fatos do dia-a-dia de um adolescente. “Minha inspiração é ver que as pessoas estão gostando, sempre alguém vem falar comigo que os vídeos estão legais e quando atraso um dia pra postar, já me cobram a publicação. Isso me motiva bastante”, conta.

Felipe Gabriel Vitor, de 14 anos também tem um canal e conta que para fazer bons vídeos, o importante é você observar o que acontece ao seu redor para falar de temas do cotidiano que sejam de interesse de todos. “Boa parte do que destaco é direcionado para os adolescentes, com isso, os primeiros a curtirem minhas postagens são meus irmãos, temos a mesma faixa etária e gostamos de coisas semelhantes, eles são meus maiores incentivadores e se divertem me assistindo.”

A psicopedagoga e mãe de Felipe, Ivanise Gabriel de Oliveira conta que nessa fase da vida a busca por aceitação e pertencimento a um grupo social, associada com a criatividade e a espontaneidade, são os ingredientes perfeitos para entrar nesta nova onda do momento. “O lema é ser visto, ser notado, que alguém fale algo de mim, seja bom ou ruim”, enfatiza.

Ivanise diz que conversa com Felipe sobre os perigos da exposição e que muitos estarão observando a fala dele, alguns vão elogiar como também podem criticar, e ele está aprendendo a lidar com tudo isso, inclusive, com as frustrações, o que é fundamental para a formação dele. A mãe deixa bem claro que não aceita que o filho exponha detalhes da vida pessoal, onde estuda, endereço, por questão de proteção. “A internet é um mundo sem barreiras, as crianças devem ter cautela”, aponta.

Um dos resultados desses canais que não param de surgir, são as crianças que se sentem motivadas após ver outras na telinha e acreditam que também podem ser um youtuber. “Afinal, se ele pode, eu também posso!” afirma Victor Hugo Martim, de 11 anos, que criou o canal “Bolado” inspirado em outros vlogs. “Comecei fazendo vídeos sobre dicas de games, mas com o tempo vi que gostava mais dos canais engraçados e resolvi seguir a mesma linha. Meu canal repercute bastante na escola, meus amigos me dão ideias sobre o que falar nos vídeos e como deixar o Bolado mais interessante.”
Victor Hugo ressalta que tem o estímulo dos pais na criação e atualização do canal, mas reforçam diariamente que os estudos e obrigações da escola devem estar sempre em primeiro lugar. “A internet pode ser algo profissional, no futuro, mas para que isso aconteça ele precisa de muita formação e conteúdo”, completa a mãe do youtuber, Débora Cristina Martim.

Comente aqui


Educadora apaixonada pela profissão fala de suas experiências

IMG_5100Professora há 20 anos, Angela Alves Martins Silva conta ao Programa sobre sua experiência de vida, os desafios da carreira e os momentos prazerosos da profissão. “É possível e necessário transformar pessoas, formar bons cidadãos e mudar a sociedade como um todo”, diz Angela, que é formada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), especialista em Neuropedagogia na Educação, e atualmente leciona na Escola Municipal Padre José de Anchieta, em Sarandi. “Cada dia há um obstáculo a ser superado, mas aliado a isso há também novas conquistas, o que torna a rotina muito gratificante.”

Para conseguir tantas vitórias, desde pequena, Angela batalhou muito. Filha do pedreiro, Manoel Alves Martins e da dona de casa, Geralda Alves Martins, a professora teve uma infância difícil ao lado de outros 15 irmãos. “Quando criança, nossa situação financeira foi muito pobre, mas a educação familiar era riquíssima. Meus pais me ensinaram valores que carrego comigo até hoje, e diariamente, tento repassar a mesma criação para meus dois filhos.”

Ela que sempre sonhou em seguir uma carreira profissional em que pudesse crescer e vencer na vida, passou toda a sua trajetória escolar em instituições públicas, muitas vezes, dividindo o material básico para uso em sala de aula, com os irmãos. “Eu acreditava que um dia aquela situação iria ser diferente”, fala.

Sabendo que para ter um futuro melhor precisaria cursar uma faculdade, Angela desanimou por diversas vezes, pois não tinha recursos financeiros para custear um curso preparatório para o vestibular da UEM ou a faculdade privada, mas mesmo assim nunca desistiu da vontade de conseguir realizar o próprio sonho, e o de seus pais, que ficariam contentes em ter um filho graduado.

“Quando pequena eu achava lindo ser professora, e até hoje me lembro da educadora Vera, que me alfabetizou. E foi assim que tracei meu futuro. Decidi ensinar, e assim, transformar a minha vida e quem sabe, fazer a diferença na vida de muitas crianças”, relata.

Depois de formada no antigo curso de Magistério, Angela passou em um concurso público em Sarandi e conseguiu sua primeira turma de alunos. Mas ainda havia mais uma batalha, o curso superior. “Com muita dedicação, consegui ser aprovada na UEM, nem acreditei quando vi meu nome na lista, era mais do que um obstáculo vencido, foi o momento em que realizei meu sonho”, comemora.

Como uma boa educadora, ela não parou mais de estudar, além da especialização, anualmente Angela participa de diversos cursos de capacitação oferecidos pela rede municipal de ensino, buscando, sempre, o aperfeiçoamento profissional. “Abraço as causas da educação com amor e valorizo cada pessoa envolvida no processo de ensinar. Meu maior prazer é constatar o aprendizado do aluno, perceber que de alguma forma eu estou contribuindo para um futuro melhor para aquela criança, assim como os meus professores da infância fizeram por mim.”

IMG_5085Por um tempo, a professora lecionou para a educação inclusiva. “Este período foi de muito aprendizado. Cada ser humano tem suas qualidades e seus limites, os quais a escola e os profissionais da educação devem estar preparados para receber esses alunos.”

Angela destaca que o sistema educacional passa por desafios, mas, ainda assim, não perdeu qualidade. “Os recursos tecnológicos estão cada vez mais presentes em sala de aula, algo que torna o processo de aprendizagem inovador, além dos projetos educacionais que somam ao currículo escolar a ser aplicado pelo educador. Acredito que com dedicação e amor pelo que se faz é possível oferecer um ensino voltado para as necessidades dos alunos e, com isso, transformar toda uma sociedade”, diz, esperançosa.

Comente aqui


Leitura de O Diário motiva visita à sede da empresa

Todas as semanas os estudantes das instituições de ensino que são parceiras do Diário na Escola recebem o jornal para desenvolver atividades. Para muitos, estas aulas oferecem o primeiro contato com o impresso. Com a novidade em sala as crianças enchem as professores de perguntas. Esta aí uma ótima oportunidade para responder as curiosidades.

Monitorados por uma jornalista, a ideia principal é aproximar os alunos do dia-a-dia de quem faz o jornal impresso, em seus diferentes setores. Num primeiro momento os visitantes recebem informações gerais sobre o funcionamento do jornal e a rotina de trabalho de cada funcionário da redação – repórteres, fotógrafos, diagramadores e editores chefes. Os alunos podem, inclusive, circular pela redação e sentir um pouco da adrenalina de quem produz um jornal diário.

“Os alunos necessitam conhecer o jornal não só como meio de comunicação, mas também como empresa. Diariamente há uma força de trabalho empregada para a produção do impresso. Desta forma valorizam o material, e passam a ler os textos com mais atenção”, conta a professora da Escola Municipal Criança Esperança, em Sarandi, Maria Terezinha de Oliveira.

VISITA ARQUIVO RL3Há 40 anos no mercado, a empresa dispõe de uma sala de arquivo na qual ficam armazenados todos os exemplares que já foram impressos. Quem mostra aos visitantes a primeira edição do Diário – datada em 29 de junho de 1974 – é Rui da Costa Silva, funcionário desde 1982. “Recebo com alegria os estudantes que vêm conhecer nosso espaço. Observam com atenção, fazem perguntas e querem saber detalhes, alguns até inusitados. Procuro incentivar a leitura e transmitir o valor do material aqui arquivado.”

A professora Ione Dias Rodrigues relata que foi uma experiência interessante. “O Diário está fazendo e marcando a história da nossa região ao arquivar os exemplares de todas as edições. Com isso, proporciona aos visitantes a união do passado com o presente. Pude perceber que não só os lugares mudaram com o tempo, mas também o modo de vida das pessoas.”

Um dos momentos mais esperados é a circulação pelo parque gráfico. Barracão onde é possível ver de perto a rotativa de 39 metros de comprimento, seis metros de altura e 60 toneladas. Adquirida pela empresa em 2011, a máquina aumentou a capacidade de 15 para 35 mil impressões por hora.

image“Trabalho no Diário há 37 anos, sempre no setor de impressão. Começamos com uma máquina bem pequena e lenta. Somente em 1995 chegou a rotativa colorida, mas ainda assim tinha baixa velocidade. Hoje nosso equipamento é o mais moderno da região e eu tenho orgulho de ver como a empresa cresceu, mesmo aposentado continuo trabalhando porque isso me faz sentir vivo”, conta Dionizio de Almeida.

As bobinas de papel jornal deixam as crianças de “boca aberta”. Com cerca de 2.300 metros de papel e 380 quilos cada uma, as grandes pilhas aguçam a curiosidade dos visitantes. Dionízio comenta que o papel jornal vem da árvore Pinos, cultivada na região de Ponta Grossa, e ressalta que para a produção de cada bobina é necessário oito árvores. “As informações repassadas poderão ser trabalhadas de forma interdisciplinar em sala de aula. Em Ciências, por exemplo, explorando a preservação ambiental e o impacto que ocorre no meio ambiente com a derrubada dessas árvores. Na matemática, podemos calcular o tempo de crescimento da matéria prima e na Língua Portuguesa, a produção de texto”, expõe a professora Márcia Aparecida da Silva.

Comente aqui


O que você quer ser quando crescer?

Na última quinta-feira comemorou-se o Dia do Trabalho, mais do que um feriado nacional é uma data para refletir. Afinal, se você ainda é uma criança, que profissão gostaria de seguir no futuro? Já parou para pensar? Quando pequenos já nos arriscamos a decidir o que queremos ser quando crescer: bailarina, jogador de futebol, cantor ou outras profissões de destaque. Embora essas opções pareçam ser definitivas, o amadurecimento faz perceber que as fantasias da infância podem não nos levar a lugar algum.

Possivelmente aquela com o desejo de ser bailarina não contava com a rotina de dedicação integral e cansativa dos ensaios pelo qual elas têm de passar, mas sim no glamour das roupas e na possibilidade de ganhar dinheiro dançando. Ser jogador de futebol parece ser divertido aos olhos dos garotos, quer coisa melhor que ficar rico e famoso para “brincar” de jogar bola? E ser um cantor então? Aparecer na televisão, viver rodeado por uma multidão de fãs, fazer shows pelo mundo, é a fantasia de quase toda criança. Até que um dia chega o momento em que é preciso decidir, de fato, a carreira a seguir.

“Nem todos têm facilidade para uma escolha imediata. Para escolher a melhor profissão é preciso, antes de tudo, se conhecer melhor. Podemos ter várias carreiras em mente, mas o caminho certo, aquele que trará felicidade e sucesso profissional, só vem quando nos conhecemos. Faça previsões. Será que daqui a três ou trinta anos estarei feliz lidando com os assuntos da profissão que tanto me empolgam hoje?”, indaga a psicóloga Mariana Braga Nunes.

É importante que a carreira proporcione diversão. Pesquisas apontam que um profissional que trabalha de bem com a vida rende mais e se sente realizado. Em contrapartida, aqueles que embarcam em uma carreira somente pela possibilidade de crescimento social podem acabar frustrados e sem dinheiro por não se destacarem no mercado de trabalho. O ganha-pão tem que unir habilidade e sustento. De nada adianta sonhar com algo que não é possível ser transformado em atividade profissional.

A psicóloga destaca que o amadurecimento é o principal aliado na hora de definir a carreira. “É claro que as pessoas que convivem com você, principalmente a família, vão dar um palpite aqui, outro ali. Porém, o que faz a diferença é a sua capacidade de captar as sugestões construtivas e descartar as especulações.”

Muitos adolescentes na fase do vestibular se veem na difícil tarefa da decisão. Nestes casos Mariana aconselha o jovem a identificar as disciplinas escolares que mais têm afinidade e também perceber se gosta de trabalhar em grupo ou sozinho, em espaços calmos ou agitados. “Pensar no futuro local e condições e trabalho ajuda a afunilar o leque de possibilidades que você cogita.”

Lembre-se, preferências mudam com o tempo. Pode ser que você sempre tenha desejado uma profissão, mas em algum momento começa a pensar em outra. “Quando terminei o ensino médio não me sentia segura para uma escolha tão importante. A princípio fui incentivada pelos meus pais, que tinham comércio de vestuário, a cursar moda. E assim eu fiz, mas durante a faculdade percebi que não era realmente aquilo que eu queria”, afirma Janaina Sampaio de Castro que se formou em moda, mas em seguida decidiu cursar Engenharia Civil.

“Com o tempo eu fui percebendo que adorava analisar as casas, as fachadas, os telhados e as projeções. Eu precisava buscar uma profissão nova, relacionada à essa área. Nesta escolha minha mãe também me incentivou. Ela constroi casas para vender e para me motivar começou a pedir que eu comprasse todos os materiais. Até hoje essa é a parte que eu mais amo no meu dia, me dá frio na barriga conversar com os pedreiros e imaginar que logo sou eu coordenando as equipes”, revela Janaina que está cursando sua segunda faculdade e se mostra apaixonada pela nova profissão.

Larissa Vitória CarnevalliLarissa Vitória Carnevalli – aluna do 5º ano da Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira, de Floresta.

“Eu gosto de ler, escrever e pesquisar. Gosto de todas as matérias, principalmente de Ciências. Por isso quero ser professora! Poder ensinar assim como a minha professora faz. Ela é paciente e explica de uma forma que todos nós conseguimos aprender.”

BrunoBruno Augusto Valério – aluno do 5º ano na Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia.

“Eu quero estudar administração para trabalhar no comércio assim como meus pais. Não se ganha muito dinheiro, mais isso não é o mais importante, eu quero fazer o que gosto e ainda poder conversar com os clientes todos os dias.”

Rafaela Pupo LandesRafaela Puppo Landes – aluna do 5º ano da Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira, de Floresta.

“Eu quero ser médica para ajudar a salvar a vida das pessoas. Sei que vou ter que estudar muito para isso acontecer, mas eu aprendi com meus pais e minha professora que o conhecimento é algo que ninguém tira da gente.”

 

Comente aqui


No dia do mestre, uma história de dedicação

Ambientes educativos conflituosos, estruturas físicas inadequadas e a falta de limites em um grande número de alunos, são fatores que levam a desmotivação dos profissionais e ao descrédito da educação. Mesmo dentro dessa realidade, ainda é possível encontrar professores que resistam a esses indícios negativos e se destacam positivamente. A exemplo do professor Luciano Pereira dos Santos.

O sonho de lecionar surgiu na infância, as dificuldades para cursar uma faculdade integral no município vizinho eram muitas, mas Luciano não desistiu. Com esforço e dedicação foi graduado em educação física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Depois de formado, Luciano foi professor por 14 anos em escolas de Sarandi – cidade em que sempre viveu – até que assumiu o cargo de diretor do Colégio Estadual Helena Kolody.

Foi neste momento que ele mostrou o seu diferencial.

Em 2005, a instituição foi inaugurada e Luciano foi trabalhar no colégio. Situado em um bairro periférico, em pouco tempo o cenário escolar já era bastante complicado, com problemas disciplinares e sociais, como uso de drogas, violência e até prostituição infantil.

“Eu cresci em Sarandi e sempre acreditei que poderia fazer mais pela minha cidade, em especial pela educação do município, não poderia ficar passivo diante de tantos problemas. Decidi que era o momento de ser um agente de transformação no colégio, e assim, motivar mais pessoas a lutar comigo”, destaca Luciano.

Focado em fazer a diferença, logo que assumiu o cargo de diretor em 2009, Luciano começou a buscar recursos que pudessem modificar a realidade de um colégio depredado, com altos índices de violência e evasão escolar.

Depois de conseguir verba para a reforma na estrutura, o diretor teve uma ajuda especial, pais e vizinhos da escola se uniram para auxiliar nos trabalhos oferecendo mão-de-obra. “A colaboração foi de grande importância para o resultado, pais de família dispuseram de seu tempo vago para ajudar a colocar uma telha, trocar o vidro de uma janela, foi incrível!”, comemora o diretor.

As mudanças da estrutura física contribuíram para outra alteração, a comportamental. Uma escola que formava 12 alunos no terceiro ano do ensino médio, está com três turmas de 35 alunos, cada, prestes a se formar.

Para diminuir os índices de violência Luciano contou com a ajuda da Patrulha Escolar e do Conselho Tutelar, que passaram a estar mais presentes no colégio, não só promovendo a segurança, mas também realizando palestras de conscientização.

“Sou aluno do Helena Kolody desde 2007, a realidade que vivo agora dentro da escola é muito diferente. Antes eu tinha medo de vir pra cá, andava sempre com a bolsa nas costas por medo de ser roubado, pulava o muro pra matar aula, os espaços eram todos sujos, eu não tinha motivação para estudar. Hoje tenho orgulho de falar onde estudo, converso com amigos de outros colégios e percebo que o meu é modelo de educação”, conta o aluno Alysson Ribeiro.

Luciano desenvolveu projetos de cultura, artes e informações sobre o mercado de trabalho envolvendo pais e alunos nas atividades dentro do ambiente escolar. “Este ano já realizamos Festival de Música, Campeonato de Futsal masculino e Voleibol feminino, além de palestras sobre a importância da água, o acesso ao ensino superior e questões que envolvem a saúde”, relata.

O colégio também oferece sala de informática com equipamentos em ótimas condições de uso, laboratório de química e espaço climatizado com data-show para a realização de eventos. Reuniões e assembleias com os responsáveis, para discutir melhorias na instituição, fazem parte da rotina da escola.

Juliana Marques é auxiliar administrativa no colégio e trabalha lá desde a gestão anterior. “Depois que o Luciano assumiu a diretoria eu passei a trabalhar com mais segurança, os pais ficam tranquilos ao deixarem seus filhos na escola, e os alunos têm ótimo comportamento. Desejo que outros professores e diretores se motivem com a história do Luciano e comecem a fazer mais pela educação brasileira”.

As boas ações não param por aí, nas horas vagas o diretor ainda exerce o cargo de professor voluntário e treina vôlei com um grupo de alunas do colégio.

Para Luciano, educar é mais do que reproduzir o conhecimento, é formar consciência no estudante. “Penso que a criança e o adolescente são os cidadãos que vão mudar o futuro da sociedade, por isso é muito importante que o educador goste de gente, pense coletivamente, e assim, trabalhe com amor, dedicação, ética e responsabilidade”, enfatiza.

SUPERAÇÃO - Alunos comemoram com o diretor Luciano a oportunidade em fazer parte de uma escola que hoje é exemplo. Ao fundo, a imagem da poetisa que deu nome a instituição

SUPERAÇÃO – Alunos comemoram com o diretor Luciano a oportunidade em fazer parte de uma escola que hoje é exemplo. Ao fundo, a imagem da poetisa que deu nome a instituição

Comente aqui


Uma singela homenagem

Marcos César Lukaszewigz, o Lukas, chargista de O Diário desde 1991, foi sempre muito solícito quando convidado pelo Diário na Escola para alguma participação especial.
Ele já fez oficinas de charges com crianças, já falou aos professores sobre o mesmo tema e concedeu uma entrevista especial ao Programa em junho de 2009. Para homenageá-lo resolvemos compartilhar com os leitores o que nos disse o cartunista profissional que era apaixonado pelas crianças e conquistava uma recíproca intensa e verdadeira:
Continue lendo

Comente aqui