Sobre O Diário na Escola



Programe-se! Próximo Encontro Pedagógico: Tem notícia na parede!

Acontece no próximo dia 29, quinta-feira, a oficina pedagógica intitulada Tem notícia na parede, que será ministrada pela professora e jornalista mestre, Juliana Fontanella, destinada aos professores participantes do Diário na Escola, das instituições apoiadas pela VIAPAR e das escolas dos seguintes municípios: Astorga, Floraí, Floresta, Itambé, Ivatuba, Lobato, São Jorge do Ivaí e Uniflor.

O evento será realizado na Faculdade Cidade Verde, FCV, das 13 às 17 horas, sob a coordenação do professor Ricardo A. Pastoreli.

Apresentar o jornal mural como representação do gênero jornalístico para atividades no meio escolar e instrumentalizar os professores para que conheçam e apliquem a metodologia de elaboração de um jornal mural nos processos de ensino e de aprendizagem são os objetivos desta oficina Pedagógica.

Neste encontro os profissionais poderão experimentar como é o processo de elaboração de um jornal mural, do planejamento à confecção. Assim, espera-se que possam aplicar essa experiência em sala de aula proporcionando aos conteúdos previstos em suas disciplinas priorizando experiências do letramento crítico e ainda, que possam encontrar no jornal mural, um meio adequado para a apresentação de conteúdos inter e multidisciplinares.

O Diário na Escola é um programa de incentivo à leitura, escrita e cidadania, desenvolvido pelo jornal O Diário do Norte do Paraná.

 

Comente aqui


Como fazer a gestão do Diário na Escola na sua instituição

 

Gestão

“É fundamental desenvolvermos esta habilidade tão necessária às nossas vidas pessoais, familiares e profissionais, de forma a exercermos nossa cidadania na plenitude e de maneira participativa. Esse é um processo de aprendizagem contínua”.

(Eugênio do Carvalhal – FGV/RJ)

 

Algumas recomendações para a gestão do projeto na escola:

– reforçar no ambiente escolar que O Diário na Escola é um projeto que tem como objetivo, contribuir para a formação de novos leitores – do leitor para a vida inteira;

– esclarecer aos que desconhecem a proposta que O Diário na Escola é um projeto socioeducativo que pode contribuir para: o desenvolvimento da política de leitura das diretrizes municipais para a educação; para o enriquecimento do Projeto Político da escola e para o desenvolvimento de práticas pedagógicas mais criativas e inovadoras;

– formar uma equipe de gestão que acompanhe o projeto desde as questões operacionais: como a conferência da data de entrega do jornal na escola até as questões pedagógicas como a metodologia de aplicação do Diário como referencial pedagógico que cada série ou área do conhecimento está utilizando, por exemplo;

– esta equipe poderá ser composta por 3 ou 4 professores que desenvolvem o projeto na escola e não obrigatoriamente a Coordenação Pedagógica e Direção. São professores que a cada bimestre repassam as suas responsabilidades, também como exemplo;

– esta equipe terá, então como responsabilidades: verificar a dinâmica de entrega do jornal na escola (dia, horário), quem recorrer caso haja atraso ou equívoco no número de exemplares, quem e como recorrer à coordenação do projeto, a dinâmica de distribuição dos exemplares nas turmas, a organização dos jornais para o armazenamento na escola ou para envio aos pais…

– é fundamental que haja um espaço na escola destinado ao projeto O Diário na Escola – na sala dos professores ou biblioteca, uma mesinha ou uma prateleira – para deixar disponível a todos que desenvolvem o projeto: os comunicados e convites da Coordenação de O Diário na Escola, pasta com sugestões de atividades e materiais teóricos, entregues nos encontros, para socialização entre professores, uma caixa para colocar os jornais que possam ser utilizados para recorte na confecção de hemerotecas, pasta com fotos ou registros de experiências com êxito, como motivação para o trabalho com o jornal impresso em sala de aula. Neste espaço poderão ser compartilhadas todas as demais matérias que enriquecerão a ação social e pedagógica de todos;

– lembrar de registrar tudo o que representar a riqueza dos processos e a importância dos resultados do projeto como relatórios, desenhos, fotografias, painéis: tudo é documento! Tudo isto servirá para responder aos indicadores no final do ano letivo. Servirá para sabermos se houve mais integração entre os alunos, professores e colaboradores da escola; se houve interferência na comunidade escolar; se ocorreu maior interesse pela leitura e pela pesquisa; se houve melhoria na qualidade da escrita e da comunicação oral, enfim – Valeu a pena desenvolver O Diário na Escola? Como justificar e exemplificar?

– compartilhar novidades: existem escolas que disponibilizam o jornal em mesinhas ou varais, na hora do intervalo, em espaço físico comum da escola – equipes de alunos, devidamente orientados  pelos professores, se revezam a cada dia para motivar os leitores para o uso adequado dos exemplares, para o manuseio responsável dos cadernos, para o reconhecimento das editorias… Importante valorizar a democratização da informação!

– optar pelo recorte dos jornais somente quando absolutamente esgotadas as possibilidades de utilização do jornal de acordo com a proposta do projeto – como referencial pedagógico que contribui para a elaboração de novos saberes, com sentido e significado. Os recortes poderão acontecer para a confecção de hemerotecas.

– criar um ambiente proativo de comunicação que contribua para a troca de ideias e experiências que levem professores e alunos a se enxergarem nas matérias do jornal impresso e das demais mídias – como oportunidades de contextualização em relação aos conteúdos escolares e ao dia a dia da comunidade onde atuam;

– a escola poderá desenvolver O Diário na Escola como uma ação do PPP da escola para incentivo à leitura ou cada professor poderá desenvolvê-lo em sua área do conhecimento/série – o importante é que seja organizado um espaço para a discussão e tomada de decisão sobre a forma mais construtiva para o desenvolvimento do projeto. Também discutir a forma de acompanhamento, sobre a utilização de indicadores, avaliação dos resultados e impactos alcançados no final do ano letivo;

– lembrar que todo o começo / recomeço ou o desconhecido sempre nos parecem complicados mas na verdade, são desafios que trazem grandes aprendizados.

 

A intencionalidade maior do programa O Diário na Escola é que a gestão na sua escola seja feita de uma forma tranquila, significativa e construtiva, como aprendizagem contínua!

Comente aqui


“O Diário na Escola” realiza Encontro para discutir possibilidades de uso do impresso

Acontece na próxima terça-feira, 25, no auditório da PUC PR – Maringá,  o Encontro de abertura das atividades deste ano do “O Diário na Escola”, intitulado Educação e Comunicação: a aprendizagem com o jornal, visa, entre outros objetivos, discutir possibilidades de uso do jornal como ferramenta pedagógica.

O encontro será composto por duas palestras que serão ministradas pela professora do Departamento de Letras da Universidade Estadual de Maringá, Dra. Adélli Bazza, que atua na área de Linguística com ênfase na formação de professores, e a jornalista e também professora, Alexandra Fante Nishiyama, doutora em Comunicação Midiática, processos e práticas culturais pela Universidade Metodista de São Paulo e também doutora em Artes e Letras pela Universidade da Beira Interior de Portugal.

“O Diário na Escola” é um programa de incentivo à leitura, escrita e cidadania, desenvolvido pelo jornal O Diário do norte do Paraná, em parceria com Secretarias Municipais da Educação e a Rodovias Integradas do Paraná S/A – Viapar.

As instituições parceiras recebem remessas do jornal O Diário para o trabalho em sala de aula. Os professores contam com palestras, oficinas pedagógicas e assessoria para o desenvolvimento do trabalho, participam também de concursos culturais, publicação de trabalhos no jornal e, ao final do ano letivo, recebem certificação das capacitações oferecidas no decorrer do ano.

A utilização do jornal na sala de aula, desde o Ensino Fundamental, é uma ótima oportunidade para que as crianças conheçam e se familiarizem com os gêneros textuais e os textos não verbais presentes no impresso, bem como possibilita o desenvolvimento do hábito da leitura crítica, escrita e discussão de assuntos de relevância social.

Secretarias da Educação e demais interessados em participar do programa podem obter melhores informações pelo telefone: (44) 3221-6050 ou [email protected]

Comente aqui


Encerrar para começar bem

g_161754826

Por Luiz de Carvalho

Cerca de 260 professores de 110 instituições de ensino de 15 cidades do noroeste paranaense participaram, no último dia 24, no auditório da PUC, da cerimônia que marcou o encerramento de mais um ano do Programa Educacional O Diário na Escola, desenvolvido pelo jornal O Diário, e puderam acompanhar uma palestra sobre a chegada da Neurociência à sala de aula, conversar com escritoras a ganhar lembranças do Programa.

A festa de encerramento é uma tradição de O Diário na Escola e fecha uma série de atividades desenvolvidas durante o ano, como os encontros de formação que acontecem bimestralmente e as atividades, com a utilização das matérias publicadas no jornal, realizadas em sala de aula pelos professores.

O evento de encerramento é uma forma de reconhecimento do trabalho das escolas e dos professores, que são nossos parceiros, e homenageá-los pelas iniciativas criativas de utilização das matérias de O Diário como instrumento de aprendizado”, diz a coordenadora do Programa, jornalista Loiva Lopes.

Mais de 20 professores que tiveram suas atividades publicadas no jornal ao longo do ano, realizadas com base na leitura de notícias, foram homenageados e receberam como lembrança a edição do livro comemorativo dos 40 anos de O Diário do Norte do Paraná e flores. Também foram sorteados passaportes para fins de semana no Ody Park Aquático, camisetas, livros, vale-pizza e outros brindes.

Este foi o primeiro ano que participei do Programa e considero que foi uma experiência muito enriquecedora”, disse a professora da Educação Especial, na Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) Nairde Freitas Palioto. “Com o trabalho que realizamos com as matérias do jornal, sentimos que muitos alunos começaram a se interessar por assuntos que antes não chamavam a atenção, muitos estão lendo espontaneamente e houve uma melhora considerável na oralidade”, explica a professora, que recebeu elogios de várias mães de alunos pelos resultados alcançados.

As escritoras Vera Margutti, Maria Cristina Vieira e Angela Ramalho falaram de suas criações, lembrando que seus livros, geralmente com personagens lúdicos, já vêm sendo utilizados em sala de aula com bons resultados.

 

A Neurociência chega à escola

A aplicação da Neurociência nas atividades de sala de aula para entender de forma abrangente o desenvolvimento do cérebro da criança e ajudá-la a organizar o conhecimento e as informações que recebe no dia a dia foi tema de debate na solenidade que marcou o encerramento, neste ano, do programa O Diário na Escola.

g_183221711O tema “Neurociência na Escola – o que fazer se não sou neurocientista?” foi desenvolvido pela psicóloga Cristiana Bolfer, especialista em Psicopedagogia, mestre e doutora em Neurologia e especialista em Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) para Crianças e Adolescentes, além de especialista em Neuropsicologia.

As explicações sobre como a emoção interfere no processo de retenção de informação prenderam a atenção dos cerca de 260 professores que assistiram a palestra em dois períodos, a ponto de vários deles procurarem a palestrante até durante o intervalo para tirar dúvidas e falar de observações que fazem em sala de aula.

Até alguns anos atrás, apenas tínhamos intuição de como o cérebro da criança funcionava no processo de aprendizado, mas a Neurociência nos trouxe precisão e tornou-se um importante aliado dos professores”, diz Bolfer. “Na verdade, o que fazemos é apresentar e dar nome àquilo que o professor intuitivamente já sabe e agora pode usar para conhecer melhor a forma de pensar da criança e interferir, por meio de atividades, no pensamento do aluno, de acordo com cada faixa etária”.

Durante a palestra, Cristiana Bolfer sugeriu algumas atividades que os professores podem realizar em sala como exercício para o cérebro das crianças. Segundo ela, a Neurociência ajuda o professor dar à criança motivação para aprender, desenvolver a atenção, formar de maneira mais efetiva a memória ao dar a nova informação associada a um conhecimento prévio. “O cérebro é o órgão mais incrível do ser humano e o professor precisa estar atento a isto para estimular da maneira correta o cérebro da criança para organizar o conhecimento, principalmente nos tempos atuais, em que as informações chegam em um volume muito grande e em grande velocidade”.

Comente aqui


Jovens poetas são premiados

O primeiro concurso de poesias promovido pelo Diário na Escola teve grande adesão dos participantes do Programa. Foram recebidas cerca de 600 produções de alunos das redes municipais de ensino de Maringá e mais 14 cidades da região.

As crianças foram desafiadas a criarem uma poesia a partir de qualquer notícia publicada no jornal O Diário do Norte do Paraná. Em sala de aula, os estudantes receberam orientações sobre o gênero textual a ser produzido e deixaram a imaginação fluir no momento da escrita. Cada professor selecionou as três melhores obras de sua turma, e enviou para a equipe do Programa.

11822840_1122616377752612_3288407699000780417_nA escolha dos poemas vencedores foi realizada pelas escritoras maringaenses, Angela Ramalho, Maria Cristina Vieira e Vera Lúcia Margutti. Cada aluno ganhador levou para casa uma bicicleta novinha, e o professor que orientou a produção, também foi premiado.

“Como tivemos que escolher apenas três, decidimos pelas poesias que nos passaram maior encantamento logo na primeira lida, pois o poema estava ali se mostrando através de figuras de linguagens que a criança mesmo sem conhecer soube expressar. Poesia é isso, é arte por excelência, é a expressão subjetiva por meio da linguagem, das palavras que humanizam e que reagem sensivelmente a todas as manifestações e ações”, destaca, Vera.

A escritora comenta que alguns alunos até a surpreenderam pela capacidade de poetizar se inspirando em notícias tristes, duras e frias, abstraindo dali alguma inspiração para a produção de um poema.

A cerimônia de premiação foi realizada na sede do grupo O Diário e contou com a presença dos alunos e professores vencedores, pais, representante das escolas ganhadoras e as escritoras juradas do concurso. Os três melhores poemas foram reproduzidos em banners que serão expostos no pátio das instituições de ensino que tiveram seus estudantes premiados.

“Não esperava ser uma das ganhadoras. Quando recebi a notícia, eu nem acreditei, perguntei duas ou três vezes para a professora se era a minha poesia mesmo que tinha sido escolhida”, brinca a aluna vencedora, Caroliny Vitoria Farias dos Santos.

A educadora premiada, de Maringá, Suely Martins Gomes de Oliveira que leciona para o vencedor, Lucas Eduardo Custodio Rossetti conta que desde que recebeu a proposta do concurso achou desafiador, mas o que auxiliou o trabalho é que o gênero em estudo do bimestre era justamente, o poema. “Para um bom resultado sugeri às crianças leituras de poesias, deveres de casa e produções sobre alguns temas antes de fazer a que seria enviada ao Diário na Escola. Hoje, com a premiação, reafirmei a certeza do quanto o esforço diário em ensinar nossos alunos é recompensador.”

O pai, Fernando José da Silva é só elogios para a filha Maria Eduarda, “essa menina é meu orgulho, sempre estudiosa, adora escrever e em casa tem como momento de lazer, em boa parte do tempo, a leitura. Ela fez por merecer esse prêmio.”

“Nosso objetivo foi criar um Concurso que trouxesse uma reflexão nova acerca da leitura do jornal, despertar um olhar diferente do aluno sobre os acontecimentos diários, com a intenção de sensibilizá-los. Ficamos muito satisfeitos com o resultado, embora a proposta tenha sido um desafio para os educadores, todos se sentiram motivados a enviarem as produções dos estudantes. No próximo ano, pensamos em incluir no calendário uma oficina específica para trabalharmos os gêneros Notícia e Poesia”, enfatiza a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes.

CONCURSO DE POEMAS O DIÁRIO NA ESCOLA anuncio 29,7 x 18,5

 

Comente aqui


Empresas têm oportunidade de contribuir para a formação escolar

No momento em que se busca uma melhor qualidade de vida, em especial para as crianças, o setor privado é desafiado a ter uma participação social mais efetiva cooperando na tarefa de oferecer uma educação de maior eficácia nas escolas.

A parceria empresa e escola assegura o compromisso do setor empresarial em construir um mundo economicamente desenvolvido e socialmente justo.

Atualmente a capacidade de atendimento das redes de ensino já é suficiente para atender quase todas as crianças de sete a 14 anos, muito embora parte dos ambientes escolares estejam em condições precárias. No entanto, o problema atual do ensino não é em relação ao acesso, mas à permanência e o aprendizado do aluno.

Quando a empresa associa seu produto a uma causa nobre, se valoriza, inclusive, diante dos próprios funcionários. Melhorando sua comunidade, estará também reduzindo os problemas do seu entorno.

A equipe do Diário na Escola acredita que a relação entre o setor privado e escolas se caracteriza como uma parceria, uma colaboração entre instituições que compartilham objetivos ou interesses comuns.

Se a empresa puder oferecer meios para que os alunos visitem suas instalações, será uma ótima experiência para eles, principalmente pela oportunidade de conhecer espaços onde possam acompanhar os vários estágios da elaboração de um produto ou serviço.

A concessionária de rodovias Viapar é parceira do Diário na Escola e somente neste ano subsidiou a participação de quase 900 alunos no Programa. Oferecendo semanalmente a crianças e adolescentes o recebimento de exemplares do Diário para atividades, acesso à informação e o despertar do hábito da leitura. Fatores que os tornam cidadãos mais atuantes e críticos em relação às problemáticas da sociedade.

Oficina de Trânsito Itinerante da Viapar realizada na Fundação Isis Bruder – uma das 12 instituições que recebem o subsídio da concessionária para a participação no Programa

Oficina de Trânsito Itinerante da Viapar realizada na Fundação Isis Bruder – uma das 12 instituições que recebem o subsídio da concessionária para a participação no Programa

Em parceria com o Diário na Escola a Viapar realizou diversas Oficinas Itinerantes nas instituições de ensino que fazem parte do Programa. Proporcionando aos estudantes palestras sobre segurança no trânsito, exibição de vídeos relacionados ao assunto e a entrega de brindes.

Empresas que venham a ser parceiras do Diário na Escola podem mais do que disseminar a informação no ambiente escolar e motivar trabalhos de leitura e escrita, estas ainda têm a oportunidade de realizar promoções culturais, a exemplo do Concurso de Frases sobre a Semana Nacional do Trânsito no qual a Viapar desenvolve com o Programa, oportunizando ao aluno expor talentos e receber prêmios.

“Dos vários projetos que a Viapar têm apoiado, o Diário na Escola merece atenção especial, pois considero fundamental trabalhar com a educação infantil. É compensador ver o resultado dessa parceria da concessionária junto ao Diário”, afirma o presidente da concessionária, Marcelo Stachow Machado.

O Colégio Estadual Alberto Jackson Byington Júnior, de Maringá, recebe exemplares do Diário semanalmente devido ao subsídio oferecido pela Viapar. “Com o jornal em sala incentiva-se o prazer da leitura, o que gera melhora no aprendizado. O impresso oportuniza aos alunos o acesso a vários gêneros textuais que circulam na sociedade, bem como, tornar-se um ser mais analítico e competente da cultura letrada”, destaca a diretora do colégio, Ivânia Ávila.

O assessor de comunicação da concessionária, Marcelo Bulgarelli destaca que a transformação da sociedade passa pela educação. “Utilizar o jornal como ferramenta pedagógica é uma forma de estimular o hábito da leitura entre as crianças e até mesmo entre os professores. Os alunos comentam sobre os fatos do dia a dia amadurecendo o senso crítico”.

A coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes enfatiza a importância dos parceiros. “Estamos trabalhando com a expectativa de aumentar em 2014 o número de empresas patrocinadoras para que possamos atender as escolas que nos procuram todos os anos com o interesse em participar das atividades do Programa”.

Além de beneficiar diretamente o aluno, a atuação conjunta entre empresa e escola se transforma em lição de cidadania. Se você deseja ser um parceiro e subsidiar alunos, entre em contato com a equipe do Diário na Escola pelo telefone (44) 3221-6050 ou pelo e-mail: [email protected]

Comente aqui


A mídia na educação

elza“O Programa o Diário na Escola tem contribuído de forma relevante para o desenvolvimento de competências essenciais para o exercício da cidadania. Os alunos são instigados pela professora a contextualizar a notícia com os conteúdos ensinados em sala de aula, desta forma trabalha-se a interdisciplinaridade e desperta-se a reflexão das matérias inseridas num contexto atual. Esse  trabalho com o texto jornalístico é real porque há comprometimento e participação da equipe pedagógica da escola, professora e alunos”. – Elza Bernuci Crippa, secretária de educação de Flórida.

Comente aqui


A mídia na educação

Maria Inez“O programa educacional O Diário na Escola vem trabalhando a reflexão teórica e prática sobre a utilização do impresso na sala de aula. O projeto realiza encontros para discutir metodologias de atividades que contemplam a interdisciplinaridade, a leitura crítica e a discussão da cidadania através de assuntos veiculados nas páginas do jornal. A principal contribuição do Diário na Escola é estimular o gosto pela leitura diversificada nos estudantes, tendo o jornal como objeto de estudo – seus conteúdos, linguagens e tipologias – além de contribuir para o desenvolvimento de um processo de ensino-aprendizagem mais dinâmico e criativo, estimulando a construção da cidadania em toda a comunidade escolar. Em nosso município o Programa inovou as metodologias do professor, destacando que, o trabalho realizado é educativo e promove não só a aprendizagem escolar do aluno, mas também, em grande medida, sua formação como pessoa”. – Maria Inez Benites Bria, secretária de educação de Marialva.

Comente aqui


Encontro Pedagógico – Espaços de argumentação no jornal: artigo de opinião e carta do leitor

O Diário na Escola realiza, no dia 29 de outubro, o encontro pedagógico: “Espaços de argumentação no jornal: artigo de opinião e carta do leitor”, que será ministrado pela professora convidada, Adélli Bortolon Bazza, que é doutoranda em Letras pela Universidade Estadual de Maringá, UEM.

Os encontros promovidos pelo programa visam trazer embasamento teórico e prático para que os professores utilizem o jornal na sala de aula, como material auxiliar, a fim de contribuir com o ensino e aprendizagem, com ênfase no desenvolvimento da leitura, escrita e oralidade. Nesse, em específico, que será destinado aos professores dos quintos anos da rede municipal de Maringá, os gêneros textuais da esfera jornalística a serem abordados são o artigo de opinião e a carta do leitor.

Mais informação podem ser obtidas pelo telefone: (44) 3221-6050

Comente aqui


Novas instituições sociais passam a fazer parte do Diário na Escola

A partir de amanhã a Associação Cultural e Educação Infantil Menino Jesus, de Maringá, e o Programa Projovem, de Mandaguaçu, receberão exemplares do jornal “O Diário” para o trabalho sobre cidadania, leitura e escrita com crianças e adolescentes. Além disso, os educadores receberão suporte pedagógico da equipe do Programa e de palestrantes e convidados especiais.

Associação Cultural e Educação Infantil Menino Jesus é uma instituição sem fins lucrativos fundada em 05 de abril de 1970, na cidade de Maringá. Atualmente atende cerca de 300 crianças e adolescentes de zero a 15 anos com projetos na área da educação e cultura. “O programa O Diário na Escola além de contribuir nas oficinas de rádio e jornal vai incentivar as crianças e adolescentes a  lerem não só o “Diário”, como também outros veículos midiáticos; adquirirem o prazer e o hábito da leitura, pois esse  saber “ler” pode fazer a diferença social dos participantes”, afirma a coordenadora Leda Maria Cabral.

O Projovem atende em Mandaguaçu desde 2010, e este ano conta com a participação de 40 alunos entre 15 e 17 anos. A orientadora social, Cybelli Marina Bazza, destaca que o fator determinante do trabalho com o jornal no Projeto é dar ênfase em questões que abordem o cotidiano dos adolescentes, para que eles analisem onde estão inseridos, e qual o papel que desempenham na sociedade. “A leitura e interpretação de texto é fator fundamental para compreender a realidade de forma dinâmica e bem diferenciada. Por apresentar propostas pedagógicas que abordam assuntos complexos de forma mais atrativa achamos interessante a participação no Diário na Escola.”

Comente aqui