Vida Espiritual



O que vale a pena…

EVANGELHO: Mt 13,44-52

17º DOMINGO TEMPO COMUM – ANO C

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 44“O Reino dos Céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo. Imagen relacionada

45O Reino dos Céus é também como um comprador que procura pérolas preciosas. 46Quando encontra uma pérola de grande valor, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquela pérola.  

47O Reino dos Céus é ainda como uma rede lançada ao mar e que apanha peixes de todo tipo. 48Quando está cheia, os pescadores puxam a rede para a praia, sentam-se e recolhem os peixes bons em cestos e jogam fora os que não prestam. 

49Assim acontecerá no fim dos tempos: os anjos virão para separar os homens maus dos que são justos, 50e lançarão os maus na fornalha de fogo. E aí haverá choro e ranger de dentes.

51Compreendestes tudo isso?” Eles responderam: “Sim”.

52Então Jesus acrescentou: “Assim, pois, todo o mestre da Lei, que se torna discípulo do Reino dos Céus, é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas”.

ORAÇÃO PARA O 17º DOMINGO TEMPO COMUM

Eu Te louvo e Te agradeço, Senhor, por Ter me dado conhecer o Teu Reino.  É nele que encontro fé, esperança e alegria. Teu Reino é minha vida. Teu Reino é minha salvação. Toda graça e bênção estão no Reino. Ele é a Tua Verdade e Tua promessa para todos que creem e esperam em Ti, oh Senhor. Eu sempre espero e esperarei no Teu amor, crerei no Teu poder, no Teu amor e na Tua misericórdia  sem fim.

Jesus, Tu és o  Reino. Sim, proclamo agora, anunciou com toda minha força, com minha fé, que o Reino não é um lugar, mas uma pessoa. Tu, oh Cristo, és a face do Reino que o Pai promete a humanidade. Eu Te peço que cada vez eu posso penetrar nos mistério desse Reino, meu Senhor. Que eu dele possa participar, experimentar, viver todas as vezes que leio e medito a Palavra e celebre os sacramentos, especialmente a Eucaristia. Sim, Jesus, Tu és o Reino, a Eucaristia é o Teu corpo e sangue, alma e dividade, o Reino que faz novamente presente na Terra, no mundo, em mim, no meu coração. Obrigado, Jesus, pela Tua Santa Eucaristia, Reino renovado, ao meu alcance. Amém.

Ainda há muito que viver do Reino, Jesus. Por isso, suplico que me envies o Teu Santo Espírito, para que eu ame e me dedique totalmente ao Reino. Meu Senhor, Teu sede de vida, de sentido e vejo, sinto que o somente o Reino de Deus, Tu, é que podes me saciar. Só o Teu Reino vale a pena nesta vida, nesta existência. Livra-me de toda forma de confusão, de ilusão, com Tua Luz e Sabedoria, doce e poderoso Espírito Santo, para que possa ficar sempre na Verdade e com Verdade, Justiça, Santidade e Beleza do Reino de Deus. Dá uma coração inquieto com as coisas do Céus, para que eu possa também empenhar toda minha vida na experiência desde já do Reino de Deus.  Ajude-me com Teu Espírito, com uma nova unção, meu caminho de conversão para Deus, para o Reino. Eu confio. Eu creio. Eu amo o Reino, meu Jesus. Eu declaro, sou do Rei, Tu és meu único Rei. Que nada me afaste de Ti, Jesus.  Assim seja.

Sei Maria que o Reino de Deus, já começou, já está no meu de nós. Muito preciso ainda conhecer. Muitos necessitam encontrá-lo, amá-lo, servi-lo. Tu, oh mãe que nos destes o Reino, ajude-me a ser uma grande testemunha desse Reino de Deus, que se faz conhecer pelo amor, perdão, acolhida, misericórdia. Peço-te, oh virgem Maria, que pela tua poderosa intercessão eu me torne também sinal vivo do Reino de teu amado filho, Jesus.  Dá-me graça de falar, anunciar a beleza do Reino com muita ternura, alegria e entusiasmo. Que meu ser e minha vida falem do Reino de Deus, de Cristo, pelas atitudes firmes de esperança e bondade e de santidade. Também peço que me auxilies, o Maria, Bendita mãe, que minha vida seja cada vez mais um desapegar-se das coisas do mundo, das falsas seguranças e ideias de felicidade material, para a veracidade da minha palavra e do meu encontro com o Reino, onde nada mais é importante, onde não preciso de mais nada Só Cristo. Só Deus. Só a Salvação. Ave-Maria… 

 

Comente aqui


Não corte sua cruz

Contos edificantes: “A Haste da Cruz”

© Clément SACCOMANI / CIRIC
Vista nocturna de gente rezando en el Barrio de la Ensenada de la ciudad de Lima (Perú)

“O dia chegará em que seremos vítimas das mutilações feitas na haste da nossa cruz”

Conta‑nos uma lenda de antanho que a um homem a quem cumpria fazer grande jornada deram a carregar pesada cruz, dizendo‑lhe que ela o levaria à salvação.

Tendo feito pequena parte do trajeto, vencido e desanimado pelo cansaço, deliberou ele cortar um pedaço da longa haste de sua carga.

Mais aligeirado, pôs‑se de novo a caminho e jornadeou até o ponto em que a estrada subia por uma encosta longa e pedregosa. Ali sentiu que se lhe agravava o peso da cruz. Doíam‑lhe os ombros, tinha as pernas trôpegas, arfava e transudava.

Na irreflexão da impaciência, põe por terra o seu fardo e outra vez o mutila em sua haste.

Parte. Alcança o sopé do outeiro e se vê às margens de um rio sem ponte.

Só então observou que outros viajantes ali chegados levavam, também, pesadas cruzes de longas hastes e, mais resistentes e tolerantes, conservaram‑nas intactas.

Estes as estenderam de margem a margem e, fazendo‑as de pontilhões, atingiram o lado oposto e lá se foram.

Aquele, porém, que encurtara a haste de sua cruz viu que ela não lhe poderia prestar o mesmo auxílio. Tentando meter‑se rio adentro, desapareceu levado pelos redemoinhos da correnteza.

É límpida a lição da fábula. Todos os que vivemos a cortar, com golpes arbitrários, em nossos deveres e obrigações para com Deus, podemos levar, por algum tempo, vida mundanamente fácil, mas sempre enganosa. O dia chegará em que seremos vítimas das mutilações feitas na haste da nossa cruz.

_______________

A partir de texto de Malba Tahan em “Lendas do Céu e da Terra” (Ed. Borgoi. São Paulo ‑ SP /1ª edição ‑ 1939, págs. 16 e 17)

 Fonte: Aleteia
Comente aqui


Nova via para canonização na Igreja Católica

Através de um Motu Proprio (documento que parte do próprio Papa Francisco), o Vaticano estabelece um novo caso possível de beatificação: a oferta da própria vida.

Esta nova causa foi acrescentada às outras três existentes e reconhecias até agora pela Congregação para as Causas dos Santos: o martírio, as virtudes heroicas e os casos excepcionais.

“São dignos de especial consideração e honra os cristãos que, seguindo de perto os passos e os ensinamentos do Senhor Jesus, ofereceram voluntária e livremente a vida pelos outros e perseveraram até a morte neste propósito”, explica a Santa Sé.

O texto também manifesta que “é verdade que a oferta heroica da vida, sugerida e sustentada na caridade, expressa uma verdadeira, plena e exemplar imitação de Cristo e, portanto, é merecedor daquela admiração que a comunidade dos fiéis reserva muitas vezes àqueles que aceitaram voluntariamente o martírio de sangue ou exerceram o grau heroico das virtudes cristãs”.

A nova disposição recebeu o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, na sessão plenária do dia 27 de setembro de 2016, depois de um estudo cuidadoso desses casos.

O Motu Proprio prevê, portanto, que “a oferta da vida está oferecendo um novo caso no processo de beatificação e canonização, distinta dos casos de martírio e das heroicidade das virtudes”.

Para que a “oferta da vida” seja válida na beatificação de um Servo de Deus, deve responder a: “oferta livre e voluntária da vida e heroica aceitação propter caritatem de uma morte certa e decorrida num breve período de tempo”; “nexo entre a oferta da vida e a morte prematura”; “exercício, pelo menos em grau ordinário, das virtudes cristãs antes da oferta da vida e, depois, até a morte”; “existência da fama de santidade pelo menos depois da morte” e a “necessidade do milagre para a beatificação, ocorrida depois da morte do Servo de Deus e por sua intercessão”.

As outras três rotas

Em um artigo, o jornal oficial do Vaticano, L’Osservatore Romano, explica quais eram até agora as outras três vias. No martírio, contempla-se a “aceitação voluntária da morte violenta da vítima por amor a Cristo”; “o ódio do perseguidor pela fé ou por outra virtude cristã”, assim como a “mansidão e o perdão da vítima que imita o exemplo de Jesus, que na cruz invocou a misericórdia do Pai pelos seus assassinos”.

Na via das virtudes heroicas, devem exercer “convenientemente, prontamente, agradavelmente e sobre o modo de ação comum, para um fim sobrenatural e por um período constante de tempo, ou seja, até que se converta um modo habitual de ser e agir de acordo com o Evangelho”.

L’Osservatore Romano esclarece que “se tratam das virtudes teologais (fé, esperança, caridade), cardeais (prudência, justiça, fortaleza, temperança) e ‘anexas’ (pobreza, obediência, castidade, humildade)”.

A terceira via é menos conhecida e menos comum. Trata-se dos “casos excepcionais”, chamados assim pelo Código de Direito Canônico. “Seu reconhecimento leva à confirmação do culto antigo e também chamado de ‘beatificação equipolente’”.

O documento detalha a diferença entre a via do “martírio” das “virtudes heroicas” e desta nova via: a “oferta da vida”: “Embora tenha elementos que a assemelhem seja à via do martírio, seja à via das virtudes heroicas, esta nova via pretende valorizar um tipo de testemunho cristão heroico até agora sem um procedimento específico, justamente porque não se enquadra completamente nem na categoria do martírio nem na categoria das virtudes heroicas”.

Entretanto, em relação ao martírio “é diferente porque não há um perseguidor que iria impor a eleição contra Cristo”. Sobre a via das virtudes heroicas, a principal diferença é que “não é a expressão de um exercício prolongado das virtudes, e especialmente de uma caridade heroica”.

Portanto, para que esta nova causa seja válida, “é necessário um exercício ordinário da vida cristã, que torne possível e compreensível a decisão livre e voluntária de doar a própria vida em um supremo ato de amor cristão, que supere o instinto natural de sobrevivência, imitando Cristo, que se ofereceu ao Pai pelo mundo, na cruz”, diz o artigo.

Fonte: ACIDigital
Comente aqui


Vale a pena ser do Bem, sempre

EVANGELHO: Mt 13,24-43

16º DOMINGO COMUM – ANO A

Naquele tempo, 24Jesus contou outra parábola à multidão: “O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. 27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?’

28O dono respondeu: ‘Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’

29O dono respondeu: ‘Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e amarrai-o em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!’”

31Jesus contou-lhes outra parábola: “O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. 32Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos”.

33Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”.

34Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, 35para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”.

36Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Explica-nos a parábola do joio!”

37Jesus respondeu: “Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. 39O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifeiros são os anjos. 40Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: 41o Filho do Homem enviará seus anjos, e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; 42e depois os lançarão na fornalha de fogo. Aí haverá choro e ranger de dentes.

43Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça”.

ORAÇÃO PARA O 16º DOMINGO COMUM

Meu Deus, Meu Senhor Jesus, como és grande e bondoso. É o amor do Pai no mundo, amor de Deus por todos nós, humanidade frágil, pequena, pecador, limitada. Como compreender e viver  fé, ter vida sadia, longe de Ti? Como amar fora do Teu amor, meu Senhor? Confesso que sem Ti, Jesus, meu coração já não consegue encontrar vida, graça e felicidade. Oh Jesus, amor da minha alma, salvador da minha vida, como é bom seguir-Te, com fé, rumo a casa do Pai, ao Céus

Teu amor, meu Senhor, é cheio de esperança por nós, por  mim, pobre pecador. Sempre me tratas com carinho, ensinas a amar me amando, oh Jesus. Eu não sou digno do Teu amor Senhor, isso eu sei. Tens muita paciência comigo, com meus erros e limites. Sempre Te vejo, Te sinto, pronto a perdoar, a me ajudar a continuar na caminhada da fé e da salvação. Sei que tenho tantas dificuldades para responder com mais firmeza e força, alegria e entusiasmo ao chamado à Santidade que me fazes todos os dias.  Suplico-Te, oh Senhor, que me ajudes a não Te abandonar jamais, quando tudo parecer muito difícil, quase impossível caminhar, quando minhas forças se esgotarem. Jesus, eu Te amo, só a Ti, amado meu.

Hoje, meu Jesus, Te vejo a me esperar a vencer meus limites, crescer, amadurecer, superar meu dificuldades, desenvolver uma vida espiritual e religiosa mais plena, sadia, verdade, pura, santa. Tu me ensinas assim, a amar, perdoar, esperar, confiar nos meus irmãos. Dá-me Teu Espírito Santo para que eu não tenha preguiça de orar, de conhecer a Bíblia, de Te adorar na Eucaristia, meu Jesus. Livra-me dos meus próprios apegos, me torna livre das minhas falsas seguranças deste mundo. Santifica-me, Jesus, com Teu Espírito para que o amor em mim seja reflexo, testemunho do Teu amor, Jesus. Que eu também perdoe, espere, confie no meu irmão que está no caminho de santificação, que saiba acolher e ajude a se levantar aquele que cai neste caminho de fé, vida e amor a Ti, meu Senhor. Jesus, que eu tenha misericórdia, que eu trate a todos, a começar por mim, com mais misericórdia, com a Tua bondade e misericórdia. 

Recorro também à tua intercessão, Maria, mãe de Deus. Peço-te que eu possas com tua ajuda cada vez mais me abandonar, me entregar a misericórdia, ao amor de Deus. Ajude-me me levantar, oh minha mãe, se eu cair, a retomar o caminho, prosseguir na fé quando o cansaço e o desânimo se abateram sobre mim. Maria, proteja-me com teu manto de toda arrogância e prepotência religiosas e espirituais, que não me ajudam a amar com teu filho Jesus me ama a mim e a todas as pessoas.  Desejo ser também paciente com quem não está mesma maturidade da fé do que eu. Peço-te a graça que não tratar os mais fracos e pequenos com violência, nem olhar para os maiores com inveja. Que eu saiba aceitar, oh minha mãe, meus limites e conheça minhas virtudes, para amar, amar, amar, sempre.  Maria, que cada vez mais eu experimente a misericórdia de Deus e o amor e graça, a  intercessão tua na minha vida, como mãe que não me deixa sucumbir, nem desistir diante de minhas misérias e dificuldades da vida. Amém. Amém. Amém.  Ave-Maria…

Comente aqui


Fé no Filme Mulher Maravilha

Mulher Maravilha: combater o bom combate

DC Entertainment | Atlas

A luta da Princesa Diana é muito semelhante à nossa luta espiritual

Sinopse: Antes de ser a Mulher-Maravilha, ela era Diana, princesa das amazonas, treinada para ser uma guerreira invencível. Criada em uma ilha paradisíaca isolada, ela descobre que um enorme conflito assola o mundo exterior quando um piloto americano cai em suas terras. Diana deixa sua casa, convencida de que pode parar a ameaça. Lutando ao lado de homens em uma guerra para acabar com todas as guerras, Diana descobre a dimensão de seus plenos poderes… e seu verdadeiro destino.

Depois dos criticados filmes “Esquadrão suicida” e “Batman vsSuperman“, chega para nós o mais novo filme baseado em super-heróis da DC Comics. Chegou e chegou muito bem.

Já fomos apresentados à heroína no filme em que o Batman encara o o herói kryptoniano, mas, neste novo filme, podemos ver a sua origem e a sua descoberta de um mundo muito diferente daquele que conhecia em sua casa, na ilha de Themyscira.

Embora a Mulher-Maravilha tenha a sua origem relacionada com a mitologia grega, bem como o vilão do filme ser o deus grego Ares, podemos perceber com certa clareza como é a atuação do demônio em nossas vidas.

No filme é posto que a ação de Ares junto aos homens é no sentido de induzi-los à guerra, mas a decisão de se cometer o erro é exclusivo deles, em razão de seu livre-arbítrio. Da mesma forma é a atuação do diabo junto aos homens, em que age como que ficasse “sussurrando em nossos ouvidos” para que pequemos.

Isso já foi muito bem colocado por São João Paulo II na Exortação Apostólica Pós-Sinodal Reconciliatio et Paenitentia:

“(…)Deus é fiel ao seu desígnio eterno mesmo quando o homem, induzido pelo Maligno e arrastado pelo seu orgulho, abusa da liberdade que lhe foi dada para amar e procurar generosamente o bem, recusando a obediência ao seu Senhor e Pai; (…)

14. Se lermos a página bíblica da cidade e da torre de Babel à luz da novidade evangélica e a confrontarmos com a outra página da queda dos primeiros pais, podemos tirar daí elementos preciosos para uma tomada de consciência do mistério do pecado. Esta expressão, na qual se repercute o que São Paulo escreve acerca do mistério da iniquidade tem em vista fazer-nos perceber o que se esconde de obscuro e de inexplicável no pecado. Este, sem dúvida, é obra da liberdade do homem; mas por dentro da realidade desta experiência humana agem factores, pelos quais ela se situa para além do humano, na zona limite onde a consciência, a vontade e a sensibilidade do homem estão em contacto com forças obscuras que, segundo São Paulo, agem no mundo até ao ponto de quase o senhorearem.”

A influência do demônio na vida do homem nos leva a um duro combate, como descrito no Catecismo da Igreja Católica:

409. Esta dramática situação do mundo, que “está todo sob o poder do Maligno” (1 Jo 5,19), transforma a vida do homem num combate:

“Um duro combate contra os poderes das trevas atravessa toda a história dos homens. Tendo começado nas origens, há de durar – o Senhor no-lo disse – até ao último dia. Empenhado nesta batalha, o homem vê-se na necessidade de lutar sem descanso para aderir ao bem. Só através de grandes esforços é que, com a graça de Deus, consegue realizar a sua unidade interior.”

Ainda que o demônio persista em sua ação junto ao homem, não devemos nos deixar abater, pois isso não acontece sem a permissão de Deus diante de uma plano divino, como bem nos lembra Santo Agostinho:

Deus onipotente, sendo sumamente bom, não deixaria mal algum em sua obra, se não fosse tão poderoso e bom que pudesse tirar até do mal o bem.

Assim como no filme vemos a Princesa Diana e tantos outros tentando combater o bom combate contra seu inimigo, da mesma forma devemos nós nos vestirmos da armadura de Deus como descrito em Efésios 6, 13-18:

13.Tomai, por tanto, a armadura de Deus, para que possais resistir nos dias maus e manter-vos inabaláveis no cumprimento do vosso dever.
14.Ficai alerta, à cintura cingidos com a verdade, o corpo vestido com a couraça da justiça,
15.e os pés calçados de prontidão para anunciar o Evangelho da paz.
16.Sobretudo, embraçai o escudo da fé, com que possais apagar todos os dardos inflamados do Maligno.
17.Tomai, enfim, o capacete da salvação e a espada do Espírito, isto é, a palavra de Deus.
18.Intensificai as vossas invocações e súplicas. Orai em toda circunstância, pelo Espírito, no qual perseverai em intensa vigília de súplica por todos os cristãos.

 

Ficha técnica:

Gênero: Ação
Direção: Michelle MacLaren
Roteiro: Allan Heinberg, Flor Ferraco
Elenco: Ann Ogbomo, Chris Pine, Connie Nielsen, Eleanor Matsuura, Emily Carey, Eugene Brave Rock, Ewen Bremner, Florence Kasumba, Gal Gadot, Lisa Loven Kongsli, Lucy Davis, Madeleine Vall, Mayling Ng, Robin Wright, Roman Green
Produção: Charles Roven, Deborah Snyder, Zack Snyder
Trilha Sonora: Rupert Gregson-Williams
Duração: 140 min.
Ano: 2017
País: Estados Unidos
Distribuidora: Warner Bros
Estúdio: Atlas Entertainment / Cruel & Unusual Films / DC Entertainment
Classificação: 12 anos

Trailer

 

 

Fonte: Projeções de Fé
Comente aqui


Pensamento de Madre Teresa de Calcuta

Lições da Madre Teresa de Calcutá

© Francois LE DIASCORN/Gamma-Rapho via Getty

Perguntas e respostas simples e diretas para inspirar seu cotidiano

O dia mais belo?
Hoje

A coisa mais fácil?
Errar

 O maior obstáculo?
O medo.

O maior erro?
O abandono.

A raiz de todos os males?
O egoísmo.

A distração mais bela?
O trabalho.

A pior derrota?
O desânimo.

Os melhores professores?
As crianças.

A primeira necessidade?
Comunicar-se.

O que mais lhe faz feliz?
Ser útil aos demais.

O maior mistério?
A morte.

O pior defeito?
O mau humor.

A pessoa mais perigosa?
A mentirosa.

O sentimento mais ruim?
O rancor.

O presente mais belo?
O perdão.

O mais imprescindível?
O lar.

A rota mais rápida?
O caminho certo.

A sensação mais agradável?
A paz interior.

A proteção afetiva?
O sorriso.

O melhor remédio?
O otimismo.

A maior satisfação?
O dever cumprido.

A força mais potente do mundo?
A fé.

As pessoas mais necessárias?
Os pais.

A mais bela de todas as coisas?
O amor!

Fonte: aleteia
Comente aqui


Arte de viver com Alegria

A alegria de viver as bem-aventuranças de Tomás Moro

© Lazare

Felizes os que sabem rir de si mesmos, porque nunca deixarão de divertir-se

Felizes os que sabem rir de si mesmos,
porque nunca deixarão de divertir-se.
Felizes os que sabem distinguir uma montanha de uma pedra,
porque evitarão muitos inconvenientes.
Felizes os que sabem descansar e dormir sem buscar pretextos,
porque chegarão a ser sábios.
 
Felizes os que sabem escutar e calar,
porque aprenderão coisas novas.
Felizes os que são suficientemente inteligentes
a ponto de não se levar muito a sério,
porque serão valorizados pelos que os rodeiam.
 
Felizes os que estão atentos às necessidades dos outros
sem sentir-se indispensáveis,
porque serão distribuidores de alegria.
Felizes os que sabem ver com serenidade as pequenas coisas
e com tranquilidade as grandes coisas,
porque chegarão longe na vida.
 
Felizes os que sabem apreciar um sorriso
e esquecer um desprezo,
porque seu caminho será repleto de sol.
Felizes os que pensam antes de agir
e rezam antes de pensar,
porque não se agitarão diante dos imprevistos.
 
Felizes vocês que sabem calar e sorrir
quando lhes é tirada a palavra,
quando os contradizem ou pisam seus pés,
porque o Evangelho começa a penetrar em seu coração.
 
Felizes vocês se são capazes de interpretar
sempre com benevolência as atitudes dos outros,
mesmo quando as aparências são contrárias.
Parecerão inseguros, mas este é o preço da caridade.
 
Felizes sobretudo vocês que sabem
reconhecer o Senhor em tudo o que veem,
pois já encontraram a paz e a verdadeira sabedoria.

Fonte: Aleteia 
1 Comentário


Hino da JMJ 2019

Já ouviu o hino oficial da Jornada Mundial da Juventude 2019?

© World Youth Day

Letra convida os jovens a seguir o exemplo de Maria

As autoridades religiosas do Panamá apresentaram o hino oficial da Jornada Mundial da Juventude 2019. O nome da música é “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo vossa palavra”, composta por Abdiel Jiménez, um catequista e salmista da Paróquia de Cristo Ressuscitado, em San Miguelito, Panamá.

O hino escolhido foi analisado pelo Dicastério Vaticano para os Leigos, a Família e a Vida juntamente com outras 50 propostas. A letra, em espanhol, convida os jovens a seguir o exemplo de Maria e é uma preparação para a JMJ, que acontece em janeiro de 2019.

Fonte: aleteia
Comente aqui


Hábitos para melhorar sua Vida de oração

De manhã, à tarde e à noite: 11 hábitos para cultivar a vida de oração

©Racorn/Shutterstock

Ficar em união com Deus o dia todo é bem mais simples e espontâneo do que costumamos imaginar…

DE MANHÃ

1 – Levante cedo

Além de dar muito mais disposição física, acordar cedo é uma forma de garantir 5 a 30 minutos de oração silenciosa logo pela manhã, o que também dá muito mais disposição espiritual para o dia. Programe o despertador à noite e, quando ele soar, levante-se imediatamente, sem se enrolar na tentação natural de “mais um minutinho“. Faça desta a sua primeira oração do dia: a oferta espiritual a Deus do sacrifício de sacudir o sono! Experimente durante um mês: é um prazo normalmente suficiente para criar um hábito!

2 – Faça a Deus o oferecimento da manhã

Ao levantar-se da cama, ajoelhe-se, faça o Sinal da Cruz e ofereça o seu dia a Deus. Leva só alguns segundos, mas faz grande diferença ao longo do dia inteiro. Faça a oração de sua preferência: pode ser espontânea, pode ser um modelo de oração da tradição da Igreja. Logo abaixo, ao final deste artigo, sugerimos outro texto com mais dicas para este ato de oferecer o dia a Deus.

3 – Faça a sua oração mental matutina

Muitas pessoas preferem tomar seu banho e vestir-se antes de se dedicarem à oração mental, para fazê-la com mais concentração e melhor proveito. Você pode fazê-la em casa ou passar numa igreja quando estiver a caminho do trabalho – se possível, pelo menos algumas vezes por mês, procure fazê-la numa igreja em que se tenha adoração eucarística.

Não há uma duração determinada: podem ser 5 minutos, pode ser meia hora. Faça uma oração silenciosa e pessoal, conversando com Deus. Fale com Ele das suas necessidades e sonhos, mas também agradeça, reconheça os dons que Ele nos concede nas coisas simples de cada dia, interceda por quem precisa, peça perdão pelos seus egoísmos, erros, pecados… Louve-O, adore-O, contemple a Sua grandiosidade, os Seus mistérios, a Sua misericórdia, a Sua capacidade de nos dizer algo inclusive através dos grandes desafios que Ele nos permite enfrentar. Medite sobre alguma passagem das Sagradas Escrituras ou sobre os escritos espirituais de algum santo. Graças a Deus, opções não faltam!

 

AO LONGO DO DIA

4 – Converse com Deus e com Maria ao longo das suas tarefas

Ele está com você o tempo todo: é só questão de se lembrar disso! Muitas vezes, basta um olhar, um breve pensamento… Nem sempre é necessário usar palavras para se comunicar com Quem se ama.

Converse também com Maria, como um filho cheio de confiança e carinho! É claro que o ideal é dedicar ao terço um tempo de qualidade e recolhimento, mas, se isto não for possível todos os dias, saiba que ele pode ser rezado ao longo das atividades do cotidiano. Confira as ótimas sugestões deste artigo: 10 conselhos surpreendentes para rezar o rosário conversando com Maria no dia-a-dia!

5 – Recite alguma oração aprendida de memória

O tesouro da Igreja é repleto de belíssimas orações compostas por grandes santos, inclusive algumas em forma de poesia. Elas são excelentes recursos para nos inspirar, elevar e unir a Deus, além de poderem ajudar também na oração mental do dia seguinte. Entre os muitos possíveis exemplos, as poesias de São João da Cruz ou Santa Teresa de Jesus, ou o último parágrafo da célebre “Tarde te amei“, de Santo Agostinho.

6 – Ofereça a Deus os seus trabalhos, estudos, sofrimentos, inquietações, alegrias…

Tudo pode ser transformado em oração! A inspiradora súmula de vida dos monges beneditinos nos convida: “Ora et labora” – “Ora e trabalha“, inclusive transformando o trabalho (e o estudo) em prece mediante a sua oferta a Deus com as mais puras intenções.

Também a cruz é oração: grandes ou pequenos, não deixe passar em branco os seus sofrimentos e sacrifícios. Una-os ao Sacrifício Redentor de Jesus com amor e consciência. Isto é oração transformada em vida!

Coloque nas mãos de Deus também as suas preocupações, inquietações, desassossegos… Santo Agostinho nos lembra, numa das frases mais famosas de toda a história do cristianismo: “Fizeste-nos, Senhor, para Ti, e inquieto está o nosso coração até que repouse em Ti”. É junto dele que recobramos a serenidade, a paz, a quietude.

Se a dor pode ser oferecida a Deus, o mesmo vale para as alegrias: afinal, Deus é a Fonte de todo Bem e, portanto, de todas as legítimas alegrias da nossa vida.

7 – Recolha-se em momentos de silêncio

Experimente desligar a música, a TV, o rádio, os tantos ruídos de todos os dias. Sinta o silêncio! Pode ser difícil no início, mas aprender a desfrutar do silêncio é libertador e revelador. Se queremos ouvir a Deus, primeiro temos que silenciar as coisas. Ele não costuma falar alto…

 

À NOITE

8 – Agradeça em família pelo dia que Deus lhes concedeu

Todos os dias contêm inúmeras graças de Deus, inclusive aqueles dias que parecem ter sido puro sofrimento e vazio. Deus nos fala mediante uma amplíssima variedade de acontecimentos, pessoas, experiências – e todo esse aprendizado, para ser assimilado e dar frutos, requer momentos de reflexão compartilhados com as pessoas a quem mais amamos. Conversar em família, perante Deus, sobre as lições e inspirações do dia que passou é uma forma de oração e também de consolidar a própria relação familiar. Agradeçam juntos a Deus por essa oportunidade!

9 – Faça o seu exame de consciência

Toda noite, antes de se deitar, coloque-se na presença de Deus e examine a sua consciência com calma, serenidade, confiança, humildade, honestidade. Não esconda as coisas de si mesmo. Repasse na sua mente os Dez Mandamentos, os sete pecados capitais… O que pode melhorar? Faça um ato de contrição. Se algum pecado foi grave, faça o propósito de se confessar. Abrace a Deus com confiança, pedindo desculpas e pedindo a Sua graça – não como um servo que tem medo, mas como um filho que tem gratidão e confiança na misericórdia, na compreensão e na ajuda do Pai!

10 – Deite-se toda noite num horário estável

Acostume-se a definir um horário fixo para dormir, pensando em estar bem descansado na manhã seguinte (e em acordar cedo). Hábitos estáveis são ótimos para a saúde da alma e também do corpo!

11 – Reze a Ave-Maria quando estiver deitado na cama

Nossa Mãe nunca vai deixar de ouvir a prece de um filho! E a Ave-Maria é muito mais maravilhosa do que costumamos perceber: conheça aqui o poder da Ave-Maria!

Fonte: aleteia
Comente aqui


Bosque do Papa

Conheça o bosque que eternizou a primeira visita de João Paulo II ao Brasil

Conheça o bosque que eternizou a primeira visita de João Paulo II ao BrasilConheça o bosque que eternizou a primeira visita de João Paulo II ao Brasil (Foto:Divulgação)

Um lugar abençoado, onde natureza e tradição se integram num cenário de beleza e harmonia.

Pelos caminhos internos do bosque, encontram-se 7 casas típicas polonesas em forma de aldeia, construídas no início da colonização polonesa na região de Curitiba por volta de 1878, e remontadas no bosque.

As casas, feitas de troncos de pinheiro encaixados, abrigam a história e a cultura dos imigrantes. Na primeira casa, a mesma visitada pelo Papa, foi instalada a capela em homenagem à Virgem Negra de Czestchowa, padroeira da Polônia.

Nas demais, pode-se conhecer os móveis e utensílios da época da primeira imigração, 1871, como a pipa de azedar repolho e ver de perto o Museu agrícola onde se destacam a carroça, o abanador de cereais, o amolador de pedra e outras ferramentas da época.

Na trilha em meio ao bosque, encontra-se uma escultura do Papa João Paulo II.

O artesanato, à venda no local, permite a aquisição das famosas Pêssankas, ovos pintados à mão em filigranas para saudar a Páscoa.

Nas festas da colônia polonesa, muita música e folclore dos descendentes que, vestidos nos floridos trajes típicos do país, se apresentam nas comemorações da Swiconka – Benção dos Alimentos na época da Páscoa.

Em julho, ocorre a homenagem à visita do Papa, em agosto a festa da padroeira Czestochowa, as comemorações do pontificado de João Paulo II em outubro e o dia de São Nicolau que dá início às festas de Natal.

Nestas essas ocasiões pode-se experimentar os deliciosos pirogues (pasteizinhos com recheio de requeijão) e os saborosos doces e bolos da culinária polonesa.

O “Bosque do Papa”, assim conhecido pelos curitibanos, proporciona uma viagem ao coração e à história de um povo, um obrigado e uma homenagem da cidade ao imigrante polonês.

Horário de funcionamento:

O Bosque é aberto todos os dias das 08 às 18 horas, porém o Memorial da Imigração Polonesa fecha nas segundas-feiras para conservação e limpeza.

Fonte: Aleteia
Comente aqui