Escola Municipal Profª Maria Irene Vicentini Theodoro

Eu sou um beija-flor! E você?

Este é o tema do projeto desenvolvido pelos alunos do 4º ano “C” da Escola Municipal Profª Maria Irene Vicentini Theodoro, de Londrina, sob a coordenação da professora Mônica Bossa dos Santos Schmid.

Depois de Assistir ao vídeo “A carta de 2070” – que conta como seria o mundo, sem água, no ano de 2070 – os alunos sentiram a necessidade de iniciar o processo de conscientização da comunidade próxima à escola, estendendo-se aos seus amigos e familiares, sobre a importância da preservação e do cuidado com a água. E esta ideia partiu de um comentário que uma aluna fez durante a aula: “O mundo todo precisava assistir a esse vídeo, as pessoas não sabem o que estão fazendo com a água do nosso planeta”.

Além do aquecimento global e da biodiversidade, a disponibilidade de água está se tornando uma das principais questões socioambientais discutidas no mundo atual. Estudos afirmam que, se a média de consumo global de água não diminuir em curto prazo, teremos problemas de escassez.

Os próximos 50 anos serão decisivos, pois as projeções nos mostram que, nesse prazo, grande parte da população mundial sofrerá com a falta de água no planeta caso nenhuma providência seja tomada. Portanto, é de fundamental importância que desde cedo toda criança aprenda a importância da preservação desse recurso natural essencial para que se tenha vida.

Na elaboração do projeto foi desenvolvido um sistema para que o aluno pudesse perceber a importância do seu papel na sociedade em que vive, sendo parte de uma engrenagem que faz com que a sociedade funcione harmoniosamente enfatizando a maneira sustentável de se viver.

Por trabalhar com crianças de 10 anos, Mônica fez um pequeno paralelo com a fábula “O beija-flor e a floresta”, para mostrar que o bem é uma atitude, requer iniciativa e que todos tem uma missão no mundo. “No incêndio da floresta, na fábula, os animais não fizeram nada. Já o beija-flor sabia que aquelas pequenas gotinhas de água que ele despejava talvez não apagassem o fogo por completo, mas mesmo assim ele persistiu, pois sabia da importância de fazer a sua parte. E o nosso projeto vem promover justamente isso, tomar pequenas atitudes práticas a serem feitas com a água para um bem maior”, destaca.

Para dar corpo e forma ao projeto, foram desenvolvidas várias atividades interligadas como, por exemplo, a criação de panfletos, jornal mural, questionários, gráficos, assembleias para decidir sobre as próximas ações, entrevista com a comunidade para saber como as pessoas fazem o uso da água, visita a Sanepar para conhecer os processos de tratamento, as crianças também participaram de palestra, fizeram a entrega de um Kit para os moradores do bairro como uma das maneiras de conscientização, contendo: um adesivo “Eu faço a minha parte e você faz a sua? Economize Água” utilizado como símbolo do vizinho solidário que é colado nas casas, um DVD com o vídeo “A carta de 2070”, dentre outros. Neste ano de 2013 será finalizada a criação de um documentário e a divulgação do projeto através de um blog para atingir toda a população de modo geral.

Mônica conta que durante o trabalho os alunos tiveram vivencias profundas. “Já ficou marcado em suas vidas, a responsabilidade de fazer a sua parte para através disso poder cobrar as pessoas mais próximas. Eles mesmos disseram que este trabalho foi um diferencial enorme na vida deles, uma vez que nunca tinham enxergado por esse lado.”

Trabalhar com a pedagogia dos projetos faz com que o aluno aprenda de uma maneira significativa sendo algo aplicável e marcante em sua vida. É a construção do processo, o que realmente importa e que com certeza vai ficar marcado pro resto da vida da criança. Fica aí a dica de um excelente projeto para as escolas de Maringá e toda região.

Placas com frases de conscientização sobre a economia de água foram colocadas no Jardim Eldorado, em Londrina

1 Comentário