Mês: agosto 2016



Cartilha de orientação Política

Regional Sul 2 oferece cartilha de orientação política

Entre os objetivos, o material visa fornecer critérios de orientação para as eleições municipais deste anoO regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulga a cartilha de orientação política “O cidadão consciente participa da política”. O objetivo do material é contribuir para a formação política das pessoas, motivá-las à participação no processo político e fornecer critérios para orientá-las nas eleições municipais deste ano.De acordo com  informações do regional, a cartilha é elaborada numa linguagem simples, com”indicações básicas sobre o universo da política a partir do olhar da Igreja Católica”.O subsídio está divido em três partes. A primeira relaciona Igreja e política. Nela, consta a Mensagem da CNBB para as eleições 2016, aprovada durante a 54ª Assembleia Geral da Conferência, em abril deste ano.A segunda parte aborda as mudanças na legislação eleitoral, como a questão do financiamento das campanhas e as propagandas eleitorais. O tópico também chama atenção para a questão do “Caixa 2”, as doações para a Igreja, nepotismo, pluralidade de opiniões e participação das mulheres na política.

A ética na política compõe a última parte da cartilha. Neste capítulo, são oferecidos esclarecimentos sobre os papeis de prefeitos e vereadores, características positivas e negativas de candidatos e eleitores, os compromissos relacionados ao voto, além de legislação contra a corrupção eleitoral.

Clique aqui e leia a Cartilha:

Para fazer pedidos para sua comunidade ou grupos: acesse aqui

Formação

No último sábado, 13, a paróquia São Pedro Apóstolo, em Matinhos (PR), promoveu encontro que teve a cartilha como material de apoio. Participaram cerca de 40 pessoas, entre candidatos a prefeito e vice, a vereador e eleitores.  O encontro foi assessorado pelo secretário executivo do regional Sul 2, padre Mário Spaki, e pela equipe do Conselho Regional de Leigos (foto ao lado).

“A Igreja entende que ela pode dar sua contribuição.Não só que pode, mas que deve contribuir para uma política mais cidadã, por uma conscientização da população sobre a importância do seu voto e pela corresponsabilidade que eleitores e eleitos têm pela vida, pelo bem comum da sociedade e dos municípios”, afirmou padre Mário.

Fonte: Regional Sul 2 da CNBB
Comente aqui


Um conto sobre maledicência

O santo, o noviço, o burro e os linguarudos

Um conto de São Bernardino de Siena sobre murmuração e maledicência

monge

Creative Commons

Um santo religioso, que conhecia bem as coisas do mundo, percebera que não se podia encontrar quem não falasse mal dos outros. Um dia, disse a um noviço:

“Meu filho, pega nosso burrinho e vem comigo”.

O obediente noviço pegou o asno. Nele montou o velho religioso, enquanto o jovem ia caminhando atrás. A certa altura, deviam atravessar um local cheio de lama e, então, alguém disse:

“Olha quanta crueldade contra esse mongezinho que vai a pé! Deixá-lo andar entre tanta lama! E o velho vai a cavalo!”

O santo religioso desceu então do animal e pôs sobre ele o jovem monge. Andaram mais um pouco e não tardou a aparecer quem dissesse:

“Olha que coisa estranha esse homem no animal! É o velho que deixa o jovem andar no cavalo, sem se cuidar da fatiga e da lama! Não é uma loucura? Os dois deveriam ir sobre o asno. Seria melhor!”

O santo religioso montou então na garupa. E assim prosseguiram, até aparecer outro e dizer:

“Mas olha esses que vão em cima do pobre burrinho! Os dois montaram nele? Será que não têm pena do coitado do burrinho?”

Ouvindo isto, o santo religioso desceu e fez desmontar também o jovem. Seguiram os dois a pé. Logo apareceu alguém que disse:

“Meu Deus, olha a loucura desses dois, que têm o asno, mas vão caminhando a pé por entre o lodo!”

E tendo o santo religioso constatado mais uma vez que não havia pessoa no mundo que não ficasse murmurando, disse ao jovem monge:

“Voltemos agora para a nossa morada”.

De volta às suas celas, perguntou o santo:

“Meu filho, pensaste na lição do asno?”

“Em quê?”

“Não viste que, de qualquer jeito que fôssemos, falavam mal de nós? Se eu ia montado e tu a pé, falavam mal porque és jovem e eu devia proteger-te. Desci, coloquei-te na sela e outro falou mal dizendo que sou velho e devíamos montar os dois. Montamos os dois e ainda falaram mal, dizendo que éramos cruéis com o burrinho. E, quando ambos descemos, ainda murmuraram que era loucura andarmos a pé em vez de montarmos o jumento”.

O sábio religioso prosseguiu:

“Meu filho, guarda bem o que te vou dizer. Mesmo aquele que está no mundo fazendo o bem e empenhando-se em fazer todo o bem possível, nem mesmo ele pode evitar ser alvo de más línguas. Por isso, meu filho, não te incomodes com esses, nem ouças o que dizem, nem tenhas vontade de andar no meio deles, porque, seja como for, sempre acabarás perdendo: deles não sai senão pecado. Tu faze o bem sempre. Deixa-os dizerem o que bem entendem, quer falem bem, quer falem mal”.

___________

São Bernardino de Siena, em “Apologhi e Novellette” – via blog Contos e Lendas Medievais

Fonte: Aleteia
Comente aqui


CNBB defende Lei da Ficha Limpa

No texto, os bispos conclamam “a população, legítima autora da Lei da Ficha Limpa, a defendê-la de toda iniciativa que vise ao seu esvaziamento”

O Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aprovou, nesta quarta-feira, 24, nota em defesa da Lei da Ficha Limpa. No texto, os bispos rejeitam toda e qualquer tentativa de desqualificar a lei, que “é resultado da mobilização popular e que expressa a consciência da população de que, na política não há lugar para corruptos”.

Confira, abaixo, a nota na íntegra.

NOTA DA CNBB EM DEFESA DA LEI DA FICHA LIMPA 

O Conselho Episcopal Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, nos dias 23 e 24 de agosto, vem reafirmar a importância da Lei 135/2010, a Lei da Ficha Limpa, rejeitando toda e qualquer tentativa de desqualificá-la. Resultado da mobilização popular que coletou 1,6 milhões de assinaturas, a Lei da Ficha Limpa expressa a consciência da população de que, na política, não há lugar para corruptos.

Tendo sua constitucionalidade confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que, em 2012, votou favoravelmente pelas Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADC 29 e 30), a Lei da Ficha Limpa insere-se no rol das leis mais importantes no combate à corrupção eleitoral e na moralização da política. Respaldada por grandes juristas e aprovada pelo Congresso Nacional, ela atesta a sobriedade de quem a propôs de forma que atacá-la ou menosprezá-la é enfraquecer a vontade popular de lutar contra a corrupção.

Recebemos com perplexidade a decisão do STF que reconhece a exclusividade das Câmaras Municipais para julgar as contas dos prefeitos em detrimento da competência dos Tribunais de Contas. Na prática, isso significa o fim da inelegibilidade dos executivos municipais mesmo que tenham suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas. Trata-se de um duro golpe contra a Lei da Ficha Limpa o qual favorecerá o fisiologismo político e a corrupção, considerando o poder de barganha que pode haver entre o executivo e o legislativo municipais.

Conclamamos a população, legítima autora da Lei da Ficha Limpa, a defendê-la de toda iniciativa que vise ao seu esvaziamento. Urge não dar trégua ao combate à corrupção eleitoral e a tudo que leve ao desencanto com a política cujo objetivo é a justiça e o bem comum, construído pacífica e eticamente.

Brasília, 24 de agosto de 2016.

Dom Sergio da Rocha                              Dom Murilo S. R. Krieger

Arcebispo de Brasília-DF                     Arcebispo de S. Salvador da Bahia-BA

Presidente da CNBB                                 Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília-DF

Secretário-Geral da CNBB

Fonte: CNBB
Comente aqui


Será que estou depressivo?

8 atitudes de pessoas que sofrem com depressão, mas não demonstram

O número de pessoas que sofrem com com depressão vem aumentando consideravelmente sem que haja uma “solução” para tal situação. Uma das grandes preocupações dos profissionais da área é que o diagnóstico tem sido bem tardio, o que dificulta, e muito, no tratamento da doença e em possíveis cura.

1. Não parecer deprimida
Nem todas as pessoas que sofrem de depressão passam 24 horas por dia trancadas no quarto chorando. Visivelmente são pessoas comuns, que levam a vida normalmente, mas que em seu interior levam uma profunda tristeza. Estas são as mais difíceis de identificar.

2. Vive constantemente reclamando de cansaço
O cansaço é um dos efeitos colaterais mais fortes na depressão. A doença causa sensação de canseira sem que a pessoa se esforce; não há respostas para tal sensação, mas é algo que deve ser levado em consideração. Fique atento às pessoas que reclamam de cansaço excessivo sem razão aparente para isso.

4. Tem dificuldade de corresponder ao afeto recebido
A pessoa não consegue corresponder a quem lhe oferece afeto e carinho, não é capaz de sentir nada. Suas emoções são momentâneas, passageiras, não consegue sentir felicidade por estar sendo “querida”.

5. Recusa atividades que antes gostava
Foge de atividades que gostava, se recusa a participar delas por um longo período. Tais atividades não produzem mais a mesma sensação de prazer de antes.

6. Hábitos alimentares incomuns
Quem sofre de depressão acaba, de certa forma, descontando na comida. Em consumo grande ou pequeno, dependendo do distúrbio ocasionado. Mudanças radicais e repentinas na alimentação também podem ser um sinal de alerta.

8. Os dias são bem cheios de oscilações
É uma doença de altos e baixos, capaz de fazer com que a pessoa que sofre tenha dias bons em meio a tanta tristeza, e dias ruins, ou seja, os dias de crise, de choro, de depressão “visível”.

 Fonte: Blasting News
Comente aqui


Arquidiocese de Londrina protesta contra Teatro sobre Jesus

Virou polêmica. Deu Ibope. Despertou curiosidade. Deixou muita gente com raiva, a favor contra,  a apresentação de peça Teatral  durante o Filo, que trouxe uma mulher transexual relendo parábolas de Jesus. Tanto que a reitoria da UEL teve determinar a transferência do local da apresentação, que seria inicialmente na Capela do Calçadão da UEL, alvo recente de uma outra polêmica, envolvendo a laicidade do Estado.  O teatro aconteceu. Deu mais público do que a organização esperava. Um sucesso. Mas as ofensas estão aí. Tudo marca do nosso tempo, fechamentos em gueto, que não se respeitam nada e ninguém, que não faz parte do seu mundo, do seu jeito de pensar. Conservadorismo e liberalismo, em rota de colisão. Que tristeza… Gostei da nota abaixo, assinada pelos nossos três bispos. A Arquiodecese de Londrina perdoou as ofensas recebidas contra a fé e a pessoa principal do Cristianismo, mas deixou clara sua posição e firmeza a favor da liberdade religiosa, neste teatro violada. Pontua que não persegue, mas ao contrário, acolhe a todas  as pessoas e sua orientação sexual. E que vai continuar seu trabalho de evangelizção que tem feito por meio de suas instituições e fiéis. Há uma sugestão na nota de Fazer adoração Eucaristia nas Igrejas, em reparação ao que este teatro ofendeu. Eu sugiro também que nos católicos boicotemos o Filo esse ano e também que nos organizemos para rezar o terço no calçadão da UEL, dia destes.  

Nota da Arquidiocese

O teatro “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” realizado em nossa cidade, como evento cultural, carece de visão histórica, teológica e ética. Usar a pessoa de Jesus de Nazaré, para propagar determinada opção sexual e a ideologia de gênero, é um desrespeito à verdade e ao direito de liberdade religiosa, universalmente reconhecido. Pior, é um ultraje ao Filho de Deus e aos que O seguem e Nele creem.
Nós, católicos, respeitamos e acolhemos todas as pessoas e sua orientação sexual e também temos o direito de ser respeitados. Mais uma vez perdoamos as ofensas, mas isso não nos isenta de lamentar, repudiar e protestar, porém, sem violência.
Agradecemos todas as manifestações de repúdio ao referido teatro. Aconselhamos a fazermos adoração reparadora em nossas Igrejas. Todos sabemos que a Igreja católica é perita em arte e cultura. Para nós a arte é uma manifestação
do bem, da verdade, da beleza e caminho para Deus.
Continuemos servindo o povo londrinense com nossas 269 instituições de caridade, com nossas escolas, nossa PUC, nossos hospitais, nossos movimentos e pastorais. Nossos sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas, catequistas e
lideranças pastorais, são verdadeiros artistas que nos encantam e atraem a Jesus Cristo. Tudo fazemos em Seu nome e para a Sua maior glória.

Dom Orlando Brandes
Arcebispo de Londrina
Dom Albano Bortoletto Cavallin
Arcebispo Emérito
Cardeal Dom Geraldo M. Agnelo
Arcebispo Emérito

5 Comentários


Liberte-se desses vícios e tenha um bom dia

3 vícios que você tem de manhã e que prejudicam o resto do seu dia

Desafie-se: acabe com esses 3 vícios e perceba a diferença positiva!

cafe

Creative Commons

Vício 1: Espiar seu email e suas redes sociais

Seu telefone “inteligente” facilitou para você este hábito que é muito pouco inteligente: mal acorda, você já confere o que há no seu email, no WhatsApp, nos fluxos do Facebook, do Twitter ou das outras tantas redes sociais de que possivelmente participa. Qual é o problema deste vício? Simples: você começa a se conectar com a vida alheia e com assuntos de trabalho antes mesmo de se conectar consigo próprio! Você permite que a enxurrada de coisas externas comece o dia por você, arrastando-o num fluxo sem foco, em vez de ser o protagonista consciente que começa o dia com serenidade, fazendo uma oração de agradecimento e de oferecimento, cuidando da sua higiene e aparência pessoal, alongando-se, sentindo o sol e a brisa nem que seja da janela, saudando com um sorriso e um beijo a sua família, tomando um café-da-manhã saudável e, então sim, se preparando para uma jornada produtiva e construtiva de trabalho.

Vício 2: Ler ou ver notícias ruins

Você já sabe disso. A mídia sempre prioriza o que dá audiência, e, num mundo sem foco em construir, o que dá audiência é tudo aquilo que destrói: desgraças, tragédias, crises, problemas, divisões, perigos, ameaças… É claro que é necessário estar consciente dos problemas do mundo (desde que seja para ajudar a resolvê-los e não apenas para resmungar deles), mas o começo da manhã não é o momento mais adequado para se atualizar a este respeito. As notícias ruins estimulam raiva e medo; a raiva e o medo estimulam a liberação do cortisol, que é o hormônio do estresse. E, entre as várias coisas de que você não precisa no começo da sua manhã, certamente está essa dose evitável de cortisol. Respeite a serenidade e a harmonia no seu início de dia!

Vício 3: Pré-ocupar-se com tarefas do trabalho

Você mal iniciou o dia e já está se “pré-ocupando”: pré-ocupar-se é ocupar-se previamente, é antecipar mentalmente uma torrente de assuntos com os quais não pode se ocupar de verdade no momento presente; é gerar ansiedades e falta de foco já nos primeiros minutos do dia. A preocupação é isso: “pré-ocupação”, antecipação daquilo a que você ainda não pode se dedicar produtivamente nesse instante. Prefira abastecer-se de serenidade ao dar início à nova jornada: há um tempo para cada ato e cada ato deve ser realizado em seu tempo! Aprenda a viver o momento presente. Se no café-da-manhã você já está pensando ou falando no que deve ser feito durante o trabalho, você nem está trabalhando nem está tomando um café-da-manhã saudável.

Fonte: Aleteia
Comente aqui


O último lugar para ser feliz

 EVANGELHO Lc 14,1.7-14

22º DOMINGO TEMPO COMUM -ANO C

1Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 7Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola: Resultado de imagem para quando deres um jantar convida os pobres

8“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar.

10Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”.

12E disse também a quem o tinha convidado: “Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. 13Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.

ORAÇÃO PARA O 22º DOMINGO TEMPO COMUM

  Quanta honra e alegria vir a Ti, Senhor Deus. Tu me reservaste e   consagraste a Ti, para viver na Tua presença e de Santidade. Teu amor me envolveu, me atraiu Tua infinita bondade e misericórdia. Tens uma aliança eterna de amor e fidelidade com toda humanidade, para salvar e libertar a todos que creem e te amam. Doravante, posso ir diretamente a Ti, participar das coisas do Céus, ainda estando nesta terra. Desejo Te encontrar sempre e conhecer Teus mistérios. Grande e Santo és Tu, Pai amado. Louvado sejas para sempre, meu Deus.

Olhando para Tua vida e ministério, meu Jesus, salvador da minha vida, encho-me de alegria, fé e esperança. Deus tão grande, infinito, agora tão perto de nós. Eu tão pequeno, pecador, indigno, libertado, curado, sarado, salvo por Tua Cruz, sacrifício e Calvário. Senhor Jesus, dá-me a graça de poder superar minhas misérias com Tua misericórdia. Que eu não seja confundido na minha caminhada de fé, pelas tentações do mal, que quase sempre insiste em apontar que não sou merecedor do Teu Amor, do Teu perdão.  Jesus, sem Ti, resta-me o erro, engano, desespero, tristeza e morte.  Eu Te Amo, meu Senhor; quero permanecer na Tua presença, graça e salvação, oh Cristo. Que eu não seja confundido nos momentos de provações e tribulações quando olhar para Tua aparente derrota, pobreza e fraqueza, Jesus.

Tem sido uma batalha grande minha luta contra o pecado em minha vida. Nem sempre venço, caio, sou traído. Preciso de Ti, Senhor Jesus. Lava-me e purifica-me com Teu sangue em cada Eucaristia que comungo, em cada momento de Adoração que realizo. Suplico que Teu Espírito fortaleça minha fé, neste combate espiritual. Que eu possa crescer e amadurecer na vida de oração, na meditação da Bíblia. Vem Espírito Santo, vem eliminar todo sentimento e atitude de arrogância que vai brotando em meu coração. Ajude-me a conhecer e fazer a vontade de Deus, na minha vida. Dá-me da Tua Unção para uma nova conversão da minha fé.  Tira da minha vida e do meu toda forma de orgulho. Espírito Santo age com poder inclusive onde tudo parece ser atitude e gesto de humildade, mas é falso, hipócrita. Quero conhecer a verdade sobre mim, para que minha conversão seja verdadeira e profunda. Santifica minha vida, Senhor, com Tuas graças e bênçãos.  Que eu canto Te grande aleluia, dê glórias a Ti, para sempre.

O Senhor ama os humildes, os simples, como te amaste virgem Maria. Interceda por mim, oh mãe querida, para que eu me torne uma pessoa cada vez mais livre de qualquer pensamento, palavra ou gestos que possa ser expressão de orgulho, de busca por segurança pessoal ou benefício próprio. Peço-te, oh santa que ajude a responder ao Amor de Jesus, com grande alegria no coração, e coragem. Ensina-me, oh minha mãe, a acolher o Reino, a  crer no poder da cruz e da misericórdia, sinais da força da humildade que vencem o orgulho do mundo e instaura a fraternidade, gera paz e vida. Como serviste tua prima Isabel, peço-te que caminhe comigo, para que o meu coração deseje sempre servir a todos, com simplicidade e generosidade, para que o mundo creia, espere e lute em Cristo, teu santo Filho, nosso Senhor, Salvador.  Amem. Amém. Ave-maria…

Comente aqui


Mensagem da CNBB para o Dia do Catequista

Dia do Catequista: Episcopado brasileiro mostra sua gratidão

A Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma mensagem aos catequistas do país, por ocasião do seu dia, que será comemorado em 28 de agosto, no contexto do mês vocacional. No texto expressam a gratidão pelo trabalho evangelizador dessas pessoas.

“Seu sim ajudou a Igreja a ser Evangelizadora; a ser mais Igreja”, expressa a mensagem aos catequistas, assinada pelo Arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão, Dom José Antônio Peruzzo.

Em nome da CNBB, o Prelado afirma que se serve da comemoração do Dia do Catequista “para uma palavra permeada de sincero afeto e imensa gratidão. Embora não seja possível ser suficientemente grato a tanta dedicação, com muita simplicidade, apresento-me para uma reflexão agradecida”.

Dom Peruzzo, então, convida cada catequista a recordar uma “experiência pessoas muito singular”, quando recebeu “o convite a tornar-se Catequista”.

“Certamente – expressa – está presente em sua memória a pessoa, as frases e o contexto. Lembra também de sua própria reação? Talvez inquietação, ou dúvidas, ou temor por não se sentir apta(o). É até possível que lhe tenha aflorado a preocupação pela falta de tempo…”.

Apesar de tantas objeções, assinala o Bispo, o convite foi aceito e ainda deve estar na lembrança os motivos que levaram a esta decisão. “E o Espírito Santo estava lá: movia, suscitava, inquietava”, indica.

“E eis que desde sua liberdade e desde sua capacidade de amar houve um movimento de afeição amorosa pelo Senhor, pela comunidade, pelos ‘seus’ catequizandos”, acrescenta.

Nesse sentido, passado algum tempo, Dom Peruzzo lança aos catequistas “duas perguntas bastante simples: “mais ofereceu ou mais recebeu? Mais aprendeu ou mais ensinou?”.

O presidente da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética reconhece que em muitos momentos se apresentam o desânimo e sinais de cruz. Entretanto, reforça que sempre há muito crescimento, sinais da proximidade de Deus e experiências de fé.

“É… Catequese é um caminho, um discipulado, um encontro que perdura e atravessa os anos. Mas o Senhor nunca se deixa vencer em generosidade. Quantas graças!”, expressa.

Por fim, o Prelado recorda aos catequistas que eles ajudam a Igreja a ser evangelizadora, “a ser mais Igreja”, e que a dedicação dessas pessoas as “faz lembrar-se de que o Senhor Jesus quer ser conhecido mais por seu amor do que por doutrinas”.

“Por isso mesmo – conclui – o episcopado brasileiro lhe agradece, caríssima(o) Catequista. E neste dia louva o Senhor por seu ministério. Que Deus lhe multiplique em bênçãos a bênção que é Você para a nossa Igreja”.

Confira na íntegra a Mensagem dos Bispos aos Catequistas

Caríssima irmã, caríssimo irmão Catequista.

Os caminhos da Igreja no Brasil assinalam o mês de agosto com uma nobre particularidade. A temática vocacional recebe forte acentuação: dia dos pais, dia do padre, dia do religioso, dia do Catequista. Este previsto para o próximo dia 28.08.

Em nome da CNBB quero servir-me da data para uma palavra permeada de sincero afeto e imensa gratidão. Embora não seja possível ser suficientemente grato a tanta dedicação, com muita simplicidade, apresento-me para uma reflexão agradecida. 

Começo chamando-lhe à recordação uma sua experiência pessoal muito singular: lembra quando alguém lhe dirigiu o convite a tornar-se Catequista? Certamente está presente em sua memória a pessoa, as frases e o contexto. Lembra também de sua própria reação? Talvez inquietação, ou dúvidas, ou temor por não se sentir apta(o). É até possível que lhe tenha aflorado a preocupação pela falta de tempo…

Mesmo assim, embora com tantas objeções, Você aceitou. Estou certo que ainda estão bem presentes os motivos que moveram a aceitar… E o Espírito Santo estava lá: movia, suscitava, inquietava. E eis que desde sua liberdade e desde sua capacidade de amar houve um movimento de afeição amorosa pelo Senhor, pela comunidade, pelos “seus” catequizandos.   

Hoje, tendo já passado um bom tempo, talvez anos, cabem duas perguntas bastante simples: mais ofereceu ou mais recebeu? Mais aprendeu ou mais ensinou? É verdade que os desânimos por vezes se apresentaram; também sinais de cruz se pronunciaram. Mas quanto crescimento! Quantos sinais da proximidade de Deus! Quantas experiências de fé! É… Catequese é um caminho, um discipulado, um encontro que perdura e atravessa os anos. Mas o Senhor nunca se deixa vencer em generosidade. Quantas graças!!!

Seu sim ajudou a Igreja a ser Evangelizadora; a ser mais Igreja. Sua dedicação de Catequista a(o) faz lembrar-se de que o Senhor Jesus quer ser conhecido mais por seu amor do que por doutrinas. Por isso mesmo o episcopado brasileiro lhe agradece, caríssima(o) Catequista. E neste dia louva o Senhor por seu ministério. Que Deus lhe multiplique em bênçãos a bênção que é Você para a nossa Igreja. 

 Dom José Antonio Peruzzo

Arcebispo de Curitiba-PR
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética

Fonte: ACD Digital
Comente aqui


A vida conjugal na prática

13 fatos sobre o casamento que ninguém conta

A verdade é que grande parte das pessoas inicia uma família com uma mochila cheia de falsas esperanças, crenças irracionais, mitos e falácias que não correspondem à realidade

couple silence

Voyagerix

Vivemos um tempo em que a preparação acadêmica e para o mercado de trabalho caminha a passos largos, enquanto a orientação sobre relacionamentos, a organização do lar e a criação dos filhos ficam sem maiores explicações. O fato é que grande parte das pessoas inicia uma família com uma mochila cheia de falsas esperanças, crenças irracionais, mitos e falácias que não correspondem à realidade. De acordo com um artigo publicado no portal La Familia, se os casais recebessem orientação adequada, as taxas de divórcio e, consequentemente, o sofrimento humano que ele traz para o casal e os filhos seriam consideravelmente reduzidos.

Abaixo estão algumas verdades que ninguém conta sobre a vida de um casal, um pequeno manual que pode ajudar a entender o que é normal e até necessário para um relacionamento durar:

1. Amor e convivência se aprendem

Ninguém nasce sabendo. Precisamos aprender a pensar em fazer o outro feliz em vez de medir o que o outro faz para você, para renovar a ilusão, para se comunicar, sem ferir seus sentimentos, para discutir, negociar, para gerir as nossas emoções de forma construtiva. Apesar de ser extremamente importante, não aprendemos sobre isso. Pelo contrário, recebemos informação da televisão e da mídia com uma boa dose de sexo sem compromisso, infidelidade e todos os tipos de mitos e falácias sobre o que é amor autêntico e generoso.

2. Não confunda amor verdadeiro com a paixão e a insanidade temporária inicial. “Estar apaixonado é uma fase da relação e não dura para sempre.”

Esses incêndios podem durar entre dois e quatro anos. As pessoas que apenas querem viver esse tipo de relacionamento são forçadas a mudar constantemente de parceiros, experimentando a dor e a solidão em cada ruptura até que um novo parceiro reapareça no horizonte.

3. O amor cresce com tempo e esforço

Aprenda a construir e manter um amor. Nós compartilhamos a ideia errada de que, se as coisas correrem bem, é porque estamos apaixonados e, se temos dificuldades, significa que não estamos. Outro equívoco é que o amor é mensurável e você sempre tem que ter a medida máxima para que ele dure. A realidade é que o verdadeiro amor cresce com tempo e esforço. Seu relacionamento é como um jardim que precisa de atenção e cuidado e, se você fertilizá-lo, regá-lo e arrancar as ervas daninhas, ele vai florescer ao longo da vida. Quando você parar de cultivar seu relacionamento, ele começará a murchar.

4. Não espere que seu parceiro atenda a todas as suas necessidades

A única pessoa que pode fazer você feliz e encher a sua vida é você mesmo. Não finja que o outro faz isso por você. E somente se você for capaz de atender às suas necessidades e viver uma vida plena, você será capaz de fazer a outra pessoa feliz.

5. Não é a todo momento que você vai se sentir atraída por seu parceiro

Embora saibamos que a falta de atração no casamento possa aparecer em um momento ou outro, não significa que tudo acabou. A mídia constantemente nos bombardeia com mitos e falácias sobre o que é amor, e a maioria das pessoas não tem outra fonte de informação. Uma das falácias mais comuns que nos dão é que, se você não se sente tremendamente atraído pelo seu parceiro, isso significa que você está com a pessoa errada. Viver juntos nos faz ver o nosso parceiro em muitas situações diferentes.

6. Os períodos de indiferença são parte do verdadeiro amor

Um mito muito comum é pensar: “Nos conhecemos, nos apaixonamos e por isso vamos viver felizes para sempre”. Esse modelo esconde de nós uma parte essencial: desgosto. E, se você não experimentar esses momentos em uma fase de paixão, isso não significa que tudo está acabado. Isso significa que você pode dedicar tempo e energia para melhorar seu relacionamento: interesses comuns, fazendo coisas que vocês gostan juntos. Mesmo se você não tiver uma paixão, não significa que seu relacionamento está morto ou condenado. Algumas pessoas experimentam com mais frequência do que outros, e não há absolutamente nenhuma correlação entre experimentar uma fase de paixão com o sucesso de um relacionamento.

7. Tenha em mente que você vai passar por uma crise, mas ela pode ajudar a crescer e a fortalecer vocês como um casal

Sabendo que esta é a melhor maneira de se preparar para isso, você não levanta a guarda. Faz parte da vida. Não pense que tudo acabou, é hora de testar o amor e os pontos fortes.

8. Não espere sentir. Primeiro vem o comportamento e, em seguida, a emoção

O que não é usado é perdido, mas não espere sentir afeto ou desejo para se envolver em relacionamentos íntimos com seu parceiro ou para expressar seu amor. Comece a praticar ambos, e seu amor e saudade pelo outro se multiplicarão. Há momentos em que o estresse do trabalho e da vida cotidiana, o cuidado com as crianças ou sofrimento emocional decorrentes da educação de adolescentes afogam ambos os sentimentos. Mas não deixe morrer, procure tempo para estarem juntos e maneiras de reviver bons momentos.

9. O sexo é um ato sagrado de dar e receber

A falta de educação sexual adequada e emocional é outra falta do nosso currículo. Aprendemos com a mídia, os pares e, agora, cada vez mais, com a pornografia, que o sexo é algo usado para a autossatisfação, a aprovação ou a segurança. Sexualidade saudável não é nada disso. O sexo é uma expressão de amor, um ato de conexão, onde é praticada a arte e a habilidade de dar e receber.

10. O casamento é projetado para ajudá-lo a crescer

O casamento não é “felizes para sempre”, o lugar de descanso, de felicidade eterna. O casamento é uma das maneiras mais desafiadoras e gratificantes que podemos realizar como seres humanos. É a oportunidade diária para desenvolver a melhor versão de nós mesmos, o amor, a generosidade, senso de humor, inteligência emocional, compaixão, perdão e muitas outras virtudes com as quais nascemos. Infelizmente não nos ensinam, mas a grande notícia é que podemos aprender! É a melhor maneira de viver.

11. Os modelos que tivemos influenciam em nossa maneira de nos relacionar com o outro

Se você teve a sorte de crescer em um casamento saudável, é muito mais provável que naturalmente tenha aprendido os princípios e ações necessários para um casamento bem sucedido. Mas, se você testemunhou um casamento caracterizado pela crítica, disputas, raiva, ressentimento ou maus tratos físicos e verbais, você terá que lutar para deixar para trás esse modelo. Não é uma tarefa fácil, mas apenas porque requer esforço não significa que você esteja com a pessoa errada.

12. Vida com crianças pequenas é muito cansativa e estressante

Ter filhos é uma das coisas mais maravilhosas que você pode fazer. É um investimento para o futuro. Mas você tem que saber que é uma fonte de estresse e discórdia, mesmo no melhor dos casamentos. É importante encontrar tempo para cuidar do relacionamento do casal. Pertencer a um grupo de apoio a casais ou frequentar uma escola para pais pode ser maravilhoso para aprender como os outros estão enfrentando os mesmos problemas e ver que não estão sozinhos nisso.

13. Em algum momento de sua vida de casada, outra pessoa por quem você se sente atraída vai aparecer

Você simplesmente se sentir atraído por outra pessoa significa que você está vivo e você é um ser humano. Existe o perigo de isso acontecer com pessoas que normalmente tentam (colegas de trabalho ou qualquer outra atividade). Quando você percebe que isso acontece, não se deixe arrastar pela nova pessoa, não abra uma janela para deixá-la entrar (não diga seus problemas). Não se engane em pensar que vai controlá-lo achando que, se você tem um bom relacionamento, isso não vai acontecer. Isso ocorre apesar de ter um bom casamento. Mas, se você continuar a cultivar um relacionamento com essa pessoa sem perceber, ele se tornará o foco prioritário de seu interesse e seu parceiro vai sempre perder pontos.

Fonte:  Sempre Família
Comente aqui


Bíblia é o livro mais lido no Brasil

Brasil: um país de leitores… da Bíblia

Bastante já foi dito sobre os resultados da 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, promovida pelo Instituto Pró-livro e realizada pelo Ibope. O país anda lendo mais do que há quatro anos – exceto nossa elite econômica – e que os leitores são pessoas mais ativas do que os não leitores. No entanto, ainda é preciso jogar luz sobre um dos dados que o estudo revela: quando lê, o brasileiro lê principalmente a Bíblia.

A Bíblia também encabeça os gêneros preferidos de pessoas de todas as faixas etárias (5 a 10, 11 a 13, 14 a 17, 18 a 24, 25 a 29, 30 a 39, 40 a 49, 50 a 69 e 70 e mais) e níveis de escolaridade (Fundamentai I, Fundamental II, Ensino Médio e Superior) abarcados pelo estudo. Foi ainda o título mais citado como última leitura dos entrevistados – 225 menções, seguido por “Diário de um Banana” e “Casamento Blindado”, ambos lembrados 11 vezes – e é a obra mais marcante da vida de 482 pessoas ouvidas – a segunda posição aqui ficou com “A Culpa é Das Estrelas”, mencionado em 56 oportunidades. Não bastasse, é diretamente responsável por uma das curiosidades da pesquisa: ao indicarem o autor do último livro que estavam lendo, alguns entrevistados (1%) citaram entidades religiosas normalmente ligas à Bíblia, como Jesus e Moisés.

Até professores preferem a Bíblia

A Retratos da Leitura no Brasil também apresenta alguns recortes específicos sobre o hábito de leitura dos professores e profissionais da educação. Nessa categoria, a Bíblia também se destaca: ela que lidera, por exemplo, a lista dos 11 títulos mais citados pelos educadores, com 22 menções – “Esperança” está na segunda posição, com 5 citações.

Fonte: Blog Página Cinco
Comente aqui