História em quadrinhos

Mural de Trabalhos

Aproveitando a charge publicada no Diário sobre o término do ciclo da dengue e o inicio da gripe H1N1, a professora Edilene Rosimeire da Silva trabalhou com os alunos do 5º ano “A” da Escola Municipal Prof. Flávio Sarrão, de Cruzeiro do Sul, a necessidade da prevenção da dengue e também o desenvolvimento de hábitos de higiene para evitar a gripe. “Após discutir sobre essas temáticas percebi que os alunos se tornaram mais atentos em relação às medidas preventivas destas doenças, bem como o uso do álcool em gel, de garrafas individuais de água, e a necessidades de limpar os quintais”, conta a professora.

Comente aqui

Mural de Trabalhos

A Escola Municipal Massami Koga, de Sarandi, é uma das instituições que recebe o jornal semanalmente para desenvolver atividades em sala de aula. Após a leitura do impresso, a professora Júlia, do 5º ano “B”, solicitou aos alunos que escolhessem uma notícia e produzissem uma história em quadrinhos. O aluno Carlos Eduardo, depois de ler uma matéria sobre o aumento dos casos de Dengue, fez uma HQ aconselhando as pessoas a manterem os ambientes limpos para que seja evitada a proliferação do mosquito.

Comente aqui

Premiação do Concurso de Gibi animou as escolas

Este é o sétimo ano que o Programa Educacional O Diário na Escola realiza o Concurso Cultural de Gibi. Com o objetivo de estimular crianças e adolescentes, juntamente com seus professores, a desenvolverem um trabalho de leitura crítica diante dos assuntos relacionados às notícias veiculadas nas páginas do jornal e, assim, produzirem histórias em quadrinhos.

Para este Concurso os educadores receberam capacitação, nos dias 27 e 28 de agosto, na oficina pedagógica intitulada “Histórias em Quadrinhos: entre o prazer de ler e a formação do leitor crítico”, ministrada pela Prof. Ms. Maísa Cardoso. As discussões giraram em torno do papel da escola na formação de leitores críticos, a utilização da linguagem como interação, aspectos e características relacionadas às notícias e as histórias em quadrinhos, a mediação do professor na elaboração deste trabalho, bem como técnicas de elaboração e análise desse gênero textual.

Neste ano foram cerca de 350 produções inscritas com predominância das temáticas relacionadas ao meio ambiente, violência, política e saúde. O júri de avaliação foi composto primeiramente pelo Prof. Ricardo Pastoreli e pela jornalista Nayara Spessato, os finalistas foram selecionados pela Prof. Ms. Maísa Cardoso e por fim, os vencedores foram escolhidos pela coordenadora do Programa Jornal e Educação, Cristiane Parente.

A premiação do Concurso foi tanto para o estudante quanto para o professor que o auxiliou na produção da história em quadrinhos, e foi feita nas seguintes categorias: alunos e professores da rede municipal de ensino de Maringá, alunos e professores da região e instituições beneficiadas pela Viapar.

O aluno Daniel José Lino Júnior e a professora Gilda Mariano, do Colégio Estadual Tomaz Edison de Andrade Vieira, de Maringá, conquistaram o prêmio na categoria: instituições beneficiadas pela Viapar

Todos os alunos do 1º ano B comemoraram com os vencedores. Presentes também a equipe do Diário na escola, professores e diretoria do colégio

Na categoria: alunos e professores da região, o primeiro lugar foi da aluna Marcela Muniz, com a orientação da professora Maria Clara Andrade, da Escola Municipal São Jorge, em São Jorge do Ivaí

A família da Marcela, a secretária de educação do município e outras professoras também prestigiaram as vencedoras

Confira todas as fotos da premiação no site: www.odiario.com/dflash

 

Comente aqui

Mural de Trabalhos

Durante uma das aulas em que se trabalha com o jornal na Escola Municipal Célestin Freinet, de Maringá, a matéria sobre um cavalo que foi baleado por seu próprio dono chamou a atenção dos alunos do 5º ano “A”. As crianças leram a notícia e fizeram um debate expondo suas opiniões acerca do fato. Além disso, foi discutido sobre as causas e consequências do alcoolismo na vida das pessoas. Interessada na temática, e com o apoio da professora Marli do Rosário Marli Silvério, a aluna Beatriz Souza Lopes, transformou a matéria em uma história em quadrinho.

Comente aqui

Mural de Trabalhos

“Meu pai é caminhoneiro e quando chega em casa sempre me conta dos acidentes que vê na estrada, onde muitas vezes as pessoas roubam a carga. Acho tudo isso muito feio, é um desrespeito ao cidadão, por isso escolhi a notícia do Diário que falava sobre esse assunto para a produção da minha história em quadrinhos”, relata o aluno da Escola Municipal Monsenhor Celso, Heitor Brandolin.

____________________________________________________________________________

Raquel Gomes Bazotti também é aluna da Escola Municipal Monsenhor Celso, de Astorga, e fez a produção abaixo para alertar os motoristas sobre o grande número de acidentes que estão acontecendo nas estradas. A matéria que ela leu para fazer a história em quadrinhos foi “Celta que causou acidente com 10 mortes carregava 2 kg de cocaína”, publicada no jornal O Diário.

1 Comentário

As histórias em quadrinhos vão invadir as escolas

Começou no dia dez deste mês o prazo para o envio de produções para o 7º Concurso Cultural de Gibi. As instituições parceiras de O Diário na Escola já receberam o regulamento e a folha de produção oficial. Agora é mãos à obra! O participante deverá fazer uma história em quadrinhos sobre uma matéria do jornal O Diário mencionando o título e a data de publicação da notícia, serão analisadas a originalidade e criatividade do aluno, bem como aspectos relacionados à língua portuguesa.

“O trabalho com as histórias em quadrinhos é de extrema importância, pois treina a leitura, a interpretação de texto, além dos alunos se divertirem com a oportunidade de contar a notícia através de desenhos. Conciliar essa atividade com o jornal torna o resultado ainda melhor, os estudantes têm a chance de adquirir novas informações e têm o contato com um material que talvez não tivessem a possibilidade de comprar semanalmente”, conta a professora Dalva Regina Bertoleti, do Colégio Estadual Tomaz Edison de Andrade Vieira, de Maringá.

A premiação do Concurso será tanto para o estudante, quanto para o professor que o auxiliou na produção da história em quadrinhos e será feita nas seguintes categorias: alunos e professores da rede municipal de ensino de Maringá, alunos e professores da região e instituições beneficiadas pela VIAPAR.

A professora Silvana Maria de Santana, que leciona na Escola Municipal Monsenhor Celso, de Astorga, relata que nas atividades que realiza com o jornal dentro da sala de aula sempre deixa os alunos livres para expressarem suas opiniões ou interpretações da forma que melhor preferirem. “Quando eles decidem fazer histórias em quadrinhos ficam mais em dúvidas quanto aos desenhos do que com a produção das falas, então eu explico que o mais importante é o conteúdo, a ilustração vem para complementar.”

Não deixe para a última hora, receberemos as produções somente até o dia dez de outubro. Os trabalhos devem ser enviados no seguinte endereço: Av. Mauá, nº 1988. CEP: 87050-020 – zona 03/ Maringá – Programa Educacional O Diário na Escola.

Comente aqui

História em Quadrinhos desperta a criatividade de alunos

O aluno Daniel José Lino Junior, do Colégio Estadual Tomaz Edison de Andrade Vieira, de Maringá, sob a orientação da professora Dalva Regina Bertoleti fez a seguinte tirinha após ler a matéria “Atirador mata 12 e fere 59 em cinema dos EUA”. Daniel conta que sempre gostou de desenhar, por isso durante a produção a sua maior dificuldade foi com o texto. Escolheu essa notícia do Diário por achar bastante interessante e também porque quando o fato aconteceu todo mundo na escola estava falando sobre o assunto.

_________________________________________________________________________________

“Produzir a história em quadrinhos me fez compreender melhor a notícia, tive a oportunidade de criar, colorir e inventar. Gostei muito da matéria “Maringaense conquista título do Sul Brasileiro de Balonismo”, porque o vencedor do campeonato foi da minha cidade. Relata Jaqueline Santos, que também é aluna da professora Dalva no Colégio Estadual Tomaz Edison.

 

1 Comentário

Oficina pedagógica agrada profissionais da educação

Confira a opinião dos participantes sobre a oficina “Histórias em quadrinhos: entre o prazer de ler e a formação do leitor crítico”, ministrada pela Profª. Ms. Maísa Cardoso:

“O curso foi muito produtivo, pois me proporcionou entender e ler as tiras de outra maneira, não enxergava com esse olhar que foi ensinado.” (Aline Carolina B. Lamim – Escola Municipal Professora Nadyr Maria Alegretti/ Maringá)

“Acho muito interessante essas oficinas, pois proporcionam uma maior reflexão sobre os gêneros textuais e sua aplicação.” (Armete Mareidelli Peron – Escola Municipal Monsenhor Pedro Ryô Tanaka/ Maringá)

“O curso proporcionou o conhecimento da diversidade das histórias em quadrinhos de forma dinâmica e informativa. Foi muito interessante, pois os conteúdos foram apresentados de forma contextualizada e diferenciada.” (Angela Bucher Toledo – Escola Municipal Ayrton Plaisant/ Maringá)

“Eu adoro história em quadrinhos! Este gênero é divertido em ler e ver, pois é colorido, têm formas, expressões, tipos de balões, letras e outros. Assim, além de ser muito criativo, chama mais a atenção do leitor.” (Elisana Nodar da Silva – Escola Municipal Padre Mateus Elias/ Doutor Camargo)

“A oficina de história em quadrinhos é muito importante para nós professores do ensino fundamental, pois somos formadores de leitores que estão iniciando e se for trabalhada a leitura com prazer, certamente no futuro nossos alunos serão cidadãos críticos.” (Márcia Aparecida Bulla Grigio – Escola Municipal Manoela Rosalina Mazzi da Silva/ Mandaguaçu)

“A fala da ministrante foi clara, de fácil entendimento e o material utilizado de ótima compreensão. Tudo aquilo que aprendemos através das oficinas, contribui para nosso aprendizado.” (Lercy Aparecida Cordeiro da Silva – Escola Municipal Gilson Belani/ Mandaguaçu)

“Essa oficina de história em quadrinhos trouxe muitas linhas de trabalho que não foram apresentadas em outras que participei. Minhas dúvidas foram esclarecidas e assim poderei fazer um bom trabalho em sala de aula.” (Suelena Yoshie Giraldelli Jaqueta – Escola Municipal Professor Domingos L. Vitorino/ Itambé)

“Uma boa oportunidade para nos auxiliar em sala de aula e na produção da história em quadrinhos junto aos alunos. Dentre as várias estratégias de ensino, os quadrinhos são um bom recurso para incentivar e motivar o aluno para a leitura e a escrita, esse momento foi importante para esclarecer alguns pontos sobre essas estratégias.” (Maria Clara Andrade – Escola Municipal São Jorge/ São Jorge do Ivaí)

“A oficina é de grande valia no nosso planejamento de aula com o jornal, pois amplia nosso conhecimento a respeito desse gênero textual tão importante na comunicação, tanto na leitura verbal ou não verbal, como na escrita.” (Thereza Sedahir Leite Aguitoni – Escola Municipal Professor José Aniceto/ Maringá)

“A palestrante expressa-se muito bem e nos trouxe um material ótimo para que seja desenvolvido um bom trabalho com os alunos, dessa forma podemos possibilitar-lhes que despertem o interesse de quanta informação está contida nas histórias em quadrinhos.” (Eliane Aparecida Silva Schutingel – Escola Municipal Ângela Verginia Borin/ Maringá)

“O conteúdo foi muito interessante e de importância fundamental para o trabalho do professor de 1º ao 3º ano do ensino médio, pois em cada faixa etária há a possibilidade do trabalho com a história em quadrinhos em diferentes situações.” (Ivone de Fátima Rodrigues – Escola Municipal Dr. Heleton Borba Cortes/ Maringá)

“Achei simplesmente maravilhoso! É a partir dessa formação que nos espertamos para conceitos que às vezes ficam escondidos, esquecidos, ampliamos mais caminhos para trabalharmos as tirinhas, sair da rotina, buscar novos horizontes, foi aqui, hoje, que me senti estimulada!” (Telma Vicente – Escola Municipal Prof. José Marchesini/ Maringá)

“Muito interessante e bem trabalhado esse gênero textual. As discussões aliadas com a resolução de atividades possibilitam maior compreensão e segurança para trabalharmos esse conteúdo com os alunos.” (Ione Leonço Cirqueira Yamada – Escola Municipal Pioneira Jesuína de Jesus Freitas/ Maringá)

“Esta oficina proporcionou conhecimentos teóricos e práticos de como trabalharmos com o gênero história em quadrinhos, possíveis de serem usados em sala de aula tendo como apoio o jornal.” (Ivone Luca Trintin – Escola Municipal Pioneira Jesuína de Jesus Freitas/ Maringá)

Comente aqui

Mural do Participante

A partir da leitura de matérias e reportagens apresentadas no jornal O Diário os alunos do 5º ano da Escola Municipal Dr Eurico Jardim Dornellas de Barros, de Marialva, realizaram atividades de produção textual sobre o uso de drogas na Praça Napoleão Moreira da Silva, em Maringá, que todo final de ano se transforma na Vila do Papai Noel.

Olha que bacana!

 

OBS: caso não consiga ler os textos clique na imagem para visualizar em tamanho maior.

Comente aqui

Oficina aborda notícia, jornal escolar e HQs

É na tarde de hoje, no salão da terceira idade, em Flórida, que O Diário na Escola ministra a oficina

leitura crítica: interage o leitor com o jornal

‘Estudando com o jornal’. O objetivo do encontro é inspirar professores de Flórida e Ângulo, que também estarão presentes, a usar O Diário de forma educativa, a fim de democratizar a leitura de textos de circulação social e incentivar o hábito da ler. Serão, no total, 50 profissionais da educação que terão acesso ao conteúdo que se divide em três tópicos: notícia, jornal escolar e história em quadrinhos (HQs). O conteúdo da oficina vai de encontro às necessidades das duas cidades, que foram apontadas pela diretora da Escola Municipal Duque de Caxias, Adriana Favarim.

Os fatos reais são a base das atividades desenvolvidas com os professores. Do planejamento à exposição de conteúdo e à prática pedagógica, as notícias do Diário, de domingo, oito de agosto, são fonte de análise, leitura e discussão. A matéria ‘As histórias dos outros’, do Viva Maringá, é foco de leitura crítica. Através da atividade, os leitores conseguem identificar as técnicas jornalísticas utilizadas no texto e, também, criar hipóteses sobre as intenções e preferências do repórter. Uma leitura mais aprofundada que interage o leitor com o jornal. Em outro ponto, os participantes identificam o lead (as questões quem?, como?, onde? quando? por quê? e para quê?) da notícia, possibilitando maior entendimento do fato anunciado.

Continue lendo

Comente aqui

Vem aí o 5º Concurso do Gibi

Foram mais de 300 histórias em quadrinhos inscritas em 2009. Neste ano, o Concurso do Gibi ‘O Diário na Escola’ traz premiação e prazo para envio de trabalhos diferenciados. Informações podem ser obtidas pelo telefone (44) 3221-6050.  Clique na imagem para visualizar o regulamento em tamanho maior:

Comente aqui