Escola Municipal Vânia Maria Simão – Atalaia



Comunicação é meio de estudo

A comunicação está mais presente na vida em sociedade do que imaginamos. Além de todos os veículos midiáticos existentes, como o jornal e a televisão, por exemplo, dar uma aula, assistir a um filme, ler um livro ou receber uma revista em casa pelo correio são atos de troca de informação. Acreditando que estruturas comunicativas como essas fazem parte da cultura contemporânea e não podem ser ignoradas pela escola, a professora da Escola Municipal Vania Maria Simão, de Atalaia, Maria Fernanda de Souza Torrente preparou uma aula sobre a importância e a evolução dos meios de comunicação em nossas vidas.

Foto AbrePara iniciar a proposta, Maria Fernanda apresentou aos seus alunos do quarto ano o texto “O que é comunicação”, no qual foi relatada a evolução dos meios e formas de se transmitir ou trocar informações. A estudante, Giovana Vitória de Souza Mazzi conta que depois da leitura do texto eles ainda pesquisaram os diferentes tipos de comunicação para estudar o assunto com maior profundidade.

Em seguida, para valorizar o material que as crianças têm contato todas as semanas, os estudantes foram instigados a lerem as notícias publicadas no Diário do Norte do Paraná e selecionar uma das matérias que mais despertasse a atenção deles. “A professora fez um varal de informações com todas as páginas do jornal e explicou cada uma das editorias. Gostei muito dessa parte, pois percebi que têm colunas interessantes no impresso que eu ainda não tinha prestado atenção”, ressalta Giovana.

Na etapa seguinte, os estudantes produziram cartazes informativos sobre os conteúdos publicados em cada uma das páginas do Diário, e deixaram em exposição nos corredores da escola para que toda a comunidade tenha acesso a um tema de tanta importância. “O foco do trabalho foi proporcionar a atualização constante do que é notícia, desenvolver o senso crítico e despertar o pensamento de tentar solucionar os problemas que nos rodeiam”, enfatiza, Maria Fernanda.

A professora relata que depois da realização dessa proposta, a motivação para folhear as páginas do jornal cresceu bastante entre a turma, assim como o interesse e a curiosidade pela leitura. “É muito gratificante perceber que uma atividade teve bons resultados entre os alunos, desta forma é possível inibir a indisciplina e desmotivação.”

 

 

Interpretando a notícia

Proponha aos alunos uma atividade coletiva. Peça que leiam as páginas do Diário e escolham uma notícia que achem interessante para contar na classe. Depois, solicite a montagem de um painel com textos e imagens sobre os acontecimentos relatados.

No momento da exposição oral, aproveite para estimular a reflexão sobre o fato noticiado e faça perguntas como:

“Por que será que isso aconteceu?”

“Que consequências terá esse fato?”

“O que você entendeu dessa notícia?”

“O que podemos fazer para ajudar?”

Liste as soluções encontradas pelas crianças para o problema evidenciado no jornal. Exponha estas soluções juntamente com o painel confeccionado pelos alunos. No momento de socialização do painel converse com eles sobre o meio de comunicação utilizado na atividade. Isso fará com que eles conheçam melhor o material que estão trabalhando e ainda tenham criticidade sob as notícias publicadas diariamente.

Comente aqui


Conhecendo o jornal

A partir do momento em que o impresso é introduzido como recurso pedagógico, também é necessário fazer uma apresentação de seu conteúdo para que os alunos compreendam o sentido do uso do material em sala. O primeiro passo é deixa-los folhear as páginas para que possam escolher o que ler. Assim, o ato da leitura se torna mais prazeroso e o interesse pela informação é despertado de forma verdadeira, sem a imposição do professor.

Em paralelo, enquanto se familiarizam com os títulos, legendas de fotos e chamadas de capa, as crianças ainda entram em contato com notícias mais elaboradas, algumas das quais evidenciam a realidade vivida por elas mesmas. Depois, aprendem que os textos têm diferentes formatações que recebem o nome de editorial, artigo, reportagem, entre outros, cujas características são específicas.

Na Escola Municipal Vania Maria Simão, de Atalaia, a professora Flávia Maria de Souza Ronca já realizou este momento de interação com o Diário, com os seus alunos do quinto ano. “Questionei sobre o nome do jornal, valor pago, data da edição, cidade em que é produzido e as principais manchetes. Desta forma, eles puderam reconhecer as características que compõem o material”, conta Flávia.

Em meio a essas descobertas, como todos esses elementos provocam a interação e a classe acaba por eleger uma notícia que induz o trabalho do educador. Flávia diz que a imagem de capa ilustrando a manchete ‘PM e professores entram em confronto’ despertou a atenção das crianças. “Esse tipo de aula se torna significativa, porque tem como base o interesse do próprio aluno. Além de ajudar a desenvolver o senso crítico e as demais habilidades requeridas no Ensino Fundamental.”

Os estudantes fizeram a leitura da notícia e foram desafiados a responder as famosas questões que caracterizam o lide: Quem? Onde? Quando? O que? Por quê?. “Com o entendimento da matéria foi possível trabalhar interpretação, escrita, confeccionar um mural, elementos da narrativa e também os advérbios, que já era conteúdo previsto para o bimestre e a partir da notícia foi possível ensiná-los de forma contextualizada”, comenta a professora.

“Gostei de todo o trabalho, foi uma aula diferente, nós manuseamos o jornal e fomos lendo e pintando as partes que a professora ia explicando”, disse o aluno, Caio Gabriel Moura. A colega, Jenifer Helena de Souza Abreu completa “eu já tinha visto sobre a greve na televisão, poder ler o conteúdo também do Diário me deixou ainda mais informada sobre o assunto.”

Flávia ressalta que o jornal por si só, já motiva a aula. “Utilizar um texto de um fato real, no qual muitos familiares das crianças estão sem aula ou participando da luta pela educação lá em Curitiba, repercutiu não só dentro do espaço escolar, como também dentro da casa dos alunos. Alguns pais me procuraram para elogiar o trabalho e os bons resultados obtidos no desenvolvimento crítico de seus filhos.”

EXPOSIÇÃO. Para que o acesso à informação se expanda para a comunidade escolar, alunos produziram mural com notícias do Diário

EXPOSIÇÃO. Para que o acesso à informação se expanda para a comunidade escolar, alunos produziram mural com notícias do Diário

Comente aqui


XXI Festa Cultural de Atalaia

CARTAZ  atalaiaA já tradicional Festa Cultural Escola Vânia volta a ser realizada na próxima sexta e sábado. Toda a equipe da instituição está trabalhando para apresentar aos visitantes o tema “OS QUATRO ELEMENTOS DA NATUREZA: ÁGUA, TERRA, FOGO E AR”. Assim, busca conscientizar a população sobre a importância da preservação e o consumo dos recursos naturais. Todos os conteúdos já foram apresentados aos alunos em sala de aula, de forma interdisciplinar, buscando o melhor entendimento do assunto.

A Festa que será realizada nos dias 13 e 14 de março, a partir das 20 horas terá apresentação de danças culturais retratando cada um dos elementos da natureza, sorteio de brindes, bingo de prêmios e show com o Musical Novo Stylo.

O evento conta com o apoio da Associação de Pais, Mestres e Funcionários (APMF), Conselho Escolar, Prefeitura Municipal, Secretaria da Educação, patrocinadores e colaboradores da cidade e região.

Comente aqui


Violência é tema de debate e reflexão escolar

Os crimes estampados nas ruas das cidades, a violência doméstica, os latrocínios e os contrabandos têm levado crianças e jovens a perderem a esperança de que ainda seja possível viver em uma sociedade justa e igualitária. Levar esse tema para a sala de aula já nas séries iniciais é uma forma de trabalhar com um assunto controverso, mas presente em nossas vidas que oportuniza momentos de reflexão e auxilia na transformação social. Pensando nisso, a professora Suzi Aparecida de Souza Rosário que leciona na Escola Municipal Vânia Maria Simão, em Atalaia, desenvolveu atividades a partir das notícias do Diário relacionadas à violência.

“Nas instituições de ensino, as relações do dia-a-dia devem traduzir respeito ao próximo através de atitudes que levem à amizade, harmonia e integração das pessoas, visando atingir os objetivos propostos no projeto pedagógico. Aliar isso ao estudo do jornal oferece credibilidade e confiança para mostrar às crianças e jovens que é possível vencer os desafios e problemas que a vida apresenta, sem o uso da agressão”, destaca Suzi.

Com recortes de notícias impressas, revistas, filmes, músicas, jornais televisivos, dentre outras formas de comunicação, os professores podem levantar discussões acerca do tema numa forma de criar um ambiente educativo e dinâmico.

Em Atalaia os estudantes iniciaram o trabalho com um debate, no qual expuseram seus conhecimentos sobre tudo que envolve os diferentes tipos de violência. “Adorei fazer esse trabalho, pois me ensinou que atitudes de respeito também podem contribuir para a segurança de todos os cidadãos”, enfatiza o aluno Vítor Hugo Bonifácio Fulgêncio.

Após a conversa, as crianças iniciaram uma pesquisa no jornal O Diário para identificar notícias de crimes que aconteceram próximo da região em que vivem. “A aula foi muito interessante, pois ampliou os meus conhecimentos. As reportagens me fizeram refletir a respeito dos perigos por falta de segurança pública”, ressalta a estudante Jeniffer Cristina Diniz Ramos da Silva.

Suzi conta que uma das manchetes em que houve maior destaque durante a leitura do impresso foi “Trio armado assalta madeireira”, fato ocorrido em Maringá no qual os bandidos renderam funcionários e clientes levando pertences e dinheiro. “A partir disso, decidi trabalhar questões de segurança, com mais conversa entre a turma e dicas de como se prevenir de assaltos, produzimos um acróstico sobre o tema em questão. Uma ótima forma de fazê-los refletir a respeito das ações que cometemos diariamente e que podem nos expor a situações de criminalidade”, ressalta a professora.

Ao final do trabalho, o acróstico ficou em exposição no corredor da escola para que toda a instituição tivesse acesso ao conhecimento e reflexão do tema em estudo. Suzi diz que foram atividades gratificantes de serem realizadas. “Constatei que além da pesquisa e do debate, os alunos passaram a analisar os casos de violência e pensar em formas para garantir segurança aos cidadãos.”

ACRÓSTICO. Com palavras-chave sobre o tema em discussão alunos produziram atividade que ficou em exposição na escola.

ACRÓSTICO. Com palavras-chave sobre o tema em discussão alunos produziram atividade que ficou em exposição na escola.

Comente aqui


Jornal fortalece processo de ensino

Uma notícia pode virar um resumo? Ou mesmo uma narrativa? A resposta é sim! As professoras, Martha Ribeiro Franchetti e Elizabete Ronca Bonesi que lecionam na Escola Municipal Vania Maria Simão, de Atalaia, diversificaram o estudo dos gêneros presentes no jornal e desafiaram seus alunos a transformarem uma das matérias publicadas no Diário em outro tipo textual.

Martha solicitou que a partir da leitura da notícia com a manchete “Adolescente de 16 anos está desaparecida há cinco dias em Londrina”, as crianças desenvolvessem a produção de um resumo. “Este é um tipo de texto abreviado e realizado a partir de outro, sempre com palavras ordenadas para que seja feita a compreensão mesmo sem o leitor ter tido acesso a versão original, neste caso, da notícia”, explica a professora.

Imagem 019Para isso os estudantes grifaram as principais informações da matéria, e deram início a atividade, escrevendo o que haviam lido com as suas próprias palavras. Lembrando de evitar a repetição de ideias e respeitando a sequência dos fatos. “Só me dei conta que tinha produzido um resumo, quando terminei o trabalho. Foi simples e divertido, pois além de me informar, ainda aprendi um novo tipo de texto”, conta a aluna, Ana Caroline da Silva Nascimento.

Elizabete Bonesi direcionou a produção para o gênero literário. Com a mesma notícia trabalhada por Martha, a professora pediu que seus alunos identificassem o narrador na matéria, tempo em que são vivenciadas as ações, espaço em que os fatos acontecem, o enredo da história e os personagens envolvidos. “A análise do jornal em sala possibilita o contato com diferentes textos e a ampliação de conhecimentos e produções didáticas”, destaca Elizabete.

Imagem 020“Escrever a notícia como se fosse uma narrativa foi muito interessante, pois me senti atraída pela leitura e ainda usei minha imaginação para idealizar o fato em meu raciocínio, para nós, crianças, tudo pode ser transformado em um ‘conto de fadas’”, ressalta a estudante, Lara Loise da Silva.

A coordenadora pedagógica, Lorena Yaél Languer enfatiza que o uso do jornal em sala de aula indica um novo contorno do pensar e agir com resultados muito positivos. “A ideia de manusear o impresso como instrumento pedagógico transforma-o em uma ferramenta prática para a motivação do saber”, diz.

PRODUÇÃO

Confira o resumo da notícia com a manchete “Adolescente de 16 anos está desaparecida há cinco dias em Londrina”, produzido pela aluna Ana Caroline, do 5º ano “A”.

Família procura adolescente de 16 anos que desapareceu na cidade de Londrina, no final da tarde da última quinta-feira. Sua mãe, Rosimeire está desesperada pelo sumiço da filha, Jennifer, que estava no Colégio Vicente Rijo. A adolescente foi vista pela última vez descendo do ônibus.

Comente aqui


Alunos dramatizam telejornal a partir de notícias do Diário

Os estudantes da Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia, participaram da oficina “Jornal Falado” desenvolvida pela equipe do Programa O Diário na Escola. Uma atividade que possibilita a prática da leitura e da oralidade, além da oportunidade em conhecer textos de circulação social.

Foto AbreDepois de um bate-papo sobre as diferenças entre os jornais impressos e os televisivos, as crianças receberam exemplares do Diário para encontrarem notícias e anúncios publicitários que os despertassem interesse, e assim, pudessem encenar um telejornal com direito à abertura, chamadas, comerciais e encerramento. “Essa dinâmica cativou os alunos estimulando a participação e envolvimento da turma”, conta a professora Suzi Aparecida de Souza Rosário.

O estudante Gustavo Henrique da Silva destaca sobre a importância em se manter informado, “só conseguimos isso a partir do conhecimento do que é notícia”. E o colega Matheus de Lima Pereira completa, “descobri que mais do que concorrentes, os veículos de comunicação são parceiros que trocam fontes.”

A educadora Elizabete Ronca Bonesi comenta sobre as alternativas de trabalho que o jornal oferece. “Transformamos as matérias em narrativas, sempre explorando os elementos textuais e a interpretação dos fatos.”

“No dia que o Diário vai para a sala de aula há interação entre as crianças, elas adoram comentar as notícias. Depois disso ainda podem levar o impresso para desenvolver uma leitura familiar, em casa”, ressalta a professora Marta Ribeiro Franchetti.

Durante a oficina com a equipe do Programa, os estudantes puderam tirar todas as dúvidas sobre o jornalismo e os profissionais da área. “Agora sei como é feito o jornal, a correria que é a vida de um repórter e o contato que eles têm com outras pessoas da imprensa para se inteirarem dos assuntos que são destaque pelo mundo”, enfatiza o aluno, Douglas da Silva Magalhães.

“Os benefícios do uso do Diário em sala são muitos, em especial, para o estudo da diversidade dos gêneros textuais”, fala a vice-diretora da escola, Vera Lúcia Fabris. A secretária da educação do município, Ângela Candioto acrescenta, “os assuntos polêmicos e de interesse social são pauta de trabalho do professor, o que garante momentos de argumentação e contribui para a formação cidadã das nossas crianças.”

Comente aqui


O que você quer ser quando crescer?

Na última quinta-feira comemorou-se o Dia do Trabalho, mais do que um feriado nacional é uma data para refletir. Afinal, se você ainda é uma criança, que profissão gostaria de seguir no futuro? Já parou para pensar? Quando pequenos já nos arriscamos a decidir o que queremos ser quando crescer: bailarina, jogador de futebol, cantor ou outras profissões de destaque. Embora essas opções pareçam ser definitivas, o amadurecimento faz perceber que as fantasias da infância podem não nos levar a lugar algum.

Possivelmente aquela com o desejo de ser bailarina não contava com a rotina de dedicação integral e cansativa dos ensaios pelo qual elas têm de passar, mas sim no glamour das roupas e na possibilidade de ganhar dinheiro dançando. Ser jogador de futebol parece ser divertido aos olhos dos garotos, quer coisa melhor que ficar rico e famoso para “brincar” de jogar bola? E ser um cantor então? Aparecer na televisão, viver rodeado por uma multidão de fãs, fazer shows pelo mundo, é a fantasia de quase toda criança. Até que um dia chega o momento em que é preciso decidir, de fato, a carreira a seguir.

“Nem todos têm facilidade para uma escolha imediata. Para escolher a melhor profissão é preciso, antes de tudo, se conhecer melhor. Podemos ter várias carreiras em mente, mas o caminho certo, aquele que trará felicidade e sucesso profissional, só vem quando nos conhecemos. Faça previsões. Será que daqui a três ou trinta anos estarei feliz lidando com os assuntos da profissão que tanto me empolgam hoje?”, indaga a psicóloga Mariana Braga Nunes.

É importante que a carreira proporcione diversão. Pesquisas apontam que um profissional que trabalha de bem com a vida rende mais e se sente realizado. Em contrapartida, aqueles que embarcam em uma carreira somente pela possibilidade de crescimento social podem acabar frustrados e sem dinheiro por não se destacarem no mercado de trabalho. O ganha-pão tem que unir habilidade e sustento. De nada adianta sonhar com algo que não é possível ser transformado em atividade profissional.

A psicóloga destaca que o amadurecimento é o principal aliado na hora de definir a carreira. “É claro que as pessoas que convivem com você, principalmente a família, vão dar um palpite aqui, outro ali. Porém, o que faz a diferença é a sua capacidade de captar as sugestões construtivas e descartar as especulações.”

Muitos adolescentes na fase do vestibular se veem na difícil tarefa da decisão. Nestes casos Mariana aconselha o jovem a identificar as disciplinas escolares que mais têm afinidade e também perceber se gosta de trabalhar em grupo ou sozinho, em espaços calmos ou agitados. “Pensar no futuro local e condições e trabalho ajuda a afunilar o leque de possibilidades que você cogita.”

Lembre-se, preferências mudam com o tempo. Pode ser que você sempre tenha desejado uma profissão, mas em algum momento começa a pensar em outra. “Quando terminei o ensino médio não me sentia segura para uma escolha tão importante. A princípio fui incentivada pelos meus pais, que tinham comércio de vestuário, a cursar moda. E assim eu fiz, mas durante a faculdade percebi que não era realmente aquilo que eu queria”, afirma Janaina Sampaio de Castro que se formou em moda, mas em seguida decidiu cursar Engenharia Civil.

“Com o tempo eu fui percebendo que adorava analisar as casas, as fachadas, os telhados e as projeções. Eu precisava buscar uma profissão nova, relacionada à essa área. Nesta escolha minha mãe também me incentivou. Ela constroi casas para vender e para me motivar começou a pedir que eu comprasse todos os materiais. Até hoje essa é a parte que eu mais amo no meu dia, me dá frio na barriga conversar com os pedreiros e imaginar que logo sou eu coordenando as equipes”, revela Janaina que está cursando sua segunda faculdade e se mostra apaixonada pela nova profissão.

Larissa Vitória CarnevalliLarissa Vitória Carnevalli – aluna do 5º ano da Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira, de Floresta.

“Eu gosto de ler, escrever e pesquisar. Gosto de todas as matérias, principalmente de Ciências. Por isso quero ser professora! Poder ensinar assim como a minha professora faz. Ela é paciente e explica de uma forma que todos nós conseguimos aprender.”

BrunoBruno Augusto Valério – aluno do 5º ano na Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia.

“Eu quero estudar administração para trabalhar no comércio assim como meus pais. Não se ganha muito dinheiro, mais isso não é o mais importante, eu quero fazer o que gosto e ainda poder conversar com os clientes todos os dias.”

Rafaela Pupo LandesRafaela Puppo Landes – aluna do 5º ano da Escola Municipal Messias Barbosa Ferreira, de Floresta.

“Eu quero ser médica para ajudar a salvar a vida das pessoas. Sei que vou ter que estudar muito para isso acontecer, mas eu aprendi com meus pais e minha professora que o conhecimento é algo que ninguém tira da gente.”

 

Comente aqui


Bate-papo na escola de Atalaia aborda os meios de comunicação

Veículos midiáticos que permitem a interação entre as pessoas e contribuem com a transmissão do conhecimento são chamados de meios de comunicação. Ao longo da história, o homem foi desenvolvendo formas para se comunicar. Primeiro os sinais, depois os desenhos, a língua falada, as cartas, até a criação de alguns objetos.

Com o avanço tecnológico os meios foram se tornando mais eficazes, a exemplo do jornal impresso, telefone, rádio, televisão, celular e internet. Todos são bastante utilizados em várias partes do mundo, e proporcionam o diálogo e a troca de informações.

A internet, por exemplo, permite que dados sejam obtidos com extrema rapidez e facilidade. Algumas redes sociais possibilitam conversas instantâneas independente do lugar em que você esteja.

Na educação, os estudos sobre a relação entre as mídias e o ensino têm se expandido devido ao impacto cada vez maior que os meios de comunicação têm na vida dos alunos.

Pensando nisso a coordenadora do Diário na Escola, Loiva Lopes esteve no município de Atalaia para conversar com os alunos da Escola Municipal Vânia Maria Simão sobre um dos veículos da imprensa que está há mais tempo dentro das instituições de ensino, o jornal impresso.

“À medida que a escola percebe a seriedade com que estão comprometidos os Programas de Jornal e Educação, e da Associação Nacional de Jornais (ANJ), em desenvolver um trabalho que beneficie estudante e educação cresce a adesão ao uso da mídia impressa como recurso das práticas pedagógicas. Conversar com crianças de 09 anos de idade que estão gostando de ler o jornal toda semana, é gratificante!”, destaca Loiva Lopes.

O município de Atalaia incluiu este ano os estudantes do 4º ano, o que favorece também os professores, que terão a oportunidade de participarem dos cursos oferecidos pelo Programa.

A facilidade de acesso ao material e a possibilidade de produção contribuíram para o uso do impresso como ferramenta pedagógica. Afinal estes não necessitam de aparelhos eletrônicos para reprodução, como caixas de som, microfones ou computadores. Jornais escolares, por exemplo, podem ser feitos a mão com recortes e colagem ou fotocopiados.

A coordenadora pedagógica da Escola Municipal de Atalaia, Lorena Yaél enfatiza que os jornais ajudam a formar o cidadão e contribui para que os leitores entendam seu papel na sociedade. “O material tem ampliado o nível cultural das crianças e desenvolvido as capacidades intelectuais. A leitura das publicações desperta a vontade dos alunos de comentar, debater e discutir assuntos tratados pela população em geral.”

Maria Fernanda de Souza é professora do 4º ano e conta que os alunos têm conseguido relacionar o fictício com o real. “Durante uma conversa sobre o anúncio no Diário a respeito da dengue, eu me surpreendi com os comentários dos estudantes. A publicidade continha a frase ‘Levou bala e acabou no hospital’, alguns falaram que era a bala de um revólver, já outros destacaram que a bala na verdade se referia ao papel do doce esquecido no chão, que acumulou água, procriou larvas da dengue e por ter sido picada pelo mosquito, a pessoa foi parar no hospital.”

Luciana Rodrigues Ramos, mãe da aluna Ana Julia comemora a oportunidade da filha em trabalhar com textos atuais em sala de aula. “Ela chega em casa eufórica contando sobre as notícias lidas. Pude perceber que a Ana Julia tem desenvolvido opinião sobre os fatos, ela costuma destacar o que acha positivo ou negativo nas matérias.”

“Quando eu acordo meu irmão já está lendo o jornal, agora eu não preciso mais dividir as páginas com ele porque posso ler na escola. O bom é que se não entendo algum assunto, já pergunto para a professora”, ressalta Ana Julia Rodrigues Ramos.

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

JORNALISTA NA ESCOLA. Oportunidade de conhecer os meios de comunicação e, em especial, a estrutura do jornal impresso

Comente aqui


Aluna cria história em quadrinhos a partir de anúncio do jornal

Preocupadas em proporcionar às crianças uma conscientização a respeito dos problemas que envolvem a natureza, as professoras Vania Vieira e Flávia Ronca, da Escola Municipal Vânia Maria Simão, de Atalaia, realizaram discussões com os alunos sobre o que pode ser feito diariamente para evitar a degradação do meio ambiente. Incluindo os cuidados com a proliferação do mosquito da dengue, que em determinadas épocas do ano fica esquecido, assim a população deixa de limpar os quintais, esvaziar poças de água, e a dengue tem a oportunidade de criar novos focos.

Durante a conversa em sala os alunos se mostraram bastante ativos, opinaram, deram sugestões sobre quais atitudes deve-se ter em relação ao meio ambiente, e com isso as professoras decidiram que era o momento de ir para a prática e desenvolver atividades em que eles pudessem expor seus conhecimentos para toda a escola.

Em grupos de quatro estudantes as crianças receberam exemplares do Diário para leitura e pesquisa de notícias que envolvessem os problemas ambientais. Dentre as várias matérias escolhidas para estudo, um anúncio sobre a prevenção da dengue com o personagem Diarinho chamou a atenção da aluna Kamilly Victória Mendes, do 5º ano. A publicação alerta sobre a importância em manter a cidade limpa para evitar focos do mosquito. A partir do anúncio a aluna criou uma história em quadrinhos para conscientizar os amigos e professores da escola.

“Eu sempre gostei de desenhar, e agora estamos estudando as histórias em quadrinhos. Quando vi o anúncio com o Diarinho pensei que seria legal juntar texto e desenho, foi assim que realizei meu trabalho”, relata Kamilly.

“O trabalho com o jornal é sempre muito bom, pois os alunos têm a oportunidade de refletir sobre as atitudes incorretas vivenciadas no dia-a-dia. Através das atividades eu percebi que as crianças se mostram conscientes de suas atitudes em relação ao lixo domiciliar e a questões que envolvem até mesmo a reciclagem”, destaca a professora, Vania Cristina de Rapouza Vieira.

Além da história em quadrinhos da Kamilly, os alunos dos quartos e quintos anos produziram cartazes que foram expostos pelos corredores da escola. Com a temática “Problemas ambientais da nossa região”, as crianças não apontaram somente as dificuldades em preservar a natureza e acabar com os casos de dengue, mas nas atividades o que mais se destacou foram as propostas de soluções.

Com a exposição todos os alunos da instituição puderam conhecer o trabalho desenvolvido, desta forma as crianças e professores alcançaram o objetivo inicial da proposta, a conscientização.

“Os cartazes e HQ’s ficaram muito bons, pude conhecer os perigos da dengue, o que gera a poluição e aprendi a forma correta de cuidar do lixo que produzo todos os dias”, conta a aluna do 5º ano, Fernanda Botiglieri dos Santos.

A coordenadora pedagógica, Lorena Yael Languer, ressalta que os resultados desta atividade desenvolvida na escola foram percebidos nas ruas do município. “Os catadores de lixo reciclável me disseram que perceberam uma melhoria nas questões em relação a separação do lixo, casas que antes não realizavam o processo, hoje deixam os sacos separados na calçada, diferenciando o que é reciclável e o que é orgânico. Para nós da Escola Vânia isso é muito gratificante, é a certeza que a educação pode fazer a diferença não só dentro da instituição, mas na sociedade”, comemora.

VANIA

Comente aqui