histórias



Histórias do tablado

Foto AbreApós se aposentar, a professora Edna Mendonça sentiu a necessidade de contar as muitas histórias ocorridas em sala de aula. Momentos engraçados, tristes, de superação, uma verdadeira lição de amor ao magistério. “O livro parecia que foi se escrevendo sozinho e surgiram vinte e seis dicas de como o professor pode se relacionar melhor com seus alunos”, conta. A obra ainda aborda assuntos como viagens com os alunos, alfabetização, inclusão, aluno especial, bullying, professor doente, disciplina, como passar em concursos e muito mais.

No magistério quando um professor se aposenta a escritora diz ser tradição passar sua herança profissional aos professores que ficam. Edna optou por compartilhar através do livro “Histórias e Dicas da Professora Edna”, dividindo não só momentos como também preciosas dicas de como aprendeu, na prática, a se relacionar com estudantes e organizar o dia a dia na sala de aula. Surgiu assim o livro narrado de forma leve e informal. Os pais também se identificarão com as situações escolares de seus filhos e como ajudá-los.

 

  1. O DIÁRIO NA ESCOLA: Esta é a sua primeira obra. Antes da aposentadoria, se imaginava uma escritora?

EDNA: Nunca pensei em ser escritora. Sempre tive facilidade em fazer redações na escola e na faculdade, mas escrever um livro não estava nos meus planos. Estou realizando um sonho o qual não sonhei. Primeiramente quando me aposentei me deu uma urgência de não perder as minhas histórias. E se o tempo passasse e eu esquecesse ou não conseguisse mais dar valor ao que vivi? Parecia-me que minha história tinha sido tão linda! Eu tinha vivido tantas coisas legais junto com meus alunos e se tudo isto se perdesse? Pensei, vou escrever! Assim surgiu o livro.

 

  1. Durante o processo de escrita do livro, quais foram os maiores desafios?

Foi até engraçado, nos primeiros dias de aposentada comecei a escrever, mas não contei para ninguém. E se eu não conseguisse escrever o livro até o fim? Como ele é biográfico parecia que jorrava de mim. As ideias iam surgindo tão rapidamente que minhas mãos pareciam não acompanhar no teclado do computador. Comigo o processo de escrita foi bem tranquilo. Todo dia cedinho escrevia durante umas duas horas e depois ia fazer as atividades normais do meu dia a dia. Em dois meses o livro estava pronto. Quando passei da metade e vi que era capaz de ser uma escritora comecei a contar para a família e amigos. Quem escreve um livro, escreve dois. Logo em seguida fiz outro, infanto-juvenil, que está guardado em meu computador. Também publico crônicas, poesias e textos em minha rede social. Se juntar tudo, tenho material para mais um livro.

 

  1. Como você avalia sua relação com os alunos durante sua carreira profissional nas escolas? Acredita que eles serão parte do público leitor da sua obra?

Nunca tive problemas com meus alunos, sempre os considerei meus amigos. A base de tudo é o amor. Primeiro eu amava ir à escola dar aulas. Quando você está ali satisfeita os estudantes sentem isto. Eles sabiam que eram importantes para mim, que eu me interessava se eles estavam aprendendo e se estavam bem. Hoje encontro alguns já adultos que me reconhecem e me tratam com o maior carinho. Os adolescentes das minhas últimas turmas são meus amigos nas redes sociais, estão festejando meu livro e nossas histórias. É gratificante encontrar um aluno e ele vir te dar um abraço e dizer que sente saudades de você.

 

  1. Aos pais, de que forma suas histórias irão contribuir na relação educacional com os filhos?

Os pais foram alunos ontem e hoje acompanham seus filhos nas mesmas situações escolares. Muitas dicas que dou para um bom relacionamento dos professores com os estudantes servem também para relacionamento de pais e filhos. Eu tenho uma filha na escola e me coloco no livro como mãe também. Abordo temas atuais como alfabetização, inclusão, bullying, disciplina, sinceridade, gosto pela leitura, adoção e muito mais. Todos esses assuntos são abordados através de histórias de fatos vividos na escola. Os pais saberão como a educação está funcionando hoje e, assim, poderão ajudar seus filhos.

 

  1. Que mensagem deixaria aos professores que atuam dentro dos espaços escolares e que, por vezes, se sentem desanimados com os desafios da educação?

Fui uma professora que amou e ainda ama a profissão que escolheu. Eu não sou conhecida como muita gente famosa ou heróis. Sou apenas uma professora, mas que do meu jeito fiz muitos feitos históricos. Cada dia era uma batalha do bem e eu partia rumo à escola com uma missão importantíssima, ensinar tanta gente que me esperava. Nossa profissão é linda e tão importante. Nós devemos ser os primeiros a valorizá-la através de uma aula bem dada e ensinar aos nossos alunos o tanto que ela é fundamental. Afinal, eles serão o nosso futuro.

 

Comente aqui


Projeto Literário empolga crianças

Atualmente tem sido difícil conciliar dois suportes de leitura, o livro e a internet. Pesquisas comprovam que, principalmente crianças e adolescentes, não dão mais a devida importância ao mundo dos livros. A atenção está direcionada às redes sociais e a mais uma imensidão de páginas onlines. Muitas horas do dia se vão em frente à tela do computador, enquanto os melhores livros permanecem esquecidos na estante.

Não faz muito tempo que o jeito de fazer pesquisa na escola mudou. Se há pouco mais de cinco anos os estudantes se reuniam para ir até uma biblioteca ou não dispensavam a enciclopédia na hora de fazer um trabalho escolar, agora eles dão prioridade à internet.

Preocupados com esses fatores, a equipe da Escola Municipal Jardim Primavera, de Santa Fé, organizou um projeto com os alunos do 3º ano, no qual eles estudaram a vida e as obras de Monteiro Lobato. “Buscamos destacar a importância da leitura dos textos em seus suportes de origem. Já existem diversas histórias do autor na internet, mas mostramos às crianças como é prazeroso o ato de ler o livro e sentir a espessura do papel, por exemplo”, destaca a orientadora pedagógica, Marta Eloisa Lalli.

Foto abrePara a realização das atividades as crianças criaram murais expositivos sobre a literatura infantil, ensaiaram danças, apresentações teatrais e declamação de poesias. “Foi possível observar grande interesse pela leitura das obras de Monteiro Lobato, em especial, o Sítio do Pica-Pau Amarelo. Constatei que muitas crianças não tinham conhecimento do conteúdo que estava sendo repassado, foram momentos de muito entusiasmo”, enfatiza a diretora, Gislaine Righetto.

A professora, Sueli Pedrazzani conta que envolver os alunos no universo das histórias foi muito divertido. “Os pequenos ficaram encantados. Com isso, despertamos o prazer pela leitura de diferentes autores, e também o interesse deles pelo teatro e pela dramatização.”

“Foram atividades especiais, Monteiro Lobato deixou grandes sucessos para nós”, comenta a estudante Rafaella Puggese Tieppo. A colega Mariana Policarpo, completa “não vou esquecer tudo o que aprendi e as histórias que li.”

Para encerrar o projeto a escola realizou o evento “Pais presentes, filhos contentes”, no qual os responsáveis pelos alunos são convidados para um momento cultural dentro do espaço escolar. Já tradicional, o evento acontece de forma bimestral, e em cada apresentação a responsabilidade é de uma série diferente. “Nosso objetivo é trazer a família para dentro do espaço escolar, mostrar o que as crianças têm aprendido e as ações realizadas diariamente”, explica Gislaine.

“Esta iniciativa da escola resgata e estimula os pais a acompanharem o desenvolvimento dos seus filhos, pois a correria da vida moderna consome o tempo que deveríamos dedicar às crianças”, enfatiza a mãe, Marinéa Gomes Pereira.

Comente aqui


Atividade para o Dia Nacional do Livro Infantil

Como celebrar esta data tão importante? Preparamos uma sugestão de atividade:

Proponha aos alunos que pesquisem, na biblioteca ou em casa, livros que possuam um mesmo personagem (bruxas, princesas, animais, monstros etc.) e determinem características comuns a cada uma dessas figuras. Depois, oriente-os a escolherem um desses personagens e criarem novas características a ele. Para encerrar, os alunos deverão criar uma história com a figura escolhida.

Os textos depois poderão compor um livro coletivo da turma!

Comente aqui