perdoar



Vale a pena ser do Bem, sempre

EVANGELHO: Mt 13,24-43

16º DOMINGO COMUM – ANO A

Naquele tempo, 24Jesus contou outra parábola à multidão: “O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. 27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?’

28O dono respondeu: ‘Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’

29O dono respondeu: ‘Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!’”

31Jesus contou-lhes outra parábola: “O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. 32Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos”.

33Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”.

34Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, 35para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”.

36Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Explica-nos a parábola do joio!”

37Jesus respondeu: “Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. 39O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifeiros são os anjos. 40Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: 41o Filho do Homem enviará seus anjos, e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; 42e depois os lançarão na fornalha de fogo. Aí haverá choro e ranger de dentes.

43Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça”.

ORAÇÃO PARA O 16º DOMINGO COMUM

Meu Deus, Meu Senhor Jesus, como és grande e bondoso. É o amor do Pai no mundo, amor de Deus por todos nós, humanidade frágil, pequena, pecador, limitada. Como compreender e viver  fé, ter vida sadia, longe de Ti? Como amar fora do Teu amor, meu Senhor? Confesso que sem Ti, Jesus, meu coração já não consegue encontrar vida, graça e felicidade. Oh Jesus, amor da minha alma, salvador da minha vida, como é bom seguir-Te, com fé, rumo a casa do Pai, ao Céus

Teu amor, meu Senhor, é cheio de esperança por nós, por  mim, pobre pecador. Sempre me tratas com carinho, ensinas a amar me amando, oh Jesus. Eu não sou digno do Teu amor Senhor, isso eu sei. Tens muita paciência comigo, com meus erros e limites. Sempre Te vejo, Te sinto, pronto a perdoar, a me ajudar a continuar na caminhada da fé e da salvação. Sei que tenho tantas dificuldades para responder com mais firmeza e força, alegria e entusiasmo ao chamado à Santidade que me fazes todos os dias.  Suplico-Te, oh Senhor, que me ajudes a não Te abandonar jamais, quando tudo parecer muito difícil, quase impossível caminhar, quando minhas forças se esgotarem. Jesus, eu Te amo, só a Ti, amado meu.

Hoje, meu Jesus, Te vejo a me esperar a vencer meus limites, crescer, amadurecer, superar meu dificuldades, desenvolver uma vida espiritual e religiosa mais plena, sadia, verdade, pura, santa. Tu me ensinas assim, a amar, perdoar, esperar, confiar nos meus irmãos. Dá-me Teu Espírito Santo para que eu não tenha preguiça de orar, de conhecer a Bíblia, de Te adorar na Eucaristia, meu Jesus. Livra-me dos meus próprios apegos, me torna livre das minhas falsas seguranças deste mundo. Santifica-me, Jesus, com Teu Espírito para que o amor em mim seja reflexo, testemunho do Teu amor, Jesus. Que eu também perdoe, espere, confie no meu irmão que está no caminho de santificação, que saiba acolher e ajude a se levantar aquele que cai neste caminho de fé, vida e amor a Ti, meu Senhor. Jesus, que eu tenha misericórdia, que eu trate a todos, a começar por mim, com mais misericórdia, com a Tua bondade e misericórdia. 

Recorro também à tua intercessão, Maria, mãe de Deus. Peço-te que eu possas com tua ajuda cada vez mais me abandonar, me entregar a misericórdia, ao amor de Deus. Ajude-me me levantar, oh minha mãe, se eu cair, a retomar o caminho, prosseguir na fé quando o cansaço e o desânimo se abateram sobre mim. Maria, proteja-me com teu manto de toda arrogância e prepotência religiosas e espirituais, que não me ajudam a amar com teu filho Jesus me ama a mim e a todas as pessoas.  Desejo ser também paciente com quem não está mesma maturidade da fé do que eu. Peço-te a graça que não tratar os mais fracos e pequenos com violência, nem olhar para os maiores com inveja. Que eu saiba aceitar, oh minha mãe, meus limites e conheça minhas virtudes, para amar, amar, amar, sempre.  Maria, que cada vez mais eu experimente a misericórdia de Deus e o amor e graça, a  intercessão tua na minha vida, como mãe que não me deixa sucumbir, nem desistir diante de minhas misérias e dificuldades da vida. Amém. Amém. Amém.  Ave-Maria…

Comente aqui


O que é perdão…

Perdoar é se lembrar sem se ferir

Perdoar não é esquecer: isso é amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer: isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento

Dia desses, passeando pelo Instagram, me deparei com uma frase de um autor desconhecido: “Perdoar não é esquecer: isso é amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer: isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento…”

E parei para pensar no que a frase diz. Que o perdão é uma decisão – nem sempre simples, nem sempre fácil -, mas ainda assim, uma decisão de seguir em frente sem mágoa ou dor. Não é simplesmente “deixar pra lá”, deletar e não pensar mais no assunto. É sim, conseguir encarar a questão e não ter mais sofrimento ao confrontá-la.

Para isso, é preciso rasgar-se e então remendar-se. Escancarar todas as feridas para depois curá-las. Ousar remover todos os curativos para então ventilá-los.

Quem concede o perdão beneficia a si mesmo. Pois ao se livrar de lembranças dolorosas, mágoas rasgadas e ressentimentos embolorados, percebe que se curou.

Ninguém esquece daquilo que lhe feriu, que doeu, que dilacerou. Mas a gente pode superar. Pode enxergar o que rasgou sem se machucar. Pode entender o que morreu sem se enlutar. Pode conviver com o que restou sem se magoar. Isso é perdoar. Isso é permitir que a história siga seu curso trazendo uma lembrança que não pesa mais.

Na vida é necessário perdoar sempre. Perdoar a finitude das coisas, perdoar a pressa do tempo, perdoar as despedidas e os pontos de vista, perdoar erros bobos ou grandiosos, perdoar as ausências, perdoar a falta de jeito e a indiferença. Sem o perdão, ficamos presos a um lugar de falhas e faltas. Não seguimos em frente, não superamos, não evoluímos.

É preciso ser leve. Absolver a existência de culpas que nos atam a um lugar que não existe mais, e livrar nossa história de ressentimentos antigos. Se sua infância foi dolorosa, se seus pais não cuidaram de você com cuidado, se você sofreu bullying na escola, se seu primeiro namorado lhe traiu, se sua amiga lhe humilhou… tudo isso passa a ser irrelevante quando você aprende a perdoar. Quando você entende que a dor pelos fatos ocorridos pode ser carregada ou não. Quando você percebe que as feridas fazem parte da sua história, mas é você que decide como quer lidar com elas.

A gente não se esquece dos cacos de vidro que pisou, mas a cura chega quando a gente volta a caminhar sem dor. A gente se lembra, mas não se importa mais. Isso é perdoar. Isso é permitir que sua história siga sem lhe machucar.

Talvez seja hora de encarar aquilo com que não sabemos lidar e simplesmente perdoar. Iremos descobrir que não precisamos esquecer pra seguir em frente, e sim decidir que isso não tem o poder de nos machucar mais.

O perdão é uma escolha. Uma escolha de viver sem dívidas com o passado, uma escolha de se desvencilhar das mágoas e ressentimentos e, principalmente, uma escolha de viver sem dor.

Fonte: A soma de todos os afetos

 

1 Comentário