cidadania



Não corte sua cruz

Contos edificantes: “A Haste da Cruz”

© Clément SACCOMANI / CIRIC
Vista nocturna de gente rezando en el Barrio de la Ensenada de la ciudad de Lima (Perú)

“O dia chegará em que seremos vítimas das mutilações feitas na haste da nossa cruz”

Conta‑nos uma lenda de antanho que a um homem a quem cumpria fazer grande jornada deram a carregar pesada cruz, dizendo‑lhe que ela o levaria à salvação.

Tendo feito pequena parte do trajeto, vencido e desanimado pelo cansaço, deliberou ele cortar um pedaço da longa haste de sua carga.

Mais aligeirado, pôs‑se de novo a caminho e jornadeou até o ponto em que a estrada subia por uma encosta longa e pedregosa. Ali sentiu que se lhe agravava o peso da cruz. Doíam‑lhe os ombros, tinha as pernas trôpegas, arfava e transudava.

Na irreflexão da impaciência, põe por terra o seu fardo e outra vez o mutila em sua haste.

Parte. Alcança o sopé do outeiro e se vê às margens de um rio sem ponte.

Só então observou que outros viajantes ali chegados levavam, também, pesadas cruzes de longas hastes e, mais resistentes e tolerantes, conservaram‑nas intactas.

Estes as estenderam de margem a margem e, fazendo‑as de pontilhões, atingiram o lado oposto e lá se foram.

Aquele, porém, que encurtara a haste de sua cruz viu que ela não lhe poderia prestar o mesmo auxílio. Tentando meter‑se rio adentro, desapareceu levado pelos redemoinhos da correnteza.

É límpida a lição da fábula. Todos os que vivemos a cortar, com golpes arbitrários, em nossos deveres e obrigações para com Deus, podemos levar, por algum tempo, vida mundanamente fácil, mas sempre enganosa. O dia chegará em que seremos vítimas das mutilações feitas na haste da nossa cruz.

_______________

A partir de texto de Malba Tahan em “Lendas do Céu e da Terra” (Ed. Borgoi. São Paulo ‑ SP /1ª edição ‑ 1939, págs. 16 e 17)

 Fonte: Aleteia
Comente aqui


Pensamento de Madre Teresa de Calcuta

Lições da Madre Teresa de Calcutá

© Francois LE DIASCORN/Gamma-Rapho via Getty

Perguntas e respostas simples e diretas para inspirar seu cotidiano

O dia mais belo?
Hoje

A coisa mais fácil?
Errar

 O maior obstáculo?
O medo.

O maior erro?
O abandono.

A raiz de todos os males?
O egoísmo.

A distração mais bela?
O trabalho.

A pior derrota?
O desânimo.

Os melhores professores?
As crianças.

A primeira necessidade?
Comunicar-se.

O que mais lhe faz feliz?
Ser útil aos demais.

O maior mistério?
A morte.

O pior defeito?
O mau humor.

A pessoa mais perigosa?
A mentirosa.

O sentimento mais ruim?
O rancor.

O presente mais belo?
O perdão.

O mais imprescindível?
O lar.

A rota mais rápida?
O caminho certo.

A sensação mais agradável?
A paz interior.

A proteção afetiva?
O sorriso.

O melhor remédio?
O otimismo.

A maior satisfação?
O dever cumprido.

A força mais potente do mundo?
A fé.

As pessoas mais necessárias?
Os pais.

A mais bela de todas as coisas?
O amor!

Fonte: aleteia
Comente aqui


Jamais desista de sonhar

Você tem um sonho? Não desista dele!

Reprodução

Após rejeição em fast food e em Harvard por 10 vezes, chinês funda empresa que vale mais de US$ 200 bilhões

Quantas vezes você já ouviu um sonoro “não” na vida? Se a resposta vier do chinês Jack Ma, a negativa apareceu pelo menos 10 vezes quando tentou entrar na concorrida Universidade de Harvard e até mesmo ao se aplicar para uma vaga de emprego em uma rede de fast food. Mas parece que, no final das contas, a sorte sorriu para ele. Atualmente é o dono de uma empresa que vale mais de 200 bilhões de dólares!

Com persistência e dedicação no currículo, o CEO tem uma trajetória pessoal interessante, cheia de altos e baixos que o transformaram em quem é hoje, uma pessoa leve, divertida e simples para seus parâmetros. Até performance ao som de Rei Leão ele já fez para seus funcionários, então podemos dizer que é alguém um tanto peculiar.

Celebridade no meio executivo e empreendedor, Ma Yun, nome “oficial” de Jack, cresceu na cidade chinesa de Hangzhou, e era um garoto inquieto. Ao invés de bagunçar em casa, pegava sua bike e ia até um hotel local para praticar inglês com os turistas. Isso quando tinha apenas 10 anos de idade! Foi dessa maneira que começou a abrir sua mente para o mundo ao redor.

Para quem dificuldade com cálculos, ele é um sopro de esperança. Na escola em sua região, o ensino não era dos melhores. Após três tentativas para ingressar em universidades locais, nas quais falhava em testes de matemática, enfim conseguiu entrar no curso de administração e seus resultados foram acima da média. Ambicioso, sempre fez de tudo para conseguir alguma grana, desde vender remédios até tentar a sorte no mercado de ações. Quem nunca, né.

A visão de ficar milionário antes dos 35 anos era o que o mantinha na ativa desde a pouca idade. Mas a trajetória foi longa e repleta de rejeição. Em entrevistas, ele chega a lembrar das situações com bastante humor. Jack Ma foi rejeitado em Harvard por 10 vezes, onde é preciso ser aceito por meio de uma carta que solicita a entrada, e em 30 trabalhos diferentes, incluindo na rede de fast food KFC, onde foi o único do processo seletivo que não conseguiu o emprego. A mesma cena se repetiu quando tentou ingressar na polícia chinesa.

Em 1995, quando foi ao Estados Unidos pela primeira vez, teve contato com o mundo mágico da internet, na época, precária, em comparação com os dias atuais. Depois de conhecer as pessoas certas nos lugares certos, uma ajudinha do acaso, passou a criar negócios na internet, sempre focados em sua terra natal. Alguns falharam miseravelmente, até que o jogo começou a virar a seu favor.

Fundou a Alibaba em 1999 com o intuito de ser uma conhecida startup da China e de ajudar pequenos produtores que não tinham ferramentas para lucrar mais com suas vendas. A gigante do e-commerce, que é dona do AliExpress, é um enorme mercado online de exportação e importação, que reúne fabricantes, fornecedores, importadores, exportadores, compradores, comerciantes e acionistas.

Além de ser o homem mais rico da China, Jack Ma está em 21º no ranking de bilionários da Bloomberg. Uma de suas inspirações é um personagem cinematográfico bastante conhecido e adorado. Eu amo o Forrest Gump. Um cara simples, que não desiste nunca. Mantenha a simplicidade, nunca desista, acredite no que está fazendo, goste do que está fazendo, mesmo que os outros não entendam”, declarou durante uma entrevista. Pelo visto, essa receita deu certo!

Fonte: Razões para Acreditar
1 Comentário


O que é perdão…

Perdoar é se lembrar sem se ferir

Perdoar não é esquecer: isso é amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer: isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento

Dia desses, passeando pelo Instagram, me deparei com uma frase de um autor desconhecido: “Perdoar não é esquecer: isso é amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer: isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento…”

E parei para pensar no que a frase diz. Que o perdão é uma decisão – nem sempre simples, nem sempre fácil -, mas ainda assim, uma decisão de seguir em frente sem mágoa ou dor. Não é simplesmente “deixar pra lá”, deletar e não pensar mais no assunto. É sim, conseguir encarar a questão e não ter mais sofrimento ao confrontá-la.

Para isso, é preciso rasgar-se e então remendar-se. Escancarar todas as feridas para depois curá-las. Ousar remover todos os curativos para então ventilá-los.

Quem concede o perdão beneficia a si mesmo. Pois ao se livrar de lembranças dolorosas, mágoas rasgadas e ressentimentos embolorados, percebe que se curou.

Ninguém esquece daquilo que lhe feriu, que doeu, que dilacerou. Mas a gente pode superar. Pode enxergar o que rasgou sem se machucar. Pode entender o que morreu sem se enlutar. Pode conviver com o que restou sem se magoar. Isso é perdoar. Isso é permitir que a história siga seu curso trazendo uma lembrança que não pesa mais.

Na vida é necessário perdoar sempre. Perdoar a finitude das coisas, perdoar a pressa do tempo, perdoar as despedidas e os pontos de vista, perdoar erros bobos ou grandiosos, perdoar as ausências, perdoar a falta de jeito e a indiferença. Sem o perdão, ficamos presos a um lugar de falhas e faltas. Não seguimos em frente, não superamos, não evoluímos.

É preciso ser leve. Absolver a existência de culpas que nos atam a um lugar que não existe mais, e livrar nossa história de ressentimentos antigos. Se sua infância foi dolorosa, se seus pais não cuidaram de você com cuidado, se você sofreu bullying na escola, se seu primeiro namorado lhe traiu, se sua amiga lhe humilhou… tudo isso passa a ser irrelevante quando você aprende a perdoar. Quando você entende que a dor pelos fatos ocorridos pode ser carregada ou não. Quando você percebe que as feridas fazem parte da sua história, mas é você que decide como quer lidar com elas.

A gente não se esquece dos cacos de vidro que pisou, mas a cura chega quando a gente volta a caminhar sem dor. A gente se lembra, mas não se importa mais. Isso é perdoar. Isso é permitir que sua história siga sem lhe machucar.

Talvez seja hora de encarar aquilo com que não sabemos lidar e simplesmente perdoar. Iremos descobrir que não precisamos esquecer pra seguir em frente, e sim decidir que isso não tem o poder de nos machucar mais.

O perdão é uma escolha. Uma escolha de viver sem dívidas com o passado, uma escolha de se desvencilhar das mágoas e ressentimentos e, principalmente, uma escolha de viver sem dor.

Fonte: A soma de todos os afetos

 

1 Comentário


Música um santo remédio para dormir

A música pode ajudar a dormir? Siga estes 3 conselhos

Quando o sono não vem, a música pode ser nossa melhor aliada

Não importa quão jovem ou velho sejamos, nós precisamos dormir. Sabemos também que, a medida que ficamos mais idosos, dormir é cada vez mais difícil, por vários fatores. As causas que nos dificultam adormecer podem ser fisiológicas (desde dores no corpo até problemas endócrinos) como psicológicas (ansiedade, preocupações e outros males próprios da nossa estressada contemporaneidade), levando-nos, em casos extremos, a uma inversão dos nossos ciclos normais de sono: dormimos durante o dia, esgotados por causa de uma noite sem dormir, e quando anoitece ainda temos energia.

Um dos nossos melhores aliados nestes casos, ainda que pareça difícil de acreditar, é a música. Geralmente, a música nos desperta, anima, alegra, mas também pode servir para relaxar e nos preparar para passar uma noite de descanso. Em um artigo publicado no Nuverz, Rachelle Norman oferece uma série de passos simples para nos ajudar a fazer da música nossa aliada para dormir.

  1. Bloquear o som externo

Especialmente para aqueles que vivem em cidades, o ruído da rua pode facilmente entrar em nossos quartos durante a noite: sirenes, carros, conversas na rua, aviões; tudo contribui para nos assustar. A música pode funcionar como uma cortina: assim como esta última pode cobrir a luz exterior, a primeira pode funcionar para cobrir, em um volume apropriado, os ruídos provenientes do exterior.

  1. Selecione músicas que relaxam o corpo e a mente

O ritmo de um coração relaxado é de aproximadamente sessenta batimentos por minuto. Isso é praticamente uma batida por segundo, com algumas variações. A música que se encaixa nesse ritmo é ideal, porque o corpo e a mente acabarão se adaptando também. O ideal é programar (em qualquer dispositivo digital que usamos para ouvir música) uma hora de música (ou trinta minutos, depende do que achamos que precisamos) e, em seguida, o dispositivo desliga (há funções que permitem que você faça isso de uma maneira muito simples, como a função “sleep” das TVs), para evitar que a música continue por tempo excessivo.

  1. Respirar e ouvir

Às vezes, o que nos mantém acordados é a mente dando voltas. A música se oferece como uma espécie de “objeto exterior”, onde fixamos nossa atenção, distraindo assim nossos pensamentos. Trata-se simplesmente de ouvir e respirar. Assim, nossa mente tem uma oportunidade de descansar.

Fonte: aleteia

Comente aqui


Bispo com 150 “esposas”?

O bispo que “se casou” com 150 mulheres

© Commonwealth of Australia (National Archives of Australia) 2017

Caso insólito aconteceu nas ilhas Tiwi, norte da Austrália

Houve um bispo nas ilhas Tiwi, costa norte da Austrália, que teve 150 “esposas”. O próprio dom Francis Xavier Gsell destaca esse fato insólito na sua autobiografia, que foi publicada quando ele se tornou emérito, em 1956.

90% dos habitantes das ilhas Tiwi são da etnia aborígene kiwi. Em 1922, depois de vários anos na região, aconteceu algo na vida do bispo que mudaria a sua vida: uma adolescente que vivia na missão local se queixou de que iam entregá-la a um esposo já idoso.

Dom Gsell não podia fazer nada, porque essa era a lei da ilha. Soluçando, a jovem foi obrigada a ir embora para uma vida de sacrifícios imprevisíveis. Cinco dias depois, porém, ela voltou sangrando, com uma ferida de lança na perna. Tinha escapado e afirmava que não queria mais sair da missão.

O “esposo” e os familiares, enfurecidos, foram falar com o bispo, que lhes ofereceu uma série de presentes: tabaco, um espelho, carne, latas de melado… Mas havia uma condição: “A menina fica”. A negociação durou várias horas, mas, no final, eles concordaram.

A partir dessa experiência, dom Francis Xavier Gsell começou a “comprar” a liberdade das moças. No total, libertou 150 delas – que, segundo a lei tribal, passavam a ser consideradas como suas “esposas”, embora, obviamente, não o fossem na prática. O bispo pagava o dote e as recebia na missão, onde as jovens aprendiam a ler e escrever, a desempenhar um ofício e, finalmente, conseguiam formar a própria família.

© Commonwealth of Australia (National Archives of Australia) 2017

A história e a vida de dom Francis Xavier Gsell é cheia de aventuras e de formas originais de evangelização. Você pode ler mais sobre ele nesta matéria, em espanhol, do site Religión en Libertad.

Fonte: Aleteia
1 Comentário


Dia Mundial dos Pobres, mensagem do Papa

Mensagem do Papa Francisco para o I Dia Mundial dos Pobres

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

No dia 19 de novembro de 2017, será celebrado pela primeira vez o Dia Mundial dos Pobres, instituído pelo Papa Francisco em 21 de novembro de 2016, ao final do Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

“À luz do ‘Jubileu das Pessoas Excluídas Socialmente’, celebrado quando já se iam fechando as Portas da Misericórdia em todas as catedrais e santuários do mundo, intuí que, como mais um sinal concreto deste Ano Santo extraordinário, se deve celebrar em toda a Igreja, na ocorrência do XXXIII Domingo do Tempo Comum, o Dia Mundial dos Pobres”, explicou o Papa naquela ocasião.

Para este Dia, a Santa Sé publicou hoje uma mensagem intitulada “Não amemos com palavras, mas com obras”, na qual o Pontífice assegura que “o amor não admite álibis: quem pretende amar como Jesus amou, deve assumir o seu exemplo, sobretudo quando somos chamados a amar os pobres”.

Confira a seguir, a mensagem completa:

Não amemos com palavras, mas com obras

1. «Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade» (1 Jo 3, 18). Estas palavras do apóstolo João exprimem um imperativo de que nenhum cristão pode prescindir. A importância do mandamento de Jesus, transmitido pelo «discípulo amado» até aos nossos dias, aparece ainda mais acentuada ao contrapor as palavras vazias, que frequentemente se encontram na nossa boca, às obras concretas, as únicas capazes de medir verdadeiramente o que valemos. O amor não admite álibis: quem pretende amar como Jesus amou, deve assumir o seu exemplo, sobretudo quando somos chamados a amar os pobres. Aliás, é bem conhecida a forma de amar do Filho de Deus, e João recorda-a com clareza. Assenta sobre duas colunas mestras: o primeiro a amar foi Deus (cf. 1 Jo 4, 10.19); e amou dando-Se totalmente, incluindo a própria vida (cf. 1 Jo 3, 16).

Um amor assim não pode ficar sem resposta. Apesar de ser dado de maneira unilateral, isto é, sem pedir nada em troca, ele abrasa de tal forma o coração, que toda e qualquer pessoa se sente levada a retribuí-lo não obstante as suas limitações e pecados. Isto é possível, se a graça de Deus, a sua caridade misericordiosa, for acolhida no nosso coração a pontos de mover a nossa vontade e os nossos afetos para o amor ao próprio Deus e ao próximo. Deste modo a misericórdia, que brota por assim dizer do coração da Trindade, pode chegar a pôr em movimento a nossa vida e gerar compaixão e obras de misericórdia em prol dos irmãos e irmãs que se encontram em necessidade.

2. «Quando um pobre invoca o Senhor, Ele atende-o» (Sal 34/33, 7). A Igreja compreendeu, desde sempre, a importância de tal invocação. Possuímos um grande testemunho já nas primeiras páginas do Atos dos Apóstolos, quando Pedro pede para se escolher sete homens «cheios do Espírito e de sabedoria» (6, 3), que assumam o serviço de assistência aos pobres. Este é, sem dúvida, um dos primeiros sinais com que a comunidade cristã se apresentou no palco do mundo: o serviço aos mais pobres. Tudo isto foi possível, por ela ter compreendido que a vida dos discípulos de Jesus se devia exprimir numa fraternidade e numa solidariedade tais, que correspondesse ao ensinamento principal do Mestre que tinha proclamado os pobres bem-aventurados e herdeiros do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3).

«Vendiam terras e outros bens e distribuíam o dinheiro por todos, de acordo com as necessidades de cada um» (At 2, 45). Esta frase mostra, com clareza, como estava viva nos primeiros cristãos tal preocupação. O evangelista Lucas – o autor sagrado que deu mais espaço à misericórdia do que qualquer outro – não está a fazer retórica, quando descreve a prática da partilha na primeira comunidade. Antes pelo contrário, com a sua narração, pretende falar aos fiéis de todas as gerações (e, por conseguinte, também à nossa), procurando sustentá-los no seu testemunho e incentivá-los à ação concreta a favor dos mais necessitados. E o mesmo ensinamento é dado, com igual convicção, pelo apóstolo Tiago, usando expressões fortes e incisivas na sua Carta: «Ouvi, meus amados irmãos: porventura não escolheu Deus os pobres segundo o mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que O amam? Mas vós desonrais o pobre. Porventura não são os ricos que vos oprimem e vos arrastam aos tribunais? (…) De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, e um de vós lhes disser: “Ide em paz, tratai de vos aquecer e matar a fome”, mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta» (2, 5-6.14-17).

3. Contudo, houve momentos em que os cristãos não escutaram profundamente este apelo, deixando-se contagiar pela mentalidade mundana. Mas o Espírito Santo não deixou de os chamar a manterem o olhar fixo no essencial. Com efeito, fez surgir homens e mulheres que, de vários modos, ofereceram a sua vida ao serviço dos pobres. Nestes dois mil anos, quantas páginas de história foram escritas por cristãos que, com toda a simplicidade e humildade, serviram os seus irmãos mais pobres, animados por uma generosa fantasia da caridade!

Dentre todos, destaca-se o exemplo de Francisco de Assis, que foi seguido por tantos outros homens e mulheres santos, ao longo dos séculos. Não se contentou com abraçar e dar esmola aos leprosos, mas decidiu ir a Gúbio para estar junto com eles. Ele mesmo identificou neste encontro a viragem da sua conversão: «Quando estava nos meus pecados, parecia-me deveras insuportável ver os leprosos. E o próprio Senhor levou-me para o meio deles e usei de misericórdia para com eles. E, ao afastar-me deles, aquilo que antes me parecia amargo converteu-se para mim em doçura da alma e do corpo» (Test 1-3: FF 110). Este testemunho mostra a força transformadora da caridade e o estilo de vida dos cristãos.

Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz. Estas experiências, embora válidas e úteis a fim de sensibilizar para as necessidades de tantos irmãos e para as injustiças que frequentemente são a sua causa, deveriam abrir a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida. Na verdade, a oração, o caminho do discipulado e a conversão encontram, na caridade que se torna partilha, a prova da sua autenticidade evangélica. E deste modo de viver derivam alegria e serenidade de espírito, porque se toca palpavelmente a carne de Cristo.

Se realmente queremos encontrar Cristo, é preciso que toquemos o seu corpo no corpo chagado dos pobres, como resposta à comunhão sacramental recebida na Eucaristia. O Corpo de Cristo, repartido na sagrada liturgia, deixa-se encontrar pela caridade partilhada no rosto e na pessoa dos irmãos e irmãs mais frágeis. Continuam a ressoar de grande atualidade estas palavras do santo bispo Crisóstomo: «Queres honrar o corpo de Cristo? Não permitas que seja desprezado nos seus membros, isto é, nos pobres que não têm que vestir, nem O honres aqui no tempo com vestes de seda, enquanto lá fora O abandonas ao frio e à nudez» (Hom. in Matthaeum, 50, 3: PG 58).

Portanto somos chamados a estender a mão aos pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma.

4. Não esqueçamos que, para os discípulos de Cristo, a pobreza é, antes de tudo, uma vocação a seguir Jesus pobre. É um caminhar atrás d’Ele e com Ele: um caminho que conduz à bem-aventurança do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3; Lc 6, 20). Pobreza significa um coração humilde, que sabe acolher a sua condição de criatura limitada e pecadora, vencendo a tentação de omnipotência que cria em nós a ilusão de ser imortal.

A pobreza é uma atitude do coração que impede de conceber como objetivo de vida e condição para a felicidade o dinheiro, a carreira e o luxo. Mais, é a pobreza que cria as condições para assumir livremente as responsabilidades pessoais e sociais, não obstante as próprias limitações, confiando na proximidade de Deus e vivendo apoiados pela sua graça. Assim entendida, a pobreza é o metro que permite avaliar o uso correto dos bens materiais e também viver de modo não egoísta nem possessivo os laços e os afetos (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 2545).

Assumamos, pois, o exemplo de São Francisco, testemunha da pobreza genuína. Ele, precisamente por ter os olhos fixos em Cristo, soube reconhecê-Lo e servi-Lo nos pobres. Por conseguinte, se desejamos dar o nosso contributo eficaz para a mudança da história, gerando verdadeiro desenvolvimento, é necessário escutar o grito dos pobres e comprometermo-nos a erguê-los do seu estado de marginalização. Ao mesmo tempo recordo, aos pobres que vivem nas nossas cidades e nas nossas comunidades, para não perderem o sentido da pobreza evangélica que trazem impresso na sua vida.

5. Sabemos a grande dificuldade que há, no mundo contemporâneo, para se poder identificar claramente a pobreza. E todavia esta interpela-nos todos os dias com os seus inúmeros rostos vincados pelo sofrimento, a marginalização, a opressão, a violência, as torturas e a prisão, pela guerra, a privação da liberdade e da dignidade, pela ignorância e o analfabetismo, pela emergência sanitária e a falta de trabalho, pelo tráfico de pessoas e a escravidão, pelo exílio e a miséria, pela migração forçada.

A pobreza tem o rosto de mulheres, homens e crianças explorados para vis interesses, espezinhados pelas lógicas perversas do poder e do dinheiro. Como é impiedoso e nunca completo o elenco que se é constrangido a elaborar à vista da pobreza, fruto da injustiça social, da miséria moral, da avidez de poucos e da indiferença generalizada!

Infelizmente, nos nossos dias, enquanto sobressai cada vez mais a riqueza descarada que se acumula nas mãos de poucos privilegiados, frequentemente acompanhada pela ilegalidade e a exploração ofensiva da dignidade humana, causa escândalo a extensão da pobreza a grandes sectores da sociedade no mundo inteiro. Perante este cenário, não se pode permanecer inerte e, menos ainda, resignado.

À pobreza que inibe o espírito de iniciativa de tantos jovens, impedindo-os de encontrar um trabalho, à pobreza que anestesia o sentido de responsabilidade, induzindo a preferir a abdicação e a busca de favoritismos, à pobreza que envenena os poços da participação e restringe os espaços do profissionalismo, humilhando assim o mérito de quem trabalha e produz: a tudo isso é preciso responder com uma nova visão da vida e da sociedade.

Todos estes pobres – como gostava de dizer o Beato Paulo VI – pertencem à Igreja por «direito evangélico» (Discurso de abertura na II Sessão do Concílio Ecuménico Vaticano II, 29/IX/1963) e obrigam à opção fundamental por eles. Por isso, benditas as mãos que se abrem para acolher os pobres e socorrê-los: são mãos que levam esperança. Benditas as mãos que superam toda a barreira de cultura, religião e nacionalidade, derramando óleo de consolação nas chagas da humanidade. Benditas as mãos que se abrem sem pedir nada em troca, sem «se» nem «mas», nem «talvez»: são mãos que fazem descer sobre os irmãos a bênção de Deus.

6. No termo do Jubileu da Misericórdia, quis oferecer à Igreja o Dia Mundial dos Pobres, para que as comunidades cristãs se tornem, em todo o mundo, cada vez mais e melhor sinal concreto da caridade de Cristo pelos últimos e os mais carenciados. Quero que, aos outros Dias Mundiais instituídos pelos meus Antecessores e sendo já tradição na vida das nossas comunidades, se acrescente este, que completa o conjunto de tais Dias com um elemento requintadamente evangélico, isto é, a predileção de Jesus pelos pobres.

Convido a Igreja inteira e os homens e mulheres de boa vontade a fixar o olhar, neste dia, em todos aqueles que estendem as suas mãos invocando ajuda e pedindo a nossa solidariedade. São nossos irmãos e irmãs, criados e amados pelo único Pai celeste. Este Dia pretende estimular, em primeiro lugar, os crentes, para que reajam à cultura do descarte e do desperdício, assumindo a cultura do encontro.

Ao mesmo tempo, o convite é dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade. Deus criou o céu e a terra para todos; foram os homens que, infelizmente, ergueram fronteiras, muros e recintos, traindo o dom originário destinado à humanidade sem qualquer exclusão.

7. Desejo que, na semana anterior ao Dia Mundial dos Pobres – que este ano será no dia 19 de novembro, XXXIII domingo do Tempo Comum –, as comunidades cristãs se empenhem na criação de muitos momentos de encontro e amizade, de solidariedade e ajuda concreta.

Poderão ainda convidar os pobres e os voluntários para participarem, juntos, na Eucaristia deste domingo, de modo que, no domingo seguinte, a celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo resulte ainda mais autêntica. Na verdade, a realeza de Cristo aparece em todo o seu significado precisamente no Gólgota, quando o Inocente, pregado na cruz, pobre, nu e privado de tudo, encarna e revela a plenitude do amor de Deus. O seu completo abandono ao Pai, ao mesmo tempo que exprime a sua pobreza total, torna evidente a força deste Amor, que O ressuscita para uma vida nova no dia de Páscoa.

Neste domingo, se viverem no nosso bairro pobres que buscam proteção e ajuda, aproximemo-nos deles: será um momento propício para encontrar o Deus que buscamos. Como ensina a Sagrada Escritura (cf. Gn 18, 3-5; Heb 13, 2), acolhamo-los como hóspedes privilegiados à nossa mesa; poderão ser mestres, que nos ajudam a viver de maneira mais coerente a fé. Com a sua confiança e a disponibilidade para aceitar ajuda, mostram-nos, de forma sóbria e muitas vezes feliz, como é decisivo vivermos do essencial e abandonarmo-nos à providência do Pai.

8. Na base das múltiplas iniciativas concretas que se poderão realizar neste Dia, esteja sempre a oração. Não esqueçamos que o Pai Nosso é a oração dos pobres. De facto, o pedido do pão exprime o abandono a Deus nas necessidades primárias da nossa vida. Tudo o que Jesus nos ensinou com esta oração exprime e recolhe o grito de quem sofre pela precariedade da existência e a falta do necessário.

Aos discípulos que Lhe pediam para os ensinar a rezar, Jesus respondeu com as palavras dos pobres que se dirigem ao único Pai, em quem todos se reconhecem como irmãos. O Pai Nosso é uma oração que se exprime no plural: o pão que se pede é «nosso», e isto implica partilha, comparticipação e responsabilidade comum. Nesta oração, todos reconhecemos a exigência de superar qualquer forma de egoísmo, para termos acesso à alegria do acolhimento recíproco.

9. Aos irmãos bispos, aos sacerdotes, aos diáconos – que, por vocação, têm a missão de apoiar os pobres –, às pessoas consagradas, às associações, aos movimentos e ao vasto mundo do voluntariado, peço que se comprometam para que, com este Dia Mundial dos Pobres, se instaure uma tradição que seja contribuição concreta para a evangelização no mundo contemporâneo.

Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda. Os pobres não são um problema: são um recurso de que lançar mão para acolher e viver a essência do Evangelho.

Vaticano, Memória de Santo Antônio de Lisboa, 13 de junho de 2017.

Franciscus

Fonte: Acidigital
Comente aqui


Quando a vida vence o aborto

 9 famosos que escaparam do aborto

Anton_Ivanov

Eles estiveram no alvo do aborto; mas porque escaparam e tiveram a oportunidade de nascer, puderam realizar os próprios talentos

Todos temos o direito a nascer; não importa quantos erros alguém possa cometer, há sempre uma razão maior para essa pessoa existir. Sempre vale a pena deixar cada um realizar o próprio show nessa terra! Tendo isso em vista, é quase impossível acreditar que os famosos abaixo quase não nasceram. Se fosse o caso, o mundo não seria o mesmo sem eles!

Steve Jobs

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Imagina a sua vida sem um Mac, I-Phone ou I-Pad? Se Joanne Schieble, com então 22 anos, tivesse desistido de levar a gestação a termo, a tecnologia não seria como conhecemos hoje.

Joanne, mãe biológica de Steve Jobs, engravidou do namorado sírio e decidiu colocar o bebê para adoção. Ela escolheu uma família financeiramente capaz de pagar pelos estudos universitários do bebê, porém quando os candidatos a pais descobriram que Joanne esperava um menino, recuaram porque queriam uma menina. Joanne, a ponto de dar a luz e sem tempo para procurar uma nova família, acabou concordando em entregar o filho para um casal humilde.

Jobs, em entrevista, declarou ser agradecido por não ter terminado em um aborto.

Justin Bieber

reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Em seu livro “Nowhere But Up”, Pattie Mallette, mãe de Justin Bieber, conta que quando se viu grávida aos 17 anos, foi pressionada a realizar um aborto. Mas isso nunca foi uma opção: “eu sabia que não poderia fazer isso”, revelou em entrevista. “A única coisa que eu sabia é que eu deveria manter a gestação. Eu não sabia como faria isso, mas eu apenas sabia que não poderia abortar”, disse.

Aos 18 anos, Pattie deu à luz a Justin em Ontário (Canadá) e o criou com a ajuda de seus pais Bruce e Diane, avós do cantor.

Roberto Gómez Bolaños

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Em um breve comercial no México, Roberto Gómez Bolaños (conhecido no Brasil por sua atuação como Chaves e Chapolin), revelou que quando sua mãe estava grávida sofreu um acidente em que quase morreu. Os médicos então recomendaram que ela abortasse. “Abortar, eu? Jamais!” respondeu a mãe. “Ela defendeu a vida, a minha vida. É graças a ela que eu estou aqui”, afirmou.

Susan Boyle

Wikipedia

Quando Bridget Boyle, aos 45 anos, engravidou, os médicos consideraram a gestação de risco e por isso a aconselharam a abortar. “Mas isso era impensável para minha mãe, uma católica devota. Eu só estou aqui porque ela teve fé”, contou a britânica.

Durante o parto, uma cesária de emergência, Susan sofreu falta de oxigênio e nasceu com pouco peso. Por isso, os médicos disseram a mãe: “Susan nunca será nada, não espere muito dela.” Em sua auto-biografia, Susan disse que os médicos não deveriam ter feito esse comentário. “O que eles não sabiam é que eu sou uma lutadora e tentei durante toda minha vida provar que eles estavam errados”.

Susan Boyle ganhou atenção internacional durante uma apresentação no programa “Britain’s Got Talent”. Seu primeiro álbum “I Dreamed a Dream” (2009) bateu recordes de vendas no Reino Unido e totalizou quase 14 milhões de cópias vendidas no mundo. Susan ganhou dois Grammys e é conhecida por apoiar causas caritativas.

Cristiano Ronaldo

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Quando Maria Dolores descobriu que estava grávida pela quarta vez, procurou por um médico para realizar o aborto. Este, porém, respondeu que não havia nenhuma razão física para abortar e que esse bebê lhe traria muita alegria na vida. Sem a cumplicidade do médico, Dolores tentou outros métodos de aborto que não funcionaram. Por fim, disse que “se a vontade de Deus é que esta criança nasça, que assim seja!”

Durante o parto, o mesmo médico disse uma frase que ficou para sempre na memória de Dolores: “Com pés como estes, será um jogador de futebol!” Em outras consultas, o médico vendo a preocupação da mãe, a animava dizendo: “Alegra-te, mulher, este bebê vai te dar muita sorte na vida e muitas felicidades!”

Cristiano é hoje a camisa 7 do clube espanhol Real Madrid e é considerado o maior jogador de futebol português de todos os tempos.

Celine Dion

no abortion (7)ab

Reprodução/YouTube

A mãe da cantora canadense ficou devastada ao saber que esperava por Celine, sua 14˚ criança, e contou a um padre que pretendia fazer um aborto; o sacerdote, então, a convenceu a não fazer isso e a aceitar o bebê. “Devo a minha vida a este padre”, disse a cantora. “Quando minha mãe superou a decepção, ela não perdeu tempo com auto-piedade e me amou tão apaixonadamente quanto ao meu irmão mais novo”, declarou.

Andrea Bocelli

no abortion (5)

Reprodução/YouTube

Quando sua mãe estava grávida, foi hospitalizada com apendicite. Em função do tratamento, os médicos a aconselharam a abortar porque o bebê poderia nascer com deficiências. Mesmo assim, a jovem mãe se recusou e deu à luz a Andrea Bocelli, que nasceu com uma voz capaz de emocionar audiências em todo o mundo.

Thiago Silva

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Dona Angela, mãe do jogador de futebol Thiago Silva, disse que pensou em abortar. “Eu cheguei a chorar no colo do meu pai dizendo que não queria fazer o aborto, mas que eu também não tinha condição de criar mais um filho. Só que ele não deixou que eu fizesse isso, que cometesse um pecado!”, contou a mãe.

De origem humilde, Thiago cresceu na favela de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Hoje, o caçula de dona Angela, é considerado um dos melhores (e mais caros) zagueiros no mundo.

Jack Nicholson

Reprodução/YouTube

Reprodução/YouTube

Aos 17 anos, June Frances Nicholson, apesar de pressionada pelos colegas a abortar, deu à luz a um bebê a quem chamou de Jack. June deixou o filho com os seus pais, John e Ethel, e o menino cresceu acreditando que os avós eram seus pais e que June era sua irmã. Somente após a morte da mãe, Nicholson descobriu a própria história. “Minha única emoção é gratidão, literalmente, pela minha vida. Se June e Ethel tivessem menos caráter, eu nunca teria chegado a viver. Essas mulheres me deram o presente da vida”, disse.

 

Fonte: Sempre Família
Comente aqui


Não diga isso a uma criança

As seis coisas que você nunca deve dizer para uma criança

Shutterstock-LittleDogKorat

Seis coisas negativas que os pais devem parar de dizer – e suas alternativas positivas

Como pais, nossas palavras muitas vezes vão além do que pretendemos que elas signifiquem. A criança, com sua perspectiva e abordagem diferentes, não ouve as coisas da mesma maneira, e essas palavras são muitas vezes fatores de estresse para ela.

“Em vez de criar um jogo de poder e castigo, com uma aparência de autoridade, é melhor ouvir a criança”, aconselha a psicoterapeuta Isabelle Filliozat, autora de Understanding Children’s Emotions (Entendendo o Coração das Crianças). O diálogo é um excelente ponto de partida para resolver uma situação complicada. Temos de encontrar as palavras certas para abrir uma discussão e deixar a criança expressar o que sente, e então guiá-la para a solução certa, em vez de humilhá-la em submissão.

Aqui estão 6 exemplos de frases negativas e suas alternativas positivas, de acordo com Isabelle Filliozat.

1 – A frase negativa: “Você é insuportável / impossível!”

Esta frase vem de um pai e mãe esgotados. O estresse os levam a atacar a criança. Estas são palavras extremamente violentas e perversas. A criança pode congelar, murchar e ficar em silêncio. Mas muito rapidamente, seu corpo se solta e a criança se torna agressiva. Ela vai ao ataque, não contra os seus pais, mas contra um dos seus irmãos ou irmãs, por exemplo. Sua agressão é uma reação de estresse extremo, um comportamento de transbordamento.

A alternativa positiva: “Eu entendo que não saímos o suficiente hoje e que você não tem outra solução a não ser pular no sofá!”

2 – A frase negativa: “Vá para o seu quarto!”

Esta é uma exclusão muito difícil para as crianças entenderem. Esta frase é duplamente negativa: significa “não quero vê-lo aqui” e “não quero vê-lo quando você está se comportando mal”. Exatamente quando a criança mais precisa de seus pais, eles estão dizendo para se afastar e se isolar. As áreas de estresse do cérebro são ativadas. Quanto menor a criança, mais ela precisa de seu pai e sua mãe para ajudá-la a regular suas emoções. Antes dos 13 ou 14 anos de idade, ela não é capaz de controlar suas emoções. Parte do processo de aprendizagem envolve colocar palavras em sentimentos. Se dissermos a uma criança, “vejo lágrimas nos seus olhos”, nós a ajudamos a identificar e regular suas emoções.

A alternativa positiva: “Venha aqui, vamos conversar e nos abraçar”.

3 – A frase negativa: “Você não presta atenção em mim. Você acabou de fazer exatamente o que eu disse para não fazer!”

O cérebro de uma criança muda com sua idade. Uma criança que tem de 2 a 3 anos de idade não ouve o negativo. Quando lhe dizem, por exemplo, “Não entre na casa com as botas cheias de lama!”, ela ouve, “Entre na casa com as botas cheias de lama!”. Ela olha para os pais para ter certeza de que está respondendo ao pedido.

A partir do momento em que algo é proibido, há o risco de a criança querer fazê-lo novamente. Pode parecer que, repreendendo, o adulto recupera o controle. Ele congela a criança com um sentimento de medo e vergonha. Mas… ele não educou a criança porque a relação causal não é definida. A criança fará a coisa proibida outra vez até que o pai controle outra vez a situação com medo e vergonha.

A alternativa positiva: “O que está acontecendo? Diga-me como você se sente”.

4 – A frase negativa: “Pare de me pedir isso!”

Quando uma criança parece estar chorando por algo, temos que olhar para o que ela quer, para a verdadeira necessidade. A criança está expressando algo. Se ela está implorando para assistir desenhos animados, por exemplo, isso não é o que ela quer mais profundamente. Ela está realmente pedindo afeto, um abraço, para responder ao estresse que sente, para acalmar seu cérebro. Dependendo da situação e do caráter da criança, a resposta pode ser oferecer um momento de descanso ou uma brincadeira do lado de fora.

A alternativa positiva: “Você gostaria de dar um passeio?” ou “E se fizéssemos um desenho ou jogássemos algum jogo?”

5 – A frase negativa: “Sente-se!”

Esta é uma das frases mais tóxicas que se pode dizer a uma criança. Forçá-la a sentar colocando-a em uma posição de máximo estresse. Não é natural para ela. Pelo contrário, a criança precisa correr ou escalar árvores para seu bem-estar, mas também para ajudá-la a se concentrar na sala de aula, por exemplo. Ser ativo ajuda sua atenção. Quanto mais ela for forçada a fazer sua lição de casa, mais ela ficará estressada com dificuldades. Todo mundo tem suas próprias preferências. Algumas crianças podem se levantar para fazer sua lição de casa, então uma mesa alta pode servi-las. Por outro lado, estar constantemente assentado danifica os músculos das costas e do períneo. A criança precisa usar seus músculos para desenvolver seu corpo e minimizar o estresse. O resultado é uma melhor saúde do cérebro e uma regulação emocional.

A alternativa positiva: “Em que posição você quer ficar?”

6 – A frase negativa: “Você me esgota!”

Esta frase muito comum é uma forma de fazer a criança ter a responsabilidade pelo estado emocional de seus pais. É um grande fator de estresse para a criança. Ao invés de fazê-la carregar este fardo, os pais podem mostrar o seu humor de forma ilustrada, com um ímã na geladeira, por exemplo: um sol para os dias em que tudo está bem, uma pequena nuvem para os momentos em que você se sente um pouco pior, e uma nuvem com trovão em dias difíceis. A criança é naturalmente simpática, então ela vai entender os sentimentos de seus pais e agir adequadamente.

A alternativa positiva: “Estou cansada e preciso de um abraço”.

Fonte: Aleteia

Comente aqui


Família não é uma ideia ultrapassada

Papa Francisco: A família é um tesouro precioso e não “uma peça de museu”

  

Papa saúda uma família no Vaticano. Foto: L’Osservatore Romano
Comente aqui