Canonização de Madre Teresa de Calcuta



Resposta às críticas contra Madre Tereza

5 reflexões sobre o ridículo rancor de alguns ateus pela Madre Teresa

 

A obsessão de certas pessoas com a nova santa beira o monomaníaco

Mesmo quando eu própria era ateia, achava mais que absurdo que os confortáveis ateus do primeiro mundo atacassem brutalmente uma mulher que tinha renunciado a tudo para servir aos mais pobres dos pobres e que vivia ela mesma em extrema pobreza.

Aqui vão algumas das acusações mais comuns que os ateus fazem para tentar justificar o seu ódio pela Madre Teresa – e algumas respostas úteis a essas manifestações obsessivas:

1. “A canonização da Madre Teresa é uma fraude”.

Christopher Hitchens criticava o reconhecimento da Madre Teresa por parte da Igreja dizendo que a Igreja acelerou o seu processo de beatificação. Ele também zombava da possibilidade de se acreditar em algum milagre realizado por intercessão da Madre Teresa.

Bom… Hitchens era ateu. Por acaso ele ficaria satisfeito com algum processo de canonização, da Madre Teresa ou de quem quer que fosse? Por acaso ele acreditava em algum milagre, atribuído à intercessão do santo que fosse, com a abundância que fosse de testemunhas oculares e de confirmações feitas por médicos e cientistas? A resposta é não. Então, por que raios importaria a Hitchens (ou a qualquer outro ateu) a “rapidez” com que a Madre Teresa foi canonizada?

2. “A Madre Teresa não administrava bem o dinheiro”.

Os críticos acusam a Madre Teresa de gerenciar muito mal as doações que recebia. Como “prova” disso, eles apontam o dedo para o estado humilde das casas da congregação, o que contrasta com os grandes donativos que, dizem, abundavam em seus cofres. No entanto, nenhuma teoria se deu ao trabalho de apontar exatamente como a fundadora teria desperdiçado ou gerenciado de forma antiética o dinheiro da congregação. Ela certamente não parece tê-lo esbanjado consigo mesma.

As autoridades do Vaticano confirmam que a Madre Teresa doava o dinheiro excedente da sua congregação para as muitas obras de caridade que a Igreja realiza em benefício dos pobres no mundo todo. Em outras palavras, ela não acumulava as doações recebidas apenas para o seu próprio grupo, mas compartilhava essa riqueza, em sintonia com a missão da sua organização. A Madre Teresa e suas irmãs são chamadas a missionar com simplicidade entre os mais pobres dos pobres, e, se elas têm dinheiro extra, o direcionam a outras pessoas pobres. Eu não enxergo como é que isto possa ofender alguém, a menos que esse alguém se esforce muito para ver nisso alguma ofensa.

3. “Nas casas da Madre Teresa muitos abusos são cometidos”.

Os críticos apontam o dedo para aquilo que chamam de “condições deploráveis” das casas geridas pelas irmãs – uma acusação que escancara o quão completamente errado eles entendem as Missionárias da Caridade. Essas irmãs se juntam à pobreza das pessoas a quem servem. Sua missão não é construir hospitais de luxo nem trabalhar pela mudança política – nobres missões, que muitos católicos desempenham em coerência com seus próprios carismas. A missão específica abraçada por elas é a de prestar cuidados a crianças e adultos na mais desesperada das situações; é ajudar pessoas que, sem essa ajuda, estariam vivendo e morrendo nas ruas das cidades mais miseráveis do planeta. As próprias irmãs vivem na pobreza total, dormindo no chão, lavando o seu único hábito em baldes e pendurando-os para secar durante a noite.

4. “A Madre Teresa era uma fanática que gostava do sofrimento”.

Quando as pessoas apontam o dedo para o suposto “fanatismo” da Madre Teresa, elas estão apontando o dedo, na verdade, para o fato de que ela vivia os valores cristãos. É claro que ela os vivia de forma extrema, heroica – e é por isso, afinal, que ela é santa. A maioria de nós se beneficiará se imitar ao menos de leve esse “fanatismo”. Os críticos que optam por entender a visão dela sobre o “dom” do sofrimento como uma teologia masoquista só revelam falta de familiaridade com uma ideia cristã fundamental: a de que Deus consegue tirar o bem do mal, como foi demonstrado pelo próprio Deus feito homem, torturado e crucificado. Essa ideia deixa claro que Deus está presente de maneira especial entre os mais fracos e os mais pobres dos pobres.

Você não gosta desta mensagem? Então não é com a Madre Teresa que você tem problemas. É com o cristianismo.

5. “A Madre Teresa era imperfeita”.

Quem discorda das filosofias e das ações da Madre Teresa, mas não consegue apontar prova concreta alguma de má fé por parte dela, acaba apelado para argumentos ad hominem coroados pela afirmação condenatória de que “ela não era perfeita!”.

Mas é claro que a Madre Teresa não era perfeita! Com isso estamos todos de acordo, a começar, tenho certeza, pela própria. Dizem que ela recorria pelo menos uma vez por semana à confissão. Ela sabia que era imperfeita e pedia perdão pelos erros que cometia.

Acontece que os santos canonizados não são gente que exiba um “selo de perfeição”. A vida de inúmeros santos mostra, aliás, que a canonização não é um “reconhecimento de perfeição”, mas sim de santidade heroica vivida precisamente apesar da própria imperfeição.

Estando claro tudo isso (porque não há novidade nenhuma em nada disso), para que tanta tinta derramada em críticas à Madre Teresa? Será mesmo que não existem muitas outras figuras no mundo sobre cujo comportamento condenável seria bem mais necessário discutir? Parece que, por trás de tanto afã de criticar a Madre Teresa, existe no mínimo uma caçada por cliques em sites fuxiqueiros (muitos deles disfarçados de “portais de notícias”) e uma busca de gratificação por parte de ideologias cada vez mais cegas e irracionais.

Quando se vê uma pessoa fazer coisas boas por acreditar em Deus, é razoável atribuir as suas boas obras a essas crenças (mesmo quando se discorda de tais crenças).

O que não é razoável é dar por certo que uma pessoa que faz coisas boas tem um coração sombrio, cheio de violência e de interesse pessoal, simplesmente com base na raiva que existe no próprio coração incapaz de começar a entender o Evangelho, ainda que só na teoria.

Fonte: Aleteia
Comente aqui


Conheça a história do milagre que canonizou Madre Tereza

Madre Teresa: Homem curado por sua intercessão narra a incrível história

O brasileiro Marcilio Haddad Andrino, a pessoa que recebeu o milagre que levará a canonização de Madre Teresa no próximo dia 4 de setembro, compartilhou sua incrível história com a imprensa da Itália e comentou que ele e sua esposa são apenas “crentes normais que receberam um sinal extraordinário da Misericórdia de Deus”.

Marcilio, que nasceu na cidade de Santos (Brasil), foi curado inexplicavelmente em dezembro de 2008, quando teve problemas com uma infecção bacteriana no cérebro, que lhe causou oito abscessos cerebrais graves e uma dor de cabeça insuportável.

Fernanda explicou que Marcilio ficou doente durante dois anos e foram a vários médicos, mas sem receber nenhum diagnóstico exato. “Foi uma espera cheia de angústia e não sabíamos o que estava mal. A primeira tentativa de tratamento não teve êxito. Deste modo o médico mudou de terapia, mas Marcilio continuou piorando”.

Depois do fracasso do tratamento, Andrino despertou no dia 9 de dezembro de 2008 com uma dor de cabeça “insuportável” que o deixou incapaz de falar. Enquanto sua esposa rezava, foi levado para uma cirurgia como último recurso.

Depois de fazer uma série de testes, “o médico olhou para o exame e, iluminado pelo Espírito Santo, entendeu que meu esposo tinha oito abscessos cerebrais”, acrescentou Fernanda.

Do mesmo modo, a esposa assegurou que ambos sempre haviam rezado à Madre Teresa e que, inclusive, seu pároco lhes entregou uma relíquia da Beata antes do seu casamento.

“Coloquei a relíquia na cabeça de Marcilio, onde estavam os abscessos. Rezei a oração de beatificação e também o que vinha do meu coração. Não foi fácil, mas este período me enriqueceu muito, enriqueceu nosso amor, nossa fé…. Hoje posso dizer que valeu a pena”.

Quando o cirurgião entrou na sala de operações, encontrou com Marcilio acordado. “Senti uma grande paz dentro de mim e já não tinha dor de cabeça. Não entendia o que estava acontecendo”, expressou.

Ao ver a melhora, os médicos decidiram leva-lo aos cuidados intensivos e adiar a cirurgia até o dia seguinte. Marcilio dormiu a noite toda sem nenhum problema e, no dia seguinte, se reuniu com seu médico e este lhe disse que voltaria para o quarto.

“Vi que os abscessos se reduziram bastante, assim como a hidrocefalia”, disse Marcilio se referindo ao termo médico para a acumulação anormal de líquido no crânio.

“Os abscessos foram reduzidos em 70% e a hidrocefalia havia desaparecido”, acrescentou. Segundo ele, três dias depois, os abcessos já tinham desaparecido e havia apenas as cicatrizes.

“Meu caso foi muito difícil clinicamente. Mas tenho certeza que ocorreu um milagre… Eu estava seguro de que a Madre Teresa havia me curado”, acrescentou Marcilio.

Algum tempo depois, o casal teve dois filhos, apesar de os médicos terem dado a má notícia de que nunca seriam capazes de ter filhos, devido aos tratamentos de Marcilio. Embora estivessem arrasados, o casal aceitou, dizendo a si mesmos: “se Deus quiser, teremos filhos”.

Seis meses depois que foi curado, o casal se mudou para o Rio do Janeiro e Marcilio voltou a trabalhar. Fernanda começou a sentir náuseas e o médico confirmou que ela estava grávida.

“Minha fé cresceu muito, vejo a graça. Eu estava doente, não podia caminhar, sempre precisava de ajuda. Hoje eu posso andar, tenho uma família e estou muito agradecido”, conta Marcilio.

Atualmente, oito anos depois do milagre, o casal continua levando a relíquia da Madre Teresa onde quer que vão e rezam junto com seus filhos.

“Quando vejo meus filhos, vejo a Madre Teresa. Este milagre tornou a minha família mais forte e mais unida. Eles sabem tudo a respeito da minha doença e a cura. Sempre nos acompanham e quando vamos rezar com as irmãs entendem tudo e rezam conosco”, explicou Marcilio.

“Deus escolhe quem divulga sua Misericórdia a todos, como no caso da Madre Teresa, que curou a todos sem distinção. Ela ensina todos os povos a ter compaixão do próximo”.

Em setembro de 2015, a Congregação para as Causas dos Santos aceitou as conclusões da comissão médica e apresentou o relatório ao Papa Francisco para sua aprovação final. Em 18 de dezembro, o Santo Padre reconheceu oficialmente o milagre que era necessário para que a Madre Teresa fosse canonizada.

Fonte: ACI Digital
Comente aqui


Imagem oficial de Madre Tereza

Este é o retrato oficial da canonização da Madre Teresa de Calcutá

Hoje foi apresentado em Washington D.C. (Estados Unidos) o retrato oficial da canonização da Madre Teresa de Calcutá.

Uma cópia do mesmo foi colocada na manhã de hoje na Praça de São Pedro para a cerimônia que o Papa Francisco presidirá no domingo, 4 de setembro.

Carl Anderson, Cavaleiro Supremo dos Cavaleiros de Colombo, enviou uma nota a Fagan, na qual comenta que “com certeza este é o melhor retrato da Madre Teresa que já vi”.

Chas Fagan é um artista que fez diversos retratos e estátuas de personagens históricos, como por exemplo, o ex-presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, o astronauta Neil Amstrong, a emblemática lutadora pelos direitos civis dos afro-americanos Rosa Parks, Barbara Bush, entre outros.

Joe Cullen, porta-voz dos Cavaleiros de Colombo, explicou que o retrato será propriedade legal das Missionárias da Caridade logo após a canonização.

Fonte: ACI Digital
Comente aqui


O que dizem os Papas sobre Madre Tereza

O Papa Francisco e a Beata Madre Teresa são espiritualmente duas “almas gêmeas” – REUTERS

 Na iminência da canonização de Madre Teresa de Calcutá, no próximo domingo, 4 de setembro, propomos o artigo “Samaritana da misericórdia. Madre Teresa e os Papas”, de Lush Gjergji, publicado no L’Osservatore Romano.
Pio XII“Na vida e na obra da Beata Madre Teresa, uma importância fundamental, frequentemente mesmo determinante, tiveram diversos Papas, de Pio XII a Francisco. Repassando a sua vida, fica claro como o Espírito Santo agiu por meio dela e por meio dos Pontífices que se sucederam, pelo bem da Igreja a serviço dos últimos. Fazendo às vezes também mudar de ideia. Como no caso do Papa Pio XII. O Pastor angelicus não tinha dúvidas, estava firmemente convencido de que não havia necessidade de aumentar o número das Congregações religiosas femininas ou masculinas, mas sim dar espaço ao espírito de Cristo e ao serviço evangélico. “Deus me chamou a abandonar tudo para dedicar-me somente a Ele por meio do serviço aos mais pobres e aos não amados”, escrevia Madre Teresa em uma carta.

Em 12 de agosto de 1949, Pio XII deu a ela a permissão para sair da comunidade das Irmãs de Loreto, ficando somente sob a jurisdição do Arcebispo de Calcutá. Dois anos mais tarde, em 1950, deu a ela a permissão para fundar a nova comunidade de religiosas, as Missionárias da Caridade. Teve início assim a grande obra de Deus por meio de Madre Teresa, inicialmente em Calcutá, na Índia, e mais tarde no mundo inteiro.

João XXIII

O carisma da Beata tocou o coração também de João XXIII. Em entrevista que concedeu-me em 2008, o Secretário do Papa Roncalli, Dom Loris Francesco Capovilla, criado Cardeal em 2014 pelo Papa Francisco, disse-me: “O Papa João seguidamente falava de Madre Teresa comigo e com o Secretário de Estado Vaticano, o Cardeal Tardini, como também com os outros, desta grande e maravilhosa mulher. A simplicidade e o amor eram a sua força. É bonito que um povo pequeno tenha tido uma Madre tão grande”.

Paulo VI

Uma grande reviravolta na comunidade de Madre Teresa foi dada por Paulo VI. Um primeiro encontro ocorreu durante a histórica visita na Índia em 1964 para o Congresso Eucarístico em Bombay. Naquela ocasião o Papa quis presentear o Cadillac com que deslocava durante suas visitas oficiais “para ajudá-la e pelo bem dos pobres”.

Madre Teresa colocou imediatamente este carro luxuoso como prêmio de uma loteria, conseguindo desta forma muito dinheiro para ajudar os necessitados. O fato ganhou uma repercussão internacional. No ano sucessivo, em 10 de fevereiro de 1965, com o Decretum laudis, Paulo VI reconheceu a ordem das Missionárias da Caridade como Congregação de direito pontifício. Isto permitiu às irmãs expandirem-se na Índia e no mundo. Três anos mais tarde, Montini convidou Madre Teresa a abrir a primeira Casa das Missionárias da Caridade em Roma. Era 22 de agosto de 1968. Menos de um anos depois, em 29 de março de 1969, aprovou a Fundação Colaboradores de Madre Teresa. Em 6 de janeiro de 1971 o Pontífice entregou à Irmã o Prêmio pela Paz João XXIII.

João Paulo II

Mas o dueto de Deus por excelência nos caminhos do mundo foi aquele formado por João Paulo II e Madre Teresa. Em 1980 o Papa polonês entregou à Irmã a chave da Casa de Acolhida destinada a hospedar e acudir as crianças e mães abandonadas. A seguir, doou a ela a moradia Dom de Maria, para poder acolher e assistir os sem-teto de Roma.

E ainda ressoam entre os católicos albaneses as palavras pronunciadas por João Paulo II durante a sua visita pastoral à Albânia: “Caríssimo, não posso não saudar uma pessoa assim humilde que se encontra entre nós. É Madre Teresa de Calcutá. Todos sabem de onde vem, qual é a sua pátria. A sua pátria é aqui. Na pessoa de Madre Teresa, a Albânia foi honrada para sempre. Vos agradeço hoje, em nome da Igreja Católica, vos agradeço queridos albaneses, pela filha desta terra, do vosso povo”.

Quando Madre Teresa morreu em 5 de setembro de 1997, João Paulo II referiu-se a ela, chamando-como a “boa samaritana”, e recordou dela – nas diversas ocasiões que teve de encontrá-la – como “uma figura pequena, repleta de vida e a serviço dos pobres entre os mais pobres, com a força de Cristo”.

Com um ato extraordinário, o próprio Pontífice permitiu de forma excepcional o início do processo de beatificação antes de sua morte completar cinco anos. A seguir, fez coincidir a beatificação de Madre Teresa, em 19 de outubro de 2003, com o Dia Mundial das Missões, recordando como a vida da Beata Madre Teresa foi permeada no amor, “como anúncio corajoso do Evangelho de Cristo”.

Bento XVI

Bento XVI considerava Madre Teresa um exemplo brilhante de como a oração é a inexaurível fonte de amor pelo próximo. Na Encíclica Deus Caritas est, Papa Ratzinger escreve: “A oração, como meio para haurir continuamente força de Cristo, torna-se aqui uma urgência inteiramente concreta. Quem reza não desperdiça o seu tempo, mesmo quando a situação apresenta todas as características duma emergência e parece impelir unicamente para a ação. A piedade não afrouxa a luta contra a pobreza ou mesmo contra a miséria do próximo. A Beata Teresa de Calcutá é um exemplo evidentíssimo do facto que o tempo dedicado a Deus na oração não só não lesa a eficácia nem a operosidade do amor ao próximo, mas é realmente a sua fonte inexaurível. Na sua carta para a Quaresma de 1996, esta Beata escrevia aos seus colaboradores leigos: « Nós precisamos desta união íntima com Deus na nossa vida quotidiana. E como poderemos obtê-la? Através da oração “.

Mas além de exemplo de oração ativa, Madre Teres foi indicada pelo Papa também como exemplo de alegria evangélica. Em 6 de dezembro de 2008, no terceiro Domingo do Advento, Bento XVI dizia que ” A alegria cristã brota, portanto, desta certeza: Deus está próximo, está comigo, está conosco, na alegria e na dor, na saúde e na doença, como Amigo fiel. A Beata Madre Teresa não era quem sabe a testemunha inesquecível da alegria evangélica no nosso tempo?

Ela doou a todos a alegria de Deus

Sem nunca esquecer que a vida é serviço a ser vivido como um dom, Madre Teresa dedicou toda a sua existência aos outros. E quando em 4 de janeiro de 2008 Bento XVI visitou no Vaticano a Casa Dom de Maria das Missionárias da Caridade, deu testemunho concreto do seu apoio à missão realizada pelas irmãs em favor dos pobres e dos sem-teto. E naquela ocasião disse: “É Natal todas as vezes que permitimos que Jesus ame os outros através de nós. Por anos, quando eu era Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, transcorri várias horas do dia ao lado desta vossa benemérita instituição querida pelo meu venerado predecessor, o Servo de Deus João Paulo II, e por ele confiada à Beata Teresa de Calcutá. Esta casa tem um belo nome, Dom de Maria, e nos convida a todos no início do ano a doar a nossa vida sem nenhum cansaço”.

Papa Francisco

O Papa Francisco e a Beata Madre Teresa são espiritualmente duas “almas gêmeas”, porque a orientação deles e comportamento evangélico é baseado na simplicidade, humildade, pobreza, mas sobretudo na fé e no amor. Na Encíclica Lumen fidei o Papa escreve: “A luz da fé não nos faz esquecer os sofrimentos do mundo. Os que sofrem foram mediadores de luz para tantos homens e mulheres de fé; tal foi o leproso para São Francisco de Assis, ou os pobres para a Beata Teresa de Calcutá. Compreenderam o mistério que há neles; aproximando-se deles, certamente não cancelaram todos os seus sofrimentos, nem puderam explicar todo o mal. A fé não é luz que dissipa todas as nossas trevas, mas lâmpada que guia os nossos passos na noite, e isto basta para o caminho”.

Definindo Madre Teresa como um “ícone da misericórdia de Deus, o Papa decidiu canonizá-la este ano”.

Fonte: Osservatore Romano
Comente aqui


Festa em Roma pela Canonização de Madre Teresa

Madre Teresa de Calcutá: Oito “dias de festa” em Roma pela sua canonização

Beata Madre Teresa de Calcutá / Foto: Facebook Madre Teresa de Calcutá
Comente aqui


Pensamentos de Madre Teresa de Calcutá

10 frases “matadoras” da Madre Teresa de Calcutá

Mesmo pronunciadas com amor, as palavras dela são diretas, fortes e desafiadoras

Frases Madre Teresa
 

1) Se você julga as pessoas, você não tem tempo para amá-las.

2) A maior doença do Ocidente hoje não é a lepra nem a tuberculose; é ser indesejado, não ser amado e ser abandonado. Nós podemos curar as doenças físicas com a medicina, mas a única cura para a solidão, para o desespero e para a desesperança é o amor. Há muitas pessoas no mundo que estão morrendo por falta de um pedaço de pão, mas há muito mais gente morrendo por falta de um pouco de amor. A pobreza no Ocidente é um tipo diferente de pobreza – não é só uma pobreza de solidão, mas também de espiritualidade. Há uma fome de amor e uma fome de Deus.

3) Qual é o meu pensamento? Eu vejo Jesus em cada ser humano. Eu digo para mim mesma: este é Jesus com fome, eu tenho que alimentá-lo. Este é Jesus doente. Este tem lepra ou gangrena; eu tenho que lavá-lo e cuidar dele. Eu sirvo porque eu amo Jesus.

4) Sejam gentis uns com os outros na sua casa. Sejam gentis com as pessoas. Eu acho que é melhor você errar na bondade do que fazer milagres com falta de bondade. Muitas vezes, uma só palavra, um olhar, um gesto rápido, e as trevas enchem o coração da pessoa que amamos.

5) Eu rezo para vocês entenderem as palavras de Jesus: “Amai-vos como Eu vos amei”. Perguntem a si mesmos: “Como foi que Ele me amou? Será que eu realmente amo os outros da mesma forma?”. Sem esse amor, nós podemos nos matar de trabalhar, mas isso vai ser só trabalho, não amor. Trabalho sem amor é escravidão.

6) Um sacrifício, para ser real, tem que custar, tem que doer, tem que nos esvaziar. O fruto do silêncio é a oração, o fruto da oração é a fé, o fruto da fé é o amor, o fruto do amor é o serviço, o fruto do serviço é a paz.

7) Buscar a face de Deus em tudo, em todos, o tempo todo, e a mão dele em tudo o que acontece; é isso o que significa ser contemplativo no coração do mundo. Ver e adorar a presença de Jesus, especialmente na aparência humilde do pão e no angustiante disfarce de pobre.

8) O que você está fazendo eu não posso fazer, o que eu estou fazendo você não pode fazer, mas, juntos, nós estamos fazendo uma coisa bonita para Deus, e esta é a grandeza do amor de Deus por nós – nos dar a oportunidade de ser santos pelas obras de amor que fazemos, porque a santidade não é um luxo de poucos. É um dever muito simples para você, para mim – você na sua posição, no seu trabalho, e eu e os outros, cada um de nós, no trabalho, na vida em que demos a nossa palavra de honra para Deus. Nós temos que transformar o nosso amor a Deus em ação viva.

9) Quando um pobre morre de fome, não é porque Deus não cuidou dele. É porque nem você nem eu quisemos dar a ele o que ele precisava.

10) Jesus quer que eu diga de novo a vocês qual é o tamanho do amor dele por cada um de vocês – um amor que vai além de tudo o que vocês puderem imaginar. Ele não só ama você; é mais ainda: Ele anseia por você. Ele sente falta de você quando você não chega perto. Ele tem sede de você. Ele ama você sempre, mesmo quando você não se sente digno.

Fonte: Aletéia
1 Comentário


Oração de Madre Tereza de Calcutá

Esta é a oração rezada pela família do miraculado que levará à canonização de Madre Teresa

Comente aqui


O milagre de Santa Teresa de Calcutá

Futura Santa Teresa de Calcutá: brasileiro com hidrocefalia e oito abscessos no cérebro foi o “alvo” do milagre

A cura inexplicável do homem que estava em lua-de-mel aconteceu em Santos em 2008
madre Teresa

A Madre Teresa de Calcutá será canonizada em setembro de 2016 depois do reconhecimento de um milagre atribuído à sua intercessão e ocorrido no Brasil em 2008.

 

O milagre

  • O homem a quem aconteceu o milagre tinha na época 35 anos de idade e estava em lua-de-mel quando teve de ser hospitalizado às pressas. No hospital, em Santos, ele foi diagnosticado com hidrocefalia e oito abscessos espalhados pelo cérebro.
  • Durante a internação, sua esposa foi buscar ajuda espiritual com o padre Elmiran Ferreira, da paróquia de Nossa Senhora Aparecida, na cidade vizinha de São Vicente.
  • O padre lhe deu a medalhinha da Madre Teresa de Calcutá, que a mulher colocou no travesseiro do marido no hospital, além de rezar pedindo a sua intercessão pela cura.
  • Com o esposo inconsciente no Centro Cirúrgico, um dos médicos saiu para buscar um dreno. Nesse ínterim, o homem acordou, recuperou plenamente os sentidos e tomou café sozinho. A cirurgia, marcada para o dia seguinte, foi cancelada.

 

A confirmação

  • A Congregação para as Causas dos Santos recorre à assessoria de uma equipe de 70 médicos e vários outros especialistas que avaliam todos os estudos clínicos aos quais o indivíduo curado foi submetido. Para que a cura seja considerada milagrosa, ela deve ter acontecido de forma instantânea, completa, duradoura e cientificamente inexplicável.
  • No caso do milagre atribuído à Madre Teresa, o exame por parte da Ordem dos Médicos, realizado meses depois do fato, levou ao reconhecimento unânime por parte de um colegiado de sete médicos de que a cura não tinha nenhuma explicação científica.
  • O Tribunal Diocesano, em seguida, ouviu 15 testemunhas e reuniu toda a documentação de comprovação do milagre, com cerca de 400 páginas remetidas depois ao Vaticano.
  • Depois de examinar todo o processo, o Vaticano confirmou hoje (18 de dezembro) que vai canonizar a Madre Teresa de Calcutá em setembro de 2016.

 

A Madre Teresa

  • A Madre Teresa de Calcutá nasceu na Macedônia em 1910, filha de pais albaneses.
  • Fundou em 1950 as Missionárias da Caridade e dedicou mais de 40 anos aos pobres e doentes, em especial na cidade indiana de Calcutá.
  • Recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1979.
  • Faleceu em 1997 e seu funeral em Calcutá mobilizou toda a Índia, com a presença de chefes de Estado e governantes do mundo inteiro e milhões de pessoas acompanhando o cortejo pelas ruas da megalópole.
  • João Paulo II a beatificou em 19 de outubro de 2003, em cerimônia com presença de 300 mil fiéis no Vaticano.
  • As Missionárias da Caridade são hoje uma rede com mais de 4.500 religiosas que trabalham em 700 casas de mais de 130 países para servir “aos mais pobres dos pobres”.
Fonte: Aletéia
Comente aqui


Madre Tereza de Calcutá será canonizada

Cidade do Vaticano (RV) – O Padre Caetano Rizzi, promotor de Justiça no processo diocesano que avaliou o caso do miraculado por intercessão de Madre Teresa, afirmou que o homem, hoje com 40 anos e vivendo no Rio de Janeiro, está bem de saúde, leva uma vida normal, tem dois filhos e até passou em 1º lugar num concurso público.

“O milagre continua”, disse Padre Rizzi à Rádio Vaticano por telefone, antes de embarcar para Sâo Paulo, no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

Padre Rizzi: O miraculado estava nesta época do ano, em 2008, passando lua de mel em Gramado (RS), que é a minha cidade natal. Lá em Gramado, ele se sentiu mal e foi levado às pressas a Santos, a sua cidade, onde foi internado praticamente em coma, com morfina porque sentia muitas dores. O médico levou-o imediatamente ao centro cirúrgico porque a tomografia acusava oito abcessos no cérebro. Enquanto ele estava na mesa cirúrgica, o médico constatou a falta de um dreno para retirar o líquido que estava se acumulando. Enquanto o médico buscava o dreno, o paciente voltou a si e perguntou: “o que estou fazendo aqui?”.

Porque antes de ser internado, a sua esposa, que é catequista da paróquia e que é muito católica, chamou o pároco para administrar o sacramento da Unção. O Padre Almiran foi até o hospital, administrou o Sacramento e deu a eles uma medalhinha de Madre Teresa e disse: rezem a Madre Teresa que ela vai alcançar a graça para vocês.  Eles imediatamente rezaram e colocaram a medalhinha embaixo do travesseiro do paciente, do miraculado. No dia seguinte, ele foi embora: quem deveria sair de lá morto… Porque o médico disse à esposa: vá para a sua casa, traga os documentos e as roupas porque infelizmente não temos mais o que fazer. E o médico, constatado tudo, no Tribunal, disse: eu não sei explicar. A ciência não tem uma palavra para explicar o que aconteceu. De 17 pacientes que eu tratei nesta área, 16 morreram. Somente este sobreviveu. E o médico não é cristão.

RV: Padre Rizzi, como é a vida do miraculado hoje?

Padre Rizzi: Tem vida normal, tem 40 anos de idade e mora no Rio de Janeiro. Ele passou num concurso público federal e tirou o primeiro lugar no Brasil. O milagre continua: o médico disse: vocês se casaram há pouco, mas eliminem a possibilidade de ter filhos porque os medicamentos que ele tomou interfeririam nisso. Mas eles pediram a Madre Teresa e eles tem dois filhos perfeitos. Estou emocionado…

RV: Realmente uma história que emociona, principalmente para quem acompanhou desde o início…

Padre Rizzi: Foi, foi de perto. Domingo, o miraculado esteve na minha paróquia. Olhávamos juntos o quadro de Madre Teresa, e lá tem uma relíquia de Madre Teresa, um cabelo dela, então rezamos junto ao quadro e não sabíamos que nesta semana tudo iria acontecer para a Glória de Deus.

RV: Com um milagre brasileiro Madre Teresa vai ser canonizada…

Exatamente. Santos é privilegiada. A santa Bakita também escolheu Santos para fazer o milagre dela em 1994, e eu também trabalhei no milagre de Bakita.

RV: A santa africana. Agora temos que esperar pela data da canonização. Saberemos quem é o miraculado, que vai participar da celebração…

Padre Rizzi: Ele já preparou os passaportes para ele, para a esposa e para os filhos. Agora estamos só esperando a data para irmos ao Vaticano.

Vida de Madre Teresa

Agnes Gonxha Bojaxhiu nasceu em 26 de agosto de 1910, em Skopje, Macedônia. Ela era a caçula de três filhos, participou de um grupo de jovens dirigido por um sacerdote jesuíta que a fez considerar uma vocação de serviço como freira missionária.

Juntou-se às Irmãs de Loreto aos 17 anos e foi enviada para Calcutá, onde ensinou em uma escola secundária. Depois de contrair tuberculose, foi enviada para descansar em Darjeeling e estava no meio desta enfermidade quando descobriu “uma ordem” de Deus para deixar o convento e viver entre os pobres.

O Vaticano concedeu a permissão para sair das Irmãs de Loreto e viver seu novo chamado, sob a liderança do Arcebispo de Calcutá.

Madre Teresa começou a trabalhar nos bairros pobres, ensinava às crianças e assistia os doentes em seus lares. Um ano depois, alguns de seus ex-alunos se uniram a ela e, juntos, se colocaram a serviço de homens, mulheres e crianças que agonizavam nas ruas.

Em 1950, as Missionárias da Caridade nasceram como uma congregação da Arquidiocese de Calcutá. Em 1952, o governo lhes concedeu uma casa a partir da qual continuaram sua missão de servir os pobres e esquecidos de Calcutá.

A congregação cresceu rapidamente e, de uma única casa para os moribundos e muito pobres, chegou  a ter 500 casas em todo o mundo.

Madre Teresa estabeleceu abrigos para as prostitutas, mulheres maltratadas, orfanatos para crianças pobres e lares para vítimas da AIDS. Foi uma ferrenha defensora dos não nascidos.

Morreu em 5 de setembro de 1997 e foi beatificada apenas seis anos depois, por São João Paulo II, em 19 de outubro de 2003.

Fonte: Radio Vaticano
Comente aqui


Canonização de Madre Teresa de Calcutá

Canonização de Madre Teresa de Calcutá não tem data prevista, segundo porta-voz do Vaticano

Canonização de Madre Teresa de Calcutá não tem data prevista, segundo porta-voz do Vaticano

Federico Lombardi disse que o processo canônico ainda está em curso

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, no final do mês passado, que ainda não foi estabelecida uma data para a canonização de Madre Teresa de Calcutá.

“O processo canônico de Madre Teresa de Calcutá ainda está em curso e, portanto, é prematuro falar de uma data já estabelecida para a canonização”, ressaltou o porta-voz.

Madre Teresa de Calcutá nasceu em 1910, na Índia, e morreu em setembro de 1997. A missionária foi beatificada em 19 de outubro de 2003 pelo papa João Paulo II.

Fonte: Catholicus
Comente aqui