Primeira Encíclica do Papa Francisco



Como ler a Encíclica Laudato Si

O texto seguinte foi apresentado na Reunião das Pastorais Sociais da CNBB, de agosto. Uma grande contribuição para o debate em torno da questão ecológica. Dá uma visão de conjunto de toda a Encíclica do Papa Francisco, nos convidando a ler o Documento na íntegra. 

Chaves de leitura da “Louvado Sejas”.

Roberto Malvezzi (Gogó)
  1. Precedentes da “Louvado Sejas”.

Grande parte da humanidade acompanha e sofre com a visível decadência do ambiente que embasa a vida na face da Terra. A erosão da biodiversidade, a perda de solos agrícolas, a destruição dos mananciais de água, o aquecimento global, com todas as consequências perversas dessa depredação, já impactam milhões de pessoas ao redor do globo.

Especialistas, movimentos sociais, organizações não governamentais, igrejas e uma multidão de pessoas de “boa vontade” buscam e lutam por uma reação das autoridades e do poder econômico à altura da demanda crucial dessa “mudança de época”.

Nas bases das igrejas – sobretudo da Católica e confissões cristãs tradicionais – há décadas as pessoas estão envolvidas com essas causas fundamentais para a humanidade e a Terra.

Entretanto, não havia uma resposta convincente a partir de um centro influente e irradiador de uma boa nova.

Ao final da 5ª Semana Social Brasileira os participantes tinham uma novidade. Enviaram ao Papa Francisco uma carta pedindo que ele promovesse uma reflexão global, quem sabe um encontro das grandes religiões, cientistas e povos tradicionais, para ajudar a humanidade a se colocar diante da magnitude do desafio. Fundamentalmente, que a Igreja se manifestasse pelo cuidado com a criação que Deus nos deu.

Então, certamente com outras solicitações e premido pela realidade, o Papa lança a “Louvado Sejas”, recolhendo as reflexões, lutas socioambientais e a realidade sofrida da parcela da humanidade já envolta com essas questões.

A importância desse documento para a humanidade só o futuro dirá. Entretanto, o bem que ela já causou é incomensurável.

Falando para dentro e fora da Igreja, já despertou e aglutinou forças antes impensáveis. Com a encíclica o Papa Francisco nos dá o sinal que faltava para começar uma reação planetária à altura desses tempos assombrosos, mas também esperançosos, que agora atravessamos.

  1. Orgânica.

A “Louvado Sejas”, encíclica do Papa Francisco que tem como foco central a questão ecológica, é tributária do chamado “pensamento complexo”, isto é, aborda a realidade de forma sistêmica, orgânica, integral e integrada. Nenhuma das dimensões da realidade – ecológica, econômica, política, social, humanitária, pessoal-subjetiva, etc. – é desconsiderada. Ainda mais, são tidas como dimensões de uma mesma realidade.

Como diz o Papa Francisco, não são várias crises, mas uma só que tem múltiplas faces. Nesse sentido, é uma encíclica sem precedentes na história da Igreja.

 Guinada bíblica.

Do ponto de vista bíblico a encíclica tira o foco do ”dominai e submetei” (Gen. 1,28) para o “cultivar e guardar”(Gen. 2,15). Essa guinada bíblica pode parecer secundária, mas é fundamental. Qualquer cristão envolto com a questão ecológica sabe que nos movimentos ambientalistas sempre houve a acusação que o mundo judaico-cristão é o responsável por formar essa mentalidade que toda criação está sujeita ao ser humano para que ele dela disponha como quiser. A coisificação da natureza teria como base essa visão religiosa do mundo.

Essa afirmação é verdadeira apenas em parte. Não se pode esquecer que a “idade da razão iluminada”, sobretudo a partir do Renascimento, tendo como dois de seus pilares Descartes e Francis Bacon, vai colocar a racionalidade humana, como absoluta e dominadora da natureza.

Portanto, a ênfase no cultivar e guardar muda os parâmetros do pensamento bíblico-teológico. Afinal o cultivar é a eco-nomia, e o guardar é a eco-logia. Essas irmãs siamesas terão que se equilibrar para que as bases da vida continuem, permitindo assim que o ser humano também possa continuar na face da Terra.

Essa postura é a superação do antropocentrismo. Que biblicamente o ser humano é diferente dos demais seres da criação não resta dúvidas. Afinal, é o único feito à imagem e semelhança de Deus. Mas, com a tarefa de cuidar da criação, de nominá-la, não de destruí-la.

O documento não avança sobre o tema da “aliança”. Mas, é apenas questão de tempo. No futuro essa dimensão da aliança com toda a criação, não apenas com o ser humano, terá que ser incluída nessa reflexão, já a partir do Antigo Testamento, não apenas a partir de Paulo em Rom. 8, 19-23.

Quando Noé sai da arca com seus familiares e animais, Deus diz que vai fazer uma aliança com eles: “De minha parte vou estabelecer minha aliança convosco e com vossa descendência, com todos os seres vivos que estão convosco, por todas as gerações futuras. Ponho meu arco nas nuvens, como sinal de aliança entre mim e a terra. Quando eu cobrir de nuvens a terra, aparecerá o arco-íris nas nuvens. Então me lembrarei de minha aliança convosco e com todas as espécies de seres vivos, e as águas não se tornarão mais um dilúvio para destruir toda carne. Quando o arco-íris estiver nas nuvens, eu o contemplarei como recordação da aliança eterna entre Deus e todas as espécies de seres vivos sobre a terra. Deus disse a Noé: este é o sinal da aliança que estabeleço entre mim e toda a carne sobre a terra” (Gen. 9, 8-17).

A insistência repetitiva do Criador é que a aliança é com “toda a carne”. Inclui, mas ultrapassa o ser humano. Portanto, com toda a criação.

Finalmente, o Papa vai insistir que cada criatura vale em si mesma, não pelo valor utilitário que possa ter ao ser humano.

Assim, o ser humano passa a ser entendido como um ser que é natureza, que dela depende, mas que pode ser o seu coração, a sua inteligência, com a finalidade – mais uma vez – de a cultivar e guardar.

  1. Guinada teológica.

Sutilmente o Papa vai citar dois teólogos marginais dentro da história da Igreja: Duns Scoto (n. 11) e Teilhard de Chardin (n. 83, rodapé). As referências explícitas são mínimas – nominalmente outros são mais citados -, mas o espírito da encíclica está eivado do começo ao fim por essas teologias.

A teologia de Duns Scoto é a expressão máxima da teologia franciscana. Observando Francisco, sendo seu discípulo, Duns Scoto vai desenvolver sua teologia no primado do amor, não do pecado. Como tal, a valorização de toda a criação com todas as suas criaturas.

Sua afirmação central é que “Jesus viria mesmo sem o pecado humano”. Por detrás dessa afirmação está a ideia central que o prólogo do evangelho de João vai sintetizar, como Ele sendo o Alfa e o Ômega, princípio, meio e fim de toda criação. Ele é a ponte entre o Criador e a criação – sentido mais profundo de sacerdote -, ao mesmo tempo que eleva a humanidade à condição divina, Nele Deus se faz ser humano para sempre.

Quando acena a Teilhard de Chardin, na verdade legitima sua especulação da grande síntese, do projeto único que vai da criação à plenitude dos tempos, o “pleroma”. Enfim, não há dois projetos, não há duas cidades, mas um projeto único em processo que chegará à sua plenitude. É a superação do dualismo das “duas cidades” de Santo Agostinho.

Além do mais, o cristianismo do Papa Francisco é libertário, encarnado e tem como ponto de partida os mais pobres, entre eles a Mãe Terra.

  1. Guinada eclesiológica.

A guinada eclesiológica de Francisco já estava clara na encíclica “Evangelho da Alegria”, lançada pouco antes da “Louvado Sejas”.

Essa guinada eclesiológica retirou a Igreja da posição defensiva na qual andava, voltada para si mesma, tendo que defender-se de escândalos de várias ordens, muitas vezes frequentando páginas policiais, para uma agenda positiva da Igreja nesse século XXI.

Francisco vai insistir na Igreja servidora, que seja falha, que seja enlameada, mas a serviço da humanidade. Vai retomar a centralidade da misericórdia, não da condenação.

Agora, na “Louvado Sejas”, a Igreja sonhada por Francisco inclui a dimensão ecológica como expressão do cuidado. A Igreja, então, como servidora da humanidade e da criação.

  1. Leitura de época:

Com esses elementos ele insere a Igreja nos grandes desafios socioambientais do século XXI. Mais ainda, fala para dentro da Igreja e à toda a humanidade. Melhor ainda, é ouvido e respeitado por cientistas, autoridades, movimentos sociais, organizações não governamentais e autoridades ao redor do mundo. Passa a ser um grande líder da humanidade nesse momento da história, de transição de época. Torna-se um homem à altura de seu tempo e de seus desafios.

  1. Guinada na linguagem.

A linguagem do Papa em suas encíclicas é coloquial e pastoral, mas sem descurar da teologia e da espiritualidade.

No lançamento da “Louvado Sejas” em Brasília, uma pessoa da plateia fez – em outras palavras – a seguinte observação: “acho que fiquei mais inteligente esses dias. Eu lia os documentos da Igreja e nada entendia. Li a “Louvado Sejas” e acho que entendi tudo que o Papa quis dizer”.

Todos sabem que a experiência pastoral acumulada por Francisco é fundamental no seu comportamento como Papa, mas também no seu modo de falar e escrever.

Seus textos são belos, vivenciais, carregados de vitalidade e até poéticos, sem perder profecia e contundência. Só pela linguagem, seus documentos já são diferentes de todos os demais, parecem com os próprios evangelhos, diferentes da linguagem mais conceitual e abstrata dos documentos oficiais da Igreja.

  1. Metodologia: Ver, Julgar, Agir, Celebrar

A encíclica segue a metodologia do Ver, Julgar e Agir, porém, acrescenta a dimensão celebrativa. Além do mais, seu ver não é puramente sociológico, mas já traz consigo um “olhar bíblico-teológico”, isto é, tenta ver a realidade com os “olhos de Deus”. Portanto, um ver posicionado. E para Francisco o olhar de Deus tem lugar e preferência, isto é, os mais pobres, excluídos, marginalizados em todas as suas periferias, como a econômica, política, social e existencial.

  1. Documento de longo prazo.

Esse é um documento pioneiro cujo espírito vai perdurar por muito tempo. Claro que terá que sofrer adaptações conforme as circunstâncias forem mudando, mas seu espírito fundamental vai permanecer.

Teremos, sim, que responder às urgências de nosso tempo, mas esse é um documento que estará com os cristãos e a humanidade enquanto perdurar essa mudança de época.

Comente aqui


Louvado Seja é o título da primeira encíclica do Papa Francisco

 

Encíclica do Papa receberá o nome ‘Laudato sii’

Encíclica do Papa receberá o nome ‘Laudato sii’

Frase de São Francisco significa “Louvado seja” em Latim

A primeira encíclica exclusiva do papa Francisco, que tratará de meio ambiente e desnutrição, deverá ter como título a frase “Laudato sii” (“Louvado seja”, em português).

“Laudato sii” é a frase inicial do Cântico das Criaturas, de São Francisco de Assis, tido como o texto mais antigo da literatura italiana. Vale lembrar que o santo patrono dos animais e do meio ambiente serviu de inspiração para Jorge Bergoglio escolher seu nome de Pontífice.

O Papa trabalhou durante meses na encíclica, que deve ser divulgada em junho, e chegou até a pedir ajuda ao teólogo brasileiro Leonardo Boff, que enviara a ele dois pacotes de materiais sobre o seu tema.

Esse será o primeiro documento do tipo – considerado o mais importante texto escrito pelo líder da Igreja Católica – feito inteiramente por Francisco. A encíclica “Lumen Fidei”, publicada em junho de 2013, havia sido iniciada por Bento XVI e foi finalizada pelo argentino.

Fonte: Catholicus
Comente aqui