crianças



Diário na Escola destaca direito animal

Olá pessoal! na coluna de 04 de outubro nós destacamos o Dia Mundial dos Animais. A data foi escolhida para todo mundo pensar na forma como estamos interagindo com a natureza. A data foi escolhida em 1931, em um congresso dedicado à proteção animal. Para garantir que animais e pessoas tivessem uma convivência harmônica foram criadas leis […]

Comente aqui


É preciso prevenir a violência doméstica. É preciso falar sobre ela na escola

Olá pessoal!

A gente passa aqui toda quarta e quinta para falar da nossa coluna que sai no Caderno D+ do Diário.

Escola Municipal Machado de Assis, em Sarandi, foi destaque pela iniciativa corajosa de falar sobre violência dentro e fora da escola. A maioria dos professores afirma que os alunos são afetados por isso, muitos nem se dão conta do quanto estão expostos às suas consequências.

Muitos alunos em situação de vulnerabilidade têm baixo rendimentos escolar, dificuldade de socialização e comportamento conflituoso na escola.

“A única linguagem que as crianças e adolescentes testemunhas ou vítimas de violência conhecem é o grito e a única resposta, o ataque.”

Para mobilizar os alunos e sensibilizá-los sobre o tema, a professora Ângela Maria Scalabrini, do 5º ano B, propôs a confecção de um jornal mural. O resultado foi uma turma inteira com o assunto na ponta da língua e a escola toda em reflexão.

A coluna de quarta-feira, dia 27, traz o registro do jornal da turma da professora Ângela!

Parabéns pessoal!

Inspiração

E para manter a discussão aberta, no final de semana o programa O Diário na Escola publica uma matéria especial aqui no blog sobre violência contra a mulher. A ideia é munir professores com mais material  para levar o assunto para a sala de aula e ampliar o debate para toda a comunidade.

De Hollywood

A atriz Nicole Kidman se posicionou sobre a importância de se falar no assunto durante a entrega do prêmio Emmy, em setembro. No papel que lhe rendeu o título de melhor atriz de missérie ou filme de televisão por “Big Little Lies”, Kidman vive uma mulher que sofre violência doméstica. Ao receber a estatueta, ela fez um discurso emocionante sobre o que chamou de “doença insidiosa“.

A atriz é embaixadora da boa vontade pela Organização das Nações Unidas desde 2006 e mãe de três filhas Faith, Sunday e Isabella.

Todo mundo pode se inspirar em Nicole e em campanhas como a ação da Polícia Civil e a Secretaria de Política para as Mulheres que movimentou todo o estado de Minas Gerais em julho:  #NãoéAmorQuando

Que tal mobilizar os alunos e começar uma campanha especial na sua escola professor(a)?

No domingo tem mais!

Abração da Equipe O Diário na Escola

 

Comente aqui


Cidadania e conhecimento inspiram desfile de 7 de setembro

Olá pessoal!

Esgotou o Diário de quarta-feira por aí? A gente traz aqui no blog, um pouquinho do que foi a nossa coluna da semana!

Os alunos da professora Naira Natieli de Araújo Novello utilizaram a reportagem “Automação agrícola para todos é o desafio” do dia 15 de agosto como inspiração e reforço de aprendizado para o desfile de sete de setembro.

Meninos de futuro

 

Os danos causados pela industrialização sobre o meio ambiente foi um dos temas que foram da sala de aula para as ruas

Enquanto a turma do projeto “Semeando o Futuro”, de São Jorge do Ivaí, discutia a revolução industrial no Brasil e o impacto no meio ambiente na sala de aula, o jornal publicou a matéria e deu aquela “forcinha” na aprendizagem dos alunos.

Depois de transformar o conteúdo jornalístico em aliado dos conteúdos escolares, a professora desenvolveu as ações do desfile.

“O mundo está ficando mais poluído! A gente tem que cuidar do mundo ou todos vamos ficar doentes”, alerta a aluna Tauany Renata Sanches, 7 anos.

 

Carro alegórico representando a indústria durante o desfile Praça Santa Cruz de São Jorge do Ivaí.

O autor do artigo,  Daniel Zacher, é diretor-geral da Tryber Tecnologia e deve estar morrendo de orgulho de ter contribuído com a aprendizado da turma. O pessoal do projeto Semeando o Futuro está, com certeza,  e a gente também!

A coluna volta na terça-feira com mais novidades!

Abração da Equipe O Diário na Escola

 

Comente aqui


Sete nominados, todos vencedores!

Olá pessoal!

Nós estamos super orgulhosos da participação dos municípios no concurso cultural sobre consciência no trânsito! Nas edições de setembro do Diário, não se fala em outra coisa!

E em meio a toda essa festa, os professores Ricardo Pastoreli e Alethéia Braga continuam levando mais conhecimento aos profissionais da Educação que participam do Programa O Diário na Escola!

Oficinas Pedagógicas

Até a chegada da Prova Brasil, estamos trabalhando com conteúdos que ajudem os professores a preparem os alunos para uma prova tranquila.

Astorga

E na edição do dia 12, os alunos da professora Valéria de Nunes de Jesus, da Escola Municipal Alfredo Sofientini, foram jornalistas por um dia e atingiram um resultado maravilhoso! Parabéns meninos!

Incentivo à leitura

Na mesma edição, nossa coluninha “Bom de Ler” trouxe como sugestão o livro A Árvore que dava dinheiro. O livro fez parte da infância da jornalista Taís Nakakura, repórter do site ODiário.com.

 

Abração!

Equipe O Diário na escola

PS – Para ficar sempre por dentro das nossas ações e enviar sugestões vocês podem acessar o nossa página do Facebook

 

Comente aqui


O Dia do Folclore foi o tema da coluna do Diário na Escola de terça-feira

Olá pessoal! A semana começou agitada no programa O Diário na Escola! A segunda-feira, 21, foi dia de oficina pedagógica em Marialva. O assunto foram os Distratores e a Prova Brasil e os profissionais da Educação participaram de mais um encontro com a professora Alethéia Braga. Os distratores são aquelas alternativas que parecem certas na hora […]

Comente aqui


“NICOLAU, O MENINO AZUL” FOI INSPIRADO POR UMA FOTO DO DIÁRIO

Olá pessoal! Na edição de hoje circula a nossa coluna O Diário na Escola, no Caderno D+. Para quem ainda não leu o Diário do Norte do Paraná hoje, apresentamos três trabalhos maravilhosos desenvolvidos nas cidades de São Jorge do Ivaí e Marialva. Linguagem jornalística desafia os alunos A turma do 4ºC da professora Simone Carbone,  de São Jorge do […]

1 Comentário


Dia dos Pais “sem trauma” foi assunto na coluna de quarta-feira

Olá pessoal!

Na Coluna do Diário na Escola do dia 9, falamos sobre como a comemoração de datas comerciais precisam ser manejadas com cuidado no ambiente escolar.

Especificamente sobre o Dia dos Pais, listamos sete erros que podem causar constrangimento para as crianças e adolescentes.

Por que refletir?

Vale lembrar que milhões de crianças não têm a figura paterna presente (nem mesmo quando o pai está dentro de casa).

Outros 11,6 milhões de famílias brasileiras são compostas apenas por mães e filhos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/2015).

Experiência positiva

E nós também falamos sobre a forma como a turma da Escola Reynaldo Redher Ferreira (APAE Maringá) utiliza o jornal em sala de aula.

A professora Márcia Belluzzi trabalhou o tema “dengue”. A doença, o contágio e os sintomas. Na avaliação dela, o jornal foi uma ferramenta eficaz.

“A reportagem ajudou a estimular a participação dos alunos e o envolvimento deles no assunto. No final da aula, também usamos o jornal para formar as palavras que definem os sintomas da dengue”, comentou.

Confira a reportagem AQUI

Na semana que vem a gente traz mais novidades!

Acompanhem o programa também pelo Facebook.

Abração da Equipe O Diário na Escola

Comente aqui


Jogos Escolares deixam marca positiva

Olá pessoal! Vocês leram a Coluna O Diário na Escola dessa terça-feira, dia 1 de agosto? A gente conta as experiências recentes de Floraí com o jornal em sala de aula. A escolha de temas de interesse dos alunos é sempre um estímulo a mais para quem participa de um projeto multidisciplinar. Capacitação e propostas inovadoras As […]

2 Comentários


Copel faz projeto em escolas

Foto AbreAlunos das escolas municipais de Maringá estão recebendo uma visita diferente nas últimas semanas. São eletricistas, leituristas e profissionais administrativos da Copel que vão às salas de aula, de forma voluntária, para levar orientações importantes sobre o uso seguro e eficiente de energia elétrica através do programa educativo Iluminando Gerações.

As crianças aprendem sobre o caminho que a energia percorre desde as usinas geradoras até chegar aos consumidores finais, como ocorre um curto-circuito e quais materiais são condutores de eletricidade. Assim, fica mais fácil entender o porque não se deve soltar pipa com material metálico, ou concluir se é ou não perigoso mudar a temperatura do chuveiro com o equipamento ligado.

A voluntária da Copel, Camila Satiro Fugii está há três anos no projeto e se diz motivada por saber que os estudantes levarão as informações para as pessoas que convivem. “Eles são nossos multiplicadores de orientações de segurança, com isso conseguimos evitar fatalidades, em especial, as que ocorrem na comunidade.”

A colega de trabalho e também voluntária, Vanessa Neves ressalta que as crianças precisam estar atentas aos riscos que envolvem a energia elétrica, pois em boa parte dos casos elas são as vítimas dos acidentes simplesmente por falta de conhecimento.

O aluno, Maycon Armando Bozzi comenta que após assistir a palestra do Iluminando Gerações mudará uma série de atitudes. “Percebi que ações do meu dia-a-dia me deixam em risco, a exemplo das vezes em que uso um pedaço de madeira para tirar fruta da árvore, sendo que bem acima passa uma rede elétrica. Algo que parecia normal para mim, me deixa vulnerável a um choque.”

Para não esquecer as informações recebidas pelos voluntários da Copel as crianças levam para casa um kit com caderno, lápis, régua e uma cartilha com dicas de segurança. A diretora da Escola Municipal Campos Sales, Lucília Tomazini Hoffmeister destaca a importância da atividade para a formação integral dos alunos: “O projeto é de grande valia dentro dos espaços escolares, pois instiga o debate com as crianças, exemplifica com situações vivenciadas no cotidiano delas e ainda ressalta os cuidados que devemos ter com o meio ambiente. Afinal, a energia vem da água.”

Comente aqui


Youtubers mirins são celebridades da rede

Foto Abre

O termo “youtuber mirim” pode ser algo novo para muita gente, mas para o público infantil, em específico, eles são verdadeiros ídolos. São crianças que gravam vídeos sobre a vivência escolar, ideais de desafios, dicas de maquiagens e games e depois publicam esse conteúdo em seus canais do YouTube.

Já existem crianças que vivaram celebridades e até faturam com os vídeos publicados. Em entrevista para o jornal Folha de São Paulo, o diretor de conteúdo do YouTube no Brasil, Alvaro Paes de Barros, afirma que uma das razões para o fenômeno, é a interação entre os pequenos. “Eles falam exatamente o que é importante para as crianças, da forma como as crianças falam.”

Em Maringá, temos alguns rostinhos que já estão se tornando conhecidos. Com apenas 12 anos, Juan Ribeiro de Camargo já é sucesso entre os amigos, dono do canal Zika Memo ele conta de forma engraçada fatos do dia-a-dia de um adolescente. “Minha inspiração é ver que as pessoas estão gostando, sempre alguém vem falar comigo que os vídeos estão legais e quando atraso um dia pra postar, já me cobram a publicação. Isso me motiva bastante”, conta.

Felipe Gabriel Vitor, de 14 anos também tem um canal e conta que para fazer bons vídeos, o importante é você observar o que acontece ao seu redor para falar de temas do cotidiano que sejam de interesse de todos. “Boa parte do que destaco é direcionado para os adolescentes, com isso, os primeiros a curtirem minhas postagens são meus irmãos, temos a mesma faixa etária e gostamos de coisas semelhantes, eles são meus maiores incentivadores e se divertem me assistindo.”

A psicopedagoga e mãe de Felipe, Ivanise Gabriel de Oliveira conta que nessa fase da vida a busca por aceitação e pertencimento a um grupo social, associada com a criatividade e a espontaneidade, são os ingredientes perfeitos para entrar nesta nova onda do momento. “O lema é ser visto, ser notado, que alguém fale algo de mim, seja bom ou ruim”, enfatiza.

Ivanise diz que conversa com Felipe sobre os perigos da exposição e que muitos estarão observando a fala dele, alguns vão elogiar como também podem criticar, e ele está aprendendo a lidar com tudo isso, inclusive, com as frustrações, o que é fundamental para a formação dele. A mãe deixa bem claro que não aceita que o filho exponha detalhes da vida pessoal, onde estuda, endereço, por questão de proteção. “A internet é um mundo sem barreiras, as crianças devem ter cautela”, aponta.

Um dos resultados desses canais que não param de surgir, são as crianças que se sentem motivadas após ver outras na telinha e acreditam que também podem ser um youtuber. “Afinal, se ele pode, eu também posso!” afirma Victor Hugo Martim, de 11 anos, que criou o canal “Bolado” inspirado em outros vlogs. “Comecei fazendo vídeos sobre dicas de games, mas com o tempo vi que gostava mais dos canais engraçados e resolvi seguir a mesma linha. Meu canal repercute bastante na escola, meus amigos me dão ideias sobre o que falar nos vídeos e como deixar o Bolado mais interessante.”
Victor Hugo ressalta que tem o estímulo dos pais na criação e atualização do canal, mas reforçam diariamente que os estudos e obrigações da escola devem estar sempre em primeiro lugar. “A internet pode ser algo profissional, no futuro, mas para que isso aconteça ele precisa de muita formação e conteúdo”, completa a mãe do youtuber, Débora Cristina Martim.

Comente aqui