educação ambiental



Reciclagem: a única saída

Uma das maneiras de minimizar os problemas causados pelo lixo é a reciclagem. Atualmente, costuma-se dizer que os inconvenientes do lixo podem ser solucionados a partir da regra dos cinco Rs: repensar, recusar, reduzir, reutilizar e reciclar, pois, em virtude disso, ocorre uma mudança comportamental, social, econômica e ambiental que diminui a quantidade de resíduos produzida.

Pensando nisso, a professora Naira Natiele Novello que trabalha no Projeto Semeando o Futuro, em São Jorge do Ivaí, desenvolveu uma série de atividades a partir do tema meio ambiente para que os alunos se conscientizassem da importância da classificação do lixo antes do descarte.

Foto Abre

“Diante do projeto tive que me aperfeiçoar muito em relação a cada tipo de lixo para poder orientar os alunos nos dez tipos que existem. Explicando mais que somente os cincos que somos acostumados a ver no nosso cotidiano. No total temos o descarte de: metal, vidro, plástico, papel, madeiras, resíduos perigosos, radioativos, não recicláveis, orgânicos e ambulatórios”, explica a professora.

As atividades iniciaram, primeiramente, com aulas teóricas, vídeos e produções escritas, em seguida foram confeccionados recipientes de coleta para os dez tipos de lixos usando tambores de argamassa vazios. Assim, já se começou reciclando estes objetos que iriam para o lixão. Os estudantes usaram o jornal que já havia sido lido e relido como matéria prima para encapar os tambores possibilitando a pintura referente a classificação do lixo que cada um iria representar.

Após essas etapas, cartazes de conscientização e uma faixa com a duração do lixo no meio ambiente foram produzidos. E, nas últimas semanas, a professora e as crianças realizaram uma passeata pelo centro de São Jorge do Ivaí e os alunos, devidamente protegidos com luvas, recolheram o lixo das ruas do trajeto já os classificando e dando o descarte correto. Por fim, os pequenos foram homenageados recebendo uma pulseira escrita “Eu Reciclo”.

“Eu gostei desse trabalho, pois mostramos para as pessoas a importância de reciclar e elas viram que jogar lixo no chão polui o planeta. Porém, o mais difícil, foi fazer a classificação, pois são muitos tipos de lixo que devem ser separados”, conta o aluno João Vitor Damásio da Silva.

A colega, Danieli Nunes Costa Alves comenta que se divertiu durante o projeto. “Foram importantes as atividades realizadas e estar na passeata, pois todos viram que é fundamental separar o lixo e que não pode o jogar no chão. Com a população ajudando poderemos ter uma cidade melhor e mais limpa.”

“A iniciativa da professora Naira juntamente com os alunos foi inspiradora e de um grande conhecimento para a comunidade, pois não é comum saber a classificação de tantos tipos de lixos que existem, além da conscientização o projeto repassou um novo aprendizado. Foi encantador ver como as crianças se envolveram e estavam atentas sobre a importância de cuidar do nosso próprio lixo, tanto que quaisquer lixos que eles veem, imediatamente colocam na lixeira mais próxima ou classificam quando possível”, ressalta a diretora do Semeando, Rozilene Cassanho Zago.

Naira finaliza dizendo que após os estudos os alunos conseguiram perceber a importância de classificar cada descarte, seja para contribuir com o meio ambiente ou com a nossa rotina de vida. “Acima de tudo eles levaram este conhecimento para seus lares e transmitiram o ensinado para os parentes, assim o saber não ficou somente na sala de aula, além do mais, no momento da passeata, muitas pessoas da comunidade se comoveram com a iniciativa das crianças em limparem as ruas e a praça por onde passamos. Acredito que plantamos uma sementinha.”

Comente aqui


Aprendendo educação ambiental fora da escola

Foto SubmancheteAlunos do Ensino Médio do Colégio Estadual Profª Denise Cardoso de Albuquerque, de Flórida, que participam do Diário na Escola através do subsídio do Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI), realizaram uma viagem educativa ao Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa. O passeio faz parte de um projeto denominado “Educação Ambiental”, que envolve atividades nas disciplinas de Artes, Filosofia, Sociologia, Biologia, Língua Portuguesa, História e Geografia.

A diretora do colégio, Rosalina Moreira Rozas fala sobre a importância de uma viagem como esta. “A escola precisa criar oportunidades para que os alunos vivenciem práticas educativas, oferecer novas formas de entender e compreender as representações socioambientais e trabalhar de maneira relevante a importância da preservação do meio ambiente.”

Os estudantes enfatizam que o passeio, além de educativo, foi muito prazeroso devido à beleza do Parque Estadual de Vila Velha. Antes de pegar a estrada os adolescentes realizaram pesquisas referentes ao clima, vegetação, relevo, rochas, fauna e flora do lugar a ser visitado. “Um dos principais objetivos do projeto é estimular nos alunos o desenvolvimento de uma visão ecológica que permita perceber a relação de dependência entre os seres vivos e o meio ambiente, além de incentivá-los a participar de forma individual e coletiva da valorização da natureza”, destaca Rosalina.

O aluno, Jorge Henrique Castellani conta que a viagem foi incrível. “Pude conhecer as belezas naturais de Vila velha e isso para mim será uma experiência inesquecível. Fiquei fascinado e um tanto curioso ao conhecer as furnas, a lagoa dourada e as formações rochosas em formas de taça, bota, e até garrafa, como também os mistérios das lendas sobre Vila Velha.”

Para a professora, Matilde Aparecida Cesnick a visita ao Parque Estadual oportunizou conhecerem um importante atrativo natural do estado do Paraná, e ressalta, “todos os locais visitados trouxeram encantamento ao grupo.”

Comente aqui


Educação ambiental

O vídeo abaixo faz parte da série ‘Não aprenda com o Dilinho’ transmitida pela TV UNIFEV, de Votuporanga, SP. São sugestões de economia de água, energia elétrica, reciclagem e formas de utilização racional dos recursos naturais. Os programas são voltado para crianças de 03 a 12 anos.

DICA: Professores podem exibí-lo para os alunos, e em seguida pedir que produzam desenhos ou textos sobre o que eles fazem para preservar o meio ambiente!

Educar continua sendo a solução…

Comente aqui