publicidade



Estudantes criam publicidade educativa

A vivência diária permite que convivamos com diferentes situações comunicativas. Isso acontece porque estamos inseridos em uma sociedade e, desta forma, compartilhamos ideias e opiniões com as pessoas que estão ao nosso redor. A todo instante nos deparamos com uma infinidade de propagandas, seja em jornais, outdoors, panfletos espalhados pelas ruas ou através da mídia televisiva. A finalidade deste tipo de texto é de persuadir, ou seja, o anunciante tem o objetivo de convencer o telespectador  – ou receptor – sobre a boa qualidade de um determinado produto para o convencer a adquiri-lo.

Preocupada com a quantidade de anúncios que as crianças visualizam todos os dias, a professora Iara Maria Pretti Elpidio relacionou a mídia à educação, em suas aulas. Com o objetivo de conscientizar os alunos da Escola Municipal São Jorge, Iara desenvolveu atividades nas quais as crianças utilizaram o poder do veículo de comunicação em prol da motivação ao aprendizado.

“Comecei o trabalho debatendo com os estudantes a diferença entre anúncio publicitário e propaganda. Enfatizando para que servem, onde podem ser encontradas e de que forma se apresentam”, destaca a professora.

Aproveitando o espaço de informática da escola, Iara instigou os alunos a pesquisarem o significado do gênero textual em estudo e alguns dos exemplos que podem ser encontrados na mídia.

Em contato com exemplares do Diário semanalmente, as crianças já têm embasamento do conteúdo em discussão, assim, exploraram o jornal identificando textos, imagens e frases de efeito que compõem as publicidades.

“Os estudantes pesquisaram, recortaram e colaram tudo o que encontraram no impresso, como também em outros veículos de comunicação. Os desafiei a revelarem se os recortes encontrados se referiam a anúncios ou propagandas e qual o objetivo de cada um deles”, conta Iara.

Com isso, os alunos se aperfeiçoaram quanto à interpretação dos conteúdos persuasivos e se tornaram mais críticos. “É um trabalho importante que desperta a nossa criatividade e ainda nos conscientiza dos riscos da mídia”, ressalta a estudante Eloah Guerino Matias.

A professora relata que as crianças se mostraram muito interessadas na proposta, por isso solicitou que todo o aprendizado fosse colocado em prática. “O trabalho final ficou por conta da produção de propagandas com o tema ‘escola e educação’ para exposição em um mural da escola. Cada criação ainda apresentou de gravuras, desenhos, frases e palavras em destaque para chamar a atenção da comunidade escolar”, diz.

“Gostei muito de criar uma propaganda, foi uma aula divertida em que usei minhas habilidades de desenho e escrita, assim como os publicitários fazem”, enfatiza a aluna Michelle Crubelati.

Com a atividade, a professora constatou que realmente as crianças aprenderem sobre o conteúdo em estudo e ainda conseguiram expor suas ideias de forma clara e objetiva. “Além do resultado dentro de sala de aula, ainda conseguimos despertar a atenção de toda a comunidade escolar sobre a importância do tema. Por várias vezes, vimos pessoas lendo e comentando sobre a atividade em exposição”, enfatiza.

“Uma proposta que teve início há meses, a partir do resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), a professora conseguiu que os alunos percebessem a importância da escola e da educação na vida deles. Foram momentos de reflexão e conscientização que, com certeza, serviram de exemplo para todos que tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho realizado”, conclui a coordenadora pedagógica da escola, Rozilene Cassanho Zago.

CRIAÇÃO

Confira uma das propagandas desenvolvidas pelos alunos da Escola Municipal São Jorge, após o estudo e conhecimento do gênero nas páginas do jornal.

Imagem opção 01

1 Comentário


Sugestão de Atividade

TRABALHANDO COM ANÚNCIO

A partir da imagem responda as questões:

BOX 01

  • De quem é o apartamento?
  • Onde ele fica situado?
  • Você acha que ele é novo ou velho?
  • Quantos quartos ele tem?
  • Em qual andar fica este apartamento?
  • Qual a diferença entre uma casa e um apartamento?

_________________________________________________________

PRODUÇÃO

Agora você será desafiado a criar um anúncio para o caderno de classificados a partir da figura abaixo:

BOX 02

E aí professor, como foi o desenvolvimento destas atividades com os seus alunos? Nos envie os resultados pelo e-mail: odiarionaescola@odiario.com

Comente aqui


Professores aprendem sobre publicidade

FOTO 01Cerca de 100 profissionais da educação da rede municipal de Maringá participaram do encontro pedagógico “A publicidade no jornal: anúncio e classificado”. A formação foi oferecida pelo Diário na Escola e ministrada pelas professoras mestres Adélli Bazza e Maísa Cardoso. “O conhecimento avança num ritmo acelerado e o professor, por sua função social, necessita desse apoio didático constante, onde são privilegiados momentos para se repensar conceitos e adquirir novos conteúdos na busca de serem aprimorados os processos de ensino-aprendizagem. A ação docente se faz pela interação entre teoria e prática”, destaca a secretária de Educação de Maringá Solange Lopes.

Durante a capacitação, mostrou-se que o consumidor, no caso o aluno, ao observar as propagandas, nem sempre é capaz de absorver o conteúdo da melhor forma. Algumas vezes, os anúncios podem nos convencer de determinadas necessidades sem deixar alternativas. Por exemplo, ou se adquire tal produto ou está sujeito a sentir-se inferior a outros que o fazem. Dessa forma, a missão do educador é colocar à disposição do aluno mecanismos de defesa que permitam com que a criança filtre as informações recebidas.

Maísa Cardoso salienta que a formação do leitor deve ser frequente na sala de aula e, sem dúvida, o universo publicitário é um lugar de argumentação que precisa ser lido e interpretado pelo aluno. “Essa interpretação não acontece somente quanto à linguagem, mas principalmente à imagem, portanto, auxiliar o educando a observar os recursos semióticos desses gêneros é fundamental.”

A professora Rúbia Tatiane dos Santos enfatiza que foi possível ampliar a percepção sobre os anúncios veiculados na mídia e perceber o nível de intenção capitalista, direta ou indiretamente, encontrado em boa parte das publicidades. E a educadora Sirley Cordeiro de Queiros complementa: “Agora consigo visualizar as estratégias utilizadas para seduzir o leitor, tais como o despertar da curiosidade, segurança, conforto e ilusão de beleza.”

FOTO 2 - opção 01A ministrante Adélli ressalva que estudar esses gêneros possibilita ao professor desenvolver a criticidade dos alunos na medida em que revela as estratégias de argumentação que neles são empregados. “Espera-se com isso que esse estudante não seja tão facilmente seduzido quando exposto à publicidade, em geral.”

A escolha do tema para esta formação foi decidida pela coordenação do Diário na Escola em parceria com a Secretaria de Educação de Maringá, visando conciliar com o conteúdo bimestral já planejado para os quintos anos. “O foco é contribuir para que o professor possa fazer um bom planejamento, aplicando o que viu nas capacitações, em sala de aula”, destaca a coordenadora do programa Loiva Lopes.

“O encontro foi bom tanto para aqueles educadores que já participaram do Diário na Escola em anos anteriores, pois é sempre válido retomar questões de outras formações, como também para aqueles que iniciaram as atividades em 2014, porque possibilita a melhora da prática pedagógica e os trabalhos com este gênero”, conta a professora Marli do Rosário.

Comente aqui


Caixa tira do ar “Machado de Assis” branco

A Caixa Econômica Federal tirou do ar o comercial que mostrava o escritor Machado de Assis interpretado por um ator branco. A campanha comemorava os 150 anos do banco.

Depois de um pedido oficial da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), órgão do governo federal, o banco tomou a decisão. O filme também gerou críticas na internet.

Criado pela agência Borghierh/Lowe e com duração de um minuto, o comercial foi narrado pela atriz Glória Pires e trazia a ideia de que o escritor Machado de Assis (1839-1908) teria sido correntista do banco. O problema é que o ator que interpreta o escritor é branco. Machado de Assis era mulato.

No comunicado oficial em que anuncia a interrupção da propaganda, a Caixa “pede desculpas a toda a população e, em especial, aos movimentos ligados às causas raciais, por não ter caracterizado o escritor, que era afro-brasileiro, com a sua origem racial”.

Fonte: Revista Exame

Assista ao vídeo:

3 Comentários